Abrir menu principal
Mario Draghi
Mario Draghi
3.º Presidente do Banco Central Europeu
Período 1 de novembro de 2011 - presente
Antecessor Jean-Claude Trichet
Dados pessoais
Nascimento 3 de setembro de 1947 (71 anos)
Roma, Itália Itália
Alma mater
Cônjuge Serena Draghi
Filhos 2
Profissão Economista
Assinatura Assinatura de Mario Draghi
Website Site Oficial

Mario Draghi OMRI (Roma, 3 de setembro de 1947) é um banqueiro e economista italiano que foi governador do Banco da Itália de 2006 a 2011, sendo o atual presidente do Banco Central Europeu.

Na função, é membro dos Conselhos Directivos e Geral do Banco Central Europeu em Frankfurt, membro do Conselho de Administração do Banco de Compensações Internacionais em Basileia e representa a Itália nos Conselhos do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento e do Banco Asiático de Desenvolvimento. Em abril de 2006 foi eleito presidente do Fórum de Estabilidade Financeira (que se tornou Conselho de Estabilidade Financeira em 2009) e em 2011 tomou posse como presidente do Banco Central Europeu.

Índice

BiografiaEditar

Draghi graduou na Universidade de Roma "La Sapienza"[1], em seguida, obteve um doutorado em economia pelo Massachusetts Institute of Technology, em 1976, sob a supervisão do laureado Nobel Franco Modigliani e Robert Solow. Foi professor titular da Universidade de Florença, de 1981 até 1991.

De 1984 a 1990 foi Director Executivo do Banco Mundial.

Em 1991, tornou-se director-geral do Tesouro italiano, e realizou este cargo até 2001. Durante seu tempo no Tesouro, ele presidiu o comité que revisou a legislação societária e financeira italiana e elaborou a lei que regula os mercados financeiros italianos. Ele também é um antigo membro do conselho de vários bancos e empresas, como Ente Nazionale Idrocarburi (ENI), o IRI (Instituto para a Reconstrução Industrial), Banca Nazionale del Lavoro (BNL) e Sanpaolo IMI.

Ele foi, então vice-presidente e director executivo da Goldman Sachs[2] e membro da comissão de gestão na empresa (2002-2005).

Ele é um administrador do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de Princeton, e também da Brookings Institution, em Washington, D.C. Ele tem sido um companheiro do Instituto de Política na John F. Kennedy School of Government (Harvard University).

Presidência do BCEEditar

Draghi foi frequentemente mencionado como um potencial sucessor de Jean-Claude Trichet,[3] cujo mandato como presidente do Banco Central Europeu acaba Outubro de 2011. Então, em Janeiro de 2011, o jornal semanal alemão Die Zeit relatado, com referência à política de alto escalão decisores na Alemanha e França, que é "improvável" que Draghi vá ser escolhido como sucessor de Trichet.[4] No entanto, em Fevereiro de 2011 a situação se tornou ainda mais complicada do que complicou quando o principal candidato alemão foi relatado para já não ser interessado nesta posição. Em 13 de Fevereiro de 2011 Wolfgang Münchau, editor associado do Financial Times, endossou Draghi como o melhor candidato para o cargo acima referido.[5]

Em 17 de maio de 2011 o Conselho da União Europeia - ECOFIN aprovou uma recomendação sobre a nomeação de Mario Draghi como presidente do BCE[6]. Em 24 de junho de 2011 os líderes da zona do euro nomearam Mario Draghi para ser o próximo presidente do Banco Central Europeu (BCE).[7][8][9]

Em 10 de maio de 2016, Draghi provocou uma onda de conversar a respeito da concepção de "helicopter money" após declarar em conferência que acha o conceito muito interessante[10]:

Nós ainda não analisamos ou falamos sobre helicopter money. É um conceito muito interessante que está sendo discutido por economistas acadêmicos em vários ambientes. Nós ainda não estudamos, de fato, o conceito. Prima facie, esse tema claramente envolve complexidades, tanto em termos contábeis como em termos legais, para a nossa visão. Analisando-se o termo helicopter money, podemos denotar significados diferentes, então ainda precisamos adereçar essa questão.

Prêmios e homenagensEditar

  Cavaleiro-Grã-Cruz da Ordem do Mérito da República Italiana – premiado em 5 de Abril de 2000
  • 2009 - Distinção honorária em Estatística (Universidade de Pádua)
  • 2010 - Mestre honorário em Administração de Empresas (Vicenza, fundação CUOA)

ReferênciasEditar

Ligações externasEditar