Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura Mestre-sala, figura do carnaval, veja Mestre-sala e porta-bandeira.

O cargo de Mestre-sala ou Mestre de sala designa uma função aristocrática que existiu no Reino de Portugal e nos restantes reinos europeus, vinculada à supervisão de cerimónias da monarquia.

O oficial na Casa real que dirigia o cerimonial nas recepções do Paço Real e noutros actos solenes[1]. Corresponderia hoje ao lugar protocolar de Chefe do Protocolo, um mestre-de-cerimónias[2] ao serviço da Casa da Presidência da República mais o do Corpo diplomático do país correspondente.

Índice

HistóriaEditar

Recuando no tempo, percebemos que podemos encontrar a sua actividade no senescal e que eram vários os reis que designavam um nobre, da sua máxima e especial confiança, que geralmente continuava nas gerações seguintes, para ocupar permanentemente e vitaliciamente essa função que tinha como principal o de organizar os encontros reais mais importantes assim como o de conduzir e manter a disciplina em todas as cerimónias importantes do reino.

Descreve António de Oliveira Freire, em 1755, "Mestre de sala conduz nos coches delRey os Embaixadores, e dá ordem às ceremonias, e cortezias, que devem observar". E acrescenta "Assiste em pé no meio da sala das audiencias, quando ElRey a dá, repreende e castiga os meninos Fidalgos quando acha que o merecem, detém outras muitas preeminencias na Casa Real".[3] Entre elas refere Bautista de Castro que, nas grandes festas, o mestre-sala entrava à frente dos criados que vinham servir "as iguarias".[4]

Em Portugal a família Almada, obteve-o durante seis gerações, de pai para filho, a começar com Lourenço de Almada no final do séc. XVII até acabar no 3.º conde de Almada no século XIX. Mas, mesmo nessa época esse cargo e título, como oficial no reino de Portugal, continuou a subsistir e muito antes já ele existia. Dos quais Egas Coelho e Diogo Álvares Pais que foram mestre sala de D. João I[5] e Luís Álvares Pais, senhor da terra de Teixeira no concelho do Porto, no tempo de El-Rei D. Afonso V de Portugal, é apenas um exemplo.[6]

Lista de Mestres de Sala de PortugalEditar

Referências

  1. mestre-sala", Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, 2008-2013, (consultado em 13-01-2014).
  2. mestre-sala, infopedia.pt
  3. Antonio de Oliveira Freire, Descripçam corografica do reyno de Portugal: que contém huma exacta relaçam de suas provincias ..., Officina da Bernardo Antonio de Oliveira, 1755, p. 85
  4. João Bautista de Castro, Mappa de Portugal Antigo e Moderno, Officina Patriarcal Francisco Luiz Ameno, 1762, tomo I parte I e II
  5. "Brasões da Sala de Sintra", Anselmo Braancamp Freire, Livro terceiro, Coimbra, 1921, pág.s 79 e 197
  6. Humberto Baquero Moreno, A Batalha de Alfarrobeira: antecedentes e significado histórico, Volume 2, UC Biblioteca Geral, Coimbra, 1979, p.524
  7. «A Anrrique de Melo, fidalgo da casa real e mestre sala do príncipe, tença anual de 10 moios de trigo, a partir do primeiro dia de junho de 1517, Chancelaria de D. Manuel I, liv. 10, fl. 77v, ANTT». Consultado em 13 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2014 
  8. O Cerimonial na Construção do Estado Moderno, Portugal no concerto europeu (1640-1704), João Camilo Costa, Mestrado em História, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Departamento de História, 2013,, pág. 55, fonte: D. António Caetano de Sousa, .., vol. VII, p. 82.
  9. Alarcão (D. João Soares de), Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico, Volume I, pág. 118, Edição em papel dde 1904-1915 João Romano Torres - Editor, Edição electrónica de 2000-2012 Manuel Amaral
  10. Alarcão e Melo (D. João Soares), Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico, Volume I, pág. 118, Edição em papel de 1904-1915 João Romano Torres - Editor , Edição electrónica de 2000-2012 Manuel Amaral
  11. [https://web.archive.org/web/20140114214111/http://digitarq.dgarq.gov.pt/details?id=1855128 Arquivado em 14 de janeiro de 2014, no Wayback Machine. [(D) Marcos de Noronha, Registo Geral de Mercês, Mercês de D. Pedro II, liv. 2, f.100]
  12. «António de Saldanha Oliveira Zuzarte Figueira e Sousa, Registo Geral de Mercês de D. Luís I, liv. 1, f. 244v, ANTT». Consultado em 13 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2014 

Ver tambémEditar