Abrir menu principal

Mílton da Cunha Mendonça

futebolista brasileiro
(Redirecionado de Milton da Cunha Mendonça)
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Dezembro de 2008). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Milton da Cunha Mendonça, mais conhecido apenas como Mendonça (Rio de Janeiro, 23 de maio de 1956 - 5 de julho de 2019), foi um futebolista brasileiro que atuava como meio-campista.

Mendonça
Informações pessoais
Nome completo Milton da Cunha Mendonça
Data de nasc. 23 de maio de 1956
Local de nasc. Rio de Janeiro (RJ), Brasil
Nacionalidade Brasileiro
Falecido em 5 de julho de 2019 (63 anos)
Altura 1,77 m
canhoto
Apelido Mendonça
Informações profissionais
Período em atividade 1975–1996 (21 anos)
Posição Meio-campista
Clubes de juventude
1968–1969
1969–1974
Bangu
Botafogo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1975–1982
1983–1985
1985–1987
1987
1988–1989
1989
1989–1990
1991
1991
1992
1993
1994
1995–1996
Botafogo
Portuguesa
Palmeiras
Santos
Internacional de Limeira
Bangu
Al-Sadd
São Bento
Grêmio
Internacional-SM
Fortaleza
América-RN
Barra Mansa
342 000(118)
000
106 000(19)
110 000(28)
000
000
000
000
000
000
000
000
33 000(13)
Seleção nacional
1982–1983 Brasil 02 000(0)[1]

Um dos maiores ídolos do Botafogo, brilhou com a camisa do alvinegro nas décadas de 1970 e 1980. Também teve passagens também por clubes como Palmeiras, Santos e Grêmio.

Faleceu no dia 5 de julho de 2019, aos 63 anos de idade.[2]

História e carreiraEditar

Nascido no dia 23 de maio de 1956 no Rio de Janeiro (RJ), Mendonça é filho de um ex-zagueiro do Bangu, também conhecido como Mendonça, que atuou no clube na década de 1950.

Carioca do bairro de Bangu, Milton da Cunha Mendonça iniciou sua carreira no dente de leite do Bangu A.C. aos doze anos de idade, transferindo-se em seguida para o Botafogo de Futebol e Regatas, pelo qual sagrou-se campeão em 1973 do Torneio Mundial de Cadets em Croix na França. No clube de General Severiano, Mendonça acompanhou mais como fã do que como colega de trabalho uma geração vitoriosa comandada por craques como Gérson e Jairzinho, ícones da campanha do tricampeonato da Seleção Brasileira em 1970. Em 1975 ganhou sua primeira chance no "time de cima" do Glorioso e não perdeu mais a posição por sete anos seguidos. Jogou no profissional do Botafogo de 1975 a 1982. Pelo alvinegro carioca, marcou 118 gols em 342 partidas. Estava em campo na final do Torneio Início do Rio de Janeiro em 1977, vencido pelo Botafogo, o qual podemos considerar como o único título oficial conquistado no período em que esteve no alvinegro, pois atuou pelo clube no famoso jejum de títulos que durou 21 anos (de 1968 a 1989).

O gol mais marcante da carreira de Mendonça foi contra o Flamengo em 1981, quando o rubro-negro foi eliminado pelo Botafogo para a disputa das quartas de final do Campeonato Brasileiro. No lance que mais tarde foi apelidado de "Baila Comigo", Mendonça deu dois lindos e desconcertantes dribles em Júnior, passando pelo mesmo e colocando a bola forte, a meia altura, sem chances para o goleiro Raul Plassmann. O gol mereceu uma placa no Maracanã, que posteriormente foi retirada (não se sabe o motivo).

Após a saída do Botafogo, foi atuar na Associação Portuguesa de Desportos de 1983 a 1985, transferindo-se para a Sociedade Esportiva Palmeiras de 1985 a 1987. Pelo alviverde paulista marcou 19 gols em 106 partidas. Em 1986, estava em campo na decisão histórica quando o Palmeiras perdeu a final do Paulistão para a Internacional de Limeira. Posteriormente defendeu o Santos, Al Saad, Grêmio, Inter de Limeira e São Bento, retornando em 1990 ao Bangu Atlético Clube.

Em 2008 Mendonça teve duas significativas homenagens, tendo a SUDERJ imortalizado seus pés na Calçada da Fama do Maracanã no dia 24 de fevereiro, e o Botafogo lançado em 12 de agosto a camisa retrô do craque.

Mendonça faleceu no dia 5 de julho de 2019, aos 63 anos de idade, devido ao mau funcionamento do fígado e dos rins, entrando assim em choque séptico.[3]

CuriosidadesEditar

  • É o maior artilheiro de Marechal Hermes.

Referências

   Este artigo sobre um futebolista brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.