Abrir menu principal

Wikipédia β

Ministério de Jesus

O Sermão da Montanha, um dos mais importantes momentos do Ministério de Jesus.
Final do século XVIII. Por Franz Xaver Kirchebner, em Ortisei, Itália.

O Ministério de Jesus, chamado também de vida pública de Jesus, começa, segundo os evangelhos canônicos, com o seu batismo na região rural da Judeia romana, perto do rio Jordão, e termina em Jerusalém depois de sua última ceia com seus discípulos[1]. O Evangelho de Lucas (Lucas 3:23) afirma que Jesus "tinha cerca de trinta anos" na época que começou seu ministério[2][3]. Uma cronologia de Jesus tipicamente data este evento entre 27 e 29 e o final do ministério entre 30 e 36[2][3][4].

O "Primeiro ministério na Galileia" inicia quando, logo depois do batismo, Jesus volta para a Galileia depois de passar quarenta dias no deserto da Judeia[5]. Neste período inicial, pregou e recrutou seus primeiros discípulos, que começaram a viajar com ele e futuramente formariam o núcleo da Igreja antiga[1][6], pois acredita-se que, depois de sua morte, os apóstolos se dispersaram para fundar as primeiras sés apostólicas. O "Grande ministério na Galileia", que começa em Mateus 8, inclui o convite aos "Doze Apóstolos" e cobre o maior período do ministério de Jesus na região[7][8]. O "Último ministério da Galileia" começou depois da morte de João Batista, quando Jesus se prepara para ir a Jerusalém[9][10].

No período conhecido como "Ministério final na Judeia", Jesus inicia sua derradeira jornada a Jerusalém atravessando a Judeia[11][12][13][14]. Conforme se aproxima da cidade, no "Ministério final na Pereia", depois de cerca de um terço do caminho a partir do Mar da Galileia (que era um lago de água doce) ao longo do Jordão, Jesus retorna ao local onde foi batizado[15][16][17].

O "Ministério final em Jerusalém" é por vezes chamado de "Semana da Paixão" e começa com a Entrada triunfal em Jerusalém[18]. Este é o período de seu ministério que recebeu maior atenção nos evangelhos, ocupando quase um terço do texto todo[19].

Índice

Visão geralEditar

 Ver artigo principal: Cronologia de Jesus

Os relatos nos evangelhos localizam o início do ministério de Jesus na zona rural da Judeia romana, perto do rio Jordão[1]. Eles também apresentam o ministério de João Batista como sendo precursor do ministério de Jesus, que começa quando este foi batizado por aquele. O ministério em sia é um período de viagens, pregações e muitos milagres[1][20][21]. O fim do período é tradicionalmente marcado pela Última Ceia[1][20]. Porém, alguns autores também consideram o período entre a Ressurreição e a Ascensão como parte do ministério[22].

Lucas 3:23 afirma que Jesus "tinha cerca de trinta anos" quando começou seu ministério[2][3] e existem diferentes abordagens para tentar estimar a data correta do evento[2][23][24][25]. A primeira se baseia na combinação das informações do Evangelho de Lucas com dados históricos sobre o imperador romano Tibério, o que fornece uma data por volta de 28 ou 29. Uma segunda se baseia na combinação de informações do relato de Evangelho de João com informações históricas de Flávio Josefo sobre o Templo de Jerusalém e leva à uma data entre 27 e 29[nota 1]

No Novo Testamento, a data da Última Ceia é bem próxima da data da crucificação de Jesus (daí seu nome). Estimativas acadêmicas para a data da crucificação geralmente localizam o evento no período entre 30 e 36[29][30].

Os três evangelhos sinóticos fazem referência a apenas uma Páscoa judaica durante o Ministério, enquanto que o Evangelho de João sugere que foram três, sugerindo um período de cerca de três anos[20][31]. Porém, os relatos sinóticos não exigem que a duração tenha sido de apenas um ano e estudiosos como Köstenberger afirmam que o Evangelho de João simplesmente provê um relato mais detalhado[20][21][32].

Durante o Ministério, o tetrarca que governava a Galileia e a Pereia era Herodes Antipas, que obteve a posição depois da divisão dos territórios de seu pai, Herodes, o Grande, em 4 a.C.[33].

Batismo e primeiros anos de ministérioEditar

O Batismo de Jesus por João Batista é considerado o marco inicial de seu ministério[1][20][21].

Em seu sermão em Atos 10:37-38, proferido na casa de Cornélio, o Centurião, Pedro dá uma visão geral do Ministério de Jesus e faz referência ao que aconteceu "por toda a Judeia, começando desde a Galileia, depois do batismo que pregou João" e afirma que "Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e poder, o qual andou por toda a parte, fazendo o bem e sarando a todos os oprimidos do Diabo"[34].

João 1:28 especifica a local dos batismos de João como sendo "em Betânia além do Jordão"[35][36]. Este local não é a vila de Betânia, a leste de Jerusalém, mas a cidade de Betânia, chamada também Betabara, na Pereia[36], uma província na margem oriental do Jordão através da porção sul da Samaria, e, embora o Novo Testamento não mencione a Pereia pelo nome, João 3:23 implicitamente faz referência ao local novamente quando afirma que João estava batizando em "Enom perto de Salim, porque havia ali muitas águas"[35][36]. O historiador do século I Flávio Josefo escreveu em sua "Antiguidades Judaicas"[37] que João foi preso e assassinado em Maquero, na fronteira da Pereia[38][39].

Lucas 3:23 e Lucas 4:1 indicam possíveis atividades de Jesus perto do rio Jordão na época de seu batismo, o que é corroborado pelo relato de seu encontro com os discípulos de João Batista em João 1:35-37, no qual "os dois discípulos, ouvindo dizer isto, seguiram a Jesus"[40][41][42]. Assumindo que existiram dois incidentes no qual Jesus purificou o Templo, uma possível referência às primeiras pregações na Judeia pode ser João 2:13-25[43][44][45].

Ministério na GalileiaEditar

 
Mapa da Palestina no século I

Primeiro ministério na GalileiaEditar

O "Primeiro ministério na Galileia" começa quando Jesus volta para a Galileia vindo do deserto da Judeia depois de resistir às tentações do diabo[5]. Nestes primeiros anos, Jesus pregou na região e, em Mateus 4:18-20, seus primeiros discípulos o encontram e começam a viajar com ele[1][6].

O Evangelho de João inclui ainda o evento das Bodas de Caná como o primeiro milagre neste período[46][47], mas não se sabe ao certo qual das vilas da Galileia (como Kafr Kanna) corresponde à bíblica Caná[48][49].

O retorno de Jesus à Galileia acontece logo depois da prisão de João Batista[50]. As primeiras pregações de Jesus resultam na sua rejeição em sua cidade natal quando, em Lucas 4:23, Jesus diz em uma sinagoga que "nenhum profeta é aceito na sua terra" e a população local o expulsa.

Nesta época, a reputação de Jesus começa a se espalhar pela Galileia. Em Marcos 1:21-28 e em Lucas 4:31-37, Jesus segue para Cafarnaum, onde o povo "admirava-se do seu ensino, porque ele os ensinava como quem tinha autoridade", Jesus exorciza numa sinagoga e cura a sogra de Pedro[51][52].

Lucas 5:1-11 relata a primeira pesca milagrosa, durante a qual Jesus diz a Pedro que "de ora em diante serás pescador de homens". Pedro abandona sua rede e, junto com Tiago e João, os filhos de Zebedeu, passa a segui-lo daí em diante[53][54][55].

Foi também nesta época que Jesus proferiu um famoso "Sermão da Montanha", um dos grandes discursos de Jesus em Mateus, e o "Sermão da Planície", em Lucas[6][56]. O primeiro, que cobre os capítulos 5, 6, 7 do Evangelho de Mateus é o primeiro dos cinco discursos de Mateus e o mais longo trecho ininterrupto de uma doutrina de Jesus no Novo Testamento[56], encapsulando muitos de seus ensinamentos morais, além das famosas "Bem-aventuranças" e a mais famosa oração cristã, o "Pai Nosso"[56][57].

As "Bem-aventuranças" são oito bençãos e quatro delas aparecem também no Sermão da Planície no Evangelho de Lucas, no qual são seguidas por quatro lamentos que espelham as bençãos[58]. Elas representam os mais elevados ideais da doutrina de Jesus sobre a misericórdia, a espiritualidade e a compaixão[58][59].

Grande ministério na GalileiaEditar

O "Grande ministério na Galileia" começa em Mateus 8, depois do Sermão da Montanha, e abrange todas as atividades de Jesus até a morte de João Batista[7][8].

No princípio deste período está o episódio do Servo do centurião (Mateus 8:5-13) e Jesus acalmando a tempestade (Mateus 8:23-27), ambos tratando de fé e medo. Quando o centurião demonstra sua fé ao pedir uma "cura à distância", Jesus o elogia por sua fé excepcional[60]. Por outro lado, quando seus próprios discípulos demonstram medo durante uma tempestade no Mar da Galileia, Jesus os instrui a demonstrarem mais fé e ordena que a tempestade se acalme[61][62].

Neste período, Jesus ainda estava reunindo seus doze apóstolos e, em Mateus 9:9, ocorre o Chamado de Mateus[63]. Os conflitos e críticas mútuas de Jesus e os fariseus vão se exacerbando, por exemplo quando estes criticam Jesus por se associar com «publicanos e pecadores» (Mateus 9:11), ao que ele responde: «Os sãos não precisam de médico, mas sim os enfermos....não vim chamar os justos, mas os pecadores.» (Mateus 9:13-14).

O Convite aos doze relata a seleção inicial dos doze apóstolos entre os discípulos de Jesus[64][65]. Jesus segue para o sopé de uma montanha para rezar e, depois de passar a noite em oração a Deus, chama os discípulos pela manhã e escolhe doze dentre eles[66].

No Discurso da Missão, Jesus instrui os doze, listados em Mateus 10:2-3, a não levarem nenhum pertence quando viajarem de cidade em cidade para pregar[7][8]. Em outro evento, Lucas 10:1-24 relaciona os Setenta discípulos, que foram enviados aos pares com o "mandato missionário" à frente de Jesus para as vilas da região antecipando sua chegada[67].

Em Mateus 11:2-6, dois mensageiros de João Batista chegam para perguntar a Jesus se ele é o esperado Messias ou, nas palavras deles, "é outro o que devemos esperar?"[68]. Jesus responde: "Ide contar a João o que estais ouvindo e observando: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos ficam limpos, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, aos pobres anuncia-se-lhes o Evangelho; e bem-aventurado aquele que não achar em mim motivo de tropeço"[69]. Depois disto, Jesus começa a falar para o povo sobre "o Batista" ("aquele que batiza")[70].

Este período é também rico em parábolas e ensinamentos, incluindo o "Discurso das Parábolas", no qual estão diversas parábolas sobre o Reino de Deus, começando em Mateus 13:1[71][72]. Entre elas estão a O Semeador, O Joio e o Trigo, O Grão de Mostarda e O Fermento, endereçadas aos discípulos e à multidão que o ouvia, e também O Tesouro Escondido, A Pérola e A Rede, contadas somente aos discípulos[72].

Último ministério na GalileiaEditar

 
Morte de João Batista
1905. Por Albino Pitscheider, na Igreja de São Ulrico em Ortisei, Itália.

O "Último ministério na Galileia" começa depois da morte de João Batista e inclui a multiplicação dos pães e peixes e Jesus andando sobre as águas, ambos em Mateus 14[9][10]. Depois de saber da morte de João, Jesus se retira de barco para um local isolado perto de Betsaida, onde prega para a multidão que o seguiu a pé, vinda das cidades próximas, e alimenta o povo todo multiplicando «cinco pães e dois peixes» (Mateus 14:17)[73].

Depois disto, Jesus anda sobre as águas e os evangelhos (Mateus 14:22-23, Marcos 6:45-52 e João 6:16-21) apresentam o episódio como um passo importante no desenvolvimento da relação entre Jesus e seus discípulos[74] ao enfatizar a importância da fé: Pedro só afundou em sua tentativa de alcançar Jesus pelas águas quando duvidou e teve medo. No final do episódio, os discípulos demonstraram uma fé reforçada dizendo: «Verdadeiramente és Filho de Deus.» (Mateus 14:33)[75].

Entre os grandes ensinamentos deste período estão o Discurso sobre a contaminação em Mateus 15:1-20 e Marcos 7:1-23, no qual, respondendo a uma reclamação dos fariseus, Jesus afirma que "não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, é isso o que o contamina."[76].

Depois disto, Jesus se recua para «os lados de Tiro e de Sidom» (Mateus 15:21), perto do Mar Mediterrâneo, onde cura a filha de uma canaanita (Mateus 15:21-28 e Marcos 7:24-30)[77]. Este episódio é um exemplo de como Jesus enfatiza o valor da fé, dizendo à mulher: «Ó mulher, grande é a tua fé! faça-se contigo como queres.» (Mateus 15:28)[77]. A importância da fé é enfatizada novamente na cura dos dez leprosos em Lucas 17:11-19[78][79].

No Evangelho de Marcos, depois de passar por Sidom, Jesus entra na região da Decápole, um grupo de dez cidades no sudeste da Galileia, onde realiza o milagre da cura do surdo-mudo (Marcos 7:31-37). Depois desta cura, os discípulos dizem «Ele tudo tem feito bem, faz até os surdos ouvir e os mudos falar» (Marcos 31:37), confirmando a promessa feita a João Batista. Este episódio é o último numa série de milagres que culmina com a proclamação de Pedro de que Jesus é o Cristo em Marcos 8:29[80].

Da Judeia e Pereia até JerusalémEditar

Ministério final na JudeiaEditar

Neste período, Jesus começa sua jornada final até Jerusalém contornando a Samaria, passando pela Pereia e atravessando a Judeia até chegar em Jerusalém. Logo no começo, Jesus profetiza sua morte pela primeira vez e esta profecia se repetirá mais duas vezes, a última pouco antes de sua chegada derradeira à capital, na semana de sua crucificação[81][82]. Em Marcos 8:31-33, Jesus ensina aos discípulos que "era necessário que o Filho do homem padecesse muitas coisas, que fosse rejeitado pelos anciãos, pelos principais sacerdotes e pelos escribas, que fosse morto e que depois de três dias ressuscitasse"[83].

Mais adiante, mais ou menos na metade de cada um dos três evangelhos sinóticos, dois episódios inter-relacionados sinalizam um ponto de inflexão no ministério de Jesus: a Confissão de Pedro e a Transfiguração[11][12][13][14]. Estes episódios ocorrem em Cesareia de Filipe, ao norte do Mar da Galileia, no começo da viagem para Jerusalém[84] e marcam o início da gradual revelação da real identidade de Jesus como Cristo (Messias) aos seus discípulos e a preparação deles para seu sofrimento e morte na Paixão[11][12][84][85][86].

A Confissão de Pedro começa como um diálogo entre Jesus e seus discípulos. Jesus pergunta: «Quem dizem os homens que sou eu?» (Marcos 8:27). Depois de variadas respostas, Simão Pedro afirma categoricamente: «Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.» (Mateus 16:16)[84][87][88]. Jesus então abençoa Pedro por sua resposta e diz: «não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai que está nos céus» (Mateus 16:17). Ao abençoar Pedro, Jesus não apenas aceita os títulos de "Cristo" e "Filho de Deus", que ele lhe atribuiu, mas declara a proclamação como revelação divina ao afirmar que seu Pai no Céu revelou-lhe a verdade[89][90].

No Evangelho de Mateus, logo depois deste episódio, Jesus também seleciona Pedro como líder dos apóstolos e afirma que «sobre esta pedra edificarei a minha igreja» (Mateus 16:18)[33]. O termo "igreja" (em grego: ekklesia) aparece apenas uma vez mais nos evangelhos, em Mateus 18:17, numa referência à comunidade dos fieis da época[91].

Último ministério da PereiaEditar

Depois da proclamação de Pedro, o relato da Transfiguração de Jesus é o próximo grande evento e aparece em Mateus 17:1-9, Marcos 9:2-8 e Lucas 9:28-36[12][85][86][86]. Jesus leva Pedro e os dois irmãos Zebedeu, Tiago e João, ao cume de uma montanha de nome não revelado. Uma vez lá, Mateus afirma que Jesus foi «foi transfigurado diante deles; o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz» (Mateus 17:2). Neste ponto, os profetas Elias e Moisés apareceram e Jesus começou a conversar com eles[85]. Lucas afirma que os apóstolos «viram a sua glória» (Lucas 9:32)[92]. Uma nuvem brilhante então os envolveu e dela saiu uma voz dizendo: «Este é o meu Filho, o meu escolhido, ouvi-o» (Lucas 9:35)[85].

A Transfiguração não apenas suporta a revelação de Jesus como Filho de Deus (como aconteceu no seu Batismo), mas o pedido para que ele seja ouvido o identifica como mensageiro e a voz de Deus[93]. A importância do evento foi reforçada pela presença de Elias e Moisés, pois indica aos apóstolos que Jesus é a voz de Deus e, ao invés dos dois antigos profetas, ele é que deve ser ouvido por conta de sua relação filial com Deus[93]. II Pedro 1:16-18 ecoa a mesma mensagem: na Transfiguração, Deus atribui a Jesus uma "honra e glória" especial e este é o ponto de virada a partir do qual Deus exalta Jesus acima de todos os demais poderes na criação[94].

Muitos dos episódios deste período são baseados no relato de Lucas, mas, de forma geral, esta sequência de episódios como relatada por ele não contém informações geográficas suficientes para determinar a Pereia, embora os acadêmicos geralmente assumam que a rota seguida por Jesus para chegar a Jerusalém vindo da Galileia tenha atravessado a região[17]. Porém, o Evangelho de João afirma que ele retornou para a região na qual foi batizado e João 10:40-42 afirma que "retirou-se outra vez para além do Jordão" e que "tudo quanto ele disse deste homem, era verdade"[15][16][17]. O local do batismo de Jesus pode ser inferido como sendo a vizinhança da Pereia[35][36].

Este período inclui o Discurso sobre a Igreja, no qual Jesus antecipa a futura comunidade de seguidores e explica o papel dos apóstolos em sua liderança[71][95]. É nele que estão as parábolas da Ovelha Perdida e do Credor Incompassivo (Mateus 18), que também fazem referência ao Reino do Céu[95][96]. Endereçando seus apóstolos, Jesus afirma que «tudo o que ligardes sobre a terra, será ligado no céu; e tudo o que desligardes sobre a terra, será desligado no céu» (Mateus 18:18). Finalmente, o discurso enfatiza a importância da humildade e do auto-sacrifício como as mais elevadas virtudes desta futura comunidade[95][96].

No final do período, o Evangelho de João inclui a Ressurreição de Lázaro, no qual Jesus traz Lázaro da Betânia de volta à vida depois de quatro dias morto e enterrado[18]. Este episódio é o clímax dos "sete sinais" que gradualmente vão confirmando a identidade de Jesus como Filho de Deus e o esperado Messias[97]. É ainda o episódio que inicia a sequência de eventos que leva as multidões a buscarem Jesus e a o exaltarem em sua Entrada triunfal em Jerusalém. Porém, o sucesso de Jesus também convence Caifás e o Sinédrio que Jesus precisava ser morto[98].

Ministério final em JerusalémEditar

O "Ministério final em Jerusalém" é tradicionalmente chamado de Paixão e começa com a Entrada triunfal em Jerusalém no início da semana e inclui a Última Ceia, um período que é liturgicamente demarcado pela Semana Santa[18][99][100][101][102]. Os evangelhos dedicam especial atenção ao relato da última semana de vida de Jesus em Jerusalém e esta narrativa abrange cerca de um terço de todo o texto dos quatro evangelhos, demonstrando sua importância teológica para o pensamento do cristianismo primitivo[19][103].

Antes de chegar em Jerusalém (João 12:9-11), depois de ressuscitar Lázaro dos mortos, multidões se juntam à volta de Jesus e acreditam nele. No dia seguinte, esta multidão, que se reunira para uma festa em Jerusalém, recebe Jesus festivamente quando ele desce do Monte das Oliveiras seguindo para a capital [99][100][101][104]. Em Lucas 19:41-44, conforme Jesus se aproxima de Jerusalém, ele olha para a cidade e chora por ela, profetizando o sofrimento que a aguarda[99][101][105].

Nos evangelhos sinóticos, à Entrada triunfal se segue ao episódio da Purificação do Templo, na qual Jesus expulsa os cambistas do Templo, acusando-os de tornar o santuário num covil de ladrões por suas atividades comerciais. Este é o único relato de Jesus utilizando a força física em todos os evangelhos[45][106][107]. Os evangelhos sinóticos incluem ainda diversas parábolas e sermões muito famosos, como O Tostão da Viúva e a profecia da Segunda Vinda nesta semana[99][100].

Neste período, os evangelhos sinóticos também narram os conflitos entre Jesus e os anciãos dos judeus em episódios como a Autoridade de Jesus questionada e os Lamentos dos fariseus, no qual Jesus critica sua hipocrisia[99][100]. Judas Iscariotes, um dos doze, se aproxima dos anciãos e negocia a rendição de Jesus, aceitando traí-lo por trinta moedas de prata[108][109] segundo Mateus[108].

Em Mateus 24, Marcos 13 e Lucas 21, Jesus profere o "Discurso sobre o Fim dos Tempos", conhecido também como "Discurso Olivet", pois se deu no Monte das Oliveiras[71], uma lição principalmente sobre julgamentos e a conduta esperada dos seguidores de Jesus, além da necessidade de vigilância por estes seguidores na expectativa do julgamento que virá[110]. Este discurso é geralmente visto como uma referência tanto à vindoura destruição do Templo de Jerusalém quanto ao fim dos tempos e à Segunda Vinda de Cristo, mas as muitas e variadas opiniões acadêmicas sobre que versículo se refere a qual evento ainda estão dividadas[96][110].

Um episódio chave na parte final do Ministério de Jesus é a Última Ceia, que inclui a instituição da Eucaristia. Em I Coríntios 11:23-26, Paulo faz uma referência ao evento[111][112][113]. Nos capítulos 14, 15, 16 e 17 do Evangelho de João, Jesus encerra a ceia com um longo sermão conhecido como Discurso de Adeus, que prepara os discípulos para a partida de Jesus[114][115]

Ver tambémEditar

NotasEditar

  1. O "Eerdmans Dictionary of the Bible" afirma que Jesus começou seu ministério "ca 28 AD" com "ca de 31 [anos de idade]"[23]. Em Chronos, kairos, Christos: Paul L. Maier espeficicamente afirma que considera a data da visita ao Templo em João como sendo "por volta de 29 AD/CE" utilizando diversos fatores que sumariza numa tabela cronológica. Esta tabela considera 28 AD/CE como sendo o 32º aniversário de Jesus e num artigo, o próprio Paul Meir afirma inequivocamente que Jesus teria nascido em 5 a.C.[3]. Paulo N. Anderson data o incidente no Templo "por volta de 26-27 AD/CE"[26], enquanto Jerry Knoblet estima uma data por volta de 27 27 AD/CE[27]. Em seu livro, Robert Fortna & Thatcher estimam a data por volta de 28 AD/CE[24]. Köstenberger & Kellum afirma o mesmo que Maier, ou seja, que o 32º aniversário de Jesus foi por volta de 28 AD/CE, quando seu ministério começou[28].

Referências

  1. a b c d e f g Christianity: an introduction by Alister E. McGrath 2006 ISBN 978-1-4051-0901-7 pages 16-22
  2. a b c d The Cradle, the Cross, and the Crown: An Introduction to the New Testament by Andreas J. Köstenberger, L. Scott Kellum 2009 ISBN 978-0-8054-4365-3 page 140
  3. a b c d Paul L. Maier "The Date of the Nativity and Chronology of Jesus" in Chronos, kairos, Christos: nativity and chronological studies by Jerry Vardaman, Edwin M. Yamauchi 1989 ISBN 0-931464-50-1 pages 113-129
  4. Jesus & the Rise of Early Christianity: A History of New Testament Times by Paul Barnett 2002 ISBN 0-8308-2699-8 pages 19-21
  5. a b The Gospel according to Matthew by Leon Morris ISBN 0-85111-338-9 page 71
  6. a b c The Life and Ministry of Jesus: The Gospelsy Douglas Redford 2007 ISBN 0-7847-1900-4 pages 117-130
  7. a b c A theology of the New Testament by George Eldon Ladd 1993ISBN page 324
  8. a b c The Life and Ministry of Jesus: The Gospels by Douglas Redford 2007 ISBN 0-7847-1900-4 pages 143-160
  9. a b Steven L. Cox, Kendell H Easley, 2007 Harmony of the Gospels ISBN 0-8054-9444-8 pages 97-110
  10. a b The Life and Ministry of Jesus: The Gospels by Douglas Redford 2007 ISBN 0-7847-1900-4 pages 165-180
  11. a b c The Christology of Mark's Gospel by Jack Dean Kingsbury 1983 ISBN 0-8006-2337-1 pages 91-95
  12. a b c d The Cambridge companion to the Gospels by Stephen C. Barton ISBN pages 132-133
  13. a b Steven L. Cox, Kendell H Easley, 2007 Harmony of the Gospels ISBN 0-8054-9444-8 pages 121-135
  14. a b The Life and Ministry of Jesus: The Gospels by Douglas Redford 2007 ISBN 0-7847-1900-4 pages 189-207
  15. a b Steven L. Cox, Kendell H Easley, 2007 Harmony of the Gospels ISBN 0-8054-9444-8 page 137
  16. a b The Life and Ministry of Jesus: The Gospels by Douglas Redford 2007 ISBN 0-7847-1900-4 pages 211-229
  17. a b c Mercer dictionary of the Bible by Watson E. Mills, Roger Aubrey Bullard 1998 ISBN 0-86554-373-9 page 929
  18. a b c Steven L. Cox, Kendell H Easley, 2007 Harmony of the Gospels ISBN 0-8054-9444-8 pages 155-170
  19. a b Matthew by David L. Turner 2008 ISBN 0-8010-2684-9 page 613
  20. a b c d e The Cradle, the Cross, and the Crown: An Introduction to the New Testament by Andreas J. Köstenberger, L. Scott Kellum 2009 ISBN 978-0-8054-4365-3 page 141–143
  21. a b c Jesus and the Gospels: An Introduction and Survey by Craig L. Blomberg 2009 ISBN 0-8054-4482-3 page 224-229
  22. New Testament History by Richard L. Niswonger 1992 ISBN 0-310-31201-9 page 154
  23. a b Eerdmans Dictionary of the Bible 2000 Amsterdam University Press ISBN 90-5356-503-5 page 249
  24. a b Jack V. Scarola, "A Chronology of the nativity Era" in Chronos, kairos, Christos 2 by Ray Summers, Jerry Vardaman 1998 ISBN 0-86554-582-0 pages 61-81
  25. Luke 1-5: New Testament Commentary by John MacArthur, Jr. 2009 ISBN 978-0-8024-0871-6 page 201
  26. The Riddles of the Fourth Gospel: An Introduction to John by Paul N. Anderson 2011 ISBN 0-8006-0427-X page 200
  27. Herod the Great by Jerry Knoblet 2005 ISBN 0-7618-3087-1 page 184
  28. Köstenberger & Kellum, página 140
  29. Jesus & the Rise of Early Christianity: A History of New Testament Times by Paul Barnett 2002 ISBN 0-8308-2699-8 pages 19-21
  30. Paul's early period: chronology, mission strategy, theology by Rainer Riesner 1997 ISBN 978-0-8028-4166-7 page 19-27 (página 27 tem uma tabela com diversas estimativas acadêmicas)
  31. An introduction to the New Testament by Albertus Frederik Johannes Klijn 1997 ISBN 90-04-06263-7 pages 45-46
  32. New Testament History by Richard L. Niswonger 1992 ISBN 0-310-31201-9 pages 132-136
  33. a b The people's New Testament commentary by M. Eugene Boring, Fred B. Craddock 2004 ISBN 0-664-22754-6 page 212
  34. Who is Jesus?: an introduction to Christology by Thomas P. Rausch 2003 ISBN 978-0-8146-5078-3 page
  35. a b c Big Picture of the Bible - New Testament by Lorna Daniels Nichols 2009 ISBN 1-57921-928-4 page 12
  36. a b c d John by Gerard Stephen Sloyan 1987 ISBN 0-8042-3125-7 page 11
  37. Antiguidades Judaicas, capítulo 18 5.2
  38. Eerdmans Dictionary of the Bible 2000 ISBN 90-5356-503-5 page 583
  39. Behold the Man: The Real Life of the Historical Jesus by Kirk Kimball 2002 ISBN 978-1-58112-633-4 page 654
  40. Jesus of Nazareth by Duane S. Crowther 1999 ISBN 0-88290-656-9 page 77
  41. The Life and Ministry of Jesus: The Gospels by Douglas Redford 2007 ISBN 0-7847-1900-4 page 92
  42. A Summary of Christian History by Robert A. Baker, John M. Landers 2005 ISBN 0-8054-3288-4 pages 6-7
  43. International Standard Bible Encyclopedia: E-J by Geoffrey W. Bromiley 1982 ISBN 0-8028-3782-4 page 1026
  44. Mercer dictionary of the Bible by Watson E. Mills, Roger Aubrey Bullard 1998 ISBN 0-86554-373-9 pages 333-344
  45. a b The Bible knowledge background commentary by Craig A. Evans 2005 ISBN 0-7814-4228-1 page 49
  46. H. Van der Loos, 1965 The Miracles of Jesus, E.J. Brill Press, Netherlands page 599
  47. Dmitri Royster 1999 The miracles of Christ ISBN 0-88141-193-0 page 71
  48. Jesus and archaeology by James H. Charlesworth 2006 ISBN 0-8028-4880-X pages 540-541
  49. Eerdmans Dictionary of the Bible 2000 ISBN 90-5356-503-5 page 212
  50. The Gospel according to Mark by James R. Edwards 2002 ISBN 0-85111-778-3 page 43
  51. Reading Luke by Charles H. Talbert 2002 ISBN 1-57312-393-5 pages 61-62
  52. John Clowes, 1817 The Miracles of Jesus Christ published by J. Gleave, Manchester, UK page 31
  53. John Clowes, The Miracles of Jesus Christ published by J. Gleave, Manchester, UK, 1817, page 214, available on Google books
  54. The Gospel of Luke by Timothy Johnson, Daniel J. Harrington, 1992 ISBN 0-8146-5805-9 page 89
  55. The Gospel of Luke, by Joel B. Green 1997 ISBN 0-8028-2315-7 page 230
  56. a b c The Sermon on the mount: a theological investigation by Carl G. Vaught 2001 ISBN 978-0-918954-76-3 pages xi-xiv
  57. "Beatitudes." Cross, F. L., ed. The Oxford dictionary of the Christian church. New York: Oxford University Press. 2005
  58. a b The Synoptics: Matthew, Mark, Luke by Ján Majerník, Joseph Ponessa, Laurie Watson Manhardt 2005 ISBN 1-931018-31-6, pages 63-68
  59. A Dictionary Of The Bible by James Hastings 2004 ISBN 1-4102-1730-2 page 15-19
  60. The Gospel according to Matthew: an introduction and commentary by R. T. France 1987 ISBN 0-8028-0063-7 page 154
  61. Michael Keene 2002 St Mark's Gospel and the Christian faith ISBN 0-7487-6775-4 page 26
  62. John Clowes, 1817 The Miracles of Jesus Christ published by J. Gleave, Manchester, UK page 47
  63. The Gospel of Matthew by R. T. France 2007 ISBN 0-8028-2501-X page 349
  64. The first gospel by Harold Riley, 1992 ISBN 0-86554-409-3 page 47
  65. Mercer dictionary of the Bible by Watson E. Mills, Roger Aubrey Bullard 1998 ISBN 0-86554-373-9 page 48
  66. The life of Jesus by David Friedrich Strauss, 1860 published by Calvin Blanchard, page 340
  67. Luke by Sharon H. Ringe 1995 ISBN 0-664-25259-1 pages 151-152
  68. The Gospel of Matthew by Rudolf Schnackenburg 2002 ISBN 0-8028-4438-3 page 104
  69. Mercer dictionary of the Bible by Watson E. Mills, Roger Aubrey Bullard 1998 ISBN 0-86554-373-9 page 459
  70. Harmony of the Gospels by G. T. Elihai 2005 ISBN 1-59781-637-X page 94
  71. a b c Preaching Matthew's Gospel by Richard A. Jensen 1998 ISBN 978-0-7880-1221-1 pages 25 & 158
  72. a b Matthew by Charles H. Talbert 2010 ISBN 0-8010-3192-3 (Discourse 3) pages 162–173
  73. Robert Maguire 1863 The miracles of Christ published by Weeks and Co. London page 185
  74. Merrill Chapin Tenney 1997 John: Gospel of Belief ISBN 0-8028-4351-4 page 114
  75. Dwight Pentecost 2000 The words and works of Jesus Christ ISBN 0-310-30940-9 page 234
  76. Jesus the miracle worker: a historical & theological study by Graham H. Twelftree 1999 ISBN 0-8308-1596-1 page 79
  77. a b Jesus the miracle worker: a historical & theological study by Graham H. Twelftree 1999 ISBN 0-8308-1596-1 pages 133-134
  78. Berard L. Marthaler 2007 The creed: the apostolic faith in contemporary theology ISBN 0-89622-537-2 page 220
  79. Lockyer, Herbert, 1988 All the Miracles of the Bible ISBN 0-310-28101-6 page 235
  80. Lamar Williamson 1983 Mark ISBN 0-8042-3121-4 pages 138-140
  81. St Mark's Gospel and the Christian faith by Michael Keene 2002 ISBN 0-7487-6775-4 pages 24-25
  82. The temptations of Jesus in Mark's Gospel by Susan R. Garrett 1996 ISBN 978-0-8028-4259-6 pages 74-75
  83. Matthew for Everyone by Tom Wright 2004 ISBN 0-664-22787-2 page 9
  84. a b c The Collegeville Bible Commentary: New Testament by Robert J. Karris 1992 ISBN 0-8146-2211-9 pages 885-886
  85. a b c d Transfiguration by Dorothy A. Lee 2005 ISBN 978-0-8264-7595-4 pages 21-30
  86. a b c The Content and the Setting of the Gospel Tradition by Mark Harding, Alanna Nobbs 2010 ISBN 978-0-8028-3318-1 pages 281-282
  87. Who do you say that I am? Essays on Christology by Jack Dean Kingsbury, Mark Allan Powell, David R. Bauer 1999 ISBN 0-664-25752-6 page xvi
  88. The Gospel of Mark, Volume 2 by John R. Donahue, Daniel J. Harrington 2002 ISBN 0-8146-5965-9 page 336
  89. One teacher: Jesus' teaching role in Matthew's gospel by John Yueh-Han Yieh 2004 ISBN 3-11-018151-7 pages 240-241
  90. Jesus God and Man by Wolfhart Pannenberg 1968 ISBN 0-664-24468-8 pages 53-54
  91. The Gospel of Matthew by Rudolf Schnackenburg 2002 ISBN 0-8028-4438-3 pages 7-9
  92. Transfiguration by Dorothy A. Lee 2005 ISBN 978-0-8264-7595-4 pages 72-76
  93. a b Metamorphosis: the Transfiguration in Byzantine theology and iconography by Andreas Andreopoulos 2005 ISBN 0-88141-295-3 pages 47-49
  94. The Bible knowledge background commentary: John's Gospel, Hebrews-Revelation by Craig A. Evans ISBN 0-7814-4228-1 pages 319-320
  95. a b c Behold the King: A Study of Matthew by Stanley D. Toussaint 2005 ISBN 0-8254-3845-4 pages 215-216
  96. a b c Matthew by Larry Chouinard 1997 ISBN 0-89900-628-0 page 321
  97. The Cradle, the Cross, and the Crown: An Introduction to the New Testament by Andreas J. Köstenberger, L. Scott Kellum 2009 ISBN 978-0-8054-4365-3 pages 312–313
  98. Francis J. Moloney, Daniel J. Harrington, 1998 The Gospel of John Liturgical Press ISBN 0-8146-5806-7 page 325
  99. a b c d e The people's New Testament commentary by M. Eugene Boring, Fred B. Craddock 2004 ISBN 0-664-22754-6 pages 256-258
  100. a b c d The Bible Knowledge Background Commentary: Matthew-Luke, Volume 1 by Craig A. Evans 2003 ISBN 0-7814-3868-3 page 381-395
  101. a b c The Synoptics: Matthew, Mark, Luke by Ján Majerník, Joseph Ponessa, Laurie Watson Manhardt 2005 ISBN 1-931018-31-6 pages 133-134
  102. The Bible knowledge background commentary: John's Gospel, Hebrews-Revelation by Craig A. Evans ISBN 0-7814-4228-1 pages 114-118
  103. Preaching Through the Christian Year, Year C by Fred B. Craddock, John H. Hayes, Carl R. Holladay, Gene M. Tucker 1994 ISBN 1-56338-100-1 page 172
  104. John 12-21 by John MacArthur 2008 ISBN 978-0-8024-0824-2 pages 17-18
  105. Mercer Commentary on the New Testament by Watson E. Mills 2003 ISBN 0-86554-864-1 pages 1032-1036
  106. The International Standard Bible Encyclopedia by Geoffrey W. Bromiley 1988 ISBN 0-8028-3785-9 page 571-572
  107. The Fourth Gospel And the Quest for Jesus by Paul N. Anderson 2006 ISBN 0-567-04394-0 page 158
  108. a b All the Apostles of the Bible by Herbert Lockyer 1988 ISBN 0-310-28011-7 page 106-111
  109. The Synoptic Gospels and the Book of Acts by Doremus Almy Hayes 2009 ISBN 1-115-87731-3 page 88
  110. a b The Gospel according to Matthew by Leon Morris 1992 ISBN 0-85111-338-9 pages 593-596
  111. Steven L. Cox, Kendell H Easley, 2007 Harmony of the Gospels ISBN 0-8054-9444-8 page 180-191
  112. The encyclopedia of Christianity, Volume 4 by Erwin Fahlbusch, 2005 ISBN 978-0-8028-2416-5 pages 52-56
  113. The Bible Knowledge Background Commentary by Craig A. Evans 2003 ISBN 0-7814-3868-3 pages 465-477
  114. John by Gail R. O'Day, Susan Hylen 2006 ISBN 978-0-664-25260-1, Chapter 15: The Farewell Discourse, pages 142-168
  115. The Gospel according to John by Herman Ridderbos 1997 ISBN 978-0-8028-0453-2 The Farewell Prayer: pages 546-576