Movimento Imperial Russo

O Movimento Imperial Russo (MIR; em russo: Русское Имперское Движениe, RID)[5] é uma organização paramilitar russa [6] ultranacionalista, supremacista branca [7] e de extrema direita que opera oficialmente fora da Rússia.[8][9][10][11]

Movimento Imperial Russo
Русское Имперское Движениe
Logo of the Russian Imperial Movement.svg
Líder(es) Stanislav Vorobyev
Motivos Reconvocar a Zemsky Sobor para reestabelecer o Império Russo
Área de atividade Rússia, São Petesburgo
Ideologia Antissemitismo
Anticomunismo
Fascismo clerical
Irredentismo russo
Nacionalismo russo
Ultranacionalismo
Supremacia branca
Espectro político Extrema-direita
Aliados Aliança pela Paz e Liberdade
Atomwaffen Division
Der Dritte Weg[1]
Frente Nacional Russa[2]
 • Partido da Grã-Rússia
 • União dos Porta Bandeiras Ortodoxos
Movimento de Resistência Nórdica
Ação Sérvia
Partido Social Nacionalista Sírio[3]
Guerras/batalhas Guerra Civil na República Centro-Africana (2012–presente)[4]
Guerra Civil Líbia (2014–2020)
Guerra Civil Síria
Guerra em Donbas

Desde 2015, seu líder é Stanislav Vorobyev.[6][12]. O MIR foi classificado como grupo terrorista pelos Estados Unidos. [13][14] e Canadá.[15] Algumas de suas publicações foram banidas na Rússia.[16]

HistóriaEditar

Em 2008, o MIR formou seu braço paramilitar, chamado de Legião Imperial. O grupo mantém dois locais de treinamento em São Petersburgo, um dos quais é conhecido como " Campo Partizan", localizado ao sul da ilha Heinäsenmaa. O "Campo Partizan" realiza treinamentos para combate urbano, treino com disparos de armas de fogo, medicina tática, psicologia militar, capacitação para altas altitudes e treinamentos para sobrevivencialismo.[17][7][1] Após o ínicio da Guerra em Donbas no leste ucraniano, em abril de 2014, o MIR começou a treinar e enviar soldados voluntários para os grupos pró-russos envolvidos no conflito, à partir de julho.[6] Alguns membros da Legião Imperial também atuaram como mercenários no Oriente Médio e Norte da África. Em 30 de Janeiro de 2020, foi noticiado que Vladimir Skopinov, que tinha previamente lutado na Bacia do Donets e na Guerra Civil Síria, morreu na Líbia. Ele foi o segundo membro da Legião a morrer na Líbia. [18]

No dia 6 de abril de 2020, o Departamento de Estado dos Estados Unidos adicionou o Movimento Imperial Russo e três de seus líderes (Stanislav Anatolyevich Vorobyev, Denis Valliullovich Gariyev,[19] e Nikolay Nikolayevich Trushchalov[20]) à lista de Terroristas Globais Especialmente Designados,[13] tornando-o o primeiro grupo supremacista branco a ser designado uma organização terrorista pelo Departamento de Estado. [7] O grupo foi oficialmente classificado como terrorista pelo Canadá em 3 de fevereiro de 2021.[21][15]

A Legião Imperial, um braço paramilitar do Movimento Imperial Russo, fez um chamado aos "jovens homens ortodoxos" para que se dedicassem a defender a Nova Rússia. [22]

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, o MIR fornece treinamento paramilitar a extremistas de toda a Europa e opera dois locais de treinamento no continente. [8]

Fora da RússiaEditar

Em 2008, o MIR visitou a Suécia para participar do Dia em Memória de Carlos XII da Suécia em Estocolmo junto ao neonazista Partido dos Suecos. No outono de 2015, se notou que o RIM estava apoiando o Movimento de Resistência Sueco, membro do Movimento de Resistência Nórdica, de orientação neofascista e oposto à imigração: o líder do MIR, Vorobyev, visitou o Movimento de Resistência Sueco na Suécia, simbolizando este apoio. [6]

Em Janeiro de 2020, um homem russo de nome Anatoly Udodov foi preso no Aeroporto de Estocolmo-Arlanda depois que a polícia descobriu um carregamento de armas pertencentes a ele. A polícia sueca já havia confiscado várias armas de fogo dele no verão anterior, em razão de suas conexões com o Movimento de Resistência Sueco. Udodov foi descrito como um representante do MIR na Suécia por Vorobyev e investigadores acreditam que ele é o recrutador local para os campos de treinamento do Movimento Imperial Russo. De acordo com a Polícia Sueca, Udodov é amigo de um terrorista condenado, Viktor Melin, de 23 anos. Melin fazia parte de um grupo de neonazistas suecos que foram à Rússia para receber treinamento militar, e ao retornar foi responsável por uma série de atentados a bomba contra minorias e inimigos políticos. [23] O MIR também forneceu treinamento a neonazistas da Alemanha, da Finlândia e da Polônia.[24] Neonazistas finlandeses foram recrutados por Johan Bäckman e Janus Putkonen, os quais são ligados com o partido pró-russo local, Valta kuuluu kansalle, "O poder é do Povo".[25][26][27][28]

Fora da Escandinávia, o MIR se filia à Aliança Preta e Amarela da Áustria, um movimento pró-monarquista favorável à restauração do Império Austro-Húngaro. Consequentemente, Vorobyev foi convidado pela organização para participar de seu Congresso, o que efetivamente aconteceu em 9 de novembro de 2019, evento que ocorreu no Parkhotel Schönbrunn, a casa de convidados para o antigo palácio do Emperador Francisco José I.[29] No mesmo mês, um representante do MIR fez um discurso em uma conferência internacional em Madrid, organizada pelo partido de extrema-direita Democracia Nacional, na qual também participaram os membros da Aliança para Paz e Liberdade, aliança de organizações de extrema-direita européia na qual participam também o italiano Roberto Fiore e o francês Jean-Marie Le Pen.[30]. Ambos os grupos foram caracterizados como neonazistas. Em maio de 2018, o Partido Nacional Democrático da Alemanha realizou um encontro em Riesa, na Alemanha, no qual os representantes do MIR foram participantes, junto com organizações tais quais as agremiações neonazistas Ação Sérvia e União Nacional Búlgara - Nova Democracia.[31]

Em 29 de abril de 2020, o Ministério do Interior da Espanha recebeu um relatório de inteligência que afirmava que o MIR estava incitando seus contatos de extrema-direita espanhóis a cometer atos terroristas, tais quais atacar a infraestrutura, sistema de transportes e utilizar armas químicas contra o público. [32]

Em 5 de Junho de 2020, a revista alemã Focus relatou que serviços de segurança alemães estavam cientes do treinamento de neonazistas alemães na Rússia. Contudo, eles não podiam proibir alemães de viajar a São Petersburgo por razões legais. As autoridades presumem que o presidente russo Vladimir Putin tem conhecimento dos campos de treinamento e "no mínimo os tolera".[33][34] O Centro Internacional para o Contraterrorismo descreveu a relação do MIR com o governo russo como sendo uma "simbiose de adversários": enquanto não cometerem atos de terrorismo domesticamente, estão livres para operar e oferecer treinamento a militantes, além de enviar tropas para conflitos externos nos quais o interesse russo está em jogo.[35]

De acordo com uma investigação conduzida por Infobae, uma nova célula da Atomwaffen Division recebe treinamento do grupo. Também se acredita que cidadãos dos Estados Unidos que são filiados ao grupo Atomwaffen também recebem treinamento do Movimento Imperial Russo.[17] Posteriormente, o Diretor do Centro Nacional de Contraterrorismo Christopher Miller confirmou que neonazistas americanos estabeleceram contatos com o MIR. Especificamente, em certas ocasiões, eles viajaram à Rússia para treinar com o Movimento Imperial Russo, ainda que Miller tenha descrito essas conexões como "relativamente frágeis e informais".[36] De acordo com o Centro para Cooperação e Segurança Internacional;

Se por um lado o MIR construiu agressivamente ligações com grupos supremacistas brancos europeus, por outro sua relação com organizações dos EUA se desenvolveu sobretudo num nível pessoal, ao invés de institucional. Agora, por volta de 2020, porém, podemos estar testemunhando uma mudança, dada a relação do MIR com os braços russos do grupo neonazista da Atomwaffen Division.[2]

Referências

  1. a b «Combat training for European neo-Nazis in Russia». Lansing Institute. 14 de janeiro de 2022 
  2. a b Mapping Militant Organizations. “Russian Imperial Movement.” Stanford University. Última modificação em agosto de 2020. "No fim de 2014, a MIR se juntou a uma coligação de grupos de extrema-direita russos chamada Frente Nacional Russa. Em 2020, esse guarda-chuva incluia outras organizações ultranacionalistas, como o Partido da Grã-Rússia, a Milícia Popular em Nome de Minin e Pozharsky (NOMP), o Movimento pela Nacionalização e Desprivatização de Recursos Estratégicos do País, o Grupo de Iniciativa pelo Referendo "Por um Poder Responsável" (IGPR "ZOV"), o Conselho Popular da Rússia, a União dos Porta Bandeiras Ortodoxos e a Centena Negra".
  3. “Russian politicians building an international extreme right alliance.” Euromaidan Press. Última modificação em setembro de 2015.
  4. «Radical Russian Imperial Movement Expanding Global Outreach» 
  5. Marlene Laruelle, Russian Nationalism: Imaginaries, Doctrines, and Political Battlefields (Routledge, 2019), pp. 167, 202-203.
  6. a b c d Nato: Främlingshatet kan gödas av främmande makt, Dagens Nyheter 2015-10-27
  7. a b c John Hudson, U.S. labels a white-supremacist group 'terrorist' for the first time, Washington Post (6 de abril de 2020).
  8. a b «Sanctions Roundup» (PDF). 2020 
  9. «Russian, American white nationalists raise their flags in Washington». 2017. O Movimento Imperial Russo é um tremendo parceiro para ajudar a alcançar um tipo de nacionalismo internacionalizado, especialmente fora da Rússia. 
  10. «Russian Imperial Movement (RIM)». operando fora da Rússia com apoiadores ao redor do mundo. 
  11. https://nypost.com/2020/06/25/terrorism-threats-from-white-supremacists-on-the-rise-state-dept/
  12. «Stanislav Anatolyevich Vorobyev». Counter Extremism Project. Consultado em 4 de junho de 2021 
  13. a b «Designation of the Russian Imperial Movement». United States Department of State. 6 de abril de 2020 
  14. Johnson, Bethan; Feldman, Matthew (21 de julho de 2021). «Siege Culture After Siege: Anatomy of a Neo-Nazi Terrorist Doctrine». International Centre for Counter-Terrorism: 1 
  15. a b «Government of Canada lists 13 new groups as terrorist entities and completes review of seven others». Government of Canada. 3 de fevereiro de 2021. Consultado em 3 February 2021. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2021  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  16. https://www.themoscowtimes.com/2020/06/05/russian-terrorists-training-german-neo-nazi-youth-in-combat-reports-a70497
  17. a b «Club Partizan, el campo de entrenamiento militar en Rusia para los neonazis del mundo (Club Partizan, the military training ground in Russia for the neo-Nazis of the world)». Infobae. 14 de junho de 2020 
  18. «Russian mercenary who fought in Donbas killed in Libya». UAWire. 7 de abril de 2020 
  19. «Denis Valiullovich Gariyev». Counter Extremism Project. Consultado em 4 de junho de 2021 
  20. «Nikolay Nikolayevich Trushchalov». Counter Extremism Project. Consultado em 4 de junho de 2021 
  21. Aiello, Rachel (3 de fevereiro de 2021). «Canada adds Proud Boys to terror list». CTVNews. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 
  22. Marlene Laruelle (2018). Russian Nationalism: Imaginaries, Doctrines, and Political Battlefields. [S.l.]: Taylor & Francis. p. 190. ISBN 978-0-429-76198-0. A Legião Imperial, o braço paramilitar do Movimento Imperial Russo, conclama, por exemplo, que "jovens homens ortodoxos" se comprometam a defender a Novorossiya. 
  23. «"За Рассею пострадать хочу". Почему в Швеции судят националиста из СССР». BBC News. 7 de abril de 2020 
  24. «United States Designates Russian Imperial Movement and Leaders as Global Terrorists». US Department of State. 7 de abril de 2020 
  25. «Itä-Ukrainassa Venäjän puolesta taistelleet suomalaiset kehuskelevat kokemuksillaan – muualla Euroopassa vierastaistelijoita on tuomittu rikoksista». Finnish Broadcasting Company. 12 de janeiro de 2022 
  26. «Wednesday's papers: Neo-nazi training, employment discrimination, fighting swans». Finnish Broadcasting Company. 12 de janeiro de 2022 
  27. «Finnish Neo-Nazis attend paramilitary trainings in Russia». European Jewish Congress. 12 de janeiro de 2022 
  28. «Suomen uusnatsit hankkivat nyt oppia Venäjältä: järjestön koulutuskeskus järjestää haulikko- ja pistooliammuntaa, "partisaanikursseja" ja kieltää kiroilun». Helsingin Sanomat. 12 de janeiro de 2022 
  29. «Монархисты Австрии пригласили на свой конгресс главаря российских неонацистов». National News Agency of Ukraine. 7 de abril de 2020 
  30. «España, foco de la revuelta.». Democracia Nacional. 7 de abril de 2020 
  31. «EUROPA – JUGEND – [RE]GENERATION.3. JN-EUROPAKONGRESS: EIN RÜCKBLICK». Junge Nationalisten. 15 de abril de 2020 
  32. «Un informe de Interior alerta de planes para esparcir el coronavirus y atacar torres de 5G». El Confidencial. 29 de abril de 2020 
  33. «Deutsche Neonazis werden in Russland militärisch geschult». Focus. 5 de junho de 2020 
  34. Pladson, Kristie (5 de junho de 2020). «German neo-Nazis trained at Russian camps: report». Deutsche Welle. Consultado em 5 de junho de 2020 
  35. Gartenstein-Ross, Daveed; Hodgson, Samuel; Clarke, Dr Colin P. (5 de fevereiro de 2021). «The Russian Imperial Movement (RIM) and its Links to the Transnational White Supremacist Extremist Movement». International Centre for Counter-Terrorism 
  36. «FBI Worried About Clashes Between Violent Groups Before US Vote». The Globe Post. 3 de outubro de 2020