Oprah Winfrey

apresentadora, atriz e empresária norte-americana

Oprah Winfrey (nome de nascimento Oprah Gail Winfrey,[3] Kosciusko, 29 de janeiro de 1954) é uma apresentadora, jornalista, atriz, psicóloga, empresária, repórter, produtora, editora e escritora norte-americana, vencedora de múltiplos prêmios Emmy por seu programa The Oprah Winfrey Show, o talk show com maior audiência da história da televisão norte-americana.[4][5][6]

Oprah Winfrey
Nome completo Oprah Gail Winfrey
Nascimento 29 de janeiro de 1954 (66 anos)
Kosciusko, Mississippi
Residência Montecito, Califórnia
Nacionalidade norte-americana
Fortuna US$ 3,2 bilhões[1]
Cônjuge Stedman Graham (1986–presente)
Filho(s) 1 (Canaan, n.1968-m.1968)
Ocupação apresentadora
jornalista
atriz
psicóloga
empresária
repórter
produtora
editora
escritora
Principais trabalhos
Religião Cristã batista
Assinatura
Oprah Winfrey Signature.svg
Página oficial
Oprah.com

É também uma influente crítica de livros, uma atriz indicada a um Oscar pelo filme A cor púrpura e editora da revista The Oprah Magazine. De acordo com a revista Forbes, Winfrey foi eleita a mulher mais rica do ramo de entretenimento no mundo durante o século XX, uma das maiores filantropas de todos os tempos e a primeira mulher negra a ser incluída na lista de bilionários, em 2003.[7] Em 2010, é a única mulher a permanecer no topo da lista por quatro anos.[8][9]

O The Oprah Winfrey Show foi transmitido durante vinte e cinco anos.[5] Seu último programa foi ao ar em 25 de maio de 2011. Winfrey passou a dedicar-se à sua própria rede, Oprah Winfrey Network (OWN) e outros projetos pessoais.

Oprah também é psicóloga e foi a apresentadora mais bem paga da história da televisão estadunidense, ganhando cerca de 50 milhões de dólares por mês com todas as suas incumbências profissionais.

BiografiaEditar

InfânciaEditar

Oprah Winfrey nasceu em Mississipi, nos EUA, numa família batista. Os pais eram um casal de adolescentes separados. Foi registrada como Oprah Gail Winfrey, em homenagem a Orpah, uma das pessoas no Livro de Rute. Winfrey diz que, devido a problemas na soletração ou pronuncia de Orpah, o "r" e o "p" foram invertidos em seu nome, por decisão de seus pais, que mudaram de ideia para seu nome, que seria Orpah, e ao registrá-la optaram por Oprah. [10][11] Sua mãe, Vernita Gail Lee, era dona-de-casa. Seu pai se chama Vernon Winfrey e atualmente vive em Boston, nos Estados Unidos.

O pai de Oprah estava nas Forças Armadas quando ela nasceu. Com uma gravidez inesperada, houve muitas brigas entre o casal: O pai de Oprah não queria ter filho naquele momento e nem tinha um namoro fixo com a mãe dela. Depois do nascimento, seu pai a registrou, apesar de não morar junto com a filha, raras vezes a visitava. A mãe de Oprah, já sozinha desde a gravidez, viajou para o norte dos EUA para trabalhar quando a menina completou poucos meses de vida, e assim Oprah passou os seis primeiros anos de vida longe da mãe, morando num sítio, numa zona rural bastante pobre, com a avó materna, Hattie Gail Mae. O pai raramente ia visitá-la, pois estava morando longe da cidade. A mãe lhe telefonava às vezes. A avó de Oprah ensinou-a a ler antes de ter cinco anos, e levava-a para a igreja, onde recebeu a alcunha "A Pregadora", pela habilidade de recitar versos da Bíblia. Quando Oprah era ainda criança, a avó batia-lhe muito se não soubesse cantar e recitar corretamente os versos bíblicos ou quando comportava-se mal de qualquer maneira. [12]

Com seis anos, a mãe de Oprah voltou para buscá-la. Ela se mudou para um bairro humilde, na cidade de Milwaukee, no Wisconsin com a mãe, que foi menos rigorosa para Oprah do que a avó tinha sido, em grande parte devido ao longo horário de trabalho, onde Oprah ficava o dia inteiro só em casa. Sua mãe a sustentava sozinha, já que seu pai lhe dava uma pensão muito pequena. [13]

Em 1963, aos nove anos de idade, Oprah passou a ser molestada por seu tio e seus primos adolescentes, que foram morar com ela e sua mãe. Eles eram parentes de sua mãe, e batiam na menina, além de a estuprarem com frequência, um grande trauma para Oprah que, ameaçada, nada podia relatar aos pais. [14][15]

JuventudeEditar

Apesar da vida difícil, Oprah sempre se dedicou aos estudos, querendo mudar de vida. Aos 13 anos fez uma prova e ganhou uma bolsa de estudos na Nicolet High School, uma das melhores escolas públicas da cidade de Milwaukee. Cansada de sofrer abusos sexuais desde criança, Oprah terminou o ensino fundamental e fugiu de casa, desesperada e infeliz. [16]

Ao sair de casa, pôde contar com a ajuda de sua melhor amiga, que havia conhecido na escola. Ela foi morar na casa dela, que ficava na mesma cidade em que vivia, Milwaukee, e a família de sua amiga a acolheu. Quando fez catorze anos, já há seis meses morando com a amiga, conheceu seu primeiro namorado, um rapaz de dezoito anos, por quem se apaixonou perdidamente. Após três meses de namoro, Oprah ficou desesperada ao descobrir-se grávida. O namorado não aceitou a gestação, e após agredi-la e tentado obrigá-la a abortar, a abandonou grávida, após ela recusar-se a tirar seu filho, o que gerou uma profunda depressão na jovem. Seus pais, a essa altura, já sabiam que ela estava morando com a amiga e ela, por telefone, relatou a mãe o motivo pelo qual fugiu de casa, e assim seu tio e primos foram presos. A mãe pediu para ela voltar, mas Oprah disse que estava grávida e que foi abandonada pelo namorado, mas que estava bem na casa da amiga. Esse fato deixou os pais de Oprah muito chocados com o que houve a filha.

Os meses se passaram, Oprah vivia triste e não se cuidava direito na gestação, não indo a médicos e ficando só em casa, muito triste. Aos sete meses de gestação entrou em trabalho de parto, e sofrendo muito, deu à luz de parto normal a um menino, para sua felicidade, e também medo, porém, o menino teve complicações por ser prematuro, e devido a má formação do pulmão, desenvolveu uma insuficiência respiratória, falecendo poucas horas após o nascimento, para desespero total de Oprah, que entrou mais ainda em depressão, e a partir deste dia decidiu nunca mais querer ter um filho.

Após tudo isso, a mãe a consolou, e Oprah decidiu mudar de estado, e saiu de Milwaukee, em Wisconsin, e foi morar com o pai em Nashville, no Tennessee. Ela percebeu que sua família se distanciou mais dela e a tratavam friamente, e ela ficou achando que foi o fato de ter engravidado cedo, mas não tinha certeza. Oprah voltou a estudar, para terminar o ensino médio, e se tornou cada vez mais dedicada e popular entre os colegas de escola, chegando a ganhar o concurso juvenil de "A Garota Mais Legal da Escola".

Com 17 anos, no último ano colegial, ganhou o Concurso de beleza de seu bairro, por ser uma jovem que sempre chamou atenção por sua aparência física e personalidade forte. Nessa época, refez sua vida, e sentiu-se segura para ter um novo relacionamento amoroso. Ela, então, namorou sério alguns rapazes, e aos fins de semana saía com alguns ficantes, chegando a dormir fora de casa, e o pai não gostava deste comportamento, o que gerava constantes atritos, visto que seu pai era um homem conservador. Nesta época voltou a viver com sua mãe, que havia se mudado para a mesma cidade que seu pai vivia, o que não dificultaria a jovem de terminar seus estudos onde já estava. [17]

Após terminar o colégio, Oprah foi aprovada em um concurso de locução, que lhe garantiu uma bolsa de estudos na Universidade do Tennessee, uma universidade historicamente negra, onde estudou Comunicação Televisiva. Ela também atraiu o interesse da rádio local, WVOL, que a contratou para transmitir as notícias de plantão. Oprah trabalhou nessa rádio nos seus dois primeiros anos na faculdade. [15]

A escolha de Oprah pela mídia não surpreendeu sua família, em especial sua avó, que dizia que Oprah tinha o dom de falar em público. Oprah posteriormente reconheceu a influência da sua avó, dizendo que ela sempre a incentivou a falar em público "deu-me uma imagem positiva de mim mesma". [18]

Já trabalhando na mídia local, Oprah era a mais jovem e a única negra a ocupar o cargo de âncora de um jornal da cidade de Nashville. Em busca de independência financeira e pessoal, saiu da casa de sua mãe, em Nashville, e mudou-se sozinha, novamente para outro estado, indo viver na cidade de Baltimore, em Maryland, no ano de 1976, após ser convidada para trabalhar como repórter e apresentadora em um jornal local. Lá, ela atuou ao lado de Richard Sher no programa de entrevistas People are Talking, que estreou no dia 14 de agosto de 1978. Também liderou o Dialing for Dollars.

 
Mansão de Oprah em Montecito.

ResidênciasEditar

Oprah reside atualmente na "The Promised Land" (em português A Terra Prometida), uma propriedade de 170 mil metros quadrados localizada em Montecito no Condado de Santa Bárbara, Califórnia.[19][20] Oprah também possui uma casa em Lavallette em Nova Jérsei, um apartamento em Chicago, uma propriedade na Fisher Island em Miami, uma mansão em Douglasville na Geórgia, uma casa de inverno em Telluride no Colorado, uma casa de veraneio na ilha Maui no Havai e uma residência na Antígua. No todo, seu património, em 2010, foi avaliado pela revista Forbes em 1,95 bilhão.[21]

União Estável e Relações FamiliaresEditar

Após ter tido diversos namorados e noivos, Oprah iniciou um relacionamento sério com o empresário Stedman Graham, em 1986. Eles foram morar juntos nesse mesmo ano, após seis meses de namoro. Eles planejaram oficializar a união conjugal em uma cerimônia civil em novembro de 1992, mas desmarcaram, devido a falta de tempo, por trabalharem demais e estarem viajando constantemente. Até hoje estão juntos, em uma união estável. Oprah já declarou publicamente que nunca mais quis ter filhos biológicos, e também não pretende adotar, pois sua carreira profissional tornou-se a prioridade de sua vida, depois de seu marido, informando em entrevistas que possui um carinho maternal por suas suas alunas sul-africanas da "Oprah Winfrey Leadership Academy for Girls", e que elas ocupam simbolicamente o lugar que seria dedicado aos filhos que não quis ter. [carece de fontes?]

Oprah disse a uma revista que acha que seus pais passaram a tratá-la friamente após sua gravidez precoce, e que a relação que já era distante, distanciou-se mais ainda. Oprah tinha um único meio-irmão por parte de pai, mais jovem que ela, que era homossexual, tendo morrido ainda jovem em consequência de doenças oportunistas, em decorrência do contágio com o vírus HIV. Ela o ajudou muito, tanto emocionalmente quanto financeiramente, visto que a família o abandonou, a mesma família que também não quis ajudá-la.

Oprah fez um teste de DNA realizado num programa da PBS e comprovou que seu grupo racial, sua ancestralidade, seus primeiros parentes, provém da região da Libéria.[carece de fontes?]

Amigos

A mesma possui muitos amigos pelo mundo, incluindo muitos famosos e grandes políticos, como o ex- Presidente dos EUA Barack Obama. Oprah também mantém contato com um brasileiro chamado Jackson Soares, a quem ajuda financeiramente em ONG's e projetos sociais.

SaúdeEditar

Para comemorar o seu 40.º aniversário Oprah correu a maratona Marine Corps Marathon, completando a distância em 4 horas, 29 minutos e 20 segundos.[22] Em 16 de outubro de 2007, Oprah diagnosticou um problema na sua Tiroide.[23][24]

 
Oprah abraça os Obama na disputa pelo cargo de Presidente.

ReligiãoEditar

Oprah foi criada na Igreja batista. Em sua juventude, falava em congregações locais, principalmente afro-americanas da Convenção Batista do Sul, que eram muitas vezes profundamente religiosas e familiarizadas com temas como protestantismo evangélico, a igreja negra e Born again.[25] [26]Ela foi citada como tendo dito: "Eu tenho igreja comigo mesma: tenho igreja andando na rua. Acredito na força de Deus que vive dentro de todos nós, e uma vez que você explique isso, poderá fazer qualquer coisa".[27]  Ela também declarou: "Dúvida significa não. Quando você não sabe o que fazer, não faça nada até saber o que fazer. Porque a dúvida é sua voz interior ou a voz de Deus ou o que você escolher. É o seu instinto tentando lhe dizer que algo está errado. Foi assim que me vi liderada espiritualmente, porque essa é a sua voz espiritual dizendo para você, 'vamos pensar nisso'. Então, quando você não souber o que fazer, não faça nada. "[28] Oprah declarou que ela é cristã e seu verso favorito da Bíblia é Atos 17:28[29]

Em 2002, a Christianity Today publicou um artigo intitulado A Igreja de O (em inglês The Church of O)[30] falando sobre a influência espiritual que Oprah tinha sobre seus fãs. A série animada Futurama fez alusão à influência espiritual de Oprah, sugerindo que ela fundou uma religião denominada Oprahismo.[carece de fontes?]

PolíticaEditar

Oprah exerceu uma considerável influência política durante a candidatura de Barack Obama ao cargo de Presidente dos Estados Unidos em 2008, sendo esta a primeira vez em que Oprah apoiou algum político. Oprah demonstrou primeiramente seu apoio aos Obama na sua residência em Montecito, Califórnia e desde então Oprah acompanhou os Obama em todos os seus comícios políticos na Carolina do Sul, Iowa, Nova Hampshire, Texas, Michigan e Kansas. Em 2008, Barack Obama ofereceu sua cadeira no Senado dos Estados Unidos para Oprah.[31][32]

CarreiraEditar

TelevisãoEditar

Em 1983, Oprah se mudou para Chicago liderar o talk show matinal AM Chicago, que teve seu primeiro episódio exibido no dia 2 de janeiro de 1984. Dentro de poucos meses, o programa de Oprah se tornou o mais visto da região de Chicago superando o concorrente The Phil Donahue Show. O sucesso foi tanto que a emissora concedeu uma hora inteira de duração ao talk show que foi rebatizado de Oprah Winfrey Show e passou a ser transmitido para todo o país em Setembro de 1986.[33] Já tendo superado os concorrentes locais Oprah duplicou sua audiência nacional, superando Donahue no ranking de talk show mais visto dos Estados Unidos.[carece de fontes?]

O sucesso foi tanto que a revista Time publicou: "Poucas pessoas apostaram que Oprah Winfrey teria uma rápida ascensão na mídia televisiva. Em uma área de trabalho dominada por homens brancos e mulheres brancas, ela é uma negra de preferência majoritária… Ela não é concorrência para Paul Donahue…Trata-se do talk show como uma sessão terapêutica." Em meados de 1990, Oprah adotou um programa em formato de tabloide tratando sobre doenças cardíacas e assuntos religiosos e entrevistanto pessoas de origem humilde.

Em 10 de fevereiro de 1993, Oprah conseguiu uma rara e altamente esperada entrevista com o Rei do Pop Michael Jackson que se tornou o segundo evento mais assistido da história da TV mundial em todos os tempos (e efetivamente, a maior audiência da carreira de Winfrey), com uma plateia recorde de 600 milhões de pessoas[34] assistindo o programa de todas as partes do mundo, simultaneamente. O especial, intitulado "Michael Jackson talks... to Oprah", foi ao ar, ao vivo, da mansão do cantor, Neverland Valley, localizado no Condado de Santa Barbara, na Califórnia.

Em 2004, outro fato marcante ocorreu, quando Oprah distribuiu carros Pontiac G6 para toda a plateia, totalizando 276 veículos doados pela Pontiac como parte de um acordo publicitário.[35]

Oprah assinou contrato com a emissora ABC para estender o programa até a temporada 2010-2011. Se o programa continuar a ser produzido além desta temporada terá um total de 25 anos de existência.[36] Pelo contrato, a última temporada (2011) ficou estabelecida com 130 episódios, dez a menos que a quantidade produzida normalmente.[37]

A edição de 2004 do Prêmio Nobel da Paz foi apresentado por Oprah ao lado do ator Tom Cruise. O evento também contou com participações especiais de Cyndi Lauper, Andrea Bocelli, Joss Stone e outros artistas.[38]

Oprah também foi mencionada muitas vezes em Drake & Josh, onde também fez uma participação especial. Na Série, Josh é muito fã da mesma.

CinemaEditar

Oprah atuou pela primeira vez em 1985 no filme de Steven Spielberg A Cor Púrpura.[2] No ano seguinte Oprah foi indicada ao Oscar de melhor atriz coadjuvante mas perdeu para Angelica Huston. Em 1998 Oprah estrelou o filme 'Beloved',[39] que apesar do sucesso em Hollywood perdeu um total de 30 milhões de dólares. Também dublou em A Menina e o Porquinho de 2006,[40] Bee Movie de 2007 e A Princesa e o Sapo, de 2009.[41] Atuou também no filme O Mordomo da Casa Branca, de 2.013. Em 2018 estará no filme ´´A Wrinkle In A Time`` ou em português ´´Uma Dobra No Tempo`` sendo uma das diversas criaturas sobrenaturais do filme ´´Mrs. Which``.[42]

Livros e RevistasEditar

Oprah é dona de duas revistas, "O, The Oprah Magazine" e "O at Home". Também já produziu cinco livros e está produzindo um novo livro de auto-estima que é considerado o mais lucrativo e caro de todos os tempos, só perdendo para a auto biografia de Bill Clinton intitulada My Life.[43] A revista de Oprah lucra cerca de 63 mil dólares por ano (bem acima da média de revistas femininas). [44]

RádioEditar

Em 9 de fevereiro de 2006 foi anunciado que Oprah havia assinado um contrato de três anos com a 'XM Satellite Radio' envolvendo 55 milhões de dólares com o objetivo de criar um novo canal radiofônico intitulado Oprah and Friends. O canal estreou no dia 25 de setembro do mesmo ano.[45][46]

InternetEditar

Oprah possui o site Oprah.com, criado pela produção da apresentadora e fornece recursos e informações sobre o programa e a vida de Oprah. O site recebe cerca de 70 milhões de visitas por mês e 20 mil mensagens por semana.[47]

Canal de TVEditar

Em 2008 Oprah e a Discovery Communications anunciaram planos para transformar o canal Discovery Health em um canal especial dedicado inteiramente a Oprah, intitulado de OWN (The Oprah Winfrey Network), que estreou no dia primeiro de Janeiro de 2011. [48][49][50]

Programa de TVEditar

No dia 20 de novembro de 2009, Oprah Winfrey anunciou e confirmou o fim do seu programa para 2011, depois de mais de vinte anos no ar pelo canal de TV estadunidense ABC.[36] O anúncio emocionado da apresentadora foi feito ao vivo nos minutos finais de seu programa "The Oprah Winfrey Show". Segundo Oprah, a decisão foi tomada "depois de muita oração e meses de análises cuidadosas". Ela disse ainda: "Eu amo este programa, e amo o bastante para saber quando é hora de dizer adeus".

PatrimônioEditar

Oprah por muitos anos foi considerada a mulher mais bem paga do mundo do entretenimento.

Seus ganhos foram:[51]

  • 2004: US$ 210 milhões
  • 2005: US$ 225 milhões
  • 2006: US$ 225 milhões
  • 2007: US$ 260 milhões
  • 2008: US$ 275 milhões
  • 2009: US$ 275 milhões
  • 2010: US$ 315 milhões
  • 2011: US$ 290 milhões
  • 2012: US$ 165 milhões
  • 2013: US$ 177 milhões

A maior parte dos ganhos da Oprah vinha do seu talk show, que acabou em 2012. Por isso seus ganhos de 2013 foram menores do que nos anos anteriores. É esperados que em 2014, ela ganhe mais do que em 2013, já que a OWN network seu canal de televisão, deve começar a ter lucro.[52]

Oprah tem um patrimônio avaliado em US$ 4 bilhões.[53]

Referências

  1. «#184 Oprah Winfrey». Forbes. Consultado em 20 de janeiro de 2019 
  2. a b Mendonça, Martha (1 de novembro de 2009). «Por que o Brasil nunca produziu sua Oprah?». Consultado em 1 de julho de 2010 
  3. «Oprah Winfrey Interview» (em inglês). Consultado em 1 de agosto de 2018. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2016 
  4. Forbes (11 de março de 2009). «The World's Billionaires - #234 Oprah Winfrey» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  5. a b Colontonio, Allex (junho de 2005). «Oprah Winfrey: "Querer é poder"». Escala. Revista Raça Brasil (87). Arquivado do original em 22 de julho de 2009 
  6. oprah.com (1 de janeiro de 2006). «The Oprah Winfrey Show Trivia: 20 Years in the Making» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  7. Carelli, Gabriela (Revista Veja, 19 de março de 2003). «Programa de milionário» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  8. Emery, Chelsea (29 de junho de 2010). «Women rule Forbes' celebrity power list, Gaga makes debut» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  9. Forbes (13 de fevereiro de 2006). «The World's Billionaires - #562 Oprah Winfrey» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  10. American Academy of Achievement (21 de fevereiro de 1991). «Oprah Winfrey Interview» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2016 
  11. King, Larry (CNN, 9 de dezembro de 2003). «Interview With Oprah Winfrey» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  12. American Girl (3 de julho de 2006). «Oprah Winfrey Biography and Photos» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2010 
  13. Nelson, Jill (14 de dezembro de 1986). «The Man Who Saved Oprah Winfrey». Washington, D.C. The Washington Post (em inglês). 8 páginas 
  14. Morgan, Thomas (4 de março de 1986). «Troubled Girl's Evolution into an Oscar Nominee». New York. The New York Times 
  15. a b Winfrey, Lee (9 de setembro de 1986). «Praise from All Corners for New Talk Show Host». Syracuse Herald Journal (em inglês). 44 páginas 
  16. American Academy of Achievement (10 de março de 2009). «Oprah Winfrey Biography» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010. Arquivado do original em 20 de fevereiro de 2011 
  17. People.com. «Oprah Winfrey Biography» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  18. Novit, Mel (14 de setembro de 1986). «Oprah: Talk Show Dynamo Treats the Audience Like a Friend». Syracuse Post-Standard: A9 
  19. Paik, Felicia (Forbes, 27 de julho de 2001). «Home of the Week - Oprah House» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  20. Finn, Natalie (E!Online, 9 de maio de 2009). «Team Oprah on Fire Watch in California» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  21. Monteiro, Cláudi; Carvalho, Luís Pedro (Jornal de Notícias, 17 de junho de 2010). «Chinesas em peso entre as mais ricas do Mundo». Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  22. Levitt, Shelley (29 de novembro de 1993). «Oprah's Mission» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  23. CBS News (17 de outubro de 2007). «Oprah Reveals Thyroid Trouble» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  24. FOX News (17 de outubro de 2007). «Oprah Winfrey Talks of Thyroid Condition» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010. Arquivado do original em 3 de junho de 2010 
  25. Park, David W. (1 de dezembro de 2005). «Oprah Winfrey and the Glamour of Misery: An Essay on Popular Culture». Journal of Communication. 55 (4): 874–875. ISSN 0021-9916. doi:10.1111/j.1460-2466.2005.tb03029.x 
  26. Guthrie, Ricardo (ed.). «Oprah Winfrey and the Trauma Drama». Palgrave Macmillan. ISBN 978-1-137-28246-0 
  27. Lowe, Janet (22 de janeiro de 2001). Oprah Winfrey Speaks: Insights from the World's Most Influential Voice (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons 
  28. «Oprah on Why "Doubt Means Don't"». Oprah.com (em inglês) 
  29. «Oprah's Christian Faith». HuffPost (em inglês). 28 de janeiro de 2014. Consultado em 4 de julho de 2020 
  30. Taylor, LaTonya (Christianity Today Magazine, 4 de janeiro de 2002). «The Church of O» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  31. Mosk, Matthew (5 de setembro de 2007). «The Magic Touch?» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  32. Johnson, Sasha; Crowley, Candy (CNN Politics, 8 de dezembro de 2007). «Winfrey tells Iowa crowd: Barack Obama is 'the one'» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  33. Vieira, Meredith (19 de julho de 2006). Who Wants to Be a Millionaire? (Série de Tv). Buena Vista Television 
  34. oprah.com (16 de setembro de 2009). «The Michael Jackson Interview: Oprah Reflects» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  35. El País (17 de junho de 2010). «Oprah Winfrey, una jefa generosa» (em espanhol). Consultado em 1 de julho de 2010 
  36. a b Marikar, Sheila (ABC News, 19 de novembro de 2009). «Oprah Winfrey to Leave Talk Show in 2011» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  37. Silverman, Stephen M. (6 de agosto de 2004). «Oprah's Show to Stay Until 2011, At Least» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  38. Silverman, Stephen M. (13 de dezembro de 2004). «Oprah, Tom Cruise Celebrate Nobel Concert» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  39. Tatara, Paul (CNN, 20 de outubro de 1998). «Review: 'Beloved' is loud Oprah vehicle to Oscar» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  40. Winick, Gary. Charlotte's Web (DVD). Paramount 
  41. Bertsche, Rachel (18 de novembro de 2009). «Someday My Princess Will Come» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  42. Marafon, Renato. «'Uma Dobra no Tempo': Fantasia da Disney ganha belíssimos cartazes das personagens | CinePOP». cinepop.com.br. Consultado em 14 de dezembro de 2017 
  43. Glaister, Dan (22 de maio de 2006). «Oprah Winfrey book deal tops Clinton's $12m». The Guardian (em inglês) 
  44. Sellers, Patricia. «The Business of Being Oprah» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010. Arquivado do original em 8 de dezembro de 2008 
  45. XM Satellite Radio. «Oprah Radio» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  46. Europa Press (29 de junho de 2010). «Lady Gaga, Cristiano Ronaldo Y Robert Pattinson debutan entre los más poderosos del mundo» (em espanhol). Consultado em 1 de julho de 2010 
  47. oprah.com (6 de outubro de 2008). «Oprah Winfrey's Official Biography» (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2010 
  48. Agência Estado (Jornal Estadão, 20 de novembro de 2009). «Oprah Winfrey vai encerrar seu programa em 2098». Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  49. Oprah.com (1 de janeiro de 2006). «The Oprah Winfrey Network». Consultado em 1 de julho de 2010 
  50. Midgley, Neil (Telegraph,26 de junho de 2010). «The Oprah Winfrey Network». Consultado em 1 de julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  51. «Oprah Winfrey» 
  52. «Oprah Winfrey profile» 
  53. https://www.forbes.com/profile/oprah-winfrey/  Em falta ou vazio |título= (ajuda)

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Oprah Winfrey:
  Citações no Wikiquote
  Imagens e media no Commons
  Categoria no Commons