Abrir menu principal

Wikipédia β

Preto Casagrande

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Carlos Eduardo Casagrande, mais conhecido como Preto ou Preto Casagrande (Cascavel, 7 de maio de 1975), é um ex-futebolista brasileiro que atuava como volante. Atualmente é técnico do Bahia. É primo do também treinador Caio Júnior, vítima do acidente do Voo LaMia 2933.

Preto Casagrande
Informações pessoais
Nome completo Carlos Eduardo Casagrande
Data de nasc. 7 de maio de 1975 (42 anos)
Local de nasc. Cascavel (PR), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,74 m
Apelido Preto
Informações profissionais
Equipa atual Bahia
Posição (ex-Volante)
Função Treinador
Clubes de juventude
19901994 Vasco da Gama
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
19941995
1996
19971999
2000
20012002
2002
2003
2004
2005
2006
2006
2007
2009
Vasco da Gama
Olaria (emp.)
Vitória
Vitória de Guimarães
Bahia
Atlético-PR
Bahia
Santos
Fluminense
Fortaleza
Vitória
Bahia
Volta Redonda
17 0000(2)
0? 0000(?)
48 0000(4)
0? 0000(?)
40 0000(12)
08 0000(0)
36 0000(8)
24 0000(3)
26 0000(2)
06 0000(1)
0? 0000(?)
0? 0000(?)
0? 0000(?)
Times/Equipas que treinou
20162017
2017
Bahia (auxiliar-técnico)
Bahia

000005

CarreiraEditar

Começou no Vasco, em 1994, não se firmando e se transferindo para o Olaria em 1996. Ainda sem mostrar serviço, chegou ao Vitória em 1997. No rubro-negro baiano, foi destaque no bicampeonato nordestino, em 1997 e 1999, e nos dois títulos estaduais nestes mesmos anos.

Chamou a atenção de diversos clubes e foi contratado pelo Vitória de Guimarães, em 2000. Não permaneceu muito tempo em Portugal e retornou ao Brasil para defender o Bahia, arquirrival do clube que lhe projetara. No Tricolor de Aço, foi outra vez bicampeão da Copa do Nordeste e uma vez campeão baiano e levou a Bola de Prata em 2001 como melhor volante do Campeonato Brasileiro daquele ano.

Em 2002, após uma passagem pelo Atlético/PR, voltou ao Bahia para participar da campanha que rebaixaria o tricolor à Série B.

Ainda valorizado, jogou pelo Santos em 2004, onde foi campeão brasileiro vestindo a mística camisa 10. Foi contratado pelo Fluminense, em 2005, para participar do Carioca, do qual foi campeão e do vice-campeonato da Copa do Brasil.

Após uma passagem pelo Fortaleza, retornou ao Leão para participar da promoção do time baiano à Série B, em 2006. Teve outro retorno no ano seguinte ao Bahia.

Encerrou sua carreira de futebolista no Volta Redonda, em 2009 aos 34 anos.

Em 2016, foi anunciado como novo auxiliar-técnico do Esporte Clube Bahia.

Atualmente é técnico do Esporte Clube Bahia. Foi efetivado em 31 de Agosto de 2017, após 5 jogos como técnico interino.

TítulosEditar