Século XI a.C.

século

Milénios: segundo milénio a.C. - primeiro milénio a.C. - primeiro milénio d.C.

Séculos: Século XII a.C. - Século XI a.C. - Século X a.C.

Acontecimentos

editar

Oriente Médio

editar

Extremo Oriente

editar
  • Por volta de 1046 a.C.: fim da Dinastia Shang na China e início da dinastia Chou.[7] Primeiros objetos de ferro. Consolidação e aperfeiçoamento da administração permitindo reunir e distribuir recursos econômicos e militares. Introdução da soja e prática de pousio. A soja vem em sistema de rotação de culturas com milheto. A terra é dividida em parcelas quadradas divididas nove vezes. As oito parcelas exteriores são trabalhadas por oito famílias camponesas que também cultivam a parcela central, cuja colheita se destina à nobreza. Continuação da produção de vasos cerimoniais de bronze nos quais os governantes Zhou tinham gravadas as ordens que davam aos seus ministros. São confeccionadas jarras e potes, cujo artesanato se aproxima dos bronzes rituais, para acompanhar os mortos em seus túmulos. Esses arenitos arcaicos levemente ocres apresentam muitas listras vitrificadas e anunciam os celadons.

Europa

editar

Colonização grega da Ásia Menor

editar
  • 1100–1050 a.C.: O mundo micênico é invadido por grupos étnicos gregos que viviam fora da Grécia e praticavam o nomadismo pastoral. Eles são comumente chamados de "dórios", mas são acompanhados por outros grupos étnicos, incluindo os beócios, os focidianos, os lócrios, os ainianos, os etólios, os magnetes, os tessálios. Apenas a Ática e a Arcádia são poupadas.[11] A historicidade da invasão dórica nunca pôde ser demonstrada. Segundo a tradição, os dórios invadiram o Peloponeso, depois Creta, Rodes, Cnido, Halicarnasso e Cária (hexápolis dórica). Ainda segundo historiadores antigos (Heródoto), os jônios da Ática, expulsos pelo "retorno dos Heraclides", migraram para Mileto, Samos, Quios, Delos... Os eólios se estabeleceram na Ásia (Eólis), em Lesbos e Esmirna. A presença de cerâmica protogeométrica (cerca de 1050-900 a.C.) em Esmirna e Delos parece confirmar essas migrações.[12] Se as fontes antigas apresentam as migrações jônica e dórica como eventos limitados no tempo, agora elas são associadas a movimentos populacionais lentos na Grécia continental e em direção à costa da Ásia Menor.[13] O aparecimento da pólis nos séculos IX e VIII a.C. é o resultado de um longo processo que começou no final dos “séculos negros” de X e IX a.C. particularmente na Ásia Menor.[14] A ruptura do uso da escrita é compensada pela continuidade da tradição oral no mundo grego: nascida nos centros micênicos, a tradição épica é trazida para a Ásia Menor por povos que falavam um dialeto eólico onde teria sido emprestado pelos jônios . Utiliza uma linguagem artificial inspirada no dialeto jônico da Ásia Menor, mas também em muitos elementos do eólio e em certas especificidades do micênico que só sobrevivem no grego arcado-cipriota.[15]
  • 1050 a.C.-900 a.C.: período protogeométrico em cerâmica na Grécia. Início da Idade do Ferro. Aparição do ferro em Creta, que mantém relações com Chipre (facas de ferro com rebites de bronze)

América

editar

Personagens importantes

editar

Faraós do Egito

editar

Reis da Assíria

editar

Reis da Babilônia

editar

Reis de Israel

editar
  • Saul (1050–1010 aC) (sem evidências arqueológicas)
  • Isbosete (1010–1008 aC) (sem evidências arqueológicas)
  • Davi (1008–970? aC)

Juiz de Israel (líderes tribais)

editar
  • Sansão (sem evidências arqueológicas)
  • Samuel (sem evidências arqueológicas)

Décadas

editar

Década de 1090 a.C. | Década de 1020 a.C. | Década de 1010 a.C. | Década de 1000 a.C.

1050 a.C. | 1049 a.C. | 1021 a.C. | 1004 a.C.

Referências

  1. Josette Elayi (2013). Histoire de la Phénicie. [S.l.: s.n.] 356 páginas. ISBN 978-2-262-04325-4 
  2. Florence Maruéjol (2014). 100 Questions sur l’Égypte ancienne. [S.l.]: La Boétie. 256 páginas. ISBN 978-2-36865-028-8 
  3. «David Inscription». Tel Dan Excavations (em inglês). 23 de dezembro de 2007 
  4. Biran, Avraham; Naveh, Joseph (1993). «An Aramaic Stele Fragment from Tel Dan». Israel Exploration Journal. 43 (2/3): 81–98 
  5. Biran, Avraham; Naveh, Joseph (1995). «The Tel Dan Inscription: A New Fragment». Israel Exploration Journal. 45 (1): 1–18 
  6. Lemaire, Andre (24 de agosto de 2015). «"Casa de Davi" restaurada na inscrição moabita». The BAS Library. Revisão Arqueológica Bíblica 20: 3, maio / junho de 1994 (em inglês) 
  7. Brian M. Fagan; Chris Scarre (2016). Ancient Civilizations. [S.l.]: Routledge. 536 páginas. ISBN 978-1-317-29608-9 
  8. R. J. C. Atkinson, Stonehenge, chronologie révisée édition 1984, p. 215-216
  9. Reinhard Bernbeck, Randall H. McGuire (2011). Ideologies in Archaeology. [S.l.]: University of Arizona Press. 410 páginas. ISBN 978-0-8165-2673-4 
  10. Isaac Newton, The Chronology of Ancient Kingdoms, A Short Chronicle from the First Memory of Things in Europe, to the Conquest of Persia by Alexander the Great
  11. Corinne Julien (2001). Histoire de l'humanité. [S.l.]: UNESCO. 1402 páginas. ISBN 978-92-3-202811-2 
  12. H. Gallet de Santerre (1962), «La « migration ionienne ». État de la question», Revue des Études Anciennes, 64 (1-2) 
  13. Jean-Paul Demoule, Dominique Garcia, Alain Schnapp (2018). Une histoire des civilisations (em francês). Paris: La Découverte. p. 321. 601 páginas. ISBN 978-2-7071-8878-6 
  14. Raoul Lonis (2010). La cité dans le monde grec. [S.l.]: Armand Colin. 320 páginas. ISBN 978-2-200-25855-9 
  15. Jean-Claude Poursat (2014). La Grèce préclassique. [S.l.]: Points. 225 páginas. ISBN 978-2-7578-4500-4