SMS Novara (1913)

O SMS Novara foi um navio cruzador de reconhecimento operado pela Marinha Austro-Húngara e a terceira e última embarcação da Classe Novara, depois do SMS Saida e SMS Helgoland. Sua construção começou em dezembro de 1912 nos estaleiros da Ganz-Danubius em Fiume e foi lançado ao mar em fevereiro do ano seguinte, sendo comissionado na frota austro-húngara em janeiro de 1915.[1] Era armado com nove canhões de cem milímetros, possuía um deslocamento de mais de três mil toneladas e conseguia alcançar uma velocidade máxima de 27 nós.[1][2]

SMS Novara
SMS Novara, Horthy Miklós zászlóshajója (1917).jpg
Carreira  Áustria-Hungria
Operador Marinha Austro-Húngara
Fabricante Ganz-Danubius, Fiume
Homônimo Batalha de Novara
Batimento de quilha 9 de dezembro de 1912
Lançamento 15 de fevereiro de 1913
Comissionamento 10 de janeiro de 1915
Estado Cedido à França
Carreira  França
Nome Thionville
Operador Marinha Nacional Francesa
Homônimo Thionville
Aquisição 19 de setembro de 1920
Descomissionamento maio de 1932
Estado Desmontado
Características gerais
Tipo de navio Cruzador de reconhecimento
Classe Novara
Deslocamento 3 600 t
Maquinário 2 turbinas a vapor
16 caldeiras
Comprimento 130,6 m
Boca 12,8 m
Calado 4,6 m
Propulsão 2 hélices
- 25 600 cv (18 800 kW)
Velocidade 27 nós (50 km/h)
Autonomia 1 600 milhas náuticas a 24 nós
(3 000 km a 44 km/h)
Armamento 9 canhões de 100 mm
1 canhão antiaéreo de 66 mm
1 canhão de 47 mm
12 tubos de torpedo de 533 mm
Blindagem Cinturão: 60 mm
Convés: 20 mm
Torre de comando: 60 mm
Tripulação 340

O Novara teve um serviço relativamente ativo durante a Primeira Guerra Mundial. Ele participou do Bombardeio de Ancona em maio de 1915[3] e foi frequentemente usado em vários ataques contra a Barragem de Otranto e navios comerciais inimigos.[4] Essas operações culminaram com a Batalha do Estreito de Otranto em maio de 1917, em que ele ajudou afundar várias traineiras britânicas, porém também foi seriamente danificado no conflito.[5] O Novara também se envolveu no Motim de Cátaro em fevereiro de 1918, quando liderou os navios lealistas da frota.[6]

A Áustria-Hungria foi derrotada em novembro de 1918 com a assinatura do Armistício de Villa Giusti[7] e o Novara inicialmente foi transferido para a Iugoslávia.[8] Entretanto, sob os termos do Tratado de Saint-Germain-en-Laye de setembro de 1919, ele foi cedido à França como prêmio de guerra.[1] Passou por concertos e foi comissionado na Marinha Nacional Francesa como Thionville e serviu de 1920 a 1932 como navio de treinamento,[9] sendo então descomissionado e usado como navio alojamento em Toulon até 1941. A embarcação depois disso foi desmontada.[1]

Referências

  1. a b c d Gardiner & Gray 1985, p. 336
  2. Fraccaroli 1976, p. 317
  3. Sondhaus 1994, pp. 274–275
  4. Halpern 1994, p. 154
  5. Halpern 1994, pp. 163–164
  6. Halpern 2004, pp. 48–50
  7. Gardiner & Gray 1985, p. 329
  8. Halpern 1994, p. 177
  9. Jordan & Moulin 2013, p. 167

BibliografiaEditar

  • Fraccarolli, Aldo (1976). «Question 14/76: Details of Italian Cruiser Brindisi». Toledo: International Naval Research Organization. Warship International. XIII (4). ISSN 0043-0374 
  • Gardiner, Robert; Gray, Randal (1985). Conway's All the World's Fighting Ships 1906–1921. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 0-85177-245-5 
  • Halpern, Paul (1994). A Naval History of World War I. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 1-55750-352-4 
  • Halpern, Paul (2004). «The Cattaro Mutiny, 1918». In: Bell, Christopher M.; Elleman, Bruce A. Naval Mutinies of the Twentieth Century: An International Perspective. Londres: Frank Cass. ISBN 0-7146-5460-4 
  • Jordan, John; Moulin, Jean (2013). French Cruisers: 1922–1956. Barnsley: Seaforth Publishing. ISBN 978-1-84832-133-5 
  • Sondhaus, Lawrence (1994). The Naval Policy of Austria-Hungary, 1867–1918. West Lafayette: Purdue University Press. ISBN 978-1-55753-034-9 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.