Arquidiocese de Sevilha

Arquidiocese de Sevilha
Archidiœcesis Hispalensis
Palácio arquiepiscopal
Localização
País Espanha
Território Diocesis sevilla.PNG
Dioceses sufragâneas Cádiz y Ceuta
Córdoba
Huelva
Islas Canarias
Jerez de la Frontera
San Cristóbal de La Laguna o Tenerife
Estatísticas
População 1941825
1886300 católicos[1]
Área 14 001 km²
Paróquias 263
Sacerdotes 650
Informação
Rito romano
Criação da diocese Século III
Elevação a arquidiocese Século IV
Catedral Catedral de Santa Maria da Sede
Padroeiro Nossa Senhora dos Reis
Governo da arquidiocese
Arcebispo Juan José Asenjo Pelegrina
Arcebispo emérito Carlos Amigo Vallejo, O.F.M.
Jurisdição Arquidiocese Metropolitana
Contatos
Endereço Apartado 6, Plaza Virgen de los Reyes s/n, 41004
Página oficial http://www.diocesisdesevilla.org/
dados em catholic-hierarchy.org

A Arquidiocese de Sevilha (Archidiœcesis Hispalensis) é uma arquidiocese da Igreja Católica situada em Sevilha, na Andaluzia. É fruto da elevação da diocese de Sevilha, criada no século III. Seu atual arcebispo é Juan José Asenjo Pelegrina. Sua é a Catedral de Santa Maria da Sede.

Possui 263 paróquias, contando com 97,1% da população jurisdicionada batizada.

HistóriaEditar

Sabe-se que a diocese existia desde o século III da era cristã. No século IV, foi elevada a arquidiocese.[2]

No século VII viveram ali os famosos arcebispos São Leandro e Santo Isidoro. O primeiro deles contribuiu para a conversão de Recaredo I e de São Hermenegildo e em 589 presidiu o III Concílio de Toledo. O segundo presidiu o IV Concílio de Toledo e era famoso por seus ensinamentos, para que mais tarde foi proclamado Doutor da Igreja.

Entre 1145 e 1251, a arquidiocese foi suprimida.

Após a Reconquista, a maioria das mesquitas da cidade foram transformados em igrejas, mas Santa María la Blanca, Santa Cruz e San Bartolomé foram concedidos aos judeus como sinagogas. A catedral foi erguida sobre a base da grande mesquita, construída pelo Emir do Aljama que foi reconstruída em 1171 pelo califa almóada Yacub bin Yusuf.[3] A torre do sino da famosa Giralda é um trabalho de Almançor. Para obter a orientação do ano litúrgico, quando a mesquita foi transformada em uma catedral, sua largura era o comprimento da nova igreja dividida em duas partes, de que a menor foi separada do resto por uma balaustrada e uma grelha para obter a capela real.

Na sequência da descoberta da América, da Arquidiocese de Sevilha estendeu sua jurisdição territorial para o Novo Mundo. Quando nos anos 1510 foram estabelecidas as primeiras dioceses americanas, de Sevilha tornaram-se sufragâneas.[2] O jurisdição metropolita de Sevilha nas Américas terminou em 12 de fevereiro de 1546, com a elevação à categoria de arquidiocese de Santo Domingo, na Cidade do México e de Lima.[2]

Em 22 de outubro de 1953, perde parte do seu território para a ereção da Diocese de Huelva.[2]

Em 3 de março de 1980 perde nova parte para a ereção da Diocese de Jerez de la Frontera.[2]

PreladosEditar

Referências

  1. Dados de 2017
  2. a b c d e Hierarchia Catholica
  3. Aula Hernán Ruiz (2010). fidas.es, ed. «La montaña hueca». Consultado em 1 de outubro de 2010 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arquidiocese de Sevilha