Abrir menu principal
Alfonso Manrique de Lara y Solís
Cardeal da Igreja Católica
Arcebispo de Sevilha
Inquisidor-geral
Atividade Eclesiástica
Diocese Arquidiocese de Sevilha
Nomeação 31 de agosto de 1523
Predecessor Dom Diego de Deza, O.P.
Sucessor Dom García de Loaysa, O.P.
Mandato 1523 - 1538
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 8 de setembro de 1515
Nomeação episcopal 6 de setembro de 1499
Ordenação episcopal 10 de dezembro de 1515
Nomeado arcebispo 31 de agosto de 1523
Cardinalato
Criação 22 de fevereiro de 1531
por Papa Clemente VII
Ordem Cardeal-presbítero
Título São Calisto (1531-1532)
Santos Doze Apóstolos (1532-1538)
Brasão
Shield spanish bishop alfonso manrique lara.PNG
Dados pessoais
Nascimento Segura de León
1471 ou 1476
Morte Sevilha
28 de setembro de 1538 (67 anos)
Nacionalidade espanhol
Progenitores Mãe: Elvira de Castañeda
Pai: Rodrigo Manrique de Lara
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom Alonso ou Alfonso Manrique de Lara y Solís[1] (Segura de León, 1471 ou 1476 - Sevilha, 28 de setembro de 1538) foi um cardeal espanhol, arcebispo de Sevilha e Inquisidor-geral da Espanha.

Índice

BiografiaEditar

Era filho de Rodrigo Manrique de Lara, 1.º Conde de Paredes de Nava, com sua terceira mulher, Elvira de Castañeda, Senhora de Rielves[2]. Obteve seu doutorado na Universidade de Salamanca. Foi arquidiácono de Toro. Mesmo sendo um religioso, teve vários filhos: Rodrigo Manrique, Guiomar Manrique e o também inquisidor-geral Jerónimo Manrique de Lara.

EpiscopadoEditar

Foi nomeado bispo de Badajoz em 6 de setembro de 1499, tomando posse diocesana em 30 de outubro. Em 1504, a Rainha Isabel de Espanha morreu e o bispo ficou do lado de Filipe da Áustria, contra o rei Fernando I de Espanha, que não esqueceu a sua ação. Mais tarde, o bispo favoreceu o príncipe Charles da Áustria, futuro rei Carlos I de Espanha e Santo Imperador Romano-Germânico, filho do Arquiduque Felipe, neto de D. Fernando. O rei prendeu o bispo em Asturias, quando ele tentava fugir disfarçado de comerciante, sendo colocado sob a guarda do arcebispo de Toledo.

De acordo com uma comissão obtida a partir do papa, quando um tratado a respeito da administração dos estados do Príncipe Charles foi assinado por D. Fernando e o Sacro Imperador Maximiliano I, ambos os avós do príncipe Charles, o bispo recuperou sua liberdade e foi para a corte do príncipe no Países Baixos.

Quando o rei Fernando I de Espanha morreu, D. Manrique fez parte da embaixada que levou a notícia da morte para o príncipe Charles e celebrou o funeral do rei morto na presença do príncipe. Transferido para Sé de Córdoba, em 18 de agosto de 1516. Promovido a arcebispo metropolita de Sevilha em 31 de agosto de 1523. Tornou-se membro do Conselho Real e Inquisidor-geral da Espanha, em 10 de setembro de 1523, sucedendo ao cardeal Adriano de Utrecht, Bispo de Tortosa, recém-eleito Papa Adriano VI.

ProtestantismoEditar

Durante seu mandato inquisitorial, a ameaça de Lutero se estendia pela Europa e o Papa Leão X tratava de atacá-la. Na Espanha, o encarregado de atacar estas heresias foi o Santo Ofício.

As opiniões de Calvino e Ulrico Zuínglio chegaram à Espanha e Carlos I, junto com os inquisidores, decidiu vigiar a publicação de qualquer escrito contra as obras reformistas. Organizada pela inquisição, fez uma recompilação desses textos, publicada em 1539.

Manrique publicou uma ordem dirigida aos inquisidores provinciais na que alentavam às delações para descobrir aos membros destas seita dos deixados.

MourosEditar

A primeira conversão dos mouros estava mais leve, e parecia ser necessário revisar a situação, o qual foi feito com mais severidade e rigor que antes. Isso não foi feito com desmandos, sem que Manrique se opôs à perseguição indiscriminada, reservando os castigos só para os crimes mais graves.

Sem dúvida entre os novos convertidos, havia muitos que não professavam realmente a fé cristã, pelo que Manrique não teve mais alternativa que aplicar a lei com todas suas consequências, incluindo a prisão e a execução na fogueira.

CardinalatoEditar

Foi criado cardeal no consistório de 22 de fevereiro de 1531, pelo Papa Clemente VII. Recebeu o barrete cardinalício e o título cardinalício de cardeal-presbítero de São Calisto em 17 de abril. Em 12 de julho de 1532, optou pelo título de Santos XII Apóstolos. Faleceu vítima de uma queda de cavalo.

Ligações externasEditar

Referências

  1. Segundo o site The Cardinals of the Holy Roman Church, o primeiro nome poderia ser Alonso.
  2. The Cardinals of the Holy Roman Church (em inglês)
Precedido por
Juan Rodríguez de Fonseca
 
bispo de Badajoz

14991516
Sucedido por
Pedro Ruiz de la Mota
Precedido por
Martín Fernández de Angulo Saavedra y Luna
 
bispo de Córdoba

15161523
Sucedido por
Juan Álvarez y Alva de Toledo
Precedido por
Diego de Deza
 
arcebispo de Sevilha

15231538
Sucedido por
García de Loaysa
Precedido por
Adriano de Utrecht
 
Inquisidor-geral

15231538
Sucedido por
Juan Pardo de Tavera
Precedido por
Francesco Armellini de’ Medici
 
Cardeal-presbítero de São Calisto

15311532
Sucedido por
Jacopo Sadoleto
Precedido por
Pompeo Colonna
 
Cardeal-presbítero de Santos XII Apóstolos

15321538
Sucedido por
Pedro Sarmiento