Ciclones tropicais em 2016

ano de ciclones tropicais

Ciclones tropicais em 2016
imagem ilustrativa de artigo Ciclones tropicais em 2016
Mapa de resumo da temporada
Limites temporais do ano
Primeiro sistema Pali
Primeira data 7 de janeiro de 2016
Dissipação 28 de dezembro de 2016
Sistema mais forte
Nome Winston[nb 1]
Pressão mais baixa 884 mbar/hPa; 26.10 inHg
Sistema mais longevo
Nome Winston
Duração dias
Estatísticas anuais
Sistemas totais Nenhum
Sistemas nomeados Nenhum
Total fatalidades 2,157 total
Danos totais $41.46 mil milhões (2016 USD)
Artigos relacionados
left

Outros anos
2014, 2015, 2016, 2017, 2018

Durante 2016, os ciclones tropicais formaram-se em sete diferentes bacias de ciclones tropicais, localizadas em várias partes dos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico. Durante o ano, 140 ciclones tropicais formados em corpos de água conhecidos como bacias de ciclones tropicais. Destes, 84, incluindo dois ciclones subtropicais no Oceano Atlântico Sul e dois ciclones tropicais no Mediterrâneo, foram nomeados por várias agências meteorológicas quando atingiram ventos máximos sustentados de 35 kn (65 km/h; 40 mph). A tempestade mais forte do ano foi Winston, com um pico de pressão de 884 hPa (26.1 inHg) e com ventos sustentados de 10 minutos de 285 km/h antes de atingir Fiji.[1] O ciclone tropical mais caro e mortal em 2016 foi o furacão Matthew, que afetou o Haiti, Cuba, Flórida, Geórgia e as Carolinas, causando US$ 15,09 bilhões em prejuízos.[2] Mateus matou 603 pessoas; 546 no Haiti,[3] 47 nos Estados Unidos, 4 em Cuba e República Dominicana,[4][5] e 1 na Colômbia e São Vicente.[6]

2016 teve uma quantidade ligeiramente acima da média de ciclones tropicais se formando no ano. A bacia mais ativa do ano foi a do Pacífico Ocidental, registrando um recorde de 26 tempestades nomeadas. O Pacífico Oriental também teve uma temporada acima da média, com 21 tempestades nomeadas se formando. Da mesma forma, o Atlântico Norte foi o primeiro acima da média desde 2012, com 15 tempestades nomeadas e 7 furacões se formando. A atividade acima pode ser atribuída a um padrão La Niña que se formou durante o verão do ano. No norte do Oceano Índico, houve uma temporada relativamente abaixo da média, que apresentou quatro tempestades nomeadas. O Hemisfério Sul teve atividade relativamente média durante grande parte do ano – com exceção da região australiana que permaneceu abaixo da média devido ao IOD positivo[7] – as outras bacias do sudoeste do Oceano Índico e do Pacífico Sul apresentaram estações acima da média. Oito ciclones tropicais de categoria 5 foram formados em 2016.

Os ciclones tropicais são monitorados principalmente por um grupo de dez centros de alerta, que foram designados como Centro Meteorológico Especializado Regional (RSMC) ou Centro de Alerta de Ciclones Tropicais (TCWC) pela Organização Meteorológica Mundial. Estes são o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) e o Centro de Furacões do Pacífico Central, a Agência Meteorológica do Japão (JMA), o Departamento Meteorológico Indiano (IMD), Météo-France (MFR), Badan Meteorologi da Indonésia, Klimatologi, dan Geofisika, o Australian Bureau of Meteorology (BOM), Serviço Nacional de Meteorologia de Papua Nova Guiné, Fiji Meteorological Service (FMS), bem como MetService da Nova Zelândia. Outros notáveis centros de alerta incluem a Administração de Serviços Atmosféricos, Geofísicos e Astronômicos das Filipinas (PAGASA), o Joint Typhoon Warning Center (JTWC) dos Estados Unidos e o Centro Hidrográfico da Marinha do Brasil (BNHC).

Tomados por vários satélites ao longo de 2016, estes são os 24 ciclones tropicais que atingiram pelo menos a categoria 3 na escala Saffir-Simpson durante esse ano, de Winston em fevereiro a Nock-Ten em dezembro.

Condições atmosféricas e hidrológicas globais editar

 
Três ciclones tropicais ativos na bacia do Atlântico em 31 de agosto. Da esquerda para a direita: Hermine (esquerda), TD Oito (nordeste de Hermine, meio) e Gaston (direita)

Durante novembro e dezembro de 2015, os valores do Índice de Niño Oceânico da NOAA atingiram um pico de 2.4 °C (4.3 °F), que ultrapassou o valor de dezembro de 1997 de 2.2 °C (4.0 °F).[8][9][10] A NOAA informou posteriormente que a média de 3 meses de novembro de 2015 a janeiro de 2016 da ONI atingiu um pico de 2.3 °C (4.1 °F), o que significa que o evento de 2014–16 foi empatado com o evento de 1997–98 para os valores mais fortes já registrados.[11] No entanto, no geral, o evento foi considerado um dos três eventos mais fortes do El Nino desde 1950, uma vez que havia várias maneiras diferentes de medir a força de um evento.[11] Posteriormente, o evento começou a enfraquecer com as anomalias da temperatura da superfície do mar em todo o Pacífico equatorial diminuindo, enquanto as previsões sobre um possível evento La Niña ocorrendo em 2016 começaram a ser feitas.[12][13]

Durante maio de 2016, o evento El Niño dissipou-se quase abaixo da temperatura média da superfície do mar, expandindo-se pelo leste equatorial do Oceano Pacífico. As anomalias atmosféricas sobre o Oceano Pacífico tropical também enfraqueceram e se tornaram consistentes com as condições neutras do ENSO.[14] Essas anomalias incluíram os índices tradicionais e equatoriais da Oscilação do Sul se aproximando de zero, enquanto a convecção atmosférica e os ventos de nível superior e inferior se aproximaram da média. Como resultado disso, o BoM, o CPC da NOAA, o IRI e o JMA declararam que o El Niño, que bateu o recorde, havia terminado no final de maio/início de junho.

Resumo sazonal editar

Tufão Nock-tenCiclone VardahFuracão OttoTufão HaimaTufão SarikaTempestade tropical Aere (2016)Tufão Songda (2016)Furacão Nicole (2016)Furacão MatthewTufão Chaba (2016)Tufão Megi (2016)Tempestade tropical Julia (2016)Tufão Malakas (2016)Tempestade tropical Rai (2016)Tufão MerantiFuracão Newton (2016)Furacão HermineFuracão Madeline (2016)Tufão Lionrock (2016)Tufão Mindulle (2016)Tempestade tropical Dianmu (2016)Furacão Earl (2016)Tempestade tropical Nida (2016)Tempestade tropical Mirinae (2016)Furacão Darby (2016)Tufão Nepartak (2016)Tempestade tropical Colin (2016)Tempestade tropical Bonnie (2016)Ciclone RoanuCiclone AmosCiclone FantalaCiclone WinstonFuracão Alex (2016)Furacão PaliCiclone Ula

Oceano Atlântico Norte editar

 
Mapa resumido da temporada de furacões no Atlântico de 2016

A temporada de furacões no Atlântico de 2016 começou oficialmente em junho 1 de 2016.[15] Foi uma temporada acima da média e a mais ativa desde 2012, produzindo um total de 15 tempestades nomeadas, 7 furacões e 4 grandes furacões. A primeira tempestade, o furacão Alex, desenvolveu-se em 12 de janeiro, enquanto o sistema final, o furacão Otto, cruzou o Pacífico Oriental em 25 de novembro. A atividade acima do normal foi atribuída a muitos fatores. Mais significativamente, um dos eventos El Niño mais fortes registrados na história se dissipou rapidamente, transformando-se em condições frias e neutras em todo o Pacífico no final do verão. Isso levou a temperaturas da superfície do mar mais quentes do que o normal em todo o Atlântico, embora as regiões subtropicais fossem ligeiramente mais frias do que o normal; ligeiramente abaixo das pressões normais ao nível do mar; e redução do cisalhamento do vento, especialmente no Caribe, que experimentou valores recordes de cisalhamento do vento nos últimos anos. Os níveis de umidade, no entanto, estavam anormalmente secos, o que provavelmente impediu que algumas das tempestades se tornassem furacões significativos. As correntes de direção também foram diferentes dos anos anteriores, que anteriormente apresentavam um vale de baixa pressão dominando a costa leste dos Estados Unidos.[16] Os ciclones tropicais desta temporada causaram cerca de $ 16,1 bilhões em danos e pelo menos 748 mortes,[17] sendo a temporada mais cara desde 2012, a mais mortal desde 2008.[18] A temporada de furacões no Atlântico terminou oficialmente em novembro 30 de 2016.[15] A atividade da temporada foi refletida com um índice acumulado de energia ciclônica de 141 unidades,[19] que estava bem acima do 1981-2010 mediana de 92,[20] bem como o valor mais alto desde 2010.[19]

O ano começou com uma tempestade anômala em janeiro: o furacão Alex, o primeiro sistema desse tipo a se desenvolver em janeiro desde 1938.[21] A atividade aumentou no final de maio até junho, com três tempestades tropicais consecutivas: Bonnie, Colin e Danielle. As duas últimas foram as primeiras terceira e quarta tempestades registradas.[22][23] Julho não viu nenhum desenvolvimento de tempestade pela primeira vez em quatro anos, no entanto.[24] Agosto viu a formação de cinco ciclones tropicais, incluindo Earl, Fiona, Gaston, Eight e Hermine. Uma furacão categoria 1, Earl causou danos tremendos em Belize e no México. Com 81 vidas perdidas no México durante a passagem de Earl, foi o furacão mais mortal do Atlântico no país desde 2005.[25] Gaston se tornou o primeiro grande furacão da temporada em 28 de agosto, atingindo ventos de pico de 190 km/h (120 mph) sobre o Atlântico centra l.[26] Em 1 de setembro, Hermine atingiu a Península da Flórida como uma furacão categoria 1, encerrando uma seca de 11 anos de furacões no estado, que começou após o furacão Wilma em outubro de 2005.[27]

Setembro apresentou outros cinco ciclones tropicais: Ian, Julia, Karl, Lisa e Matthew, o último dos quais persistiu em outubro. Matthew provou ser a tempestade mais significativa da temporada, tornando-se a primeira furacão categoria 5 no Atlântico desde o furacão Felix em 2007,[28] e, com um número de mortos de mais de 600, foi o mais mortal na bacia do Atlântico desde o furacão Stan em 2005. Posteriormente, atingiu o Haiti como uma furacão categoria 4 e infligiu danos catastróficos em toda a nação empobrecida. Matthew também causou grandes danos em Cuba, nas Bahamas e no sudeste dos Estados Unidos.[29] Ao mesmo tempo, o furacão Nicole serpenteou ao sul das Bermudas por mais de uma semana antes de atingir diretamente o território como um grande furacão.[30] As quatro semanas seguintes foram tranquilas, até que o furacão Otto se formou no sudoeste do Caribe no final de novembro. Otto acabou se tornando o maior furacão de formação mais recente na bacia do Atlântico, superando uma tempestade em 1934.[31] Depois de atingir a Nicarágua e se tornar o primeiro furacão registrado a passar pela Costa Rica, Otto – o último ciclone tropical da temporada – emergiu na bacia do Pacífico Leste em 25 de novembro, a primeira ocorrência desse tipo desde o furacão Cesar-Douglas em 1996.[31]

Oceanos Pacífico Oriental e Central editar

 
Mapa resumido da temporada de furacões de 2016 no Pacífico

A temporada foi empatada como a quinta temporada mais ativa já registrada, ao lado da temporada de 2014. Ao longo do ano, um total de 22 tempestades nomeadas, 13 furacões e seis grandes furacões foram observados na bacia. Embora a temporada tenha sido muito ativa, foi consideravelmente menos ativa do que na temporada anterior, com grandes intervalos de inatividade no início e no final da temporada. Começou oficialmente em maio 15 no Pacífico oriental, e em junho 1 no Pacífico central; ambos terminaram em 30 de novembro.[32] Conforme ilustrado pelo furacão Pali, que se tornou o primeiro ciclone tropical do Pacífico Central registrado,[33] a formação de ciclones tropicais é possível em qualquer época do ano. Embora o Pali tenha se formado em janeiro, a temporada começou com um início muito inativo; pela primeira vez desde 2011, nenhuma depressão tropical ou tempestade se formou durante o mês de maio, e nenhuma tempestade nomeada se formou em junho desde 2007.

Agatha formou-se em 2 de julho, a mais recente primeira tempestade nomeada no Pacífico oriental desde 1969. Apesar disso, a temporada estabeleceu o recorde de maior número de tempestades na primeira quinzena de julho. Quando Georgette se formou em 21 de julho, tornou-se a sétima tempestade nomeada a se formar no mês de julho; igualando o recorde anterior estabelecido em 1985 e 2015 para o julho mais ativo desde o início dos registros confiáveis. E quando Frank se tornou um furacão (depois que Georgette o fez), marcou um recorde de 5 furacões em julho. Finalmente, Howard se formou em 31 de julho, no entanto, não foi nomeado até 1º de agosto, uma tempestade nomeada antes do recorde. Apesar disso, a temporada empatou o recorde estabelecido em 1985 com as tempestades mais nomeadas em julho. A atividade em agosto foi ligeiramente menos ativa do que em julho. Lester e Madeline ameaçaram a Ilha Grande com força de furacão. Lester passou ao norte das ilhas, Madeline trouxe um pouco de chuva quando a tempestade se dissipou ao sul do Havaí. Javier e Newton seguiram caminhos semelhantes perto da costa mexicana, com ambos chegando à península de Baja California em agosto e início de setembro, respectivamente. Depois que Newton começou em setembro; Os furacões Orlene, Paine e a tempestade tropical Roslyn seguiram se formando longe da terra. O furacão Ulika se tornou o primeiro ciclone tropical registrado a cruzar 140°W três vezes; também se tornou a primeira tempestade nomeada na bacia do Pacífico Central desde Pali em janeiro. Ulika foi a primeira tempestade desde Ela em 2015 a se formar no Pacífico Oriental, mas não foi nomeada até entrar no Pacífico Central. Depois de um outubro excepcionalmente calmo, o furacão Seymour se tornou o sexto maior furacão da temporada, bem como o mais forte. A tempestade tropical Tina se formou perto da costa do México em meados de novembro. No final de novembro, a tempestade tropical Otto entrou na bacia pelo Atlântico, tornando-se apenas o décimo oitavo ciclone a fazê-lo ; no entanto, dissipou-se rapidamente devido a condições desfavoráveis.

Oceano Pacífico Ocidental editar

 
Mapa resumido da temporada de tufões de 2016 no Pacífico

A temporada de 2016 é considerada o quarto início mais recente de uma temporada de tufões no Pacífico desde o início dos registros confiáveis. Foi uma temporada média, com um total de 26 tempestades nomeadas, 13 tufões e seis supertufões. Apesar do início tardio da temporada, a temporada de 2016 foi normal e ativa, com um total de 53 depressões tropicais, das quais 26 se tornaram tempestades tropicais. Após cinco meses de inatividade, a primeira depressão tropical se desenvolveu em 26 de maio, tornando-se a quinta última estação para a formação de um sistema. De acordo com os registros existentes, apenas quatro outras temporadas começaram depois - as temporadas de 1973, 1983, 1984 e 1998. A atividade tropical em toda a bacia tornou-se marginalmente favorável ao desenvolvimento, e duas depressões tropicais se desenvolveram durante o mês de junho. Em 3 de julho, Nepartak se tornou a primeira tempestade tropical nomeada, tornando-se a segunda mais recente tempestade nomeada registrada. A nomeação de Nepartak encerrou um período de 199 dias (de 17 de dezembro de 2015 a 2 de julho de 2016) durante o qual nenhuma tempestade nomeada estava ativa na bacia; esse período empatou com o período de 199 dias de 22 de dezembro de 1997 a 8 de julho de 1998.[34] O Nepartak atingiu a intensidade do supertufão de categoria 5 antes de atingir a costa de Taiwan e do leste da China, causando um total de US$ 1,52 bilhão em danos. No final de julho, a tempestade tropical Mirinae atingiu seu pico de intensidade ao atingir o Delta do Rio Vermelho, no norte do Vietnã. A tempestade causou um total de US$ 334 milhões em danos em Ainão e no Vietnã. Mais tarde, Nida chegou perto da força do tufão; afetou as Filipinas, o sul da China e o Vietnã, mas seus danos foram menores que os de Mirinae. A temporada tornou-se mais ativa em agosto, com 7 tempestades nomeadas. Com exceção de Dianmu, que afetou o sul da China, a Indochina, todos os ciclones tropicais de agosto afetaram o Japão e o Extremo Oriente da Rússia. No final de agosto, três tempestades (Chanthu, Lionrock e Kompasu) atingiram a ilha japonesa de Hokkaidō, a maior desde 1951.[35] Lionrock foi um ciclone tropical grande, poderoso, de longa duração e errático que causou inundações e vítimas significativas na Coreia do Norte e no Japão no final de agosto.

Em setembro, o tufão Meranti se tornou o tufão mais forte em termos de pressão desde o tufão Megi em 2010, bem como o tufão mais forte em termos de ventos sustentados desde o tufão Haiyan em 2013, e o segundo ciclone tropical mais forte do mundo em 2016, atrás apenas do ciclone Winston, em termos de pressão. O tufão Megi atingiu seu pico de intensidade como um tufão de categoria 3 ao atingir Taiwan. Tanto o Meranti quanto o Megi atingiram a costa de Fujian, na China, e causaram um total de US$ 3,6 bilhões em danos. Rai se tornou uma tempestade tropical fraca antes de atingir o Vietnã, Laos e Tailândia em meados de setembro, causando inundações e danos moderados. O tufão Malakas impactou o Japão com um total de quase US$ 740 milhões em danos como um tufão de categoria 4. No final de setembro e início de outubro, o tufão Chaba atingiu a intensidade de supertufão de categoria 5 e se tornou o ciclone tropical mais forte a atingir a Coreia do Sul desde Sanba em 2012. Chaba também causou 7 mortes no país.[36] Uma depressão tropical se formou a leste da Linha Internacional de Data em 3 de outubro e entrou na bacia antes de se transformar no tufão Songda. Songda atingiu a região noroeste do Pacífico dos Estados Unidos e Canadá como um poderoso ciclone extratropical.[37] A severa tempestade tropical Aere afetou partes do Sudeste Asiático em meados de outubro, incluindo a pior inundação no Vietnã desde 2010, causando um total de US$ 209 milhões de danos.[38] Mais tarde, o tufão Sarika tornou-se um poderoso tufão e afetou as Filipinas, a China e o Vietnã, causando graves danos e graves inundações no sul da China. Depois de Sarika, o tufão Haima alcançou a força de supertufão de categoria 5 antes de impactar as Filipinas e a China, causando um total de US$ 1,93 bilhão em danos. Haima foi o ciclone tropical mais severo a afetar Hong Kong em outubro desde 1995. No início de novembro, uma depressão tropical atingiu o sul do Vietnã e causou fortes inundações em todo o centro e sul do Vietnã, causando danos moderados. No final de dezembro, Nock-ten se tornou o ciclone tropical de Natal mais forte já registrado em qualquer lugar do mundo desde pelo menos 1960 em termos de ventos sustentados de 1 minuto, antes de atingir as Filipinas.[39][40]

Oceano Índico Norte editar

 
Mapa resumido da temporada de ciclones do Oceano Índico de 2016

A temporada de 2016 foi a mais mortal desde 2010, matando mais de 400 pessoas. A temporada foi mediana, com quatro tempestades nomeadas, com uma intensificando ainda mais em uma tempestade ciclônica muito severa. A temporada começou oficialmente com a formação do ciclone Roanu na Baía de Bengala em 17 de maio. O início de junho não testemunhou tempestades, embora muitas áreas de baixa pressão se formassem sobre a Baía de Bengala, mas nenhuma delas se intensificou em depressão, devido a uma forte monção de sudoeste. No final de junho, formou-se a Depressão ARB 01, mas enfraqueceu em dois dias. Julho não testemunhou tempestades até que uma profunda depressão se formou em agosto, sob a influência de uma circulação ciclônica de ar superior sobre Gangetic West Bengal. No entanto, várias áreas de baixa pressão se desenvolveram sobre a Baía de Bengala, com a formação da tempestade ciclônica Kyant em outubro e a tempestade ciclônica Nada em novembro. Devido à presença de temperaturas quentes na superfície do mar, o ciclone muito severo Vardah se formou em dezembro.

Oceano Índico Sudoeste editar

Mapa resumo da temporada de ciclones no Índico Sudoeste de 2016-2017

Janeiro-junho editar

Cinco tempestades nomeadas foram formadas, incluindo uma sem nome e outra que foi cruzada na região australiana. O Corentin foi formado em 20 de janeiro.[41] Em fevereiro, a bacia tornou-se um pouco ativa com a formação de Daya,[42] e Uriah entrando na bacia dias depois.[43] O Emeraude se formou em março, atingindo rapidamente o pico de intensidade de um ciclone tropical intenso, antes de enfraquecer rapidamente.[44] A tempestade tropical moderada 07 se formou no final de março.[45] Em abril, a temporada começou a desacelerar. O ciclone tropical muito intenso Fantala formou-se perto do final do mês e atingiu o pico de intensidade como o ciclone tropical mais forte registrado na bacia em termos de ventos sustentados. Fantala se dissipou em 24 de abril, encerrando a temporada.[46]

Julho–dezembro editar

Dois sistemas foram formados em 2016, de fato foi o menos ativo.

Região da Austrália editar

Mapa resumo da temporada de ciclones na região da Austrália de 2015-2016
Mapa resumo da temporada de ciclones na região da Austrália de 2016-2017

Janeiro-junho editar

Durante a temporada, apenas três ciclones tropicais se desenvolveram na região australiana, o que significa que a temporada foi considerada a menos ativa desde que registros confiáveis começaram em 1969.[47][48] Essa baixa atividade foi parcialmente atribuída ao evento El Niño de 2014–16, que causou o deslocamento dos sistemas para o leste na bacia do ciclone tropical do Pacífico Sul. Um evento positivo do Dipolo do Oceano Índico causou águas mais frias do que o normal no leste tropical do Oceano Índico, perto da Indonésia, que por sua vez limitou o desenvolvimento perto da Austrália Ocidental durante a primeira parte da temporada.

Posteriormente, Stan atingiu a Austrália Ocidental e impactou várias commodities, incluindo petróleo, gás natural e minério de ferro. No entanto, os impactos foram limitados devido à baixa população da região. A baixa tropical precursora do ciclone tropical Uriah desenvolveu-se sobre o Oceano Índico, dentro de uma monção de baixa pressão durante 9 de fevereiro. O sistema posteriormente se desenvolveu ainda mais e foi nomeado Uriah em 13 de fevereiro, antes de sair da região no dia seguinte. O ciclone tropical Tatiana evoluiu para um ciclone tropical durante o dia 11 de fevereiro, enquanto estava localizado sobre o Mar de Coral. Nos dias seguintes, o sistema permaneceu sobre a água e se dissipou durante o dia 15 de fevereiro, depois de produzir algumas ondas poderosas e de longo período ao longo das praias de Queensland. Depois que Tatiana se dissipou, quatro baixas tropicais ocorreram na região antes do final da temporada em 30 de abril, incluindo a baixa tropical remanescente do ciclone tropical severo Winston.

Julho–dezembro editar

Oito sistemas e uma tempestade nomeada foram formados em 2016.

Oceano Pacífico Sul editar

Mapa resumo da temporada de ciclones no Pacífico Sul de 2015-2016
Mapa resumo da temporada de ciclones no Pacífico Sul de 2016-2017

Janeiro-junho editar

A temporada foi uma das mais desastrosas temporadas de ciclones tropicais do Pacífico Sul já registradas, com um total de 50 mortes e $ 1,405 bilhões (2016 USD ) em danos. Ao longo da temporada, 8 sistemas atingiram o status de ciclone tropical, enquanto 5 se tornaram ciclones tropicais severos. De longe, o ciclone mais notável da temporada foi o Winston, que atingiu uma pressão mínima de 884 hPa (mbar; 26,10 inHg) e ventos sustentados máximos de dez minutos de 282 km/h (175 mph), tornando-o o ciclone tropical mais intenso já registrado no Hemisfério Sul. Winston passou a devastar Fiji, causando $ 1,4 bilhões (2016 USD ) em danos e 44 mortes em todo o país.

Enquanto isso, o 06F se desenvolveu ao norte da Ilha Wallis, mas foi absorvido pelo ciclone Ula. Victor acabou com a primeira série de tempestades, dissipando-se em 24 de janeiro. Depois disso, a bacia ficou inativa por três semanas; no entanto, uma série de tempestades começou a se formar em fevereiro. Winston liderou o mês, formando em 7 de fevereiro. Semelhante a Ula, a tempestade atingiu um pico preliminar, enfraqueceu, mas depois se intensificou rapidamente em um ciclone tropical severo de categoria 5, atingindo a costa perto de Suva, Fiji, com força máxima. Isso fez de Winston o ciclone tropical mais forte já registrado a impactar Fiji. Winston então mudou-se para o sudoeste, fora da bacia, em 26 de fevereiro, dissipando-se em 1º de março. O ciclone Tatiana entrou brevemente na bacia em 12 de fevereiro, mas se dissipou no dia seguinte, ao sair da bacia. Seguiu-se o ciclone Yalo e uma depressão tropical: Yalo se dissipou em 26 de fevereiro, enquanto 12F se dissipou em 1 de março. A bacia tornou-se inativa novamente com o fim da temporada. Apesar disso, a Depressão Tropical 13F se formou em 19 de março e se dissipou três dias depois. A bacia voltou a ficar dormente novamente, com a aproximação do final de março, até que outra depressão tropical se formou no início de abril. Uma das três depressões se tornou o ciclone Zena, que causou mais problemas às quase dizimadas Fiji. O ciclone Amos se formou no final de abril e passou por Samoa e Samoa Americana.

Julho–dezembro editar

Depois de uma temporada de ciclones tropicais quase média, mas destrutiva, durante o ano anterior, a primeira perturbação tropical da temporada se desenvolveu ao norte-nordeste de Niue em 12 de novembro[49] No entanto, nos meses seguintes, nenhum ciclone tropical nomeado se desenvolveu. Isso foi atribuído a uma série de fatores, incluindo uma zona de convergência do Pacífico Sul mal organizada e um episódio previsto de La Niña que não se desenvolveu.[49]

Oceano Atlântico Sul editar

 Ver artigo principal: Ciclone tropical do Atlântico Sul
 
Tempestade subtropical Eçaí, o ciclone subtropical ou tropical mais forte de 2016.

Três sistemas e duas tempestades subtropicais ou tropicais nomeadas foram formadas em 2016. Em 5 de janeiro de 2016, o Centro Hidrográfico da Marinha do Brasil emitiu alertas sobre uma depressão subtropical que se formou a leste de Vitória, no Espírito Santo.[50] No dia seguinte, o sistema se fortaleceu em uma depressão tropical, e outras agências consideraram o sistema um investimento, designando-o como 90Q ;[51] no entanto, em 7 de janeiro, a depressão tropical se dissipou.[51][52]

Uma depressão subtropical se formou a sudoeste do Rio de Janeiro em 15 de novembro de 2016.[53] Ele se intensificou em uma tempestade subtropical e recebeu o nome de Deni em 16 de novembro.[54] Movendo-se para o sul-sudeste, Deni logo se tornou extratropical pouco antes da meia-noite UTC de 17 de novembro.[55]

Um ciclone extratropical entrou no Oceano Atlântico Sul vindo de Santa Catarina no início de 4 de dezembro de 2016.[56] Mais tarde, intensificou-se rapidamente e depois transitou para uma tempestade subtropical pouco antes das 22:00 BRST (00:00 UTC de 5 de dezembro), com o nome Eçaí atribuído pelo Centro Hidrográfico da Marinha do Brasil.[57] Eçaí começou a decair em 5 de dezembro e enfraqueceu para uma depressão subtropical por volta das 00:00 UTC de 6 de dezembro.[58]

Mar Mediterrâneo editar

 
90M em 31 de outubro de 2016

Dois sistemas tropicais foram formados no Mar Mediterrâneo em 2016. No início de 28 de outubro de 2016, 35 milhas por hora (56 km/h) um ciclone extratropical começou a se desenvolver ao sul da Calábria, no mar Jônico. O sistema se intensificou rapidamente, atingindo velocidades de vento de 50 milhas por hora (80 km/h) enquanto se movia lentamente para o oeste, causando ondas altas e pequenos danos aos carros perto da cidade maltesa de Valletta, enfraquecendo no dia seguinte e começando a se mover para o leste. No entanto, mais tarde naquele dia, começou a se intensificar novamente e passou por uma transição tropical. Às 12:00 UTC em 30 de outubro, o sistema mostrou ventos sustentados de 10 minutos de 56 kn (104 km/h). Tornou-se uma tempestade tropical em 31 de outubro. Depois de passar por Creta, a tempestade começou a enfraquecer rapidamente, com a tempestade degenerando em uma baixa extratropical em 1 de novembro. A tempestade tropical 90M também foi apelidada de " Medicane Trixi " por alguns meios de comunicação na Europa durante sua duração. Nenhuma fatalidade ou estatísticas de chuva foram relatadas para este sistema que esteve em águas abertas na maior parte do tempo.

Sistemas editar

Janeiro editar

 
Ciclone Victor

Janeiro teve atividade acima da média em termos de sistemas formados, com seis ciclones tropicais, dos quais cinco foram nomeados. O furacão Pali se tornou o primeiro ciclone tropical já registrado no Oceano Pacífico, superando a tempestade tropical Winona em 1989. A temporada de furacões no Atlântico começou com a formação do furacão Alex em 12 de janeiro, tornando-se o primeiro furacão no Atlântico a ocorrer em janeiro desde o furacão Alice de 1954–1955. Sem relação com Alex, a formação do furacão Pali sobre o Pacífico Central no início de janeiro coincidiu com o desenvolvimento de Alex sobre o Atlântico. Isso marcou a primeira ocorrência simultânea de ciclones tropicais em janeiro entre essas duas bacias.[59] A severa tempestade tropical Corentin se formou na costa do sudoeste do Oceano Índico, enquanto no Pacífico Sul o ciclone Victor foi formado.

Ciclones tropicais formados em janeiro de 2016
Nome da tempestade Datas ativas Vento máximo km/h (mph) Pressão min.(mbar) Áreas afetadas Danos (USD) Mortos Refs
Pali 7 a 14 de janeiro 155 (100) 978 Kiribati Desconhecido 4 [60][61][62][63][64]
Alex 12 a 15 de janeiro 140 (85) 981 Bermudas, Açores Mínimo 1 [21]
Victor 14 a 22 de janeiro 150 (90) 958 Ilhas Cook Setentrionais, Niue, Tonga Nenhum Nenhum
07U 19 a 25 de janeiro Desconhecido Desconhecido Nenhum Nenhum Nenhum
Corentin 20 a 25 de janeiro 110 (70) 970 Nenhum Nenhum Nenhum [41]
Stan 27 a 31 de janeiro 100 (65) 980 Austrália Ocidental Austrália Meridional, Vitória Desconhecido Nenhum

Fevereiro editar

 
Ciclone Winston
Ciclones tropicais formados em fevereiro de 2016
Nome da tempestade Datas ativas Vento máximo km/h (mph) Pressão min.(mbar) Áreas afetadas Danos (USD) Mortos Refs
Winston 7 de fevereiro a 3 de março 280 (175) 884 Vanuatu, Fiji, Tonga, Niue US$ 1,4 bilhão 44 [1][65]
Daya 8 a 12 de fevereiro 75 (45) 992 Madagáscar, Reunião, Maurícias Desconhecido Nenhum [42]
Urias 9 a 19 de fevereiro 205 (125) 925 Ilhas Cocos (Keeling) Menor Nenhum [43]
Tatiana 9 a 14 de fevereiro 95 (60) 982 Queensland Nenhum Nenhum
11U 14 a 16 de fevereiro Desconhecido Desconhecido Nenhum Nenhum Nenhum
Yalo 24 a 26 de fevereiro 75 (45) 993 Ilhas Cook, Polinésia Francesa Nenhum Nenhum
12F 29 de fevereiro a 1º de março Desconhecido 1000 Polinésia Francesa Nenhum Nenhum

Março editar

 
Ciclone Emeraude
Ciclones tropicais formados em março de 2016
Nome da tempestade Datas ativas Vento máximo km/h (mph) Pressão min.(mbar) Áreas afetadas Danos (USD) Mortos Refs
12U 1 a 6 de março 65 (40) 1000 Nenhum Nenhum Nenhum
14U 14 a 16 de março 55 (35) 998 Território do Norte, Queensland Nenhum Nenhum
Emeraude 15 a 21 de março 205 (125) 940 Nenhum Nenhum Nenhum [44]
13F 19 a 22 de março Desconhecido 998 Nova Caledónia, Vanuatu Nenhum Nenhum
07 28 a 30 de março 85 (50) 992 Nenhum Nenhum Nenhum [45]

Abril editar

 
Ciclone Fantala
Ciclones tropicais formados em abril de 2021
Nome da tempestade Datas ativas Vento máximo km/h (mph) Pressão min.(mbar) Áreas afetadas Danos (USD) Mortos Refs
14F 1 a 5 de abril Desconhecido 1002 Vanuatu Nenhum Nenhum
15F 2 a 6 de abril Desconhecido 998 Fiji Nenhum Nenhum
Zena 5 a 7 de abril 130 (80) 975 Ilhas Salomão, Vanuatu, Fiji, Tonga Mínimo 2 [66]
Fantala 11 a 23 de abril 250 (155) 910 Agalega, Seicheles, Madagascar, Tanzânia US$ 4,5 milhões 13 [67]
Amos 20 a 24 de abril 150 (90) 965 Fiji, Ilha Wallis, Ilhas Samoa Mínimo Nenhum
18F 20 a 27 de abril Desconhecido 1002 Polinésia Francesa Nenhum Nenhum

Maio editar

 
Ciclone Roanu
Ciclones tropicais formados em maio de 2015
Nome da tempestade Datas ativas Vento máximo km/h (mph) Pressão min.(mbar) Áreas afetadas Danos (USD) Mortos Refs
Roanu 17 a 22 de maio 85 (50) 983 Sri Lanka, costa leste da Índia, Bangladesh, Myanmar, Iunã US$ 2,03 bilhões 135 [68][69][70]
01W 25 a 27 de maio Desconhecido 1000 Sul da China US$ 8,7 milhões Nenhum
bonnie 27 de maio a 4 de junho 75 (45) 1006 Bahamas, sudeste dos Estados Unidos $ 640.000 2 [71][72][73][22]

Junho editar

 
Tempestade Tropical Colin
Ciclones tropicais formados em junho de 2016
Nome da tempestade Datas ativas Vento máximo km/h (mph) Pressão min.(mbar) Áreas afetadas Danos (USD) Mortos Refs
Colin 5 a 7 de junho 85 (50) 1001 Península de Iucatã, Cuba, Flórida, Costa Leste dos Estados Unidos US$ 1,04 milhão 6 [74][23]
Um-E 6 a 8 de junho 55 (35) 1006 Sudoeste do México Menor Nenhum [75]
Danielle 19 a 21 de junho 75 (45) 1007 Península de Yucatán, leste do México Mínimo 1 [76][77]
TD 22 a 23 de junho 55 (35) 1006 Vietnã Nove Nenhum
Ambo 25 a 28 de junho 55 (35) 1004 Filipinas, Sul da China Nenhum Nenhum
ARB 01 27 a 29 de junho 45 (30) 996 Omã, Guzerate Nenhum Nenhum

Julho editar

 
Tufão Nepartak
Tropical cyclones formed in July 2016
Nome da tempestade Data ativo Vento máximo
km/h (mph)
Pressão
(hPa)
Áreas affected Prejuízos
(USD)
Mortos Refs
Nepartak (Butchoy) 2–10 de julho 205 (125) 900 Filipinas, Ilhas Ryukyu, Taiwan, China Oriental $1,89 bilhões 111 [78]
Agatha 2–5 de julho 85 (50) 1002 Nenhum Nenhum Nenhum [79]
Blas 2–10 de julho 220 (140) 947 Havaí Nenhum Nenhum [80][81][82]
Celia 6–16 de julho 155 (100) 972 Havaí Nenhum 2 [83]
LAND 01 6–7 de julho 45 (30) 996 India Ocidental Desconhecido Nenhum
Darby 11–26 de julho 195 (120) 958 Havaí Menor Nenhum [84]
Estelle 15–22 de julho 110 (70) 990 Nenhum Nenhum Nenhum [85]
03W 15–20 de julho Desconhecido 1006 Ilhas Ryukyu Nenhum Nenhum
Abela 15–20 de julho 95 (60) 987 Madagascar Nenhum Nenhum
Frank 21–28 de julho 140 (85) 979 Península da Baixa Califórnia, Naiarite Nenhum Nenhum [86][87][88]
Georgette 21–27 de julho 215 (130) 952 Havaí Nenhum Nenhum [89]
Lupit 22–24 de julho 75 (45) 1000 Nenhum Nenhum Nenhum
Mirinae 25–28 de julho 100 (65) 980 China meridional, Indochina $346 milhões 7 [90][91]
Nida (Carina) 29 de julho–3 de agosto 110 (70) 975 Filipinas, Taiwan, China meridional, Vietname $316 milhões 6 [90][92]
Howard 31 de julho–3 de agosto 95 (60) 998 Havaí Nenhum Nenhum [93]

Agosto editar

 
Tufão Lionrock
Ciclones tropicais formados em agosto de 2016
Nome da tempestade Datas ativas Vento máximo km/h (mph) Pressão min.(mbar) Áreas afetadas Danos (USD) Mortos Refs
Earl 2–6 de agosto 140 (85) 979 Pequenas Antilhas, Porto Rico, Hispaniola, Jamaica, Ilhas Cayman, Central America, México $250 milhões 94 [25]
Ivette 2–8 de agosto 95 (60) 1000 Havaí Nenhum Nenhum [94]
Omais 2–9 de agosto 110 (70) 975 Guam, Japão Nenhum Nenhum
TD 6–9 de agosto Desconhecido 998 Ilhas Ryukyu, China Oriental Nenhum Nenhum
Javier 7–9 de agosto 100 (65) 997 Mexico Menor Nenhum
Conson 7–15 de agosto 85 (50) 985 Japão Nenhum Nenhum
LAND 02 9–12 de agosto 55 (35) 994 Bangladesh, India Menor 2
TD 10–13 de agosto Desconhecido 996 Ilhas Ryukyu, Taiwan, China Oriental Nenhum Nenhum
TD 10–12 de agosto Desconhecido 1010 Atol Midway Nenhum Nenhum
Chanthu 12–17 de agosto 100 (65) 980 Japão $94,7 milhões Nenhum
TD 12–13 de agosto Desconhecido 1002 Taiwan Nenhum Nenhum
Dianmu 15–20 de agosto 85 (50) 980 China, Vietname, Laos, Tailândia, Myanmar, Bangladesh, India $481,1 milhões 22
TD 15–16 de agosto Desconhecido 996 China meridional, Vietname Nenhum Nenhum
Fiona 16–23 de agosto 85 (50) 1004 Bermuda Nenhum Nenhum [95]
BOB 02 16–20 de agosto 55 (35) 994 Bangladesh, Índia Menor 6
Mindulle 17–23 de agosto 120 (75) 975 Ilhas Marianas, Japão $448,3 milhões 3
Lionrock (Dindo) 17–30 de agosto 220 (140) 940 Japão, Extremo Oriente Russo, Coreia do Norte $3,84 bilhões 550
Kay 18–23 de agosto 85 (50) 1000 Mexico Nenhum Nenhum
Kompasu 18–21 de agosto 65 (40) 994 Guam, Japão Menor 1
Gaston 22 de agosto–2 de setembro 195 (120) 955 Ilha Flores Nenhum Nenhum [26]
TD 23–24 de agosto Desconhecido 1000 Filipinas Nenhum Nenhum
14W 23–24 de agosto 55 (35) 1002 Guam Nenhum Nenhum
TD 24 de agosto Desconhecido 1000 Nenhum Nenhum Nenhum
Lester 25 de agosto–7 de setembro 230 (145) 944 Havaí Menor Nenhum
Madeline 26 de agosto–2 de setembro 215 (130) 950 Havaí Menor Nenhum
TD 27 de agosto Desconhecido 1004 Nenhum Nenhum Nenhum
Oito 28 de agosto–1 de setembro 55 (35) 1010 Cabo Hatteras Menor Nenhum [96]
Hermine 28 de agosto–8 de setembro 130 (80) 981 República Dominicana, Cuba, Bahamas, Flórida, Costa Leste dos Estados Unidos, Províncias atlânticas do Canadá $550 milhões 4 (1)
TD 30–31 de agosto Desconhecido 1004 Nenhum Nenhum Nenhum
Namtheun (Enteng) 31 de agosto–5 de setembro 130 (80) 955 Taiwan, Japão Menor Nenhum

Setembro editar

 
Tufão Meranti
Ciclones tropicais formados em setembro de 2016
Nome da tempestade Datas ativas Vento máximo km/h (mph) Pressão min.(mbar) Áreas afetadas Danos (USD) Mortes Refs
Newton 4–7 de setembro 150 (90) 977 Península da Baixa Califórnia, Noroeste México, Sudoeste dos Estados Unidos $95,8 milhões 9
Malou 5–7 de setembro 75 (45) 1000 Japão Menor Nenhum
TD 7–8 de setembro Desconhecido 998 Japão Nenhum Nenhum
Meranti (Ferdie) 8–16 de setembro 220 (140) 890 Filipinas, Taiwan, China continental, Coreia do Sul $4,79 bilhões 47
TD 9–10 de setembro Desconhecido 1008 Nenhum Nenhum Nenhum
TD 10 de setembro Desconhecido 1008 Taiwan Nenhum Nenhum
17W 10–12 de setembro 65 (40) 1008 Nenhum Nenhum Nenhum
Orlene 11–17 de setembro 175 (110) 967 Nenhum Nenhum Nenhum
Rai 11–13 de setembro 55 (35) 996 Vietname, Laos, Tailândia, Camboja $37 milhões 12
Malakas (Gener) 11–20 de setembro 175 (110) 930 Ilhas Marianas, Taiwan, Japão $300 milhões 1
Ian 12–16 de setembro 95 (60) 994 Nenhum Nenhum Nenhum [97]
Julia 13–18 de setembro 85 (50) 1007 Bahamas, Sudoeste dos Estados Unidos $6,13 milhões Nenhum [98]
Karl 14–25 de setembro 110 (70) 988 Bermudas Menor Nenhum [99]
Paine 18–20 de setembro 150 (90) 979 Península da Baixa Califórnia Nenhum Nenhum
Lisa 19–25 de setembro 85 (50) 999 Nenhum Nenhum Nenhum [100]
Megi (Helen) 22–29 de setembro 155 (100) 945 Ilhas Carolinas, Ilhas Ryukyu, Taiwan, China $1,56 bilhões 52
01U 23–29 de setembro Desconhecido Desconhecido Nenhum Nenhum Nenhum
Chaba (Igme) 24 de setembro–5 de outubro 215 (130) 905 Ilhas Marianas, Coreia do Sul, Japão, Extremo Oriente Russo $2,61 bilhões 10
Roslyn 25–29 de setembro 85 (50) 999 Nenhum Nenhum Nenhum
Ulika 26–30 de setembro 120 (75) 992 Nenhum Nenhum Nenhum
Matthew 28 de setembro–9 de outubro 270 (165) 934 Ilhas de Barlavento, Leeward Antilles, Venezuela, Colômbia, Jamaica, Hispaniola, Porto Rico, Cuba, Ilhas Turcas e Caicos, Bahamas, Sudoeste dos Estados Unidos, Províncias atlânticas do Canadá $15,09 bilhões 603 [29]

Outubro editar

 
Tufão Haima
Ciclone tropicais formado em outubro de 2016
Nome da tempestade Data ativo Vento máximo
km/h (mph)
Pressão
(hPa)
Áreas afetadas Prejuízos
(USD)
Mortos Refs
Bransby 2–6 de outubro 100 (65) 987 Nenhum Nenhum Nenhum
Songda 4–13 de outubro 185 (115) 925 Pacific Northwest Desconhecido Nenhum
Aere (Julian) 4–14 de outubro 110 (70) 975 Filipinas, Taiwan, China meridional, Indochina $112 milhões 35
Nicole 4–18 de outubro 220 (140) 950 Bermudas $15 milhões 1 [30]
02U 12–18 de outubro Desconhecido 1004 Nenhum Nenhum Nenhum
Sarika (Karen) 13–19 de outubro 175 (110) 935 Filipinas, China meridional, Vietname $866 milhões 37
Haima (Lawin) 14–21 de outubro 215 (130) 900 Ilhas Carolinas, Filipinas, Taiwan, China, Japão $972 milhões 19
TD 15 de outubro Desconhecido 1008 Nenhum Nenhum Nenhum
Kyant 21–28 de outubro 75 (45) 996 Ilhas Andaman, Myanmar, Índia do Sul Nenhum Nenhum
Seymour 23–28 de outubro 240 (150) 940 Baja California Nenhum Nenhum
Trixi 28–31 de outubro 105 (65) Desconhecido Calábria, Malta, Greece Nenhum Nenhum
Meari 30 de outubro–7 de dezembro 140 (80) 960 Ilhas Marianas Nenhum Nenhum
TD 31 de outubro Desconhecido 1008 Ilhas Marianas Nenhum Nenhum

Novembro editar

 
Furacão Otto
Ciclones tropicais formados em novembro de 2016
Nome da tempestade Data ativo Vento máximo
km/h (mph)
Pressão
(hPa)
Áreas afetadas Prejuízos
(USD)
Mortos Refs
TD 1–5 de novembro 55 (35) 998 Nenhum Nenhum Nenhum
TD 2–6 de novembro 55 (35) 1004 Bornéu, Indochina $48,1 milhões 15
BOB 04 2–6 de novembro 45 (30) 1000 Malásia, Tailândia, West Bengal, Bangladesh Desconhecido 80
Ma-on 8–13 de novembro 65 (40) 1002 Nenhum Nenhum Nenhum
28W 9–12 de novembro Desconhecido 1008 Ilhas Marshall Nenhum Nenhum
03U 9–15 de novembro Desconhecido 1005 Nenhum Nenhum Nenhum
01F 12–13 de novembro Desconhecido 1008 Nenhum Nenhum Nenhum
Tina 13–14 de novembro 65 (40) 1004 México Oriental Nenhum Nenhum
Deni 15–16 de novembro 75 (45) 998 Brazil Nenhum Nenhum
Otto 20–26 de novembro 185 (115) 975 Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Colômbia ≥ $192,2 milhões 23 [101]
Tokage (Marce) 24–28 de novembro 95 (60) 992 Filipinas, Vietname $30 mil 1
02F 23–27 de novembro Desconhecido 1006 Nenhum Nenhum Nenhum
03F 27–30 de novembro Desconhecido 1000 Ilhas Salomão Nenhum Nenhum
Nada 29 de dezembro–2 de dezembro 75 (45) 1000 Sri Lanka, Índia do Sul Desconhecido 12

Dezembro editar

 
Tufão Nock-ten
Ciclones tropicais formados em dezembro de 2016
Nome da tempestade Datas ativas Vento máximo km/h (mph) Pressão min.(mbar) Áreas afetadas Danos (USD) Mortos Refs
04U 4–6 de dezembro Desconhecido Desconhecido Nenhum Nenhum Nenhum
Eçaí 4–6 de dezembro 100 (65) 992 Brasil Nenhum Nenhum
Vardah/ARB 02 6–18 de dezembro 130 (80) 975 Sumatra, Andaman e Ilhas Nicobar, Tailândia, Malásia, Sri Lanka, Chennai (Tamil Nadu), Somália $3,37 bilhões 47
05U 9–17 de dezembro Desconhecido Desconhecido Nenhum Nenhum Nenhum
TD 10–13 de dezembro 55 (35) 1004 Vietname $53,4 milhões 30
04F 12–23 de dezembro 45 (30) 998 Fiji $4,7 milhões Nenhum
06U 18–23 de dezembro 55 (35) 994 Austrália Ocidental Nenhum Nenhum
Yvette 19–25 de dezembro 85 (50) 987 Austrália Ocidental Nenhum Nenhum
Nock-ten (Nina) 20–28 de dezembro 195 (120) 915 Ilhas Carolinas, Filipinas, Vietname $123 milhões 13
05F 21–26 de dezembro Desconhecido 1005 Nenhum Nenhum Nenhum
TD 27 de dezembro Desconhecido 1004 Nenhum Nenhum Nenhum

Efeitos globais editar

Nome temporada Áreas afetadas Sistemas formados Sistemas nomeados Danos (USD) Mortos Ref
Temporada de furacões no oceano Atlântico de 2016 Bahamas, Bermudas, Açores, southern Gronelândia, Sudoeste dos Estados Unidos, Península de Yucatán, Cuba, Costa Leste dos Estados Unidos, Pequenas Antilhas, Porto Rico, Hispaniola, Jamaica, Ilhas Cayman, América Central, México, Carolina do Norte, Províncias atlânticas do Canadá, Cabo Verde, Antilhas, Venezuela, Colômbia, Panama, Costa Rica, Nicarágua 16 15 ≥ $17,485 bilhões 736
Temporada de furacões no Pacífico de 2016 Sudoeste México, Havaí, Península da Baixa Califórnia, Nayarit, México Ocidental, Noroeste México, Sudoeste dos Estados Unidos 22 21 $95,8 milhões 15
Temporada de tufões no Pacífico de 2016 China meridional, Vietname, Filipinas, Ilhas Ryukyu, Taiwan, China Oriental, Indochina, Ilhas Marianas, Japão, Russia, Midway Atoll, Extremo Oriente Russo, Bangladesh, Índia, Noroeste da China, Coreia do Norte, Coreia do Sul, China, Ilhas Carolinas, Pacífico Noroeste, Bornéu, Ilhas Marshall, 51 26 $16,96 bilhões 942
Temporada de ciclones no Índico Norte de 2016 Sri Lanka, Índia Oriental Bangladesh, Myanmar, Yunnan, Omã, Gujarat, Ilhas Andaman, Índia do Sul, Malásia, Tailândia, West Bengal, Sumatra, Ilhas Nicobar, Chennai, Somália 9 4 $5,51 bilhões 401
Temporada de ciclones na região da Austrália de 2015-20161 Território do Norte, Queensland, Austrália Ocidental, Sul da Austrália, Victória, Ilhas Coco 8 3 Menor Nenhum
Temporada de ciclones na região da Austrália de 2016-20172 Ilhas Salomão, Austrália Ocidental 8 1 Nenhum Nenhum
Temporada de ciclones no Índico Sudoeste de 2015-20161 Madagáscar, Réunion, Mauritius, Agalega, Seychelles, Tanzânia 5 5 $4,5 milhões 13
Temporada de ciclones no Índico Sudoeste de 2016-20172 Madagáscar 2 1 Nenhum Nenhum
Temporada de ciclones no Pacífico Sul de 2015-20161 Cook Islands, Niue, Tonga, Vanuatu, Fiji, Polinésia francesa, Nova Caledónia, Ilhas Salomão, Ilha Wallis e Futuna, Ilhas Samoa 10 5 $1,4 bilhões 46
Temporada de ciclones no Pacífico Sul de 2016-20172 Fiji 5 0 $4.7 milhões Nenhum
Ciclone tropical mediterrâneo Reuno Unido, Irlanda, Françâ, Itália, Túnisia, Grécia, Turquia 1 1 Desconhecido Nenhum
Ciclone tropical do Atlântico Sul Brasil 3 2 $0 Nenhum
Mundial (Ver acima) 140 84 $41,46 bilhões 2,153

Ver também editar

Notas editar

  1. A "força" de um ciclone tropical é medida pela pressão barométrica mínima, não pela velocidade do vento. A maioria das organizações meteorológicas classifica a intensidade de uma tempestade por esse valor, portanto, quanto menor a pressão mínima da tempestade, mais intensa ou "mais forte" ela é considerada. Os ventos mais fortes eram realmente de Meranti, a 315 km/h.

1 Apenas os sistemas que se formaram em ou após 1 de janeiro de 2016 são contados nos totais sazonais. 2 Apenas os sistemas que se formaram antes ou em 31 de dezembro de 2016 são contados nos totais sazonais.3 As velocidades do vento para este ciclone/bacia tropical são baseadas na escala IMD que usa ventos sustentados de 3 minutos. 4 As velocidades do vento para este ciclone/bacia tropical são baseadas na escala Saffir-Simpson que usa ventos sustentados de 1 minuto.5 As velocidades do vento para este ciclone tropical são baseadas em Météo-France que usa rajadas de vento.

Referências editar

  1. a b Diamond, Howard (5 de julho de 2017). «Southwest Pacific Enhanced Archive for Tropical Cyclones (SPEArTC)». Consultado em 6 de julho de 2017 
  2. Stewart, Stacy R (3 de abril de 2017). Tropical Cyclone Report: Hurricane Matthew (PDF) (Relatório técnico). United States National Hurricane Center. Consultado em 5 de abril de 2017 
  3. «Haiti: Cholera spreads from Hurricane Mathew, death toll reaches 546». News Ghana.com. News Ghana. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  4. «Bridge damaged by Hurricane Matthew collapses in Cuba, killing 4». BNO News. 23 de novembro de 2016. Consultado em 23 de novembro de 2016. Arquivado do original em 24 de novembro de 2016 
  5. «Hurricane Matthew slams Haiti, takes aim at US East Coast». Associated Press 
  6. «One dead as Matthew batters Eastern Caribbean». Jamaica Observer. Kingstown, St. Vincent. Caribbean Media Corporation. 30 de setembro de 2016. Consultado em 30 de setembro de 2016 
  7. «Indian Ocean Dipole: What is it and why is it linked to floods and bushfires?». BBC News. 7 de dezembro de 2019. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  8. Becker, Emily (14 de janeiro de 2016). «ENSO Blog: January El Niño update: It's got a lot going on». ENSO Blog. Arquivado do original em 7 de junho de 2016 
  9. Becker, Emily (18 de abril de 2021). «May 2016 El Niño/La Niña update: Switcheroo!». www.climate.gov 
  10. «Pacific Enso Update. 2nd Quarter, 2016 Vol. 22, No. 2 ISSUED: May 23rd, 2016» (PDF). www.weather.gov 
  11. a b Becker, Emily (11 de fevereiro de 2016). «ENSO Blog: February 2016 El Niño update: Q & A...and some Thursday-morning quarterbacking». Climate.Gov. United States National Oceanic and Atmospheric Administration. Arquivado do original em 21 de junho de 2016 
  12. Becker, Emily (9 de março de 2016). «ENSO Blog: March 2016 El Niño update: Spring Forward». Climate.Gov. United States National Oceanic and Atmospheric Administration. Arquivado do original em 21 de junho de 2016 
  13. Becker, Emily (14 de abril de 2016). «ENSO Blog: April 2016 El Niño/La Niña update: What goes up...». Climate.Gov. United States National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 29 de maio de 2016 
  14. Becker, Emily (9 de junho de 2016). «ENSO Blog: June 2016 ENSO discussion: The new neutral». Climate.Gov. United States National Oceanic and Atmospheric Administration. Arquivado do original em 20 de junho de 2016 
  15. a b Tracey Peake; Lian Xie (15 de abril de 2016). «East Coast Should Expect Active Hurricane Season, Researchers Say». North Carolina State University. Consultado em 25 de abril de 2017 
  16. Philip J. Klotzbach (30 de novembro de 2016). Summary of 2016 Atlantic Seasonal Tropical Cyclone Activity and Verification of Author's Seasonal and Two-week Forecasts (PDF) (Relatório). Arquivado do original (PDF) em 12 de março de 2017 
  17. Lusa (16 de janeiro de 2016). «Furacão Alex impede socorro da Força Aérea e doente morre». Público. Consultado em 17 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2016 
  18. Bob Henson; Jeff Masters (30 de novembro de 2016). «Early, Late, and Far-Flung: The Eclectic 2016 Atlantic Hurricane Season». Weather Underground. Consultado em 29 de setembro de 2021 
  19. a b Atlantic basin Comparison of Original and Revised HURDAT (Relatório). National Oceanic and Atmospheric Administration 
  20. Phillip J. Klotzbach; William M. Gray (10 de abril de 2014). «Extended Range Forecast of Atlantic Seasonal Hurricane Activity and Landfall Strike Probability for 2014» (PDF). Colorado State University. Colorado State University. Consultado em 12 de maio de 2017. Arquivado do original (PDF) em 9 de janeiro de 2017 
  21. a b Eric S. Blake (13 de setembro de 2016). Tropical Cyclone Report: Hurricane Alex (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. pp. 2, 3. Consultado em 12 de maio de 2017 
  22. a b Michael J. Brennan (14 de outubro de 2016). Tropical Cyclone Report: Tropical Storm Bonnie (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. p. 2, 3. Consultado em 12 de maio de 2017 
  23. a b Richard J. Pasch; Andrew B. Penny (18 de janeiro de 2017). Tropical Cyclone Report: Tropical Storm Colin (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. pp. 2, 3. Consultado em 12 de maio de 2017 
  24. «Monthly Atlantic Tropical Weather Summary». National Hurricane Center. 1 de agosto de 2016. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  25. a b Robbie J. Berg (19 de janeiro de 2017). Tropical Cyclone Report: Hurricane Earl (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. pp. 1, 2, 6. Consultado em 12 de maio de 2017 
  26. a b Daniel P. Brown (11 de janeiro de 2017). Tropical Cyclone Report: Hurricane Gaston (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. pp. 2, 3. Consultado em 12 de maio de 2017 
  27. Robbie J. Berg (30 de janeiro de 2017). Tropical Cyclone Report: Hurricane Hermine (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. Consultado em 12 de maio de 2017 
  28. Lixion Avila (30 de setembro de 2016). Hurricane Matthew Discussion Number 12 (Relatório). National Hurricane Center 
  29. a b Stacy R. Stewart (3 de abril de 2017). Tropical Cyclone Report: Hurricane Matthew (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. p. 2, 3, 4, 5. Consultado em 5 de abril de 2017 
  30. a b Todd B. Kimberlain; Andrew S. Latto (15 de fevereiro de 2017). Tropical Cyclone Report: Hurricane Nicole (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. pp. 2, 3. Consultado em 12 de maio de 2017 
  31. a b Daniel P. Brown (10 de abril de 2017). Tropical Cyclone Report: Hurricane Otto (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. Consultado em 24 de abril de 2017 
  32. Dorst Neal. When is hurricane season? (Relatório). Atlantic Oceanographic and Meteorological Laboratory. Arquivado do original em 6 de dezembro de 2010 
  33. «Hurricane Pali Recap, Earliest Central Pacific Hurricane on Record». The Weather Company. 14 de junho de 2016. Consultado em 24 de março de 2021 
  34. «Ranking of Typhoon Inactive Period (W. North Pacific) : Top 500». Digital Typhoon. Consultado em 6 de julho de 2016 
  35. Dave Ornauer (28 de agosto de 2016). «Lionrock could give Tokyo area another drenching». Stars and Stripes. Consultado em 28 de agosto de 2016. Arquivado do original em 28 de agosto de 2016 
  36. «Typhoon Chaba leaves 7 dead, 3 missing in southern S. Korea». Yonhap News. 6 de outubro de 2016. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  37. Bob Henson (14 de outubro de 2016). «Potential once-in-a-decade windstorm takes shape for Pacific Northwest». Weather Ungerground. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  38. «Mưa ở Quảng Bình là 'kỷ lục chưa từng có' – VnExpress». vnexpress.net. Consultado em 13 de novembro de 2016 
  39. Klotzbach, Phil (25 de dezembro de 2016). «#Nockten's current intensity of 155 mph is strongest for TC anywhere around the globe on Christmas (UTC time) on record (since 1960)». Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  40. Lam, Linda; Erdman, Jon (26 de dezembro de 2016). «Super Typhoon Nock-Ten (Nina), the Most Intense Christmas Tropical Cyclone in 56 Years, Hammers the Philippines». The Weather Channel. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  41. a b «CORENTIN : 20/01/2016 TO 31/01/2016». Météo-France. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  42. a b «DAYA : 07/02/2016 TO 13/02/2016». Météo-France. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  43. a b «URIAH : 11/02/2016 TO 25/02/2016». Météo-France. Consultado em 19 de fevereiro de 2017 
  44. a b «EMERAUDE : 14/03/2016 TO 23/03/2016». Météo-France. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  45. a b «0720152016 : 27/03/2016 TO 30/03/2016». Météo-France. Consultado em 26 de fevereiro de 2017 
  46. «FANTALA : 10/04/2016 TO 26/04/2016». Météo-France. Consultado em 26 de fevereiro de 2016 
  47. «La Niña's coming, which means adios to our endless summer». News.Com.Au. 29 de abril de 2016 
  48. «3 cyclones mark slowest tropical season on record for Australia». www.accuweather.com. 2 de maio de 2016. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  49. a b «Southwest Pacific Tropical Cyclone Outlook Update: This update for the latter half of the 2016–17 Tropical Cyclone (TC) season (February to April 2017) suggests near normal activity can still be expected.». National Institute of Water and Atmospheric Research. 10 de fevereiro de 2017. Consultado em 10 de fevereiro de 2017. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2017 
  50. «Sea Level Pressure Chart 1200 UTC - 5 Jan 2016». Marinha do Brasil - Navy Hydrographic Center. Consultado em 6 de janeiro de 2016. Arquivado do original (JPEG) em 6 de janeiro de 2016 
  51. a b Jon Erdman (6 de janeiro de 2016). «Could a Rare Tropical Storm Form in the South Atlantic Ocean?». weather.com. The Weather Company. Consultado em 8 de fevereiro de 2021 
  52. «Rare January Depression in Central Pacific; Atlantic Subtropical Storm Next Week?» 
  53. «Weather and Sea Bulletin Issued at 1200 UTC - 15/NOV/2016». Brazilian Navy Hydrography Center. 15 de novembro de 2016. Consultado em 15 de novembro de 2016. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2015 
  54. «Weather and Sea Bulletin Issued at 0000 UTC - 16/NOV/2016». Brazilian Navy Hydrography Center. 16 de novembro de 2016. Consultado em 16 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2016 
  55. «Weather and Sea Bulletin Issued at 0000 UTC - 17/NOV/2016». Brazilian Navy Hydrography Center. 17 de novembro de 2016. Consultado em 17 de novembro de 2016. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2015 
  56. «Sea Level Pressure Chart 0000 UTC for 4 Dec 2016» (JPEG). Brazilian Navy Hydrography Center. 4 de dezembro de 2016. Consultado em 5 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2016 
  57. «Weather and Sea Bulletin Issued at 0000 UTC - 05/DEC/2016». Brazilian Navy Hydrography Center. 5 de dezembro de 2016. Consultado em 5 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2015 
  58. «Weather and Sea Bulletin Issued at 0000 UTC - 06/DEC/2016». Brazilian Navy Hydrography Center. 6 de dezembro de 2016. Consultado em 6 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2015 
  59. Jeff Masters (13 de janeiro de 2016). «Unprecedented: Simultaneous January Named Storms in the Atlantic and Central Pacific». Weather Underground. Consultado em 14 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2016 
  60. Derek Wroe; Sam Houston (13 de dezembro de 2018). Hurricane Pali (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Honolulu, Hawaii: Central Pacific Hurricane Center 
  61. Sam Houston; Tom Birchard (22 de dezembro de 2016). Tropical Depression Nine-C (Relatório). Tropical Cyclone Report. Honolulu, Hawaii: Central Pacific Hurricane Center. Arquivado do original (PDF) em 20 de março de 2018 
  62. Erdman, John (1 de janeiro de 2016). «Tropical Depression Nine-C Dissipates; Caps Off a Record Central Pacific Hurricane Season». The Weather Company. Consultado em 6 de janeiro de 2016 
  63. Committee for Development Policy: 20th Plenary Session (PDF) (Relatório). United Nations Committee for Development. 16 de março de 2018. p. 13 
  64. Geospatial application in Kiribati (PDF) (Relatório). Intergovernmental Consultative Committee. 16 de outubro de 2017. p. 5 
  65. Masters, Jeff; Henson, Bob. «Winston's Damage Highest in South Pacific History; Extreme February Warmth in Eurasia». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  66. «Fijian residents prepare for long night as Cyclone Zena set to make landfall». One News NZ. 8 de abril de 2016 
  67. Athanase, Patsy; Uranie, Sharon (17 de maio de 2016). «$4.5 million in damages from cyclone that hit remote Seychellois island, World Bank says». Victoria, Seychelles. Seychelles News Agency. Consultado em 26 de maio de 2016 
  68. «Sri Lanka finds more landslide fatalities, warns of flood-triggered health crisis». The Japan Times. AFP-JIJI. Consultado em 23 de maio de 2016 
  69. «Bangladesh avoids high death toll with cyclone evacuation». The New Indian Express. 23 de maio de 2016. Consultado em 23 de maio de 2016 
  70. Nalaka Gunawardene (16 de junho de 2016). «Cyclone Roanu exposed Sri Lankan disaster response gaps». SciDev.Net. Consultado em 16 de junho de 2016 
  71. «Tropical Storm Bonnie causes almost $700K in damages in Jasper County». Savannah Morning News. Jasper County Sun Times. 9 de junho de 2016. Consultado em 9 de junho de 2016 
  72. WECT Staff (31 de maio de 2016). «Body of missing swimmer found on Kure Beach». WECT News. Consultado em 31 de maio de 2016 
  73. Christal Hayes (30 de maio de 2016). «Rip currents cause Kissimmee man to drown at beach, officials day». Orlando Sentinel. Consultado em 30 de maio de 2016 
  74. Terry Dickson (10 de junho de 2016). «Camden County woman's body found in creek 5 days after she and husband reported missing, DNR says». The Florida Times-Union. Brunswick, Georgia. Consultado em 22 de agosto de 2016 
  75. «Tropical Depression ONE-E». Consultado em 1 de setembro de 2016 
  76. «Tormenta Danielle causa un muerto en México». El Nuevo Dia (em espanhol). 21 de junho de 2016. Consultado em 22 de junho de 2016 
  77. John L. Beven II (8 de setembro de 2016). Tropical Cyclone Report: Tropical Storm Danielle (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. pp. 1, 4. Consultado em 12 de maio de 2017 
  78. «Report on TC's Key Activities and Main Events in the Region, 2016» (PDF). ESCAP/WMO Typhoon Committee. 9 de janeiro de 2017 
  79. Stacy R. Stewart (19 de setembro de 2016). Tropical Storm Agatha (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  80. Richard J. Pasch (13 de março de 2017). Hurricane Blas (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  81. Dudley, Malika (15 de julho de 2016). «Increased Windward Showers From Remnants of Blas». mauinow.com. Consultado em 16 de julho de 2016 
  82. National Weather Service in Honolulu, Hawaii (4 de agosto de 2016). July 2016 Precipitation Summary (Relatório). National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 7 de agosto de 2016 
  83. Daniel P. Brown (25 de janeiro de 2017). Hurricane Celia (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  84. John P. Cangialosi (4 de julho de 2019). Hurricane Darby (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  85. Robbie Berg (23 de agosto de 2016). Tropical Storm Estelle (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  86. Lixion A. Avila (20 de setembro de 2016). Hurricane Frank (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  87. «Tormenta 'Frank' causa inundaciones en Nayarit». Excelsior (em espanhol). 23 de julho de 2016. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  88. «Tormenta Frank provoca inundaciones en Nayarit». Grupo Milenio (em espanhol). 24 de julho de 2016. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  89. Eric S. Blake (27 de outubro de 2016). Hurricane Georgette (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  90. a b «Phó Thủ tướng chỉ đạo ứng phó thiên tai, bão lũ» (em vietnamita). Vietnam Government. 8 de agosto de 2016. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  91. «Ten killed, missing as storm Mirinae pounds northern Vietnam». Tuổi Trẻ News. Tuổi Trẻ. Consultado em 31 de julho de 2016 
  92. «Global Catastrophe Recap August 2016» (PDF). thoughtleadership.aonbenfield.com. Aon Benfield. Consultado em 8 de setembro de 2017 
  93. Richard J. Pasch (21 de março de 2017). Tropical Storm Howard (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  94. John L. Beven II; Christopher W. Landsea (18 de janeiro de 2017). Tropical Storm Ivette (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  95. Todd B. Kimerlain (11 de novembro de 2016). Tropical Cyclone Report: Tropical Storm Fiona (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. pp. 2, 3. Consultado em 12 de maio de 2017 
  96. John P. Cangialosi (6 de dezembro de 2016). Tropical Cyclone Report: Tropical Depression Eight (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. pp. 2, 11. Consultado em 12 de maio de 2017 
  97. Lixion A. Avila (3 de janeiro de 2017). Tropical Cyclone Report: Tropical Storm Ian (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. 2 páginas. Consultado em 12 de maio de 2017 
  98. Eric S. Blake (20 de janeiro de 2017). Tropical Cyclone Report: Tropical Storm Julia (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. pp. 2, 3. Consultado em 12 de maio de 2017 
  99. Richard J. Pasch; David A. Zelinsky (4 de janeiro de 2017). Tropical Cyclone Report: Tropical Storm Karl (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. 2 páginas. Consultado em 12 de maio de 2017 
  100. John L. Beven II (3 de fevereiro de 2017). Tropical Cyclone Report: Tropical Storm Lisa (PDF) (Relatório técnico). National Hurricane Center. 2 páginas. Consultado em 12 de maio de 2017 
  101. Daniel P. Brown (1 de fevereiro de 2017). Hurricane Otto (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. National Hurricane Center. pp. 2, 3, 5. Consultado em 1 de fevereiro de 2017 

Ligações externas editar

Centros Meteorológicos Regionais Especializados

Centros de Alerta de Ciclones Tropicais

  Este artigo incorpora material em domínio público do sítio eletrônico ou documento de Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos.