Abrir menu principal

Os Circuitos Continentais UCI (oficialmente: Elite and under 23 men's Continental Clasifications;[1] ou simplesmente também chamado: Circuito Continental) são competições masculinas profissionais de ciclismo de estrada agrupadas em calendários por continente. Foram criados em 2005, competidas sob os auspícios da União Ciclista Internacional (UCI).

Os cinco circuitos (representando a cada um deles a Europa, África, Oceania, Ásia e América) são inferiores ao UCI World Tour, anteriormente UCI World Ranking e UCI Pro Tour, categoria maior do ciclismo em estrada, e superiores à Copa das Nações UCI criada no ano 2007. Tanto dita máxima categoria como estes Circuitos Continentais UCI se compõem de carreiras nas que várias equipas ciclistas competem de maneira regular. Os Circuitos Continentais foram criados pela UCI para estender as carreiras ciclistas para além da Europa, onde o ciclismo é mais conhecido, já que têm lugar as três Grandes Voltas (Giro d'Italia, Volta a França e Volta a Espanha) além de ter a sede a maioria de equipas do UCI Pro Team.

RegulamentoEditar

A criação deste circuito provocou que algumas carreiras importantes de categoria amadora ascendessem à categoria .2 destes circuitos, ao igual que outras carreiras profissionais nas que podiam participar ciclistas amadoras que estavam dispersas nas categorias .3, .4, e .5. Apesar disso também teve outras carreiras profissionais de menor nível que decidiram requalificasse como carreiras nacionais, categoria.ne (National Event), ou critériums, para poder ter liberdade à hora de poder convidar ao número de corredores que quisessem sem ter em conta de que categoria eram ainda que para isso deviam renunciar a adoptar regulamentos internacionais (número de corredores e quilómetros limitado, contratos e seguros privados com essa carreira à margem da UCI, não pontuável para as classificações UCI nem para o computo oficial de vitórias do corredor...) e sem a possibilidade de que pudessem correr equipas profissionais estrangeiras (os corredores vão a modo individual). Ao ficar a categoria .2 com uma consideração de semi-profissional, inclusive em muitas delas sem correr equipas profissionais, apesar de pontuar para os Circuitos Continentais UCI lhas costumam ignoras ao mencionar as carreiras profissionais.

Ao ter rankings continentais também se produziu a criação de novas equipas profissionais, sobretudo fora da Europa, cujo objectivo principal é liderar dito ranking do seu continente. Para isso se renomearam as categorias na que a maior mudança se produziu na terça, renomeada pela Continental, que depende dos países onde está registado a equipa com o que esse país impõe os requisitos económicos, normalmente sendo mínimos naqueles com pouca tradição ciclista por isso tendo consideração de não profissionais. Assim a equipa pode sair quase sem nenhuma dificuldade, sempre que a maioria de corredores sejam do país onde este esteja registado. Já que, dantes dessa data, essas equipas de terça mal tinham uma motivação desportiva como essa divisão não tinha nenhum prestígio e não podiam subir a segunda pelo limitado orçamento.

EquipasEditar

Dentro deste circuito enquadram-se duas grandes categorias de equipas que podem participar e aspiram a obter pontuação: as equipas Profissionais Continentais (que se cumprem uns requisitos podem participar nas carreiras de máxima categoria: UCI Pro Tour, UCI World Calendar, UCI World Tour...) e Continentais (que podem participar em carreiras nas que tomem parte ciclistas amadoras, isto é, carreiras categoria *.2). Os primeiros totalmente profissionais, na prática segunda divisão, enquanto os outros pertencentes à última categoria do profissionalismo. Estas equipas estão subdivididos dependendo a que continente correspondam, isto é, a denominação exacta para uma equipa Profissional Continental europeia seria: "equipa Profissional Continental do Europe Tour"; ainda que ao não ter nenhuma diferença se costuma ignorar o "Tour" do continente ao que pertencem. Os equipas UCI Pro Team podem tomar parte nas carreiras *.HC e *.1 mas até o 2015 não aspiravam a obter pontuação já que têm uma classificação própria (na que nos anos 2009 e 2010 nessa categoria superior também podiam pontuar a maioria de equipas Profissionais Continentais). Isto alterou para partir de 2016 quando a UCI modificou o regulamento e também começaram a ter acesso a essas classificações.

Temporadas (até 2014)Editar

A cada edição não se dividia por anos mas por temporadas sendo a cada uma de 1 de outubro (15 de outubro para o UCI Europe Tour) até 30 de setembro (14 de outubro para o UCI Europe Tour) do seguinte ano[1] por isso se indicavam dois anos nas classificações, ainda que o principal fosse o segundo.

No entanto, a partir de 2015 os circuitos começaram-se a dividir por ano natural. Pelo que a temporada de 2013-2014 foi de 1 ano e 3 meses para que a do ano 2015 começasse em janeiro, coincidindo, em algum dos circuitos, duas mesmas provas de diferentes edições nessa temporada de 2013-2014.[2] Isto foi como a UCI decidiu unificar o arranque e conclusão destes circuitos com o do UCI World Tour com o fim de aplicar um critério regular de classificação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro de 2016.[3]

PontuaçõesEditar

As pontuações não se acumulam entre os rankings, isto quer dizer que um corredor e equipa pode estar em vários rankings mas a sua pontuação não se acumula entre eles, excepto as classificações por países e um especial chamada "PCT Biological passport" (que só esteve em 2009) que acumulam os pontos de todos os rankings num único ranking. Isto se deve a que os países da classificação por países só aparecem no ranking do seu continente e a que o "PCT Biological passport", apesar de não ser uma classificação dos Circuitos Continentais propriamente dita mas de equipas Profissionais Continentais aderidos ao passaporte biológico, se baseava na pontuação destes circuitos para o seu ranking único. A classificação "PCT Biological passport" a UCI se indicava-a como do ano natural porque se tinha em conta os pontos ao longo desse ano (o segundo indicado em cada temporada) entre outras coisas porque nos primeiros meses do ano se utiliza para pagar o passaporte biológico e assim anunciar quem tem direito a essa classificação.

O líder da classificação da cada um dos circuitos costuma levar um maillot branco que lhe identifica, desde que esteja a disputar uma carreira desse "Tour".

Ao igual que nos ranking da máxima categoria estes rankings também servem para elucidar o número de corredores por país que lhe corresponde no Mundial de Ciclismo, pelo que se um país não está entre os 10 primeiros dessa "primeira divisão" há que recorrer a estes rankings.[4] Além destes também servem, em parte, para elucidar o número de corredores no Mundial de Ciclismo sub-23.[5]

CarreirasEditar

Para que uma carreira se possa registar nos Circuitos Continentais UCI deve apresentar ao menos 5 equipas estrangeiras.[6] Este calendário internacional de carreiras enquadra-se por categorias (a maior categoria maior número de equipas de maior categoria podem participar).[1] Estes são os critérios de convite a partir da temporada de 2016:[7]

Categoria Corridas de !

Tipo de equipas que podem participar

um dia (1.) vários dias (2.)
(com pontos para o ganhador da cada etapa)
(UCI Europe Tour)
.HC 1.hc 2.hc UCI Pro Team (max. 70%),[8] Profissionais Continentais, Continentais do país da carreira, Continentais estrangeiros (máx 2 equipas)[9] e selecção nacional do país da carreira
.1 1.1 2.1 UCI Pro Team (max. 50%), Profissionais Continentais, Continentais e selecções nacionais
.2[Sub-23 1] 1.2 2.2 Profissionais Continentais do país da corrida, Profissionais Continentais estrangeiros (max 2 equipas),[10] Continentais, selecções nacionais, selecções regionais e amadoras[11]
.Ncup
(Copa das Nações UCI)[Sub-23 1]
1.ncup 2.ncup Selecções nacionais e selecções mistas
Categoria Carreiras de !Tipo

de equipas que podem participar

um dia (1.) vários dias (2.)
(com pontos para o ganhador da cada etapa)
(UCI Africa Tour, UCI America Tour, UCI Asia Tour e UCI Oceania Tour)
.HC 1.hc 2.hc UCI Pro Team (max. 65%),[12] Profissionais Continentais, Continentais e selecções nacionais
.1 1.1 2.1 UCI Pro Team (max. 50%), Profissionais Continentais, Continentais e selecções nacionais
.2[Sub-23 1] 1.2 2.2 Profissionais Continentais, Continentais, selecções nacionais, selecções regionais e amadoras[13]
.Ncup
(Copa das Nações UCI)[Sub-23 1]
1.ncup 2.ncup Selecções nacionais e selecções mistas

No entanto, pode ter excepções mediante autorizações especiais como na Escalada Ciclista a Montjuic, Dúo Normando, Mumbai Cyclothon de 2010 onde também participaram equipas UCI Pro Team apesar de ser carreiras de categoria .2, na Strade Bianche de 2013 onde participaram um 65% de equipas Pro Team quando o seu limite legal era de 50% ou na Volta a Áustria de 2015 onde participou uma equipa Continental francesa quando não estava permitido ao ser de categoria .HC.

Outras carreiras de um dia (se são carreiras Contrarrelógio dão menos pontos):

  • Campeonatos Continentais (CC) (segundo o potencial ciclista do continente adjudicavam-se mais ou menos pontos, a partir de 2014 igual para todos; se o Campeonato Continental é sub-23 dá menos pontos).

Além destes, também há outras corridas "especiais" de um dia que não se encontram nos calendários de nenhum circuito continental nem se regem pelas suas normas nem categorias mas se dão pontos (também se são carreiras contrarrelógio dão menos pontos). Numa destas a pontuação foi directamente ao circuito do país do corredor independentemente de onde se dispute a carreira até ao ano 2012 (as JO), desde o ano 2016 as a pontuação das JO vai-se ao "Tour" do continente (como as CM) [14] e por último encontram-se as que estão limitadas a corredores do país (as CN). Essas carreiras são:

  • Competições mundiais: Campeonatos Olímpicos (JO) e Campeonatos do Mundo (CM) (se o Campeonato do Mundo é sub-23 dá menos pontos).
  • Campeonatos nacionais (CN) (segundo o potencial ciclista do país adjudicavam-se mais ou menos pontos, a partir de 2014 igual para todos; os campeonatos nacionais sub-23 não dão pontos).

Por último, os "Jogos Continentais" (JR) como o são os Jogos Asiáticos, Jogos Europeus, Jogos Panafricanos e Jogos Pan-americanos entre outros que se decide que consideração têm por parte do "Comité Directivo" sendo habitualmente de categoria 1.2 unicamente para a prova em estrada de alguns deles ainda que as demais provas também apareçam na listagem de resultados profissionais internacionais da União Ciclista Internacional.

UCI Africa TourEditar

 Ver artigo principal: UCI Africa Tour

PalmarésEditar

Os seguintes ciclistas têm conseguido o maior número de pontos e são considerados ganhadores do UCI Africa Tour.

Edição Ganhador individual
(equipa do ganhador)
Ganhador
por equipas
Ganhador por países
Ganhador por países
sub-23
2005   Tiaan Kannemeyer
(  Team Barloworld-Valsir)
  Barloworld-Valsir   África do Sul
(não entregado)
2005-2006   Rabaki Jeremie Ouedraogo
(sem equipa profissional)
  CAPEC   África do Sul
(não entregado)
2006-2007   Hassen Ben Nasr
(sem equipa profissional)
  Barloworld   África do Sul
  África do Sul
2007-2008   Nicholas White
(  MTN)
  MTN   África do Sul
  África do Sul
2008-2009   Dan Craven
(  Rapha-Condor)
  Barloworld-Bianchi   África do Sul
  África do Sul
2009-2010   Martinien Tega
(sem equipa profissional)
  MTN Energade   Marrocos
  Eritreia
2010-2011   Adil Jelloul
(sem equipa profissional)
  Groupement Sportif Pétrolier Algérie   Marrocos
  África do Sul
2011-2012   Tarik Chaoufi
(sem equipa profissional)
  MTN Qhubeka   Marrocos
  Eritreia
2012-2013   Adil Jelloul
(sem equipa profissional)
  MTN Qhubeka   Marrocos
  Eritreia
2013-2014   Mekseb Debesay
(sem equipa profissional)
  MTN Qhubeka   Marrocos
  Eritreia
2015   Salaheddine Mraouni
(sem equipa profissional)
  Sky Dive Dubai   Marrocos
  Marrocos
2016   Tesfom Okubamariam
(  Sharjah Team)
  Al Nasr-Dubai   Eritreia   Eritreia
2017   Willie Smit
(sem equipa profissional)
  Bike Aid   Eritreia   Eritreia
2018   Joseph Areruya
(  Delko Marseille Provence KTM)
  Sovac-Natura4Ever   Eritreia   Ruanda
2019

UCI America TourEditar

 Ver artigo principal: UCI America Tour

PalmarésEditar

Os seguintes ciclistas têm conseguido o maior número de pontos e são considerados campeões do UCI America Tour.

Edição Ganhador individual
(equipa do ganhador)
Ganhador
por equipas
Ganhador por países
Ganhador por países
sub-23
2005   Edgardo Simón
(  Selle Italia-Serramenti Diquigiovanni)
  Health Net presented by Maxxis   Brasil
(não entregado)
2005-2006   José Serpa
(  Selle Italia-Serramenti Diquigiovanni)
  Selle Italia-Serramenti Diquigiovanni   Colômbia
(não entregado)
2006-2007   Svein Tuft
(  Symmetrics Cycling Team)
  Symmetrics   Colômbia
  Brasil
2007-2008   Manuel Medina
(sem equipa profissional)
  Garmin-Chipotle presented by H3O   Estados Unidos
  Estados Unidos
2008-2009   Gregorio Ladino
(  Tecos de Guadalajara)
  Serramenti PVC Diquigiovanni-Androni Giocattoli   Colômbia
  Colômbia
2009-2010   Gregorio Ladino
(sem equipa profissional)
  Funvic-Pindamonhangaba   Colômbia
  Venezuela
2010-2011   Miguel Ubeto
(sem equipa profissional)
  EPM-UNE   Colômbia
  Venezuela
2011-2012   Rory Sutherland
(  UnitedHealthcare)
  Real   Colômbia
  Colômbia
2012-2013   Janier Acevedo
(  Jamis-Hagens Berman)
  UnitedHealthcare   Colômbia
  Colômbia
2013-2014   Juan Carlos Rojas
(sem equipa profissional)
  SmartStop   Estados Unidos
  Colômbia
2015   Toms Skujiņš
(  Hincapie Racing)
  Optum-Kelly Benefit Strategies   Colômbia
  Colômbia
2016   Greg Van Avermaet
(  BMC Rancing)
  Holowesko Citadel   Colômbia   Colômbia
2017   Serghei Tvetcov
(  Jelly Belly presented by Maxxis)
  Rally   Colômbia   Colômbia
2018   Gavin Mannion
(  UnitedHealthcare)
  UnitedHealthcare   Colômbia   Colômbia
2019

UCI Asia TourEditar

 Ver artigo principal: UCI Asia Tour

PalmarésEditar

Os seguintes ciclistas têm conseguido o maior número de pontos e são considerados campeões do UCI Asia Tour.

Edição Ganhador individual
(equipa do ganhador)
Ganhador
por equipas
Ganhador por países
Ganhador por países
sub-23
2005   Andrey Mizourov
(  CAPEC)
  Giant Asia   Cazaquistão
(não entregado)
2005-2006   Ghader Mizbani
(  Giant Asia)
  Giant Asia   Irão
(não entregado)
2006-2007   Hossein Askari
(  Giant Asia)
  Giant Asia   Irão
  Coreia do Sul
2007-2008   Hossein Askari
(  Tabriz Petrochemical)
  Tabriz Petrochemical   Japão
  Irão
2008-2009   Ghader Mizbani
(  Tabriz Petrochemical)
  Tabriz Petrochemical   Cazaquistão
  Irão
2009-2010   Mahdi Sohrabi
(  Tabriz Petrochemical)
  Tabriz Petrochemical   Irão
  Irão
2010-2011   Mahdi Sohrabi
(  Tabriz Petrochemical)
  Tabriz Petrochemical   Irão
  Maurícia
2011-2012   Hossein Alizadeh
(  Tabriz Petrochemical)
  Terengganu   Cazaquistão
  Cazaquistão
2012-2013   Julián Arredondo
(  Nippo-De Rosa)
  Tabriz Petrochemical   Irão
  Hong Kong
2013-2014   Mirsamad Pourseyedi
(  Tabriz Petrochemical)
  Tabriz Petrochemical   Irão
  Cazaquistão
2015   Mirsamad Pourseyedi
(  Tabriz Petrochemical)
  Pishgaman-Giant Team   Irão
  Coreia do Sul
2016   Mark Cavendish
(  Dimension Data)
  Pishgaman Giant Team   Irão   Coreia do Sul
2017   Mauricio Ortega
(  RTS-Monton Racing)
  Ukyo   Cazaquistão   Cazaquistão
2018   Alexey Lutsenko
(  Astana)
  Kinan   Cazaquistão   Cazaquistão
2019

UCI Europe TourEditar

 Ver artigo principal: UCI Europe Tour

PalmarésEditar

Os seguintes ciclistas têm conseguido o maior número de pontos e são considerados campeões do UCI Europe Tour.

Edição Ganhador individual
(equipa do ganhador)
Ganhador
por equipas
Ganhador por países
Ganhador por países
sub-23
2005   Murilo Fischer
(  Naturino-Sapore di Mare)
  Ceramica Panaria-Navigare   Itália
(não entregado)
2005-2006   Nico Eeckhout
(  Chocolade Jacques-Topsport Vlaanderen)
  Acqua & Sapone-Caffè Mokambo   Itália
(não entregado)
2006-2007   Alessandro Bertolini
(  Serramenti PVC Diquigiovanni-Selle Italia)
  Rabobank   Itália
  Rússia
2007-2008   Enrico Gasparotto
(  Barloworld)
  Acqua & Sapone-Caffè Mokambo   Itália
  Itália
2008-2009   Giovanni Visconti
(  ISD)
  Agritubel   Itália
  Bélgica
2009-2010   Giovanni Visconti
(  ISD)
  Vacansoleil   Itália
  Bélgica
2010-2011   Giovanni Visconti
(  Farnese Vini-Neri Sottoli)
  FDJ   Itália
  Itália
2011-2012   John Degenkolb
(  Argos-Shimano)
  Saur-Sojasun   Itália
  Itália
2012-2013   Riccardo Zoidl
(  Gourmetfein-Simplon)
  Europcar   França
  Países Baixos
2013-2014   Tom Van Asbroeck
(  Topsport Vlaanderen-Baloise)
  Topsport Vlaanderen-Baloise   Itália
  Países Baixos
2015   Nacer Bouhanni
(  Cofidis)
  Topsport Vlaanderen-Baloise   Itália
  Itália
2016   Baptiste Planckaert
(  Wallonie-Bruxelles)
  Wanty-Groupe Gobert   Bélgica   Itália
2017   Nacer Bouhanni
(  Cofidis)
  Wanty-Groupe Gobert   França   França
2018   Hugo Hofstetter
(  Cofidis)
  Wanty-Groupe Gobert   Bélgica   Países Baixos
2019

UCI Oceania TourEditar

 Ver artigo principal: UCI Oceania Tour

PalmarésEditar

Os seguintes ciclistas têm conseguido o maior número de pontos e são considerados campeões do UCI Oceania Tour.

Edição Ganhador individual
(equipa do ganhador)
Ganhador
por equipas
Ganhador por países
Ganhador por países
sub-23
2005   Robert McLachlan
(  MG XPower Presented by BigPond)
  MG XPower Presented by BigPond   Austrália
(não entregado)
2005-2006   Gordon McCauley
(  Successfulliving.com presented by Parkpre)
  Successfulliving.com presented by Parkpre   Austrália
(não entregado)
2006-2007   Robert McLachlan
(  Drapac Porsche Development Program)
  Drapac Porsche Development Program   Austrália
  Austrália
2007-2008   Hayden Roulston
(sem equipa profissional)
  Southaustralia.com-AIS   Austrália
  Austrália
2008-2009   Peter McDonald
(  Drapac)
  Drapac   Austrália
  Austrália
2009-2010   Michael Matthews
(  Jayco-Skins)
  Jayco-Skins   Austrália
  Austrália
2010-2011   Richard Lang
(  Jayco-AIS)
  Jayco-AIS   Austrália
  Austrália
2011-2012   Paul Odlin
(  Subway)
  Jayco-AIS   Austrália
  Austrália
2012-2013   Damien Howson
(sem equipa profissional)
  Huon Salmon-Genesys Wealth Advisers   Austrália
  Austrália
2013-2014   Robert Power
(sem equipa profissional)
  Avanti   Austrália
  Austrália
2015   Taylor Gunman
(  Avanti)
  Avanti   Nova Zelândia
  Austrália
2016   Sean Lake
(  Avanti IsoWhey Sports)
  Avanti IsoWhey Sports   Austrália   Austrália
2017   Lucas Hamilton
(  Mitchelton Scott)
  Mitchelton Scott   Austrália   Austrália
2018   Chris Harper
(  Bennelong SwissWellness)
  Bennelong SwissWellness   Austrália   Austrália
2019

Equipas Profissionais ContinentaisEditar

Estas equipas, também chamados por vezes Pró Continentais ou ProContis, estão uma categoria por baixo das equipas de categoria UCI Pro Team e portanto pertencem à segunda divisão do ciclismo profissional. Para sê-lo a UCI exige uma estrutura completamente profissional, com uns critérios comuns para todos eles, o que acarreta que em caso de um atraso prolongado nos pagamentos ou outros incumprimentos a equipa fique suspensa até se resolver os problemas sem ter que esperar à decisão da federação onde a equipa esteja registada. Costumam-no conformar uma vintena de equipas, dentre 16 e 25 corredores mais outros 3 possíveis "a prova" no final de temporada[15][16] (a partir de 2013 até 30)[17] os quais a maioria (os que cumprem os requisitos apropriados) combinam o calendário do maxímo nível com este calendário dos Circuitos Continentais UCI dando mais preferência ao primeiro.

2019Editar

Na temporada de 2019 inscreveram-se 25 equipas pertencentes a esta categoria. Entraram as novas equipas o Corendon-Circus, Riwal Readynez Cycling Team e o W52-FC Porto, todos eles subiram desde a categoria Continental (3 ao todo), enquanto saiu da mesma o Aqua Blue Sport que desapareceu, o Holowesko-Citadel e o CCC Sprandi Polkowice desceram de categoria, assim mesmo se produziu a mudança de nome de vários das equipas por Arkéa Samsic, Roompot-Charles, Neri Sottoli-Selle Italia-KTM e o Wallonie Bruxelles.[18][19]

Código UCI Equipa País
ANS
  Androni Giocattoli-Sidermec   Itália
BBH
  Burgos-BH   Espanha
BRD
  Bardiani-CSF   Itália
CJR
  Caixa Rural-Seguros RGA   Espanha
COC
  Corendon-Circus   Bélgica
COF
  Cofidis, Solutions Crédits   França
DMP
  Delko Marseille Provence   França
EUS
  Euskadi Basque Country-Murias   Espanha
GAZ
  Gazprom-RusVelo   Rússia
HBA
  Hagens Berman Axeon   Estados Unidos
ICA
  Israel Cycling Academy   Israel
MZN
  Manzana Postobón Team   Colômbia
NIP
  Nippo-Vini Fantini-Faizanè   Itália
PCB
  Arkéa Samsic   França
RIW
  Riwal Readynez Cycling Team   Dinamarca
RLY
  Rally UHC Cycling   Estados Unidos
ROC
  Roompot-Charles   Países Baixos
STH
  Neri Sottoli-Selle Italia-KTM   Itália
SVB
  Sport Vlaanderen-Baloise   Bélgica
TDE
  Direct Énergie   França
TNN
  Team Novo Nordisk   Estados Unidos
VCB
  Vital Concept-B&B Hotels   França
W52
  W52-FC Porto   Portugal
WGG
  Wanty-Groupe Gobert   Bélgica
WVA
  Wallonie Bruxelles   Bélgica

Equipas ContinentaisEditar

Estas equipas pertencem à última categoria do ciclismo profissional e dependem dos requisitos dos países onde estejam registados, de modo que podem ter estrutura profissional ou amador, devido a isso a cada ano há mais de 150 equipas nesta categoria com muitas diferenças entre uns e outros. Sendo habitualmente unicamente as federações da Espanha,[20] Portugal, França e Itália as que exigem uma estrutura completamente profissional por isso a escassez de equipas nessa categoria nesses países já que para ter estrutura profissional preferem estar na categoria Profissional Continental sempre que por orçamento possam chegar ao mínimo de 16 corredores dessa categoria.

O requisito global mais importante para todos eles é que o número de corredores do país onde este esteja registado supere à de outros países por maioria simples. Também, para não favorecer as armadilhas nesse aspecto o número máximo de corredores está limitado, em princípio a 16 e cumprindo o requisito de que 4 estejam entre os 150 melhores de outras disciplinas ciclistas (chamados especialistas) ou que 2 sejam "à prova" no final da temporada, podendo chegar a 20. Devido aos mínimos requisitos o máximo de equipas por país nesta categoria situa-se em 15, ainda que na prática quando muito não costumam se superar os 10, sendo os Estados Unidos e a Bélgica os que mais se acercaram a dito limite com até 14 equipas. Também, a idade média dos seus ciclistas deve ser como máximo de 28 anos. Dado o carácter nacional destas equipas a federação do país onde este esteja registado pode impor normas complementares mais estritas.[21]

Ainda que não tenha uma norma escrita as equipas desta categoria costumam basear o seu calendário em carreiras de categoria .2, por isso, ao igual que ocorre com ditas carreiras, apesar de pontuar para os Circuitos Continentais UCI se lhes costumam obviar ao mencionar as equipas profissionais, tendo uma consideração de semi-profissionais. Também podem participar em carreiras amador do seu país sempre que dita federação do país o permita (por exemplo em Espanha e Itália não podem devido à negativa da sua federação).

Com o decorrer das temporadas o número de equipas tem crescido substancialmente. De 114 equipas em 2005 chegou-se a 178 em 2015 sendo o continente europeu o que ano a ano regista mais equipas (ao redor de 100). Enquanto na Oceania e África registam-se menos de 10 equipas a cada ano, a América manteve-se estável em torno de 20 ou 25 equipas registadas. O grande salto deu-o a Ásia passando de 13 equipas em 2005 a 40 em 2015, principalmente graças a China e ao Japão que registam 10 equipas a cada país.

Baremo de pontuaçãoEditar

No período de 2005-2015, estas classificações podiam-se considerar fechadas já que não tinham acesso os corredores de equipas UCI Pro Team. Pelo contrário se tinham acesso corredores amadores (ainda que constava que estavam sem equipa); nas classificações por equipas também não tinham acesso nem as equipas Pro Teams nem os amadores. Em 2016, a União ciclista Internacional, modificou o regulamento permitindo que as equipas Pro Teams e seus corredores tivessem acesso tanto à classificação por equipas como à individual.

Entre as normas específicas destaca que se um corredor, em meados de temporada, ascende a categoria UCI World Tour desaparece das classificações deste ranking, isto é, sua pontuação não se tem em conta em nenhuma das classificações, similar ocorre se os ciclistas estão envolvidos em casos de dopagem que são retirados da classificação deixando a vaga do seu posto ainda que se tem obtido pontos para a sua equipa ou país esses se se mantêm. Relacionado com isso e como o regulamento era algo mais aberta na primeira temporada destes circuitos (2005) se "colarão" equipas e corredores UCI Pro Team nelas como estes fixarão como stagiaire (à prova) a corredores sub-23 com pontuação e estes não desapareceram das classificações se adjudicando também a pontuação nos rankings por equipas na sua nova equipa Pro Team, este aspecto mal teve incidência nas classificações; a partir de 2006 nesse caso o corredor seguiu pontuando para a sua ex equipa.

A diferença do baremo de pontuação do UCI World Ranking se um corredor consegue pontos correndo com um combinado nacional ou misto esses pontos se têm-se em conta para todas as classificações. Respeito se um corredor muda de equipa dentro destes circuitos (categoria Profissional Continental ou Continental) os pontos por equipas passam à nova equipa tirando-lhos ao anterior por isso pode ter mudanças bruscas à priori pouco justificáveis na pontuação de algumas equipas.

Também, se o corredor se requalifica amador ou está sem uma única equipa pontua na classificação individual sem que a pontuação vá em princípio a nenhuma equipa ainda que se ter-se-ia em conta para as classificações por países. Pelo contrário se finalmente este corredor ficha por uma equipa profissional na temporada seguinte esses pontos obtidos na temporada anterior adjudicam-se à sua nova equipa no ranking da temporada passada. Por isso pode ter casos excepcionais de um corredor que não tenha corrido para nenhuma equipa numa temporada mas apareçam com eles na classificação.

Por último, em caso de empate a pontos o que mais 1.º ou 2.º ou 3.º... postos tenha em carreiras de maior categoria será o que esteja por diante. Os pontos repartem-se da seguinte maneira:[1]

Em 2016, depois da criação do UCI World Ranking que recuperava o antigo Ranking UCI, teve uma completa reestruturação nos baremos de pontuação outorgando mais quantidade de pontos chegando a obter pontuação os 60 primeiros corredores do Campeonato Olímpico em estrada e o Campeonato Mundial em estrada e os 40 primeiros das carreiras de categoria .HC. Os pontos repartem-se da seguinte maneira:[22]

Pontos às classificações finaisEditar

Classificações finais em Campeonatos do Mundo e Jogos Olímpicos
Campeonato Mundial e Jogos Olímpicos
Campeonato Mundial
Pos. Estrada Elite Contrarrelógio Elite Estrada sub-23 contrarrelógio Sub-23
600
350
200
125
475
250
150
85
400
200
125
70
325
150
100
60
275
125
85
50
225
100
70
40
175
85
60
35
150
70
50
30
125
60
40
25
10º
100
50
35
20
11º
85
40
30
15
12º
70
30
25
10
13º
60
25
20
5
14º
50
20
15
5
15º
40
15
10
5
16º
35
10
5
3
17º
30
5
5
3
18º
30
5
5
3
19º
30
5
5
3
20º
30
5
5
3
21º
30
5
22º
20
5
23º
20
5
24º
20
5
25º
20
5
26º
20
5
27º
20
5
28º
20
5
29º
20
5
30º
20
5
31º
20
3
32º
10
3
33º
10
3
34º
10
3
35º
10
3
36º
10
3
37º
10
3
38º
10
3
39º
10
3
40º
10
3
41º
10
42º
10
43º
10
44º
10
45º
10
46º
10
47º
10
48º
10
49º
10
50º
10
51º
5
52º
5
53º
5
54º
5
55º
5
56º
3
57º
3
58º
3
59º
3
60º
3
Classificações finais Circuitos Continentais
Pos. 1.hc
2.hc
1.1
2.1
1.2
2.2
1.2Ou
2.2Ou
Ncup Ncup
Tour de l'Avenir
200 125 40 30 70
140
150 85 30 25 55
110
125 70 25 20 40
80
100 60 20 15 30
60
85 50 15 10 25
50
70 40 10 5 20
40
60 35 5 3 15
30
50 30 3 1 10
20
40 25 3 1 5
10
10º 35 20 3 1 3
6
11º 30 15
3
12º 25 10
3
13º 20 5
3
14º 15 5
3
15º 10 5
3
16º 5 3
1
17º 5 3
1
18º 5 3
1
19º 5 3
1
20º 5 3
1
21º 5 3
22º 5 3
23º 5 3
24º 5 3
25º 5 3
26º 5
27º 5
28º 5
29º 5
30º 5
31º 3
32º 3
33º 3
34º 3
35º 3
36º 3
37º 3
38º 3
39º 3
40º 3

Pontos por etapaEditar

Nas carreiras de várias etapas, outorgam-se pontos aos 3 primeiros (excepto as carreiras sub-23 que não pertencem à Copa das Nações) na cada uma delas. Outorga-se também a mesma pontuação aos prólogos e meia etapa.

Pos. 2.hc 2.1 2.2 2.2Ou 2.ncup Ncup
Tour de l'Avenir
20
14
7
5
12
15
10
5
3
1
8
9
5
3
1
4
5

Pontos ao líderEditar

Na cada etapa outorgam-se pontos ao líder da classificação geral.

Pos. 2.hc 2.1 2.2 2.2Ou 2.ncup Ncup
Tour de l'Avenir
5
3
1
1
1
2

Campeonatos continentais, nacionais e jogos continentaisEditar

As carreiras em estrada e contrarrelógio de campeonatos continentais, tanto elite como sub-23 pontuam para as classificações. Os Jogos continentais também podem puntuar, mas é a UCI quem determina anualmente qual Jogo continental que recebe pontos.

Os Campeonatos nacionais de estrada e contrarrelógio estão divididos em duas categorias. Os Campeonatos "A" correspondem a todos os países que tenham conseguido classificar ao menos a um ciclista para a carreira em estrada do campeonato do mundo anterior. Os Campeonatos nacionais "B", correspondem àqueles países que não entraram na categoria A.

Campeonatos Nacionais
Campeonatos Continentais
Jogos Continentais
Campeonatos Continentais
Pos. Estrada "A" Estrada "B" Contrarrelógio "A" Contrarrelógio "B" Estrada Elite Contrarrelógio Elite Estrada sub-23 Contrarrelógio sub-23
70
30
30
15
250
70
70
25
55
25
25
10
200
55
55
20
40
20
20
5
150
40
40
15
30
15
15
3
125
30
30
10
25
10
10
1
100
25
25
5
20
5
5
85
20
20
3
15
3
3
70
15
15
10
1
1
60
10
10
5
1
1
50
5
5
10º
3
1
1
40
3
3
11º
30
12º
25
13º
20
14º
15
15º
10
16º
5
17º
5
18º
5
19º
3
20º
3

Ver tambémEditar

Notas

  1. a b c d As carreiras que têm o indicativo "U" após os números categoria significam que são carreiras limitadas a corredores sub-23 (esse indicativo só se dá em algumas carreiras.2; nas.ncup são de facto sub-23 e estas também pontuam para outra competição por países chamada Copa das Nações UCI daí a sua denominação)

Notas e referências

  1. a b c d UCI (ed.). «UCI CYCLING REGULATIONS-(version on 7.12.09)-PART 2 ROAD RACES-Chapter XI ELITE AND UNDER 23 MEN'S CONTINENTAL CLASSIFICATIONS (pags.57-62)» (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 9 de maio de 2010 
  2. PART 2 – ROAD RACES AMENDMENTS TO REGULATIONS WITH EFFECT ON 01.01.2015 Página oficial UCI
  3. [1]
  4. UCI (ed.). «QUALIFICATION SYSTEM FOR THE 2010WORLD CHAMPIONSHIPS MEN ELITE ROAD RACE» (em inglês). Consultado em 20 de março de 2010. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2010 
  5. UCI (ed.). «QUALIFICATION SYSTEM FOR THE 2010 U23WORLD CHAMPIONSHIPS ROAD RACE EVENT FOR MEN UNDER 23 YEARS OF AGE» (em inglês). Consultado em 20 de março de 2010. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2010 
  6. Excepcionalmente admitiram-se 4 equipas estrangeiras em carreiras de categoria .2 sempre que tenham-se anunciado ou estivessem pre-inscritos esse mínimo de 5.
  7. UCI (ed.). «UCI CYCLING REGULATIONS-(Version on 01.01.2016)-PART 2 ROAD RACES-Chapter I CALENDAR AND PARTICIPATION (pag. 4)» (PDF) (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2016 
  8. Até o 2011 o máximo foi de 80%.
  9. Até 2016 não se permitiam equipas de categoria Continental estrangeiros.
  10. Até 2016 não se permitiam equipas de categoria Profissional Continental estrangeiros.
  11. Ao ser carreiras de carácter nacional as federações do país podem pôr limitações extra, por exemplo nas carreiras espanholas está proibida a participação de equipas Profissionais Continentais.
  12. Até ao 2013 o máximo foi de 50%.
  13. No UCI Africa Tour também se permitem selecções mistas de África.
  14. Em 2005 os Campeonatos do Mundo se consideraram como carreira JO, isto é, os pontos foram ao circuito do país do corredor independentemente de onde se disputasse a carreira.
  15. UCI (ed.). «UCI CYCLING REGULATIONS-(version on 7.12.09)-PART 2 ROAD RACES-XVI Chapter PROFESSIONAL CONTINENTAL TEAMS (pags.132-148)» (em inglês). Consultado em 19 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 23 de junho de 2011 
  16. A FDJ superou esse limite em 2011 com 27 + 3 corredores apesar de que por normativa estivesse proibido.
  17. «As equipas profissional podem ter 30 ciclistas». Consultado em 5 de março de 2019. Arquivado do original em 17 de março de 2016 
  18. «Registration of UCI WorldTeams and UCI Professional Continental Teams for the 2019 season»  (em inglês)
  19. «Men's professional road cycling: 40 teams seeking registration for 2019»  (em inglês)
  20. [ligação inativa]
  21. UCI (ed.). «UCI CYCLING REGULATIONS-(version on 7.12.09)-PART 2 ROAD RACES-XVII Chapter WOMEN'S AND CONTINENTAL TEAMS (pags.156-161)» (em inglês). Consultado em 19 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 23 de junho de 2011 
  22. Amendments to Regulations UCI as from 01.01.2017 (em inglês)

Ligações externasEditar