Complexo Deodoro

Complexo Deodoro
São Luís,  Maranhão,  Brasil,
Alameda Silva Maia, com seus oitizeiros centenários.
Tipo praça
Inauguração 1868 (Praça da Independência)
Cruzamentos Avenida Silva Maia, Avenida Gomes de Castro, Rua do Passeio, Rua Rio Branco
Lugares que atravessa Praça Deodoro, Praça do Pantheon Alameda Silva Maia, Alameda Gomes de Castro, Biblioteca Benedito Leite

O Complexo Deodoro é um conjunto formado por quatro praças localizado no Centro Histórico de São Luís, no Maranhão. [1][2]

Nele, estão situadas as praças Deodoro, Pantheon, Alameda Silva Maia e Alameda Gomes de Castro, consideradas as principais praças da cidade em razão do grande fluxo de veículos, com diversas linhas de ônibus e grande número de transeuntes.[3]

HistóricoEditar

No passado, funcionou no local o Quartel Militar do 5º Batalhão de Infantaria, que foi construído entre 1793 e 1797, e tinha capacidade para 1.333 praças, em uma região conhecida como Campo de Ourique. A construção ocupava o espaço onde hoje se localizam a Praça do Pantheon, a Biblioteca Pública Benedito Leite e o Sesc. [4][5]

Outras denominações também foram dadas para o logradouro, como Largo do Quartel (área da frente), que mais tarde passou a se chamar Praça da Independência (1868); e Largo da Pirâmide (área posterior), no local onde foi construído o obelisco da Pedra da Memória (1844), em homenagem à coroação de D. Pedro II, e que foi transferido para a Avenida Beira-mar, em 1946.[4][5]

Praça DeodoroEditar

Por meio de uma lei municipal, em 15 de Agosto de 1868, o Largo do Quartel passou a se chamar Praça da Independência. Com o advento da República, recebeu a denominação de Praça Deodoro, em homenagem ao primeiro presidente do Brasil.[5]

A Praça Deodoro corresponde ao quadrilátero localizado em frente à atual Praça do Pantheon, sendo por vezes confundida com as Alamedas Silva Maia e Gomes de Castro.[6]

A partir dos anos 1990, foi instalado um camelódromo na praça, o que gerou diversas críticas pela desorganização provocada e descaracterização do espaço. [7]

Em 2018, passou por uma ampla reforma, em projeto coordenado pelo IPHAN e a Prefeitura, que também incluiu a Praça do Pantheon e as Alamedas Silva Maia e Gomes de Castro, com nova pavimentação de concreto lapidado e granito, itens de acessibilidade, caramanchões, bancos de pedras de lioz, novo sistema de iluminação e paisagismo, com a plantação de arbustos nativos e a volta dos bustos dos escritores. [8]

 
Biblioteca Benedito Leite, na Praça do Pantheon

Praça do PantheonEditar

Com a demolição do Quartel, no final da década de 30 (e sua transferência para o bairro do João Paulo, em 1941), foi construída a Biblioteca Pública Benedito Leite, em 1950; e a Praça do Pantheon ganhou a atual denominação em sessão da Câmara Municipal de 29 de março de 1954, por sugestão do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM).[6]

A Praça do Pantheon tem como limites: a Avenida Silva Maia (ao norte), a Avenida Gomes de Castro (ao sul), a Travessa do Galpão, a Biblioteca Benedito Leite, Sesc, Parque Urbano Santos e Liceu Maranhense (leste) e a Praça Deodoro (oeste).[6]

Na Praça do Pantheon, encontram-se homenagens a grandes escritores e intelectuais maranhenses, sendo os primeiros bustos instalados os de Artur Azevedo (1954) e Raimundo Correia (1954). Ao longo dos anos, outros bustos foram sendo inaugurados, ou transferidos de outros logradouros para a praça. [6]

Em 2007, os bustos foram transferidos para o Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM), para evitar a ação de vândalos, mas retornaram à praça em 2018, com a reforma do espaço.[9]

BustosEditar

 
Bustos da Praça do Pantheon.

Nos bustos, estão homenageados:[9][10]

Alameda Silva MaiaEditar

 
Praça Deodoro em 1908.

Localizada ao norte da Praça do Pantheon, na Avenida Silva Maia, essa praça é caracterizada pelos seus oitizeiros centenários.[11]

José da Silva Maia (1811-1893) foi vice-presidente da província do Maranhão

Alameda Gomes de CastroEditar

Localizada ao sul da Praça do Pantheon, na Avenida Gomes de Castro, essa praça também é caracterizada pelos oitizeiros centenários. Fica de frente para o Banco do Brasil.[11]

Augusto Olímpio Gomes de Castro (1836-1909) foi promotor, escritor e presidente da província do Maranhão.

Referências

  1. «Complexo Deodoro reformado inaugura dia 18 de dezembro». O Imparcial. 2 de dezembro de 2018. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  2. «Praça Deodoro - São Luís - Kamaleao.com». kamaleao.com. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  3. «Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão: Desvendando São Luís, a planta da cidade de 1858». Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. 5 de dezembro de 2017. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  4. a b «Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão: O Quartel do Campo de Ourique[1]». Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. 25 de fevereiro de 2018. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  5. a b c «Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão: Desvendando São Luís, a planta da cidade de 1858». Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. 5 de dezembro de 2017. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  6. a b c d «Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão: A Praça do Panteon[1]». Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. 17 de janeiro de 2018. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  7. «Praça Deodoro reúne gente e comércio de todos os tipos». O Imparcial. 15 de agosto de 2017. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  8. «Notícia: Concluída primeira etapa das obras na Rua Grande, em São Luís (MA) - IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional». portal.iphan.gov.br. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  9. a b «Bustos fazem parte da história da Praça do Pantheon». O Imparcial. 21 de dezembro de 2018. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  10. «São Luís - Maranhão: escritores maranhenses». www.saoluisdomara.xpg.com.br. Consultado em 9 de janeiro de 2019 
  11. a b «Praça Deodoro nos séculos XIX e XX». Agenda Maranhão. Consultado em 2 de janeiro de 2019