Abrir menu principal

Cristiano da Matta

Cristiano da Matta
Damatta usgp 2004 stage.jpg
Cristiano da Matta em 2004, no GP dos Estados Unidos.
Informações pessoais
Nome completo Cristiano Monteiro da Matta
Nacionalidade brasileiro
Nascimento 19 de setembro de 1973 (46 anos)
Belo Horizonte, MG
Registros na Fórmula 1
Temporadas 2003 - 2004
Equipes Toyota
GPs disputados 28
Títulos 0
Vitórias 0
Pódios 0
Pontos 13
Pole positions 0
Primeiro GP Grande Prêmio da Austrália (2003)
Último GP Grande Prêmio da Alemanha (2004)
Registros na Champ Car
Temporadas 1999-2002, 2005-
Equipes Arciero-Wells (Reynard-Toyota-Firestone), PPI (Reynard-Toyota-Firestone), Newman-Haas (Lola-Toyota-Firestone), PKV Racing (Lola-Ford-Bridgestone), Dale Coyne # 19 e RuSport (Lola-Ford-Bridgestone)
Corridas 101
Títulos 1 (2002)
Vitórias 12
Pódios 20
Pontos 794
Pole positions 0
Primeira corrida Grand Prix of Miami (open wheel racing) 1999
Última corrida 2006 Canary Foundation Grand Prix of San Jose

Cristiano Monteiro da Matta ou apenas Cristiano da Matta, (Belo Horizonte, 19 de setembro de 1973) é um automobilista brasileiro.

BiografiaEditar

Cristiano da Matta é filho do lendário Toninho da Matta, 14 vezes campeão brasileiro de turismo. Quando não está em competições pelo mundo, gosta de se reunir com amigos e tocar guitarra. Apreciador de rock, tem uma banda chamada "Blue Balls". Além do gosto pela música, Cristiano também tem como passatempo o ciclismo e a natação.

CarreiraEditar

Da Matta começou a andar de kart aos 16 anos. Adotou um capacete quase idêntico ao do pai. Chegou, rapidamente à elite, ganhando diversas competições daquela categoria. Em 1993 ganhou o Campeonato Brasileiro de Fórmula Ford. Em 1994 conquistou o Campeonato Brasileiro de Fórmula 3. Em 1996 da Matta participou da Fórmula 3000.

Em 1997, da Matta competiu na Indy Lights, onde sagrou-se novato do ano. Em 1998 ele venceu o campeonato.

CARTEditar

 
Cristiano da Matta na CART em 2002.

Em 1999 ele migrou para a CART, onde, guiando com um carro competitivo, foi campeão em 2002.

Fórmula 1Editar

Em 2003, fez sua estréia na Fórmula 1 pela equipe Toyota. Em sua temporada de estréia ele marcou 10 pontos, ficando à frente de seu companheiro, o veterano Olivier Panis.

Em 2004, da Matta perdeu seu posto para Ricardo Zonta depois do Grande Prêmio da Alemanha. Da Matta obteve dois sextos lugares como suas melhores colocações na F1, nos GPs da Espanha e Alemanha, ambos em 2003. O mineiro prometeu nunca mais correr na Fórmula 1, já que sentia não ser tão competitiva, com muita ênfase na performance dos carros[carece de fontes?].

Retorno à CARTEditar

Em 2005 da Matta retornou à CART, competindo pela PKV Racing e vencendo uma corrida na temporada.

No ano de 2006 o piloto mineiro iniciou correndo pela Dale Coyne Racing, equipe que depois trocou pela RuSPORT.

No dia 3 de Agosto de 2006, durante testes em Elkhart Lake, sua pista preferida,[1] o piloto sofreu uma forte colisão com o muro aparentemente após atingir um cervo.[2] Ele atingiu ao cervo com o seu pneu direito, e logo após o cervo o acertou no cockpit. Acredita-se que quando atingido pelo animal, da Matta ficou inconsciente. Mesmo assim, quando o Safety Car chegou para retirá-lo do carro, seu pé continuava no freio. Da Matta ficou internado no Theda Clark Medical Center em Neenah, Wisconsin, onde foi feita a cirurgia que retirou um pedaço do crânio para aliviar a pressão. Foi ainda induzido ao coma.[carece de fontes?] A partir dai Da Matta teve uma recuperação lenta, porém constante.

Cristiano da Matta voltou a pilotar em uma corrida oficial em maio de 2008, mas teve de abandonar a prova por um mal-estar.[carece de fontes?]

Fórmula TruckEditar

Em dezembro de 2009 o piloto mineiro testou o caminhão da equipe Iveco e deu mais de quarenta voltas pelo circuito externo do Autódromo Internacional Nelson Piquet, em Brasília.[3] Em 6 de janeiro de 2010, satisfeito com a experiência, Cristiano confirmou sua participação na equipe Iveco para disputar a Fórmula Truck no Brasil.[4]

Resumo da carreiraEditar

Ano Categoria Equipe Corridas Poles Vitórias Pontos Posição Final
1996 Fórmula 3000 Shannon 10 0 0 7
1997 Indy Lights Series Stewart 13 1 3 141
1998 Indy Lights Series Tasman 14 3 4 154
1999 CART World Series Arciero-Wells 20 0 0 32 18°
2000 CART World Series PPI 20 0 1 112 10°
2001 CART World Series Newman Haas 21 0 3 140
2002 CART World Series Newman Haas 19 7 7 237
2003 Fórmula-1 Toyota 16 0 0 10 13°
2004 Fórmula-1 Toyota 12 0 0 3 17°
2005 Champ Car World Series PKV 13 0 1 139 11°
2006 Champ Car World Series Dale Coyne 9 0 0 134 15°
2008 Rolex Sports Car Series AIM Autosport 2 0 0 8 28°
2010 Fórmula Truck Iveco 10 0 0 13 23°
2011 American Le Mans Series Rocketsports 3 0 0 6 26°
2017 Fórmula Truck Iveco 2 0 0 13 13°

Números na CARTEditar

Ano Poles Vitórias Posição Final Equipe
1999 18º Arciero-Wells (Reynard-Toyota-Firestone) # 25
2000 1 10º PPI (Reynard-Toyota-Firestone) # 97
2001 3 Newman-Haas (Lola-Toyota-Firestone) # 6
2002 7 7 Campeão Newman-Haas (Lola-Toyota-Bridgestone) # 6 e # 1
2005 1 11º PKV Racing (Lola-Ford-Bridgestone) # 21
2006 - 15º Dale Coyne # 19 e RuSport (Lola-Ford-Bridgestone) # 10

Resultados na Fórmula 1Editar

Ano Equipe Chassi Motor 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Classificação Pts.
2003 Panasonic Toyota Racing Toyota TF103 Toyota V10 AUS
Ret
MAL
11
BRA
10
SMR
12
ESP
6
AUT
10
MON
9
CAN
11
EUR
Ret
FRA
11
GBR
7
GER
6
HUN
11
ITA
Ret
USA
9
JPN
7
13º 10
2004 Panasonic Toyota Racing Toyota TF104 Toyota V10 AUS
12
MAL
9
BHR
10
SMR
Ret
ESP
13
MON
6
EUR
Ret
CAN
DSQ
USA
Ret
FRA
14
GBR
13
GER
Ret
HUN BEL ITA CHN JPN BRA 17º 3

Referências

  1. Fonte. «Entrevista ao Super Licença». Superlicenca.com.br 
  2. «Cristiano da Matta sofre grave acidente e está em coma». Canais.ondarpc.com.br 
  3. LEME, Dinho. «Cristiano da Matta testa F-Truck em Brasília». GP News. Gpnews.com.br. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  4. «Cristiano da Matta disputará temporada da Fórmula Truck». Agência Estado 

Ver tambémEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Imagens e media no Commons

Ligações externasEditar