Cultura de Sintashta

(Redirecionado de Cultura Sintashta)

A cultura de Sintashta, também conhecida como cultura de Sintashta-Petrovka[1] ou cultura de Sintashta-Arkaim,[2] é uma cultura arqueológica da Idade do Bronze da estepe do norte da Eurásia, nas fronteiras da Europa Oriental e Ásia Central do período de 2 100 a 1 800 a.C.[3] A cultura deve o seu nome ao sítio arqueológico de Sintashta, no Oblast de Chelyabinsk, Rússia.

A cultura de Sintashta é mostrada em vermelho neste mapa, com a localização dos primeiros achados das carruagens com rodas de raios indicados em magenta. A extensão máxima da cultura de Andronovo é em laranja. Culturas adjacentes e sobrepostas (cultura Afanasevo, cultura Srubna, BMAC) são mostradas em verde oliva.

Pensa-se que a cultura de Sintashta represente uma migração de pessoas a leste da cultura da cerâmica cordada. É amplamente considerado como a origem das línguas indo-arianas. As primeiras carruagens conhecidas foram encontradas nos enterros de Sintashta, e a cultura é considerada uma forte candidata à origem desta tecnologia, que se espalhou pelo Velho Mundo e teve um papel importante na guerra antiga.[4] Os assentamentos de Sintashta também são notáveis pela intensidade da mineração de cobre e metalurgia do bronze conduzida lá, o que é incomum para uma cultura de estepes.[5]

OrigemEditar

A cultura de Sintashta emergiu da interação de duas culturas antecedentes, a cultura Poltavka e a cultura Abashevo. Devido à dificuldade de identificar os restos dos locais de Sintashta sob os de assentamentos posteriores, a cultura foi apenas recentemente distinguida da cultura de Andronovo.[2] Agora é reconhecido como uma entidade separada que faz parte do "horizonte de Andronovo".[1] Os resultados de um estudo genético publicado na Nature em 2015 sugeriram que a cultura de Sintashta emergiu como resultado de uma migração para o leste de povos da cultura da cerâmica cordada.[6]

Os primeiros assentamentos de Sintashta apareceram por volta de 2 100 a.C., durante um período de mudanças climáticas que viram a região árida das estepes do Cazaquistão se tornar ainda mais fria e seca. As planícies pantanosas ao redor dos rios Ural e Tobol, anteriormente favorecidas como refúgios de inverno, tornaram-se cada vez mais importantes para a sobrevivência. Sob essas pressões, os pastores Poltavka e Abashevo se estabeleceram permanentemente nas fortalezas do vale do rio, evitando locais mais defensáveis ​​no topo da colina.[7]

Seu antecessor imediato nas estepes de Ural-Tobol foi a cultura Poltavka, uma ramificação do horizonte de Yamnaya, pastoril de gado, que se mudou para leste na região entre 2 800 e 2 600 a.C. Várias cidades de Sintashta foram construídas sobre assentamentos mais antigos de Poltavka ou perto de cemitérios de Poltavka, e os motivos de Poltavka são comuns na cerâmica de Sintashta.[8]

A cultura material de Sintashta também mostra a influência da cultura Abashevo tardia, derivada da cultura Fatyanovo-Balanovo, uma coleção de assentamentos da cultura da cerâmica cordada na zona estepe da floresta ao norte da região de Sintashta, que também eram predominantemente pastores.[8]

SociedadeEditar

 
Segundo Allentoft (2015), a cultura de Sintashta provavelmente derivou pelo menos parcialmente da cultura da cerâmica cordada.

Identidade linguísticaEditar

Pensa-se que as pessoas da cultura de Sintashta tenham falado proto-indo-iraniano, o ancestral da família de línguas indo-iranianas. Essa identificação é baseada principalmente nas semelhanças entre as seções do Rigveda, um texto religioso indiano que inclui antigos hinos indo-iranianos registrados em sânscrito védico, com os rituais funerários da cultura de Sintashta, conforme revelado pela arqueologia.[9] Muitas semelhanças culturais com Sintashta também foram detectadas na Idade do Bronze Nórdica da Escandinávia.

Há evidências linguísticas de interação entre as línguas finno-úgricas e indo-iranianas, mostrando influências dos indo-iranianos na cultura finno-úgrica.[10]

Da cultura de Sintashta, os indo-iranianos acompanharam as migrações dos indo-iranianos para a Anatólia, Índia e Irã.[11][12] A partir do século IX a.C., as línguas iranianas também migraram para o oeste com os citas de volta à estepe pôntica, de onde vieram os proto-indo-europeus.[12]

GuerrasEditar

A cultura Abashevo anterior já era marcada por guerra intertribal endêmica;[13] intensificada pelo estresse ecológico e pela competição por recursos no período Sintashta, isso levou à construção de fortificações em uma escala sem precedentes e a inovações na técnica militar, como a invenção da carruagem de guerra. O aumento da concorrência entre grupos tribais também pode explicar os sacrifícios extravagantes vistos nos enterros de Sintashta, já que os rivais tentavam se superar em atos de consumo conspícuo, análogos à tradição norte-americana do potlatch.[7]

Tipos de artefatos Sintashta, como pontas de lança, pontas de flechas trilobadas, formões e grandes eixos de furos de eixo foram levados para o leste. [14] Muitas sepulturas de Sintashta são equipadas com armas, embora o arco composto associado posteriormente à carruagem não apareça. Os locais de Sintashta produziram achados de chifre e osso, interpretados como móveis (alças, apoios de flechas, pontas de arco, presilhas) de arcos; não há indicação de que as partes dobradas desses arcos incluam algo além de madeira.[15] Também são encontradas pontas de flecha, feitas de pedra ou osso, e não de metal. Essas flechas são curtas, de 50 a 70 cm de comprimento, e os próprios arcos podem ter sido correspondentemente curtos.[15]

Produção de metaisEditar

A economia de Sintashta passou a girar em torno da metalurgia do cobre. Minérios de cobre de minas próximas (como Vorovskaya Yama) foram levados para os assentamentos de Sintashta para serem processados em cobre e bronze arsênico. Isso ocorreu em escala industrial: todos os edifícios escavados nos locais de Sintashta em Sintashta, Arkaim e Ust'e continham os restos de fornos e escórias de fundição.[7]

Grande parte do metal de Sintashta foi destinada à exportação para as cidades do complexo arqueológico da Báctria-Margiana (BMAC) na Ásia Central. O comércio de metais entre Sintashta e o BMAC conectou pela primeira vez a região das estepes às antigas civilizações urbanas do Oriente Próximo: os impérios e as cidades-estados do Irã e da Mesopotâmia forneceram um mercado quase sem fundo para metais. Essas rotas comerciais mais tarde se tornaram o veículo através do qual cavalos, carros e, finalmente, pessoas de língua indo-iraniana entraram no Oriente Próximo a partir da estepe.[16][17]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Koryakova 1998b.
  2. a b Koryakova 1998a.
  3. Anthony 2009.
  4. Kuznetsov 2006.
  5. Hanks & Linduff 2009.
  6. Allentoft 2015.
  7. a b c Anthony 2007, pp. 390–391.
  8. a b Anthony 2007, pp. 386–388.
  9. Anthony 2007, pp. 408–411.
  10. Kuz'mina 2007, p. 222.
  11. Anthony 2007.
  12. a b Beckwith 2009.
  13. Anthony 2007, pp. 383–384.
  14. Rawson, Jessica (2015). «Steppe Weapons in Ancient China and the Role of Hand-to-hand Combat» (PDF). The National Palace Museum Research Quarterly. 33 (1): 49. Consultado em 4 de fevereiro de 2018: See reference 33 - E. N. Chernykh, Ancient Metallurgy in the USSR, The Early Metal Age, 225, fig. 78. 
  15. a b Bersenev, Andrey; Epimakhov, Andrey; Zdanovich, Dmitry (2011). «Bow and arrow. The Sintasha bow of the Bronze Age of the south Trans-Urals, Russia». In: Marion Uckelmann; Marianne Modlinger; Steven Matthews. Bronze Age Warfare: Manufacture and Use of Weaponry (PDF). Col: European Association of Archaeologists. Annual Meeting. [S.l.]: Archaeopress. pp. 175–186. ISBN 978-1-4073-0822-7. Consultado em 4 de fevereiro de 2018 
  16. Anthony 2007, p. 391.
  17. Anthony 2007, pp. 435–418.

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Cultura de Sintashta
  Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.