Filosofia oriental

A filosofia oriental ou filosofia asiática inclui as várias filosofias que se originaram no Leste e na Ásia Meridional, incluindo a filosofia chinesa, a filosofia indiana (incluindo a filosofia budista, a filosofia jainista, a filosofia sikh), a filosofia japonesa e a filosofia coreana que são dominantes no Leste e Sudeste Asiático.[1][2][3]

Filosofia indianaEditar

 Ver artigo principal: Filosofia indiana

A filosofia indiana refere-se a antigas tradições filosóficas (em sânscrito: dárśana; 'visões de mundo', 'ensinamentos')[4] do subcontinente indiano. O jainismo pode ter raízes que remontam aos tempos da Civilização do Vale do Indo.[5][6][7] As principais escolas ortodoxas surgiram em algum momento entre o início da Era Comum e o Império Gupta.[8] Essas escolas hindus desenvolveram o que tem sido chamado de "síntese hindu", fundindo elementos bramânicos ortodoxos e não ortodoxos do budismo e do jainismo.[9] O pensamento hindu também se espalhou para o leste, para o Império Serivijaia da Indonésia e o Império Khmer do Camboja. Essas tradições religio-filosóficas foram posteriormente agrupadas sob o rótulo de Hinduísmo. O hinduísmo é a religião dominante ou modo de vida,[a] na Ásia Meridional. Inclui o xivaísmo, vixenuísmo e shaktismo[12] entre numerosas outras tradições e um amplo espectro de leis e prescrições de "moralidade diária" com base no carma, darma e normas sociais. O hinduísmo é uma categorização de pontos de vista intelectuais ou filosóficos distintos, em vez de um conjunto rígido e comum de crenças.[13] Hinduísmo, com cerca de um bilhão de seguidores[14] é a terceira maior religião do mundo, depois do Cristianismo e do Islão. O hinduísmo tem sido chamado de "religião mais antiga" do mundo e é tradicionalmente chamado de Sanātana Dharma, "a lei eterna" ou o "caminho eterno";[15][16][17] além das origens humanas.[17] Estudiosos ocidentais consideram o hinduísmo como uma fusão[b] ou síntese[18][c][18] de várias culturas e tradições indianas,[19][20][21] com diversas raízes[22][d] e nenhum fundador.[27]

Alguns dos primeiros textos filosóficos sobreviventes são os Upanixades do período védico posterior (1000—500 a.C.). Conceitos filosóficos indianos importantes incluem darma, carma, samsara, moksha e ahimsa. Filósofos indianos desenvolveram um sistema de raciocínio epistemológico (pramana) e lógica e tópicos investigados, como ontologia (metafísica, Bramã-Atmã, Sunyata-Anatta), meios confiáveis de conhecimento (epistemologia, pramanas), sistema de valor (axiologia) e outros tópicos.[28][29][30] A filosofia indiana também cobriu tópicos como filosofia política, conforme visto no Artaxastra c. século IV a.C. e a filosofia do amor como vista no Kama Sutra. A literatura kural do c. século I a.C., escrito pelo poeta e filósofo tâmil Valluvar, é considerado por muitos estudiosos como sendo baseado nas filosofias jainistas.[31][32]

Desenvolvimentos posteriores incluem o desenvolvimento do Tantra e influências iraniano-islâmicas. O budismo desapareceu principalmente da Índia após a conquista muçulmana do subcontinente indiano, sobrevivendo nas regiões do Himalaia e no sul da Índia.[33] O início do período moderno viu o surgimento de Navya-Nyāya (a 'nova razão') sob filósofos como Raghunatha Siromani (c. 1460–1540) quem fundou a tradição, Jayarama Pancanana, Mahadeva Punatamakara e Yashovijaya (que formulou uma resposta jainista).[34]

Escolas ortodoxasEditar

As principais escolas filosóficas indianas são classificadas como ortodoxas ou heterodoxas — āstika ou nāstika — dependendo de um dos três critérios alternativos: se acredita que os Vedas são uma fonte válida de conhecimento; se a escola acredita nas premissas de Bramã e Atmã; e se a escola acredita na vida após a morte e no Devas.[35][36]

Existem seis escolas principais de filosofia hindu indiana ortodoxa — Nyaya, Vaisheshika, Sânquia, Ioga, Mīmāṃsā e Vedanta, e cinco escolas heterodoxas principais — Jainista, Budista, Ajivika, Ajñana e Cārvāka. No entanto, existem outros métodos de classificação; Vidyaranya, por exemplo, identifica dezesseis escolas de filosofia hindu indiana, incluindo aquelas que pertencem às tradições de Xiva e Raseśvara.[37][38]

Cada escola de filosofia hindu tem extensa literatura epistemológica chamada Pramana-sastras.[39][40]

Na história hindu, a distinção das seis escolas ortodoxas era corrente no período Gupta, "era de ouro" do hinduísmo. Com o desaparecimento de Vaisheshika e Mīmāṃsā, tornou-se obsoleto no final da Idade Média, quando as várias sub-escolas do Vedanta (Dvaita "dualismo", Advaita Vedanta "não dualismo" e outros) começaram a ganhar destaque como as principais divisões da filosofia religiosa. Nyaya sobreviveu até o século XVII como Navya Nyaya "Neo-Nyaya", enquanto Samkhya gradualmente perdeu seu status como uma escola independente, seus princípios foram absorvidos pelo Yoga e Vedanta.

Sânquia e IogaEditar

Sânquia é uma tradição filosófica dualista baseada no Samkhyakarika (c. 320–540 d.C.),[41] enquanto a escola de Ioga era uma tradição intimamente relacionada enfatizando a meditação e a libertação, cujo texto principal são os Ioga Sutras (c. 400 d.C.).[42] Elementos das ideias proto-sânquia podem, no entanto, ser rastreados até o período dos primeiros Upanixades.[43] Uma das principais diferenças entre as duas escolas intimamente relacionadas era que o Ioga permitia a existência de um Deus, enquanto a maioria dos pensadores sânquias criticava essa ideia.[44]

A epistemologia sânquia aceita três das seis pramanas (provas) como o único meio confiável de obter conhecimento: pratyakṣa (percepção), anumāṇa (inferência) e śabda (palavra/testemunho de fontes confiáveis).[45] A escola desenvolveu uma complexa exposição teórica da evolução da consciência e matéria. Fontes sânquias argumentam que o universo consiste em duas realidades, purusha (consciência) e prakriti (matéria).

Conforme mostrado pelo Sāṁkhyapravacana Sūtra (c. século XIV d.c.), Sânquia continuou a se desenvolver durante o período medieval.

NyāyaEditar

A escola Nyāya de epistemologia explora fontes de conhecimento (Pramāṇa) e é baseada nos Nyāya Sūtras (por volta do século 6 a.C. e século 2 d.C.).[46] A Nyāya afirma que o sofrimento humano surge da ignorância e a liberação surge por meio do conhecimento correto. Portanto, eles procuraram investigar as fontes de conhecimento ou epistemologia correta.

A Nyāya tradicionalmente aceita quatro pramanas como meios confiáveis de obter conhecimento – Pratyakṣa (percepção), Anumāṇa (inferência), Upamāṇa (comparação e analogia) e Śabda (palavra, testemunho de especialistas confiáveis do passado ou do presente).[47] Nyāya também tradicionalmente defendeu uma forma de realismo filosófico.[48]

O Nyāya Sūtras foi um texto muito influente na filosofia indiana, lançando as bases para os debates epistemológicos indianos clássicos entre as diferentes escolas filosóficas. Inclui, por exemplo, as réplicas clássicas hindus contra os argumentos budistas do não-eu (anatta).[49] A obra também é famosa por argumentar contra um deus criador (Ishvara),[50] um debate que se tornou central para o hinduísmo no período medieval.

VaiśeṣikaEditar

Vaiśeṣika é uma escola naturalista de atomismo, que aceita apenas duas fontes de conhecimento, percepção e inferência.[51] Esta filosofia sustentava que o universo era redutível a paramāṇu (átomos), que são indestrutíveis (anitya), indivisíveis e tem um tipo especial de dimensão, chamada de “pequena” (aṇu). Tudo o que experienciável é um composto desses átomos.[52]

A Vaiśeṣika organizou todos os objetos de experiência no que eles chamaram padārthas (literalmente: 'o significado de uma palavra') que incluiu seis categorias; dravya (substância), guṇa (qualidade), karma (atividade), sāmānya (generalidade), viśeṣa (particularidade) e samavāya (inerência). Posteriormente, os Vaiśeṣikas (Śrīdhara, Udayana e Śivāditya) adicionaram mais uma categoria: abhava (não-existência). As primeiras três categorias são definidas como artha (que pode ser percebido) e eles têm existência objetiva real. As últimas três categorias são definidas como budhyapekṣam (produto da discriminação intelectual) e são categorias lógicas.[53]

Filosofia ocidental x filosofia orientalEditar

Geralmente, a filosofia "oficial" é à filosofia desenvolvida na Europa e, mais recentemente, nos Estados Unidos. Porém esta é uma forma discriminatória de se conceber a filosofia, pois esta atividade também é desenvolvida com muita profundidade em outros pontos do mundo, como a Ásia por exemplo. Apesar de também poder ser chamada de "filosofia", a filosofia oriental guarda, no entanto, algumas características distintas em relação à filosofia ocidental.

A utilização de línguas com estrutura totalmente diferente em relação às línguas ocidentais, por exemplo, gera uma visão de mundo oriental bem distinta em relação à visão de mundo ocidental. A filosofia oriental também não marca de modo tão nítido oposições que caracterizam a cultura ocidental, como inteligível x sensível, divino x humano, cultura x natureza, mente x corpo, espírito x matéria e lógico-racional x estético-intuitivo.[54]

Ver tambémEditar

Notas

  1. O hinduísmo é definido de várias maneiras como uma "religião", "conjunto de crenças e práticas religiosas", "tradição religiosa", "um modo de vida" ([10]) etc. Para uma discussão sobre o assunto, consultar: "Establishing the boundaries" em [11]
  2. Lockard 2007, p. 50: "Os encontros que resultaram da migração ariana reuniram diversos povos e culturas muito diferentes, reconfigurando a sociedade indiana. Ao longo de muitos séculos, ocorreu uma fusão de ariano e dravidiano, um processo complexo que os historiadores rotularam de síntese indo-ariana." Lockard 2007, p. 52: "O hinduísmo pode ser visto historicamente como uma síntese das crenças arianas com o harapão e outras tradições dravidianas que se desenvolveram ao longo de muitos séculos."
  3. Hiltebeitel 2007, p. 12: "Um período de consolidação, às vezes identificado como um de "síntese hindu", "síntese bramânica" ou "síntese ortodoxa", ocorre entre a época dos upanixades védicos tardios (c. 500 a.C.) e o período de ascendência imperial de Gupta" (c. 320–467 d.C.)."
  4. Entre suas raízes estão a religião védica do final do período védico (Flood 1996, p. 16) e sua ênfase no status dos brâmanes (Samuel 2010, pp. 48–53), mas também as religiões da Civilização do Vale do Indo,[22] [23][24][25] os esramanas ou tradições renunciantes do nordeste da Índia,[20][26] e "tradições populares ou locais".[20]

Referências

  1. Elman, Benjamin A.; Duncan, John B.; Ooms, Herman (2005). Rethinking Confucianism: Past and present in China, Japan, Korea, and Vietnam. [S.l.: s.n.] 
  2. Ram-Prasad, Chakravarthi; "Eastern philosophy" (2005)
  3. Fischer-Schreiber, Ehrhard, Friedrichs; Encyclopedia of Eastern Philosophy and Religion (1994)
  4. Spoken Sanskrit, darzana
  5. Larson, Gerald James (1995) India’s Agony over religion SUNY Press ISBN 0-7914-2412-X. “Há algumas evidências de que as tradições jainistas podem ser ainda mais antigas do que as tradições budistas, possivelmente remontando à época da civilização do vale do Indo, e que Vardhamana, em vez de ser um "fundador" per se, era, simplesmente, um porta-voz primário de muito tradição mais velha. p. 27”
  6. Joel Diederik Beversluis (2000) In: Sourcebook of the World's Religions: An Interfaith Guide to Religion and Spirituality, New World Library: Novato, CA ISBN 1-57731-121-3 Originário do subcontinente indiano, o jainismo é uma das religiões mais antigas de sua terra natal e, na verdade, do mundo, tendo origens pré-históricas antes de 3000 a.C. e a propagação da cultura indo-ariana.... p. 81
  7. Jainism by Mrs. N.R. Guseva p. 44
  8. Students' Britannica India (2000), Volume 4, Encyclopædia Britannica, ISBN 978-0-85229-760-5, p. 316
  9. Hiltebeitel, Alf (2007), Hinduism. In: Joseph Kitagawa, "The Religious Traditions of Asia: Religion, History, and Culture", Routledge
  10. Sharma 2003, pp. 12–13.
  11. Flood 2008, pp. 1–17.
  12. Nath 2001, p. 31.
  13. Georgis 2010, p. 62.
  14. «The Global Religious Landscape – Hinduism». A Report on the Size and Distribution of the World's Major Religious Groups as of 2010. The pew foundation. 18 de dezembro de 2012. Consultado em 31 de março de 2013 
  15. Bowker 2000.
  16. Harvey 2001, p. xiii.
  17. a b Knott 1998, p. 5.
  18. a b Samuel 2010, p. 193.
  19. Hiltebeitel 2007, p. 12.
  20. a b c Flood 1996, p. 16.
  21. Lockard 2007, p. 50.
  22. a b Narayanan 2009, p. 11.
  23. Lockard 2007, p. 52.
  24. Hiltebeitel 2007, p. 3.
  25. Jones & Ryan 2006, p. xviii.
  26. Gomez 2013, p. 42.
  27. Osborne 2005, p. 9.
  28. Roy W. Perrett (2001). Indian Philosophy: Metaphysics. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-0-8153-3608-2 
  29. Stephen H Phillips (2013). Epistemology in Classical India: The Knowledge Sources of the Nyaya School. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-136-51898-0 
  30. Arvind Sharma (1982). The Puruṣārthas: a study in Hindu axiology. [S.l.]: Asian Studies Center, Michigan State University ; Purusottama Bilimoria; Joseph Prabhu; Renuka M. Sharma (2007). Indian Ethics: Classical traditions and contemporary challenges. [S.l.]: Ashgate. ISBN 978-0-7546-3301-3 
  31. Mohan Lal 1992, pp. 4333–4334.
  32. Kamil Zvelebil 1973, pp. 156–171.
  33. Randall Collins (2009). he Sociology of Philosophies. [S.l.]: Harvard University Press. pp. 184–185. ISBN 978-0-674-02977-4 
  34. Ganeri, Jonardon. The Lost Age of Reason Philosophy In Early Modern India 1450–1700, Oxford U. press.
  35. John Bowker, Oxford Dictionary of World Religions, p. 259
  36. Wendy Doniger (2014). On Hinduism. [S.l.]: Oxford University Press. p. 46. ISBN 978-0-19-936008-6 
  37. Cowell, E.B.; Gough, A.E. (1882). Sarva-Darsana Sangraha of Madhava Acharya: Review of Different Systems of Hindu Philosophy. New Delhi: Indian Books Centre/Sri Satguru Publications. ISBN 81-7030-875-5, p. xii.
  38. Nicholson, pp. 158–162.
  39. Karl Potter (2002), Presuppositions of India's Philosophies, Motilal Banarsidass, ISBN 81-208-0779-0, pp. 25–26
  40. P Bilimoria (1993), Pramāṇa epistemology: Some recent developments, in Asian philosophy – Volume 7 (Editor: G Floistad), Springer, ISBN 978-94-010-5107-1, pp. 137–154
  41. Gerald James Larson (2011), Classical Sāṃkhya: An Interpretation of Its History and Meaning, Motilal Banarsidass, ISBN 978-81-208-0503-3, pp. 146–147
  42. Maas, Philipp A. (2006). Samādhipāda: das erste Kapitel des Pātañjalayogaśāstra zum ersten Mal kritisch ediert. Aachen: Shaker. ISBN 3-8322-4987-7.
  43. GJ Larson, RS Bhattacharya and K Potter (2014), The Encyclopedia of Indian Philosophies, Volume 4, Princeton University Press, ISBN 978-0-691-60441-1, pp. 4–5
  44. Roy Perrett (2007), Samkhya-Yoga Ethics, Indian Ethics: Classical Traditions and Contemporary Challenges (Editors: Purusottama Bilimoria et al), Volume 1, ISBN 978-0-7546-3301-3, p. 151
  45. John A. Grimes, A Concise Dictionary of Indian Philosophy: Sanskrit Terms Defined in English, State University of New York Press, ISBN 978-0-7914-3067-5, p. 238
  46. Jeaneane Fowler (2002), Perspectives of Reality: An Introduction to the Philosophy of Hinduism, Sussex Academic Press, ISBN 978-1-898723-94-3, p. 129
  47. John A. Grimes, A Concise Dictionary of Indian Philosophy: Sanskrit Terms Defined in English, State University of New York Press, ISBN 978-0-7914-3067-5, p. 238
  48. Oliver Leaman (2006), Nyaya, in Encyclopaedia of Asian Philosophy, Routledge, ISBN 978-0-415-86253-0, pp. 405–407
  49. P Bilimoria and JN Mohanty (2003), Relativism, Suffering and Beyond, Oxford University Press, ISBN 978-0-19-566207-8, pp. i–ix with Introduction and Chapter 3
  50. John Clayton (2010), Religions, Reasons and Gods: Essays in Cross-cultural Philosophy of Religion, Cambridge University Press, ISBN 978-0-521-12627-4, p. 150
  51. DPS Bhawuk (2011), Spirituality and Indian Psychology (Editor: Anthony Marsella), Springer, ISBN 978-1-4419-8109-7, p. 172
  52. Analytical philosophy in early modern India J Ganeri, Stanford Encyclopedia of Philosophy
  53. Radhakrishnan 2006, pp. 183–186
  54. MATTAR, J. Introdução à filosofia. São Paulo. Pearson Prentice Hall. 2010. p. 274, 275.

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Filosofia oriental
  Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.