Fortaleza de Humaitá

A Fortaleza de Humaitá conhecida metaforicamente como Gibraltar da América do Sul, era uma instalação militar paraguaia próxima à foz do rio Paraguai. O estratégico local era sem igual na região, "uma fortaleza de que nunca tinha sido visto na América do Sul", era "a chave para o Paraguai e os rios superiores". Desempenhou um papel crucial no conflito mais mortal da história do continente - a Guerra do Paraguai - da qual foi o principal teatro de operações.

Posição da Fortaleza de Humaitá
Passagem de Humaitá (1868): aquarela do almirante Trajano Augusto de Carvalho

O local era uma curva acentuada em forma de ferradura no rio; praticamente todas as embarcações que desejassem entrar na República do Paraguai - e de fato seguir adiante até a província brasileira de Mato Grosso - foram obrigadas a navegá-la. A curva era comandada por uma linha de baterias de artilharia de 1,8 km (6 000 pés), no final da qual havia uma barreira de corrente que, quando levantada, detinha o transporte sob os canhões. O canal navegável tinha apenas 200 metros de largura e era facilmente acessível à artilharia. A fortaleza era protegida de ataques em seu lado terrestre por pântano impenetrável ou, onde faltava, terraplenagens defensivas que, em sua maior extensão, compreendiam um sistema de trincheiras estendendo-se por 8 milhas lineares (13 km), tinha uma guarnição de 18 000 homens e disparou 120 canhões. Em seu apogeu, Humaitá era considerada intransitável para a navegação inimiga.

A percepção generalizada que criou em seu apogeu - de que o Paraguai era um país difícil de invadir - pode ter induzido seu Marechal-Presidente Francisco Solano López a assumir riscos desnecessários na política externa e, em particular, a apreender embarcações do governo e províncias do país mais populoso Brasil e Argentina e enviar exércitos para invadi-los e Uruguai. Eles se uniram contra ele no Tratado da Tríplice Aliança. A guerra levou à total derrota e ruína de seu país e as baixas foram imensas.

Um propósito declarado do Tratado da Tríplice Aliança era a demolição das fortificações Humaitá e que nenhuma outra desse tipo fosse construída novamente. No entanto, a fortaleza, embora não invulnerável aos mais recentes navios de guerra blindados, era um sério obstáculo aos planos dos Aliados de seguir rio acima para a capital paraguaia, Assunção e recapturar o território brasileiro de Mato Grosso: atrasou-os por dois e meio anos. Foi tirada no Cerco de Humaitá (1868), depois arrasada nos termos do Tratado.

Para os atuais paraguaios, o Humaitá é um símbolo de orgulho nacional, representando a obstinada vontade de resistência de seu país.

Motivos para sua construçãoEditar

 
A chave para o Paraguai. A seta azul mostra a localização da fortaleza perto da foz do rio Paraguai. No topo do mapa está o Mato Grosso, e o território disputado entre Brasil e Paraguai. (Fonte: Thompson, Placa VIII.)

Chave para o ParaguaiEditar

O Paraguai é um país sem litoral e durante grande parte de sua história era de difícil acesso, exceto navegando do Atlântico até o rio Paraná e, portanto, o rio Paraguai (ver mapa)[1] como os primeiros exploradores espanhóis haviam feito. Havia outros meios de ingresso, mas eles teriam exigido que uma força invasora fosse reabastecida através de um país difícil e hostil.[2] Portanto, o comando do rio era fundamental para a segurança do Paraguai, que temia e desconfiava de seus dois maiores[3] vizinhos, Brasil e Argentina.[4]

Ansiedade com o Império BrasileiroEditar

Em uma longa história de conflitos entre os impérios de Portugal e Espanha na América, os portugueses fizeram inúmeras incursões - algumas delas permanentes - em território reivindicado pelos espanhóis. Ataques dos bandeirantes (homens que expandiram as fronteira do que hoje é o Brasil) nas reduções jesuítas do Paraguai levaram muitos habitantes guaranis, que temiam e desprezavam os brasileiros.[5][6][7] As fronteiras entre os dois impérios não foram resolvidas e os conflitos continuaram após a independência, quando a América portuguesa se tornou o Império do Brasil.[8][9] O Brasil não tinha acesso prático ao seu próprio território de Mato Grosso, exceto navegando do Oceano Atlântico até o rio Paraguai (ver mapa);[10] O medo de que o Paraguai pudesse interferir na navegação era uma fonte de conflito. Onde o Paraguai acabou, e onde o Mato Grosso começou, era uma questão de opinião.[11]

Ansiedade sobre Buenos AiresEditar

O vice-reinado espanhol do Rio da Prata ocupou um enorme território quase contíguo aos territórios modernos da Bolívia, centro e norte da Argentina,[12] Paraguai e Uruguai. Embora não tenha existido por muito tempo (1776-1810), o vice-rei espanhol teve sua sede na cidade de Buenos Aires. Ao se tornar independente da Espanha, a cidade reivindicou e se considerou com razão a capital de um território idêntico que chamou de Províncias Unidas da América do Sul.[13][14] Outras províncias - especialmente Bolívia, Uruguai e Paraguai - discordaram e o vice-reinado se dividiu em hostilidade e guerra. Em particular, Buenos Aires não reconheceu o direito do Paraguai de agir com independência e em 1811 enviou um exército comandado pelo general Manuel Belgrano para tentar impedi-lo.[15] O governador de Buenos Aires, Juan Manuel Rosas, "que via o Paraguai como uma província errante"[16] durante sua ditadura (1835-1852), tentou prender o Paraguai fechando o rio Paraná ao tráfego comercial (ver Batalha de Vuelta de Obligado). Província de Buenos Aires desentendeu-se com as demais províncias da Confederação Argentina e se declarou o Estado independente de Buenos Aires; não reconheceu a independência do Paraguai mesmo depois que os outros o fizeram. Somente no final do século XIX (1859) a Argentina reunida reconheceu formalmente um Paraguai independente. Mesmo assim, as fronteiras entre Argentina e Paraguai estavam em disputa, notadamente os territórios do Chaco e Misiones.[17]

Perspectiva defensiva do ParaguaiEditar

Após sua independência em 1811, o Paraguai tentou se manter fora da anarquia da vizinha América hispânica. Seu formidável ditador José Gaspar Rodríguez de Francia (1820-1840) impôs uma política rígida de isolamento. Durante seu reinado, poucos foram autorizados a entrar ou sair do Paraguai.[18][19][20] Avaliação do professor Williams: "Em uma tentativa de coagir o Paraguai economicamente e colocá-lo de joelhos, Buenos Aires apenas endureceu o nacionalismo paraguaio e produziu um isolamento voluntário e xenofóbico da província separatista".[13]

Após a morte de Francia, ele foi sucedido por Carlos Antonio López, (denominado 'López I' por alguns autores,[21] uma designação conveniente, embora imprecisa), o pai de Francisco Solano López ('López II'). López I abriu o Paraguai ao comércio exterior e à tecnologia,[22][23][24][25][26] mas o navio a vapor tornou seu país vulnerável à invasão[27][28] e ele compreensivelmente temia as maquinações de seus vizinhos poderosos.[29]

Durante sua presidência houve conflitos, não só com o Brasil e Buenos Aires, mas também com os Estados Unidos: o caso do navio USS Water Witch de 1855 em que o forte de Itapirú atirou contra um navio de guerra estadunidense,[30] que deu origem a uma expedição naval estadunidense. contra o Paraguai em 1858.[31] Embora Carlos López fosse astuto o suficiente para saber quando recuar,[32][33][34][35][36] e ele compreensivelmente temia as maquinações de seus vizinhos poderosos.[37]

Causa imediata de sua construçãoEditar

 
Casa da Guarda do Humaitá. Gravura no Illustrated London News, 1864. A imagem parece ter sido feita antes.

Em 1777, na época colonial, uma modesta guardia (forte ou posto de vigia) foi estabelecida em Humaitá, local a cerca de 15 milhas acima da foz do rio Paraguai. No entanto, uma versão mais formidável foi construída em etapas sob as ordens de López I. Ele começou o trabalho às pressas em 1854 durante o conflito com o Brasil sobre fronteiras e navegação, quando o Paraguai foi ameaçado por uma flotilha brasileira;[38][39][33] Felizmente para López, os brasileiros foram atrasados ​​pelo estado baixo do rio.[40][41] O autor e diplomata paraguaio Gregorio Benítes - que estava no exército paraguaio na época - dá uma explicação diferente. López I, sabendo que a esquadra brasileira estava a caminho, transferiu imediatamente 6 000 soldados de Paso de Patria para Humaitá; trabalhando dia e noite, em 15 dias eles fortificaram aquele local, incluindo fornos para fazer balas de canhão em brasa.[42] A esquadra brasileira desistiu por causa da força das fortificações; o estado baixo da água é mencionado apenas incidentalmente.[43] Thomas Jefferson Page USN[44] escreveu um relato independente[45] que tende a confirmar a versão de Benites.[33][46]

Trabalhos iniciaisEditar

De acordo com um projeto do coronel de engenheiros húngaros Wisner de Morgenstern,[47][48] ele fortificou rapidamente a margem esquerda do rio com algumas baterias, que foram continuamente, mas lentamente aumentadas, e uma trincheira foi cavada no lado da terra fechando a retaguarda deles.[49] Ele derrubou a floresta virgem, deixando apenas algumas árvores espalhadas, arrancou as raízes e instalou as primeiras baterias, a cuja conclusão foram dedicados cerca de dois anos.[47] Em janeiro de 1859, a instalação parecia formidável. Conforme descrito por uma testemunha ocular a bordo do USS Fulton, parte da expedição ao Paraguai enviada pelo Presidente Buchanan para exigir reparações por erros alegadamente cometidos aos Estados Unidos

Dezesseis aberturas sinistras apontam sua escuridão, e tudo o mais que possam conter, sobre nós; e, como os olhos da figura na foto, parecia seguir o movimento da embarcação... Essas aberturas são as da bateria da casamata, construída em tijolo, mas muito profunda, e defendida pela formidável bateria de dezesseis canhões de oito polegadas.

Numerosas outras baterias foram notadas.[50] Fulton, tendo deixado o resto de seu esquadrão para trás, foi autorizado a prosseguir rio acima.[51] As obras, continuamente ampliadas, eram supervisionadas por engenheiros britânicos, dos quais havia um número considerável em regime de contrato com o governo do Paraguai.[26][52]

Vista da Fortaleza de Humaitá antes da Guerra (rolagem horizontal). Esta elevação, provavelmente esboçada em 1857 pelo futuro almirante Ernest Mouchez a bordo do navio francês Bisson,[53] que o governo paraguaio acusou de espionagem,[54] é uma das poucas representações da fortaleza como uma instalação operacional. (A maioria das imagens que sobreviveram foram feitas depois que ele foi capturado e parcialmente demolido pelos Aliados.) À esquerda está a bateria Londres com suas canhoneiras caracteristicamente largas. O esboço não parece mostrar uma lança de corrente. Esta cópia do esboço francês foi feita pela inteligência naval brasileira no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro em 1857 e sobrevive na Biblioteca Nacional do Brasil.

Descrição da fortaleza acabadaEditar

 
Planta detalhada da Fortaleza do Humaitá, mostrando as baterias e demais instalações. Desenvolvido por topógrafos militares brasileiros no final da guerra, ele também mostra as linhas de circunvalação dos Aliados. (Esta imagem é melhor visualizada em alta resolução.)
 
Outro plano da Fortaleza de Humaitá feito pelo oficial polonês-argentino[55] Roberto Adolfo Chodasiewicz (1832–1891).

LocalizaçãoEditar

A fortaleza de Humaitá estava situada em um penhasco nivelado cerca de 10 metros acima do rio, em uma curva acentuada em ferradura. A curva, chamada de '''Vuelta de Humaitá''' era um ponto de aperto estratégico ideal. Tinha cerca de 1 500 metros (4 900 pés) de comprimento; o canal navegável estreitou para apenas 200 metros (660 pés) de largura; a corrente era de 2,8 nós (5,2 km/h; 3,2 mph) e em alguns lugares 3 nós (5,6 km/h; 3,5 mph), difícil para os navios da época travarem; e (assunto que horrorizaria a marinha brasileira) ideal para o lançamento de 'torpedos' (minas navais flutuantes do século XIX).

Uma desagradável surpresa para uma flotilha invasora foi que, devido à peculiar conformação do leito do rio, surgiram "remansos traiçoeiros que muitas vezes neutralizam a ação do leme, em proporção direta ao comprimento das embarcações".[56][57][58][59][60]

Primeira impressãoEditar

O explorador capitão Sir Richard Burton, que visitou o cenário durante a guerra - quando os brasileiros ainda desmontavam as fortificações - assim o descreveu:[61]

A varredura é mais côncava do que o normal, em benefício da artilharia e em detrimento da navegação. Nada mais perigoso do que esta grande curva, onde os navios quase certamente se confundem sob o fogo, como aconteceu em Port Hudson com a frota comandada pelo Almirante D. G. Farragut. A margem nivelada, seis a nove metros acima do rio, e mergulhando em alguns lugares, é delimitada por pântanos rio acima e rio abaixo. Obras de terraplenagem, constituídas por valas, cortinas e redans, dispostas em intervalos onde se pretendia, e sugerindo as linhas de Torres Vedras, apoiam ambas as suas extremidades sobre o rio, cuja forma aqui é a da letra U, e se estendem em forma de giba para o interior ao sul. O contorno mede quase 13 quilômetros e meio, e abrange uma área de pastagens com uma extensão de 8 000 000 metros quadrados - um glorioso campo de batalha.

O canalEditar

O canal navegável de 200 jardas de largura correu perto da margem leste, ou seja, as baterias do rio.[62][63]

Baterias de rioEditar

 
A Bateria Londres das fortificações Humaitá. Embora esta imagem de E. C. Jourdan do corpo de engenheiros brasileiro tenha se tornado icônica, ela o mostra em estado de desmontagem parcial. Na realidade, as seteiras eram protegidas por uma pilha de terra.[64]
 
Baterias da Fortaleza de Humaitá segundo EC Jourdan (1871) do Corpo de Engenheiros Brasileiro.

Uma força invasora, se fumegasse ao redor da curva rio acima, teria que passar por oito baterias fixas, todas capazes de concentrar o fogo no ângulo de reentrada. Além disso, o transporte marítimo estava ao alcance dos canhões pesados ​​bem antes de chegar à curva, e bem depois dela.

As baterias têm nomes variados nas fontes e o número de armas pode não ter sido constante.[65][66][67][68]

Baterias preliminaresEditar

Primeiro a força invasora teve que passar pelo reduto Humaitá, armada com um único canhão de calibre 20 cm.

Deve então passar pelo Itapirú (sete canhões); o Pesada [pesado] (cinco canhões), todo revestido em parte com tijolo; o Octava ou Madame Lynch (três armas em barbette); o Coimbra (oito canhões); e o Tacuarí (três fuzis).[69][70]

A Bateria LondresEditar

Em seguida, a flotilha invasora deve passar pela Batería Londres (assim chamada porque a maioria dos técnicos no Paraguai foi recrutada pela Limehouse, Londres, empresa de J. & A. Blyth). Suas paredes tinham 8,2 metros (27 pés) de espessura. Era para ser à prova de bombas por camadas de terra amontoadas sobre arcos de tijolos, e havia canhoneiras para 16 canhões. "Desses portos", disse Burton, "oito foram murados e convertidos em oficinas, porque os artilheiros estavam sempre com medo de que desabassem e desabassem de hora em hora".[69][71][72][73][74]

A Bateria CadenasEditar

Como clímax a força invasora viria ao lado da Bateria Cadenas (bateria de corrente, pois protegia a lança de corrente), apoiada pelo Quartel de Artilharia. De acordo com uma pesquisa do corpo de engenharia brasileiro, esta bateria tinha 18 armas.[75][69]

A barreira de navegação - correnteEditar

O boom (barreira de navegação) do outro lado do rio, com o objetivo de deter a navegação sob as armas, é descrito de várias maneiras nas fontes. Richard Burton e o comandante Kennedy RN disseram que compreendia 7 correntes torcidas juntas, das quais (escreveu Burton) a maior tinha um elo de 1,75 polegada de diâmetro. Ele foi preso a um guincho sustentado por uma casa a cerca de 100 metros da margem. Mais perto da bateria estava um cabrestante ainda maior. Outras fontes, notadamente George Thompson (de fato engenheiro-chefe do exército paraguaio) escreveu que havia três correntes lado a lado, das quais a mais pesada tinha elos de 7,5 polegadas, sustentados por barcaças e canoas.

O relatório oficial do corpo técnico das forças aliadas que capturaram Humaitá, datado de 29 de julho de 1868, por Cordeiro Tôrres e Alvim, dizia que nas duas margens do rio existiam sete correntes que, depois de entrarem na água, estavam ligadas a três. Estes últimos eram parcialmente sustentados por grandes caixas de ferro flutuantes.[76][77][78][69][79]

AbordagemEditar

 
Aproximação ao Humaitá. O Rio Paraguai da foz às baterias fluviais do Curuzú e do Curupayti. Mapa básico de Emilio Carlos Jourdan (1838-1900).

Antes mesmo de chegar à Vuelta de Humaitá, um esquadrão invasor teria que primeiro navegar o rio Paraguai desde sua foz e enfrentar as baterias que os paraguaios conseguiram desdobrar em sua margem esquerda, principalmente em Curuzú e Curupayty. Nunca se averiguou se navios de guerra desarmados poderiam ter feito isso sem serem afundados; durante a guerra, as embarcações de madeira sem armadura da Marinha do Brasil não o fizeram.[80]

Embora navios pesadamente chapeados não devam ser afundados por essas baterias de rio, seu próprio peso e tamanho os tornavam difícil, e às vezes impossível, de navegar nas águas rasas do rio Paraguai. Como observou o Comandante Kennedy da Marinha Real:[81]

O rio Paraguai não apresenta obstáculos importantes à navegação, sendo o principal ponto a observar a subida [sazonal] das águas; isto varia às vezes até três braças [5 1/2 metros]... O perigo inerente ao encalhe no Paraguai é... [que] tem um fundo rochoso agudo... A entrada do Paraguai em Três Bocas tem 500 metros de largura e, no rio médio, há uma profundidade de 3,6 metros de água. Os blindados de ferro da frota brasileira, muitos dos quais puxavam quatro a quatro metros de profundidade, dependiam inteiramente desses aumentos periódicos, tanto para os movimentos de avanço quanto para a retirada, se necessário. Suas armas e munições não foram enviadas até que chegaram a Corrientes; pois o Paraná é igualmente raso em várias partes...
É difícil conceber um obstáculo mais formidável para um esquadrão em avanço do que esta pequena porção do rio entre Três Bocas e Humaitá. A água é rasa e muito incerta em sua profundidade; as curvas no canal são bruscas e frequentes, e todos os pontos disponíveis estavam cheios de armas de grande calibre...

'Torpedos'Editar

 
O couraçado brasileiro Rio de Janeiro afundado por um 'torpedo' em frente ao Curuzú. Pintura de Adolfo Methfessel (1836-1909).
 
'Torpedos' paraguaios e outras armas. De uma ilustração de 1867 do engenheiro militar brasileiro Conrado Jacó de Niemeyer (1831-1905). Torpedos de ambos os tipos flutuante e subaquático (ancorado) são ilustrados. À esquerda estão os artefatos perfurantes de armadura paraguaios, dos quais López tinha um estoque limitado.

Para uma força invasora de couraçados, o aspecto mais perigoso de Humaitá não eram as baterias de artilharia, mas os 'torpedos' que podiam ser lançados na corrente confinada, rasa e desconhecida do rio Paraguai.[82][83][84]

Esses torpedos eram minas de contato improvisadas. O primeiro foi inventado por "um ianque, Sr. Krüger". Eles consistiam em um cilindro de zinco contendo uma carga de pólvora. O maior já fabricado usou uma carga de 1 500 libras (680 quilos) e a explosão sacudiu o solo na cidade de Corrientes, Argentina, a vinte milhas de distância. Os fusíveis foram projetados e feitos por George Frederick Masterman, boticário chefe do Exército Paraguaio: eles eram cápsulas de vidro de ácido sulfúrico que, quando quebradas ao atingir um objeto pesado, acendeu uma mistura de clorato de potássio / açúcar.[85][86][87][88][89][90][91]

Embora a maioria desses dispositivos não tenha disparado, exceto prematuramente, um afundou o couraçado de ferro brasileiro de 1 000 toneladas do Rio de Janeiro, matando 155 homens, então eles tiveram que ser levados a sério. Como um "torpedo" (simulado ou real) era liberado quase todas as noites, a Marinha brasileira precisava mandar barcos-patrulha remando em três turnos que tentavam localizar os torpedos flutuantes; se o fizessem, tentavam prender seus carros alegóricos com ferros de agarrar em linhas compridas. Escreveu o Comandante Kennedy RN: "Foi um serviço de grande perigo".[92][93][94][95][96]

Além do tipo flutuante mais comum, que podia ser visto e removido, os paraguaios implantaram "torpedos" atracados no leito do rio, o que não foi possível. Essas foram uma barreira psicológica potente.[97]

O uso dos torpedos também trazia seus perigos. Após a morte de Kruger - ele foi explodido por um de seus torpedos - a obra foi assumida por um paraguaio chamado Ramos, que havia servido como aprendiz na Inglaterra. Ele teve o mesmo destino, e a obra foi entregue a um refugiado polonês chamado Michkoffsky. Michkoffsky costumava levar torpedos rio abaixo em uma canoa remada por quatro meninos. Um dia ele se distraiu e os meninos fugiram para os Aliados com o torpedo: ele foi preso, reduzido às fileiras e mandado para a frente, onde logo foi morto. Um mergulhador paraguaio anônimo, embora corajoso, tentou anexar um torpedo ao couraçado brasileiro Brasil à mão: deduziu-se quando foi encontrado emaranhado nas correntes do leme, afogado.[98][96][99]

Os paraguaios amarraram deliberadamente garrafões vazios no rio para fazer a Marinha do Brasil supor que marcavam as situações de torpedos. Isso os tornou visivelmente relutantes em navegar em suas águas.[100]

Defesas em direção à terra; o QuadriláteroEditar

Os arredores e as defesas terrestres de Humaitá. Os arredores e as defesas terrestres de Humaitá . Essencialmente, o terreno natural aqui era um pântano, fisicamente intransponível para um exército invasor. Havia apenas duas frentes estreitas onde uma força militar poderia ter se espremido em terreno firme: 1. Ao pousar em Curupaty. O país ao sul da Fortaleza (marcado em verde) era um prado, e uma força invasora poderia ter desembarcado em "1" Curupaty. Os paraguaios previram isso. Para interditá-lo, eles construíram uma linha de trincheiras de 12 quilômetros, defendida por muitas peças de artilharia e uma grande guarnição. Este foi o Quadrilátero. Neste mapa, o Quadrilátero é denotado por linhas pretas grossas. Outros pontos do Quadrilátero: "2" Chichi. "3" molho. "4" Paso Gómez. "5" Ángulo. "6" Espinillo. "7" Fortificações Humaitá. Mesmo assim, os paraguaios completaram a trincheira em Curupayty bem a tempo. Os Aliados imediatamente lançaram um ataque frontal e sofreram sua pior derrota da guerra . A sede da López'a ficava no "HQ (vermelho)" Paso Pucú; ele tinha linhas telegráficas indo para outros pontos importantes. 2. Contornando bem a Fortaleza para o leste. Os Aliados descobririam, após muita tentativa, erro e derramamento de sangue, que havia uma faixa de lama secando bem a leste da Fortaleza. Principais locais deste percurso: "a (azul)" Tuyucué. "b (azul)" San Solano. "c (azul)" Sobre o riacho Arroyo Hondo. "d (azul)" Obella. "e (azul)" Tayí (onde foi possível voltar ao rio Paraguai). Para chegar a esse roteiro, era preciso partir não do rio Paraguai, mas do rio Paraná no extremo sul. (Nota: A legenda "High Road to Assunción" não significa que houve uma estrada no sentido moderno, apenas que o caminho era transitável em princípio.) Outras características notáveis. Em "C (vermelho)" López construiu o reduto de Cierva, que não tinha outra finalidade militar senão confundir o inimigo. (Pensando que deve ser importante, eles eventualmente capturado-lo em uma enorme perda de vidas.) No "T (vermelho)" era Timbó, o lugar mais próximo do lado Chaco do rio onde foi possível à terra. Aqui, López construiu uma estrada de abastecimento que seguia para o interior através de 54 milhas de lama profunda; quando sua posição se tornou insustentável, ele escapou por lá com o grosso de suas forças e artilharia. Também em Timbó instalou um forte que causaria ainda mais danos do que as baterias fluviais de Humaitá. A escala marcada no mapa é de 3 milhas (5 km). (Anotação da Wikipedia de um mapa básico desenhado em 1869 por George Thompson (engenheiro)[101][102][103]

Os paraguaios também tomaram precauções contra o confisco de Humaitá por terra. Muito dele era protegido naturalmente por carrizal, pântano ou pântano, e onde não, um elaborado sistema de trincheiras foi construído, eventualmente se estendendo por 13 km (8 mi) com paliçadas e chevaux-de-fríse em intervalos regulares, conhecido como Quadrilátero (Cuadrilátero, Polígono ou Quadrilátero em várias fontes linguísticas). Essas trincheiras montavam baterias quando apropriado. As trincheiras e barreiras naturais são mostradas no mapa reproduzido nesta seção deste artigo, que foi desenhado em escala pelo Tenente Coronel George Thompson (engenheiro) do exército paraguaio; ele pessoalmente fez um levantamento trigonométrico detalhado do solo. O mapa é corroborado pela descrição verbal detalhada de Burton baseada em sua própria inspeção a cavalo e em números fornecidos a ele pelo tenente-coronel Chodasiewicz do Exército argentino.[104][105][106][105][107][108][109]

Burton relatou que o layout exigia uma guarnição de pelo menos 10 000 homens; na época do Cerco de Humaitá, o comandante-chefe aliado estimou que ele tinha 18 000 e possivelmente 20 000 homens e 120 canhões sem incluir as baterias do rio.[110][47]

Defesas contra inundaçõesEditar

O coronel encarregado da engenharia militar paraguaia George Thompson providenciou para que parte do Quadrilátero fosse protegida por defesas contra enchentes. O Quadrilátero tinha um ponto fraco ou potencial ponto de invasão em Paso Gómez (a palavra espanhola "paso" indica uma passagem), denotado 4 no mapa nesta seção. Mas ao represar o Estero Bellaco N. em 3, onde ele entrou na zona denominada "Selva Espessa", ele aumentou o nível da água em Paso Gómez em mais de 2 metros. Além disso, ele forneceu uma comporta. "Se o inimigo entrar [entrar] e se preparar para uma investida... o portão será aberto e uma terrível enchente de água os levará para o 'carrizal'".[111][112]

Telegrafia elétricaEditar

Na fase final das fortificações, foram estabelecidas linhas telegráficas elétricas de Humaitá e os pontos do Quadrilátero até a sede de López em Pasó Pucú; e ele poderia ser informado instantaneamente - em código Morse - de um ataque inimigo em qualquer ponto. George Thompson registrou que os guaranis se tornaram telegrafistas adeptos. “Os telégrafos funcionavam o dia todo, o comandante de uma divisão era obrigado a relatar cada pequena coisa a López, que recebia esses despachos o dia todo”.[113][114]

SedeEditar

 
Terraplenagem protegendo a casa de López; a torre de vigia. Chave: A = As travessias ou terraplenagens. B = Mangrullo ou torre de vigia. 1 = A casa do presidente. 2, 3 = sua família. 4,5 = seus servos. Esboço por EC Jourdan do corpo de engenheiros do Brasil.
 
«Paso Pucú. Quartel-general do tirano López. Terraplenagem para protegê-lo do fogo aliado - feito da vida '. Pintura (e título) do general e aquarelista argentino José Ignacio Garmendía (1841-1925). (Uma bandeira argentina voa sobre a torre de vigia capturada.)

López II estabeleceu sua sede em Paso Pucú, um dos vértices do Quadrilátero (ver mapa nesta seção). Entre laranjais ficavam as moradias de López, sua amante Eliza Lynch e oficiais militares que gozavam de sua confiança, por exemplo, generais Barrios, Resquín e Bruges; também o bispo Palacios, tenente-coronel George Thompson o engenheiro-chefe e o Dr. Stewart o cirurgião-geral. As casas eram ranchos simples (moradias austeras) com telhados de colmo. Um quadrilátero de grandes travessias ou terraplenagens protegidas da artilharia Aliada atira fogo em sua casa, a da Sra. Lynch e a de seus servos. A terraplenagem era feita de grama e dizia-se que a maior continha 422 080 peças. No centro do quadrilátero havia um mangrullo ou torre de vigia. De acordo com Burton, as escadas do mangrullo eram cercadas por peles e esteiras, "uma precaução incomum destinada a esconder tornozelos com anáguas", pois era usada pela Sra. Lynch; e, de fato, um desenho contemporâneo feito pelo corpo de engenharia brasileiro mostra, incomum para o Paraguai, um mangrullo com uma subida coberta..[115][116][117][118][119]

Um grande hospital militar foi instalado no meio do caminho entre Humaitá e Paso Pucú e outro para oficiais de campo no próprio Paso Pucú. Em Paso Pucú, havia dois assentamentos para mulheres seguidoras do acampamento; ajudaram nos hospitais e lavaram as roupas dos soldados. Eles não tinham direito a rações e viviam da carne que os soldados lhes davam. Havia um cemitério, e um complexo de prisioneiros de guerra.[120][121][122][123][124]

 
Jornal militar paraguaio Cabichuí publicado no complexo da Fortaleza. Uma nuvem de cabichuís (vespas venenosas locais) assalta um afro-brasileiro.

JornaisEditar

Na sede eram publicados os jornais militares Cabichuí (principalmente em espanhol) e Cacique Lambaré (principalmente em guarani). Apresentavam xilogravuras de propaganda grosseiras, mas eficazes, muitas vezes de natureza racialmente ofensiva. O papel era escasso, mas uma versão ersatz foi improvisada de caraguatá (abacaxi selvagem).[125][126][127]

Terreno não mapeadoEditar

 
Vista aérea da Fortaleza de Humaitá a partir de um balão de observação. (Harper's Weekly: A Journal of Civilization, 1868.[128]). A lança da corrente está marcada com 1; o resultado de Curupaity em 5.

Embora os paraguaios estivessem familiarizados com o terreno, os mapas do território eram, para os Aliados, inexistentes.[129][130][131][132] A área fica na província de Ñeembucú, que é plana, baixa e obscurecida por pântano ou carrizal. Por exemplo, quando estabeleceram seu acampamento principal em Tuyutí, no sul do Paraguai, os Aliados não perceberam que o estavam colocando ao alcance da voz da linha sudoeste do Quadrilátero: a trincheira de Molho.[133] Eles nem sabiam que Humaitá era protegido pelo Quadrilátero: Em sua obra de 5 volumes sobre a guerra do Paraguai, o historiador brasileiro Tasso Fragoso insiste que uma carta de alto comando brasileiro de abril de 1867

não deixa a menor dúvida de que os aliados desconheciam por completo não só a topografia do terreno [a sudeste da fortaleza], mas que tudo estava protegido por linhas de trincheiras [paraguaias].[134]

 
Soldados paraguaios voando no balão de observação brasileiro. Caricatura de propaganda no jornal do governo paraguaio El Centinela, 8 de agosto de 1867.

A fim de mapear gradualmente a área, os Aliados foram obrigados a recorrer a mangrullos (torres de vigia improvisadas) ou (um primeiro na guerra da América do Sul) balões de observação cativos, mas os paraguaios obscureceu o terreno acendendo fogueiras de grama úmida.[135][136][137][138][113][139][140]

O lado do ChacoEditar

Na margem oposta do rio Paraguai começa a área conhecida como Gran Chaco, com um clima diferente, quente e semi-árido. Esta parte do Chaco, agora parte da Argentina, mas em disputa naquela época, não era habitada por ninguém, exceto os ferozes nômades Toba. A margem do rio Paraguai no Chaco é baixa e sujeita a inundações. Em frente ao Humaitá o terreno era impraticável até Timbó que, quando o rio estava cheio, ficava totalmente submerso. (Mais tarde, estradas militares foram feitas por lá com grande esforço.)[141][142]

Mais tarde na guerra, quando os Aliados iniciaram um movimento de flanqueamento para o sudeste de Humaitá, López enviou e mandou explorar o Chaco e deu ordens para construir uma estrada através do Chaco de Timbó (o local mais próximo na costa em frente a Humaitá onde um desembarque poderia ser efetuado).

A estrada através do Chaco era razoavelmente reta e tinha oitenta e quatro milhas de comprimento. Não seguiu o curso do rio Paraguai, mas foi para o interior. Grande parte da estrada passou por lama profunda, sendo necessário atravessar cinco riachos profundos, além do rio Bermejo.[143]

Uma vez que percebeu que sua posição era desesperadora, López usou essa estrada para escapar de Humaitá com o grosso de suas tropas e artilharia. Eles foram transportados de Humaitá a Timbó por dois vapores de remo paraguaios e em canoas.[144]

EtimologiaEditar

"Humaitá" é derivado de mbaitá, termo da língua geral meridional com influência do guarani antigo que designa um pássaro verde.[145]

Eficácia na práticaEditar

Apesar das restrições de Burton[146] a Fortaleza de Humaitá foi um sério obstáculo aos planos dos Aliados de prosseguir rio acima. Ao ser anunciado em Buenos Aires[147] que o Paraguai havia atirado e apreendido os navios argentinos, o Presidente Mitre disse a uma multidão furiosa que:[148]

Em vinte e quatro horas estaremos no quartel, em quinze dias em Corrientes e em três meses em Assunção.

Na verdade, os Aliados não ocuparam a capital paraguaia até 5 de janeiro de 1869,[149] quase quatro anos após o discurso de Mitre. O principal[150] motivo era o complexo Humaitá.

Pode ter sido "apenas sete léguas por terra" do Paso de Patria até Humaitá, mas foi um terreno que foi preciso percorrer. Depois de expulsar os paraguaios de solo argentino, os Aliados desembarcaram no Paraguai e ocuparam Paso de Patria em 23 de abril de 1866.[151] Eles não capturaram Humaitá até 5 de agosto de 1868.[152] A fase Humaitá da guerra do Paraguai está fora do escopo de Este artigo. No entanto, B.C. Mac Dermot[153] resumiu assim as dificuldades:

[O] terreno conferia uma grande vantagem à defesa. Abaixo e ao redor de Humaitá havia um conglomerado de lagoas, pântanos e manchas de selva conectadas por estreitas faixas de terra firme pelas quais o lado atacante tinha que se espremer em uma estreita frente ... [A] apenas dois pontos era um avanço possível para o interior: em Curupaity ao sul e Tayí ao norte de Humaitá. Atrás das defesas naturais estão as obras de terraplenagem de Humaitá, com seu longo perímetro externo tocando em Curupaity, e um forte menor Timbó no lado Chaco do rio. Para aumentar suas dificuldades, os aliados descobriram que os couraçados não eram tão eficazes quanto sua reputação os levava à esperança. Eles não podiam ir muito além de suas linhas de abastecimento. A artilharia paraguaia não poderia afundá-los, mas poderia incapacitá-los o suficiente para colocá-los fora de ação. Abaixo da linha d'água, eles foram expostos a minas e torpedos. Eles podem ser interrompidos por obstruções subaquáticas e barreiras. Sua capacidade de manobra dependia excessivamente do nível do rio, que entre setembro e março pode cair até quatro metros e meio, Essas dificuldades são quase suficientes para explicar o fracasso dos aliados em levar a cabo a decisão rápida que sua esmagadora superioridade em número e armamento lhes dava o direito de esperar, mas eles também foram prejudicados pela liderança dividida, ciúmes nacionais e com o passar do tempo um moral afundando. Para os paraguaios, esses foram os anos em que a Epopéia Nacional, como é chamada hoje, foi forjada a partir de incontáveis ​​feitos de heroísmo realizados por líderes cujos nomes são conhecidos em todas as casas.

Uma causa adicional de atraso, segundo o professor Williams, foi a longa pausa após o desastre da Batalha de Curupaiti, quando os Aliados superestimaram a força tanto do exército adversário quanto de Humaitá: permitiram a López quase um ano reconstruir suas forças, devastadas na Batalha de Tuiuti.[154]

HistóriaEditar

A Guerra da Tríplice AliançaEditar

 Ver artigo principal: Guerra do Paraguai
 
"Marcha de Flanco" de Caxias isola a Fortaleza de Humaitá.

O sistema defensivo de Humaitá foi iniciado pelo líder paraguaio Carlos Antonio López (1790-1862), que, entre outras inovações, implantou o serviço militar obrigatório no país.

Marco do poderio militar de seu filho e sucessor, Francisco Solano López (1827-1870), o Tratado da Tríplice Aliança, entre a Argentina, o Brasil e o Uruguai (1 de maio de 1865), entre outros dispositivos, previa a destruição definitiva da Fortaleza de Humaitá, proibindo-se a construção de qualquer outra fortificação semelhante no curso do rio Paraguai:

Quartel-general e centro do poder militar de Solano López, erguia-se dominando estrategicamente uma apertada curva do curso do rio. Este poderoso complexo defensivo constituía-se em uma série de defesas, tanto pelo lado de terra como pelo lado do rio. Além dos muros e casamatas pesadamente artilhadas — 110 peças dispostas em 12 baterias — contava com quartéis de tropa e de oficiais, depósitos de munições — de boca e de guerra — oficinas, igreja, cemitérios e pastagens na área circundante, protegida por um perímetro de 8 quilômetros de entrincheiramentos, artilhado com mais 40 peças. No leito do rio, minas e três grossas correntes de ferro impediam a navegação naquele trecho dominado pela fortaleza. Cruzava fogos com o Reduto Cierva, no lado oposto do rio.

 
Igreja de Humaitá, Paraguai
 
Igreja de Humaitá, Paraguai: detalhe das ruínas

Após ter detido o progresso das forças aliadas por quase dois anos entre 1866 e 1868, vitimadas pela insalubridade da região, pelos ataques paraguaios à vanguarda das forças e pela inação, a partir de 1867 sob a orientação do Marquês de Caxias (1803-1880), a posição foi flanqueada e isolada, o que foi conseguido pelas tropas aliadas com a conquista de Tahí (2 de novembro de 1867), rompendo as comunicações fluviais e por terra de Humaitá com a capital.

Após a passagem de Humaitá pela Marinha Imperial (19 de fevereiro de 1868), foi finalmente atacada pelas forças do 3º Corpo do Exército Brasileiro sob o comando do marechal-de-campo Manuel Luís Osório (1808-1879), rechaçadas nos ataques de 21 de março e de 16 de julho de 1868. Nesta última noite, o marechal Osório atacou o Reduto de San Solano, ao norte de Humaitá, onde estavam dispostos 46 canhões manobrados por uma pequena guarnição sob o comando do coronel Pedro Hermosa. As tropas brasileiras envolvidas no assalto ascendiam a 12 000 homens (duas divisões de infantaria, um corpo de cavalaria, uma brigada de artilharia e um batalhão de engenharia) tendo sofrido cerca de 3 000 baixas.[155]

Abandonado pelas forças paraguaias, foi ocupado pelas brasileiras em 25 de julho de 1868 e utilizada como base de operações de campanha.

Atualmente, conservam-se as ruínas da Igreja de San Carlos Borromeo, inaugurada por Carlos Antonio López em 1 de janeiro de 1861, e destruída em 1868 pela artilharia aliada.[156]

No Museu Histórico da cidade, instalado no edifício que foi utilizado como quartel por Solano Lopez, encontram-se diversas peças relativas ao conflito. As antigas linhas de trincheiras e fossos ainda são perceptíveis nos terrenos circundantes.

Recentemente, "La Asociacion Cultural Manduara" apresentou um trabalho no qual pode ser visualizada uma reconstrução em 3D da Igreja de San Carlos Borromeo de Humaitá. A reconstrução pôde ser efetuada com o apoio do arquiteto Mateo Nakayama e seu irmão, Eduardo Nakayama, que proporcionaram os dados históricos.

O fimEditar

 
Uma bandeira brasileira tremulou sobre a torre de vigia do capturado Humaitá. À direita, um couraçado brasileiro está ancorado na margem do rio. (Do álbum fotográfico de um soldado preservado na Biblioteca Nacional do Brasil.)
 
Fim do jogo: os Aliados se aproximam do Humaitá. Os Aliados levaram mais de dois anos para percorrer as "sete léguas" do ponto de invasão em 1 até a queda da fortaleza em 2 Observe que a escala no mapa é de apenas 10 milhas. (Mapa básico desenhado pelo Comandante AJ Kennedy, RN)

Em 19 de fevereiro de 1868  quando o rio estava anormalmente cheio  seis navios blindados brasileiros foram obrigados a passar por Humaitá durante as horas de escuridão, o que eles fizeram sem grande dificuldade porque a essa altura o boom da corrente estava mesmo assim deitado no leito do rio. Os paraguaios pararam de reabastecer Humaitá pelo rio e ele passou fome. A fortaleza foi finalmente capturada no Cerco de Humaitá, operação que culminou em 5 de agosto de 1868. Foi arrasada nos termos do Tratado da Tríplice Aliança. Foi o ano decisivo da Guerra do Paraguai.[157][158][57][159][160]

FontesEditar

  • Bakewell, Peter (2010). A History of Latin America to 1825, 3rd ed. United Kingdom: John Wiley & Sons. ISBN 978-1-4051-8368-0 
  • Benítes, Gergorio (1904). La triple alianza de 1865: Escapada de un desastre en la Guerra de Invasion al Paraguay. Asunción: Talleres Mons. Lasagna 
  • Bethell, Leslie (1996). «The Paraguayan War (1864–1870)». London: Institute of Latin American Studies. ISBN 1-900039-08-7 , [1], retrieved May 2016.
  • Box, Pelham Horton (1927). The Origins of the Paraguayan War – Part I. Urbana: University of Illinois 
  • Brassey, Thomas (1882). The British Navy: Its Strength, Resources and Administration, vol. II. London: Longmans, Green, and Co. 
  • Burton, Captain Sir Richard (1870). Letters From the Battle-Fields of Paraguay. London: Tinsley Brothers [2]
  • Campbell; et al. (1979). Chesneau, Roger; Koleśnik, Eugène M., eds. Conway's All the World's Fighting Ships, 1860–1905. London: Conway Maritime Press. ISBN 0851771335 
  • Constitution of Argentina (1994 revision, in Spanish), Wikisource [3], retrieved 29 April 2015.
  • Cooney, Jerry W. (2004). «Economy and Manpower: Paraguay at War, 1864–69». In: Kraay, Hendrik; Whigham, Thomas L. I Die With My Country:Perspectives on the Paraguayan War, 1864–1870. [S.l.]: University of Nebraska Press. pp. 23–43. ISBN 0803227620 
  • Denison, John Ledyard (1862). A Pictorial History of the Navy of the United States. San Francisco, Ca.: Henry Hill for Francis Dewing 
  • Doratioto, Francisco (2005). «GUERRA E REGENERAÇÃO: TRÊS ESTUDOS SOBRE O PARAGUAI». Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História (em Portuguese). 9 (2): 79–87. ISSN 1415-9945. Consultado em 13 de outubro de 2016 
  • Doratioto, Francisco (2008). Maldita Guerra (em Spanish). Buenos Aires: Emecé Editores. ISBN 978-950-04-2574-2 
  • Dudley, William S. (1976). «Professionalization and Politicization as Motivational Factors in the Brazilian Army Coup of 15 November, 1889». Cambridge University Press. Journal of Latin American Studies. 8 (1): 101–125. JSTOR 156206 
  • «El Semanario de Avisos y Conocimientos Útiles». Asunción. 11 de abril de 1857 
  • Francis, John Michael (2006). Iberia and the Americas, volume 1. [S.l.]: ABC-CLIO. ISBN 1851094210 
  • Gálvez, Manuel (1928). Escenas de la Guerra del Paraguay (em Spanish). Buenos Aires: Librería y editorial "La Facultad"  (In three volumes: I. Caminos de la muerte. II. Humaitá. III. Jornadas de agonía.)
  • Garmendía, José Ignacio (1901). Campaña de Humaitá (em Spanish). Buenos Aires: Peuser 
  • Haydon, F. Stansbury (1939). «Documents Relating to the First Military Balloon Corps Organized in South America: The Aeronautic Corps of the Brazilian Army, 1867–1868». Duke University Press. The Hispanic American Historical Review. 19 (4): 504–517. JSTOR 2507087 
  • Hooker, Terry D. (2008). The Paraguayan War. Nottingham: Foundry Books. ISBN 1-901543-15-3 
  • Hutchinson, Thomas J (1868). The Paraná, With Incidents of the Paraguayan War, and South American Recollections From 1861 to 1868. London: Edward Stanford 
  • Institution of Mechanical Engineers (1866). Proceedings. Birmingham, England: [s.n.] 
  • Jaceguay, A.; De Oliveira, Vidal (1900). Quatro Séculos de Actividade Marítima: Portugal e Brasil (em Portuguese). Rio de Janeiro: Imprenta Nacional 
  • Jourdan, Emilio Carlos (1871a). Guerra do Paraguay (em Portuguese). Rio de Janeiro: Perseverança 
  • Jourdan, Emilio Carlos (1871b). Atlas Historico da Guerra do Paraguay. Rio de Janeiro: Lithographia Imperial do Eduardo Rensburg 
  • Kennedy, Commander A. J. (1869). La Plata, Brazil and Paraguay During the Present War. London: Edward Stanford 
  • MacDermott, Brian Charles (1976). Historical Introduction. [S.l.]: The Richmond Publishing Co in association with St Antony's College, Oxford. ISBN 0855461969 
  • Masterman, George Frederick (1870). Seven Eventful Years in Paraguay: A Narrative of Personal Experience Amongst the Paraguayans 2 ed. London: Sampson, Low, Son, and Marston  [4]
  • Mulhall, Michael G. (1864). The Cotton Fields of Paraguay and Corrientes. Buenos Aires: The Standard Printing Office 
  • Nakayama, Eduardo; Nakayama, Mateo (2013). «El Perímetro Fortificado de Humaitá. Reconstrucción Virtual» (em Spanish). Montevideo: Instituto Militar de Estudios Superiores. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  • Nickson, R. Andrew (2015). Historical Dictionary of Paraguay. [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 0810879646 
  • Niemeyer, Conrado Jacó de (1867). Uma idéa das posições que occupāo os BELIGERANTES NO PARAGUAY pelo capitão d'Engenheiros Conrado de Niemeyer em commisāo na vanguarda do Exercito Brasileiro, setembro de 1867 (Mapa). Imperial Instituto Artistico 
  • Page, Thomas Jefferson (1859). La Plata, the Argentine Confederation and Paraguay. London: Trubner & Co 
  • Pakenham, F. (1866). Pakenham to Thornton, June 7, 1865. [S.l.]: Harrison and Sons 
  • Patent Office (1869). Patents for Inventions: Abridgements of Specifications Relating to Ship Building, Repairing, Sheathing, Launching, &c, Part II – A.D. 1861–1866. Londo: Office of the Commissioners of Patents for Inventions 
  • Plá, Josefina (1970). «Los Británicos en Paraguay (1850–1870)». Pan American Institute of Geography and History. Revista de Historia de América (em Spanish). 70: 339–391. JSTOR 20138938 
  • Plá, Josefina (1976). The British in Paraguay 1850–1870. Traduzido por MacDermott, B.C. [S.l.]: The Richmond Publishing Co in association with St Antony's College, Oxford 
  • Sarreal, Julia (2014). The Guaraní and Their Missions: a socioeconomic history. [S.l.]: Stanford University Press. ISBN 9780804785976 
  • Scheina, Robert L. (2003). Latin America's Wars: The Age of the Caudillo, 1791–1899. Washington, D.C.: Potomac Books, Inc. ISBN 9781574884500 
  • Schneider, Louis (1872). Der Krieg der Triple-Allianz (Kaiserthum Brasilien, Argentinische Conföderation und Republik Banda Oriental del Uruguay) gegen die Regierung der Republik Paraguay (em German). 1. Berlin: B. Behr's Buchhandlung (E. Bock)  (In three volumes.)
  • Schneider, L. (1902). A Guerra Da Triplice Alliança Contra A Goberno Da Republica Do Paraguay 1864–1870 (em Portuguese). 2. Rio de Janeiro: H. Garnier 
  • Sondhaus, Lawrence (2012). Naval Warfare, 1815–1914. [S.l.]: Routledge. ISBN 1134609949 
  • Tasso Fragoso, Augusto (1956a). História da Guerra entre a Tríplice Aliança e o Paraguai (em Portugues). 2 2 ed. Rio de Janeiro; Sāo Paulo: Livraria Freitas Bastos S.A. 
  • Tasso Fragoso, Augusto (1956b). História da Guerra entre a Tríplice Aliança e o Paraguai (em Portugues). 3 2 ed. Rio de Janeiro; Sāo Paulo: Livraria Freitas Bastos S.A. 
  • «The Standard». Buenos Aires. 14 de maio de 1862 [5]
  • «The Times». London. 7 de abril de 1868 
  • «The Times». London. 3 de setembro de 1868 
  • Thompson, George (1869). The War In Paraguay: With a Historical Sketch of the Country and Its People and Notes Upon the Military Engineering of the War. London: Longman’s, Green and Co  (Note: Not all bound copies of this important source book have a complete set of maps. A scanned version of a relatively good copy at the Boston Public Library was accessed at the Internet Archive [6] on 29 April 2015. It lacks pages 71–74 but those are not about Humaitá.)
  • Warren, Harris Gaylord (1982). Paraguay: An Informal History. [S.l.]: Greenwood Press. ISBN 0-313-23651-8 
  • Warren, Harris Gaylord (1985). «Roberto Adolfo Chodasiewicz: A Polish Soldier of Fortune in the Paraguayan War». Cambridge University Press. The Americas. 41 (3): 1–19. JSTOR 1007097 
  • Washburn, Charles (1871a). The History of Paraguay: With Notes of Personal Observations, and Reminiscences of Diplomacy Under Difficulties. I. Boston: Lee and Shephard 
  • Washburn, Charles (1871b). The History of Paraguay: With Notes of Personal Observations, and Reminiscences of Diplomacy Under Difficulties. II. Boston: Lee and Shephard 
  • Whigham, Thomas L. (2002). The Paraguayan War, Volume 1, Causes and Conflict. Lincoln and London: University of Nebraska Press. ISBN 0-8032-4786-9 
  • Whigham, Thomas L. (2004). «The Paraguayan War: A Catalyst for Nationalism in South America». In: Kraay, Hendrik; Whigham, Thomas L. I Die With My Country:Perspectives on the Paraguayan War, 1864–1870. [S.l.]: University of Nebraska Press. pp. 179–198. ISBN 0803227620 
  • Williams, John Hoyt (1979). The Rise and Fall of the Paraguayan Republic, 1800–1870. Austin, Texas: Institute of Latin American Studies: The University of Texas Press. ISBN 0-292-77017-0 
  • Williams, John Hoyt (1972). «Woodbine Parish and the "Opening" of Paraguay». American Philosophical Society. Proceedings of the American Philosophical Society: 343–349. JSTOR 985904 
  • Williams, John Hoyt (1977). «Foreign Tecnicos and the Modernization of Paraguay». Center for Latin American Studies at the University of Miami. Journal of Interamerican Studies and World Affairs: 233–257. JSTOR 174705 
  • Williams, John Hoyt (1978). «A Forgotten Source: Paraguayan Periódicos and Reviews». Cambridge University Press. The Americas. 34 (3): 407–427. JSTOR 981315 
  • Williams, John Hoyt (1980). «The Undrawn Line: Three Centuries of Strife on the Paraguayan-Mato Grosso Frontier». University of Wisconsin Press. Luzo-Brazilian Review. 17 (1): 17–40. JSTOR 3513374 

Ver tambémEditar

Referências

  1. The map was published in Thompson, 1879, Plate VIII.
  2. Burton 1870, p. 296.
  3. Before the War Brazil's population was about 10 million; Argentina's, about 1.5 million; Paraguay's, possibly 300–400,000: Bethell, 6.
  4. Bethell 1996, p. 3.
  5. Francis 2006, p. 130.
  6. Bakewell 2010, p. 427.
  7. Sarreal 2014, p. 32.
  8. Williams 1980, pp. 17-40.
  9. Whigham 2002, pp. 14–17.
  10. So much so, that until 1910 (when a railway link was constructed between São Paulo and Cuiabá, capital of the Mato Grosso), the long sea and river journey through the South Atlantic ocean, the Paraná and the Paraguay was the shortest practical route to the territory: Doratioto, 26.
  11. Whigham 2002, pp. 78–92.
  12. It also claimed Patagonia, Tierra del Fuego and the Falkland Islands (Malvinas).
  13. a b Williams 1972, p. 343.
  14. Whigham 2004, p. 187.
  15. Whigham 2002, pp. 30–31.
  16. Williams 1977, p. 234.
  17. Whigham 2002, pp. 93–117.
  18. Thompson 1869, pp. 4–5.
  19. Washburn 1871a, pp. 267–269.
  20. Whigham 2002, pp. 36–41.
  21. For example, Thompson.
  22. Whigham 2002, pp. 68–69.
  23. Thompson 1869, pp. 10–11.
  24. Williams, 1971, chs. 6–7.
  25. Plá 1970.
  26. a b Plá 1976.
  27. Cooney 2004, p. 38.
  28. Sailing vessels could take 6 months to sail from Buenos Aires to Humaitá: Burton, 295
  29. Doratioto 2008, p. 32.
  30. Washburn 1871a, pp. 364–376.
  31. Williams,1979, ch 10.
  32. Thompson 1869, p. 12.
  33. a b c Page 1859, p. 109.
  34. Washburn 1871a, pp. 472-473.
  35. Washburn 1871a, p. 476.
  36. Washburn 1871a, p. 471.
  37. Washburn 1871a, p. 417.
  38. Benítes 1904, pp. 23–28.
  39. Burton 1870, p. 63.
  40. Williams 1979, p. 159.
  41. Jaceguay & De Oliveira 1900, p. 71.
  42. Warships at that time were always of wood.
  43. Benítes 1904, pp. 24–28.
  44. The commander of USS Waterwitch, which vessel explored the region in the 1850s.
  45. Benites' version was not published until 1904; Page's version was published in 1859.
  46. Wrote Page: "The river defense [Humaitá] was pushed on with great rapidity, and is of such strength that I believe it might have arrested the ascent of the squadron... The expedition was at that time a failure".
  47. a b c Burton 1870, p. 315.
  48. Williams 1977, p. 237.
  49. Thompson 1869, p. 16.
  50. Denison 1862, p. 333.
  51. Denison 1862, p. 332.
  52. Williams 1977, pp. 238-243.
  53. The cartographic section of the British Library has a copy of this map, published in Paris in 1868. The attribution (under identifier LL01004860890 in the main catalogue) is: "Plan du Passage fortifié d'Humaita. Levé en Mars 1857 ... par M.E. Mouchez."
  54. El Semanario, 11 April 1857, pp.3-4.
  55. Warren, 1985.
  56. Humaitá bend.
  57. a b Burton 1870, p. 332.
  58. Burton 1870, p. 313.
  59. Thompson 1869, pp. 151, 165.
  60. According to Artur Silveira da Mota, (Baron Jaceguai, commander of the Brazilian ironclad Barroso, who tried it), cited in Tasso Fragoso III, 409. (Wikipedia translation.)
  61. Burton 1870, pp. 314–315.
  62. Mulhall 1864, p. 84.
  63. Burton 1870, pp. 85-6.
  64. Whigham 2002, p. 185.
  65. In the ensuing description the naming of the batteries follows Burton, 1870, who visited the site in 1868 while the Allies were still dismantling the batteries, and whose principal informants were the Brazilian military. A different naming convention is available in Nakayama & Nakayama, 2013 and the map by E.C. Jourdan reproduced in this section of this Article..
  66. Tasso Fragoso 1956b, p. 409.
  67. There were also moveable batteries, e.g. the Bateria Carbone which was trained on the coal bunkers.
  68. Thompson 1869, p. 221.
  69. a b c d Burton 1870, p. 319.
  70. Eliza Lynch was López II's mistress.
  71. Kennedy 1869, p. 105.
  72. Plá, 1970, 349-351, 358, 363, 373, 377, 381.
  73. Washburn 1871a, p. 473.
  74. Whigham 2002, pp. 178, 181.
  75. Jourdan (atlas), map 12, reference P.
  76. Tasso Fragoso 1956b, p. 411.
  77. Burton 1870, pp. 319, 332.
  78. Including Masterman, 139, and Schneider, 1902, II, 115.
  79. Kennedy 1869, p. 160.
  80. To deter wooden vessels, the battery installation at Curupayty included a furnace for producing red hot cannonballs. It was never used because the wooden vessels kept out of range. (Thompson, 100.)
  81. Kennedy 1869, pp. 103-104.
  82. Kennedy 1869, pp. 180-3.
  83. Not only the fortress itself, but its outworks e.g. at Curuzú and Curupaití.
  84. Kennedy 1869, p. 104.
  85. Brassey 1882, pp. 129-130.
  86. Thompson 1869, p. 152.
  87. Thompson 1869, p. 65.
  88. Thompson 1869, pp. 161, 165.
  89. Typically 1,000 lbs (450 kilos).
  90. The cylinder was placed inside two other boxes in an attempt, often futile, to stop the powder getting wet: Thompson, 154.
  91. Thompson says forty, but the direct-line distance is closer to 20 miles.
  92. Kennedy 1869, p. 132.
  93. They were set of by pieces of drift-wood, "or perhaps by inquisitive alligators" (Masterman, 139).
  94. Thompson 1869, p. 161.
  95. Brassey 1882, p. 130.
  96. a b Thompson 1869, p. 165.
  97. Niemeyer 1867.
  98. Kennedy 1869, pp. 132, 181.
  99. Masterman 1870, p. 114.
  100. Thompson 1869, p. 151.
  101. Later in the war the Paraguayans abandoned the southern trenches (denoted by the numerals 2-3-4-5) and fell back on the inner trench adjacent Paso Pucú (denoted HQ).
  102. Which means "mud that used to be" in the Guaraní language.
  103. Thompson, Plate II.
  104. Burton 1870, pp. 351–362.
  105. a b "Land intersected by deep lagoons and deep mud, and between the lagoons either an impassable jungle or long intertwined grass, equally impenetrable": Thompson, 128.
  106. Whigham 2002, p. 186.
  107. Nickson 2015, p. 590.
  108. Doratioto 2008, p. 202.
  109. Thompson 1869, pp. 331–332.
  110. Tasso Fragoso 1956a, p. 299.
  111. Thompson 1869, pp. 193-194.
  112. Known in other sources as Estero Rojas.
  113. a b Thompson 1869, p. 155.
  114. 'At this important central point converged ten radii of telegraph wires coming from all points of the so-called "Quadrilateral"': Burton, 357.
  115. Jourdan 1871b, map No. 10.
  116. See the right-hand side of the map.
  117. Burton 1870, p. 357.
  118. Thompson 1869, pp. 171, 215.
  119. Washburn 1871b, pp. 157-158.
  120. Doratioto 2008, p. 300.
  121. 37 Brazilian prisoners who attempted to escape, or merely failed to betray a plot to do so, were shot by firing squad: ibid.
  122. Thompson 1869, p. 201.
  123. Thompson 1869, p. 206.
  124. Thompson 1869, p. 146.
  125. Thompson 1869, p. 207.
  126. Thompson, 207 recollected that Cabichuí was entirely in Guaraní but his recollection was faulty.
  127. Williams 1978, p. 410.
  128. Vol. 511 p244.
  129. Jourdan 1871a, p. 5.
  130. Garmendía 1901, p. 158.
  131. Doratioto 2008, p. 275.
  132. Schneider 1902, p. 2.
  133. Doratioto 2008, p. 205.
  134. Tasso Fragoso 1956b, p. 236.
  135. Burton 1870, p. 383.
  136. Thompson 1869, p. 191.
  137. Tasso Fragoso 1956b, p. 211.
  138. Hooker 2008, pp. 58-59.
  139. Haydon 1939.
  140. Warren 1985, pp. 1, 10-11.
  141. Hutchinson 1868, p. 28.
  142. Thompson 1869, p. 222.
  143. Thompson 1869, pp. 212-3.
  144. Thompson 1869, pp. 251-252.
  145. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 564.
  146. Burton's critique was this: an active and competent enemy would soon have forced the passage of Humaitá, whose strength had been much exaggerated. (Burton, 332 and passim, and compare 234). However this may have been somewhat unfair, or Eurocentric. The Allied officer corps had no prior experience of the type of warfare they were engaged in. See e.g. Dudley, 107-8
  147. On April 17, 1865
  148. Thompson 1869, pp. 47–48
  149. Plá 1976, 225.
  150. Although Humaitá was not the only obstacle, for the Paraguayans improvised further strongpoints along the river Paraguay, none of those detained the Allies for as long. See MacDermot, xii-xiv.
  151. Thompson 1869, p. 133
  152. Plá 1976, 224
  153. MacDermot was the British Ambassador in Paraguay from 1968 to 1972.
  154. Williams 1979, p. 212
  155. «La Artillería Paraguaya en la Guerra Contra la Triple Alianza». Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 22 de maio de 2015 
  156. ABC Digital. Martes, 23 de septiembre de 2008
  157. Doratioto 2008, p. 297.
  158. Plá 1976, p. 224.
  159. Doratioto 2008, pp. 308–309.
  160. See the section Lack of tautness in the chain boom, above.

Ligações externasEditar