Abrir menu principal

François de Tournon

François de Tournon
Cardeal da Santa Igreja Romana
Decano do Colégio dos Cardeais
Arcebispo de Lyon
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Nomeação 13 de março de 1560
Predecessor Dom Jean Cardeal du Bellay
Sucessor Dom Rodolfo Cardeal Pio
Mandato 1560 - 1562
Ordenação e nomeação
Nomeação episcopal 1518
Ordenação episcopal Benedetto Tagliacarne
Cardinalato
Criação 9 de março de 1530
por Papa Clemente VII
Ordem Cardeal-presbítero (1535-1550)
Cardeal-bispo (1550-1560)
Título Santos Marcelino e Pedro (1530-1550)
Sabina (1550-1560)
Óstia-Velletri (1560-1562)
Brasão
Cardinal Tournon.svg
Lema Non quæ super terram
Dados pessoais
Nascimento Reino da França Tournon-sur-Rhône
1489
Morte Reino da França Saint-Germain-en-Laye
22 de abril de 1562 (73 anos)
Nacionalidade francês
Progenitores Mãe: Jeanne de Polignac
Pai: Jacques de Tournon
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

François de Tournon (22 de fevereiro de 1500 - 2 de maio de 1564) foi um cardeal e diplomata francês, Decano do Colégio dos Cardeais.

BiografiaEditar

Filho de Jacques de Tournon, camareiro-mor do rei Carlos VIII da França, e de Jeanne de Polignac.

Reconhecido na corte de Francisco I, foi nomeado arcebispo de Embrun em 1517. Sua capacidade de negociação são percebidas por Luísa de Saboia, durante sua regência e logo pelo rei, especialmente depois da derrota de Pavia. Em 1526, foi nomeado arcebispo de Bourges e em seguida, em 1530, foi criado cardeal-presbítero pelo Papa Clemente VII, com o título de Santos Marcelino e Pedro.

Participa do Conclave de 1534, que elegeu o Papa Paulo III. Em 1537, se converte no mordomo da oitava guerra italiana do Piamonte. Em 1538, ganhou o intercâmbio do Arcebispado de Burgos contra a Arquidiocese de Auch, mais rica.

Quando Anne de Montmorency cai em desgraça, atua como assessor e ministro de Relações Exteriores do rei desde 1541, sem receber um título formal.

Também foi embaixador do rei Henrique II da França em diferentes reinos. Desde 1547 passou oito anos na Itália e, em 1550, passa a ordem dos cardeais-bispos, com a Diocese de Sabina. Participa do Conclave de 1549–1550, que elegeu o Papa Júlio III. Em 1551, foi nomeado arcebispo de Lyon.

Participa dos conclaves de 1555, de abril que elegeu o Papa Marcelo II e de maio, que elegeu o Papa Paulo IV.

Participa, ainda, do Conclave de 1559, que elegeu o Papa Pio IV. Em 1560, torna-se decano do Colégio dos Cardeais e, portanto, cardeal-bispo de Óstia-Velletri.

Nesse mesmo ano, regressou à corte da França, chamado pela rainha Catarina de Médici para presidir o conselho nacional encarregado da reforma da Igreja na França. Presidindo o Colóquio de Poissy, se mostra hostil às concessões aos protestantes.

Ligações externasEditar