Abrir menu principal

Henriqueta de França

Henriqueta
Princesa de França
Retrato póstumo por Jean-Marc Nattier, 1754
Casa Bourbon
Nome completo
Henriqueta Ana[nota 1]
Nascimento 14 de agosto de 1727
  Palácio de Versalhes,
Versalhes, França
Morte 10 de fevereiro de 1752 (24 anos)
  Palácio de Versalhes,
Versalhes, França
Enterro Basílica de Saint-Denis,
Seine-Saint-Denis, França
Pai Luís XV de França
Mãe Maria Leszczyńska
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Henriqueta

Henriqueta Ana de França[1][2] (Henriette Anne; 14 de agosto de 172710 de fevereiro de 1752), por vezes chamada de Ana Henriqueta (Anne-Henriette), foi uma princesa francesa[nota 2] e irmã gêmea de Luísa Isabel de França. Era a segunda filha do rei Luís XV de França e da rainha Maria Leszczyńska.

BiografiaEditar

Início de vidaEditar

 
Henriqueta como Flora, por Jean-Marc Nattier, 1742

Henriqueta e sua irmã gêmea Isabel nasceram no Palácio de Versalhes em 14 de agosto de 1727. Era a mais nova das gêmeas e foi conhecida na corte como "Madame Séconde". Como a filha do rei, era uma fille de France (Filha da França). Mais tarde foi conhecida também como Madame Henriqueta. Enquanto o nascimento das gêmeas foi mal recebido na corte francesa, uma vez porque a Lei sálica as desqualificava como herdeiras do trono, seu pai, o rei ficou encantado e exclamou com alegria: "Foi-me dito impotente e eu fiz golpe duplo". Henriqueta recebeu seu nome em homenagem de sua bisavó paterna, a duquesa de Orleães. O Primeiro-ministro Luís Henrique, Duque de Bourbon e a Mademoiselle de Charolais, Luísa Ana de Bourbon foram seus padrinhos.

Os filhos mais velhos de Luís XV, as gêmeas Isabel e Henriqueta, as princesas Maria Luísa e Adelaide e seu irmão, Luís, o Delfim, foram criados em Versalhes sob a supervisão da duquesa de Tallard, enquanto suas irmãs mais novas, Vitória, Sofia, Teresa e Luísa, foram enviados para serem criados na Abadia de Fontevraud em junho de 1738.

Em 1739, seu irmã gêmea Isabel casou-se com o infante Filipe, terceiro filho do rei Filipe V de Espanha. O noivado foi mal recebido na corte francesa, uma vez que Filipe era apenas o terceiro na linha de sucessão, sendo reduzida a possibilidade de alguma vez vir a ocupar o trono espanhol. O adeus de Isabel à família foi copioso, tendo-se despedido de Henriqueta com as seguintes palavras: "É para sempre, meu Deus, é para sempre!" (C’est pour toujours, mon Dieu, c’est pour toujours!).

Vida adultaEditar

 
Henriqueta como uma virgem vestal, por Jean-Marc Nattier, c. 1749

Após a partida de Isabel, os olhos da corte focalizaram-se na mais reservada das gêmeas. Henriqueta caiu no amor com seu primo, Luís Filipe, Duque d'Orleães, e os dois desejaram casar-se, entretanto, seu pai foi ultrajado pela ideia de uma união entre uma Fille de France e um príncipe menor de Bourbon com nenhuma esperança de herdar um trono. Eles foram separados e como todas as suas irmãs mais novas Henriqueta permaneceria solteira até morrer. Crescendo no Palácio de Versalhes, Henriqueta estava em constante contato com as amantes do seu pai, a mais famosa era Madame de Pompadour. As crianças do rei odiavam Pompadour, porque ela fez com que seu pai negligenciasse sua mãe, a rainha. Quando Isabel retornou de Parma por um ano de visita, ela e Madame de Pompadour ficaram amigas próximas. Isto conduziu a um estranhamento provisório entre as irmãs.

Como seus irmãos e irmãs Madame Henriqueta recebeu uma formação completa em música. Jean-Marc Nattier retratou-a Madame Henriqueta tocando viola de gamba, instrumento que seu tutor de música Jean-Baptiste Forquerays a ensinou a tocar.

MorteEditar

Em fevereiro de 1752, Henriqueta sentiu-se um tanto mal e cansada, mas quando o rei pediu-lhe para acompanhá-lo em um passeio de trenó, ela não deu sinais de desconforto e aceitou o convite. Ela ficou gravemente afetada pelo clima frio e morreu após três dias de varíola aos vinte e quatro anos. Luís XV reagiu de forma "violenta" a sua morte.

Para melhorar o luto público, seus restos foram colocados nas Tuileries em vez de Versalhes antes do funeral, e Henriqueta foi vestida com um de seus melhores vestidos. No entanto, a recepção pública do funeral desagradou o rei, pois o público "bebeu, riu e se divertiu", o que foi tomado como sinal da diminuição da reputação da monarquia. Na época, o público interpretou a morte de Henriqueta como um um castigo divino como um sinal de desaprovação divina do estilo de vida do rei adúltero.

Seu coração foi enterrado na Abadia de Val-de-Grace, enquanto seus restos foram enterrados na Basílica de Saint-Denis, juntamente com sua irmã Isabel. Seu túmulo, como outros túmulos reais em Saint-Denis, foi profanado durante a Revolução Francesa.

GaleriaEditar

AncestraisEditar

Notas

  1. Por vezes referida como Ana Henriqueta
  2. As filhas dos reis franceses ostentavam o título de Fille de France (Filha de França).

Referências

  1. Achaintre, Nicolas Louis, Histoire généalogique et chronologique de la maison royale de Bourbon, Vol. 2, (Publisher Mansut Fils, 4 Rue de l'École de Médecine, Paris, 1825), 154.
  2. Antoine, Michel, Louis XV, Fayard, Paris, 1989, p. 467, ISBN 2-213-02277-1
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Henriqueta de França