Abrir menu principal

Maria de Lourdes Abadia

política brasileira
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde maio de 2014). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Maria de Lourdes Abadia
Abadia em março de 2018.
12.ª Governadora do Distrito Federal
Período 31 de março de 2006
até 31 de dezembro de 2006
Vice-governador Nenhum
Antecessor Joaquim Roriz
Sucessor José Roberto Arruda
Vice-governadora do Distrito Federal
Período 1 de janeiro de 2003
até 31 de março de 2006
Deputada federal pelo Distrito Federal
Período 1º: 1 de fevereiro de 1987
até 31 de janeiro de 1991
2º: 1 de fevereiro de 1999
até 31 de dezembro de 2002
Deputada distrital do Distrito Federal
Período 1 de janeiro de 1991
até 31 de dezembro de 1994
Administradora regional de Ceilândia
Período 1975
até 1985
Dados pessoais
Nascimento 14 de agosto de 1944 (75 anos)
Bela Vista de Goiás, GO
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade de Brasília
Partido PFL, PSDB, PSB
Profissão Assistente social, política

Maria de Lourdes Abadia (Bela Vista de Goiás, 14 de agosto de 1944) é uma assistente social e política brasileira.

BiografiaEditar

Filha de Eduardo Borges e Geny Bonifácio e irmã de Bonifácio Borges e Nilton Carlos Borges. Formada em serviço social pela Universidade de Brasília (UnB), foi convidada em 1971 para trabalhar como assistente social no Grupo Especial de Remoção de Favelas.

Foi bolsista da Fundação Kellogg's – nos EUA e Fundação Alemã para o Desenvolvimento Internacional (Associação Brasileira de Municípios - ABM) em Berlim.

Logo foi convidada pelo governador Elmo Serejo Farias para assumir a administração de Ceilândia, foi a primeira mulher administradora de Ceilândia, cargo que exerceu por 10 anos continuando nos governos seguintes de Aimé Lamaison, José Ornellas e José Aparecido de Oliveira – tendo sido, portanto, a responsável pela implantação de Ceilândia, onde permaneceu no cargo por quatorze anos.

O Estádio Abadião em Ceilândia, recebeu o seu nome, uma homenagem da população.[1]

Foi eleita deputada federal pelo PFL nas primeiras eleições realizadas no Distrito Federal em 1986 e ajudou a escrever a Constituição de 1988. Foi uma dos fundadores do PSDB em 1988, ao qual foi filiada até 2018.

Em 1990, foi eleita deputada distrital da primeira legislatura da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Em 1994, disputou o governo do Distrito Federal – tendo sido a 1ª mulher a disputar este cargo. Embora não tenha ganho a eleição, assumiu a secretaria de Turismo no governo de Cristovam Buarque, por tê-lo apoiado no segundo turno.

Em 1998, foi novamente eleita deputada federal.

Em 2002, foi eleita vice-governadora do Distrito Federal do então então governador Joaquim Roriz.

Em 31 de março de 2006 assumiu o governo no Distrito Federal, sendo a primeira mulher governadora do Distrito Federal.[2]

Em 2007, a convite da UNB, através do Laboratório de Estudos do Futuro- LEF, coordenou uma pesquisa no Entorno do DF sobre “Perspectivas de Futuro” de jovens de 14 a 24 anos, resultando na publicação do livro "“Jovens de Entorno – Sonhos e Armadilhas”".

Em 2010, concorreu a vaga de Senadora obtendo 349 mil votos.[3]

Em 2014, concorre às eleições como Deputada Federal, mas não obteve êxito.[4]

Em 2017, foi convidada pelo governador Rodrigo Rollemberg para assumir a Secretaria de Projetos Estratégicos do Distrito Federal. Além disso, tornou-se um possível nome para vice-governadora na chapa do atual governador, que busca reeleição em 2018. Porém, Abadia anunciou candidatura à Câmara dos Deputados.[5][6]

Em 2018, desfiliou-se do PSDB após 30 anos de militância, alegando perseguição interna e ameaça no conselho de ética pelo presidente da legenda no DF.[7] Abadia se filiou ao PSB do governador Rollemberg e deixou o cargo de Secretária de Projetos Estratégicos para se candidatar à deputada federal nas eleições de 2018

AtuaçãoEditar

No LegislativoEditar

Em 1986 foi eleita Deputada Federal Constituinte, teve atuação marcante em defesa do Distrito Federal e dos menos favorecidos no Capítulo da Ordem Social na Constituição e na elaboração da Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS, coautoria da Lei Benefício de Prestação Continuada – BPC e da Autonomia política para  o Distrito Federal.

Em 1990 foi eleita Deputada Distrital na primeira legislatura da Câmara Legislativa e ajudou a escrever a Lei Orgânica do DF além de aprovar muitas leis de interesse da sociedade.

Em 1998 foi eleita novamente Deputada Federal. Foi titular na Comissão especial do Congresso Nacional que criou o Fundo de Erradicação da Pobreza e da Marginalidade no Brasil, na Comissão que elaborou o Estatuto do Idoso, o Plano Nacional de Turismo e coautora da criação do Fundo Constitucional para o DF, entre outras;[8]

No ExecutivoEditar

1975 - Administradora Regional de Ceilândia;

1985 - Presidente da Fundação do Serviço Social do Distrito Federal;

1995 - Secretária de Turismo do Distrito Federal (Projeto Orla do Lago – Plano de Turismo do Distrito Federal);

Em 2001 - Secretária de Coordenação das Administrações Regionais;

Em 2002 - Vice-Governadora do Distrito Federal,

Em 2006 - Governadora do Distrito Federal.[9]

Em 2017 - Secretária de Projetos Estratégicos do GDF

Condecorações e Missão OficialEditar

  • Como parlamentar e executiva esteve em missão oficial em vários países: Alemanha, França, Espanha, Portugal, China, Japão entre outros. Em 2000 foi uma das representantes do Brasil junto a ONU, por ocasião do Congresso Internacional da Mulher.
  • Tem inúmeras condecorações nacionais e internacionais.           

Na Universidade de Brasília (UnB)Editar

Em 2007, a convite da UNB, através do Laboratório de Estudos do Futuro- LEF coordenou uma pesquisa no Entorno do DF sobre “Perspectivas de Futuro” de jovens de 14 a 24 anos.

PublicaçõesEditar

Livro “Jovens de Entorno – Sonhos e Armadilhas” e alguns trabalhos acadêmicos na área social.

HojeEditar

  • É aluna da escola de Artes Santa Marcelina em Arte Sacra e Tapeçaria.
  • Está escrevendo o livro sobre a história de Ceilândia. 
  • Candidata a Deputada Federal (PSB) pelo Distrito Federal, nas eleições gerais de 2018.

Ligações externasEditar

Referências

  1. «Abadião (Estádio Maria de Lourdes Abadia) – Agência Brasília». www.agenciabrasilia.df.gov.br. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  2. «Maria Abadia ganha apoio de evangélicos no DF - 11/07/2006 - Eleições 2006». eleicoes.uol.com.br. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  3. «Maria Abadia, candidata ao Senado, participa de entrevista no BDDF | PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira». PSDB - Partido da Social Democracia Brasileira. 1 de setembro de 2010 
  4. «Abadia 4512». Eleições 2014 
  5. «Maria de Lourdes Abadia pode ser vice de Rollemberg em 2018 - Jornal Opção». Jornal Opção. 6 de novembro de 2017 
  6. Brasil, CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «Maria de Lourdes Abadia Bastos | CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  7. «Política no DF: Fundadora do PSDB, Maria de Lourdes Abadia deixa o partido | Eldo Gomes TV». Eldo Gomes TV. 4 de abril de 2018 
  8. «Câmara dos Deputados - Plenário». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  9. «Maria Abadia (45/PSDB) - Políticos do Brasil - UOL Notícias». noticias.uol.com.br. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
Precedido por
Joaquim Roriz
Governadora do Distrito Federal
2006—2007
Sucedido por
José Roberto Arruda