Ouriço-preto

O ouriço-preto(nome comum acadêmico) ou luís-cacheiro-preto(nome comum popular) (nome científico: Chaetomys subspinosus) é uma espécie de roedor da família dos eretizontídeos (Erethizontidae) que é endêmico da porção central da Mata Atlântica, do sul do estado de Sergipe, Bahia, Espírito Santo até o norte do Rio de Janeiro.[3][4] Localizado na porção basal da árvore filogenética dos eretizontídeos, o ouriço-preto é a espécie mais antiga da família.

Como ler uma infocaixa de taxonomiaOuriço-preto[1]
Ocorrência: Oligoceno
Espécime de ouriço-preto avistado em 2013
Espécime de ouriço-preto avistado em 2013
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Rodentia
Família: Erethizontidae
Subfamília: Chaetomyinae
Género: Chaetomys
(Gray, 1843)
Espécie: C. subspinosus
Nome binomial
Chaetomys subspinosus
(Olfers, 1818)

De hábitos arborícolas e dieta folívora, a espécie também é conhecida em alguns locais como borê, jaú-torino ou gandú.[5] Devido à sua raridade e à capacidade de se manter camuflado em meio à vegetação, por mais de 35 anos a espécie não foi registrada pelos cientistas, o que levou os pesquisadores a suspeitarem que ela estava extinta na natureza. Na década de 80, durante uma expedição científica especialmente designada para avaliar sua existência e distribuição geográfica, o ouriço-preto foi redescoberta na natureza.[3]

É provável que as populações de ouriço-preto estejam em franco declínio, principalmente devido à alteração e redução da Mata Atlântica, embora o seu estado de conservação não seja tão drástico como se considerava anteriormente. Por isso é categorizado como espécie vulnerável à extinção na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN / IUCN),[2] na Portaria MMA N.º 444 de 17 de dezembro de 2014[6] e no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).[7][8] Regionalmente, em 2005, foi entendida como vulnerável na Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo;[9] e vulnerável na Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia (2017).[10][11] Esta é atualmente a maior espécie de roedor ameaçada de extinção do Brasil,[12] considerada prioritária à conservação por ser monotípica, endêmica e usada por humanos.[13]

Mais recentemente, tem sido realizado um grande esforço por parte de pesquisadores brasileiros para estudar aspectos de sua biologia e propor políticas públicas dentro de um plano de ação nacional à sua conservação.[4]

Taxonomia e evoluçãoEditar

O ouriço-preto faz parte de um grupo de roedores da subordem Hystricognatha e família dos eretizontídeos (Erethizontidae) conhecidos como ouriços-cacheiros ou porcos-espinhos. Os animais deste grupo recebem estes nomes porque possuem o corpo provido de pelos rígidos e aristiformes, que funcionam como espinhos que participam dos mecanismo de defesa contra predadores.[14] Os registros fósseis evidenciam a presença de ouriços-cacheiros na América do Sul desde o Oligoceno (23,7 a 36,6 milhões de anos atrás).[1]

São reconhecidas 16 espécies na família, divididas em duas subfamílias: Erethizontinae e Chaetomyinae.[15] O ouriço-preto é a única espécie atual da sub-familia Chaetomyinae e do gênero Chaetomys, sendo também a espécie mais divergente e basal (antiga) na filogenia da família dos eretizontídeos. Através de sequenciamento genético estimou-se que o ouriço-preto surgiu a cerca de 21 milhões de anos, enquanto todas as outras espécies de ouriços-cacheiros atualmente existentes do continente americano surgiram nos último 8 milhões de anos. Tais estimativas evidenciam o alto valor filogenético e evolutivo que a espécie representa.[16][15]

Morfologia externaEditar

 
Crânio e dentição do ouriço-preto[17]

O ouriço-preto é um roedor de porte médio, pesando de 1,2 a 2,3 quilos e medindo de 60 a 73 centímetros do focinho à ponta da cauda.[18] Apesar do nome, o animal não é de coloração preta, mas sim apresenta uma coloração brunácea.[19] Recebeu o adjetivo “preto” para diferenciá-lo de outra espécie simpátrica, também endêmica, Coendou insidiosus, chamada comumente de "luís-cacheiro-amarelo", que apresenta os espinhos bicolores (amarelo-preto), mas predominantemente amarelos.[20]

O ouriço-preto também difere das demais espécies de ouriços-cacheiros do continente americano por apresentar os espinhos restritos à parte anterior do corpo (cabeça, pescoço e membros anteriores), enquanto que nas outras espécies os espinhas estão distribuídos em toda superfície dorsal e vão até a base da cauda.[18][21] A pelagem do ouriço-preto é macia e uniformemente ondeada, cobrindo o dorso e as partes posteriores, sem rigidez, e se assemelha a cerdas.[19] Ainda distinguindo-o dos demais ouriços-cacheiros, os espinhos da espécie não possuem farpas.[22] Devido à ausência de espinhos rígidos na parte posterior do corpo, acredita-se que a espécie pode ser mais vulnerável do que outros ouriços quando exposta a predadores.[23]

Distribuição e habitatEditar

A distribuição geográfica do ouriço-preto abrange as florestas da porção central da Mata Atlântica, desde o extremo norte do estado do Rio de Janeiro até o sul de Sergipe, incluindo os estados do Espírito Santo, Bahia e nordeste de Minas Gerais. Ao longo dessa distribuição, o ouriço-preto habita restingas arbóreas e também florestas úmidas e semideciduais em estágio médio a avançado de regeneração.[2][24] Apesar da espécie ter sido anteriormente descrita habitando as sistemas agroflorestais à produção de cacau,[19][1] as pesquisas mais elaboradas realizada posteriormente têm indicado que os ouriços-pretos evitam estas plantações assim como outros habitats estruturalmente simplificados da região sul da Bahia, tais como seringais e florestas em estágio inicial de regeneração, com altura inferior a 5 m.[23] Por esta razão e pelo baixo sucesso em encontrá-los nestes ambientes,[4] estes tipos de vegetação não podem ser considerados como habitats adequados para o ouriço-preto.[23] Considerando que tais tipos de vegetação integram boa parte da cobertura florestal da região sul da Bahia, a quantidade de habitat para esta espécie na região é menor do que se supunha antes destas pesquisas detalhadas.[4][23]

Ecologia e comportamentoEditar

O ouriço-preto é um animal noturno e solitário. Tem hábito estritamente arborícola, gastando quase todo o seu tempo em cima de árvores e lianas. Possui diversas adaptações para o hábito arborícola: cauda preênsil, fortes garras e, ao invés de do hálux, apresenta uma grande calosidade móvel e preensora provida de uma estrutura óssea que alarga bastante a sola das patas.[19][25] Estas adaptações auxiliam no seu equilíbrio e segurança durante o deslocamento pelos galhos e cipós.[26][23]

Mais de 90 % da dieta do ouriço-preto é composta de folhas de árvores e lianas, um recurso alimentar fibroso e energeticamente pobre.[27][28] Similar as outras espécies arborícolas folívoras, como as preguiças e os coalas, a espécie adota comportamentos que maximizam sua sobrevivência com baixo gasto de energia. Os animais passam a maior parte do tempo em repouso, apresentando movimentos letárgicos em alguns momentos e buscando maximizar sua camuflagem entre a vegetação para evitar predadores.[25]

Os ouriços-pretos são altamente seletivos para se alimentar, preferindo folhas jovens de árvores leguminosas da família Fabacea, predominando em sua dieta as folhas de Inga thibaudiana, Albizia pedicellaris e Pera glabrata. Ao menos uma destas espécies de árvores aparece como predominante na dieta dos animais de diferentes localidades.[27][28]

Para se alimentarem os animais selecionam grandes árvores próximas a bordas da floresta, provavelmente porque essas árvores recebem maior luminosidade e como consequência apresentam uma alta produtividade de folhas, o que leva a uma maior oferta e reposição de alimento.[23] Para lidar com a dieta fibrosa de folhas, a espécie possui um grande ceco funcional e seleciona folhas jovens com altas concentrações de proteínas.[28] Nas áreas de floresta cada indivíduo estabelece uma área de vida média em torno 2 hectares, que varia entre 0,5 e 15 hectares e onde o indivíduo monitora os recursos disponíveis.[29][30] Por se alimentar desse recurso abundante (folhas de árvores secundárias iniciais abundantes), há sugestões de que a degradação e redução do habitat ocorridas na Mata Atlântica não limitariam a disponibilidade de alimento à espécie.[23][28]

O ouriço-preto desloca-se por cima das árvores durante a noite e repousa em abrigos escuros durante o dia.[23] Utiliza emaranhados de cipós, bromélias, ocos e folhas de palmeiras como abrigo.[26][25][30][29] Raramente desce ao chão durante seus movimentos rotineiros e frequentemente utiliza cipós para se deslocar e repousar.[5] A abundância de cipós determina a seleção de habitat pela espécie tanto na escala de paisagem quanto dentro das florestas.[23]

Perigos para animais de estimaçãoEditar

O ouriço eriça os pelos de suas costas quando se sente ameaçado,[31] sendo importante ressaltar que o animal, apesar do potencial de causar complicações devido suas características, esta apenas assumindo um comportamento de defesa. Os animais domésticos são o verdadeiro perigo para o animal que se encontra ameaçado de extinção devido a diminuição de habitat natural. O animal por ser noturno, frugívoro e arborícola dificilmente se encontrará no mesmo ambiente dos animais de estimação, no entanto a cautela é valida, pois alguns cães, por exemplo, na primeira oportunidade podem atacar o pequeno animal. A melhor saída é o manejo por pessoa capacitada, devolvendo o ouriço à natureza, evitando assim o contato com os animais de estimação e quaisquer acidentes decorrentes do contato.[carece de fontes?]

Estado de conservação e ameaçasEditar

Chaetomys subspinosus é considerada uma espécie vulnerável à extinção na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN / IUCN) devido a sua restrita área de ocorrência e ao contínuo declínio da quantidade e qualidade de habitat disponível à espécie.[2] O ICMBio também classifica a espécie como vulnerável.[7] Mesmo considerando que a degradação e redução dos habitats podem não estar limitando os recursos alimentares do ouriço-preto, é evidente que outras pressões como perda de habitat, isolamento das populações, caça e fogo precisam ser controladas e minimizadas à conservação da espécie.[4][23]

A principal ameaça ao ouriço-preto é a perda de habitat, pois mais de 80 % das áreas de florestas já foram destruídas ao longo de sua distribuição geográfica.[32] O desmatamento tem continuado e, apesar do estado da Bahia abrigar potencialmente a maior população da espécie,[24] este também foi o estado que apresentou as maiores taxas de desmatamento da Mata Atlântica nos anos de 2015 e 2016 segundo a Fundação SOS Mata Atlântica e o INPE, uma preocupante situação à conservação desta e de outras espécies endêmicas do bioma.[33]

Outras ameaças ao ouriço-preto são a caça e o fogo.[4][24] Tais práticas ainda são realizadas com alta frequência, mesmo em áreas protegidas.[20] Além da caça ser proibida pela legislação brasileira, o ouriço-preto pode hospedar Toxoplasma gondii e outros agentes zoonóticos, sendo desaconselhado o seu consumo por causa do risco de transmissão de doenças.[34][35]

Referências

  1. a b c Wilson, D. E.; Reeder, D. M. (2005). «Chaetomys subspinosus». Mammal Species of the World 3.ª ed. Baltimore: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. pp. 1538–1600. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  2. a b c d «IUCN red list Chaetomys subspinosus». Lista vermelha da IUCN. Consultado em 12 de junho de 2022 
  3. a b Voss, Robert S.; Hubbard, Caldonia; Jansa, Sharon A. (2013). «Phylogenetic Relationships of New World Porcupines (Rodentia, Erethizontidae): Implications for Taxonomy, Morphological Evolution, and Biogeography» (requer pagamento). American Museum Novitates (em inglês) (3769): 1–36. ISSN 0003-0082. doi:10.1206/3769.2 
  4. a b c d e f Faria, Deborah; Giné, Gastón Andrés Fernandez, eds. (2010). Plano de ação nacional para conservação do ouriço preto (PDF). Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). ISBN 978-85-61842-28-4 
  5. a b Giné, 2009
  6. «PORTARIA N.º 444, de 17 de dezembro de 2014» (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente (MMA). Consultado em 24 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 12 de julho de 2022 
  7. a b «Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - Mamíferos - Chaetomys subspinosus (Olfers, 1818) - Ouriço-preto». www.icmbio.gov.br. Consultado em 20 de julho de 2017 
  8. «Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção» (PDF). Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. 2018. Consultado em 3 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 3 de maio de 2018 
  9. «Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo». Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), Governo do Estado do Espírito Santo. Consultado em 7 de julho de 2022. Cópia arquivada em 24 de junho de 2022 
  10. «Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia.» (PDF). Secretaria do Meio Ambiente. Agosto de 2017. Consultado em 1 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de abril de 2022 
  11. «Chaetomys subspinosus (Olfers, 1818)». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada em 9 de julho de 2022 
  12. Machado, Moreira e Pereira, 2008
  13. Alves, Davi M. C. C.; Brito, Daniel (1 de setembro de 2013). «Priority Mammals for Biodiversity Conservation in Brazil». Tropical Conservation Science (em inglês). 6 (4): 558–583. doi:10.1177/194008291300600408 
  14. Chapman, David M.; Roze, Uldis (1 de janeiro de 1997). «Functional histology of quill erection in the porcupine, Erethizon dorsatum» (requer pagamento). Canadian Journal of Zoology (em inglês). 75 (1): 1–10. ISSN 0008-4301. doi:10.1139/z97-001 
  15. a b Voss, Robert S.; Hubbard, Caldonia; Jansa, Sharon A. (1 de fevereiro de 2013). «Phylogenetic Relationships of New World Porcupines (Rodentia, Erethizontidae): Implications for Taxonomy, Morphological Evolution, and Biogeography» (requer pagamento). American Museum Novitates (em inglês) (3769): 1–36. ISSN 0003-0082. doi:10.1206/3769.2 
  16. Vilela, Roberto V.; Machado, Taís; Ventura, Karen; Fagundes, Valéria; de J Silva, Maria José; Yonenaga-Yassuda, Yatiyo (2009). «The taxonomic status of the endangered thin-spined porcupine, Chaetomys subspinosus (Olfers, 1818), based on molecular and karyologic data». BMC Evolutionary Biology (em inglês). 9 (1). 29 páginas 
  17. Belcher, Edward; Gould, John; Gray, John Edward; Hawkins, B. Waterhouse; Hinds, Richard Brinsley; Hullmandel, Charles Joseph; Lea, Isaac; Richardson, John; Sowerby, G. B. The zoology of the voyage of H.M.S. Sulphur : under the command of Captain Sir Edward Belcher, during the years 1836-42 /. v.1. Londres: Smith, Elder, 
  18. a b Eisenberg, John F.; Redford, Kent H. (1999). Mammals of the Neotropics, Volume 3: Ecuador, Bolivia, Brazil (em inglês). Chicago: University of Chicago Press. ISBN 9780226195421 
  19. a b c d Moojen, João (1952). Os Roedores do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro 
  20. a b Castilho, Luciana C.; Martinez, Romari A.; Giné, Gastón A. F.; Ribeiro, Gabriela C.; Schiavetti, Alexandre (2013). «The Thin-Spined Porcupine, Chaetomys subspinosus (Rodentia: Erethizontidae), within Protected Areas in the Atlantic Forest, Brazil: Local Knowledge and Threats». Tropical Conservation Science (em inglês). 6 (6): 796–810. ISSN 1940-0829. doi:10.1177/194008291300600607 
  21. Giné, 2009
  22. Roze, Uldis (2012). Porcupines: The Animal Answer Guide (em inglês). Baltimore: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. ISBN 9781421407357 
  23. a b c d e f g h i j Giné, Gastón Andrés Fernandez; Barros, Eduardo Hoffmam de; Duarte, José Maurício Barbanti; Faria, Deborah Maria (2015). «Home range and multiscale habitat selection of threatened thin-spined porcupine in the Brazilian Atlantic Forest». Journal of Mammalogy (em inglês). 96 (5): 1095–1105. ISSN 0022-2372. doi:10.1093/jmammal/gyv117 
  24. a b c Oliver, William L. R.; Santos, Ilmar Bastos (1991). Threatened endemic mammals of the Atlantic forest region of south-east Brazil (em inglês). Jérsei: Jersey Wildlife Preservation Trust 
  25. a b c Giné, Gastón Andrés Fernandez; Duarte, José Maurício Barbanti; Motta, Tatiana Cristina Senra; Faria, Deborah (2012). «Activity, movement and secretive behavior of a threatened arboreal folivore, the thin-spined porcupine, in the Atlantic forest of southern Bahia, Brazil» (requer pagamento). Journal of Zoology (em inglês). 286 (2): 131–139. ISSN 1469-7998. doi:10.1111/j.1469-7998.2011.00855.x 
  26. a b Chiarello, A.G.; Passamani, M.; Zortéa, M. (1997). «Field observations on the thin-spined porcupine, Chaetomys subspinosus (Rodentia; Echimyidae)» (requer pagamento). Mammalia (em inglês). 61 (1). ISSN 1864-1547. doi:10.1515/mamm.1997.61.1.29 
  27. a b de Souto Lima, Rodrigo B.; Oliveira, Pedro A.; Chiarello, Adriano G. «Diet of the thin-spined porcupine (Chaetomys subspinosus), an Atlantic forest endemic threatened with extinction in southeastern Brazil» (requer pagamento). Mammalian Biology - Zeitschrift für Säugetierkunde (em inglês). 75 (6): 538–546. doi:10.1016/j.mambio.2009.09.002 
  28. a b c d Giné, Gastón Andrés Fernandez; Duarte, José Maurício Barbanti; Faria, Deborah (2010). «Feeding ecology of a selective folivore, the thin-spined porcupine (Chaetomys subspinosus) in the Atlantic forest». Journal of Mammalogy (em inglês). 91 (4): 931–941. ISSN 0022-2372. doi:10.1644/09-MAMM-A-185.1 
  29. a b Zortéa, Marlon; Brito, Bernardo F. A. de (2010). «Diurnal roosts and minimum home range defined by sleeping sites of a thin-spined porcupine Chaetomys subspinosus (Rodentia: Erethizontidae)». Zoologia (Curitiba). 27 (2): 209–212. ISSN 1984-4670. doi:10.1590/S1984-46702010000200008 
  30. a b Oliveira, Pedro A.; Lima, Rodrigo B. Souto; Chiarello, Adriano G. (2012). «Home range, movements and diurnal roosts of the endangered thin-spined porcupine, Chaetomys subspinosus (Rodentia: Erethizontidae), in the Brazilian Atlantic Forest». Mammalian Biology - Zeitschrift für Säugetierkunde. 77 (2): 97–107. doi:10.1016/j.mambio.2011.09.005 
  31. «Ouriço-cacheiro eriça os espinhos quando se sente ameaçado». Fauna. 26 de julho de 2016. Consultado em 10 de dezembro de 2021 
  32. Ribeiro, Milton Cezar; Metzger, Jean Paul; Martensen, Alexandre Camargo; Ponzoni, Flávio Jorge; Hirota, Márcia Makiko (2009). «The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation» (requer pagamento). Biological Conservation (em inglês). 142 (6): 1141–1153. doi:10.1016/j.biocon.2009.02.021 
  33. «Desmatamento da Mata Atlântica cresce quase 60% em um ano - SOS Mata Atlântica». SOS Mata Atlântica. 26 de maio de 2017 
  34. Bezerra, Gastón Andrés Fernandez (2015). «Identification and genetic characterization of Toxoplasma gondii in free-ranging bristle-spined porcupine (Chaetomys subspinosus), a threatened arboreal mammal from the Brazilian Atlantic Forest». 8: 277. ISSN 1756-3305. doi:10.1186/s13071-015-0882-6 
  35. Bezerra, R. A.; Giné, G.A.F.; Marques, E.L.S.; Abreu-Tarazi, M.F.; Rezende, R.P.; Gaiotto, F.A. «Elucidation of bacterial community structure on thin-spined porcupine (Chaetomys subspinosus) spines by denaturing». Genetics and Molecular Research. 14 (4): 11867–11875. doi:10.4238/2015.october.2.20 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Ouriço-preto:
  Categoria no Commons
  Diretório no Wikispecies