XP Investimentos

Corretora de valores
(Redirecionado de Rico (corretora))

A XP Investimentos Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A. é uma corretora de valores brasileira, considerada uma das maiores corretoras independentes do Brasil.[1] Em janeiro e fevereiro de 2010, foi a corretora que mais negociou ações no sistema da B3.[2] Em agosto de 2019, a corretora foi condenada e multada pela utilização irregular de seus sistema de negociação ao priorizar seus próprios negócios ante os de seus clientes.[3]

XP Investimentos
Razão social XP Investimentos Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A.
Slogan Para os que acreditam no impossível, nós somos a XP Investimentos.
Atividade Investimentos
Fundação 2001
Sede São Paulo
Presidente Guilherme Benchimol
Pessoas-chave Guilherme Benchimol, Julio Capua, Gabriel Leal, Carlo Ferreira, Fernando Rosado
Empregados 1.200
Produtos Ações, Fundos de investimento, Fundos imobiliários, Ativos de renda fixa, Derivativos
Subsidiárias Clear, Rico
Website oficial www.xpi.com.br

História

 
Rafael Furlanetti, diretor Institucional da XP Investimento, em reunião com Michel Temer, em 2016.

A origem da XP Investimentos é um escritório de agentes autônomos fundado em 2001, em Porto Alegre a partir desejo comum dos sócios Guilherme Benchimol e Marcelo Maisonnave de ajudar pequenos investidores e pessoas comuns a investirem no mercado de ações, democratizando esta prática no Brasil.[4][5][6][7][8][9][10][11]

O novo empreendimento começou com um capital de R$15 mil, dois estagiários, dez computadores usados comprados em uma lan house e uma sala de 25m2 em Porto Alegre. Inicialmente, a XP Investimentos foi criada como um escritório de agentes autônomos cujo objetivo era conectar investidores a corretores,. [4][5][6][12]

No início, a companhia enfrentou dificuldades devido ao momento econômico do país. 2002, segundo ano de atividade da XP Investimentos, foi negativo para o mercado de ações por conta da alta valorização do dólar. Com isso, o mercado de ações apresentou constantes quedas, o que dificultou a captação de clientes.[4][13][6][14]

Em 2005, foi criada a XP Gestão de Recursos, empresa de administração de recursos. Com a incorporação da empresa Americainvest CCTVM Ltda em 2007, a XP Investimentos passou a atuar como corretora. Atualmente a empresa conta com mais de 580 mil clientes ativos e mais de R$ 200 bilhões sob custódia. Atua em vários países, principalmente no Brasil e Estados Unidos. Possui mais de 3.200 assessores de investimentos espalhados por 600 escritórios.[15]

Em 2010, a XP investimentos teve seu primeiro aporte financeiro feito pelo fundo inglês Actis no valor de R$ 100 milhões por 20% da companhia. No mesmo ano, a XP começou a diversificar a plataforma de produtos inspirada na corretora americana Charles Schwab, com a intenção de transformar a XP em um supermercado financeiro ao diversificar suas receitas de comissões.[16][4] [5] [17]

A partir de 2011, a XP intensificou as operações de aquisição e fusão ao incorporar a Interfloat, corretora líder no segmento de investidores pessoa física com perfil profissional, No mesmo ano, comprou o portal de informações financeiras InfoMoney, com o objetivo de oferecer um serviço de informações e ferramentas relacionadas a investimentos para seus clientes.[18][19][20][21][1][22][23]

Também em 2011, a companhia anunciou a fusão com a Senso Corretora, passando a ter 27% de participação no setor de varejo da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) à época.[24][25][26]

Em 2012, a XP Investimentos anunciou a união de forças com a empresa Prime Corretora.[27]

Em julho de 2014, anunciou a compra da Clear Corretora por R$ 90 milhões.[28]

Em dezembro de 2016, a XP Investimentos anunciou que adquiriu a empresa Rico Corretora de Valores.[29][30][31]

Em julho de 2017, o Itaú Unibanco, maior banco privado do Brasil, anunciou uma oferta para a compra de 49,9% da XP Investimentos por R$ 5,7 bilhões. A compra foi aprovada em agosto do ano seguinte pelo Banco Central. O acordo previa que, embora o banco passasse a deter uma expressiva parte da corretora, ela se manteria independente, com seus acionistas à frente da gestão de maneira autônoma.[32][33][34][35]

No final de 2017, a XP Investimentos anunciou associação com o Itaú Unibanco, que adquiriu 49,9% das ações da XP por R$ 6,3 bilhões.[36]

Em setembro de 2019 , a XP Investimentos possuía 1,5 milhão clientes e R$ 350 bilhões em ativos sob custódia.[37] No mesmo ano, Guilherme Benchimol, CEO e fundador da XP Investimentos, foi eleito uma das 50 pessoas mais influentes do mundo pela Bloomberg.[38]

Após um rebranding, em setembro de 2019, o Grupo XP, que abriga todas as marcas (XP Investimentos, Rico, Clear, Infomoney) e iniciativas da holding, anunciou que passaria a se chamar XP Inc. [39][24]

Atuação Internacional

Após 10 anos de atuação no Brasil, em 2011, a XP Investimentos iniciou sua expansão internacional com a fundação do seu primeiro escritório fora do Brasil, na cidade de Nova York. A operação nasceu com o objetivo de atender a fundos americanos com investimentos em mercados brasileiros e também clientes latino americanos que investem no exterior.[40][41]

Em 2014, a corretora iniciou sua operação em Miami para atender clientes de alta renda e clientes institucionais que investem no Brasil e na América Latina.[4][35][42][43]

Dois anos depois, a XP abriu operação, na cidade de Genebra, com foco em clientes latino-americanos que preferem usar uma conta européia para manter seu dinheiro no exterior.[40][41]

Bibliografia

  • 2019: "Na Raça - Como Guilherme Benchimol Criou a XP e Iniciou a Maior Revolução do Mercado Financeiro Brasileiro", escrito pela jornalista Maria Luíza Filgueiras[44]

Ver também

Referências

  1. a b «XP Investimentos anuncia absorção da Senso Corretora | Valor Econômico». valor.com.br. 2012. Consultado em 15 de março de 2012 
  2. «No alto do pódio da bolsa - ISTOÉ Dinheiro». istoedinheiro.com.br. 2012. Consultado em 15 de março de 2012 
  3. ago 2019 - 10h51, Otavio Tallarico 20. «XP Investimentos é condenada a multa por prejudicar clientes». VEJA.com. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  4. a b c d e «XP é a fintech mais bem sucedida do Brasil». InfoMoney. 12 de maio de 2017. Consultado em 10 de Março de 2020 
  5. a b c «Guilherme Benchimol o professor de finanças». Exame. 29 de outubro de 2013. Consultado em 10 de Março de 2020 
  6. a b c «Fundador da XP Investimentos transformou escola sobre a bolsa na maior corretora de valores do país». Folha de SP. Consultado em 3 de abril de 2020 
  7. «O novo caminho dos ex XP». revista Exame. Consultado em 3 de abril de 2020 
  8. «Ex sócio da XP Investimentos volta para o mercado com fintech». Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios. Consultado em 3 de abril de 2020 
  9. França, Carolina (29 de outubro de 2013). «Guilherme Benchimol, o professor de finanças que criou a XP». Exame. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  10. Gradilone, Cláudio; Galembeck, Flavia (12 de maio de 2017). «XP: Venda ao Itaú leva Guilherme Benchimol ao topo do mundo.». IstoÉ Dinheiro (publicado em 11 de dezembro de 2019). Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  11. «Ex-sócio da XP Investimentos volta ao mercado com Fintech». Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios. 17 de abril de 2017. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  12. «XP é a fintech mais bem sucedida do Brasil, diz BTG, após união com Itaú». InfoMoney. Consultado em 3 de abril de 2020 
  13. «Venda ao Itaú leva Guilherme Benchimol ao topo do mundo». IstoÉ Dinheiro. Consultado em 3 de abril de 2020 
  14. «Bovespa termina 2002 com queda acumulada de 17%». Folha de SP. Consultado em 3 de abril de 2020 
  15. Futema, Fabiana (6 de agosto de 2018). «XP recruta 1.000 assessores de investimento – ganho médio de R$ 15 mil». Veja. Consultado em 23 de abril de 2019 
  16. «Em 17 anos, XP muda indústria de investimentos e incomoda bancos». Folha de SP. 20 de agosto de 2018. Consultado em 19 de Fevereiro de 2020 
  17. «Fundo aporta 100 milhões de reais na XP Investimentosl». Baguete. 12 de maio de 2017. Consultado em 10 de Março de 2020 
  18. «XP Investimentos compra portal financeiro Infomoney». Exame. Consultado em 3 de abril de 2020 
  19. «XPcompra InfoMoney». Baguete. Consultado em 3 de abril de 2020 
  20. «XP Investimentos compra Infomoney e reforça braço online». Valor. Consultado em 3 de abril de 2020 
  21. «XP vê Brasil com apenas 4 grandes corretoras independentes». Exame. Consultado em 3 de abril de 2020 
  22. Pavini, Angelo (8 de setembro de 2011). «XP Investimentos compra InfoMoney e reforça braço on-line Valor Econômico». Valor Econômico. Consultado em 15 de março de 2012 
  23. Kahil, Gustavo (28 de outubro de 2011). «XP vê Brasil com apenas 4 grandes corretoras independentes». Exame. Consultado em 23 de abril de 2019 
  24. a b «XP muda marca e passa a se chamar XP Inc». Estadão. 19 de dezembro de 2018. Consultado em 19 de Fevereiro de 2020 
  25. «XP Investimentos anuncia fusão com senso corretora». Terra. Consultado em 3 de abril de 2020 
  26. «XP Investimentos anuncia absorção da Senso Corretora». Valor. Consultado em 3 de abril de 2020 
  27. Lima, Aline (30 de janeiro de 2012). «XP Investimentos incorpora a corretora Prime, do Rio». Valor Econômico. Consultado em 15 de março de 2012 
  28. Bronzati, Aline (28 de julho de 2014). «XP Investimentos confirma compra da Clear corretora». Exame. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  29. Kastner, Tássia (1 de dezembro de 2016). «XP, maior corretora independente do país, compra a Rico, vice no mercado». Folha de São Paulo. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  30. Duarte, Débora (5 de maio de 2018). «Conheça a história da Rico: da criação até a venda para a XP». Money Times. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  31. «XP Investimentos compra corretora Rico». Revista Época Negócios. 2 de dezembro de 2016. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  32. «Itau fecha acordo para comprar participação na XP Investimentos». 11 de maio de 2017. Consultado em 19 de Fevereiro de 2020 
  33. «Itau compra a XP Investimentos». Correio Brasiliense. 10 de agosto de 2018. Consultado em 19 de Fevereiro de 2020 
  34. «Itau compra XP Investimentos». IG Economia. 10 de agosto de 2018. Consultado em 19 de Fevereiro de 2020 
  35. a b «Cade aprova compra de fatia da XP Investimentos por Itau-Unibanco». Exame. 10 de agosto de 2018. Consultado em 19 de Fevereiro de 2020 
  36. Goy, Leonardo; Federowski, Bruno (14 de março de 2018). «Cade aprova compra de fatia da XP Investimentos por Itaú Unibanco». Exame. Consultado em 16 de março de 2018 
  37. «XP quer acirrar competiçao pelos clientes dos bancos». Folha de SP. 10 de agosto de 2018. Consultado em 19 de Fevereiro de 2020 
  38. «Um bate papo com Guilherme Benchimol, fundador da XPInvstimentos». Época Negócios. 19 de dezembro de 2018. Consultado em 19 de Fevereiro de 2020 
  39. «XP assume nova identidade visual e vira XP Inc». Meio e Mensagem. 19 de dezembro de 2018. Consultado em 19 de Fevereiro de 2020 
  40. a b «XP quer ter banco no Brasil e abre escritório em Genebra». Bloomberg. 16 de junho de 2016. Consultado em 24 de março de 2020 
  41. a b «Em expansão, XP Investimentos compra 100% da corretora Rico». O Globo. 1 de dezembro de 2016. Consultado em 24 de março de 2020 
  42. «Conheça o homem por trás do fenômeno XP». Forbes. 26 de junho de 2019. Consultado em 24 de março de 2020 
  43. «XP vai inaugurar em Portugal para atender brasileiros com patrimônio de mais de USD 1 milhão». O Globo. 30 de julho de 2019. Consultado em 24 de março de 2020 
  44. «Livro conta história do crescimento da XP e bastidores da venda ao Itaú». GaúchaZH. FolhaPress. Consultado em 8 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2020 

Ligações Externas

  Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.