Prêmio iBest

O iBest (anteriormente Internet World Best) é um prêmio anual oferecido aos melhores profissionais e empresas do mercado digital (internet, websites, redes sociais, apps e similares) do Brasil.

Prêmio iBest
Descrição excelência no universo digital
Apresentação iBest Global
País Brasil
Primeira cerimónia 1995
Sítio oficial

HistóriaEditar

A primeira edição foi realizada em 1995 com o nome "Internet World Best" e contava com duas categorias que julgavam websites corporativos e pessoais. Na ocasião, não houve eleição pelo juri popular, apenas pelo oficial.

No ano seguinte, o número de categorias subiu para 12, com cerca de 1,2 mil sites inscritos, contando com a votação do público para escolher os preferidos. Em seu auge, entre 2001 e 2004, o prêmio chegou a ter mais de 3 milhões de votos, tendo sido a maior premiação do gênero em todo o mundo.[1]

Quando surgiu, o prêmio era administrado pelo Grupo Mantel, de Marcos Wettreich, e ainda se chamava Internet World Best, mas no final de 1999 o iBest fechou um acordo com o Grupo GP. No segundo semestre de 2001, a empresa anunciou um acordo com a Brasil Telecom para poder criar o provedor de internet Ibest e o Portal iBest. Em junho de 2003, a Brasil Telecom assumiu 100% do controle acionário do iBest.

Em 2005, a Brasil Telecom iniciou um processo de fusão do iBest com os portais iG, adquirido em 2004, e BRTurbo, especializado em banda larga, constituindo o que foi chamado de BrTI (Brasil Telecom Internet). Em 2006, quando o iBest passou a fazer parte do Grupo Brasil Telecom e a marca foi incorporada ao iG, houve uma pausa nas edições do prêmio.

Em 2008, o prêmio voltou em sua 12ª edição, com votos da Academia iBest e do Júri Popular.[2] A partir de 2008 a premiação foi descontinuada.[2]

Após um hiato de 12 anos, em 2020, Marcos Wettreich recuperou a marca, abandonada pela empresa Oi por mais de 5 anos (através de um processo de caducidade no INPI) e voltou a realizar o prêmio, agora administrada pela iBest Global, com novas categorias, incluindo para aplicativos e redes sociais (Youtube, Instagram, Facebook e Twitter), num total de 53 categorias.[3]

Referências

  1. FAJARDO, Karine (2001). iBest 2001 Year Book. Rio de Janeiro: IBEST COMPANY. p. 12. 12 páginas 
  2. a b ibest (13 de junho de 2008). «Classificação final». blog oficial. Consultado em 3 de Fevereiro de 2013. Arquivado do original em 15 de abril de 2012 
  3. Prêmio iBest é relançado 12 anos após última edição Jornal O Globo do Grupo Rede Globo - acessado em 6 de agosto de 2020

Ligações externasEditar

  • «Categorias». Novo Prêmio iBest. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  • «O Prêmio». Novo Prêmio iBest. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  Este artigo sobre Internet é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.