Talian

variante do italiano falado no Brasil derivado do dialeto do Vêneto
Talian
Falado em:  Brasil ( Rio Grande do Sul,  Santa Catarina,  Paraná,  Espírito Santo e  Minas Gerais)
Região: América do Sul
Total de falantes: Cerca de um milhão
Família: Indo-europeu
 Itálico
  Românico
   Ítalo-ocidental
    Ítalo-brasileiro
     Talian
Escrita:  Brasil (Serafina Corrêa e Caxias do Sul)
Códigos de língua
ISO 639-1: roa-tal
ISO 639-2: ---

O talian (ou vêneto brasileiro) é uma variante da língua vêneta falada na Região Sul do Brasil, sobretudo nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina,[1] e em pontos do Paraná, Mato Grosso e Espírito Santo.[2][3][4] Em Minas Gerais a língua vêneta é ainda preservada em pequenas comunidades, como no Vale dos Imigrantes, na Colônia Rodrigo Silva, em Barbacena.

O talian é um produto da imigração italiana no Brasil e uma variante surgida da fusão de várias línguas regionais italianas, com amplo predomínio da língua vêneta e uma importante contribuição do português. No início do século XX ele já estava bem desenvolvido, surgindo até importante literatura, mas a partir da década de 1930 foi severamente reprimido por conta da campanha de nacionalização imposta pelo governo Vargas, o que produziu graves lesões na memória coletiva, no senso de identidade, na sociabilidade, na produção de cultura e na auto-estima dos descendentes de italianos, entrando em rápido declínio. Sua recuperação e normatização ocorreu a partir da década de 1970, e hoje uma série de iniciativas buscam sua preservação e disseminação. É objeto de muitos estudos científicos, já existe significativa literatura, é um patrimônio cultural oficial em estados do sul, foi adotado como língua co-oficial em várias cidades, diversos jornais e rádios publicam em talian, e foi reconhecido como Referência Cultural Brasileira pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Período formativoEditar

 
As línguas faladas no Nordeste da Itália, estando o vêneto marcado em verde-claro.

Imigrantes italianos começaram a chegar em massa ao Brasil no final do século XIX, através de um programa oficial do governo para ocupação de vazios demográficos, branqueamento racial e criação de uma força de trabalho livre. Os italianos que imigraram para o Brasil eram de diferentes partes da Itália, cada qual com seu dialeto próprio, mas no sul do Brasil e no Espírito Santo predominaram os imigrantes do norte da Península Itálica, principalmente das regiões do Vêneto, da Lombardia, do Trentino-Alto Ádige e do Friuli-Venezia Giulia. Destes, cerca de 60% eram de língua e cultura vênetas.[5][1]

Em algumas localidades onde houve maior concentração de imigrantes provenientes de uma determinada localidade da Itália, ainda é possível reconhecer especificidades dialetais, como exemplo, a comunidade de Pomeranos, onde o dialeto trentino conseguiu se manter. Mas, de maneira geral, as colônias eram habitadas por pessoas de diferentes partes da Itália, colocando em contato vênetos, lombardos, trentinos e, mais raramente, friulanos. Como havia uma predominância demográfica de vênetos, com o passar do tempo a fala vêneta se sobrepôs às demais, embora incorporasse elementos delas, e foi evoluindo para um linguajar mais geral, formando um dialeto vêneto brasileiro, compreendido por todos os italianos e descendentes da região.[1]

Nas primeiras décadas de imigração, havia grande resistência da comunidade italiana em se misturar com os brasileiros. O processo de integração foi lento. Esse isolamento durou cerca de cinquenta anos, a contar do início da imigração, em 1875.[1] No sul do Brasil, muitas colônias italianas eram situadas em regiões de acesso difícil ou relativamente independentes da população brasileira. Isso criou um isolamento cultural e permitiu a manutenção do uso da fala dialetal italiana por gerações. Tal fato não foi possível, por exemplo, no estado de São Paulo onde, desde o início, os imigrantes italianos tiveram contato diário com a população brasileira local, e seus dialetos foram rapidamente suplantados pela língua portuguesa.[5]

 
Mapa do Rio Grande do Sul. A área de maior concentração dos falantes de talian está entre as regiões 4 e 5

Para o Rio Grande do Sul, houve um fluxo majoritariamente vêneto e lombardo e, na primeira fase, que durou de 1875 a 1910, os imigrantes preservaram seus dialetos regionais vênetos e lombardos, além de falares minoritários trentinos e friulanos. O segundo período iniciou-se a partir de 1910, com a construção da estrada de ferro que liga Caxias do Sul a Porto Alegre. O isolamento começou a ser rompido, aliado ao incremento comercial e industrial. Em consequência, os dialetos menos representativos numericamente foram extintos, ao mesmo tempo que os dialetos lombardos e vênetos se interinfluenciaram, com a predominância dos últimos, surgindo uma fala comum, um koiné, chamado mais tarde de talian.[5]

Durante as primeiras décadas da imigração o italiano conheceu um forte florescimento. Foi ensinado em escolas e usado na imprensa regional, havendo jornais que publicavam exclusivamente em italiano, sem qualquer oposição do governo brasileiro.[5][6][7] Nesta época inicial a imprensa se expressava geralmente no italiano padrão adotado pelo Reino da Itália após sua unificação, pois se voltava para um público amplo, mas difuso no espaço e linguisticamente heterogêneo. Isso representava um problema, pois a maioria dos imigrantes não dominava o italiano padrão e só falava seus dialetos regionais. Já a Igreja Católica, religião da esmagadora maioria dos imigrantes e dotada de notável influência política e social, para bem doutrinar e exercer seu papel pastoral precisava se fazer entender, e, podendo atuar localmente, tendia a privilegiar os dialetos majoritários de cada comunidade, usando-os nos púlpitos, publicando jornais e mantendo muitas escolas e associações comunitárias onde esses dialetos eram reproduzidos, sendo um agente importante para a preservação e padronização linguística, ajudando a fundir as variantes numa língua geral que possibilitasse o entendimento entre todos, sendo, neste sentido, tanto pelo culto em comum como pelo trabalho linguístico, o principal elo agregador na organização social das comunidades. O governo brasileiro inicialmente também era sensível às diferenças, promulgando em 1871 a Lei 771 que mandava a criação de aulas elementares nas colônias onde os professores deviam ser fluentes no dialeto mais usado no local.[5]

O vêneto, como já foi dito, acabou predominando, e teve entre suas primeiras expressões escritas importantes os contos de Carlo Porrini publicados no jornal Corriere d'Italia, e os poemas de Angelo Giusti, autor da letra da canção La Mérica, que se tornou uma espécie de hino da italianidade no sul do Brasil.[5] O primeiro grande monumento literário do talian, contudo, foi Vita e Stòria de Nanetto Pipetta, escrita pelo frei Aquiles Bernardi, publicada em forma de folhetim pelo jornal Staffetta Rio-Grandense entre 1924 e 1925, que foi um grande sucesso entre a população italiana e marcou o início da consolidação da variante que se conheceria como talian. Pouco depois essa situação favorável começaria a mudar.[5][8]

DeclínioEditar

Para muitos imigrantes e a sua primeira geração nascida no Brasil, em vista da situação mais ou menos autossuficiente das colônias, o aprendizado do português não foi visto como uma necessidade absoluta, embora tenham sido atestados muitos casos em que se manifestou interesse por esse aprendizado, na constatação de que a integração no longo prazo era inevitável e o domínio da nova língua facilitaria o progresso econômico e social do italiano. Porém, especialmente entre os mais velhos, houve muitos que jamais chegaram a aprender o português, ou no máximo adquiriram um conhecimento muito rudimentar. Isso produziu um contexto de relativo isolamento cultural e ao mesmo tempo uma consciência da existência de uma comunidade étnica, mas segundo Giralda Seyferth, no interior das colônias não havia um conflito entre uma vinculação primordial com uma nação ou pátria de origem e a condição de brasileiros, tanto que "festejavam-se nas colônias as datas e heróis nacionais dos respectivos países de origem, sem prejuízo de manifestações de patriotismo em relação ao Brasil". Por isso foi possível para os italianos desenvolver uma retórica ufanista e épica claramente baseada na etnicidade, no ethos do trabalho e na milenar herança cultural italiana. Porém, a situação de "enquistamento cultural" começou a preocupar alguns políticos já na República Velha, vendo o programa imigratório do Império como desastroso por introduzir no país grupos estranhos às origens nacionais tradicionalmente portuguesas. Havia ainda outros interesses em jogo. Parte das elites regionais luso-brasileiras percebia como uma ameaça o inconteste sucesso econômico de muitas colônias, a ascensão de italianos a postos de liderança e as suas reivindicações de direitos iguais. Para cercear a competição, negava-se à etnia italiana imigrada a qualidade de brasileiros, montando um discurso de exclusão com forte argumentação nacionalista.[9]

Com a instalação do Estado Novo, passou-se a culpar a República Velha por não ter resolvido uma questão que agora adquiria a dimensão de "problema de segurança nacional". Este movimento político-ideológico foi a base da criação da campanha de nacionalização, que instituiu o aprendizado obrigatório do português e proibiu o uso da fala dialetal italiana. Outros grupos imigrantes também foram afetados da mesma maneira.[9] Os italianos passaram a ser vistos como potenciais traidores da Pátria brasileira e houve grande repressão policial nas colônias contra o uso do dialeto. Pessoas foram presas e até espancadas pela polícia ao serem pegas falando dialeto nas ruas, nomes italianos de locais, acidentes geográficos, logradouros públicos, associações, clubes e municípios foram mudados para nomes brasileiros, e reduzida ao silêncio, toda a estrutura da sociabilidade, da memória, da identidade e da cultura das comunidades coloniais foi seriamente comprometida.[5][8][7] Durante a II Guerra Mundial, quando o Brasil se tornou inimigo da Itália, a repressão atingiu níveis ainda mais duros. Segundo Cunha & Gabardo, "os cidadãos italianos e seus descendentes, em sua grande maioria, aceitam essa repressão para poderem se sentir integrados na nova realidade, na nova pátria. Em muitos casos há a negação da identidade italiana como forma de aceitação, integração e pertencimento".[7] As consequências desse programa de nacionalização forçada ainda são perceptíveis na atualidade.[5]

No mesmo período, formava-se um novo grupo de descendentes de italianos, mais urbanos e enriquecidos, que menosprezavam o dialeto e davam preferência ao português, enxergando o falante de talian como um colono grosso e rural, inferiorizando-o socialmente. Todos esses fatores levaram à criação de um estigma de ser falante de talian e os pais muitas vezes optavam por não transmitir a língua a seus filhos, para evitar que estes fossem estigmatizados ou motivo de chacota nas escolas por não falarem bem o português ou por falá-lo com um sotaque italiano. O êxodo rural também contribuiu para o declínio no uso da fala dialetal, pois nos centros urbanos a língua portuguesa era dominante e as gerações nascidas no meio urbano, muitas vezes fruto de casamentos com brasileiros, não adquirem o talian como língua materna.[5]

O censo de 1950 mostrou que, dos 458 mil falantes de italiano no Brasil, 64,62% viviam no Rio Grande do Sul, 20,87% em Santa Catarina e 9,99% em São Paulo, mas o uso do dialeto vai-se perdendo ao longo das gerações. A primeira e a segunda gerações nascidas no Brasil costumam falar o dialeto, mas a partir da terceira já começa a haver a perda gradual do uso, por meio do bilinguismo com o português. Na quarta geração o dialeto é apenas uma memória familiar e na quinta desaparece a memória também.[5]

Pessoas que usavam o italiano no lar, por gerações, no censo de 1940[10]
Gerações Número de falantes
Primeira (imigrantes) 53.000
Segunda (filhos) 120.000
Terceira e seguintes (netos, bisnetos etc.) 285.000
Total 458.000

RecuperaçãoEditar

Entre as décadas de 1930 e 1960 o talian experimentou um declínio constante e acentuado.[5] Um movimento de resgate se articulou a partir da década de 1970, quando foi comemorado com grandes festividades o centenário da imigração italiana,[7] coincidindo com o despertar do interesse acadêmico sobre a italianidade no Brasil.[5] Desde então têm sido feitos vários esforços no sentido de recuperar a prática do talian, com significativo sucesso.[11][8] Em 1989 ocorreu o primeiro encontro dos escritores de talian na Società Taliana Massolin dei Fiori, em Porto Alegre, quando surge a proposta de padronização da língua, que tomaria forma concreta através da Comissão de Estudo para Unificação Gráfica do Talian, criada em 1993.[5] Foi nesta época que Júlio Posenato propôs que se chamasse oficialmente o dialeto, até então geralmente chamado "vêneto brasileiro", de "talian", denominação que foi endossada pelo grande estudioso e lexicógrafo Darcy Luzzatto e acabou se consagrando.[12] Além destes dois entusiastas, deram contribuições notáveis, entre muitos outros, frei Rovílio Costa, frei Alberto Vítor Stawinski, João Leonir Dall'Alba, Ítalo Balen, Honório Tonial, José Clemente Pozenato, Luis De Boni, Itálico Marcon, Mário Gardelin e Arlindo Battistel, produzindo literatura nova em talian, estudos científicos, compilações de narrativas tradicionais ou apoiando movimentos comunitários e ensinando.[5][8]

Em 2009 os Governos do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina incluíram o talian no rol do Patrimônio Histórico e Cultural dos respectivos estados.[13][14] O município de Serafina Corrêa foi o primeiro no Brasil a declarar o talian como idioma co-oficial no município, ao lado do português, em 2010.[8] Em 2014, o talian foi reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) como Referência Cultural Brasileira, além de ser incluído no Inventário Nacional da Diversidade Linguística, conquistas que tiveram como principais responsáveis José Clemente Pozenato e Honório Tonial.[15][16] No mesmo ano, no Seminário Ibero Americano da Diversidade Linguística, realizado em Foz do Iguaçu, houve um consenso de que o talian pertence ao patrimônio imaterial e cultural do Brasil.[17]

O talian adquiriu elementos necessários para sua caracterização como língua, considerada a mais nova língua neolatina,[18] com uso comprovado por um grupo populacional definido, uma redação mais ou menos estável, uma sintaxe, um sistema fonológico-ortográfico e uma conformação morfo-léxica fixados em gramáticas e dicionários, além de ter uma literatura, uma memória tradicional e uma história contínua.[8]

Segundo a pesquisadora Giorgia Miazzo, atualmente é falado por pelo menos um milhão de pessoas, empregado cotidianamente no trabalho, na educação, em meios de comunicação, festas comunitárias, celebrações religiosas e outras formas.[8] Mais de cem emissoras de rádio e diversas emissoras de TV e jornais publicam em talian.[8] Existem estações de rádio que transmitem algumas horas de sua programação em talian em vários municípios do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, e algumas do Espírito Santo,[19] Paraná e Mato Grosso.[20][21] A internet se revelou um poderoso aliado na preservação e divulgação da língua, que segundo Ribeiro & Maggio "atravessa um período de grande produtividade".[17]

Em 2015 foi lançado o documentário Brasil Talian, produzido entre 2011 e 2014 com apoio da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura, com depoimentos de mais de vinte pessoas e com gravações realizadas em Caxias do Sul, Flores da Cunha, Nova Pádua e Antônio Prado, além de colônias de imigrantes no Estado do Espírito Santo (Venda Nova do Imigrante e Santa Tereza) e em cidades da Itália (Veneza, Trento, Génova e Vicenza).[22] Apesar desse movimento, que devolveu aos descendentes dos italianos muito da sua auto-estima, o estigma do tempo da repressão e a vergonha no uso do talian ainda são visíveis em vários contextos.[5][23]

CaracterísticasEditar

O vêneto falado no sul do Brasil e no Espírito Santo é arcaico quando comparado ao vêneto falado atualmente na Itália, pois é semelhante ao usado no século XIX. Ademais, com o advento da rádio e da televisão, começou uma forte interferência da língua portuguesa no vêneto falado pelos imigrantes no Brasil. Em decorrência, o vêneto brasileiro evoluiu de forma diferente da variedade falada na Itália, uma vez que incorporou itens lexicais do português e se manteve ligado à maneira como era falado no século XIX. Assim, usa-se o termo talian para diferenciar o vêneto falado no Brasil do dialeto vêneto hoje usado na Itália.[1] Contudo, o talian não é considerado um dialeto crioulo italiano, mas sim uma variante brasileira do dialeto vêneto.

Apesar de já haver várias gramáticas e dicionários e um movimento para sua uniformização, o talian não se tornou uma língua inteiramente homogênea e continua evoluindo — é uma língua viva.[17] Seu uso ainda é predominantemente oral e seu território de ocorrência é muito fragmentado, resultando em uma significativa variabilidade linguística, um reflexo do seu próprio processo formativo, em que sofreu transformações e influências diferenciadas nas várias regiões brasileiras onde ocorre, sendo diferente o falado no Rio Grande do Sul daquele falado, por exemplo, no Paraná. Mesmo dentro de uma mesma comunidade pode haver variações.[24][25]

Palavras em talian[24]
Palavra no talian Palavra no italiano padrão Palavra em português
mi io eu
ti / te tu tu / você
lu / el / elo lui ele
noaltri / noantri noi nós
voaltri / valtri / voalti voi vós
lori loro eles
bambin / putel / fantolin bambino criança
fòja / fógia foglia folha
côa / coda coda cauda / rabo
cavel / cavegio / caigio capello cabelo
recia orecchia orelha
sufiar / supiare soffiare soprar
tajar / taiar tagliare talhar / cortar
pióva pioggia chuva

Amostra de texto:

O Pai Nosso em talian [26]
Em talian Em português
Pupà nostro che stai nel cielo, Pai nosso que estais no Céu,
Santificà sìa el tuo nome, Santificado seja o Vosso Nome,
Vegna a noantri el vostro regno, Venha a nós o Vosso Reino,
Sia fata la tua volontà, Seja feita a Vossa Vontade,
Coss`in tera come nel cielo. Assim na Terra como no Céu.
Dai a noantri el pan de cada giorno O pão de cada dia nos dai hoje
Perdona i nostri pecati, Perdoai os nossos pecados,
Come noantri perdonemo a quei che noi ga ofendesto Assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido
E non assar che caschemo in tentassion, E não nos deixeis cair em tentação,
Ma liberta noantri de tuto el mal. Amem. Mas livrai-nos de todo o mal. Amém.

Amostra de texto:

Trecho de La casa vècia dei Noni (A casa velha dos avós), de Ademar Lizot [27]
Em talian Em português
La casa vècia dei mei antenati riposa calma par sora i monti ntela sera gaussa. Adesso visina a ela nò esiste più el giardin dela nona Carolina e, gnanca el vigal del nono Umberto, dentro dele so parede vode la guarda solche i segreti del passà. Dela cosina nò se sente pi el odor del formaio e gnanca del fogon el brustolamento dela polenta e, cossì sbandonada la ga la someiansa de na sentenària signora, co'l viso pien de rughe e òcii persi ntel infinito, ma l'é ancora davanti dele so parede che vàu in serca dele mie radise, par mèio capir la mia orìgene e, anca par domandarghe se Ela recognosse ntel mio viso qualche segno, qualche indìssio dela brava gente che la ga visto nasser e morir. [...] A velha casa de meus avós repousa calma sobre os montes da Serra Gaúcha. Agora em seu entorno não existe mais o jardim da avó Carolina e nem o parreiral do avô Umberto, dentro de suas paredes vazias, guarda somente os segredos do passado. Da cozinha não se sente mais o cheiro do queijo e nem do fogão a tostar polenta, e, assim abandonada, tem a aparência de uma senhora centenária, com o rosto cheio de rugas e o olhar perdido no infinito, mas é então em frente de suas paredes que vou em busca das minhas raízes, para melhor entender a minha origem, e também para perguntar se Ela reconhece em meu rosto algum sinal, algum indício da brava gente que Ela viu nascer e morrer. [...]

O talian absorveu, e continua a absorver, diversas influências da língua portuguesa. A maioria dos empréstimos do português vem da denominação de usos e costumes que não existiam na Itália, incluindo jargão técnico, profissional, comercial e administrativo, assim como nomes de objetos, alimentos, animais e plantas típicos do Brasil.[8][1] Em função do contato com o português, o talian se distancia parcialmente do dialeto vêneto atualmente falado na Itália.[28] Todavia, apesar dos brasileirismos presentes no talian, ele é ainda muito próximo ao dialeto vêneto usado na Itália, sendo ambas as variedades linguísticas inteligíveis entre si.[1]

Nas palavras emprestadas do português observa-se em geral a substituição das consoantes fricativas chiantes pelas consoantes fricativas sibilantes ("o chapéu está embaixo da mesa" é pronunciado "o sapeu esta embaso da meza"); a vibrante múltipla é substituída pela vibrante simples (carroça > karosa; terra > tera); o ditongo nasal é substituído pela vogal posterior, média fechada, nasal (coração > coraçon; então > enton), e a vogal central, média, fechada, nasal é substituída pela vogal central, média, aberta nasal (canta > kánta; campo > kámpo).[23]

Exemplos da influência do português no talian[28]
Palavra no talian Palavra no vêneto original Palavra no italiano padrão Palavra em português
Bolo Torta Torta, dolce Bolo
Caro, auto Machina, auto Macchina, auto Carro
Coraçon Cor, core Cuore Coração
Galignero Punaro ou punèr Pollaio Galinheiro
Garafa Butiglia Bottiglia Garrafa
Inton, alora Alora Allora Então
Praia Spiaia Spiaggia Praia
Sapatero, scarpèr Caleghèr ou scaporlin Calzolaio Sapateiro
Sià, scià Chá
Simarón, Scimarón - - Chimarrão
Sorasco, chorasco - - Churrasco
Verón Istá Estate Verão
Como non! Certo! Certamente! Sicuramente! Certo! Certamente! Sicuramente! Como não!

Língua oficialEditar

 
Municípios em que o talian é co-oficial no Rio Grande do Sul.

Municípios brasileiros que possuem língua co-oficial talian (ou língua vêneta)Editar

Estados brasileiros em que o talian possui status de patrimônio histórico e culturalEditar

Ver tambémEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Provérbios em Talian

Referências

  1. a b c d e f g Mengarda, Elias José. "Gênese e Evolução dos Dialetos Trentino e Vêneto". In: Working Papers em Linguística, 2001; 5 (1)
  2. Sarah Loriato (2014). «Northern Italian dialects in Santa Teresa, Brazil». 36th LAUD Symposium. University of Koblenz/Landau. Arquivado do original em 22 de julho de 2015 
  3. «Dialeto falado por imigrantes italianos é reconhecido como patrimônio nacional». Globo Play. 20 de novembro de 2014 
  4. Colônias do interior do PR falam idioma que não existe mais nem em outros países
  5. a b c d e f g h i j k l m n o p Pertile, Marley Terezinha (2009). «O Talian entre o italiano-padrão e o português brasileiro: manutenção e substituição linguística no Alto Uruguai gaúcho.» (PDF). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Consultado em 19 de janeiro de 2014 
  6. Pozenato, Kenia Maria Menegotto & Giron, Loraine Slomp. 100 Anos de Imprensa Regional 1897-1987. EDUCS, 2004
  7. a b c d Cunha, Karine Marielly Rocha da & Gabardo, Diego. "Talian: língua negada e (re)conhecida pelos descendentes vênetos de Curitiba e região metropolitana". In: Revista X, 2020; 15 (6)
  8. a b c d e f g h i Miazzo, Giorgia. "Afinal, o que é o Talian?" In: Revista Italiano — UERJ, 2011; 2 (1)
  9. a b Seyferth, Giralda. "As identidades dos imigrantes e o melting pot nacional". In: Horizontes Antropológicos, 2000; 6 (14)
  10. Recenseamento Geral do Brasil, vol. II. IBGE, 1950
  11. "Moradores da Serra Gaúcha tentam salvar o dialeto talian da extinção". Zero Hora, 08/11/2014
  12. Luzzatto, Darcy Loss. El nostro parlar. Sagra Luzzatto, 1993, pp. 22-23
  13. "Governadora sanciona lei que declara o Talian dialeto integrante do patrimônio do RS". Governo do Estado do Rio Grande do Sul, 12/06/2009
  14. "Dialeto Talian é integrante do patrimônio histórico e cultural do Estado". Agência AL, 14/10/2009
  15. "Talian é reconhecido pelo Iphan como referência cultural brasileira". Pioneiro, 14/11/2014
  16. Bolson, Bibiana. "Dialeto de imigrantes italianos se torna patrimônio brasileiro". Portal G1, 20/11/2014
  17. a b c Ribeiro, Alessandra Regina & Maggio, Giliola. "Contexto histórico da formação do Talian: algumas considerações". In: Revista de Italianística, 2019 (XXXVIII)
  18. "Projeto Resgate Histórico-Linguístico-Cultural da Língua Talian na Quarta Colônia de Imigração Italiana do Estado do Rio Grande do Sul". Universidade Federal de Santa Maria, 2017
  19. «Sarah, dal Brasile a Sona per studiare il dialetto veneto». Il Baco da Seta. 25 de agosto de 2014. Arquivado do original em 22 de julho de 2015 
  20. «Neste final de semana Antônio Prado sedia o 16º Encontro dos divulgadores do Talian». Consultado em 25 de novembro de 2012. Arquivado do original em 29 de novembro de 2014 
  21. Maraccini, Jéssica Martins. O Talian: Os processos de transmissão e manutenção linguística da comunidade ítalo-gaúcha-norte-mato-grossense. Universidade do Estado de Mato Grosso, 2014, p. 20
  22. "Documentário ‘Brasil Talian‘ inspira reflexão sobre a língua no Brasil". O Florense, 13/03/2015
  23. a b Oliboni, Bernardete Soldatelli. "A estigmatização como fator determinante dos bloqueios de fala de descendentes de imigrantes italianos do nordeste do Rio Grande do Sul". In: Ideas 2ª Epoca — Revista de la Escuela de Lenguas Modernas, 2004; 1 (2)
  24. a b Pozenato, José Clemente (coord.). Relatório final do projeto-piloto Inventário do Talian. Instituto Vêneto - Associação Cultural Educacional Novo Vêneto / Universidade de Caxias do Sul, 2010
  25. Balthasar, Luciana Lanhi & Santos, Jovania Maria Perin. "Material didático para o ensino de Talian como língua de herança no Brasil". In: Revista X, 2020; 15 (6)
  26. "Pupà nostro - Pai nosso em Talian (vìdio)". Brasil Talian, mar/2017
  27. Lizot, Ademar. "La Casa Vècia dei Noni". Brasil Talian, 08/03/2021
  28. a b «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 7 de abril de 2012. Arquivado do original (PDF) em 10 de outubro de 2010 
  29. Lei municipal Nº 3017, de 28 de setembro de 2016
  30. «Lei Ordinária 2451 2021 de Barão RS». leismunicipais.com.br. Consultado em 24 de maio de 2021. Cópia arquivada em 3 de junho de 2020 
  31. «Câmara Bento – Projeto do Executivo é aprovado e Talian se torna a língua co-oficial». Consultado em 10 de junho de 2016. Arquivado do original em 9 de junho de 2016 
  32. a b c d Línguas cooficializadas nos municípios brasileiros, Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística (IPOL)
  33. «Lei confirma o Talian como segunda língua oficial de Caxias do Sul». Consultado em 30 de março de 2019. Cópia arquivada em 30 de março de 2019 
  34. Lei de Instituição do Talian - Lei Nº 1.922 de 10 de junho de 2016
  35. «Talian é língua cooficial de Flores da Cunha». Consultado em 14 de junho de 2016. Arquivado do original em 15 de junho de 2016 
  36. Lista de línguas cooficiais em municípios brasileiros em 2021, Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística
  37. Lei Nº 1.868, de 17 de dezembro de 2020 - Dispõe sobre a cooficialização das línguas talian e hunsrückisch no município de Ipumirim - SC.
  38. Página 27 do Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (FAMURS) de 12 de Abril de 2018, dispõe sobre a cooficialiização da língua Talian (vêneto brasileiro) à língua portuguesa no município de Ivorá-RS
  39. Cooficialização do Talian - Nova Erechim, SC
  40. Lei Nº 1310 de 16 de outubro de 2015 - Dispõe sobre a cooficialização da língua do "talian", à língua portuguesa, no município de Nova Roma do Sul"
  41. Talian: protagonismo na luta pelo reconhecimento cultural e fortalecimento pela lei de cooficialização
  42. Vereadores aprovam o talian como língua co-oficial do município, acessado em 21 de agosto de 2011
  43. «Lei nº 14.951, de 11 de novembro de 2009». https://www.sc.gov.br/. Consultado em 3 de junho de 2021. Cópia arquivada em 3 de junho de 2020 
  44. Aprovado projeto que declara o Talian como patrimônio do RS Arquivado em 27 de janeiro de 2012, no Wayback Machine., acessado em 21 de agosto de 2011

Ligações externasEditar