Trazendo a Arca

Trazendo a Arca
Trazendo a Arca em turnê nos EUA em 2011.
Informação geral
Origem Nova Iguaçu, Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Música cristã contemporânea, pop rock, canto congregacional, soft rock
Período em atividade 2006–2019
2020 (reunião)
Gravadora(s) Independente (2017–atualmente)
Sony Music Brasil (2014–2016)
CanZion Brasil (2012–2013)
Graça Music (2010–2012)
Independente (2006–2010)
Afiliação(ões) Aline Barros, Kleber Lucas, Pregador Luo, Ana Nóbrega
Integrantes Luiz Arcanjo
Davi Sacer
Ronald Fonseca
Verônica Sacer
André Mattos
Deco Rodrigues
Isaac Ramos
Página oficial trazendoaarca.com

Trazendo a Arca é uma banda brasileira de música cristã contemporânea formada no final de 2006 na cidade de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. Originou-se como uma dissidência do Apascentar de Louvor (antigo Toque no Altar), principal grupo de louvor da igreja evangélica Ministério Apascentar. Considerado um dos conjuntos musicais de maior sucesso e destaque no cenário evangélico, ao longo de sua história, mesclou o canto congregacional com o pop rock e tornou-se um dos recordistas de vendas de discos no Brasil.

Surgido em torno de uma das disputas judiciais mais notórias da música brasileira, os integrantes do Trazendo a Arca já eram notáveis desde sua trajetória na banda Toque no Altar. Nela, a banda ganhou destaque pela parceria entre os vocalistas Luiz Arcanjo e Davi Sacer que, ao lado do tecladista Ronald Fonseca e do baixista Deco Rodrigues, escreveram sucessos como "Restitui", "Deus de Promessas" e "Tua Graça me Basta", e álbuns de relevância no cenário evangélico, como Toque no Altar (2004) e Olha pra Mim (2006). Em novembro de 2006, o Toque no Altar sofreu uma cisão, o que fez com que sete dos integrantes formassem uma nova banda.

Em 2007, sob polêmicas e acusações, o Trazendo a Arca lançou o álbum Marca da Promessa, maior sucesso evangélico do ano. Com maior estabilidade, o grupo lançou projetos de notoriedade no segmento religioso, incluindo o DVD Ao Vivo no Maracanãzinho (2008) e um disco ao vivo no Japão. Em 2010, Davi e Verônica Sacer deixaram o grupo para seguir carreira solo e a banda seguiu como um quinteto. Em 2012, foi a vez do tecladista e produtor Ronald Fonseca também a deixar, fazendo com que Arcanjo, Rodrigues, André Mattos e Isaac Ramos serem os únicos a permanecer até o final. Após várias colaborações e reaproximações, a formação clássica do grupo se reuniu em um show em 2020.

Com cerca de 8 milhões de cópias vendidas durante a carreira, o Trazendo a Arca foi um dos maiores sucessos comerciais da música evangélica brasileira. Também foi um sucesso de público e crítica: Sua combinação de gêneros como pop rock e soft rock com influências congregacionais gerou influência significativa em igrejas evangélicas brasileiras na década de 2000. Foi uma das bandas recordistas do prêmio Troféu Talento, incluindo a vitória por quatro anos consecutivos na principal categoria, Música do Ano. A banda também venceu o Troféu Promessas em 2011. Além disso, foi um dos poucos artistas religiosos brasileiros a fazer um trabalho audiovisual no exterior, o DVD Live in Orlando (2011).

EtimologiaEditar

O termo escolhido para batizar o grupo musical, "Trazendo a Arca", surgiu a partir da canção homônima, que fez parte do álbum Olha pra Mim, de 2006. Sua letra referência à passagem bíblica contida entre os versículos 1 e 13 do capítulo seis do Segundo Livro de Samuel. O trecho narra o difícil transporte da Arca da Aliança da casa de Abinadabe, onde estava guardada há 20 anos, até a cidade de Jerusalém, em Israel. Após um incidente ao longo do trajeto, no qual Uzá perdeu a vida por ter tocado o objeto sagrado, o traslado foi interrompido por três meses, período no qual a arca ficou na casa de Obede-Edom. Até que o Rei Davi foi busca-la para enfim "trazê-la" a seu destino, Jerusalém.[1]

Essa passagem inspirou o slogan do grupo lançado em 2006, que diz: “Tem que ser nos ombros de alguém que é forte, que suporte o peso apesar da distância, que esteja disposto a ser marcado, e a cada seis passos tem que ter... sacrifício”.[1]

HistóriaEditar

2002–2006: Toque no AltarEditar

 Ver artigo principal: Apascentar de Louvor

Em janeiro de 2002, sob liderança do pastor Marcus Gregório, foi formado um grupo musical de louvor a tempo integral, chamado Toque no Altar.[2] Neste conjunto, os integrantes do Trazendo a Arca lançaram seis álbuns: Toque no Altar, Restituição, Deus de Promessas , Olha pra Mim, Toque no Altar e Restituição e Deus de Promessas - Ao Vivo. Os quatro primeiros venderam mais de 600 mil cópias.[3][4][5][6][7][8][9] No mesmo período, foram ainda distribuídos dois trabalhos em DVD; um deles vendeu mais de trinta mil no lançamento.[10] Somaram quase dois milhões de cópias vendidas em três anos de carreira,[11] além das diversas premiações no Troféu Talento nos anos de 2005,[12] 2006[13] e 2007.[14]

2006–2007: A divisãoEditar

Nos últimos meses de 2006, Marcus Gregório criou uma estrutura comercial para a distribuição dos produtos do Toque no Altar, a gravadora Toque no Altar Music, e Maurício Soares, antigo diretor da Line Records, se tornou o diretor da empresa. O projeto era que, a partir do sucesso da banda, a gravadora estivesse responsável por lançar e gerenciar a carreira de outros artistas. Por conta das novas direções comerciais tomadas pela cúpula da igreja e as discordâncias em torno da decisão por parte dos integrantes da banda, surgiu-se um impasse. Sete integrantes que discordavam afirmaram que tentaram dialogar com Marcus Gregório. Mas que, na sua recusa a discutir a situação, sair da igreja era a única solução.[11][15] Soares, por meio da Toque no Altar Music, publicou uma nota. Nela, informou o posicionamento da gravadora acerca da ação dos músicos e a separação do conjunto, a qual gerou, inclusive, um imbróglio judicial, iniciado por uma suposta quebra de contrato que se estenderia até abril de 2011.[16][17]

Um dos motivos de nossa saída é que se entrar no site do Toque no Altar você verá que hoje é uma gravadora, fato que não chegou ao nosso conhecimento, só descobrimos quando já estava tudo decidido, se esta é uma visão do Pr. Marcus nós respeitamos; mas só que não é a nossa, a essência não foi essa, Deus não nos chamou para sermos uma gravadora. Há 88 dias tentamos essa conversa com o Pr. Marcus Gregório sobre estes e outros motivos, que nos decepcionaram muito, mas ele se negou a responder, e por último lhe perguntamos se haveria mudança, e infelizmente o que ouvimos era que não haveria.
— Verônica Sacer, em carta pública divulgada em 2007.[15]

Após sua divulgação, por meio de uma carta, Davi Sacer também se manifestou publicamente para falar sobre sua saída da banda. O motivo dado pelo cantor foi que o Toque no Altar havia se tornado uma gravadora. Para ele, o objetivo da banda, desde o início, era "ser apenas um ministério de uma igreja local".[18] Em uma entrevista, Luiz Arcanjo disse que "Deus nos deu uma palavra para que nós recomeçássemos, para que reconstruíssemos alguns valores que haviam sido perdidos ao longo do tempo, ao longo desses anos de Ministério. Então nós decidimos zerar a partida e começar tudo de novo".[19]

Em abril daquele ano, foi lançada a página oficial do Trazendo a Arca, que foi a primeira manifestação pública do grupo dissidente após o fato.[20] No mês seguinte, Flávia Marques Farias, advogada do Trazendo a Arca, esclareceu a relação do conjunto com o Toque no Altar através de uma nota, argumentando que na história da música nacional, vários músicos deixaram suas bandas para seguirem outros projetos musicais.[21]

Além dos processos judiciais, os integrantes do Trazendo a Arca receberam críticas negativas do público e da mídia, sendo chamados de "mercenários" e "rebeldes".[22] Também, em defesa de Marcus Gregório, o pastor Silas Malafaia os criticou em uma de suas pregações televisivas.[23] Segundo o vocalista Davi Sacer, o momento atravessado pela banda foi conturbado, no qual os membros quase optaram por encerrar as atividades. O intérprete, em entrevista, ainda afirmou que, através do ocorrido, conheceu um lado sombrio de protestantes, em relação aos interesses de líderes religiosos, envolvendo "politicagens" e "favorecimentos" para suas instituições.[22]

2007–2010: Formação clássicaEditar

Antes mesmo de lançar seu primeiro álbum como Trazendo a Arca, a banda recebeu convites e propostas comerciais de várias gravadoras e distribuidoras evangélicas.[22] No entanto, os integrantes optaram por criar um selo independente, chamado Marcas da Promessa Distribuição.[24]

O álbum Marca da Promessa, segundo Luiz Arcanjo, foi gerado a partir de músicas que não couberam no álbum Olha pra Mim.[25] O repertório foi formado por oito canções, incluindo duas regravações de autoria dos integrantes – "Na Corte do Egito", gravada por Fernanda Brum em 2006[26] e "Sobre as Águas", gravada por Soraya Moraes também em 2006 – e outras inéditas. Outra canção gravada para o disco foi a regravação de "Caminho de Milagres", lançada originalmente por Aline Barros no mesmo ano, mas a banda decidiu não incluí-la no disco. A faixa-título, "Marca da Promessa", contou com duas versões. Na época, Arcanjo disse que o repertório do álbum era sobre "mudança de sorte, baseado no texto bíblico de Sofonias, capítulo 3".[19]

O projeto foi lançado em junho de 2007.[1] Apesar de ter sido lançado de forma independente,[24] Marca da Promessa foi um sucesso comercial imediato: Em apenas uma semana já estava em primeiro lugar entre os projetos evangélicos mais vendidos do Brasil e a faixa-título se tornou a mais tocada nas rádios gospel do Brasil.[27] O álbum, em um ano, vendeu meio milhão de cópias.[28][29] O projeto também foi recebido de forma favorável pela crítica.[30][31]

Ainda durante o ano de 2007, o Trazendo a Arca viajou por Israel, Inglaterra, França, Portugal e Japão. No Japão, o conjunto gravou nos dias 15, 16 e 17 de agosto, na cidade de Nagoya, o álbum Ao Vivo no Japão. O trabalho incluiu músicas gravadas anteriormente pelo Toque no Altar, além de "Me Rendo", a única canção inédita.[32] O projeto foi lançado em setembro do mesmo ano, na Expocristã.[33] Apesar de ser um trabalho de regravações,[34] vendeu mais de quarenta mil cópias.[35] No final de 2007, a banda apresentou-se no Programa Raul Gil, onde receberam disco de platina por 150 mil cópias vendidas de Marca da Promessa.[27][36][37]

 
Trazendo a Arca, durante apresentação em Orlando, em 2008.

Em 2008, o Trazendo a Arca se preparou para a gravação de um DVD que reuniria o repertório de Marca da Promessa com o álbum Olha pra Mim. A banda escolheu a cidade do Rio de Janeiro para a produção de Ao Vivo no Maracanãzinho. O projeto, que contou com direção de vídeo de Hugo Pessoa, reuniu canções como "Sobre as Águas", "Tua Graça me Basta", "O Chão Vai Tremer" e "Celebre". Apesar de ser gravado num ginásio, um espaço não típico para shows musicais, a apresentação foi considerada a maior produção do segmento evangélico já realizada no Brasil até aquele momento.[38][39]

O projeto contou com entrada franca. Os ingressos esgotaram em cinco dias e o show reuniu 18 mil pessoas dentro do ginásio. No entanto, por problemas com a administração do local, que restringiu a entrada de parte do público, mais de 5 mil pessoas com ingresso ficaram do lado de fora.[40] Em desculpas, a banda prometeu presentear aos ingressantes com uma edição do DVD.[41] A entrada para participar do evento foi de um quilo de alimento não perecível; os mais de dez mil quilos arrecadados foram enviados para municípios carentes da região do Vale do Jequitinhonha, no norte de Minas Gerais e para o Morro do Borel, no Rio de Janeiro.[42][43] Em 2009, o projeto foi premiado no Troféu Talento na categoria Melhor DVD.[44] No final do mesmo ano, foram lançados dois álbuns com as músicas do DVD registradas no formato CD.[45][46]

Por ter se focado em lançar um DVD ao invés de um projeto inédito em 2008, os integrantes do Trazendo a Arca trabalharam em vários outros projetos ao longo do ano. Luiz Arcanjo escreveu, ao lado do rapper Pregador Luo, a canção "Já Posso Suportar". A faixa, que fez parte do álbum Música de Guerra - 1ª Missão, contou com a participação de toda a banda[47] e se tornou um dos maiores sucessos da carreira solo de Luo.[48] Davi Sacer lançou, em setembro daquele ano, seu primeiro álbum solo, chamado Deus não Falhará, que contou com produção de Ronald Fonseca e participação de todos os integrantes do Trazendo a Arca, exceto Isaac Ramos.[49][50]

 
Salmos e Cânticos Espirituais foi o último álbum do Trazendo a Arca com a participação de Davi Sacer.

No início de 2009, a banda começou a trabalhar em um disco inédito, chamado Pra Tocar no Manto.[51] O projeto diferenciou-se dos anteriores por ter todas as composições escritas por Luiz Arcanjo, parte delas com co-autoria de Davi Sacer, Ronald Fonseca e Deco Rodrigues. Arcanjo ainda escreveu duas canções com participação do cantor e compositor Kleber Lucas – "Invoca-me" e "Cruz" – e afirmou que era o projeto mais maduro que a banda já tinha feito.[52] O músico disse também, anos depois, que as letras do trabalho refletiam uma inquietação dos integrantes com "a superficialidade do evangelho vivido em muitas das igrejas".[53] O projeto foi um sucesso comercial como os anteriores, vendeu quarenta mil cópias em dois meses[54] e teve, como destaque, as músicas "Pra Tocar no Manto" e "Serás Sempre Deus". Esta última, ao longo dos anos, se tornou um dos maiores sucessos da banda.[32]

Logo após o lançamento de Pra Tocar no Manto, Davi Sacer anunciou, por meio do site da banda, o lançamento de um disco baseado nos Salmos. Os integrantes do Trazendo a Arca compuseram e gravaram a obra simultaneamente, sob a produção de Ronald Fonseca em parceria com o tecladista Wagner Derek.[55] Salmos e Cânticos Espirituais foi lançado em dezembro de 2009.[56] No mesmo mês, Luiz Arcanjo lançou seu primeiro álbum solo, com repertório de músicas influenciadas por gêneros como a MPB, samba e soul.[57][58]

Ainda em dezembro de 2009, o Trazendo a Arca encerrou os vinte e dois processos contra o Ministério Apascentar que estavam em andamento por meio de uma reconciliação com Marcus Gregório. No encontro, estiveram todos os integrantes do conjunto e os pastores Silas Malafaia, Marcus Gregório e Jabes de Alencar.[59] A partir daquela época, Davi e Verônica Sacer voltaram a frequentar os cultos do Ministério Apascentar e iniciaram uma reaproximação com a antiga igreja de forma que,[60] em 10 de abril de 2010, o casal anunciasse saída do Trazendo a Arca para que Davi seguisse carreira solo. A decisão se deu de forma amigável entre os integrantes, segundo Luiz Arcanjo e Davi Sacer.[61][62][63]

Entre o período de lançamento de Salmos e Cânticos Espirituais e a saída de Davi e Verônica Sacer, a banda continuou escrevendo canções inéditas para um futuro álbum. Mas, na dificuldade de conciliar agendas e o gerenciamento do selo independente, o grupo decidiu fechar contrato com alguma gravadora. A banda visitou várias, incluindo uma visita publicamente divulgada pela gravadora MK Music, um mês antes da saída do casal Sacer. No entanto, o grupo acabou fechando contrato com a gravadora Graça Music. O anúncio se deu no final do mês de abril.[64]

2010–2012: Trazendo a Arca como quintetoEditar

 
Luiz Arcanjo, no Jesus Vida Verão, em janeiro de 2012.

Originalmente, o plano do Trazendo a Arca para aquele período era gravar um DVD numa cidade da região nordeste do Brasil para reunir o repertório de Pra Tocar no Manto e Salmos e Cânticos Espirituais.[55] No entanto, com a saída de Davi e Verônica Sacer e o contrato artístico assinado com a Graça Music, a banda resolveu trabalhar em um disco inédito para o mesmo ano e deixar a gravação de um DVD para o futuro.[65] O trabalho foi desenvolvido com maior parceria entre Luiz Arcanjo e Ronald Fonseca, que assinaram a maior parte das músicas. Um mês antes do lançamento do álbum, foi lançada a música "Entre a Fé e a Razão".[66] Em dezembro, foi lançado o álbum Entre a Fé e a Razão. O projeto foi um sucesso comercial, e vendeu quarenta mil cópias em dez dias,[67][68] o que fez com que fosse o mais vendido da carreira da banda após Marca da Promessa.[69]

Em 2011, os integrantes do Trazendo a Arca focaram em outros projetos. Luiz Arcanjo gravou um clipe para o seu álbum solo lançado em 2009 e a banda participou do álbum Minhas Canções na Voz dos Melhores - Volume 4 com a inédita "A Jesus Seguirei".[70] Além disso, a banda recebeu indicações ao prêmio Troféu Promessas com o álbum Entre a Fé e a Razão. O grupo venceu na categoria Melhor grupo.[71][72][73][74]

Em julho de 2011, o Trazendo a Arca gravou em Orlando, na Flórida, Estados Unidos, o álbum ao vivo Live in Orlando. Com um público de mais de 3 mil pessoas, o projeto reuniu canções dos álbuns Pra Tocar no Manto, Salmos e Cânticos Espirituais e Entre a Fé e a Razão.[75][76] Lançado em dezembro de 2011, o show de lançamento do projeto se deu no evento Jesus Vida Verão.[77]

Em junho de 2012, a banda promoveu um show para comemorar 10 anos de formação do grupo desde o Toque no Altar. O show foi realizado em Campo Grande, no Rio de Janeiro e contou com as participações especiais de Marcus Salles, Kleber Lucas e Fernanda Brum.[78]

Em agosto, o grupo fechou um contrato de três discos com a gravadora CanZion Brasil,[79] com o objetivo de lançar um álbum em espanhol. Em comemoração dos 10 anos da banda foi lançada a coletânea 10 Anos, um álbum triplo contendo as principais canções do Trazendo a Arca desde sua trajetória no Toque no Altar.[80][81][82] No mesmo mês, o Trazendo a Arca anunciou o lançamento do álbum Na Casa dos Profetas.[83]

2012–2019: Trazendo a Arca como quartetoEditar

 
Ronald Fonseca deixou o Trazendo a Arca durante a produção do álbum Na Casa dos Profetas.

Em, novembro, às vésperas do lançamento do álbum Na Casa dos Profetas, foi noticiado que Ronald Fonseca deixou a banda sem um anúncio oficial do grupo. O trabalho,[84] que teve arranjos assinados pelo tecladista, não contou com a sua participação nas gravações. Os teclados foram gravados pelo músico Jamba, que já tinha trabalhado com o Trazendo a Arca nos três álbuns anteriores, e ficou marcado por uma maior participação do guitarrista Isaac Ramos e do baterista André Mattos na sonoridade. O álbum dividiu opiniões da crítica. Enquanto a maior participação de outros integrantes e a maior influência rock foram apontados como aspectos positivos do projeto,[85] o álbum recebeu críticas acerca de sua gravação, mixagem e masterização. Uma crítica publicada pelo Super Gospel chegou a mencionar que "a falta de um engenheiro de som experiente deixou o trabalho, com potencial no repertório, ao posto de obra mais renegada na discografia da banda".[32]

Logo após o lançamento do álbum, Luiz Arcanjo anunciou que o próximo DVD do Trazendo a Arca seria uma espécie de documentário dirigido por Hugo Pessoa. O disco seria baseado em uma caravana da banda para locais como a cidade de Dubai e os países de Israel e Jordânia. O repertório incluiria as canções de Na Casa dos Profetas e faixas de outros álbuns, como "Não Ficarão" (do álbum Restituição) e "Correndo pros Teus Braços" (do álbum Olha pra Mim). Apesar de ter sido gravado, o DVD nunca foi lançado.[86] Em 2015, em entrevista ao Super Gospel, Luiz Arcanjo acrescentou que o documentário foi gravado em outros países como o Reino Unido, Cuba e Brasil e disse que "estamos pensando em lançar esse material exclusivamente na internet".[53]

Em outubro de 2014, o Trazendo a Arca assinou contrato com a gravadora Sony Music Brasil e anunciou um disco em espanhol.[87][88] Español foi lançado em dezembro do mesmo ano e contou com músicas regravadas de todos os álbuns da banda até Salmos e Cânticos Espirituais[89] e contou com a produção musical do tecladista Wagner Derek. O projeto recebeu avaliações positivas da mídia especializada.[90][32] Com a obra, o Trazendo a Arca apresentou-se em vários países da América Latina, incluindo Cuba.[91]

Em 2015, a banda partiu para a gravação do álbum Habito no Abrigo. Foi o primeiro trabalho do grupo desde Toque no Altar gravado ao vivo. O projeto foi gravado na Igreja Apostólica Unidade em Cristo, na cidade do Rio de Janeiro, e contou com a participação da cantora Ana Nóbrega, ex-integrante do Diante do Trono, na faixa "O Senhor É Bom". O disco, cujo lançamento se deu pela gravadora Sony Music Brasil, contou com clipes dirigidos por Hugo Pessoa. A obra recebeu avaliações mistas da crítica especializada.[92] Diferentemente dos trabalhos anteriores, o repertório foi predominantemente escrito por Luiz Arcanjo em parceria com o baixista Deco Rodrigues. Mais tarde, o vocalista se pronunciou pela primeira vez sobre a saída de Ronald Fonseca, em entrevista. Na ocasião, disse que "abrir mão de um talento como o Ronald não é nada fácil, mas por outro lado isso nos desafiou a buscar outras possibilidades".[53]

Após o lançamento de Habito no Abrigo, os integrantes do Trazendo a Arca começaram a trabalhar em projetos paralelos. Luiz Arcanjo começou a gravar seu segundo álbum solo, com influências da MPB, cujos singles foram lançados ao longo dos anos seguintes. Em 2016, o vocalista também se reuniu com os ex-integrantes Davi Sacer e Ronald Fonseca para gravar uma nova versão da música "Se a Nação Clamar", que contou com a participação de outros intérpretes como Fernandinho, Daniela Araújo, Marcus Salles e Nívea Soares. Foi a primeira gravação de Davi e Luiz músicos juntos desde 2009.[93]

Em junho de 2017, Luiz Arcanjo e André Mattos fundaram a igreja Sobre as Águas, enquanto Deco Rodrigues e Isaac Ramos continuaram em outras instituições.[94] Em 2018, o baixista Deco Rodrigues lançou seu primeiro álbum solo, Acende a Chama. O projeto foi produzido por Wagner Derek e contou com a participação de Isaac Ramos na guitarra.[95]

2019–atualmente: Reunião da formação clássica e hiatoEditar

 
André Mattos, Deco Rodrigues e Luiz Arcanjo no programa televisivo Boas Novas no Ar, em março de 2018.

No primeiro semestre de 2019, o Trazendo a Arca anunciou uma turnê final da carreira.[96] De título Sexto Passo, em referência ao texto bíblico que foi base do nome da banda, teve a pretensão de visitar cidades de todas as regiões do Brasil. Na ocasião, os integrantes chegaram a anunciar que canções de todos os álbuns do grupo seriam contemplados no repertório. A primeira apresentação, que ocorreu no Rio de Janeiro, na Igreja Batista Atitude, contou com a participação da ex-vocalista Verônica Sacer.[97]

Em julho de 2019, Davi Sacer lançou o álbum 15 Anos, que reuniu sucessos do Trazendo a Arca com a participação de vários artistas. Luiz Arcanjo chegou a ser convidado para o álbum, mas não pôde participar por estar, na data, em um show da banda no exterior. Na ocasião de lançamento do álbum, Sacer chegou a anunciar que gravaria um álbum com o Trazendo a Arca.[98]

Após as apresentações da turnê Sexto Passo ainda em 2019, o Trazendo a Arca encerrou suas atividades. Após isso, Luiz Arcanjo e André Mattos passaram a focar em suas atividades na igreja Sobre as Águas, enquanto Arcanjo anunciou o lançamento de seu segundo álbum solo para o ano de 2020.

Em 2020, com a pandemia de COVID-19, os integrantes do Trazendo a Arca começaram a se aproximar de forma mais explícita. Luiz Arcanjo chamou Davi e Verônica Sacer para uma live no Instagram, a qual relembraram o repertório da banda e histórias de bastidores. A interação entre eles fez com que Davi Sacer, pouco tempo depois, promovesse um show virtual. A apresentação foi anunciada como uma reunião entre o cantor, Verônica Sacer e Luiz Arcanjo, e contou com a participação de músicos como Kleyton Martins e Marcos Natto. Na ocasião, os músicos cantaram músicas do Trazendo a Arca e da carreira solo de Davi Sacer. Além disso, Sacer estreou vocais em "Entre a Fé e a Razão", música lançada pela banda após sua saída.[99]

Após o show de Davi Sacer e Luiz Arcanjo, os músicos anunciaram um show virtual da formação original do Trazendo a Arca para 2 de maio de 2020.[100]

IntegrantesEditar

 Ver artigo principal: Lista de membros de Trazendo a Arca

DiscografiaEditar

CDEditar

DVDEditar

Estilo musicalEditar

Gênero e influênciasEditar

Maior parte das origens familiares dos integrantes do Trazendo a Arca eram evangélicas. Por isso, as influências majoritárias dos músicos eram religiosas. Em entrevistas, Luiz Arcanjo e Davi Sacer citaram várias bandas e cantores que foram significativos em suas infâncias e adolescências, como Ozeias de Paula, Rebanhão, Asaph Borba, Vencedores por Cristo, Grupo Logos e Koinonya. Em várias ocasiões, Davi Sacer afirmou que sua maior influência vocal é o cantor Victorino Silva.[101][102] Contemporaneamente ao grupo, a banda chegou a citar como referência as bandas Diante do Trono e o trabalho de Antônio Cirilo com o projeto Santa Geração (especialmente o álbum Coração em Arrependimento, de 2003).[103]

Em 1995, Davi e Verônica Sacer participaram do álbum Minha Porção, da Jocum Brasil.[104] Arcanjo, por sua vez, tinha uma banda e chegou a ganhar um festival de música que tinha, como jurados, Pedro Braconnot e Carlinhos Felix, do Rebanhão. Antes do Trazendo a Arca, o tecladista Ronald Fonseca gravou e tocou com vários artistas evangélicos, como a banda Altos Louvores e o cantor Sérgio Lopes.[105] André Mattos, um dos poucos de origem não-evangélica, tocou com vários artistas do samba, como Neguinho da Beija-Flor e Bebeto.[106] No cenário cristão, Mattos tocou com Carlinhos Felix, músico com quem Fonseca também chegou a tocar.[107]

Na formação do Toque no Altar e sua trajetória como Trazendo a Arca, a banda trouxe influências do canto congregacional.[108] Ao mesmo tempo, sua música foi descrita com base em vários gêneros, como pop rock,[109] soft rock[110] e power pop, especialmente por suas baladas melódicas e com arranjos vocais complexos.[51] Além da sonoridade pop, o grupo se diferenciou de seus pares pela influência negra de artistas como Fred Hammond, e a parceria com a banda Raiz Coral em álbuns e apresentações, como o projeto Toque no Altar e Restituição (2006). Além disso, o grupo também trouxe orquestrações e arranjos de metais na sua sonoridade, marcados por colaborações de arranjadores como Zé Canuto. Outros músicos que tiveram parcerias recorrentes com o Trazendo a Arca foram Bene Maldonado, guitarrista da banda de rock Fruto Sagrado; o tecladista Wagner Derek, ex-integrante do Primeira Essência;[111] e o músico Jamba.[112][113]

As diferentes influências se manifestaram em diferentes períodos do grupo. No álbum Olha pra Mim (2006), por exemplo, Deco Rodrigues chegou a afirmar que "nosso desejo era que tivesse uma orquestra de cordas maior que nos outros CDs". Já em Marca da Promessa, o sucessor, "queríamos dar uma maior atenção aos backing vocais e uma mixagem mais pop".[40] Em 2012, o Trazendo a Arca lançou Na Casa dos Profetas, que ficou marcado pela maior presença de guitarras e uma aparição maior dos instrumentos de base. Por sua vez, em 2015, foi lançado Habito no Abrigo, mais focado na música congregacional. Sobre isso, em entrevista ocorrida em 2016, Luiz Arcanjo disse que "mesmo com um som pop rock ou mais ou menos pop rock, a essência do nosso ministério que é de música congregacional, de igreja".[109]

Temas líricosEditar

 
Deco Rodrigues é co-autor de vários sucessos da banda, como "Serás Sempre Deus" e "Marca da Promessa".

Diferentemente de grande parte das bandas congregacionais que se destacaram antes do Trazendo a Arca, a banda ganhou relevância por abordar questões em primeira pessoa, como as músicas "Olha pra Mim" e "Restitui", o que se tornou uma tendência crescente no meio evangélico. A abordagem trouxe, também, certas críticas.[114][115] Ao longo da história do grupo, algumas canções da banda chegaram a ser classificadas como "antropocêntricas" que, com a influência do neopentecostalismo, envolveram canções focadas em provisão divina.[116][117] Em defesa do grupo, um crítico chegou a dizer que a banda é "algo único no mercado gospel, um grupo que sabe trazer para vida cantada (música) a teologia da prosperidade sem que seja julgada como a errada".[118]

Por outro lado, Luiz Arcanjo se justificou em torno da canção "Restitui", afirmando que a música foi inspirada na história de vida de uma mulher que tinha perdido todos os familiares em um acidente automobilístico e a tristeza que sentiu por não poder ajudá-la. Na ocasião, o músico disse que "não é uma música sobre dinheiro, é uma música sobre vida" e que "se foi usada em campanhas de prosperidade, a culpa não é minha". Após deixarem o Apascentar, os integrantes do conjunto passaram a fazer parte de diferentes igrejas com vieses teológicos distintos. Davi Sacer, por tempos, foi membro da Assembleia de Deus, enquanto Luiz Arcanjo fez parte da Igreja Batista Betânia. As críticas às letras da banda foram diminuindo ao longo do tempo, ao passo que outras composições – como "Serás Sempre Deus" e "Entre a Fé e a Razão" – passaram a receber elogios da crítica. O músico e crítico Jonas Paulo, ao falar sobre o álbum Entre a Fé e a Razão para o Super Gospel, disse que "Luiz Arcanjo é muito mais interessante do que seus imitadores, que acham que nos primeiros trabalhos do Ministério Apascentar ele apresentou uma fórmula que daria conta de resolver todos os problemas de 'falta de ideia musical'".[119]

Em entrevista dada em 2010, Ronald Fonseca afirmou que, no seu processo criativo, a melodia geralmente surge primeiro do que as letras.[120] Todas as canções autorais da banda foram escritas por Luiz Arcanjo, Davi Sacer, Ronald Fonseca e Deco Rodrigues, à exceção do repertório de Deus de Promessas, com créditos de co-autoria para Verônica Sacer. Segundo Arcanjo, algumas canções da banda como "Entre a Fé e a Razão" e "Senhor e Rei" surgiram a partir de melodias criadas por Ronald Fonseca e, depois, as letras. O músico também disse que outras faixas foram inspiradas por episódios específicos envolvendo os integrantes. "O Chão Vai Tremer", por exemplo, foi escrita com base em um situação familiar de Arcanjo[61] e "Tua Graça me Basta" foi escrita colaborativamente por Luiz e Davi em torno da frustração que sentiram por não conseguirem se apresentar como banda em um congresso evangélico no início da carreira.

LegadoEditar

 
André Mattos já foi considerado um dos maiores bateristas do Brasil.

Ao longo de sua história, Trazendo a Arca foi reconhecido como um dos grupos evangélicos mais prolíficos de sua geração. Quando lançado o álbum Olha pra Mim (2006), Roberto Azevedo, em texto para o Super Gospel, disse que o conjunto "tem surpreendido a todos com um repertório diversificado, muito bem arranjado e cheio de qualidade musical".[5] Outro texto, do mesmo portal, afirmava que "o que tornou o Trazendo a Arca um dos atos mais impressionantes do congregacional brasileiro foi, em grande parte, uma visão pragmática de Sacer que se equalizava com a complexidade poética de Arcanjo".[110] A parceria Arcanjo/Sacer ganhou notoriedade ao longo do tempo, o que fez com que os dois vocalistas fossem reconhecidos como uns dos principais compositores evangélicos da década de 2000.[121] Outro nome da banda que atinguiu significativa relevância foi do tecladista e produtor Ronald Fonseca, descrito como o "alicerce" do grupo.[110]

A banda também participou ativamente do cenário musical de sua época. Composições de integrantes da banda chegaram a ser gravadas por nomes como Aline Barros, Kleber Lucas, Fernanda Brum, Carlinhos Felix, Soraya Moraes, Ton Carfi e Wilian Nascimento. A música do Trazendo a Arca também chegou a atrair outros músicos religiosos, como o Padre Marcelo Rossi. O trabalho do grupo foi significativo para outras bandas e artistas congregacionais, como Unção de Deus,[122] Aliança do Tabernáculo[123] e até as formações posteriores do Apascentar de Louvor.[124] A influência da produção e arranjos de Ronald Fonseca também esteve presente em outros projetos congregacionais do músico, como a banda Sing Out.[125]

Outros integrantes do Trazendo a Arca também obtiveram reconhecimento ao longo da carreira. O baterista André Mattos, por exemplo, chegou a ser mencionado como um dos maiores bateristas brasileiros.[126][127] Seu estilo percussivo que mistura as influências brasileiras com a música pop ficou caracterizado no repertório do Trazendo a Arca[128] em músicas como "O Chão Vai Tremer", "Kabod", "Yeshua" e "Celebre".[129] O músico ainda lançou um DVD de videoaulas chamado Profético.[130][131] Além disso, Mattos fez workshops de bateria pelo país e também foi endorsement da Pearl Drums.[106] Fora do Trazendo a Arca, Isaac Ramos gravou com vários artistas evangélicos, como Álvaro Tito, Rose Nascimento e Oséias de Paula.[132]

A performance da banda, ao longo da história, também foi de significativa relevância no segmento evangélico. Além da parceria com Luiz Arcanjo, Davi Sacer sempre foi destacado por um "timbre único".[133] O show que gerou o DVD Ao Vivo no Maracanãzinho chegou a ser considerado um "divisor de águas" no cenário evangélico, pela estrutura (até então inédita) em LED que influenciou projetos audiovisuais evangélicos por uma década seguinte. O show também contou com uma passarela que chegava até o fundo do ginásio.[134] Participantes frequentes de festivais evangélicos como o Jesus Vida Verão, a banda foi os principais convidados em eventos assistidos por milhares de pessoas.[135] Em abril de 2010, a banda foi atração principal do evento Dia da Decisão, em Goiânia, que reuniu mais de 200 mil pessoas.[136]

Trazendo a Arca também foi um sucesso comercial no cenário evangélico. Em 2015, a banda já tinha vendido cerca de 8 milhões de cópias de álbuns.[137] O grupo se apresentou em todos os continentes, incluindo países como Estados Unidos, Austrália, Japão, Moçambique, Portugal, Inglaterra e Israel.[138] A banda também foi um dos poucos artistas do Brasil que fizeram show em Cuba.[91]

Prêmios e indicaçõesEditar

 
Davi Sacer foi vencedor no Troféu Talento como vocalista do Trazendo a Arca em duas ocasiões.

O Trazendo a Arca foi indicado em diversas categorias no Troféu Talento entre os anos de 2005[139] e 2009. Das 36 que teve, venceu em vinte, ou seja, 55% delas. O ano mais bem sucedido foi o de 2008, quando o conjunto foi indicado em sete classificações e foi vitorioso em seis.[140][141] No Troféu Promessas 2011, das três indicações, o quinteto venceu na categoria Melhor Grupo.[142]

Com "Restitui",[139] "Deus de Promessas",[13] "Olha pra Mim"[14] e "Marca da Promessa",[141] o Trazendo a Arca ganhou quatro vezes consecutivas na categoria Música do Ano no Troféu Talento. Das cinco classificações que teve como Melhor grupo de louvor, ganhou duas, e coincidentemente perdeu para o Diante do Trono nas outras três vezes.[143] Outra premiação relevante foi a de Melhor DVD em 2009 no Troféu Talento com Ao Vivo no Maracanãzinho, uma das categorias do evento votadas pela crítica especializada.[44] Pelo reconhecimento de vitórias consecutivas, o Trazendo a Arca fez a abertura da edição 2009 do Troféu Talento, interpretando um medley de "Restitui", "Deus de Promessas", "Olha pra Mim" e "Marca da Promessa".[144]

Integrantes do Trazendo a Arca também receberam indicações diretas e indiretas ao Troféu Talento. Em 2006, a música "Fala Deus" (Unção de Deus), escrita por Ronald Fonseca, foi indicada à Música do Ano no Troféu Talento 2006, e perdeu para "Deus de Promessas", também escrita pelo compositor.[122] Em 2009, Aline Barros concorreu à Música do Ano com "Caminho de Milagres", escrita em colaboração com Davi Sacer, Luiz Arcanjo e Ronald Fonseca. Naquele ano, a canção perdeu para "Faz um Milagre em Mim", de Regis Danese.[145] Davi Sacer, individualmente, foi indicado sete vezes e venceu em três: Melhor Compositor (2006),[13] Melhor Intérprete Masculino (2007)[14] e Melhor Intérprete Masculino (2008).[141]

Em 2010, o grupo foi indicado no Troféu Melhores do Ano na categoria Melhor Banda, mas perdeu para o Oficina G3.[146][147]

Catálogo musicalEditar

A disputa entre Toque no Altar e Trazendo a Arca, a princípio, envolveu uma tentativa de proibição dos integrantes da nova banda tocarem suas próprias músicas.[16] No entanto, os integrantes do Trazendo a Arca continuaram tocando músicas do período antecessor e chegaram a lançar um álbum apenas com canções deste período, Ao Vivo no Japão (2007).[34] O envolvimento judicial, em 2009, fez com que o Ministério Apascentar perdesse o direito sobre a marca Toque no Altar, que em referência à música "Toque no Altar", passou a ser de propriedade de Luiz Arcanjo e Davi Sacer. Com base nisso, o nome "Toque no Altar" somente foi utilizado na coletânea 10 Anos, lançada em 2012 pelo Trazendo a Arca. Os direitos autorais dos álbuns também ficaram com os músicos dissidentes. Ainda em 2012, com a assinatura da banda com a distribuidora Digital Music, todo o catálogo até Salmos e Cânticos Espirituais passou a ser distribuído pela gravadora. Desta forma, todos os álbuns lançados pelo Toque no Altar até Deus de Promessas ao Vivo são comumente considerados, também, álbuns do Trazendo a Arca.[59]

Ver tambémEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Trazendo a Arca
 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Trazendo a Arca

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c Azevedo, Roberto (23 de julho de 2007). «CD Marca da Promessa - Trazendo a Arca (Análise)». Super Gospel. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  2. «Toque no Altar - Biografia, notícias, vídeos, fotos, cifras e letras». Gospel Prime. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  3. «Trazendo a Arca - Biografia, notícias, vídeos, fotos, cifras e letras». Gospel Prime. Consultado em 15 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  4. «CD Toque no Altar - Deus de promessas Ao Vivo». Gospel Goods. Consultado em 29 de outubro de 2011 
  5. a b Azevedo, Roberto (20 de junho de 2006). «CD Olha pra mim (Toque no Altar) - Análise». Super Gospel. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  6. Azevedo, Roberto (10 de julho de 2005). «CD Deus de Promessas (Toque no Altar) - Análise». Super Gospel. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  7. «CD - Restituição (Playback)-Ministério Apascentar de Nova Iguaçu». Ministério Apascentar. Consultado em 15 de outubro de 2011. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2014 
  8. «CD Toque no altar - Toque no Altar (Ouça as Músicas)». Gospel Goods. Consultado em 16 de outubro de 2011. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2010 
  9. «Trazendo a Arca - Adoradores». Virtual Gospel. Consultado em 21 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2014 
  10. «DVD Deus de Promessas». Gospel+. 18 de janeiro de 2007. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  11. a b Azevedo, Roberto (10 de março de 2007). «DVD Toque no altar e Restituição (Toque no Altar) - Análise». Super Gospel. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  12. Troféu Talento (2 de fevereiro de 2005). «Conheça os indicados ao Troféu Talento 2005». Super Gospel. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  13. a b c Troféu Talento. «Confira a lista completa dos vencedores do Troféu Talento 2006». Super Gospel. Consultado em 29 de outubro de 2011 
  14. a b c Troféu Talento. «Vencedores Troféu Talento 2007». Gospel+. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  15. a b «Mais informações sobre o Toque no Altar». Igreja Presbiteriana Independente do Cruzeiro. Consultado em 3 de março de 2012 
  16. a b «Luiz Arcanjo e outros componentes saem do ministério Toque no Altar». Gospel+. 2 de fevereiro de 2007. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  17. «Trazendo a Arca e Toque no Altar põe fim a briga judicial». Teresina Gospel. Consultado em 12 de março de 2012 
  18. «Davi Sacer fala sobre sua saída do Toque no Altar». Igreja Presbiteriana Independente do Cruzeiro. Consultado em 15 de outubro de 2011. Arquivado do original em 8 de julho de 2012 
  19. a b «Entrevista com Davi Sacer e Luiz Arcanjo». Festa com Cristo. Consultado em 29 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2007 
  20. Ferreira, Matheus Gonçalves (12 de abril de 2007). «Lançado site oficial do Trazendo a Arca». Igreja Presbiteriana Independente do Cruzeiro. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  21. «Advogada do ministério Trazendo a Arca esclarece relação do grupo com o Toque no Altar». Gospel+. 10 de maio de 2007. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  22. a b c Art Gospel (6 de julho de 2008). «Davi Sacer: Não estou no ministério por dinheiro». Salvos. Consultado em 20 de janeiro de 2012 
  23. Martinez, João Flávio (24 de janeiro de 2009). «Essa foi TREMENDA: Silas Malafaia, René Terra Nova e Valnice Milhomens». MinistérioCAPC. Consultado em 1 de janeiro de 2012 
  24. a b «Conheça o CD Marca da Promessa». Gospel+. 4 de julho de 2007. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  25. «"Foi um marco na nossa história", diz Luiz Arcanjo sobre Marca da Promessa». Gospel Prime. Consultado em 1 de junho de 2017 
  26. Luiz Fernando Martins (16 de maio de 2006). «CD Profetizando às nações (Fernanda Brum) - Análise». Super Gospel. Consultado em 20 de janeiro de 2012 
  27. a b «Ministério Trazendo a Arca recebeu o disco de platina do CD "Marca da Promessa"». Gospel+. 31 de outubro de 2007. Consultado em 22 de janeiro de 2012 
  28. Azevedo, Roberto (5 de agosto de 2011). «CD Promessas - Adoração (Vários artistas) - Análise». Super Gospel. Consultado em 01 de janeiro de 2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  29. «Confira como foi a gravação do Festival Promessas». Gospel Prime. Consultado em 22 de janeiro de 2012 
  30. «100 melhores álbuns dos anos 2000». Super Gospel. Consultado em 19 de janeiro de 2019 
  31. Alex Eduardo (Agosto de 2007). «Trazendo a Arca: Marca da Promessa». Casa Gospel. Consultado em 25 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 15 de abril de 2009 
  32. a b c d «Trazendo a Arca - discografia comentada». Super Gospel. Consultado em 28 de agosto de 2017 
  33. «Saiba como foi a 6ª Expo Cristã 2007». Ministério César Santos. Consultado em 22 de agosto de 2012 [ligação inativa]
  34. a b Azevedo, Roberto (7 de novembro de 2007). «CD Ao Vivo no Japão (Trazendo a Arca) - Análise». Super Gospel. Consultado em 22 de janeiro de 2012 
  35. Eduardo, Alex. «Trazendo a Arca se prepara para a gravação de seu 1º DVD». Casa Gospel. Consultado em 22 de janeiro de 2012 
  36. [Programa Raul Gil (3 de outubro de 2007). «Ministério Trazendo a Arca recebe disco de platina». Gospel+. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  37. «Vídeo do Trazendo a Arca no Programa Raul Gil». Igreja Presbiteriana Independente do Cruzeiro. Consultado em 13 de março de 2012 
  38. «Confira a cobertura exclusiva do primeiro DVD do Trazendo a Arca». Gospel+. 26 de maio de 2008. Consultado em 17 de novembro de 2011 
  39. «DVD Ao Vivo no Maracanãzinho». Filmes e Shows HD. Consultado em 3 de março de 2012 
  40. a b «Entrevista com Deco Rodrigues, baixista do grupo Trazendo a Arca». Missão Gospel. Consultado em 25 de abril de 2020 
  41. Trazendo a Arca. «Trazendo a Arca divulga nota oficial sobre gravação de seu primeiro DVD». Gospel+. Consultado em 17 de novembro de 20008  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  42. «Novidades do Mundo Gospel - Missões». Casa Gospel. Consultado em 15 de dezembro de 2011 
  43. Medeiros, Paulo. «Trazendo a Arca engajado no trabalho missionário com responsabilidade social». Trazendo a Arca. Consultado em 2 de fevereiro de 2012 
  44. a b Guia-me. «Troféu Talento 2009: DVD Trazendo a Arca ao Vivo no Maracanãzinho, reconhecimento do público e da crítica». Consultado em 8 de janeiro de 2012 
  45. «DVD Trazendo a Arca - Ao Vivo no Maracanãzinho - Loja Virtual Gospel». Gospel Goods. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  46. «Louve Tv Exibe Show da Banda Trazendo Arca». Amigo de Cristo. Consultado em 27 de dezembro de 2011 
  47. Azevedo, Roberto (27 de março de 2009). «CD Pregador Luo -Música de Guerra (Apocalipse 16) - Análise». Super Gospel. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  48. «Pregador Luo: rapper fala sobre sua amizade com o lutador do UFC Anderson Silva». Gospel+. Consultado em 7 de agosto de 2012 
  49. Jonatha Cardoso. «CD Deus não Falhará (Davi Sacer) - Análise». Super Gospel. Consultado em 4 de março de 2012 
  50. «Davi Sacer, ele tem a marca da promessa». Guia-me. Consultado em 8 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2012 
  51. a b Azevedo, Roberto (17 de outubro de 2009). «CD Pra Tocar no Manto (Trazendo a Arca) - Análise». Super Gospel. Consultado em 3 de março de 2012 
  52. «Trazendo a Arca anuncia os projetos para 2009 e 2010». Casa Gospel. Consultado em 20 de dezembro de 2012 
  53. a b c «Trazendo a Arca chega a quinze anos procurando se reciclar em Habito no Abrigo». Super Gospel. Consultado em 1 de outubro de 2019 
  54. «Trazendo a Arca fala sobre novo CD de Salmos». Guia-me. Consultado em 2 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 21 de agosto de 2012 
  55. a b Troféu Talento. «Homenagem ao artista - Trazendo a Arca». Site Renatto Manga. Consultado em 15 de março de 2012. Arquivado do original em 11 de julho de 2012 
  56. Roberto Azevedo. «Análise CD Salmos e Cânticos Espirituais (Trazendo a Arca) - Análise». Super Gospel. Consultado em 29 de outubro de 2011 
  57. Azevedo, Roberto. «CD Luiz Arcanjo (Luiz Arcanjo) - Análise». Super Gospel. Consultado em 29 de outubro de 2011 
  58. «Entrevistas: Luiz Arcanjo». Casa Gospel. 14 de maio de 2010. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  59. a b «Toque no Altar e Trazendo a Arca põem fim a briga judicial». O Verbo. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  60. Roberto Azevedo. «CD Ao Vivo no Maracanãzinho Volume 1 (Trazendo a Arca) - Análise». Super Gospel. Consultado em 29 de outubro de 2011 
  61. a b «Trazendo a Arca - Rádio Melodia». Rádio Melodia. Consultado em 27 de outubro de 2012. Arquivado do original em 24 de outubro de 2012 
  62. «A volta de Davi Sacer ao Ministério Apascentar». Gospel Prime. Consultado em 3 de março de 2012. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2011 
  63. «Davi e Verônica Sacer deixam o Ministério Trazendo a Arca». Super Gospel. Consultado em 3 de março de 2012 
  64. «Trazendo a Arca assina contrato com a Graça Music». Gospel Minas. Consultado em 17 de outubro de 2011. Arquivado do original em 15 de agosto de 2012 
  65. «Ministério Trazendo a Arca entra para o cast da Graça Music». Super Gospel. Consultado em 28 de janeiro de 2020 
  66. «Trazendo a Arca: faça download gratuito de música do novo CD "Entre a Fé e a Razão"». Gospel Prime. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  67. «"Entre a fé e a razão" novo CD do Trazendo a Arca já é disco de ouro». Gospel+. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  68. «"Viver entre a fé e a razão é o nosso sacrifício diário"». Gospel no Divã. Consultado em 8 de fevereiro de 2012 
  69. Azevedo, Roberto. «Conversamos com Luiz Arcanjo que falou sobre seu CD solo e sobre o Trazendo a Arca». Super Gospel. Consultado em 17 de janeiro de 2019 
  70. Ramos, Rafael. «CD Minhas Canções na Voz dos Melhores Vol.4 (Análise)». Super Gospel. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  71. Troféu Promessas. «Troféu Promessas divulga lista dos indicados ao prêmio, confira e vote». Diário Gospel. Consultado em 17 de outubro de 2011 [ligação inativa]
  72. «Troféu Promessas: iniciada a segunda fase de votação». Gospel+. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  73. «Troféu Promessas premia destaques da música gospel nacional». G1. 30 de novembro de 2011. Consultado em 8 de dezembro de 2011 
  74. Ramos, Rafael (5 de dezembro de 2011). «Confira os premiados da noite que marcou a história da música gospel nacional: Troféu Promessas». Super Gospel. Consultado em 13 de dezembro de 2011 
  75. «Trazendo a Arca: gravação do DVD em Orlando reúne 3 mil pessoas». Gospel+. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  76. Azevedo, Roberto (12 de novembro de 2011). «Quartel Design desenvolve projeto gráfico do DVD internacional do Trazendo a Arca - Live in Orlando». Super Gospel. Consultado em 14 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  77. Super Gospel. «Michael W. Smith, André Valadão, Baruk, Trazendo a Arca, Cassiane e Liége no Jesus Vida Verão 2012». Consultado em 20 de janeiro de 2012 
  78. «Fernanda Brum, Kleber Lucas e Marcus Salles no show de comemoração pelos 10 anos do Trazendo a Arca». Super Gospel. 4 de maio de 2012. Consultado em 4 de maio de 2012 
  79. «Trazendo a Arca fala da sua carreira e de novidades na parceria com a Graça Music no Aniversário da IBM em João Pessoa». Gospel JP. 20 de junho de 2012. Consultado em 20 de junho de 2012 
  80. «CanZion Brasil divulga a contratação de Trazendo a Arca». Jornal Adoração. Consultado em 16 de agosto de 2012. Arquivado do original em 22 de novembro de 2012 
  81. Oziel Alves (17 de agosto de 2012). «CanZion Brasil lança edição tripla com os principais sucessos do ministério Trazendo a Arca». Super Gospel. Consultado em 17 de agosto de 2012 
  82. «Trazendo a Arca lança álbum triplo em comemoração dos dez anos de carreira». Gospel Prime. Consultado em 29 de agosto de 2012 
  83. Vivian Martins (29 de agosto de 2012). «Na Casa dos Profetas é o novo CD do Trazendo a Arca pela CanZion Brasil». Trazendo a Arca. Consultado em 29 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2012 
  84. Danilo Andrade. «Ronald Fonseca, pianista e produtor musical deixa o Trazendo a Arca». Gospel Músikas. Consultado em 16 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2012 
  85. «Qual será a melhor música do Troféu Promessas 2013?». Casa Gospel. Consultado em 3 de setembro de 2012 
  86. «Trazendo a Arca grava DVD em Israel». O Propagador. 13 de agosto de 2013. Consultado em 3 de setembro de 2012. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2014 
  87. «Trazendo a Arca assina contrato com a Sony Music». Música Gospel. Consultado em 28 de outubro de 2014 
  88. «Fique Sabendo – Damares, Trazendo a Arca, Samuel Mariano e muito mais». O Propagador. Consultado em 12 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2014 
  89. «Español - Trazendo a Arca». artistxite.ie. Consultado em 16 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2014 
  90. «Trazendo a Arca: discografia e obra». O Propagador. Consultado em 25 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 13 de setembro de 2017 
  91. a b «A trajetória de sucesso do Ministério Trazendo a Arca». Comunhão. Consultado em 26 de abril de 2020 
  92. «CD Habito no Abrigo (Trazendo a Arca) - Análise». Super Gospel. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  93. «Em reencontro, Davi Sacer, Luiz Arcanjo e Ronald Fonseca se unem em música - Se a Nação Clamar». Super Gospel. Consultado em 9 de abril de 2017 
  94. «Igreja fundada por integrantes do Trazendo a Arca comemora primeiro ano de vida». Portal Web Gospel. Consultado em 23 de abril de 2020 
  95. «CD Acende a Chama (Deco Rodrigues) - Análise». Super Gospel. Consultado em 10 de junho de 2018 
  96. «Trazendo a Arca volta a falar sobre período sabático». Pleno.News. Consultado em 23 de abril de 2020 
  97. «Trazendo a Arca anuncia despedida com turnê final». Super Gospel. Consultado em 23 de abril de 2020 
  98. «Davi Sacer lança DVD comemorativo pelos 15 anos de carreira na música gospel». JM Notícia. Consultado em 23 de abril de 2020 
  99. «Live Show marca a estreia do novo canal de YouTube de Davi Sacer com sua esposa Verônica e participação histórica de Luiz Arcanjo». Super Gospel. Consultado em 24 de abril de 2020 
  100. «20 Lives que agitaram e emocionaram o mundo gospel nesse primeiro mês de quarentena». Super Gospel. Consultado em 24 de abril de 2020 
  101. Roberto Azevedo. «Confira nosso bate papo com o cantor Davi Sacer que falou sobre seu novo CD - No caminho do Milagre». Super Gospel. Consultado em 16 de março de 2012 
  102. «Conversamos com Luiz Arcanjo que falou sobre seu CD solo e sobre o Trazendo a Arca». Super Gospel. Consultado em 10 de agosto de 2012 
  103. «Vídeos - Trazendo a Arca». Trazendo a Arca. Consultado em 13 de janeiro de 2012 
  104. «Rede Globo promove um dos maiores festivais de música gospel do país». Rede Globo. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  105. Azevedo, Roberto (12 de abril de 2011). «Leia nossa conversa com Ronald Fonseca, produtor do Ministério Trazendo a Arca». Super Gospel. Consultado em 25 de abril de 2020 
  106. a b «Andre Mattos - Artista Exclusivo». Pearl Drums. Consultado em 25 de abril de 2020 
  107. «André Mattos». C.Ibanez. Consultado em 26 de abril de 2020 
  108. Azevedo, Roberto (31 de outubro de 2012). «CD Toque no altar (Toque no Altar) - Análise». Super Gospel. Consultado em 7 de fevereiro de 2012 
  109. a b «Luiz Arcanjo e André Mattos, do Trazendo a Arca, falam sobre novo momento do grupo e o "CD Habito no Abrigo", lançado pela Sony Music». Gospel no Divã. Consultado em 25 de abril de 2020 
  110. a b c «CD 15 Anos (Davi Sacer) - Análise». Super Gospel. Consultado em 31 de julho de 2019 
  111. «Wagner Derek produz Salmos e Cânticos Espirituais». Wagner Derek. Consultado em 7 de fevereiro de 2012 
  112. «Marcus Salles, Palavraniga, Rozeane Ribeiro e Trazendo a Arca». Super Gospel. Consultado em 31 de março de 2012 
  113. «CD Salmos e Cânticos Espirituais - Trazendo a Arca». Gospel Planet. Consultado em 7 de fevereiro de 2012 
  114. «Observando o fenômeno dos Ministérios de Louvor no Brasil». Observatório Cristão. Consultado em 13 de julho de 2012. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2014 
  115. Cunha, Magali do Nascimento (2014). «A interseção mídia religiosa e mercado e a ressignificação de signos bíblicos pelos evangélicos». Núcleo Paranaense de Pesquisa em Religião. 23 páginas. Consultado em 25 de abril de 2020 
  116. Gomes, Miguel Augusto Barbosa da Silva Ferreira (2016). «O Evangelho na mídia de radiodifusão: Um estudo sobre conteúdo e forma da pregação» (PDF). Faculdades EST. 71 páginas. Consultado em 25 de abril de 2020 
  117. «Canal Calvinista lista seis canções "gospel" que nenhum cristão deve ouvir». JM Notícia. Consultado em 25 de abril de 2020 
  118. «Sites cristãos fazem suas indicações no Troféu Promessas». Super Gospel. Consultado em 25 de abril de 2020 
  119. Jonas Paulo Ferreira da Silva (30 de março de 2011). «CD Entre a Fé e a Razão (Trazendo a Arca) - Análise». Super Gospel. Consultado em 31 de dezembro de 2011 
  120. «Confira entrevista de Ronald Fonseca ao Blog da Graça Music». Guia-me. Consultado em 17 de outubro de 2011 
  121. «Apascentar de Louvor completa 15 anos de carreira». Ajducks. Consultado em 25 de abril de 2020 
  122. a b Azevedo, Roberto. «CD Para Chamar Tua Atenção (Unção de Deus) - Análise». Super Gospel. Consultado em 8 de fevereiro de 2012 
  123. «CD Herdeiro da Promessa - Aliança do Tabernáculo». Tenda Gospel. Consultado em 8 de fevereiro de 2012 
  124. «Há Poder no Nome de Jesus». MK Shopping. Consultado em 26 de abril de 2020 
  125. «Ouvimos o novo disco do Sing Out - Grande É O Senhor. Confira nossos comentários». Super Gospel. Consultado em 26 de abril de 2020 
  126. «Confira nosso bate papo com André Mattos, baterista do Trazendo a Arca». Super Gospel. Consultado em 26 de abril de 2020 
  127. «Evento musical reúne 100 bateristas em Belém». Leia Já. Consultado em 26 de abril de 2020 
  128. «Conheça mais sobre o baterista André Mattos». Michel. Consultado em 26 de abril de 2020 
  129. «Trazendo a Arca - Na Casa dos Profetas». Casa Gospel. Consultado em 26 de abril de 2020 
  130. Trazendo a Arca. «DVD André Mattos - Profético -Loja Virtual». Consultado em 17 de outubro de 2011 
  131. «André Mattos lançará Profético». Gospel World. Consultado em 4 de março de 2012. Arquivado do original em 7 de julho de 2012 
  132. «Isaac Ramos - perfil». Trazendo a Arca. Consultado em 29 de junho de 2012 
  133. «Davi Sacer e Simone cantam dueto». Diário do Aço. Consultado em 26 de abril de 2020 
  134. «O show divisor de águas do cenário evangélico». Super Gospel. Consultado em 26 de abril de 2020 
  135. «Ministério Trazendo a Arca no JVV Vila Velha». Revista Comunhão. Consultado em 26 de abril de 2020 
  136. Diário da Manhã. «Dia da Decisão reúne mais de 200 mil em Goiânia - GO». Consultado em 29 de outubro de 2011 [ligação inativa]
  137. «Habito no Abrigo (Trazendo a Arca) - Lançamento». Super Gospel. 10 de novembro de 2015. 1 páginas. Consultado em 27 de fevereiro de 2017 
  138. «Comunhão e celebração cristã». Diário do Nordeste. Consultado em 26 de abril de 2020 
  139. a b «O ano de Soraya Moraes». Universo Musical. 19 de março de 2005. Consultado em 27 de dezembro de 2011 
  140. Myriam Rosário. «Trazendo a Arca é o grande vencedor do Troféu Talento 2008». Guia-me. Consultado em 22 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2012 
  141. a b c Troféu Talento. «Confira a lista de ganhadores do Troféu Talento 2008». Super Gospel. Consultado em 29 de outubro de 2011 
  142. Porto, Henrique (30 de novembro de 2011). «G1-Diante do Trono é o destaque da primeira edição do Troféu Promessas». G1 (Globo.com). Consultado em 30 de novembro de 2011 
  143. Portal Diante do Trono. «Palavras da Ana; Troféu Talento 2009 - Muito Obrigada!». Consultado em 24 de janeiro de 2012 
  144. «Troféu Talentp 2009 - Trazendo a Arca». Tela Gospel. Consultado em 4 de março de 2012 
  145. «Indicados ao Troféu Talento 2009, confira». Gospel+. Consultado em 26 de abril de 2020 
  146. Gospel no Divã. «Quem serão os melhores do ano». Consultado em 2 de março de 2012 
  147. Exibir Gospel. «Troféu Melhores do Ano acontece com a ausência da maioria dos indicados». Consultado em 2 de março de 2012. Arquivado do original em 21 de setembro de 2013