Objeto voador não identificado

termo para fenômenos aéreos não prontamente identificáveis
(Redirecionado de UFO)
Disambig grey.svg Nota: "UFO" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja UFO (desambiguação).

Objeto voador não identificado (OVNI) ou UFO (em língua inglesa: unidentified flying object), é um objecto ou luz vistos no céu (ou ocasionalmente em terra ou sob o mar) que não consegue ser identificado pelos observadores com os meios de exame ao seu dispor.

OVNI
Catálogo de Observações de OVNIs, The National Archives UK (Reino Unido)
Sinônimos UFO, UAP, OANI, PAN, Disco Voador
Formas catalogadas

Fonte: MoD

Esferas, discos, charutos, estrelas/pontos, triângulos, pirâmides, cones, retângulos, cilindros, diamantes, bumerangues

A maioria dos relatos de OVNIs, depois de investigados, são identificados como fenômenos mundanos ou naturais. Para uma parcela entre 25% e 30% dos casos estudados, não é encontrada explicação.

O termo é amplamente usado para alegações de observação de aeronaves extraterrestres, mas não existe evidência científica para suportar a ideia de uma origem extraterrena.

DefiniçãoEditar

O Relatório Condon, publicado em 1968 por um grupo de pesquisadores da Universidade do Colorado, sob direção científica do físico nuclear Dr. Edward Condon e financiado pela Força Aérea dos Estados Unidos – USAF, definiu OVNI como sendo um "estímulo que provoca um relato, por um ou mais indivíduos, de algo visto no céu (ou um objeto considerado capaz de voar, mas pousado na terra) que o observador não consegue identificar como tendo uma origem natural vulgar, parecendo-lhe suficientemente enigmática a ponto de comprometê-lo a fazer um relatório à polícia, autoridades governamentais, imprensa, ou talvez a representantes de organizações privadas devotadas ao estudo de tais objetos."[1]

O falecido astrônomo e ufólogo estadunidense J. Allen Hynek, em seu livro The UFO Experience de 1972, dividiu seus pares em dois grupos. Um ridicularizava o assunto, se recusando a investigá-lo. O outro, se investigasse, o trataria como um fenômeno psicológico, mesmo que envolvesse mais de uma pessoa. Declarações foram contestadas por ele: de que nunca pessoas treinadas cientificamente relatavam OVNIs. Ele contestou. De que os relatos vinham de pessoas sem instrução, novamente contestou: não significava sem inteligência. Que vinham de pessoas com instabilidade mental. Hynek alegou que pesquisas com doentes mentais não comprovavam tal ligação. Em 1981, escreveu que três aspectos trouxeram grande descrédito ao tema: que os declarados OVNIs eram na maioria dos casos equívocos de eventos comuns; a crença do não estamos sós e grupos muito ativos de crentes em visitas celestiais, com fervor quase religioso.[2] Para combater esses equívocos e a noção de que OVNI é sinônimo de visitantes espaciais, em 1972 ele o definiu como: "a percepção relatada de um objeto ou luz vistos no céu ou sobre a terra,  cuja aparência, trajetória e comportamento dinâmico geral  e luminescente  não sugerem uma explicação lógica e  convencional, e que não só é incompreensível para os percipientes originais, mas permanece não identificada após um exame minucioso de todas as evidências disponíveis por pessoas tecnicamente capazes de, com bom senso, fazer uma identificação  se ela for possível".[3]

O astrofísico e escritor francês Jacques Vallee em seu livro Anatomy of a Phenomenon de 1965, propôs uma das primeiras definições de OVNI: seriam manifestações encontradas entre relatos da percepção de uma imagem visual, comumente interpretada pela testemunha como a de um objeto voador material, que possuiria pelo menos umas das seguintes características: uma aparência que, para a testemunha, seria incomum e um comportamento que, para a testemunha, seria incomum.[4] Em 1990, em seu livro Confrontations, Vallee retomou a discussão de sua proposta de 1965 e a definição proposta por Hynek em 1972. As duas, na verdade, seriam insuficientes. Em Hynek, uma primeira inconsistência seria o pressuposto de que sempre haveria um grupo de pessoas capazes de chegar a um consenso sobre luzes estranhas e a segunda porque deixava de fora uma gama de fenômenos que outros pesquisadores consideravam importante no contexto OVNI, como o próprio Vallee. Esses fenômenos aparentemente distintos e não ligados aos objetos voadores não identificados, na verdade, integrariam um conjunto de fenômenos interligados, como seres vistos ou efeitos físicos incomuns em contexto não OVNI. Vallee reformulou sua definição: "Os fenômenos UFO são encontrados entre relatos de objetos, luzes, seres ou efeitos físicos que são considerados pelas testemunhas como anomalias por causa de sua aparência ou comportamento."[5]

Termos correlatosEditar

UFO

UFO é o acrônimo para Unidentified Flying Objects (Objetos Voadores Não Identificados). Esse termo foi criado no âmbito do Projeto Livro Azul, pelo capitão da USAF, Edward J. Ruppelt. Em seu livro The Report on Unidentified Flying Objects[6] de 1956, Ruppelt declara: “UFO é o termo oficial que eu criei para substituir as palavras discos voadores". No Oxford English Dictionary, é atribuída a primeira referência publicada do termo ao major da Marinha Donald Keyhoe em 1953.[7]

UAP

UAP é o acrônimo para Unidentified Aerial Phenomena (Fenômenos Aéreos Não Identificados) utilizado no âmbito da National Aviation Reporting Center on Anomalous Phenomena – NARCAP,[8] como alternativa ao termo UFO, porque usado muitas vezes como sinônimo de espaçonave extraterrestre. Sua definição pela NARCAP guarda semelhanças com a definição do Relatório Condon e de Hynek. O cientista chefe da NARCAP, Dr. Richard F. Haines, definiu em 1980 o UAP como o estímulo visual que provoca um relatório de observação de um objeto ou luz vista no céu, com aparência e, ou dinâmica de voo que não possuam a lógica de um objeto voador convencional e que permaneça não identificado após a análise de todas as evidências disponíveis por pessoas que são tecnicamente capazes de fazê-lo.[9]

PAN

PAN é o acrônimo para Phénomenès Aérospatiaux Non identifiés (Fenômenos Aeroespaciais Não Identificados), utilizado no âmbito do Grupo de Estudos e de Informações sobre os Fenômenos Aeroespaciais Não Identificados – GEIPAN[10] do Centro Nacional de Estudos Espaciais – CNES[11] da França.

  • PAN  Classe  A:  Observação explicada de forma inequívoca;
  • PAN  Classe  B:  Observação em que a suposição feita pelo GEIPAN é considerada muito provável;
  • PAN  Classe  C:  Observação não explorada por falta de informações;
  • PAN  Classe  D:  Observação não explicada apesar da evidência disponível para o GEIPAN.
    • PAN D1: Correspondente a fenômenos estranhos, associado a um único testemunho, nenhuma foto ou vídeo. 
    • PAN D2: Que correspondem a fenómenos muito estranhos e alta consistência: várias testemunhas independentes e / ou fotografia ou vídeo e / ou vestígios na terra.[12]

OANI

OANI é o acrônimo para Objetos Aéreos Não-Identificados, utilizado pela Força Aérea Brasileira, no âmbito do Sistema de Investigação de Objetos Aéreos Não Identificados - SIOANI, que foi uma estrutura organizacional criada pelo Comando da 4ª Zona Aérea, para investigação e pesquisa científica dos OANIs, entre os anos de 1969 e 1972.[13] Sua área de atuação foi principalmente o Estado de São Paulo, mas investigou casos em vários outros.

Discos Voadores

A expressão popular disco voador é traduzida do inglês flying saucer (pires voador), utilizada pela primeira vez na edição de 25 de junho de 1947 do jornal Y East Oregonian, quando foi publicada uma entrevista com o piloto civil Kenneth Arnold, sobre sua observação de nove objetos voadores em forma de disco muito brilhantes, que comparou a pires saltando sobre a água, quando sobrevoava a área do Monte Rainier, Estados Unidos. No mesmo dia, um despacho de imprensa enviou a notícia ao escritório da Associated Press em Portland,[14] espalhando a história dos discos voadores por todo o globo. Na cultura popular e nas mídias é comumente utilizado para denominar genericamente um objeto voador não identificado, hipoteticamente extraterrestre. Muitos ufologistas e entusiastas tratam os termos OVNI, UFO e discos voadores como sinônimos de naves de outros planetas, visão não compartilhada por tantos outros ufologistas e entusiastas e pela ciência.[15]

HistóriaEditar

 
O fenômeno sobre a cidade alemã de Nuremberga em 14 de abril de 1561, conforme publicado num folheto noticioso nesse mesmo mês.
 
Desenho ilustrando os acontecimentos de 1566 sobre Basileia.

Observações de objectos voadores invulgares têm sido relatadas ao longo da história. Alguns episódios bíblicos - como por exemplo as visões do profeta Ezequiel - são interpretados por alguns ufologistas, como episódios de encontros com OVNIs. Jacques Scornaux e Christiane Piens acham isso talvez um claro abuso de interpretação: não podemos ver extraterrestres a intervir em todo o lado. Os dois autores anotam que tais escritos estão pesadamente carregados de símbolos, e de qualquer modo, milénios depois, é demasiado tarde para saber o que realmente se passou. Em contrapartida, aceitam melhor a possível origem extraterrena dos Vimanas, terríveis engenhos armados descritos em alguns textos sagrados da Índia.[16]

Qualquer que seja a sua verdadeira natureza, tais fenômenos ao longo da história têm sido considerados como acontecimentos sobrenaturais, demónios, anjos, ou outras figuras ou sinais religiosos. A historiadora de arte Daniela Giordano aponta para muitas pinturas e objetos medievais que mostram alguns objetos incomuns no ar; ela reconhece que muitas dessas imagens são difíceis de interpretar, mas comenta que alguns dos objetos são espantosamente semelhantes aos avistamentos de OVNIs de tempos mais recentes.[17]

Shen Kuo (1031 - 1095), da Dinastia Song chinesa, numa passagem do seu livro Essays from the Pool (1088) registrou os relatos de testemunhas oculares do século XI, afirmando terem visto um objeto voador enorme, em forma de pérola, que se podia mover a uma velocidade incrível. [18]

Em 14 de Abril de 1561, em Nuremberga, ao amanhecer, muitas pessoas testemunharam o aparecimento, nos céus da cidade, de vários objectos voadores desconhecidos: esferas, discos, cruzes e cilindros contendo no seu interior varios objectos menores, em forma de bola, assim como um enorme objecto alongado negro em forma de lança. Todos estes objectos pareciam lutar uns contra os outros. [19]

Em 1566 sobre Basileia, na Suiça, foram relatados acontecimentos semelhantes, descritos na "Gazette de Bâle" por Samuel Coccius. Numerosas bolas vermelhas e pretas no céu pareciam lutar nos céus e seguidamente consumiam-se. Um desenho da época recorda o acontecimento.[19]

Encontros imediatos - ClassificaçãoEditar

Encontro imediato ou contato imediato é um evento em que uma ou mais pessoas percebe a presença de um OVNI e, ocasionalmente, seus hipotéticos ocupantes. Dois sistemas de classificações desses encontros são amplamente aceitos.

Sistema HynekEditar

J. Allen Hynek apresentou seu sistema de classificação em seu livro The UFO experience: A scientific enquiry, publicado em 1972. Na visão de Hynek, nos relatórios de UFOs observados a grandes distâncias, a percepção errada do objeto ou luz brilhante é uma hipótese com a qual se trabalha, mas nos encontros próximos ou imediatos, principalmente nos casos de mais de uma testemunha, se torna insustentável considerar a experiência apenas dentro dos limites de percepção equivocada, já que excedem em muito qualquer margem a ponto de termos que considerar que houve uma verdadeira experiência anômala. Em suas palavras: “Será que temos, então, um fenômeno no qual várias pessoas sofrem temporariamente de insanidade em um determinado momento, mas em nenhum outro momento antes ou depois? Se assim for, temos de lidar com uma nova dimensão do fenômeno OVNI”.[20]

Os relatos foram classificados em seis categorias. As três primeiras são observações à distância, enquanto que as três últimas são propriamente os ditos Encontros Imediatos. A linha de corte na distância foi arbitrada em duzentas jardas ou cerca de cento e oitenta metros. É a regra de ouro.[2]

Classificação:

Observações relativamente distantesEditar

Luzes Noturnas: A testemunha observa um ponto luminoso ou fonte extensa;

Discos diurnos: a grande maioria das observações diurnas se referem a objetos de aparência metálica, discoidais, ovais (às vezes cilíndricas);

Radar e Radar-Visual: O radar é a fonte primária de informação, mas a observação visual concomitante traz maior importância.

Observações relativamente pertoEditar

CE-I: Encontros Imediatos do 1o grau Não há interação com a testemunha ou o ambiente.

CE-II: Encontros Imediatos do 2o grau Há interação entre o OVNI e o ambiente, como no sistema de ignição de um automóvel, queimaduras no solo, ou efeitos físicos em plantas, animais e humanos.

CE-III: Encontros Imediatos do 3o grau Ocupantes do OVNI, com aparência humanoide ou não, são relatadas. Geralmente não há contato direto ou comunicação com a testemunha. Por fim, nos anos recentes, incidentes de custódia foram relatados.[21]

Sistema ValleeEditar

O ufólogo Jacques Vallee, que publicou um livro em parceria com Hynek,[22] considerou em seu livro Confrontos (1990), que a classificação Hynek era insuficiente porque considerava que sempre haveria um grupo de pessoas capaz de chegar a um consenso sobre luzes estranhas. Também não incluía na classificação muitos fenômenos que ufologistas e pesquisadores consideravam relevantes, e que havia uma gama de fenômenos associados a OVNIs na literatura, como anomalias do tipo poltergeist, que precisavam ser considerados.[23] Vallee é um dos principais teóricos da hipótese interdimensional para explicação do fenômeno.

Para unificar seu sistema de classificação com o sistema Hynek, ele incluiu a dimensão psíquica e outros relatos anômalos, que acredita terem uma conexão com o fenômeno OVNI.[24]

SISTEMA VALLEE DE CLASSIFICAÇÃO DE ANOMALIAS RELACIONADAS A OVNI

1 2 3 4 5
ANOMALIA
Sem efeitos físicos. Luzes amorfas ou explosões inexplicadas. Com efeitos duradouros. Poltergeist, materializações, vegetação afetada. Anomalias associadas a entidades: Fantasmas, Ieti, Elfos. Criptozoologia. Interação pessoal e dentro da própria realidade das entidades. EFC, visões, milagres. Danos anômalos ou mortes. Combustão humana espontânea, ferimentos inexplicados.
SOBREVOO - OVNI
OVNI sobrevoando. Sobrevoo com efeitos físicos. Observação de seres a bordo do OVNI em sobrevoo. A testemunha experimenta a transformação da realidade do OVNI em sobrevoo e,ou seus ocupantes. Sobrevoo causa danos permanentes nas testemunhas.
MANOBRA - OVNI
OVNI Trajetória descontínua: queda, manobra, looping. OVNI em manobra causa efeitos físicos. Observação de seres a bordo do OVNI em manobras descontínuas. Observação de OVNI em manobras acompanhadas de sensação de transformação na realidade. Manobra que causa morte ou dano permanente na testemunha.
CONTATO IMEDIATO - OVNI
CE-I da escala Hynek. Observações próximas, sem interação com a testemunha ou ambiente. CE-II da escala Hynek. Interação com o ambiente: motores de carros, marcas no solo, efeitos físicos em seres vivos. CE-III da escala Hynek. Seres a bordo com aparência humanoide ou não. No geral sem contato direto ou comunicação com a testemunha. CE-IV agregada a escala Hynek. Incidentes de custódia da testemunha pelos seres. Abdução. CE-V agregada a escala Hynek. Contato imediato que causa danos permanentes a testemunha.

Estudos de casosEditar

Vários extensos estudos sobre relatos de OVNIs foram produzidos por órgãos oficiais de seus países. O primeiro foi o Projeto Sign, de 1947, seguido do Projecto Grudge em 1949, ambos da iniciativa da Força Aérea dos EUA. Em 1954, o regulamento Air Force Regulation 200-2, da Força Aérea dos EUA, estabelecia os procedimentos para informação e material de prova relativos a objetos voadores não identificados e estabelecia a responsabilidade das atividades da Força Aérea a este respeito. [25]

O Projecto Blue Book decorreu de 1952 a 1970. O Relatório Condon, no âmbito do University of Colorado UFO Project, tendo como contratante a Força Aérea dos Estados Unidos foi realizado entre os anos de 1966 e 1968. De acordo com uma análise do Relatório Condon por Peter A. Sturrock,em 1987, que aliás aponta várias imperfeições a esse estudo, ele "tem sido e continua a ser o documento público mais influente no que diz respeito à posição científica sobre o problema".[26] O estudo seguinte é o Projeto Condign, no âmbito do projeto Unidentified Aerial Phenomena in the UK Air Defence Region, patrocinado pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, entre os anos de 1997 e 2000. Esse estudo deve ser lido mais como um relatório de inteligência ao invés de um estudo científico.[27]

Relatório CondonEditar

 Ver artigo principal: Relatório Condon

De acordo com a introdução ao Relatório Condon, os relatos de observações de OVNIs, embora por vezes de descrição elaborada, geralmente trazem poucas informações que auxiliem a descobrir a verdadeira natureza do objeto avistado. Quando informações específicas que descrevem um objeto não identificável são apresentadas, "a fiabilidade dessa informação também deve ser avaliada, sendo necessária alguma corroboração ou verificação independente".[28]

Durante as investigações das equipes de campo, em uma grande variedade de situações não foi possível se estabelecer identificações firmes e a falta de provas tornaram esses casos totalmente inconclusivos. O relatório coloca que esses casos inconclusivos podem não ter sido identificados como fenômenos comuns, por causa da falta de informação adequada. No entanto, alerta que alguns casos intrigantes envolveriam testemunhos de valor, que descreveriam experiências que só poderiam ser explicadas em termos da presença de veículos estranhos e as conclusões a respeito deles dependeriam inteiramente do crédito a que se daria ao testemunho pessoal. Quanto aos testemunhos registrados logo após o relato, esses poderiam ser considerados de maior confiabilidade do que os relatos coletados entre dois a 20 anos mais tarde, "tanto por causa de falhas de memória como por causa de uma tendência à cristalização da história após repetidos relatos".[29]

O projeto concentrou suas investigações de campo nos relatórios UFOs na época considerados atuais, nos quais poderiam coletar testemunhos e provas num horizonte inicial de vinte e quatro horas.[30] Além dos estudos de campo, o Projecto também examinou alegadas provas fotográficas, evidências físicas, casos de observações de radar, observações de astronautas, e investigou a opinião pública sobre o fenómeno.[31]

Em "Conclusões e Recomendações", Condon escreveu: "A nossa conclusão geral é que nada veio do estudo dos OVNIS nos últimos 21 anos que tenha acrescentado ao conhecimento científico. Uma cuidadosa consideração dos registos, uma vez que estão à nossa disposição, leva-nos a concluir que um estudo mais aprofundado dos OVNIs provavelmente não pode ser justificado na expectativa de que a ciência seja avançada por essa via". Ele também recomendou contra a criação de um programa governamental para investigar relatórios de OVNIs. Descreveu o problema que confronta a comunidade científica, que cada cientista deve avaliar o registo por si próprio, e que a recomendação do Relatório contra uma investigação mais aprofundada "pode não ser verdadeira para sempre. " Ele aconselhou que as agências governamentais e fundações privadas "deveriam estar dispostas a considerar propostas de investigação OVNI...numa base aberta e sem preconceitos.." Em particular, o Relatório observou que havia lacunas no conhecimento científico nos campos da "óptica atmosférica, incluindo a propagação de ondas de rádio, e da electricidade atmosférica" que poderiam beneficiar de mais investigação no campo dos OVNIs.[32]

Críticas ao Relatório CondonEditar

O astrónomo J. Allen Hynek afirmou que "o Relatório Condon não resolveu nada" e chamou-lhe volumoso, divagante e mal organizado. Ele chamou a introdução de Condon de "singularmente tendenciosa" e escreveu que nela Condon "evitou mencionar que havia um mistério remanescente dentro das entranhas do relatório; que o comitê tinha sido incapaz de fornecer explicações adequadas para mais de um quarto dos casos examinados".[33]:239-243 Hynek nota que o programa examinou apenas 90 casos (3 eram observações de astronautas), desprezando milhares que estavam disponíveis. Desses 90 casos, 40 eram apenas os mais recentes (do ano de 1967), não tendo sido dada atenção aos 20 anos prévios e aos seus milhares de relatos. Catorze desses 90 casos já tinham sido examinados pelo projecto Blue Book, e classificados como equívocos, pelo que o astrónomo pensa que não deveriam ser reexaminados, mas sim examinados novos casos de entre os que o Blue Book não conseguira deslindar.[33]:241-243,252-254

Apenas 10 dos chamados "encontros imediatos", os mais interessantes para Hynek, foram investigados: seis não foram explicados, dois foram inconclusivos, um foi considerado "psicológico" e o outro era definitivamente Vénus.[33]:241-243,252-254

J. Hynek afirma que Condon não entendeu a natureza e o alcance do problema estudado. Cita W. T. Powers, que afirma que Condon usa como ilustrações exclusivamente os casos disparatados, fáceis de explicar ou mal relatados, sem uma única palavra sobre o facto de os seus colegas apresentarem, no mesmo volume, casos que resistiram às tentativas de explicação mais meticulosas. A possibilidade de avistamento por radar de um OVNI por um aparelho de radar a funcionar corretamente em condições atmosféricas normais não é de todo mencionada.[33]:258

Relatório CondignEditar

 Ver artigo principal: Projeto Candigno
 
Passagem de satélite Iridium

Os resultados do Projeto Condign (1997-2000) foram compilados em um documento de mais de quatrocentas páginas intitulado Unidentified Aerial Phenomena in the UK Air Defence Region,[34] que se baseou em cerca de dez mil relatórios recolhidos por pessoal da Equipe de Inteligência da Defesa (DIS) do Ministério da Defesa britânico. Mantido secreto durante vários anos, foi a domínio público em 15 de maio de 2006, após as diligências de David Clarke.[35] O relatório não encontrou nenhuma evidência de atividade extraterrestre, e conclui que as evidências dão suporte à teoria de que todos estes eventos se devem a meteoros, e fenômenos físicos, elétricos e atmosféricos.[35][36]

As explicações mais comuns encontradas pelo projeto para os UAPs ( fenómenos aéreos não identificados) são aeronaves, satélites ou balões. Um conjunto de outros fenômenos artificiais, atmosféricos e naturais podem complementar as explicações. Além disso, existem as fraudes. A possibilidade extrema de objetos extraterrestres seria o ponto alto. No entanto, uma variedade de fatores e o uso da ciência são essenciais para separar e filtrar os casos.[37]

Relatório do Pentágono em 2021Editar

Um relatório de apenas nove páginas Avaliação Preliminar: Fenómenos Aéreos Não Identificados (UAP) - foi publicado pelo Gabinete do Director da Inteligência Nacional dos EUA e descreveu os encontros, de 2004 a 2021, que os militares norte-americanos tiveram com objectos estranhos nos céus.[38]

Como era de esperar, não menciona extraterrestres, e alerta para a potencial ameaça à segurança nacional do fenómeno, que aliás foi o principal motivador da elaboração do relatório. Conclui que o que quer que seja que os militares norte-americanos estejam a encontrar parecem ser objectos reais - em pelo menos alguns dos 144 incidentes que estão a ser relatados. "A maioria dos UAP relatados representam provavelmente objectos físicos, dado que a maioria dos UAP foram registados através de múltiplos sensores, incluindo radares, infravermelhos, electro-ópticos, pesquisadores de armas, e observação visual", diz o relatório.[38]

FraudesEditar

No Brasil, o primeiro grande caso jornalístico envolvendo um OVNI nasceu sob o estigma da fraude, no ano de 1952. Um OVNI teria sido observado e fotografado no bairro da Barra da Tijuca no Rio de Janeiro por um conhecido jornalista e outro também conhecido fotógrafo. Uma extensa matéria com as fotos foi publicada na extinta revista O Cruzeiro e causou grande repercussão nacional. A própria Aeronáutica Brasileira chegou a dar crédito a história, mas análises das fotografias demonstraram que era uma montagem.[39]

Em 1958, fotógrafo Almiro Baraúna teria tirado quatro fotografias de um OVNI sobrevoando a Ilha da trindade, a bordo do navio da marinha Almirante Saldanha. As fotografias foram publicadas pela revista O Cruzeiro,[40] causando grande polêmica. Em 2010, ao programa Fantástico, da Rede Globo, a publicitária Emília Bittencourt, amiga de Baraúna, relatou que ouviu do próprio serem montagens.[41] Em 2011, Marcelo Ribeiro, também fotógrafo e sobrinho de Almiro Baraúna, revelou que ouviu de seu tio como teria produzido as montagens em seu laboratório caseiro.[42]

Fraudes foram perpetradas em muitos países. Durante a onda ufológica de 1954 na França, na cidade de Bélesta, um grupo de jovens à época, construiu um artefato com um aro de bicicleta e lâmpadas presas a ela, que utilizada na escuridão, se tornou um OVNI noticiado por todo o país.[43]

Existem as fraudes modernas, como casos de adulterações de fotografias efetuadas com a utilização de programas de edição de imagens. Em 2007 um vídeo de OVNIs em sobrevoo baixo sobre palmeiras fez grande sucesso nas redes sociais ufológicas. Era o vídeo dos OVNIs do Haiti, que foi posteriormente assumido como fraude pelo autor, um profissional da computação gráfica.[44] Durante a onda ufológica belga de 1989-1990, uma fotografia da maquete de um OVNI triangular supostamente tirada na cidade de Petit-Rechain correu o mundo, virando até capa de livro. O autor da foto assumiu fraude em 2011.[45]

FotografiasEditar

Em 1997, o professor de física da Universidade Stanford, Peter Sturrock, organizou uma conferência com cientistas de diversas áreas para analisar o fenômeno OVNI, intitulada Physical Evidence Related to UFO Reports, também chamada de Painel Sturrock.[46] O painel se expressou sobre a questão das evidências fotográficas, dizendo ser improvável se produzir provas fotográficas suficientes para convencer um cientista da realidade de um fenômeno estranho a menos que uma série de condições fossem atendidas (elencadas em um dos anexos do painel). Eles também expressaram a preocupação de que, com o avanço das técnicas digitais modernas, talvez nunca seja possível excluir possíveis fraudes sem que testemunhos independentes ou outro registro corroborativo do evento esteja disponível.[47]

O Relatório Condon (1968), vinte e nove anos antes do Painel Sturrock, quanto a evidências fotográficas, diz ter falhado em revelar provas conclusivas da existência de discos voadores, "nem estabelecido, é claro, que tais objectos não existam" , mas que era significativo que alguns dos casos "clássicos" tivessem sido identificados ou mostrassem pouco valor probatório.[48]

 
Foto do Instituto Geografico Nacional da Costa Rica sobre o Lago de Cote, em 4 de Setembro de 1971

Uma fotografia que é reconhecida mundialmente como uma das melhores de um legítimo OVNI, foi tirada em 04 de setembro de 1971, na Costa Rica, durante o mapeamento aerofotográfico do Lago de Cote pelo governo daquele país. Dois estudos foram publicados sobre a foto:

  • Photo Analysis of an Aerial Disc Over Costa Rica - Journal of Scientific Exploration, Vol. 3, number 2 (1989) por Richard F. Haines, Jacques F. Vallee;[49]
  • Lago de Cote: Photo Analysis of an Aerial Disc Over Costa Rica : New Evidence - Journal of Scientific Exploration, Vol. 4, number 1 (1990) por Richard F. Haines, Jacques F. Vallee.[50]
 
Foto obtida por Paul Trent em McMinnville, Oregon, EUA - 1950)

Outra fotografia foi tirada em 08 de junho de 1950, em McMinnville, Oregon, EUA. É uma das fotografias mais estudadas ao longo das décadas, com analises que defendem sua legitimidade e outros que sustentam ser fruto de uma fraude. Foi analisada dentro do Relatório Condon e a conclusão do investigador foi de que "é um dos poucos relatos de UFO em que todos os fatores investigados, geométricos, psicológicos e físicos parecem ser consistentes com a afirmação de que um extraordinário objeto voador, prateado, metálico, em forma de disco, com dezenas de metros de diâmetro e, evidentemente, artificial, voou à vista de duas testemunhas. Não se pode dizer que a evidência exclua positivamente uma fabricação, embora existam alguns fatores físicos, como a precisão de certas medidas fotométricas dos negativos originais que argumentam contra uma fabricação."[51] Sobre o caso, o investigador William Hartmann ainda registra: "Claramente, uma invenção ou um objeto extraordinário ("flying saucer")", isto é, nada conclui.[52]

Os estudos são:

A exemplo da fotografia de McMinnville, uma foto tirada em Santa Ana (Califórnia), EUA, no dia 03 de agosto de 1965, também foi muito investigada, com analises díspares. Foi analisada pelo Projeto Livro Azul e considerada um embuste, já pelo Relatório Condon considerada inconclusiva e por muitos investigadores independentes considerada autêntica. Alguns dos estudos são:[56]

  • Projeto Livro Azul: Photo Analysis Report 65-48 por Frank McPeak;[57]
  • Relatório Condon: Santa Ana, Calif, caso 52, por William Kenneth Hartmann;[58]
  • Reanalysis of the 1965 Heflin UFO Photos - Journal of Scientific Exploration, Vol. 4, number 4 (2000) por Ann Druffel, Robert M. Wood e Eric Kelson;[59]
 
As fotos da chamada " Batalha de Los Angeles", na edição de 26 de Fevereiro de 1942 do Los Angeles Times.

Uma outra fotografia clássica foi tirada em 24/25 de fevereiro de 1942 em Los Angeles, Califórnia, EUA, e faz parte da história da Segunda Guerra Mundial, naquela que ficou conhecida como A Batalha de Los Angeles.

  • The Army Air Forces in World War II, chapter 8, Air Defense of The Western Hemisphere de Wesley Frank Craven e James Lea Cate;[60]
  • The Battle of Los Angeles -Photo analysis de Bruce Maccabee.[61]

Observações no BrasilEditar

No Brasil, casos envolvendo OVNIs ou supostas aparições de seres extraterrestres também tornaram-se mais frequentes depois do Caso Roswell, nos Estados Unidos. Um dos casos mais famosos foi o da "Operação Prato", o nome dado a uma operação realizada pela Força Aérea Brasileira (FAB) em 1977 e 1978, através do Comando Aéreo Regional em Belém, para verificar a ocorrência de fenômenos desconhecidos que envolviam luzes que supostamente tinham um comportamento hostil e que eram relatadas pela população do município de Colares, no norte do estado do Pará.[62][63]

 
Registro de avistamento de um OVNI ocorrido em 16 de dezembro de 1977, no estado da Bahia. Arquivo Nacional

Em 13 de abril de 1978, o Ministro da Aeronáutica emitiu a nota ministerial C-002/Min/Adm[nota 1] com recomendações sobre o assunto OVNI. O ministro Joelmir Campos de Araripe Macedo fez uma digressão sobre o fenômeno OVNI pela Segunda Guerra Mundial e o interesse da Luftwaffe (força aérea alemã) nos relatórios sobre OVNIs dos seus pilotos e o tratamento recente da questão nos EUA, onde a USAF (força aérea americana) encerrou seus estudos, dizendo que não havia risco à segurança nacional. Recomenda a organização de um Registro de OVNI e de uma Comissão de Avaliação, composta por “elementos isentos de idéias ou opiniões preconcebidas”. O ministro, no entanto, cometeu uma impropriedade ao citar uma organização alemã ligada a Luftwaffe chamada Sonder buro Nr.13 que cuidava de uma suposta Operação Uranus para estudo dos discos voadores. Tal organização foi citada na obra O Livro Negro dos Discos Voadores [64] de 1970, por Henry Durrant, sendo reconhecida como uma fraude pelo próprio autor do livro.[65] Em 28 de fevereiro de 1989 o Ministro da Aeronáutica Octávio Júlio Moreira Lima emitiu o aviso ministerial S-001/Min, referenciando a nota ministerial de 1978, e transferindo toda a responsabilidade pelo assunto OVNI ao COMDABRA, bem como a transferência de toda a documentação acumulada. Recomendou isenção de idéias, opiniões pessoais e sigilo[nota 2].

Em 5 de maio de 2008, foi encaminhado ao Ministério da Defesa ofício do Subchefe para Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República, recomendando providências para acesso público à documentação referente a OVNIs, conforme solicitação da Comissão Brasileira de Ufólogos - CBU, que fosse passível de desclassificação de seu grau de sigilo ou material não sigiloso ou que tenha sido vencido seu prazo de sigilo, e posterior envio ao Arquivo Nacional. Em 31 de outubro de 2008, o Arquivo Nacional no Distrito Federal recebeu do CENDOC, um primeiro conjunto de publicações compiladas, do período 1952-1969, relativo a OVNIs.[66] Novos lotes de documentos foram liberados ao longo do tempo e no sistema de informações do Arquivo Nacional encontramos documentos digitalizados de anos recentes.[67]

Em 10 de agosto de 2010 foi publicado no Diário Oficial da União a Portaria Nº 551/GC3,[68] dispondo sobre o registro e o trâmite de assuntos relacionados a OVNIs no âmbito do Comando da Aeronáutica, alterando orientações oficiais anteriores de 1978 e 1989. Em seu primeiro artigo determina que "(...) As atividades do Comando da Aeronáutica (COMAER) relativas ao assunto “objetos voadores não identificados” (OVNI) restringem-se ao registro de ocorrências e ao seu trâmite para o Arquivo Nacional.". Estabeleceu que as ocorrências devem ser registradas em formulário próprio por todos os usuários do controle de tráfego aéreo e encaminhadas ao Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro - COMDABRA, que enviará periodicamente essa documentação ao Centro de Documentação da Aeronáutica - CENDOC, para posterior envio ao Arquivo Nacional.[69]

Existem também diversas regiões nas quais os relatos de OVNIs são bastante frequentes, sendo que em muitas delas os OVNIs fazem parte da própria cultura local da região. Dentre elas, podem-se destacar:[70][71]

Ver tambémEditar

Notas

  1. Arquivo Nacional, código de referência BR AN,BSB ARX.0.0.220, disponível digitalmente no Sistema de Informações do Arquivo Nacional
  2. Arquivo Nacional, código de referência BR AN,BSB ARX.0.0.268, disponível digitalmente no Sistema de Informações do Arquivo Nacional

Referências

  1. Condon, Edward (1969). Condon Report, Section II Summary of the Study, Chapter 2: Definition of an UFO. EUA: Bantam Books. p. 13. ISBN 978-0-5520-4747-0 
  2. a b J. Allen Hynek. «O fenômeno ufo: rir, rir; estudar, estudar». Viafanzine (traduzido do original). Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  3. Hynek, J. Allen (1972). The UFO Experience: A scientific enquiry. Reino Unido: Abelard-Schuman Ltd. p. 22-26. ISBN 978-1-56924-782-2 
  4. Vallee, Jacques (1965). Anatomy of a Phenomenon. EUA: H. Regnery Company. p. 137 
  5. Vallee, Jacques (1990). Confrontations – A Scientist's Search for Alien Contact. EUA: Ballantines Books. p. 233-234. ISBN 978-0-3453-6453-1 
  6. Edward J. Ruppelt. «The Report on Unidentified Flying Objects». London: Victor Gollancz, 1956. Consultado em 19 de setembro de 2016 
  7. «UFO». Oxford English Dictionary. Consultado em 19 de setembro de 2016 
  8. «NARCAP and unexplained phenomena». Airsafe.com. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  9. Richard Haines. «Definition of Unidentified Aerial Phenomena, UAP». NARCAP. Consultado em 19 de setembro de 2016 
  10. «Groupe D'Etudes et D'Informations Sur Les Phenomenes Aerospatiaux Non Identifies». GEIPAN. Consultado em 9 de dezembro de 2016 
  11. «Centre National D'Etudes Spatiales». CNES. Consultado em 9 de dezembro de 2016 
  12. «Liste Ded Définitions/Acronymes». GEIPAN. Consultado em 9 de dezembro de 2016 
  13. Quarta Zona Aérea. «Boletim Sioani – 1, código referência Arquivo Nacional: BR DFANBSB ARX.0.0.58». Sioani, 1969. Consultado em 19 de setembro de 2016 
  14. Lagrange, Pierre (1990). «L'Affaire Kenneth Arnold». Communications. pp. 283–309 
  15. «Discos voadores: E a nave vem». Superinteressante, 1988. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  16. Scornaux, Jacques; Piens, Christiane (1976). À descoberta dos OVNIs. [S.l.]: Edições António Ramos. pp. 217–219 
  17. Giordano, Daniela (13 de Novembro de 2006). «DO UFOs EXIST IN THE HISTORY OF ARTS?». American Chronicle 
  18. Dong, Paul (2000). China's Major Mysteries: Paranormal Phenomena and the Unexplained in the People´s Republic of China. [S.l.]: China Books and Periodicals, Inc. pp. 69–71 
  19. a b Scornaux, Jacques; Piens, Christiane (1976). À descoberta dos OVNIs. [S.l.]: Edições António Ramos. pp. 195–196 
  20. Hynek, J. Allen (1972). The UFO Experience: A scientific enquiry. Reino Unido: Abelard-Schuman Ltd. p. 115-117. ISBN 978-1-569-24782-2 
  21. «Hynek's UFO Classification System». CUFOS. Consultado em 19 de setembro de 2016 
  22. Hynek, Valle, J. Allen, Jacques (1975). The Edge of Reality: A progress report on the unidentified flying objects. Chicago, EUA: Henry Regnery. ISBN 978-0-8092-8150-3 
  23. Vallee, Jacques (1990). Confrontos, Apêndice Pondo Ordem no Caos: Definições e Classificações. São Paulo, SP: Best Seller. p. 249 a 265. ISBN 85-7123-267-9 
  24. Jacques Vallee. «Current Vallee Classification System» (PDF). CUFOS. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  25. «Air Force Regulation 200-2 (AFR 200-2, 12 August 1954) Unidentified Flying Objects Reporting». 1954. Consultado em 11 de abril de 2021 
  26. Sturrock, Peter A. (1987). «An Analysis of the Condon Report on the Colorado UFO Project». Journal of Scientific Explorafion, Vol. I, No. I -1987. pp. 75–100 
  27. David Clark e Gary Anthony. «The British MoD study: Project Condign» (PDF). Ufocasebook, 2006. Consultado em 18 de novembro de 2016 
  28. Condon, Edward (1969). Condon Report, Section III The Work of the Colorado Project, Chapter 1: Field Studies, Subchapter 1: Introduction. EUA: Bantam Books. p. 73. ISBN 978-0-5520-4747-0 
  29. Condon, Edward (1969). Condon Report, Section III The Work of the Colorado Project, Chapter 1: Field Studies, Subchapter 2: Old UFO Cases. EUA: Bantam Books. p. 74. ISBN 978-0-5520-4747-0 
  30. Condon, Edward (1969). Condon Report, Section III The Work of the Colorado Project, Chapter 1: Field Studies, Subchapter 6: Investigation Capability and Philosophy. EUA: Bantam Books. p. 86. ISBN 978-0-5520-4747-0 
  31. «Condon Report, Table of Contents». files.ncas.org. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  32. Condon, Edward (1969). Scientific Study of Unidentified Flying Objects, Section I Conclusions and Recommendations. EUA: Bantam Books. p. 1 a 8. ISBN 978-0-5520-4747-0 
  33. a b c d Hynek, J.Allen (1972). The UFO Experience: A scientific enquiry. [S.l.]: Corgi Books 
  34. Air Command. «Unidentified Aerial Phenomena (UAP) in the UK Air Defence Region». webarchive.nationalarchives.gov.uk (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  35. a b Mark Simpson. «UFO study finds no sign of aliens». BBC News. Consultado em 18 de novembro de 2016 
  36. Simpson, Mark (7 de maio de 2006). «UFO study finds no sign of aliens». BBC News (em inglês) 
  37. Air Command, DIS (2000). Condign Report, Vol. 1, Chapter 2: Analysis Methodology, Subchapter: Relevant Information (PDF). Reino Unido: MoD. p. 2. Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  38. a b «Read the full report: A preliminary assessment by the U.S. government on unidentified aerial phenomena» (em inglês). Washington Post. Junho de 2021 
  39. Alexandre de Carvalho Borges. «A fraude do Caso Barra da Tijuca completa 55 anos». Revista UFO. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  40. João Martins. «Disco Voador Sobrevoa o Almirante Saldanha». revista O Cruzeiro de 08/03/1958, páginas 4 a 12. Consultado em 17 de maio de 2016 
  41. «Família de fotógrafo revela verdade sobre fotos de óvnis em Trindade». G1. Consultado em 17 de maio de 2016 
  42. Alexandre Borges. «Caso Ilha da Trindade: sobrinho de Almiro Baraúna afirma que as fotos são um truque.». Além da Ciência. Consultado em 17 de maio de 2016 
  43. «Ovni à Bélesta en 1954 : c'était une blague !». Lapedeche.fr, 2009. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  44. Josef Prado. «OVNI do Haiti é fraude criada por computador». BURN, 2007. Consultado em 9 de dezembro de 2016 
  45. Alexandre Borges. «Fotografia de UFO triangular da onda belga é falsa». Além da Ciência, 2011. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  46. «Cientistas investigam alienígenas». Revista UFO, edição 60. Outubro de 1998. Consultado em 9 de setembro de 2017 
  47. Sturrock, Peter. «Physical Evidence Related to UFO Reports (Sturrock Panel)». Journal of Scientific Exploration, Vol. 12, number 2, pp 187-189 (1998). Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  48. Condon, Edward (1969). Condon Report, Section III The Work of the Colorado Project, Chapter 2: Analysis of UFO Photographic Evidence. EUA: Bantam Books. p. 121. ISBN 978-0-5520-4747-0 
  49. Richard F. Haines, Jacques F. Vallee. «Photo Analysis of an Aerial Disc Over Costa Rica». Journal of Scientific Exploration, Vol. 3, number 2 (1989). Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  50. Richard F. Haines, Jacques F. Vallee. «Photo Analysis of an Aerial Disc Over Costa Rica : New Evidence». Journal of Scientific Exploration, Vol. 4, number 1 (1990). Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  51. Condon, Edward (1969). > Condon Report, Section III The Work of the Colorado Project, Chapter 2: Analysis of UFO Photographic Evidence por William K. Hartmann. EUA: Bantam Books. pp. 118,119. ISBN 978-0-5520-4747-0 
  52. «Chapter 2 -Analysis of UFO Photographic Evidence, William K. Hartmann Table 2 -Classification of 11 First-Priority Cases». Condon Report 
  53. Condon, Edward (1969). Condon Report, Section IV Case Studies, Chapter 3: Photographic Case Studies, Case 46 McMinnville, Oregon. EUA: Bantam Books. p. 607-625. ISBN 978-0-5520-4747-0 
  54. Robert Sheaffer. «An Investigation of the McMinnville UFO Photographs». debunker.com. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  55. Antoine Cousyn, François Louange and Geoff Quick. «The McMinnville pictures» (PDF). IPACO. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  56. Ann Druffel. «Good-bye, Rex Heflin Your Photos Remain». Anndruffel.com. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  57. Frank McPeak. «Photo Analysis Report 65-48». Project Blue Book Archive. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  58. Condon, Edward (1969). Condon Report, Section IV Case Studies, Chapter 3: Photographic Case Studies, Case 52 Santa Ana, Calif. EUA: Bantam Books. p. 671-697. ISBN 978-0-5520-4747-0 
  59. Ann Druffel, Robert M. Wood e Eric Kelson. «Reanalysis of the 1965 Heflin UFO Photos». Journal of Scientific Exploration, Vol. 4, number 4 (2000). Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  60. Wesley Frank Craven e James Lea Cate. «The Army Air Forces in World War II, chapter 8, Air Defense of The Western Hemisphere» (PDF). archive.org. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  61. Bruce Maccabee. «The Battle of Los Angeles -Photo analysis». brumac.8k.com. Consultado em 10 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 31 de agosto de 2006 
  62. Portal Terra, ed. (10 de agosto de 2010). «FAB cria normas para pilotos em caso de contato com ovnis». Consultado em 24 de agosto de 2014 
  63. IstoÉ, ed. (22 de julho de 2009). «A história oficial dos ÓVNIS no Brasil». Consultado em 24 de agosto de 2014 
  64. Durrant, Henry (1979). Informe UFO: O Livro Negro dos Discos Voadores. Brasil: Difel. p. 73 
  65. «OVNIs e a Aeronáutica: O que não querem que você saiba». Ceticismo Aberto. Consultado em 25 de outubro de 2016. Arquivado do original em 8 de agosto de 2016 
  66. Olimpio Ribeiro Gomes. «NOTA TÉCNICA nº 1759 de 22/08/2012» (PDF). CGU 30 de julho de 2012. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  67. «Governo Brasileiro Libera Documentos Sobre UFOs». Revista UFO. Consultado em 3 de fevereiro de 2015 
  68. Juniti Saito, Comandante da Aeronáutica. «Portaria nº 551/GC3, de 9 de agosto de 2010» (PDF). Governo Federal. Consultado em 24 de outubro de 2016 
  69. «FAB cria normas para pilotos em caso de contato com ovnis». Portal Terra. Consultado em 24 de outubro de 2016 
  70. Flávio Tobler. «O Turismo ufológico no Piauí». União de Pesquisas Ufológicas do Piauí. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  71. Alberto Romero. «Quase cai um disco voador na Bahia». Revista UFO. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  72. Samantha Silva e Régis Melo. «ET de Varginha: caso completa 20 anos com mistérios e incertezas». G1. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  73. Paulo Aníbal G. Mesquita. «São Tomé das Letras e seus casos misteriosos». Revista UFO. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  74. Roberto Affonso Beck. «Chapada Diamantina é celeiro de UFOs no Nordeste». Revista UFO. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  75. «Ufólogo aponta lugares no Brasil com relato de avistamento de Ovnis». Globo Ciência. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  76. Paulo Aníbal G. Mesquita. «Casuística ufológica em Niterói (RJ)». Revista UFO. Consultado em 15 de janeiro de 2017 

BibliografiaEditar

  • Condon, Edward (1969). Scientific Study of Unidentified Flying Objects. EUA: Bantam Books. p. 965. ISBN 978-0-552-04747-0 
  • Hynek, J. Allen (1972). The UFO Experience: A scientific enquiry. Reino Unido: Abelard-Schuman Ltd. ISBN 978-1-569-24782-2 
  • Bowen, Charles (1974). The Humanoids. França: J'ai lu / L'aventure mystérieuse. p. 307 
  • Sagan, Carl (2006). O Mundo Assombrado pelos Demônios. EUA: Companhia de Bolso. p. 512. ISBN 978-8-535-90834-3 
  • Jame, Barry (1980). Ball Lightning and Bead Lightning: Extreme Forms of Atmospheric Electricity. New York: Springer Science & Business Media. ISBN 978-0-306-40272-2 
  • Vallee, Jacques (1965). Anatomy of a Phenomenum. EUA: NTC/Contemporary Publishing. p. 209. ISBN 978-0-809-29888-4 
  • Vallee, Jacques (1969). Pasaporte a Magonia. Chicago, EUA: H. Regnery Company. p. 459. ISBN 84-01-31018-0 
  • Vallee, Jacques (1988). Dimensions: A Casebook of Alien Contact. EUA: Anomalist Books. p. 293 
  • Vallee, Jacques (1990). Confrontations – A Scientist's Search for Alien Contact. EUA: Ballantines Books. p. 263. ISBN 978-0-345-36453-1 
  • Jung, Carl G. (1958). Ein moderner Mythus: Vom Dingen, die am Himmel gesehen werden. Alemanha: Zürich-Stuttgart Rascher. p. 122 
  • Norlain (prefácio), Bernard (2003). Les OVNI et la défense : À quoi doit-on se préparer ?. França: Editions du Rocher. p. 221. ISBN 978-2-268-04592-4 
  • Persinger, Michael (1976). «Transient Geophysical Bases for Ostensible UFO-Related Phenomena and Associated Verbal Behavior». EUA: Ammons Scientific. Perceptual and Motors Skills, 43, p. 215-221. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  • Gauthier Cardoso dos Santos, Rodolpho (2009). A invenção dos discos voadores. Guerra Fria, imprensa e ciência no Brasil (1947-1958) (Tese). Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Consultado em 31 de dezembro de 2016 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Objeto voador não identificado