A Culpa

filme de 1980 dirigido por António Victorino de Almeida
Disambig grey.svg Nota: Se procura filme brasileiro dirigido por Domingos de Oliveira lançado em 1971, veja A Culpa (1971).

A Culpa
Portugal Portugal
1980 •  cor •  120 min 
Realização António Vitorino de Almeida
Argumento António Vitorino de Almeida
Elenco Sinde Filipe
Mário Viegas
Marília Gama
Estrela Novais
Paula Guedes
Miguel Franco
Lançamento 7 de Maio de 1981
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

A Culpa (1980) é um filme português de longa-metragem de António Vitorino de Almeida, sua primeira obra de ficção no cinema.

Estreia em Lisboa no City Cine, a 7 de Maio de 1981

Ficha sumáriaEditar

  • Argumento: António Vitorino de Almeida
  • Realizador: António Vitorino de Almeida
  • Produção: António Vitorino de Almeida (Portugal) e Film Produktion (Áustria)
  • Música: António Vitorino de Almeida
  • Actores principais: Sinde Filipe, Mário Viegas, Estrela Novais, Marília Gama
  • Laboratório de imagem: Wien Film
  • Distribuição: Cinequipa
  • Estreia: City Cine, 7 de Maio de 1981

SinopseEditar

1973. Nas vésperas da Revolução dos Cravos, Mário, ex-combatente da guerra colonial na Guiné Portuguesa, decide regressar à sua vila natal. Atormenta-o um indefinido sentimento de culpa. Sente-se responsável pela morte de dois homens, um soldado e um nativo africano, na sequência de um alarme que deu de noite em determinado momento do combate. Encontra-se em Lisboa com a companheira do soldado morto, Margarida. Trata-se de uma mulher que oscila entre a loucura e uma teatralidade calculada. Procura ele, para arranjar emprego, contactar um certo deputado em cuja quinta, no norte do pais, a sua família trabalha.

Enquadramento históricoEditar

No 9º Festival Internacional de Cinema da Figueira da Foz, em 1980, são exibidas cinco longas-metragens de novos realizadores portugueses que se identificam pela intenção de invocar realidades do passado e do presente de um país em mudança. Cerromaior (filme), de Luís Filipe Rocha, Manhã Submersa (filme), de Lauro António e o documentário Bom Povo Português, de Rui Simões (cineasta), lembram o passado. A Culpa, de António Vitorino de Almeida e Verde por Fora, Vermelho por Dentro, de Ricardo Costa, são metáforas dessa mudança: o primeiro alude ao incontornável sentimento de culpa de quem, sem mudar, agiu colaborando na repressão e o segundo alude à quimérica insensatez de quem pretende melhorar as coisas resistindo à mudança.

Para o início de uma década em que o cinema português procura intervir, ser cinema social sem deixar de ser «cinema de autor», a convergência é significativa. Dos do «velho Novo Cinema», nesse mesmo festival, Oxalá, de António Pedro Vasconcelos e Kilas, o Mau da Fita, de José Fonseca e Costa, revelam preocupações idênticas. Em Oxalá e A Culpa está em causa a consciência, num regresso problemático ao palco da mudança. Em Verde por Fora (em que isso também existe) e em Kilas existe mais que isso: existe uma inquietação imprecisa mas preocupante perante a intriga histórica, perante aquilo que insidiosamente se trama. Em ambos os filmes há obscuras manipulações políticas, tráfico de influências, há dinamite destinado a fazer estoirar a esperança de quem se obstina no sonho. Vive-se então um tempo propício a memórias intensas, que em breve se desvanecerão.

Nesse mesmo festival outros filmes foram vistos, certos, como alguns destes, algo perturbadores, algo inconclusivos, que por outras razões ficarão também esquecidos: obras recentes de Frederick Wiseman, de Ken Loach, de Francesco Rosi, de Jean-Luc Godard, de Orson Welles, de Robert Kramer, de Marguerite Duras, de Margarethe von Trotta, de Valeria Sarmiento, de Rainer Werner Fassbinder, de Nikita Mikhalkov, entre outros notáveis.

Ficha artísticaEditar

Ficha técnicaEditar

  • Argumento: António Vitorino de Almeida
  • Realizador: António Vitorino de Almeida
  • Produção: António Vitorino de Almeida (Portugal) e Film Produktion (Áustria)
  • Director de produção: João Franco
  • Assistentes de produção: José Maria Pimentel, António Bastos e Maria de Medeiros
  • Exteriores: Lisboa, Porto. Rio de Mouro (Quinta de Santo. António)
  • Rodagem: Setembro / Novembro de 1979
  • Fotografia: Hanus Polak
  • Assistentes de imagem: Christien Kersthen e Octávio Espírito Santo
  • Iluminação: Jorge Caldas e Jorge Mergulhão
  • Cenários e adereços: Françoise Ariel
  • Guarda-roupa: Françoise Ariel
  • Caracerização: Luís de Matos
  • Anotação: Françoise Ariel
  • Director de som: Hans Haunhold
  • Sonoplastia e misturas: Guisser
  • Efeitos especiais: Luís de Matos e António Maria Rocha
  • Música: António Vitorino de Almeida
  • Montagem: Daniela Klein
  • Laboratório de imagem: Wien Film
  • Distribuição: Cinequipa
  • Antestreia: City Cine, 13 de Fevereiro de 1981
  • Estreia: City Cine, 7 de Maio de 1981

FestivaisEditar

Artigos relacionadosEditar

Ver enquadramento histórico em

Ligações externasEditar

  A Wikipédia tem o