Abrir menu principal
Ada Yonath Medalha Nobel
Yonath em visita à Índia em fevereiro de 2013.
Nascimento 22 de junho de 1939 (80 anos)
Jerusalém, Mandato Britânico da Palestina (hoje Israel)
Residência Israel
Nacionalidade israelense
Cidadania Israel
Alma mater Universidade Hebraica de Jerusalém, Instituto Weizmann da Ciência
Ocupação bióloga, biólogo molecular, química, pedagoga, professora universitária, cristalógrafo, bioquímico
Prêmios Prémio Harvey (2002), Prêmio Massry (2004), Medalha de Ouro Paul Karrer (2004), Prêmio Wolf de Química (2006/2007), Prêmio Paul Ehrlich e Ludwig Darmstaedter (2007),
Prêmios L'Oréal-UNESCO para mulheres em ciência (2008), Albert Einstein World Award of Science (2008), Nobel prize medal.svg Nobel de Química (2009), Medalha Wilhelm Exner (2010), Plaqueta Röntgen (2014)
Empregador Universidade de Chicago, Instituto Weizmann da Ciência
Orientador(es) Wolfie Traub
Instituições Instituto Weizmann da Ciência
Campo(s) Cristalografia, química e bioquímica

Ada E. Yonath (em hebraico: עדה יונת ; Jerusalém, 22 de junho de 1939[1]) é uma cientista israelense, ganhadora do Prêmio Nobel de Química de 2009, juntamente com Venkatraman Ramakrishnan e Thomas Steitz.[2][3] É conhecida pelos seu trabalhos pioneiros sobre a estrutura do ribossomo. Atualmente, é diretora do Centro Milton A. Kimmelman de Estrutura Biomolecular do Instituto Weizmann da Ciência.

Foi a primeira mulher do Oriente Médio a ganhar um Nobel em ciências[4] e a primeira mulher em 45 anos a ganhar um Nobel em Química.[5]

Índice

Vida pessoalEditar

Yonath nasceu em Geula, Jerusalém.[6] Filha de Hillel e Esther Lifshitz, judeus sionistas que imigraram à região da Palestina, vindos de Zduńska Wola, na Polônia em 1933, antes do estabelecimento do estado de Israel.[7]

Seu pai, rabino, vinha de uma família com longa tradição rabínica. Eles se estabeleceram em Jerusalém, onde abriram uma mercearia, mas era difícil de manter as despesas. Eles moravam em casas apertadas com várias outras famílias, e Yonath lembra que "livros" eram a única coisa que ela tinha para mantê-la ocupada[8]. Apesar da vida humilde, seus pais a mandaram para uma boa escola em Beit HaKerem, bairro nobre de Jerusalém, para assegurar sua boa educação.

Seu pai morreu aos 42 anos e a família se mudou para Tel Aviv.[9] Yonath foi aceito na escola de ensino médio Tichon Hadash, embora sua mãe não tivesse como pagar a mensalidade. Em troca, ela deu aulas particulares de matemática.[10] Quando jovem, diz que foi inspirada pela cientista polonesa e naturalizada francesa Marie Curie.[11] Depois de ler uma biografia mais detalhada, afirmou que Curie não era um modelo a ser seguido.[12]

Voltou para Jerusalém para cursar a faculdade na Universidade Hebraica de Jerusalém, onde obteve o bacharelado em química, em 1962 e mestrado em bioquímica em 1964. Em 1968 obteve um doutorado no Instituto Weizmann de Ciência, estudando a estrutura do colágeno através da cristalografia de raios-X, tendo Wolfie Traub como orientador.[13][14][15]

Ada tem uma filha, Hagit Yonath, médica do Centro Médico Sheba, e uma neta, Noa.[16][17]

CarreiraEditar

Ada fez pós-doutorado na Universidade Carnegie Mellon, em 1969 e no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), em 1970. No MIT, Ada trabalhou no laboratório do ganhador do Nobel em Química de 1976, William Lipscomb, da Universidade Harvard, onde ela se inspirou a estudar estruturas bioquímicas maiores.[18]

Em 1970, ela estabeleceu aquele que permaneceu como sendo o único laboratório de cristalografia de proteínas de Israel. De 1979 a 1984, ela foi chefe de pesquisas com Heinz-Günter Wittmann, no Instituto Max Planck de Genética Molecular, em Berlim. Visitou a Universidade de Chicago, de 1977 a 1978[19]. Dirigiu a unidade de pesquisa do Deutsches Elektronen-Synchrotron (DESY), da Instituto Max Planck, em Hamburgo, de 1986 a 2004, em paralelo com seu trabalho no Instituto Weizmann.

Ada foca nos estudos dos mecanismos por trás da biossíntese de proteínas através da cristalografia de ribossomos, linha de pesquisa pioneira vinte anos atrás, apesar do ceticismo da comunidade internacional[20]. Ribossomos traduzem o RNA em proteínas. Suas estruturas são ligeiramente diferentes em micro-organismos, quando comparadas com células eucariontes, como células humanas, o que os fazem alvo para antibióticos. De 2000 a 2001, Ada determinou a estrutura completa, em alta resolução, de ambas as estruturas ribossômicas, e descobriu dentro do ribossomo de outra forma assimétrico, a região simétrica universal que fornece a estrutura e navega o processo de polimerização polipeptídica. Consequentemente, ela mostrou que o ribossomo é uma ribozima que coloca seus substratos em estereoquímica adequada para a formação de ligações polipeptídicas e para a catálise por meio de substrato. Em 1993, ela visualizou o caminho tomado pelas proteínas, chamado de túnel ribosomal.

Ada também elucidou os modos de agir de vinte diferentes antibióticos que têm como alvo o ribossomo, iluminando mecanismos que causam resistência, decifrando as bases estruturais para a seletividade dos antibióticos.[21]

Entrevista com Ada Yonath no anúncio do Prêmio Nobel

Referências

  1. «Israel Prize Official Site (in Hebrew) – Recipient's C.V.» 
  2. G1. «Nobel de química é concedido a pesquisadores das funções do ribossomo». Consultado em 7 de outubro de 2009 
  3. Lappin, Yaakov (7 de outubro de 2009). «Nobel Prize Winner 'Happy, Shocked'». Jerusalem Post. Consultado em 7 de outubro de 2009 
  4. Karin Klenke, Women in Leadership: Contextual Dynamics and Boundaries, Emerald Group Publishing, 2011, p. 191.
  5. «Interview»  Ada E. Yonath, The Nobel Prize in Chemistry 2009
  6. «Ada Yonath— L'Oréal-UNESCO Award». Jerusalem Post. 8 de março de 2008. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2012 
  7. István Hargittai, Magdolna Hargittai. «"Candid science 6": Interview with Ada Yonath». In this source the surname is spelled Livshitz. p. 390 
  8. Talk given at Moriah College, Sydney, 18 February 2010 as noted by a student present from James Ruse Agricultural High School
  9. «Israeli professor receives Life's Work Prize for women in science». Ministry of Foreign Affairs. 28 de julho de 2008 
  10. «Former 'village fool' takes the prize». Jerusalem Post. Consultado em 30 de maio de 2019. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2012 
  11. «ISRAEL21c - Uncovering Israel». Israel21c 
  12. Talk given at Moriah College, 18 February 2010
  13. «(IUCr) European Crystallography Prize». iucr.org 
  14. Traub, Wolfie; Yonath, Ada (1966). «POLYMERS OF TRIPEPTIDES AS COLLAGEN MODELS .I. X-RAY STUDIES OF POLY (L-PROLYL-GLYCYL-L-PROLINE) AND RELATED POLYTRIPEPTIDES». Journal of Molecular Biology. 16 (2): 404. doi:10.1016/S0022-2836(66)80182-1 
  15. Yonath, Ada; Traub, Wolfie (1969). «POLYMERS OF TRIPEPTIDES AS COLLAGEN MODELS .4. STRUCTURE ANALYSIS OF POLY(L-PROLYL-GLYCYL-L-PROLINE)». Journal of Molecular Biology. 43 (3): 461. doi:10.1016/0022-2836(69)90352-0 
  16. Ofri Ilani. «Israel's Prof. Ada Yonath wins Nobel Prize for Chemistry». Haaretz.com 
  17. «Former 'village fool' takes the prize». Consultado em 30 de maio de 2019. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2012 , Judy Siegel-Itzkovich, Jerusalem Post 8 March 2008
  18. Yarnell, A. Lipscomb Feted in Honor of his 90th Birthday Arquivado em 14 de julho de 2014, no Wayback Machine.. Chemical and Engineering News, 87, 48, Am. Chem. Soc., p. 35, Nov. 30, 2009.
  19. anonymous. «New chemistry Nobelist was UChicago visiting prof, conducted research at Argonne». uchicago.edu. Consultado em 25 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 10 de junho de 2010 
  20. «The Nobel Prize in Chemistry 2009 - Speed Read». nobelprize.org 
  21. Hope, H., Frolow, F., von Bohlen, K., Makowski, I., Kratky, C., Halfon, Y., Danz, H., Webster, P., Bartels, K. S., Wittmann, H. G. & Yonath, A. (1989). Acta Crystallogr. B45, 190–199. doi:10.1107/S0108768188013710

Ligações externasEditar