Abrir menu principal

Campeonato Paulista de Futebol de 1982 - Segunda Divisão

Campeonato Paulista de Futebol de 1982
Segunda Divisão
Dados
Participantes 54[1]
Campeão Taquaritinga
Vice-campeão Bragantino
◄◄ 1981 São Paulo Soccerball.svg 1983 São Paulo ►►

O Campeonato Paulista de Futebol de 1982 - Segunda Divisão foi 36ª edição do torneio promovida pela Federação Paulista de Futebol, e equivaleu ao segundo nível do futebol no estado de São Paulo.

Foi um campeonato muito grande e com muitas confusões e brigas nos jogos classificatórios, como no jogo entre o Taquaritinga contra o Grêmio Sãocarlense, quando houve uma guerra campal entre as torcidas, que se espalhou pela cidade de Taquaritinga e pela rodovia que liga a cidade a São Carlos.

As finais foram disputadas por quatro equipes na cidade de São Paulo, sendo que o Taquaritinga tornou-se campeão da Segunda Divisão,[2] ganhando o direito de participar da Primeira Divisão de 1983. O vice Bragantino disputou com o XV de Jaú a outra vaga, mas não obteve o acesso, pois perdeu a disputa.

Participantes[3]Editar

GRUPO AMARELO:

GRUPO BRANCO:

GRUPO PRETO:

GRUPO VERMELHO:

Forma de disputaEditar

Na primeira fase, os times foram divididos em quatro grupos, com jogos em turno e returno. Os campeões de cada turno se classificariam para a fase semifinal e se enfrentariam dentro do próprio grupo, em melhor de três pontos, com vantagem da equipe que tivesse melhor campanha. Os quatro vencedores disputariam a fase final por pontos corridos em dois turnos.

SemifinaisEditar

Grupo AmareloEditar

13 de novembro de 1982: Araçatuba 1—1 Santa Fé
17 de novembro de 1982: Araçatuba 3—0 Santa Fé

Grupo BrancoEditar

Mogi Mirim 0—0 Primavera
Mogi Mirim 0—0 Primavera
13 de novembro de 1982: Mogi Mirim 2—2 Primavera (houve empate também na prorrogação, e o Mogi Mirim classificou-se por ter melhor campanha)

Grupo Preto[4]Editar

Bragantino 0—0 São Bernardo
6 de novembro de 1982: Bragantino 2—1 São Bernardo

Grupo VermelhoEditar

18 de novembro de 1982: Taquaritinga 1—1 Internacional
20 de novembro de 1982: Taquaritinga 2—2 Internacional
24 de novembro de 1982: Taquaritinga 2—2 Internacional (Taquaritinga venceu na prorrogação por 2 a 0, embora o empate fosse suficiente por ter melhor campanha)

Fase finalEditar

Grupo A
Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 Taquaritinga 8 6 2 4 0 9 5 4
2 Bragantino 7 6 1 5 0 8 5 3
3 Araçatuba 6 6 1 4 1 6 6 0
4 Mogi Mirim 3 6 0 3 3 6 12 -6

Jogo decisivoEditar

9 de dezembro de 1982 Taquaritinga 2 – 0 Mogi Mirim Parque Antarctica, São Paulo, SP
19h30
Nascimento   2' do 1.º
Vágner   14' do 1.º
Público: 2 850
Renda: Cr$ 967 200

Árbitro: João Leopoldo Ayeta

Taquaritinga: João Luís; João Carlos, Cidão, André e Nélson; Carlos Alberto (Celso), Roberlei (Braguinha) e Marcelo; Cássio, Nascimento e Vágner. Técnico: Tonho.

Mogi Mirim: Buda; Wílson Campos, Pereira, Elói e Maurício; Gaúcho, Silvinho e Arlindo; Beto (Ramón), Sérgio Tietê (Élcio) e Oscarzinho. Técnico: Tonico Guerreiro.

"Rebolo"Editar

Como vice-campeão da Segunda Divisão, o Bragantino disputaria a repescagem (também conhecida como "rebolo") contra o XV de Jaú, penúltimo colocado da Primeira Divisão. Inicialmente, os dirigentes do clube de Bragança Paulista alegavam que não precisariam disputar o "rebolo", pois o estádio do Taquaritinga não atendia à exigência mínima de capacidade para a Primeira Divisão,[5] porém, num esforço de mutirão, a população da cidade ajudou a construir o Taquarão em tempo recorde, e o Bragantino acabou tendo de se contentar com a segunda colocação.

Entretanto, como a briga demorou meses para ser resolvida, a Federação deixou para marcar as datas do "rebolo" apenas em abril de 1983.[6] Àquela altura, o Bragantino já tinha disputado algumas partidas pelo campeonato de 1983 da Segunda Divisão.[7] O rebolo seria disputado em melhor de três pontos, com as partidas previstas para os dias 3 e 6 de maio e uma eventual partida no dia 8.[7] Todas as partidas seriam disputadas no Estádio Barão de Serra Negra, em Piracicaba, um campo neutro.[7]

A resolução da FPF sobre o "rebolo" estabeleceu que poderiam ser inscritos para as partidas jogadores registrados até 29 de abril,[7] apesar de o regulamento original do Campeonato Paulista de 1982 prever que só poderiam jogar atletas que estivessem registrados naquela competição.[8] O Bragantino escalou apenas jogadores de seu elenco de 1982, o que fez com que o time entrasse em campo para o primeiro jogo com o então zagueiro Pintado no gol, enquanto o XV de Jaú, que tinha em seu elenco apenas seis remanescentes do ano anterior,[9] escalou apenas atletas contratados já em 1983.[10] O XV de Jaú ganhou por 3 a 2, e o Bragantino ameaçou tentar anular a partida.[8][10]

Apesar de o advogado do Bragantino ter garantido que seu clube ficaria com os pontos do jogo inicial,[11] a Justiça estadual acabou proferindo decisão contrária,[9] e o Bragantino também entrou em campo para o segundo jogo com atletas contratados em 1983.[12] O empate por um gol manteve o XV na Primeira Divisão, gerando grande comemoração em Jaú.[13]

PremiaçãoEditar

Campeonato Paulista de 1982 - Segunda Divisão
 
Taquaritinga
Campeão
(1º título)

Referências

  1. «Taquaritinga campeão e Bragantino vice». Consultado em 6 de agosto de 2017 
  2. RSSSF Brasil. «São Paulo State - List of Second Division Champions». Consultado em 9 de janeiro de 2013 
  3. RSSSF Brasil. «São Paulo State - List of Second Division Participants 1916-2001». Consultado em 9 de janeiro de 2013 
  4. Folha de S. Paulo. «Dois jogos na semifinal da 2ª». Consultado em 5 de agosto de 2017 
  5. «O Taquaritinga é o campeão». S.A. O Estado de São Paulo. Jornal da Tarde (5 219). 30 páginas. 10 de dezembro de 1982. ISSN 1516‐294X Verifique |issn= (ajuda) 
  6. «XV de Jaú recorre à Justiça». São Paulo: Fundação Cásper Líbero. A Gazeta Esportiva (20 386). 11 páginas. 2 de maio de 1983 
  7. a b c d «XV de Jaú e Bragantino iniciam rebolo hoje». São Paulo: Fundação Cásper Líbero. A Gazeta Esportiva (20 387). 2 páginas. 3 de maio de 1983 
  8. a b «Bragantino quer anular o jogo». São Paulo: Fundação Cásper Líbero. A Gazeta Esportiva (20 388). 3 páginas. 4 de maio de 1983 
  9. a b «Justiça estadual confirma 2.º jogo do rebolo para hoje». São Paulo: Fundação Cásper Líbero. A Gazeta Esportiva (20 390). 6 páginas. 6 de maio de 1983 
  10. a b «15 de Jaú vence e o rebolo está ameaçado». Folha de S. Paulo (19 754). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 4 de maio de 1983. 22 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 30 de março de 2016 
  11. «Bragantino ganhou os pontos». São Paulo: Fundação Cásper Líbero. A Gazeta Esportiva (20 389). 6 páginas. 5 de maio de 1983 
  12. «XV empata e fica; o campeonato começa dia 14». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (33 179). 19 páginas. 7 de maio de 1983. ISSN 1516-2931. Consultado em 30 de março de 2016 
  13. «XV de Jaú continua na 1.ª». São Paulo: Fundação Cásper Líbero. A Gazeta Esportiva (20 391). 3 páginas. 7 de maio de 1983 

Ver tambémEditar