Abrir menu principal

Copa Europeia/Sul-Americana de 1981

A Copa Europeia/Sul-Americana de 1981, também conhecida como Copa Toyota e Copa Intercontinental, foi a vigésima edição da competição e a segunda a ser disputada no modelo de jogo único no Japão. O confronto foi disputado entre Flamengo do Brasil, campeão da Taça Libertadores da América e Liverpool da Inglaterra, campeão da Taça dos Clubes Campeões Europeus. Em 27 de outubro de 2017, após uma reunião realizada na Índia, o Conselho da FIFA reconheceu a Copa Intercontinental como um "Mundial Interclubes", dando aos clubes vencedores a alcunha de campeões mundiais.[3][4]

Copa Europeia/Sul-Americana de 1981
CopaIntercontinental1981.jpg
Evento
Data 13 de dezembro de 1981
Local Estádio Nacional, Tóquio
Melhor em campo Brasil Zico[1]
Árbitro México Rúbio Vazques
Público 74.000 [2]

Assim, o Flamengo foi campeão mundial ao golear o Liverpool por 3 a 0 com dois gols de Nunes e um de Adílio ainda no primeiro tempo. Todos os gols tiveram a participação de Zico, que foi eleito o melhor jogador da partida.[5]

A vitória do Flamengo diante do Liverpool é o maior placar de uma final da Copa Intercontinental desde que os times passaram a jogar em campo neutro, entre 1980 e 2004. Milan, em 1990 e Estrela Vermelha, em 1991 também venceram seus jogos por 3 a 0.

Pôster da competição destacando Zico

História

Kenny Dalglish e Zico eram os principais jogadores de seus times em 1981.

A final da Copa Europeia/Sul-Americana de 1981 tinha duas equipes com metas diferentes. Para os ingleses, o objetivo era mostrar a superioridade do futebol britânico. O Liverpool ganhava vários títulos na era de ouro de sua história. A equipe inglesa havia conquistado um tricampeonato europeu e parecia não ter adversários (com exceção, talvez, do Nottingham Forest). Phill Neal, McDermott, Hansen, Souness e a grande estrela Kenny Dalglish eram os astros da equipe tricampeã europeia.

A equipe brasileira entrava em campo para eliminar o estigma de que não era apenas "time de Maracanã", visto que seus principais títulos até aquela época foram conquistados no estádio. Mas, o maior combustível era a morte do ex-treinador e principal formador e incentivador da equipe rubro-negra, Cláudio Coutinho que tinha morrido afogado. Ganhar o título era a maior homenagem para o falecido treinador. O Flamengo contava com um elenco formado em maioria nas categorias de base do clube e que haviam conquistado recentemente o tricampeonato carioca (1978/1979/1979 (especial)), o Campeonato Brasileiro de 1980 e o Campeonato Carioca de 1981. Durante sua campanha na Copa Libertadores da América de 1981 eliminou nas semifinais o Deportivo Cali da Colômbia e o Jorge Wilstermann da Bolívia. As finais da competição foram contra o Cobreloa do Chile. Após duas finais equilibradas e violentas (na segunda partida, o jogador do Cobreloa, Mario Soto, agrediu os flamenguistas com pedras), no Maracanã e no Estádio Nacional de Santiago, com uma vitória para cada lado, foi marcado um novo jogo em estádio neutro. Foi então no dia 23 de novembro de 1981, no Estádio Centenário de Montevidéu, que o Flamengo conquistou seu primeiro título da Copa Libertadores, em uma vitória por 2 a 0 com dois gols de Zico, o grande jogador da equipe. O time teria então apenas 20 dias para a disputa da Copa Europeia/Sul-Americana. Os grandes astros da equipe carioca eram Raul Plasmann,Leandro, Júnior, Nunes e a grande estrela Zico.

Ambas as equipes disputavam a competição pela primeira vez. A equipe inglesa havia sido campeã europeia também em 1977 e 1978, mas nestes dois anos decidiu não disputar o título intercontinental, sendo seguida em 1979 pelo seu clube compatriota Nottingham Forest, que foi campeão europeu em 1979 e também decidiu não disputar o título intercontinental europeu-sul-americano naquele ano.

Equipes classificadas

 
Flâmula utilizada pela equipe do Liverpool para a competição.
Localidade das equipes que disputaram a Copa Toyota 1981.
Confederação Equipe Classificação Participação
CONMEBOL   Flamengo Campeão da Copa Libertadores da América de 1981
UEFA   Liverpool Campeão da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1980–81 *

*OBS: Em 1977, o Liverpool desistiu de disputar o torneio e foi substituído pelo Borussia Mönchengladbach. Em 1978, Liverpool e Boca Juniors desistiram de jogar devido a problemas com o calendário

Sede

Copa Europeia/Sul-Americana de 1981 (Japão)
Tóquio
Estádio Olímpico de Tóquio
35° 40′ 41″ N, 139° 42′ 53″ L
Capacidade: 80 000
 

A partida

Esquema utilizado pelo técnico Carpegiani no início desta partida.

Antes da partida, o técnico do Liverpool, Bob Paisley, foi contundente ao afirmar que não temia a equipe brasileira[6]: "Estamos disputando finais de copas europeias há mais de dez anos. Por que temer o Flamengo?"[6], disse ele, à época. Além disso, admitiu conhecer pouco ou quase nada sobre a equipe brasileira[6]:

"Infelizmente, nada. Mas, por favor, não interprete este desconhecimento como falta de respeito. Muito ao contrário. Eu me incluo entre os maiores admiradores do futebol brasileiro. Só que tudo o que sabemos do Brasil, no momento, limita-se à Seleção. Mas sei que o Flamengo é o time do Zico e do Júnior e isto é uma boa recomendação”
Bob Paisley, técnico do Liverpool, em entrevista à revista Placar publicada em dezembro de 1981.[6]

Foi definido, previamente, que o Flamengo jogaria de branco e o Liverpool, de vermelho. Ao começar o jogo, a torcida japonesa resolveu apoiar a representação brasileira, pois o Flamengo praticava o puro futebol-arte, o que encantava os japoneses. Logo aos treze minutos de jogo, Zico deu um lançamento sensacional a Nunes, que viu a saída do goleiro Grobbelaar e, ainda fora da grande área, o encobriu para abrir o placar. Nunes saiu para comemorar antes mesmo de a bola entrar.

Além de enfrentarem toda a equipe rubro-negra, os Reds tinham pela frente um Zico fazendo a melhor partida de sua vida. Aos 34 minutos, McDermott derrubou Tita na entrada da área e Zico se encarregou da cobrança da falta. Veio a bomba, que Grobbelaar apenas rebateu. Na sobra, Lico bateu e o zagueiro Thompson cortou — mas não impediu o gol do oportunista Adílio, que estufou a rede e colocou o 2 a 0 no placar.

O Liverpool sentiu o golpe. E viu que o jogo estava definitivamente perdido ainda aos 41 minutos do primeiro tempo. Zico protagonizou um lance parecido com o do primeiro gol: lançou novamente Nunes, que avançou e bateu friamente na saída do goleiro. Antes mesmo do intervalo o Flamengo vencia por 3 a 0.

O segundo tempo serviu apenas para os torcedores rubro-negros em todo o mundo se prepararem para a festa que se seguiria ao apito final. Os craques do Flamengo tocavam a bola de pé em pé, humilhando os ingleses e esperando o tempo passar, mostrando sua inegável superioridade. Final de jogo e festa flamenguista no Brasil.[7]

Chaveamento

  A Classificação[NOTA] Copa Intercontinental
                     
    Liverpool 1  
   Real Madrid 0  
     Liverpool 0
     Flamengo 3
   Flamengo 2 0 2
   Cobreloa 1 1 0
Notas

Final

13 de dezembro de 1981 Flamengo   3 – 0   Liverpool Estádio Nacional, Tóquio, Japão
12:00 (Horário do Japão)
Nunes   13',   41'
Adílio   34'
Relatorio Público: 74 000
Árbitro:   Rúbio Vazques
Assistente 1:   Toshio Asami
Assistente 2:   Vigit Getkaew
     
 
 
Flamengo
     
 
 
Liverpool
G 1   Raul
LD 2   Leandro
Z 13   Marinho
Z 4   Mozer
LE 5   Júnior
V 6   Andrade
M 8   Adílio
M 10   Zico  
A 7   Tita
A 9   Nunes
A 11   Lico
Reservas:
G 12   Cantarele
Z 3   Figueiredo
LD 17   Nei Dias
A 15   Peu
A 16   Baroninho
Técnico:
  Paulo Carpegiani
G 1   Bruce Grobbelaar
LD 2   Phil Neal
Z 4   Phil Thompson  
Z 6   Alan Hansen
LE 3   Mark Lawrenson
M 14   Sammy Lee
V 10   Terry McDermott   51'
V 11   Graeme Souness
M 5   Ray Kennedy
A 16   Craig Johnston
A 7   Kenny Dalglish
Reservas:
G 13   Steve Ogrizovic
Z 15   Alan Kennedy
M 17   Kevin Sheedy
M 8   Ronnie Whelan
A 12   David Johnson   51'
Técnico:
  Bob Paisley

Premiação

Equipe

Copa Europeia/Sul-Americana de 1981
 
FLAMENGO
1º título

Individuais

Melhor Jogador Artilharia Gols
  Zico  Nunes 2

Como premiação pelos títulos individuais, Zico e Nunes ganharam um carro cada da Toyota Motor, empresa que patrocinava o torneio.[8]

Referências

  1. http://www.rsssf.com/tablest/toyotamvp.html
  2. http://www.flamengo.com.br/site/conteudo/detalhe/974
  3. «Fifa reconhece títulos mundiais de Santos, Flamengo, Grêmio e São Paulo». ESPN. Consultado em 27 de outubro de 2017 
  4. «Fifa reconhece Santos, Fla e Grêmio como campeões mundiais». Veja. Consultado em 27 de outubro de 2017 
  5. «Toyota Cup - Most Valuable Player of the Match Award». RSSSF. Consultado em 13 de dezembro de 2017 
  6. a b c d espn.com.br/ "Por que temer o Flamengo?": às vésperas do Mundial de 81, Liverpool também não conhecia rival
  7. «Flamengo, campeão do mundo». Acervo O Globo 
  8. Globo Esporte (13 de dezembro de 2011). «Zico guarda carro de 81 como troféu. Prêmio de Nunes vai parar em galpão». Consultado em 22 de janeiro de 2017.