Abrir menu principal
Economia do Peru
Porto de Callao, o principal do país.
Moeda Sol novo
Ano fiscal ano calendário
Blocos comerciais OMC, Unasur, Aliança do Pacífico, APEC
Estatísticas
PIB $225,366 bilhões (nominal, 2018)[1]
$458,039 bilhões (PPC, 2018)[1]
Variação do PIB Aumento 4% (2018)[2]
PIB per capita
  • Aumento $7,007 (nominal, 2018)[1]
  • Aumento $14,241 (PPC, 2018)[1]
PIB por setor agricultura 7,8%, indústria 33,9%, serviços 58,4% (2012)
Inflação (IPC) 1,317% (2018)[1]
População
abaixo da linha de pobreza
23,9%[3] (2018)
Coeficiente de Gini 0,481 (2010)[4]
Força de trabalho total 18 335 792 (2018)[5]
Força de trabalho
por ocupação
agricultura 0,7%, indústria 23,8%, serviços 75,5% (2005)
Desemprego 6,4% (2019)
Principais indústrias mineração e refino de minérios, aço, extração e refino de petróleo, gás natural e de liquefação de gás natural, pesca e processamento de pescado, têxteis, vestuário, processamento de alimentos, cerveja, refrigerantes e borracha.
Exterior
Exportações $44,92 bilhões (2017)[6]
Produtos exportados cobre, ouro, chumbo, zinco, estanho, molibdênio, prata, petróleo bruto, gás natural, café, aspargos e outros vegetais, farinha de peixe, peixe[7]
Principais parceiros de exportação República Popular da China 18,3%, Estados Unidos 15,2%, Canadá 11,4%, Japão 5,4%, Espanha 5,3%, Chile 4,8%, Coreia do Sul 4,6%, Alemanha 4,1% (2011)
Importações $38,65 bilhões (2017)[6]
Produtos importados petróleo e produtos petrolíferos, produtos químicos, plásticos, máquinas, veículos, aparelhos de TV em cores, pás, carregadeiras de front-end, telefones e equipamentos de telecomunicações, de ferro e aço, trigo, milho, produtos de soja, papel, algodão, vacinas e medicamentos
Principais parceiros de importação Estados Unidos 24,5%, República Popular da China 13,7%, Brasil 6,7%, Chile 5,9%, Equador 4,4%, Coreia do Sul 4% (2011)
Dívida externa bruta $66,25 bilhões (2017)[6]
Finanças públicas
Dívida pública AumentoNegativo 25,4% do PIB (2017)[6]
Receitas $64,81 bilhões (2017)[6]
Despesas $58,06 bilhões (2017)[6]
Fonte principal: [[6] The World Factbook]
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

A economia do Peru até a década de noventa foi baseada na exploração de minérios como a prata (terceiro produtor mundial) e o cobre (oitavo). Hoje é uma economia emergente com grande capacidade de diversificação. A taxa de pobreza, segundo dados oficiais é de 22,7% e a taxa de pobreza extrema é de 4,2% [8]

A economia do Peru registou o maior crescimento na América Latina em 2015, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), chegando a 3%, maior do que países como o Brasil, estimada em 0,03% em 2015[9]

História EconômicaEditar

Após a independência do Peru, em 1821, o modelo econômico peruano foi baseada na exploração de prata, único produto exportado. Sendo a mineração de prata a base da economia peruana, essa dependência tornava a economia peruana muito frágil. As Guerras européias e a invasão napoleônica da Espanha bloquearam o comércio com o Peru, provocando uma grave crise econômica e gerando vários conflitos. Depois da Independência, a instabilidade política impediu o desenvolvimento da agricultura e do comércio, pelo que a principal produção nacional permaneceu, a prata. No entanto, a alta carga tributária que lhe é imposta pelo governo republicano, impediu o crescimento desse sector, pelo que o país começou a depender do crédito comercial.[10]

Durante a primeira metade do século XX, o país atravessou uma profunda instabilidade política e económica com guerras civis, golpes de estado e revoluções permanentes, provocando a estagnação da economia. O país não recebia investimento, e baseou sua economia na produção de guano, único produto que conseguia exportar.

O governo de direita do Belaunde deixou o país numa profunda crise econômica. Os investimentos caíram de 21,2% em 1982 e 12,2% em 1985. Em 1983, a economia peruana entrou em crise, o PIB caiu -12,2%. Em 1980, a renda per capita foi de $ 1,232 e em 1985 atingiu apenas 1,050 dólares. Após 1982, o governo do Belaunde executou um "programa de ajuste", para combater o alarmante deficit fiscal, o FMI forçou o governo a reduzir o orçamento do Estado, a aumentar as taxas de serviços públicos e a desvalorizar a moeda nacional. Embora em 1985 o déficit do setor público foi de apenas 2,7% do PIB, o menor nível desde 1979, este cresceu mais uma vez, em 1986, para 5,1%.[11]

A 28 de julho de 1985, Alan García assumiu o governo peruano, tendo o preço da gasolina subido de repente, em 25%. Até Outubro de 1986, a diferença entre o dólar oficial e paralelo variou entre 24,5 e 27%. No entanto, o medo de uma crise e com a perda de reservas no final de 1986, esta diferença chegou a 43%.

Em 1987, a crise que começou em 1980 continuou, e o país estava à beira da falência. No final de 1987 a inflação começou a crescer numa cadência galopante (114,5% em dezembro de 1987), o balanço de pagamentos teve um deficit de 521 milhões dólares americanos, o maior deficit desde 1981, e as reservas internacionais continuaram a cair.[11] No final dos anos oitenta, os preços subiam 40% cada mês. Nos piores momentos, chegou-se a 60% ao mês. A inflação acumulada, durante o governo de Alan García, foi de mais de 2.000.000%.[12]

O novo ministro da Economia e Finanças, Abel Salinas, anunciou o choque económico, o sexto de setembro de 1988. O plano, chamado Zero, ajudou a gerar inflação ainda maior, especialmente em relação aos produtos importados. Assim, por exemplo, o preço dos produtos farmacêuticos aumentou 600% e 400% de gasolina. Desde setembro de 1988, a inflação tornou-se hiperinflação. Naquele mês, os preços subiram 114%. A escassez de matérias-primas e alimentos é agravado. A longa greve na indústria de mineração contribuiu para as exportações caíram agravando ainda mais o défice da balança comercial. As reservas internacionais são perto de zero. O aumento do desemprego ea queda dos rendimentos drástica foi o custo social do desastre econômico.O consumo per capita caiu 50%, o nível de subemprego foi de 73% um resultado desastroso no final do governo de Alan Garcia, o número de horas perdidas devido a disputas trabalhistas aumentaram 6 milhões em 1985 para 124 milhões em 1990.[13] O número de famílias pobres em todo o Peru, de 70,7% para o período 1985-1986.[14]

Alberto Fujimori venceu as eleições de 1990 afirmando que não se aplicaria um choque econômico. Em 8 de agosto de 1990, o governo de Fujimori anunciou um choque econômico chamado "Fujishock": a taxa de câmbio foi desvalorizado em 227%, desemprego subiu para 73%, a inflação chegou a 7.694,6%. (114.5% em 1987, 1722% em 1988, 2775% em 1989, e 7694 em 1990). A presença armada não impediu os protestos maciços. Tentativas em todo o país começaram a saquear e havia longas filas para comprar itens básicos como açúcar. O Fujishock continuou, o preço da gasolina aumentou 3.000 por cento. Fujimori decretou sobe em grampos da ordem de 160 por cento e 300 por cento.[15][16] Depois de 'Fujishock' o nível de pobreza no país aumentou mais de 10 pontos.[17] A desvalorização foi alta e durante seu governo teve que ser mudado duas vezes a moeda oficial (e inti sol), porque ele rapidamente se tornou inútil. Isso levou a muita especulação e escassez de alimentos básicos.

Durante o governo neoliberal de Fujimori ou sem hiperinflação parou, continuou a economia estagnada, a pobreza aumentou e houve saques ocasionais supermercados e pequenas lojas. Em 1992, Fujimori dá um golpe e fecha o Parlamento, suspendeu a constituição eo Estado de direito, vantagem desta situação para realizar a privatização massiva e indiscriminada abertura da economia e houve corrupção generalizada. Ao tornar-se o governo em um regime autoritário altos funcionários do governo ligados a Fujimori estavam envolvidos em operações sujas, chantagem, peculato e outros crimes.[18] A Corrupção no regime Fujimori teve um impacto sobre os altos níveis de pobreza que o país enfrenta.[17]

Depois de uma década sob o regime de Alberto Fujimori, em 2001, foi eleito Alejandro Toledo, durante sua administração (2001-2006) o percentual de famílias abaixo da linha de pobreza aumentou de 54% em 1980 para 56.8% em 1993 e 57% em 2005.[3] a taxa de subemprego aumentou de 38,2% em 2000 para 40,9% em 2005. Alejandro Toledo declarada em maio de 2003, estado de emergência em todo o país para evitar estouro social, após uma onda de protestos em massa e greves de professores, agricultores e trabalhadores de saúde, para exigir melhores salários e de trabalho.[19]

Em 2005 foi eleito Alan Garcia de novo, depois de várias décadas e começou a ficar investimento no país. Os efeitos da crise financeira mundial atingiu o país em 2008 em meio a uma desaceleração econômica no entanto, entre 2009 e 2011, o crescimento econômico no Peru levou mundial.[9][20]

Em 2013, a crise econômica internacional continua, no entanto Peru alcançou o segundo lugar em crescimento em latim Latina. Em 2015 Peru mantém um crescimento de 3% quando países como o Brasil ou a Venezuela já tem crescimento negativo.

Setor informalEditar

 
Alejandro Toledo.

Hoje em dia o setor informal ocupa grande parte da economia peruana (cerca de 60%), o que significa que a maioria dos trabalhadores não têm segurança social, férias e outros benefícios associados com um emprego formal. Pobreza representou a 22,7% da população (2014) e extrema pobreza estava em 4,2% (INEI).[21].

Produção agrícola e pescaEditar

As exportações agrícolas tradicionais caiu 40,6 por cento, no entanto não há exportações agrícolas, não tradicionais para, eles multipicaram cinco vezes.[22] Sua agricultura é à base de milho e batata, cultivados nas serras.[23] hoje em dia a agricultura peruana está em crise: mais de 20 mil produtores de café estão à beira da falência, com perdas de US $ 210 milhões, devido à crise econômica [24] produção de algodão, a das cultura mais importantes, cairá 30% em 2013,e é provável que caia ainda mais,[25][26] a produção de cana-de-açúcar também está em declínio[27] Nos últimos anos, se consolidou como o maior produtor de coca no mundo[28][29] a atividade pesqueira esta estagnada[30].As exportações de produtos agrícolas tradicionais, que são café, cana-de-açúcar e algodão caiu 40,6% no primeiro semestre de 2013, as exportações agrícolas cairia entre 20% e 25%.[31]

A indústria da cocaínaEditar

A indústria peruana de cocaína é tão grande como é hoje por causa de nações industriais avançadas. Esta alta demanda criou um quadro de dependência "A Coca-dólares". [133] O dinheiro do tráfico de cocaína alimenta as economias locais, e apoia a economia de populações brasileiras, e até mesmo provoca mudanças sociais, tais como o fumo de cocaína entre os indígenas peruanos. A agricultura Coca hoje é ainda uma importante fonte de renda para os camponeses, uma vez que é responsável por 48% da renda familiar líquida total na região do alto de coca rio Apurimac.[32]

MineraçãoEditar

A mineração, principal produto de exportação registrou uma queda de 14,2%[33] A mineração ilegal é o problema grave no Peru. Estima-se que 60 mil famílias envolvidas na mineração ilegal, e 300 mil pessoas que estão dependentes desta atividade. Este montante representa 14% da produção do país.[34] Várias empresas de mineração têm anunciado o seu encerramento[35]

Comércio exteriorEditar

A tendência de exportação de Peru está em crise. De acordo da Câmara de Comércio de Lima (CCL), entre janeiro e abril, as exportações nacionais caiu 14%, as exportações tradicionais caiu 17%, o setor de mineração caiu 19% devido à queda em transferências de ouro (23%), cobre (15%) e de chumbo (50%). Apresentou maior redução no sub-setor agrícola, com uma diminuição de 54%. Enquanto isso, o setor da pesca caiu 51%, também teve vendas menores na indústria têxtil-vestuário (18%).[36]

O Peru faz parte do Apec (Asia-Pacific Economic Cooperation). Desde a entrada em vigor do acordo em 2010, a indústria têxtil e do vestuário está em crise, cerca de 14.000 empresas fecharam as portas, porque eles não podiam pagar suas dívidas ou competir com os preços baixos. Devido a isso, estima-se que em 2013 30 mil empregos serão perdidos em Lima.[37] Tem Tratados de Livre Comércio (TLC) com NAFTA, Chile, China, Panamá, Tailândia[38] e com a União Europeia. Os TLC não teve os resultados esperados e resultou em um fracazo, as exportações para 15 países e blocos com os quais Peru tem em vigor TLC caiu de 20,549 milhões de dólares no primeiro semestre de 2012-17,969 milhões dólares nos primeiros seis meses deste ano.[39]

Referências

  1. a b c d e «World Economic Outlook Database, October 2019». IMF.org. International Monetary Fund. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  2. «Global Economic Prospects, June 2019: Heightened Tensions, Subdued Investment. p. 108» (PDF). openknowledge.worldbank.org. World Bank. Consultado em 9 de julho de 2019 
  3. a b Información sobre Población y Pobreza para Políticas Sociales; Lima: 1995; INEI; Compendio Estadístico
  4. http://datos.bancomundial.org/indicador/SI.POV.GINI
  5. «Labor force, total - Peru». data.worldbank.org. World Bank. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  6. a b c d e f g «CIA World Factbook». Central Intelligence Agency. Consultado em 2 January 2019  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  7. Perú Económico Volumen XXX Nº 11, noviembre 2013. Exportaciones del Perú 2012/2013
  8. http://elcomercio.pe/economia/peru/inei-pobreza-poblacion-bajo-239-227-2014-noticia-1806188
  9. a b http://www.americaeconomia.com/economia-mercados/finanzas/economistas-pronostican-que-crecimiento-de-brasil-se-estancara-en-2015
  10. http://es.scribd.com/doc/51239326/Progreso-pobreza-y-exclusion-Una-historia-economica-de-America-Latina-en-el-siglo-XX
  11. a b http://www.monografias.com/trabajos82/hiperinflacion-peru/hiperinflacion-peru.shtml
  12. http://elcomercio.pe/opinion/mirada-de-fondo/fin-hiperinflacion-peruana-ivan-alonso-noticia-1720406
  13. CARABTREE, John: Alan García en el poder: Perú 1985-1990. Ediciones Peisa, Lima 2005 Leer más: http://www.monografias.com/trabajos82/hiperinflacion-peru/hiperinflacion-peru2.shtml#ixzz2g9BTN9Zw
  14. http://elblogdecharitodr.blogspot.com.ar/2011/04/la-pobreza-en-el-peru-analisis.html
  15. http://www.monografias.com/trabajos82/hiperinflacion-peru/hiperinflacion-peru2.shtml
  16. http://www.eltiempo.com/archivo/documento/MAM-70868
  17. a b http://www.larepublica.pe/17-04-2011/la-corrupcion-en-el-regimen-fujimorista-aumento-la-pobreza-extrema
  18. http://www.derechos.org/diml/doc/cuya4.html
  19. http://www.americaeconomica.com/numeros4/243/noticias/gvperucrisislu.htm
  20. http://economia.elpais.com/economia/2015/04/14/actualidad/1428969534_704350.html
  21. Instituto Nacional de Estadística e Informática, Evolución de la pobreza al 2009 PDF (35.7 KB). Retrieved on May 18, 2010.
  22. http://noticias.pe.msn.com/peru/adex-ca%C3%ADda-del-caf%C3%A9-perjudica-exportaciones-agrarias-totales
  23. The World Bank, Countries: Peru. Retrieved on October 2, 2011
  24. http://www.larepublica.pe/17-06-2013/tras-la-bonanza-llego-la-crisis-para-el-sector-cafetero
  25. http://elcomercio.pe/economia/1533835/noticia-produccion-algodon-peruano-caera-30-este-ano-segun-estima-sni
  26. http://www.larevistaagraria.org/sites/default/files/revista/r-agra114/LRA114-04-08.pdf
  27. http://elcomercio.pe/economia/1480823/noticia-produccion-cana-azucar-cerraria-ano-contraccion
  28. http://www.elmundo.es/america/2013/09/24/noticias/1380042735.html
  29. http://www.dw.de/per%C3%BA-es-el-mayor-productor-mundial-de-hoja-de-coca/a-17113775
  30. IMF World Economic Outlook Database Outubro de 2008. Página visitada em 7 de setembro de 2012.
  31. http://www.larepublica.pe/07-08-2013/exportaciones-agricolas-tradicionales-caen-406
  32. Edmundo Morales, "The Political Economy of Cocaine Production: An Analysis of the Peruvian Case" Latin American Perspectives 67(1990), 91.
  33. «Cópia arquivada». Consultado em 14 de novembro de 2013. Arquivado do original em 14 de novembro de 2013 
  34. Xavier Arbex de Mosier. Comisión de Pastoral Social y DD.HH. del Vicariato Apostólico de Puerto Maldonado. “Las Aguas de la Región Madre de Dios ¿Vida o Muerte?”, pág 2.
  35. «Cópia arquivada». Consultado em 16 de novembro de 2013. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014 
  36. http://www.larepublica.pe/02-06-2013/entre-enero-y-abril-las-exportaciones-cayeron-14
  37. http://www.larepublica.pe/23-08-2013/se-perderian-30-mil-empleos-por-el-ingreso-de-ropa-china
  38. http://www.larepublica.pe/05-10-2013/peru-y-tailandia-concluyen-negociaciones-de-tratado-de-libre-comercio
  39. http://spanish.china.org.cn/economic/txt/2013-08/08/content_29663008.htm


  Peru
História • Política • Forças Armadas • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Bandeira • Portal • Imagens
  Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.