Abrir menu principal

Wikipédia β

Partido Republicano (Estados Unidos)

partido político dos Estados Unidos

O Partido Republicano dos Estados Unidos, coloquialmente conhecido em seu país como GOP (acrônimo para Grand Old Party), é um dos dois grandes partidos políticos dos Estados Unidos, sendo seu principal adversário histórico o Partido Democrata. O partido tem esse nome após o republicanismo, dominante durante a Revolução Americana. Foi fundado por abolicionistas, modernistas, ex-Whigs e ex-Soilers livres em 1854. Os republicanos, como são conhecidos, dominaram a política nacional dos EUA e na maioria dos estados do norte durante a maior parte do período entre 1860 e 1932.[6]

Partido Republicano
Grand Old Party-Republican Party
Logo do Partido Republicano

Republican Disc.svg
Presidente Ronna Romney McDaniel
Fundação 20 de março de 1854
Sede 310 First Street
Washington, D.C.,  Estados Unidos
Ideologia Majoritário:Conservadorismo[1]
Liberalismo económico[2]
Conservadorismo fiscal[3]
Conservadorismo social[4]
Federalismo[5]
Espectro político Direita
Ala jovem Young Republicans
Afiliação internacional IDU
Afiliação europeia Aliança dos Reformistas e Conservadores Europeus (parceiro regional)
Senado
52 / 100
Câmara dos Representantes
239 / 435
Governos Estaduais
34 / 50
Senados Estaduais
1 158 / 1 972
Câmaras dos Representantes Estaduais
3 047 / 5 411
Governos dos Territórios
2 / 6
Senados dos Territórios
12 / 97
Cores      Vermelho
Símbolo eleitoral
Republican Disc.svg
Página oficial
www.gop.com
Política dos Estados Unidos

Partidos políticos

Eleições

Até o presente momento houve 19 presidentes republicanos, sendo que o primeiro foi Abraham Lincoln (1861-1865), que foi assassinado e o mais recente Donald Trump, atual presidente dos Estados Unidos, após vencer as eleições de 2016, colocando os republicanos de volta na presidência depois de oito anos.[7]

A plataforma do partido tem como base fundamental o conservadorismo norte-americano,[8][9][10] posição que contrasta com a do Partido Democrata, em que os membros adotam uma postura mais voltada para políticas liberais (o sentido de "liberal" nos Estados Unidos costuma ser diferente do conhecido em outros lugares, pois enquanto a palavra em quase todo o mundo costuma remeter ao liberalismo clássico — que inclusive é defendido pelos republicanos —,[11] nos EUA usa-se normalmente para descrever os defensores de políticas intervencionistas voltadas à social-democracia ou ao liberalismo social).[12] Sendo assim, sua plataforma envolve o apoio ao capitalismo de livre mercado, à livre iniciativa, ao conservadorismo fiscal, a uma forte defesa nacional, desregulamentação e restrições aos sindicatos. Além de defender políticas econômicas conservadoras, o Partido Republicano é socialmente conservador e busca manter valores tradicionais baseados principalmente na ética judaico-cristã.[1] O GOP estava fortemente comprometido com o protecionismo e as tarifas desde a sua fundação até a década de 1930, quando se baseava no Nordeste industrial e no Centro-Oeste. Desde 1952 houve uma reversão contra o protecionismo e o apoio central do partido desde a década de 1990 vem principalmente do Sul, das Grandes Planícies, dos Estados de Montanha e dos distritos rurais do Norte,[13][14] bem como dos católicos conservadores,[15][16] Mórmons,[17] e Evangélicos em todo o país.

No 114º Congresso dos Estados Unidos, eleito em 2014, o Partido Republicano conquistou sua maioria mais ampla na Câmara dos Representantes desde 1928. Eles também tem a maioria no Senado. Além disso, atualmente também controlam mais governos estaduais e a maioria das assembleias legislativas.

Índice

Características do Partido RepublicanoEditar

 
John Charles Frémont foi o primeiro candidato à presidência pelo Partido Republicano, em 1856.

Foi organizado em Ripon, Wisconsin em 28 de fevereiro de 1854, como um partido oposto à expansão da escravatura nos novos territórios apresentada no Ato de Kansas-Nebraska.

Não deve ser confundido com o Partido Democrata-Republicano de Thomas Jefferson ou com o Partido Republicano Nacional de Henry Clay. A primeira convenção do Partido Republicano dos EUA foi em 6 de julho de 1854 em Jackson, Michigan. Muitas das suas políticas iniciais foram inspirados no já extinto Partido Whig. Desde seu início, os seus opositores principais são o Partido Democrata.

O símbolo oficial do Partido Republicano é um elefante. Apesar do elefante já ter sido associado ao partido anteriormente, o primeiro uso importante do símbolo foi associado a uma caricatura política de Thomas Nast, publicada na revista Harper's Weekly, em 7 de novembro de 1874. [1]. No início do século XX, o símbolo tradicional do Partido Republicano nos estados de Indiana e Ohio era a águia, em oposto ao galo dos democratas. O símbolo ainda aparece nas urnas de Indiana.

O partido é gerido pelo Comité Nacional Republicano (Republican National Committee), o órgão que promove a plataforma política e coordena as atividades eleitorais e de angariação de fundos. O atual presidente do Comité Nacional é Reince Priebus, advogado natural do Wisconsin.

Alas e facçõesEditar

O partido está dividido em diversas alas, podendo ser citado;

Eleitores com esse perfil se concentram em estados do Sul, como Geórgia, Carolina do Sul, Carolina do Norte, Alabama, Mississípi, Louisiana, Kentucky, Tennessee, Virgínia (região conhecida como Bible Belt ou "Cinturão da Bíblia"), no meio-oeste em estados como o Texas, Virgínia Ocidental, Missouri, Kansas, Arkansas, Iowa, Nebraska, Dakota do Sul e Dakota do Norte e oeste do país em estados como Utah, Arizona, Wyoming, Idaho, Montana e Colorado.
  • Conservadores sociais - é uma facção muito semelhante à direita religiosa, ambas alas são contrárias ao aborto, casamento gay, eutanásia e à liberação das drogas. Os eleitores dessa ala são defensores dos valores morais e da família tradicional, mas não são necessariamente religiosos, agem independentemente de suas comunidades religiosas ou de seus líderes religiosos. Os ex-presidentes Ronald Reagan, George H. W. Bush e George W. Bush são importantes membros desta ala.
  • Conservadores fiscais - esta ala é composta por republicanos que defendem o direito a propriedade privada, o estado-minimo, a redução ou o corte de impostos, privatizações e o fim de programas sociais. Também são contrários ao aborto, ao casamento gay, à legalização das drogas, ao fim da pena de morte e à eutanásia. São favoráveis ao porte legal de armas e são defensores dos princípios morais e familiares, no entanto a maior parte destes eleitores não tem perfil religioso, o que difere da direita cristã e os torna muito semelhantes aos conservadores sociais.
Os principais membros desta ala são o ex-congressista da Geórgia, Newt Gingrich, o atual presidente do Congresso, John Boehner, o congressista do Wisconsin Paul Ryan, o ex-governador da Flórida, Jeb Bush, o ex-governador da Carolina do Sul, Mark Sanford e o governador de Indiana, Mitch Daniels, entre outros. Os eleitores dessa ala do partido podem ser encontrados em todas as regiões do país, e geralmente são grandes empresários, fazendeiros, jornalistas, advogados ou protestantes (não-praticantes), mórmons, católicos e judeus.

Tea PartyEditar

O Movimento Tea Party não chega a ser uma ala do partido Republicano, mas sim um movimento conservador fiscal, anti-governo, anti-impostos, anti-imigração, que tem apoio entre eleitores e políticos republicanos, como a congressista Michele Bachmann, de Minnesota, o senador Jim DeMint, da Carolina do Sul, o senador Marco Rubio, da Flórida, entre outros. Ron Paul também é um importante integrante do Tea Party.

Perfil dos eleitoresEditar

Segundo estatísticas, os republicanos recebem mais apoio de homens do que mulheres. Enquanto a extratos socioeconômicos, a classe obreira e de baixo ingresso tende a ser democrata, já os republicanos recebem o apoio dos setores de classe alta, dos pequenos, médios e grandes empresários, dos setores vinculados à industria e dos militares de carreira ou que tenham exercido serviço militar. Etnicamente, os republicanos recebem o apoio maioritário dos brancos, de origem européia. Enquanto 60% dos brancos não hispânicos são republicanos, 80% dos negros, 50% dos latinos e 61% dos judeus são democratas. Em todos estes grupos, menos de 10% destes se identificam como republicanos. Desta porcentagem se excetua os cubano-estadunidenses que são o único grupo hispano que vota majoritariamente republicano.[18][19]

Religiosamente os protestantes brancos em 67% (em 2010) e os mórmons (73% em 2010) apoiam abrumadoramente o Partido Republicano, enquanto que os protestantes negros, os católicos de todas as etnias e os muçulmanos são em sua maioria democratas. Apenas 27% dos ateus e agnósticos estadunidenses são republicanos frente a 64% democrata.[18][20]

Geografia políticaEditar

Atualmente os republicanos governam quase todos os estados conservadores e com população altamente religiosa, na denominada Bible Belt ou Cinturão da Bíblia e também possuem força em estados rurais, como por exemplo o Idaho, mas também mostram força em estados menos conservadores, como Ohio e Pensilvânia e com economia forte, exemplo Texas e Flórida, enquanto os democratas possuem mais força nos estados da costa oeste (Califórnia), costa leste (Nova York) e norte (Minnesota).

Em muitos desses estados a população pode variar o voto, votando em um candidato republicano para o senado ou para o governo do estado e em um democrata para presidente, ou vice-versa, grandes exemplos disso são a Pensilvânia e Nova York, há muitas décadas um candidato presidencial republicano não ganha a eleição nesses estados, mas em compensação a população local tradicionalmente vota em candidatos republicanos para o senado e governo estadual.

Resultados eleitoraisEditar

Eleições presidenciaisEditar

Data Candidato Votos % +/- Colégio Eleitoral +/- Status
1856 John C. Frémont 1 342 345 33,1 (2.º)
114 / 296
Não Eleito
1860 Abraham Lincoln 1 865 908 39,8 (1.º)  6,7
180 / 303
 66 Eleito
1864 Abraham Lincoln 2 218 388 55,0 (1.º)  15,2
212 / 233
 32 Eleito
1868 Ulysses S. Grant 3 013 650 52,7 (1.º)  2,3
214 / 294
 2 Eleito
1872 Ulysses S. Grant 3 598 235 55,6 (1.º)  2,9
286 / 352
 72 Eleito
1876 Rutherford B. Hayes 4 034 142 47,9 (2.º)  7,7
185 / 369
 101 Eleito
1880 James A. Garfield 4 446 158 48,3 (1.º)  0,4
214 / 369
 29 Eleito
1884 James G. Blaine 4 856 903 48,3 (2.º)  
182 / 401
 32 Não Eleito
1888 Benjamin Harrison 5 443 892 47,8 (2.º)  0,5
233 / 401
 51 Eleito
1892 Benjamin Harrison 5 190 819 43,0 (2.º)  4,8
145 / 444
 88 Não Eleito
1896 William McKinley 7 111 607 51,0 (1.º)  8,0
271 / 447
 126 Eleito
1900 William McKinley 7 228 864 51,6 (1.º)  0,6
292 / 447
 21 Eleito
1904 Theodore Roosevelt 7 630 457 56,4 (1.º)  4,8
336 / 476
 44 Eleito
1908 William Howard Taft 7 678 335 51,6 (1.º)  4,8
321 / 483
 15 Eleito
1912 William Howard Taft 3 486 242 23,2 (3.º)  28,4
8 / 531
 313 Não Eleito
1916 Charles Evans Hughes 8 548 728 46,1 (2.º)  22,9
254 / 531
 246 Não Eleito
1920 Warren G. Harding 16 144 093 60,3 (1.º)  14,2
404 / 531
 150 Eleito
1924 Calvin Coolidge 15 723 789 54,0 (1.º)  6,3
382 / 531
 21 Eleito
1928 Herbert Hoover 21 427 123 58,2 (1.º)  4,2
444 / 531
 62 Eleito
1932 Herbert Hoover 15 761 254 39,7 (2.º)  18,5
59 / 531
 385 Não Eleito
1936 Alf Landon 16 681 862 36,5 (2.º)  3,2
8 / 531
 51 Não Eleito
1940 Wendell Willkie 22 347 744 44,8 (2.º)  8,3
82 / 531
 74 Não Eleito
1944 Thomas E. Dewey 22 017 929 45,9 (2.º)  1,1
99 / 531
 17 Não Eleito
1948 Thomas E. Dewey 21 992 292 45,1 (2.º)  0,8
189 / 531
 90 Não Eleito
1952 Dwight D. Eisenhower 34 075 529 55,2 (1.º)  10,1
442 / 531
 253 Eleito
1956 Dwight D. Eisenhower 35 579 180 57,4 (1.º)  2,2
457 / 531
 15 Eleito
1960 Richard Nixon 34 108 157 49,6 (2.º)  7,8
219 / 537
 238 Não Eleito
1964 Barry Goldwater 27 175 754 38,5 (2.º)  11,1
52 / 538
 167 Não Eleito
1968 Richard Nixon 31 783 783 43,4 (1.º)  4,9
301 / 538
 249 Eleito
1972 Richard Nixon 47 168 710 60,6 (1.º)  17,2
520 / 538
 219 Eleito
1976 Gerald Ford 39 148 634 48,0 (2.º)  12,6
240 / 538
 280 Não Eleito
1980 Ronald Reagan 43 903 230 50,8 (1.º)  2,2
489 / 538
 249 Eleito
1984 Ronald Reagan 54 455 472 58,8 (1.º)  8,0
525 / 538
 26 Eleito
1988 George H. W. Bush 48 886 597 53,4 (1.º)  5,4
426 / 538
 99 Eleito
1992 George H. W. Bush 39 104 550 37,5 (2.º)  15,9
168 / 538
 258 Não Eleito
1996 Bob Dole 39 197 469 40,7 (2.º)  3,2
159 / 538
 9 Não Eleito
2000 George W. Bush 50 456 002 47,9 (2.º)  7,2
271 / 538
 112 Eleito
2004 George W. Bush 62 040 610 50,7 (1.º)  2,8
286 / 538
 15 Eleito
2008 John McCain 59 948 323 45,7 (2.º)  5,0
173 / 538
 113 Não Eleito
2012 Mitt Romney 60 933 504 47,2 (2.º)  1,5
206 / 538
 33 Não Eleito
2016 Donald Trump 62 979 879 46,0 (2.º)  1,2
304 / 538
 98 Eleito

Presidentes republicanos dos Estados UnidosEditar

Referências

  1. a b Paul Gottfried, Conservatism in America: Making Sense of the American Right, p. 9, "Postwar conservatives set about creating their own synthesis of free-market capitalism, Christian morality, and the global struggle against Communism." (2009); Gottfried, Theologies and moral concern (1995) p. 12
  2. Laissez-faire capitalism and economic liberalism. Jstor.com. Retrieved on 12-08-2014.
  3. Quinn, Justin. «Fiscal Conservatism». about news 
  4. No Country for Old Social Conservatives?. Nair. Thecrimson.com. Retrieved on 17-08-2014.
  5. «A Rebirth of Constitutional Government». GOP. 25 de maio de 2011. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  6. David Tarr; Bob Benenson (2012). Elections A to Z. [S.l.]: SAGE. p. 157 
  7. He is now the 45th President of the United States, overall
  8. Grigsby, Ellen (2008). Analyzing Politics: An Introduction to Political Science. Florence: Cengage Learning. pp. 106–7. ISBN 0-495-50112-3. In the United States, the Democratic Party represents itself as the liberal alternative to the Republicans, but its liberalism is for the most the later version of liberalism—modern liberalism. 
  9. Arnold, N. Scott (2009). Imposing values: an essay on liberalism and regulation. Florence: Oxford University Press. p. 3. ISBN 0-495-50112-3. Modern liberalism occupies the left-of-center in the traditional political spectrum and is represented by the Democratic Party in the United States. 
  10. Levy, Jonah (2006). The state after statism: new state activities in the age of liberalization. Florence: Harvard University Press. p. 198. ISBN 0-495-50112-3. In the corporate governance area, the center-left repositioned itself to press for reform." 
  11. Brian R. Farmer. American political ideologies: an introduction to the major systems of thought in the 21st century. Jefferson, North Carolina, USA: McFarland & Company, 2006. Pp. 64.
  12. http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/0665/noticias/liberalismo-x-liberalismo-m0049136
  13. «Republicans Now Dominate State Government». The Daily Kos. 14 de novembro de 2016. Consultado em 4 de abril de 2017 
  14. «Presidential Election Results: Donald J. Trump Wins». The New York Times. 10 de fevereiro de 2017. Consultado em 4 de abril de 2017 
  15. Prendergast, William B. (1999). The Catholic Voter in American Politics. The Passing of the Democratic Monolith. Washington, DC: Georgetown University. ISBN 978-0-87840-724-8 
  16. Marlin, George J. (2004). The American Catholic Voter. 200 Years of Political Impact. South Bend, Indiana: St. Augustine. ISBN 978-1-58731-029-4 
  17. Heaton, Tim (2004), A Statistical Profile of Mormons: Health, Wealth, and Social Life, Edwin Mellen Press, p. 181 
  18. a b "A Deep Dive Into Party Affiliation". Página acessada em 29 de julho de 2016.
  19. "Latinos and the Political Parties". Página acessada em 29 de julho de 2016.
  20. "Social and Political Views of the Unaffiliated". Página acessada em 29 de julho de 2016.

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outras mídias sobre Partido Republicano (Estados Unidos)

Ver tambémEditar