Cristianismo ocidental

(Redirecionado de Igreja ocidental)

Cristianismo ocidental[3] é uma das duas subdivisões do Cristianismo (o Cristianismo Oriental sendo a outra). O Cristianismo Ocidental é composto pela Igreja Latina e Protestantismo, junto com seus desdobramentos como o Catolicismo Independente e o Restauracionismo.

Jesus Jesus representado como o Cordeiro de Deus (Agnus Dei), uma prática comum no Cristianismo Ocidental.[1]
Basílica de São Pedro na Cidade do Vaticano, a maior igreja do mundo hoje.[2]

A grande maioria dos 2,3 bilhões de cristãos do mundo são cristãos ocidentais (cerca de 2 bilhões - 1,2 bilhões de católicos latinos e 800 milhões de protestantes). O componente original e ainda principal, a Igreja Latina, desenvolvida sob o bispo de Roma no antigo Império Romano Ocidental na Antiguidade.[4] Da Igreja latina emergiu uma ampla variedade de denominações protestantes independentes, incluindo o luteranismo e o anglicanismo, começando com a Reforma Protestante no século XVI, assim como o catolicismo independente no século XIX. Assim, o termo "Cristianismo Ocidental" não descreve uma única comunhão ou denominação religiosa, mas é aplicada para distinguir todas essas denominações coletivamente do cristianismo oriental.

O estabelecimento da distinta Igreja latina, uma igreja particular sui iuris da Igreja Católica, coincidiu com a consolidação da Santa Sé em Roma, que reivindicava o primado desde a Antiguidade. A Igreja latina é distinta das Igrejas Católicas Orientais, também em plena comunhão com o Papa em Roma, e da Igreja Ortodoxa Oriental e das Igrejas Ortodoxas Orientais, que não estão em comunhão com Roma. Essas outras igrejas são parte do cristianismo oriental. Os termos "Ocidental" e "Oriental", a esse respeito, originaram-se de divisões geográficas que refletiam a divisão cultural entre o leste helenístico e o oeste latino, e a divisão política entre os impérios romano ocidental e oriental. Durante a Idade Média, os adeptos da Igreja latina, independentemente da etnia, comumente se referiam a si próprios como "latinos" para se distinguir dos cristãos orientais.[5]

O cristianismo ocidental desempenhou um papel proeminente na formação da civilização ocidental.[6][7][8][9] Com a expansão do colonialismo europeu desde o início da era Moderna, a Igreja Latina, com o tempo junto com suas secessões protestantes, espalhou-se pelas Américas, grande parte das Filipinas, África do Sul, bolsões da África Ocidental e em toda a Austrália e Nova Zelândia. Assim, quando usado para períodos históricos após o século 16, o termo "Cristianismo Ocidental" não se refere a uma área geográfica particular, mas é usado como um termo coletivo para todas elas.

Hoje, a distinção geográfica entre o cristianismo ocidental e oriental não é tão absoluta como na Antiguidade ou na Idade Média, devido à expansão dos missionários cristãos, às migrações e à globalização. Como tal, os adjetivos "Cristianismo Ocidental" e "Cristianismo Oriental" são tipicamente usados ​​para se referir a origens históricas e diferenças na teologia e liturgia, ao invés de localizações geográficas presentes.

Enquanto a Igreja latina mantém o uso dos ritos litúrgicos latinos, as denominações protestantes e o catolicismo independente usam uma ampla variedade de práticas litúrgicas.

Página de rosto da Bíblia luterana sueca Gustav Vasa, traduzida pelos irmãos Petri, junto com Laurentius Andreae.
Estudiosos jesuítas na China. Acima: Matteo Ricci, Adam Schaal e Ferdinand Verbiest (1623–1688); Abaixo: Paul Siu (Xu Guangqi), Colao ou Primeiro Ministro de Estado, e sua neta Cândido Hiu.

HistóriaEditar

Durante a maior parte de sua história, a igreja na Europa foi culturalmente dividida entre o oeste de língua latina, cujo centro era Roma, e o leste de língua grega, cujo centro era Constantinopla. Diferenças culturais e rivalidades políticas criaram tensões entre as duas igrejas, levando a divergências sobre doutrina e eclesiologia e, por fim, ao cisma.[10]

Como o cristianismo oriental, o cristianismo ocidental tem suas raízes diretamente nos apóstolos e outros pregadores da religião. Na área original do cristianismo ocidental, o latim era a língua principal. Escritores cristãos em latim tiveram mais influência lá do que aqueles que escreveram em grego, siríaco ou outras línguas orientais. Embora os primeiros cristãos no Ocidente usassem o grego (como Clemente de Roma), no século IV o latim o havia substituído até mesmo na cosmopolita cidade de Roma, embora haja evidências de uma tradução latina da Bíblia no século II (ver também Vetus Latina) no sul da Gália e na província romana da África.[11]

Com o declínio do Império Romano, distinções apareceram também na organização, uma vez que os bispos no Ocidente não eram dependentes do Imperador em Constantinopla e não sofreram a influência do Cesaropapismo na Igreja Oriental. Enquanto a sé de Constantinopla tornou-se dominante em todas as terras do imperador, o Ocidente olhou exclusivamente para a sé de Roma, que no Oriente era vista como a de um dos cinco patriarcas da Pentarquia, "o governo proposto da cristandade universal por cinco patriarcais vê sob os auspícios de um único império universal. Formulada na legislação do imperador Justiniano I (527-565), especialmente em sua Novela 131, a teoria recebeu sanção eclesiástica formal no Concílio de Trullo (692), que classificou as cinco sedes como Roma, Constantinopla, Alexandria, Antioquia, e Jerusalém".[12]

Ao longo dos séculos, divergências separaram o Cristianismo Ocidental das várias formas de Cristianismo Oriental: primeiro do Cristianismo Siríaco Oriental após o Concílio de Éfeso (431), então daquele da Ortodoxia Oriental após o Concílio de Calcedônia (451), e então da Ortodoxia Oriental com o Cisma Leste-Oeste de 1054. Com a última forma nomeada de Cristianismo Oriental, acordos de reunião foram assinados no Segundo Concílio de Lyon (1274) e no Concílio de Florença (1439), mas estes se mostraram ineficazes.

O historiador Paul Legutko, da Universidade de Stanford, disse que a Igreja Católica está "no centro do desenvolvimento dos valores, idéias, ciência, leis e instituições que constituem o que chamamos de civilização ocidental".[13] A ascensão do protestantismo levou a grandes divisões dentro do cristianismo ocidental, que ainda persistem, e guerras - por exemplo, a guerra anglo-espanhola de 1585-1604 teve causas religiosas e econômicas.

Na Era dos Descobrimentos e depois disso, os europeus espalharam o cristianismo ocidental no Novo Mundo e em outros lugares. O catolicismo romano chegou às Américas (especialmente à América do Sul), África, Ásia, Austrália e Pacífico. O protestantismo, incluindo o anglicanismo, chegou à América do Norte, Austrália-Pacífico e alguns locais africanos.

Hoje, a distinção geográfica entre o Cristianismo Ocidental e Oriental é agora muito menos absoluta, devido às grandes migrações de europeus por todo o globo, bem como ao trabalho de missionários em todo o mundo nos últimos cinco séculos.

Referências

  1. Hugh Henry, "Agnus Dei (in Liturgy)" in Catholic Encyclopedia (New York, 1907)
  2. UNESCO World Heritage: Vatican City
  3. "General Essay on Western Christianity", Overview Of World Religions. Division of Religion and Philosophy, University of Cumbria. © 1998/9 ELMAR Project. Acessado em 1 de abril de 2012.
  4. «Christianity in the Roman Empire». Khan Academy (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2018 
  5. «Distinguishing the terms: Latins and Romans». Orbis Latinus 
  6. Marvin Perry, Myrna Chase, James Jacob, Margaret Jacob, Theodore H. Von Laue (1 de janeiro de 2012). Western Civilization: Since 1400. [S.l.]: Cengage Learning. p. XXIX. ISBN 978-1-111-83169-1 
  7. Roman Catholicism, "Roman Catholicism, Christian church that has been the decisive spiritual force in the history of Western civilization". Encyclopædia Britannica
  8. Caltron J.H Hayas, Christianity and Western Civilization (1953), Stanford University Press, p. 2: That certain distinctive features of our Western civilization—the civilization of western Europe and of America—have been shaped chiefly by Judaeo – Graeco – Christianity, Catholic and Protestant.
  9. Jose Orlandis, 1993, "A Short History of the Catholic Church," 2nd edn. (Michael Adams, Trans.), Dublin: Four Courts Press, ISBN 1851821252, preface, see [1], accessed 8 December 2014. p. (preface)
  10. "General Essay on Western Christianity", Overview Of World Religions. Division of Religion and Philosophy, University of Cumbria. © 1998/9 ELMAR Project. Accessed 1 April 2012.
  11. The Oxford Dictionary of the Christian Church (Oxford University Press 2005 ISBN 978-0-19-280290-3), article "Latin"
  12. «Pentarchy | Christianity». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2021 
  13. «Review of How the Catholic Church Built Western Civilization by Thomas Woods, Jr.». National Review Book Service. Consultado em 16 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2006 


  Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.