Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para clube de futebol feminino amazonense, veja Esporte Clube Iranduba da Amazônia.

Iranduba é um município brasileiro localizado na Região Metropolitana de Manaus, no estado do Amazonas. Situado à margem esquerda do Rio Solimões, está conectado à capital amazonense através da Ponte Jornalista Phelippe Daou. Segundo estimativas do IBGE de 2018, o município possuía 47 571 habitantes.[5] Iranduba é considerado o maior produtor de hortifrutigranjeiros[6] e produz 75 % dos tijolos e telhas consumidos no estado.[7]

Município de Iranduba
"Cidade das Chaminés"
Cidade de Iranduba vista do Rio Solimões.

Cidade de Iranduba vista do Rio Solimões.
Bandeira de Iranduba
Brasão de Iranduba
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 10 de dezembro
Fundação 10 de fevereiro de 1981 (38 anos)
Gentílico irandubense
Prefeito(a) Francisco Gomes da Silva (DEM)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Iranduba
Localização de Iranduba no Amazonas
Iranduba está localizado em: Brasil
Iranduba
Localização de Iranduba no Brasil
03° 17' 06" S 60° 11' 09" O03° 17' 06" S 60° 11' 09" O
Unidade federativa Amazonas
Mesorregião Centro Amazonense IBGE/2008[1]
Microrregião Manaus IBGE/2008[1]
Região metropolitana Manaus
Municípios limítrofes Manaus; Manacapuru; Novo Airão.
Distância até a capital km
Características geográficas
Área 2 215,033 km² (BR: 682º AM: 62º)[2]
População 47 571 hab. (AM: 11º) –  estimativa populacional - IBGE/2018
Densidade 21,48 hab./km²
Altitude 92 m
Clima Equatorial Am
Fuso horário UTC-4
Indicadores
IDH-M 0,613 médio PNUD/2010 [3]
PIB R$ 636 014 mil (AM: 11º) – IBGE/2016[4]
PIB per capita R$ 13 618,27 IBGE/2016[4]
Página oficial
Prefeitura www.iranduba.am.gov.br
Câmara www.ale.am.gov.br/iranduba

Índice

HistóriaEditar

Dados arqueológicos indicam que a região do município de Iranduba esteve ocupada desde 7510 a.C até 2550 a.C. por grupos de caçadores-coletores que fabricavam instrumentos líticos lascados e acampavam em áreas de antigos paleocanais, onde hoje são conhecidas como Campinaranas. Após esse período há um hiato temporal até 300 a.C. com o surgimentos das primeiras ocupações de grupos ceramistas na região até o século XVI. A capital do estado conheceu época de grande prosperidade na última década do século XIX e primeiras décadas século XX, com o auge da era da borracha. Passado esse fastígio, Manaus experimentou um período de estagnação e até retrocesso e a economia do mesmo só se reativou com a implantação da Zona Franca de Manaus, florescendo em sua periferia vários núcleos populacionais entre eles Iranduba, que a partir de 1976, veio recebendo consideráveis melhoramentos urbanos. A Vila de Iranduba foi elevada a categoria de município em 10 de fevereiro de 1981 a partir da lei nº 12.[8]

GeografiaEditar

 
Entrada do município de Iranduba.

O município de Iranduba está situado à margem esquerda do Rio Solimões, na confluência deste com o Rio Negro, a sudoeste da capital do Amazonas, da qual dista cerca de nove quilômetros, considerando a travessia da Ponte Rio Negro até o distrito de Cacau Pirêra.[9] Suas coordenadas geográficas são as seguintes: 03º 17' 06 de latitude sul e 60º 11' 09 de longitude W. Gr.

A localização do município permite a existência de dois ecossistemas diversos, e se na orla do Rio Negro figuram paisagens paradisíacas, praias, cachoeiras e florestas abundantes; ao longo do rio Solimões descortinam-se extensas áreas de várzea com atividades agrícolas, pesqueiras e de contemplação.

Iranduba está a 30 metros acima do nível do mar e possui uma área de 2 215 quilômetros quadrados.[10]

DemografiaEditar

Sua população de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) era de 47 571 habitantes em 2018, o que o coloca como o décimo-primeiro município mais populoso do Amazonas.

Cultura e sociedadeEditar

TurismoEditar

Hospedagem regional

O município concentra hotéis de selva. Os visitantes podem praticar atividades como canoagem, focagem de jacaré, pesca de piranha, e observar a fauna e a flora. Alguns estabelecimentos oferecem ainda passeios pelos igarapés e visitas as comunidades indígenas. Os estabelecimentos variam de acordo com o número de apartamentos, estilo e infraestrutura oferecida aos hóspedes.

Turismo rural

Junto com o município de Rio Preto da Eva, Iranduba participa da rede de Turismo Rural na Agricultura Familiar (TRAF), um programa coordenado pelo Governo Federal, por meio dos ministérios do Turismo e do Desenvolvimento Agrário.

ArtesanatoEditar

Iranduba abriga dois dos principais polos de produção de artesanato do Estado do Amazonas: as comunidades dos lagos Janauari e Acajatuba. No primeiro, há vários flutuantes onde diversos artesãos expõem seus trabalhos, entre eles, lindas peças entalhadas em madeira, cocares, pulseiras e brincos.Dos destaques de pulseiras e brincos. O lago possui ainda um restaurante e serviços de guias para receber os visitantes.

GastronomiaEditar

A gastronomia é baseada em peixes de água doce e frutas tropicais, como cupuaçu, tucumã, pupunha e açaí, entre outros. Os turistas saboreiam pratos da cozinha regional caseira em bares e lanchonetes e restaurantes. Outra opção é escolher o peixe diretamente dos rios e viveiros locais.

Sítios arqueológicosEditar

Iranduba é o município amazonense com maior número de sítios arqueológicos registrados, com mais de 100 sítios descobertos até o momento. Desde 1995 é desenvolvido no município o Projeto Amazônia Central (PAC), coordenado pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo - Mae/Usp, em parceria com a Universidade Federal do Amazonas, com trabalhos de escavação, formação de profissionais técnicos e educação patrimonial.

AcessoEditar

O transporte aéreo e fluvial é realizado através do Aeroporto Internacional de Manaus e Porto de Manaus, respectivamente. Partindo de Manaus, para chegar ao município de Iranduba por via terrestre basta atravessar a Ponte Rio Negro.

GaleriaEditar

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 9 de setembro de 2013 
  4. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2016). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2016». Consultado em 28 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  5. «IBGE Cidades: Iranduba». IBGE. cidades.ibge.gov.br. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  6. «Incra e MDA entregam equipamentos e promovem ações de cidadania em Iranduba (AM)». www.incra.gov.br. Consultado em 7 de maio de 2016 
  7. Maciel, Cleiton Ferreira; Valle, Maria Izabel de Medeiros; Maciel, Jeanne Mariel Brito de Moura (5 de junho de 2013). «"Homens do barro" e estratégias empresariais: uma análise da relação capital-trabalho no polo oleiro-cerâmico de Iranduba-AM». Plural - Revista de Ciências Sociais. 20 (1): 9–30. ISSN 2176-8099. doi:10.11606/issn.2176-8099.pcso.2013.69561 
  8. C. de Mello-Leitão (1941). Gaspar de Carvajal, Alonso de Rojas e Cristobal de Acuña. Descobrimentos do rio das Amazonas. [S.l.]: Cia. Editora Nacional 
  9. «Manaus – Cacau Pirêra». de Pte. Rio Negro a Estr. Manoel Urbano. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  10. Ewsite.NET. «Portal Iranduba». iranduba.com.br. Consultado em 24 de agosto de 2018