Abrir menu principal

George Washington

1° presidente dos Estados Unidos da América
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja George Washington (desambiguação).
George Washington
George Washington por Gilbert Stuart, 1797
Presidente dos Estados Unidos
Período 30 de abril de 1789
a 4 de março de 1797
Vice-presidente John Adams
Sucessor John Adams
Comandante em chefe
do Exército Continental
Período 15 de junho de 1775
a 23 de dezembro de 1783
Nomeado pelo Congresso Continental
Sucessor Henry Knox
Delegado do Segundo Congresso Continental pela Virgínia
Período 10 de maio de 1775
a 15 de junho de 1775
Sucessor Thomas Jefferson
Delegado do Primeiro Congresso Continental pela Virgínia
Período 5 de setembro de 1774
a 26 de outubro de 1774
Dados pessoais
Nascimento 22 de fevereiro de 1732
Bridges Creek, Westmoreland,
Virgínia, América Britânica
Morte 14 de dezembro de 1799
(67 anos)
Mount Vernon, Fairfax, Virgínia, Estados Unidos
Progenitores Mãe: Mary Ball
Pai: Augustine Washington
Prêmio(s) Medalha de Ouro do Congresso
Agradecimento do Congresso
Esposa Martha Dandridge (1759–1797)
Filhos 2 (John e Patsy, adotados)
Partido Independente
Religião Episcopalismo
Profissão Militar
Assinatura Assinatura de George Washington
Serviço militar
Lealdade  Grã-Bretanha
Estados Unidos
Serviço/ramo Milícia Continental
Exército Continental
Exército dos Estados Unidos
Anos de serviço 1752–1758 (milícia)
1775–1783 (continental)
1798–1799 (exército)
Graduação Coronel (milícia)
Tenente-General (exército)
Conflitos Guerra Franco-Indígena
Guerra da Independência
dos Estados Unidos

George Washington (Condado de Westmoreland, 22 de fevereiro de 1732Mount Vernon, 14 de dezembro de 1799)[nota 1] foi o primeiro Presidente dos Estados Unidos (1789–1797), o comandante ex-chefe do Exército Continental durante a Guerra da Independência dos Estados Unidos, e um dos Pais Fundadores dos Estados Unidos. Presidiu à convenção que elaborou a Constituição, a qual veio substituir os Artigos da Confederação e estabelecer a posição de Presidente.

Washington foi eleito Presidente unanimemente pelos eleitores em 1788 e prestou serviço durante duas legislaturas. Supervisionou a criação de um governo forte e rico que manteve a neutralidade face às guerras na Europa, fez cessar as revoltas e obteve a aceitação entre todos os americanos. O seu estilo de liderança estabeleceu várias características de governação que, desde então, têm sido adotadas, como a utilização de um sistema de gabinete e de um discurso inaugural. A forma pacífica de transição da sua presidência para a de John Adams estabeleceu também uma tradição que se manteve até ao século XXI. Washington foi celebrado como "Pai da Nação" ainda durante a sua vida.[1][2]

Biografia (1732–1752)

Washington nasceu na Colónia da Virgínia, numa abastada família, proprietária de plantações de cânhamo e de muitos escravos. Após o falecimento do pai e do irmão mais velho, sendo ainda jovem, Washington desenvolveu uma forte ligação pessoal e profissional com o poderoso William Fairfax, que promoveu a sua carreira como batedor e soldado. Washington ascendeu rapidamente a oficial superior nas forças coloniais durante as primeiras fases da Guerra Franco-Indígena. Escolhido pelo Segundo Congresso Continental, em 1775, para o posto de comandante-em-chefe do Exército Continental na Guerra da Independência, Washington conseguiu expulsar os britânicos de Boston em 1776, mas foi derrotado, e quase capturado, mais tarde nesse ano, quando perdeu a cidade de Nova Iorque. Após a travessia do rio Delaware no Inverno, Washington derrotou os britânicos em duas batalhas, reconquistou Nova Jérsia e restaurou o sentimento da causa dos patriotas. Ele, apesar de ter defendido ofensivas militares, foi contra alianças militares em seu tempo.[3]

Devido à sua estratégia, as forças revolucionárias capturaram dois grandes exércitos britânicos em Saratoga (1777) e em Yorktown (1781). Os historiadores elogiam Washington pela sua supervisão e selecção dos seus generais, reforço do moral e coesão do exército, coordenação com os governadores estaduais e com as unidades das milícias, relações com o Congresso e atenção aos abastecimentos, logística e formação. No entanto, em batalha, Washington foi várias vezes derrotado pelos generais britânicos, com exércitos de maior dimensão. Depois da vitória final em 1783, em vez de ascender ao poder, Washington demitiu-se de comandante-em-chefe, demonstrando a sua oposição à ditadura e o seu compromisso com o republicanismo americano.

Insatisfeito com as fraquezas dos Artigos da Confederação, em 1787 Washington presidiu à Convenção Constitucional que elaborou a Constituição. Eleito por unanimidade como primeiro Presidente dos Estados Unidos em 1789, tentou unir as facções rivais. Apoiou o programa de Alexander Hamilton, que previa o pagamento de todas as dívidas nacionais e dos estados, a implementação de um sistema de taxas eficiente e a criação de um banco nacional (apesar da oposição de Thomas Jefferson) e foi derrotado pelo congresso liderado por Andrew Jackson.[4]

Washington proclamou a neutralidade dos Estados Unidos face às guerras que se desenrolavam na Europa após 1793. Evitou a guerra com a Grã-Bretanha e garantiu uma década de paz e comércio lucrativo com base no Tratado de Londres em 1795, apesar da forte oposição dos apoiantes de Jefferson. Embora nunca se tenha juntado oficialmente ao Partido Federalista, apoiou os seus programas. O discurso de despedida de Washington foi um apelo ao civismo e um aviso contra o partidarismo e envolvimento em conflitos externos. Retirou-se da presidência em 1797, regressando à sua residência em Mount Vernon e à sua vida doméstica para gerir vários projectos. O seu testamento incluiu a libertação de todos os seus escravos.

Washington tinha a visão de uma grande e poderosa nação construída sobre bases republicanas, utilizando o poder federal. Procurou utilizar o governo nacional para preservar a liberdade, melhorar as infraestruturas, abrir caminho para as terra a oeste, promover o comércio, estabelecer uma capital permanente, reduzir as tensões regionais, e incentivar um espírito nacionalista americano.[5] Quando morreu, Washington foi elogiado como "primeiro na guerra, primeiro na paz e primeiro nos corações dos seus compatriotas", por Henry Lee.[6]

Os federalistas fizeram dele o símbolo do seu partido durante muitos anos, mas os democratas-republicanos continuaram a recear a sua influência e atrasaram a construção do Monumento a Washington. Enquanto líder da primeira revolução bem-sucedida na história contra um império colonial, Washington tornou-se um ícone internacional de libertação e nacionalismo, particularmente em França e na América Latina.[7] Washington é, habitualmente, um dos três presidentes do Estados Unidos mais votados entre académicos e público em geral.

Juventude

George Washington nasceu a 22 de Fevereiro de 1732 em Bridges Creek, na Virgínia, descendente de uma família oriunda da Inglaterra, que se estabeleceu na América por volta do ano de 1657. Apesar da boa situação econômica de seus pais, o pequeno George só estudou até o curso elementar, que frequentou até os 16 anos de idade na Escola de Williamsburg. Era filho de Augustine Washington e de Mary Ball Washington. Originário de uma família tradicional, estável e abastada, família de latifundiários proprietários de terras da Virgínia, tornou-se, em 1748, zelador das propriedades de Shenandoah Valley pertencentes a Lord Fairfax e mais tarde de todo o condado de Culpeper. Estudou agrimensura e de 1749 a 1751 ocupou-se do levantamento topográfico de extensa região da Virgínia. Em 1752, herdou a grande propriedade paterna de Mount Vernon.

Carreira militar

Ainda jovem participou ativamente das guerras contra os índios e franceses. Em 1753 foi encarregado de levar um ultimato aos franceses que haviam ultrapassado os limites do Ohio. Rejeitada a intimação, assumiu o posto de tenente-coronel, no comando de 150 homens. Servia no Primeiro Regimento de Virgínia (parte do exército britânico). Enquanto tentava expulsar os franceses do condado de Ohio, Washington ocasionou uma série de eventos que, no fim, levaram à Guerra Franco-Indígena (1754-1763).

Em 1754, recebeu a missão de estabelecer um forte, onde hoje se localiza a cidade de Pittsburgh. Iniciava-se a luta contra os franceses, que duraria até 1759. Encarregado de tomar a posição francesa de Fort Duquesne, em 28 de maio de 1754 Washington surpreendeu e derrotou as primeiras forças enviadas a seu encontro. Em 3 de Julho, os franceses contra-atacaram, venceram e concederam-lhe termos honrosos após uma resistência de dez horas vagas. George Washington reuniu os sobreviventes e procedeu à retirada. Nova derrota em Monongahela, como integrante das forças britânicas, não o desanimou. Recrutou um contingente de colonos de Virgínia e preparou o ataque, vitorioso, contra o Fort Duquesne, em Novembro de 1758.

Deixou o exército em 1758, no posto de coronel, se casou com uma viúva rica, Martha Washington (1759), e se mudou para Virgínia com sua esposa e família, onde passou a viver do plantio de Tabaco na sua fazenda. Nos anos seguintes, Washington teria um significante papel na fundação dos Estados Unidos.

 
George Washington: "O primeiro na guerra, o primeiro na paz e o primeiro no coração de seus concidadãos".

Independência

O domínio da Inglaterra sobre as colônias americanas começou a causar revoltas, tendo então Washington iniciado a sua atividade política na Assembleia de oposição da Virgínia, a qual protestava perante o agravamento das tributações impostas e falta de liberdade de ação. Politicamente, Washington apoiava a resistência às decisões britânicas. Em 1774 foi um dos sete delegados que representou a Virgínia no Primeiro Congresso Continental de Filadélfia, que se reuniu para discutir as medidas a tomar contra os colonizadores. Participou também do Segundo Congresso Continental, que se realizou no ano seguinte. Iniciadas as Guerra da Independência (1775-1783), em 15 de Junho de 1775 foi nomeado por John Adams comandante-em-chefe de todos os exércitos continentais, posto que assumiu em Cambridge, Massachusetts, em 3 de Julho.

 
George Washington e o Marquês de La Fayette em Vale Forge.

Conseguiu impor alguma ordem entre os 16 mil voluntários e, em Março de 1776, expulsou os britânicos de Boston. Em Setembro, após uma inepta defesa de Nova York, liderou brilhantemente o seu exército. Durante os cinco anos seguintes, estabeleceu um "jogo de nervos" com os britânicos em Nova York e Filadélfia, estimulando ataques ocasionais e conflitos como o de Trenton (1776), Princeton, Brandywine, Germantown (1777) e, posteriormente, a campanha do Vale Forge, em Monmouth (1778).

Concluiu, em 6 de Fevereiro de 1778, uma aliança com os franceses. Praticou de uma guerra de guerrilha até que a Espanha e a França, com Rochambeau, entraram em cena, constituindo um decisivo peso para a derrota dos britânicos em Yorktown, Virgínia, em 19 de Outubro de 1781, pondo término à Guerra da Independência dos EUA. Dois anos depois era reconhecida a independência do país. Washington demitiu-se e retirou-se para Mount Vernon em 23 de Dezembro de 1783.

Seus discursos durante a guerra se tornaram famosos por serem não só uma defesa do patriotismo, mas também um pedido de atenção aos valores morais e ao cristianismo, em 1776 escreveu que:[8]


Presidência (1789-1797)

 
Retrato Oficial da Casa Branca.

Washington tomou posse em 30 de abril de 1789, fazendo o juramento de posse no Federal Hall, em Nova York.[9] A sua cerimônia foi liderada pela milícia e uma banda, seguido por estadistas e dignatários estrangeiros em um desfile de inauguração, com uma multidão de 10.000 pessoas.[10] O chanceler Robert R. Livingston fez o juramento, usando uma Bíblia fornecida pelos maçons, após a qual ele recebeu uma saudação de 13 armas.[11] Na Câmara do Senado ele leu seu discurso, pedindo que "aquele Todo Poderoso que governa o universo, que preside os conselhos das nações - e cujas ajudas providenciais possam suprir todo defeito humano, consagre as liberdades e a felicidade do povo dos Estados Unidos". "Com a sua bênção".[12] Ele recusou um salário, mas o Congresso mais tarde forneceu US$ 25.000 por ano (o equivalente a cerca de US$ 715.000 em 2018), e ele aceitou, para cobrir os custos da presidência.[13]

Washington escreveu a James Madison: "Como o primeiro de tudo em nossa situação servirá para estabelecer um precedente, é desejoso de minha parte que esses precedentes sejam fixados em princípios verdadeiros".[14] Para esse fim, ele preferiu o título "Sr. Presidente" do que nomes mais majestosos propostos pelo Senado, incluindo "Sua Excelência" e "Sua Alteza o Presidente".[15] Seus precedentes republicanos também incluíam o discurso de posse, mensagens ao Congresso e a forma de gabinete do poder executivo.[16]

Washington planejava se demitir depois de seu primeiro mandato, mas o conflito político na nação convenceu-o de que ele deveria permanecer no cargo.[17] Ele era um administrador capaz, juiz de talento e caráter, e falava regularmente com chefes de departamento para obter seus conselhos.[18] Ele tolerou pontos de vista opostos, apesar do medo de que um sistema democrático levasse à violência política, e conduziu uma suave transição de poder para seu sucessor.[19] Washington permaneceu apartidário durante toda a sua presidência e se opôs à divisão dos partidos políticos, mas ele favoreceu um governo central forte, era simpático a uma forma federalista de governo e desconfiava da oposição republicana.[20]

Washington lidou com grandes problemas. A antiga Confederação não tinha os poderes para lidar com sua carga de trabalho, tinha liderança fraca, nenhum executivo, uma pequena burocracia de funcionários, uma grande dívida, papel-moeda sem valor e nenhum poder de estabelecer impostos.[21] Ele tinha a tarefa de montar um departamento executivo e confiava em Tobias Lear para aconselhar a seleção de seus oficiais.[22] A Grã-Bretanha recusou-se a abandonar seus fortes no oeste americano,[23] e os piratas da Barbária prenderam navios mercantes americanos no Mediterrâneo, enquanto o exército dos EUA era minúsculo e a Marinha inexistente.[24]

Gabinete e Departamentos Executivos

O Congresso criou os departamentos executivos em 1789, incluindo o Departamento de Estado em julho, o Departamento de Guerra em agosto e o Departamento do Tesouro em setembro. Washington nomeou o colega Virginiano Edmund Randolph como Procurador Geral, Samuel Osgood para o Correio Geral, Thomas Jefferson como Secretário de Estado, e seu sucessor comandante Henry Knox como Secretário de Guerra. Finalmente, ele nomeou Alexander Hamilton como Secretário do Tesouro.[25] O gabinete de Washington tornou-se um órgão consultivo, e não obrigatório pela Constituição.[26]

Os membros do gabinete de Washington formaram partidos rivais com pontos de vista nitidamente opostos, mais ferozmente ilustrados entre Hamilton e Jefferson.[27] Ele restringiu as discussões do gabinete aos temas de sua escolha, sem participar do debate. Ele ocasionalmente solicitava opiniões do gabinete por escrito e esperava que os chefes de departamento cumprissem suas decisões. Hamilton desempenhou um papel ativo e influente, aconselhando o Congresso e seus líderes.[28]

Questões Domésticas

Washington era apolítico e se opunha à formação de partidos, suspeitando que o conflito minaria o republicanismo.[29] Seus conselheiros mais próximos formaram duas facções, pressagiando o primeiro sistema partidário. O secretário do Tesouro, Alexander Hamilton, formou o Partido Federalista para promover o crédito nacional e uma nação financeiramente poderosa. O secretário de Estado Thomas Jefferson se opôs à agenda de Hamilton e fundou os republicanos de Jefferson. Washington favoreceu a agenda de Hamilton, que entrou em vigor e resultou em amarga controvérsia.[30]

Washington proclamou o dia 26 de novembro como um dia de Ação de Graças, a fim de incentivar a unidade nacional dizendo: "É dever de todas as nações reconhecer a providência do Deus Todo-Poderoso, obedecer a Sua vontade, ser grato por seus benefícios e humildemente implorar sua proteção e favor". Em seu Dia de Ação de Graças designado (que mais tarde se tornou um feriado anual), ele jejuou enquanto visitava os devedores na prisão, mas lhes forneceu comida e cerveja.[31]

 
Washington numa nota de um dólar

Banco Nacional

O estabelecimento do crédito público tornou-se um desafio primordial para o governo federal;[32] Hamilton apresentou um relatório sobre o assunto a um Congresso num beco sem saída, e mais tarde, Madison e Jefferson alcançou o compromisso de 1790 em que Jefferson concordou com as propostas de dívida de Hamilton em troca para mover a capital da nação temporariamente para Filadélfia e depois para o sul perto de Georgetown no rio Potomac.[33] Os termos foram legislados no Funding Act e no Residence Act, ambos os quais Washington assinou como lei. O Congresso autorizou a assunção e pagamento das dívidas do país, com financiamento de direitos aduaneiros e impostos especiais de consumo.[34]

Hamilton criou controvérsia entre os membros do gabinete, defendendo o estabelecimento do Primeiro Banco dos Estados Unidos. Madison e Jefferson se opuseram, mas o banco passou facilmente pelo Congresso. Jefferson e Randolph insistiram que o novo banco estava além da autoridade concedida pela constituição, como Hamilton acreditava. Washington tomou o partido de Hamilton e assinou a legislação em 25 de fevereiro; a fenda entre o último e Jefferson tornou-se abertamente hostil.[35]

A primeira crise financeira do país ocorreu em março de 1792. Os federalistas de Hamilton exploraram grandes empréstimos para obter o controle dos títulos de dívida dos EUA, causando uma corrida ao banco nacional;[36] os mercados voltaram ao normal em meados de abril.[37] Jefferson acreditava que Hamilton fazia parte do esquema, apesar dos esforços deste último para melhorar, e Washington novamente se viu no meio de uma rivalidade.[38]

Conflitos de Jefferson-Hamilton

Jefferson e Hamilton adotaram princípios políticos diametralmente opostos. Hamilton acreditava em um forte governo nacional exigindo que um banco nacional e empréstimos estrangeiros funcionassem, enquanto Jefferson acreditava que o governo deveria ser dirigido principalmente pelos estados e pelo elemento da fazenda; Ele também se ressentiu da ideia de bancos e empréstimos externos. Para consternação de Washington, persistiram disputas internas entre os dois homens.[39] Hamilton exigiu que Jefferson renunciasse se ele não pudesse apoiar Washington, e ao invés de responder publicamente, Jefferson disse a Washington que o sistema fiscal de Hamilton levaria à derrubada da República.[40]

Washington pediu aos dois secretários que fizessem uma trégua pelo bem da nação, mas eles o ignoraram.[41] Washington reverteu sua decisão de se aposentar após seu primeiro mandato, para minimizar os conflitos partidários, mas a contenda continuou após sua reeleição.[42] As ações políticas de Jefferson, seu apoio ao Diário Nacional de Freneau,[43] e sua tentativa de minar Hamilton quase levaram Washington a demiti-lo do gabinete; Jefferson finalmente renunciou a sua posição em dezembro de 1793 e foi abandonado por Washington.[44]

A disputa levou aos partidos federalistas e republicanos a ficarem bem definidos, e a filiação partidária tornou-se necessária para a eleição para o Congresso em 1794.[45] Washington permaneceu distante dos ataques do Congresso a Hamilton, mas ele não o protegeu publicamente. O escândalo sexual de Hamilton-Reynolds fez com que Hamilton caísse em desgraça, mas Washington continuou a considerá-lo "muito estimado" como a força dominante no estabelecimento da lei e do governo federal.[46]

Rebelião do Uísque

Em março de 1791, o Congresso impôs um imposto sobre bebidas destiladas para ajudar a reduzir a dívida nacional; os fazendeiros de grãos protestaram fortemente nos distritos da fronteira da Pensilvânia, dizendo que eles não estavam representados e assumindo grande parte da dívida, comparando sua situação com a taxação britânica durante a revolução. Washington, depois de apelar pela paz, emitiu uma proclamação em 25 de setembro, ameaçando o uso da força militar e lembrando aos manifestantes que, ao contrário do governo da coroa britânica, a lei federal foi emitida por representantes eleitos pelo estado.[47] As ameaças e a violência contra os cobradores de impostos aumentaram em desafio à autoridade federal em 1794, dando origem à rebelião do uísque. O exército federal não estava à altura da tarefa, então Washington invocou o Ato de Milícia de 1792 para convocar milícias estaduais.[48] Os governadores enviaram tropas, com Washington assumindo o comando e nomeando o Cavaleiro Leve Harry Lee para liderar as tropas nos distritos rebeldes. Os rebeldes se dispersaram e não houve brigas.[49]

A ação vigorosa de Washington demonstrou que o governo poderia se proteger e a seus cobradores de impostos. Isso representou o primeiro uso da força militar federal contra os estados e cidadãos,[50] e continua sendo a única vez em que um presidente em exercício comandou as tropas no campo. Washington justificou sua ação contra "certas sociedades auto-criadas" que ele considerava "organizações subversivas" que ameaçavam a união nacional. Ele não contestou seu direito de protestar, mas insistiu que sua dissidência não violasse a lei federal. O Congresso concordou e deram seus parabéns a ele, com apenas Madison e Jefferson expressando indiferença.[51]

Negócios Estrangeiros

 
O Tratado de Jay de 1794

Em abril de 1792, as Guerras Revolucionárias Francesas começaram entre a Grã-Bretanha e a França, e Washington, com o consentimento do gabinete, declarou a neutralidade dos Estados Unidos da América em 1793. O governo revolucionário da França enviou o diplomata Citizen Genêt para a América. Ele foi recebido com grande entusiasmo e começou a promover o caso da França, usando uma rede de novas Sociedades Democratas-Republicanas nas principais cidades. Chegou a emitir cartas francesas de marca e represálias a navios franceses tripulados por marinheiros americanos, para que pudessem capturar navios mercantes britânicos. Washington denunciou as sociedades e exigiu que os franceses se lembrassem de Genêt.[52]

Hamilton formulou o Tratado de Jay, para normalizar as relações comerciais com a Grã-Bretanha, removendo-as dos fortes ocidentais, e também para resolver dívidas financeiras remanescentes da Revolução.[53] O presidente do Supremo Tribunal de Justiça, John Jay, atuando como negociador de Washington, assinou o tratado em 19 de novembro de 1794; os Jeffersonianos apoiaram a França. Washington deliberou, depois apoiou o tratado porque queria evitar uma guerra com a Grã-Bretanha;[54] ele ficou profundamente desapontado por suas disposições favorecerem a Grã-Bretanha.[55] Depois de ter mobilizado a opinião pública e conseguido a ratificação no Senado, Washington foi submetido a severas e frequentes críticas públicas.[56]

Os britânicos concordaram em deixar seus fortes ao redor dos Grandes Lagos, e a fronteira entre os Estados Unidos e o Canadá foi posteriormente modificada. Numerosas dívidas pré-revolucionárias foram liquidadas, e os britânicos abriram suas colônias nas Índias Ocidentais para o comércio americano. O tratado garantiu a paz com a Grã-Bretanha e uma década de comércio próspero. Jefferson alegou que irritou a França e "convidou ao invés de evitar" a guerra.[57] As relações com a França deterioraram-se depois, deixando o futuro presidente John Adams com uma guerra prospectiva.[58] Quando James Monroe, ministro americano da França, foi chamado de volta por Washington por sua oposição ao Tratado, os franceses se recusaram a aceitar seu substituto, Charles Cotesworth Pinckney e dois dias antes do término do mandato de Washington, o Diretório Francês declarou a autoridade de tomar navios americanos.[59]

Assuntos Indígenas

Uma questão inicial para Washington era a ocupação britânica na fronteira noroeste e seus esforços conjuntos para incentivar os índios contra os colonos.[60] Os índios do Noroeste aliados com os britânicos sob o Chefe-Miami da tartaruga pequena lutaram para resistir a expansão americana, e de 1783 a 1790, 1.500 colonos foram mortos pelos índios.[61]

Washington decidiu que os assuntos indígenas seriam "totalmente dirigidos pelos grandes princípios da justiça e da humanidade".[62] Ele providenciou que seus interesses de terra fossem negociados por tratados.[63] A administração considerava tribos poderosas como nações estrangeiras, e Washington até fumava o cachimbo da paz e bebia vinho com eles na casa presidencial da Filadélfia.[64]

Washington fez numerosas tentativas de conciliar os índios;[65] ele igualou a morte de índios com a dos brancos e procurou integrá-los na cultura americana.[66] O secretário de guerra Henry Knox tentou incentivar a agricultura entre as tribos.[67]

No sudoeste, as negociações fracassaram entre os comissários federais e atacaram as tribos indígenas em busca de retribuição. Washington convidou o chefe do Creek, Alexander McGillivray, e vinte e quatro chefes principais para Nova York, para negociar um tratado; ele foi tratado como um dignatário estrangeiro. Em 7 de agosto de 1790, no Federal Hall, Knox e McGillivray concluíram o Tratado de Nova York, que fornecia às tribos suprimentos agrícolas, e McGillivray, uma patente de Brigadeiro General do Exército e um salário de US$ 1.500.[68]

Em 1790, Washington enviou o brigadeiro Josiah Harmar para pacificar os índios do noroeste; Harmar foi duas vezes encaminhado pela Tartaruga Pequena e forçado a se retirar.[69][70] A Confederação Ocidental das tribos usou táticas de guerrilha e foi uma força eficaz contra o exército americano esparsamente tripulado. Washington enviou o major-general Arthur St. Clair de Fort Washington a uma expedição para restaurar a paz no território em 1791. Em 4 de novembro, as forças de St. Clair foram emboscadas e derrotadas com poucos sobreviventes, apesar do alerta de Washington de ataques surpresa. Washington ficou indignado com a brutalidade dos índios e a execução de cativos, incluindo mulheres e crianças.[71]

St. Clair renunciou sua comissão, e Washington substituiu-o pelo general Anthony Wayne, herói da Guerra Revolucionária. De 1792 a 1793, Wayne instruiu suas tropas sobre as táticas de guerra na Índia e instalou a disciplina que faltava em St. Clair.[72] Em agosto de 1794, Washington enviou Wayne para o território indígena com autoridade para expulsá-los, queimando suas aldeias e plantações no vale de Maumee.[73] Em 24 de agosto, o exército norte-americano sob a liderança de Wayne derrotou a confederação ocidental na batalha das madeiras caídas. Em agosto de 1795, dois terços de Ohio foram abertos para assentamentos americanos sob o Tratado de Greenville.[74]

Segundo Mandato

Aproximando-se da eleição de 1792 , Hamilton pediu ao popular Washington para concorrer a um segundo mandato. Muitos levaram seu silêncio sobre esse assunto como concordância, vendo-o como o único candidato viável. O Colégio Eleitoral, por unanimidade, reelegeu-o Presidente em 13 de fevereiro de 1793 e John Adams como Vice-Presidente por uma votação de 77 a 50.[75]

Após críticas sobre sua comemoração de aniversário e dando uma impressão "monarquista", Washington chegou sozinho em sua posse em uma carruagem simples. A posse foi realizada na Câmara do Congresso do Senado, na Filadélfia, na segunda-feira, 4 de março de 1793, e o juramento de posse foi administrado pelo juiz William Cushing. Esta foi a primeira inauguração a ter lugar no capitólio temporário da Filadélfia. Washington fez o menor discurso de posse já registrado, com apenas 135 palavras, em quatro sentenças.[76]

Os rivais Jefferson e Hamilton concordaram em uma coisa, que Washington deveria permanecer no cargo por um segundo mandato. Diferenças de opinião estavam centradas em torno da Revolução Francesa, com Washington permanecendo neutro, e sobre um banco nacional, que ele apoiou fortemente.[77] Isso ficou conhecido como a era federalista.[78]

 
O USS Constitution, encomendado e nomeado pelo Presidente Washington em 1794

Nos meses finais de sua presidência, Washington foi assaltado por seus inimigos políticos e por uma imprensa partidária que o acusou de ser ambicioso e ganancioso. Ele argumentou que não havia recebido salário durante a guerra e arriscou sua vida em batalha; ele considerava a imprensa como uma força desunida e "diabólica" de falsidades. Isso influenciou seu discurso de despedida, que relatou os anos preocupantes de lutas internas e assassinato de caráter por grande parte da imprensa.[79]

Em 1793, Washington assinou a Lei do Escravo Fugitivo, permitindo que os proprietários de escravos cruzassem as linhas do estado e recuperassem os escravos fugitivos.[80] Ele também assinou o Ato de Comércio de Escravos de 1794, que limitava o envolvimento americano no comércio de escravos do Atlântico.[81] Em 1794, ele assinou o Ato Naval que criou a Marinha dos Estados Unidos para combater piratas da Barbária antes das Guerras da Barbária. Washington nomeou Oliver Wolcott Jr., como secretário do Tesouro em 1795, substituindo Hamilton, que renunciou após a rebelião do uísque. O resultado da Rebelião fortaleceu o vínculo de Washington com Hamilton, distanciando-o de Knox, que renunciou.[82]

No final do seu segundo mandato, Washington se aposentou por motivos pessoais e políticos, fatigado e repugnado com ataques pessoais, e para assegurar que uma eleição presidencial verdadeiramente contestada pudesse ser realizada. Ele não se sentiu obrigado a se limitar com dois mandatos, mas sua aposentadoria acabou por abrir precedentes. O limite de dois mandatos para a presidência foi formalizado com a adoção, em 1951, da vigésima segunda emenda à Constituição dos Estados Unidos. Washington é frequentemente creditado com a definição do diretor de uma presidência de dois mandatos, mas foi Thomas Jefferson quem primeiro se recusou a concorrer a um terceiro mandato por motivos políticos.[83][84]

Discurso de Despedida

Washington planejava se aposentar depois de seu primeiro mandato e, em 1792, mandou James Madison esboçar uma mensagem de despedida com um determinado sentimento e tema; depois de sua reeleição, ele e Madison finalizaram.[85] A versão final foi publicada em 19 de setembro de 1796, pelo American Daily Advertiser, de David Claypoole, e por outros três jornais da Filadélfia.[86] Advertiu contra as alianças estrangeiras e sua influência nos assuntos domésticos e contra o amargo partidarismo na política interna. Também pediu que os homens superassem o partidarismo e servissem ao bem comum, enfatizando que os Estados Unidos devem se concentrar em seus próprios interesses.[87] Ele aconselhou a amizade e o comércio com todas as nações, mas desaconselhou o envolvimento em guerras europeias.[88] Ele enfatizou a importância da religião, afirmando que "religião e moralidade são suportes indispensáveis" em uma república.[89]

O discurso de Washington, influenciado por Hamilton, só agravou a política bipartidária, definindo o tom para as próximas eleições de 1796, que colocaram Jefferson contra Adams. Washington favoreceu a ideologia federalista, diz-se que apoiou Adams, mas sem endosso.[90] Em 7 de dezembro de 1796, Washington leu seu oitavo discurso anual ao Congresso. Ele falou diante da casa, vestiu um terno de veludo preto, e colocou sua espada, e foi bem recebido pelo "maior grupo de cidadãos" na galeria lotada. Ele defendeu uma academia militar, e comemorou a partida britânica de fortes do Noroeste, e que Argel tinha lançado prisioneiros americanos, um evento que facilitaria o Departamento da Marinha.[91] Em 8 de fevereiro de 1797, Adams foi eleito presidente e Jefferson vice-presidente.[92]

O discurso de despedida de Washington provou ser uma das declarações mais influentes sobre o republicanismo.[93] Destacou a necessidade e importância da união nacional, o valor da Constituição, o estado de direito, os males dos partidos políticos e as próprias virtudes de um povo republicano. Ele se referiu à moralidade como "uma fonte necessária de governo popular", afirmando: "O que quer que seja concedido à influência da educação refinada em mentes de estrutura, razão e experiência peculiares, nos proíbem esperar que a moralidade nacional possa prevalecer em exclusão de princípio religioso."[94]

Antes de suas observações finais, no discurso expressou este sentimento:

Embora eu esteja inconsciente do erro intencional, ao mesmo tempo em que analiso os incidentes de minha administração, sinto meus defeitos em não pensar que provavelmente cometi muitos erros. Quaisquer que sejam, peço fervorosamente ao Todo-Poderoso para evitar ou mitigar os males a que possam tender, levarei também comigo a esperança de que meu país nunca deixará de vê-los com indulgência, e que, depois de quarenta e cinco anos de minha vida dedicados a seu serviço com zelo reto, defeitos de habilidades incompetentes serão consignados ao esquecimento, como eu devo em breve estar nas mansões de repouso".[95]

 
As tumbas de George (à direita) e Martha Washington na entrada do túmulo atual de George Washington em Mount Vernon.

Fim de vida

Recusou-se a concorrer ao terceiro mandato, o que estabeleceu uma norma na vida eleitoral americana. Após um discurso de adeus ao povo americano, em 19 de Setembro de 1796, retirou-se da vida pública em 3 de Março de 1797, quando acabou o seu segundo mandato, retirando-se para a propriedade herdada do meio-irmão em Mount Vernon, e, com simplicidade digna, voltou aos seus trabalhos agrícolas. Em seu discurso de despedida, deplorava o partidarismo e clamava pela neutralidade norte-americana em assuntos externos.

 
Mount Vernon, num desenho do próprio Washington.

Em 1798, entretanto, a ameaça de guerra com a França levou-o a aceitar, em 3 de Julho, a comissão de tenente-general e a chefia do comando do Exército, postos que conservou até morrer.

George Washington faleceu em Mount Vernon, em 14 de Dezembro de 1799. Foi "o primeiro na guerra, o primeiro na paz e o primeiro no coração de seus concidadãos", disse Henry Lee, um de seus contemporâneos no dia de sua morte. É considerado o "Pai dos Estados Unidos".

Reputação e legado históricos

Memoriais

 
Monumento a Washington, Washington, D.C.

A face e imagem de George Washington é usada com frequência nos símbolos oficiais dos Estados Unidos. A capital dos Estados Unidos, Washington, DC, é assim chamada em sua homenagem. Possivelmente a mais proeminente comemoração de seu legado é o uso de sua imagem na nota de um dólar e na moeda de 25 cents. Washington, juntamente com Theodore Roosevelt, Thomas Jefferson e Abraham Lincoln, está representado no Monte Rushmore.

Uma das mais respeitadas universidades do mundo, a Universidade George Washington, localizada em Washington, DC, teve o terreno do seu campus principal doado por George Washington, que expressou a necessidade de se ter uma universidade e centro de pesquisas de alto nível na capital do país.[96]

Lugares e monumentos

Muitos lugares e monumentos foram nomeados em homenagem a Washington, principalmente a capital da nação Washington, DC. O estado de Washington é o único estado a receber o nome de um presidente.[97]

Moeda e postagem

Notas

  1. Os registos contemporâneos, os quais utilizavam o calendário juliano e o Estilo Anunciação de enumerar os anos, registou o seu nascimento como 11 de Fevereiro de 1731. De acordo com o Acto do Calendário de 1750, implementado em 1752, alterou o método de datação britânico para o calendário gregoriano com o início do ano a 1 de Janeiro (anteriormente, 25 de Março). Estas alterações nas datas resultaram numa mudança, para a frente, de 11 dias, e para aquelas entre 1 de Janeiro e 25 de Março, um avanço de um ano. Para mais explicações ver: Mudança para o calendário gregoriano.

Referências

  1. Cornwell, Rupert (17 de janeiro de 2009). «George Washington: The father of the nation». The Independent (em inglês) 
  2. Grizzard, Frank E. (2002). George Washington: A Biographical Companion (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. pp. 105–107. ISBN 9781576070826 
  3. «Ike was right all along: The danger of the military-industrial complex». The Independent (em inglês). 17 de janeiro de 2011 
  4. Pilote, Alain (31 de agosto de 1985). «Chapter 49 - The History of Banking Control in the United States». Michael Journal (em inglês) 
  5. Cayton, Andrew (30 de setembro de 2010). «Learning to Be Washington». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  6. O'Brien, Conor Cruise (13 de outubro de 2009). First in Peace: How George Washington Set the Course for America (em inglês). [S.l.]: Da Capo Press. p. 19. ISBN 9780786727124 
  7. Cunliffe, Marcus (28 de junho de 2017). George Washington: Man and Monument (em inglês). [S.l.]: Pickle Partners Publishing. pp. 24–26. ISBN 9781787204843 
  8. «Writings of Washington, Vol. 5: GENERAL ORDERS Head Quarters, New York, July 9, 1776.». virginia.edu (em inglês). Search John C. Fitzpatrick's. Consultado em 14 de dezembro de 2012 
  9. Wentworth, C. K. (5 de junho de 1936). «IS GEOLOGY A SCIENCE?». Science. 83 (2162): 550–551. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.83.2162.550 
  10. «Product Announcements». Retina. 17 (6): 566–567. 1997-06. ISSN 0275-004X. doi:10.1097/00006982-199706000-00021  Verifique data em: |data= (ajuda)
  11. Cooke, Cheryl L. (2002-03). «Understanding Incarcerated Populations». AORN Journal. 75 (3): 568–580. ISSN 0001-2092. doi:10.1016/s0001-2092(06)61178-2  Verifique data em: |data= (ajuda)
  12. Alden, Dave (1997-12). «Recreational user management of parks: an ecological economic framework». Ecological Economics. 23 (3): 225–236. ISSN 0921-8009. doi:10.1016/s0921-8009(97)00581-8  Verifique data em: |data= (ajuda)
  13. Préaux, Claire (1936-07). «Esquisse d'une histoire des révolutions égyptiennes sous les Lagides». Chronique d'Egypte. 11 (22): 522–552. ISSN 0009-6067. doi:10.1484/j.cde.2.307218  Verifique data em: |data= (ajuda)
  14. Raab, Gerhard; Unger, Alexander; Unger, Fritz (2010). «Die Theorie psychologischer Reaktanz». Wiesbaden: Gabler: 65–76. ISBN 9783834921581 
  15. Ford, Worthington Chauncey; Hart, Albert Bushnell; Bassett, John Spencer (1906-10). «The American Nation: A History. The Federalist System, 1789-1801. Volume 2». The American Historical Review. 12 (1). 155 páginas. ISSN 0002-8762. doi:10.2307/1832913  Verifique data em: |data= (ajuda)
  16. Unger, Dieter (26 de setembro de 2012). «Bautechnische Grundlagen». Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg: 29–37. ISBN 9783642290589 
  17. «Esophageal Diverticula». Elsevier. 2010: 674–675. ISBN 9781416061618 
  18. «Wertorientierte Unternehmensführung». Vahlen. 2013: 197–236. ISBN 9783800645930 
  19. Unger, Dieter (26 de setembro de 2012). «Bautechnische Grundlagen». Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg: 29–37. ISBN 9783642290589 
  20. Tiedemann, K.H. (2010). «Time Series Modelling of Sediment Concentration and Sediment Flux in the Lower Yangtze River, 1963-1997». Calgary,AB,Canada: ACTAPRESS. IASTED Technology Conferences / 696:MS / 697:CA / 698: WC / 699: EME / 700: SOE. ISBN 9780889868526. doi:10.2316/p.2010.696-007 
  21. Cooke, D.; Elliott, A. (12 de janeiro de 2002). «David Alexander Pealing Cooke». BMJ. 324 (7329): 116–116. ISSN 0959-8138. doi:10.1136/bmj.324.7329.116 
  22. Chernow, Bart; Casey, Larry; Fletcher, J. Raymond (1984-10). «Drs. Chernow, Casey, and Fletcher reply». Critical Care Medicine. 12 (10). 924 páginas. ISSN 0090-3493. doi:10.1097/00003246-198410000-00024  Verifique data em: |data= (ajuda)
  23. Cooke, D.; Elliott, A. (12 de janeiro de 2002). «David Alexander Pealing Cooke». BMJ. 324 (7329): 116–116. ISSN 0959-8138. doi:10.1136/bmj.324.7329.116 
  24. Chernow, Bart; Casey, Larry; Fletcher, J. Raymond (1984-10). «Drs. Chernow, Casey, and Fletcher reply». Critical Care Medicine. 12 (10). 924 páginas. ISSN 0090-3493. doi:10.1097/00003246-198410000-00024  Verifique data em: |data= (ajuda)
  25. Cooke, D.; Elliott, A. (12 de janeiro de 2002). «David Alexander Pealing Cooke». BMJ. 324 (7329): 116–116. ISSN 0959-8138. doi:10.1136/bmj.324.7329.116 
  26. Cooke, D.; Elliott, A. (12 de janeiro de 2002). «David Alexander Pealing Cooke». BMJ. 324 (7329): 116–116. ISSN 0959-8138. doi:10.1136/bmj.324.7329.116 
  27. Cooke, Thomas P.; Cooke, Sharon (1974-01). <5::aid-pits2310110103>3.0.co;2-d «Behavior modification: Answers to some ethical issues». Psychology in the Schools. 11 (1): 5–10. ISSN 0033-3085. doi:10.1002/1520-6807(197401)11:1<5::aid-pits2310110103>3.0.co;2-d  Verifique data em: |data= (ajuda)
  28. Cooke, D.; Elliott, A. (12 de janeiro de 2002). «David Alexander Pealing Cooke». BMJ. 324 (7329): 116–116. ISSN 0959-8138. doi:10.1136/bmj.324.7329.116 
  29. Elkins, Stanley; McKitrick, Eric (2 de março de 1995). The Age of Federalism. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780195093810 
  30. Cooke, D.; Elliott, A. (12 de janeiro de 2002). «David Alexander Pealing Cooke». BMJ. 324 (7329): 116–116. ISSN 0959-8138. doi:10.1136/bmj.324.7329.116 
  31. Classen, Claus Dieter (5 de fevereiro de 2010). «Anmerkung». JuristenZeitung. 65 (3): 144–146. ISSN 0022-6882. doi:10.1628/002268810790720512 
  32. «1974 Miracle Yearbook». 1974. doi:10.15385/yb.miracle.1974 
  33. Cooke, D.; Elliott, A. (12 de janeiro de 2002). «David Alexander Pealing Cooke». BMJ. 324 (7329): 116–116. ISSN 0959-8138. doi:10.1136/bmj.324.7329.116 
  34. Cooke, D.; Elliott, A. (12 de janeiro de 2002). «David Alexander Pealing Cooke». BMJ. 324 (7329): 116–116. ISSN 0959-8138. doi:10.1136/bmj.324.7329.116 
  35. Goldberg, Deborah A. (2000-02). «Sobel, Janet (1894-1968), painter». Oxford University Press. American National Biography Online  Verifique data em: |data= (ajuda)
  36. Goldberg, Deborah A. (2000-02). «Sobel, Janet (1894-1968), painter». Oxford University Press. American National Biography Online  Verifique data em: |data= (ajuda)
  37. «Calendar». Neurology. 75 (7): 673–674. 16 de agosto de 2010. ISSN 0028-3878. doi:10.1212/wnl.0b013e3181eb81bb 
  38. «Calendar». Neurology. 75 (7): 673–674. 16 de agosto de 2010. ISSN 0028-3878. doi:10.1212/wnl.0b013e3181eb81bb 
  39. «ON THE NATURE OF VIBRATORY MOTIONS 1». Nature. 18 (468): 648–650. 1878-10. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/018648a0  line feed character character in |titulo= at position 35 (ajuda); Verifique data em: |data= (ajuda)
  40. Cooke, Thomas P.; Cooke, Sharon (1974-01). <5::aid-pits2310110103>3.0.co;2-d «Behavior modification: Answers to some ethical issues». Psychology in the Schools. 11 (1): 5–10. ISSN 0033-3085. doi:10.1002/1520-6807(197401)11:1<5::aid-pits2310110103>3.0.co;2-d  Verifique data em: |data= (ajuda)
  41. «AN HISTORICAL EVENT». Clinical and Experimental Optometry. 19 (11): 523–523. 1936-11. ISSN 0816-4622. doi:10.1111/j.1444-0938.1936.tb06077.x  Verifique data em: |data= (ajuda)
  42. Elkins, Stanley; McKitrick, Eric (2 de março de 1995). The Age of Federalism. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780195093810 
  43. Elkins, Stanley; McKitrick, Eric (2 de março de 1995). The Age of Federalism. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780195093810 
  44. Cooke, Paul (1 de julho de 2005). «François Mauriac: un écrivain journaliste». French Studies. 59 (3): 427–428. ISSN 1468-2931. doi:10.1093/fs/kni193 
  45. «Contents volume 283 (1992)». Mutation Research Letters. 283 (4): 301–302. 1992-12. ISSN 0165-7992. doi:10.1016/0165-7992(92)90063-n  Verifique data em: |data= (ajuda)
  46. «Onjisaponin G». New York, NY: Springer New York. 2013: 301–302. ISBN 9781461405405 
  47. Chernow, Barbara A.; Idzerda, Stanley J. (1982-10). «Lafayette in the Age of the American Revolution: Selected Letters and Papers, 1776-1790». The William and Mary Quarterly. 39 (4). 719 páginas. ISSN 0043-5597. doi:10.2307/1919023  Verifique data em: |data= (ajuda)
  48. Tai, S. S.-C.; Christensen, R.G.; Coakley, K.; Ellerbe, P.; Long, T.; Welch, M.J. (1 de janeiro de 1996). «Certification of Phencyclidine in Lyophilized Human Urine Reference Materials». Journal of Analytical Toxicology. 20 (1): 43–49. ISSN 1945-2403. doi:10.1093/jat/20.1.43 
  49. «Rundschau». Angewandte Chemie. 84 (15): 721–723. 1972-08. ISSN 0044-8249. doi:10.1002/ange.19720841514  Verifique data em: |data= (ajuda)
  50. Kohn, Richard H. (1972-12). «The Washington Administration's Decision to Crush the Whiskey Rebellion». The Journal of American History. 59 (3). 567 páginas. ISSN 0021-8723. doi:10.2307/1900658  Verifique data em: |data= (ajuda)
  51. Strauss, Alexander (2004). «Nierentumoren». Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg: 225–226. ISBN 9783662106792 
  52. Elkins, Stanley; McKitrick, Eric (2 de março de 1995). The Age of Federalism. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780195093810 
  53. Elkins, Stanley; McKitrick, Eric (2 de março de 1995). The Age of Federalism. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780195093810 
  54. Chernow, Bart; Casey, Larry; Fletcher, J. Raymond (1984-10). «Drs. Chernow, Casey, and Fletcher reply». Critical Care Medicine. 12 (10). 924 páginas. ISSN 0090-3493. doi:10.1097/00003246-198410000-00024  Verifique data em: |data= (ajuda)
  55. Ferling, John (2008). «John Ferling». Historically Speaking. 9 (4): 9–10. ISSN 1944-6438. doi:10.1353/hsp.2008.0077 
  56. Bernheimer, Martin; Blyth, Alan (2001). Estes, Simon. Col: Oxford Music Online. [S.l.]: Oxford University Press 
  57. Ferling, John (2008). «John Ferling». Historically Speaking. 9 (4): 9–10. ISSN 1944-6438. doi:10.1353/hsp.2008.0077 
  58. «Author Index Vol. 357 (2005)». Gene. 357 (2): 152–153. 2005-09. ISSN 0378-1119. doi:10.1016/s0378-1119(05)00469-5  Verifique data em: |data= (ajuda)
  59. Akers, Steve (2002). «Practise what you teach». Electronics Education. 2002 (3): 12–20. ISSN 2054-0329. doi:10.1049/ee.2002.0037 
  60. «Cooke, Thomas Fitzpatrick, (10 July 1911–20 Feb. 1994), Lord Lieutenant, City of Londonderry, 1975–86». Oxford University Press. Who Was Who. 1 de dezembro de 2007 
  61. Waldman, Steven D. (2009). «Functional Anatomy of the Knee». Elsevier: 144–149. ISBN 9781416058939 
  62. «Fichtel-Harless». Berlin, Boston: DE GRUYTER SAUR. ISBN 9783110973440 
  63. «Fichtel-Harless». Berlin, Boston: DE GRUYTER SAUR. ISBN 9783110973440 
  64. Rye, Howard (2003). Calloway, Blanche. Col: Oxford Music Online. [S.l.]: Oxford University Press 
  65. FLEXNER, S. (23 de setembro de 1898). «BACTERIOLOGICAL NOTES». Science. 8 (195): 406–407. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.8.195.406 
  66. 1946-, Cooke, John (1996). The influence of painting on five Canadian writers : Alice Munro, Hugh Hood, Timothy Findley, Margaret Atwood, and Michael Ondaatje. [S.l.]: Mellen Press. ISBN 0773488383. OCLC 832564048 
  67. FLEXNER, S. (23 de setembro de 1898). «BACTERIOLOGICAL NOTES». Science. 8 (195): 406–407. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.8.195.406 
  68. Grizzard, Tarayn (6 de novembro de 2002). «Undertreatment of Obesity». JAMA. 288 (17). 2177 páginas. ISSN 0098-7484. doi:10.1001/jama.288.17.2177-jms1106-3-1 
  69. Gokal, Ram (2004). «Dialysis techniques: peritoneal dialysis». Dordrecht: Springer Netherlands: 667–678. ISBN 9789401570121 
  70. Waldman, Steven D. (2009). «Functional Anatomy of the Knee». Elsevier: 144–149. ISBN 9781416058939 
  71. Countryman, Edward; Ferling, John (1 de junho de 2004). Journal of American History. 91 (1). 221 páginas. ISSN 0021-8723. doi:10.2307/3659647 
  72. Chernow, Bart; Casey, Larry; Fletcher, J. Raymond (1984-10). «Drs. Chernow, Casey, and Fletcher reply». Critical Care Medicine. 12 (10). 924 páginas. ISSN 0090-3493. doi:10.1097/00003246-198410000-00024  Verifique data em: |data= (ajuda)
  73. «Community Paediatrics». Postgraduate Medical Journal. 57 (668): 406–406. 1 de junho de 1981. ISSN 0032-5473. doi:10.1136/pgmj.57.668.406 
  74. Cooke, C. (2016). «Drugs, Prescribed: Drug Product Liability». Elsevier: 402–406. ISBN 9780128000557 
  75. Cooke, Roger (2002-11). «Do Longer Oars Row Farther?». Molecular Cell. 10 (5): 966–967. ISSN 1097-2765. doi:10.1016/s1097-2765(02)00748-7  Verifique data em: |data= (ajuda)
  76. Chernow, F.; Eldridge, G.; Wahlin, L.; Ruse, G. (1968-09). «Ion implantation of CdS with group V elements». IEEE Transactions on Electron Devices. 15 (9): 687–687. ISSN 0018-9383. doi:10.1109/t-ed.1968.16438  Verifique data em: |data= (ajuda)
  77. «9.3 Die Aktienanalyse». Vahlen. 2009: 299–311. ISBN 9783800648818 
  78. «1974 Miracle Yearbook». 1974. doi:10.15385/yb.miracle.1974 
  79. «Discussion». Nutrition. 13 (7-8): 752–754. 8 de julho de 1997. ISSN 0899-9007. doi:10.1016/s0899-9007(97)00160-3 
  80. Chernow, Bart; Casey, Larry; Fletcher, J. Raymond (1984-10). «Drs. Chernow, Casey, and Fletcher reply». Critical Care Medicine. 12 (10). 924 páginas. ISSN 0090-3493. doi:10.1097/00003246-198410000-00024  Verifique data em: |data= (ajuda)
  81. COOK, O. F. (2 de fevereiro de 1906). «PLEASE EXCUSE THE KELEP». Science. 23 (579): 187–189. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.23.579.187-c 
  82. «Laudatio». JDDG: Journal der Deutschen Dermatologischen Gesellschaft. 8 (9): 726–727. 24 de agosto de 2010. ISSN 1610-0379. doi:10.1111/j.1610-0387.2010.07520.x 
  83. Korzi, Michael J. (2011-05). «"A Legitimate Function": Reconsidering Presidential Signing Statements». Congress & the Presidency. 38 (2): 195–216. ISSN 0734-3469. doi:10.1080/07343469.2011.576222  Verifique data em: |data= (ajuda)
  84. PEABODY, BRUCE G. (2001-09). «George Washington, Presidential Term Limits, and the Problem of Reluctant Political Leadership». Presidential Studies Quarterly. 31 (3): 439–453. ISSN 0360-4918. doi:10.1111/j.0000-0000.2001.00180.x  Verifique data em: |data= (ajuda)
  85. «Discussion». Postgraduate Medical Journal. 48 (566): 752–753. 1 de dezembro de 1972. ISSN 0032-5473. doi:10.1136/pgmj.48.566.752 
  86. Chernow, Bart; Casey, Larry; Fletcher, J. Raymond (1984-10). «Drs. Chernow, Casey, and Fletcher reply». Critical Care Medicine. 12 (10). 924 páginas. ISSN 0090-3493. doi:10.1097/00003246-198410000-00024  Verifique data em: |data= (ajuda)
  87. Russell, Alex. (20 de junho de 1908). «Sir Randall'». Notes and Queries. s10-IX (234): 492–492. ISSN 1471-6941. doi:10.1093/nq/s10-ix.234.492b 
  88. «CORRESPONDANCE. 119 – 216». Berlin, Boston: De Gruyter. 31 de dezembro de 1998: 31–199. ISBN 9783110934342 
  89. Mead, Walter Russell; Chernow, Ron (2004). «First Principals: Alexander Hamilton and the American Founders». Foreign Affairs. 83 (4). 133 páginas. ISSN 0015-7120. doi:10.2307/20034053 
  90. «Author Index for Volume 18». Frontiers in Neuroendocrinology. 18 (4). 492 páginas. 1997-10. ISSN 0091-3022. doi:10.1006/frne.1997.0159  Verifique data em: |data= (ajuda)
  91. Ouellette, Hugue A. (2010). «Case 382». Elsevier: 764–765. ISBN 9781416062615 
  92. Akers, Steve (2002). «Practise what you teach». Electronics Education. 2002 (3): 12–20. ISSN 2054-0329. doi:10.1049/ee.2002.0037 
  93. Józsa, László (2010-05). «The history of microscopic stains». Orvosi Hetilap. 151 (18): 752–754. ISSN 0030-6002. doi:10.1556/oh.2010.ho2293  Verifique data em: |data= (ajuda)
  94. Crowe, Charles; Boller, Paul F. (1963-09). «George Washington and Religion». The Mississippi Valley Historical Review. 50 (2). 301 páginas. ISSN 0161-391X. doi:10.2307/1902764  Verifique data em: |data= (ajuda)
  95. Lyon, JosephL.; Schuman, KatharinaL.; Avlon, ElectraD.; Langford, HerbertG.; Nicholson, JohnP.; Teichman, SamL.; Alderman, MichaelH.; Sos, T.A.; Pickering, T.G. (1984-01). «CIGARETTE SMOKING IN RENOVASCULAR HYPERTENSION». The Lancet. 323 (8368): 104–105. ISSN 0140-6736. doi:10.1016/s0140-6736(84)90032-1  Verifique data em: |data= (ajuda)
  96. «Free Slaves in Last Will and Testament». The George Washington University. Consultado em 9 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012 
  97. "Washington".

Bibliografia

Ver também