Abrir menu principal

Leis de Jim Crow

(Redirecionado de Leis Jim Crow)
Estação de ônibus em Durham, Carolina do Norte, maio de 1940: a placa indica o local das pessoas de cor. À esquerda, um anúncio fala sobre Hitler.

As leis de Jim Crow (em inglês, Jim Crow laws) foram leis estaduais e locais que impunham a segregação racial no sul dos Estados Unidos.[1] Todas essas leis foram promulgadas no final do século XIX e início do século XX pelas legislaturas estaduais dominadas pelos Democratas após o período da Reconstrução.[2] As leis foram aplicadas até 1965.[3] Na prática, as leis de Jim Crow exigiam instalações separadas para brancos e negros em todos os locais públicos nos estados que faziam parte dos antigos Estados Confederados da América e em outros estados, a partir das décadas de 1870 e 1880. As leis de Jim Crow foram mantidas em 1896 no caso Plessy vs. Ferguson, no qual a Suprema Corte dos Estados Unidos estabeleceu sua doutrina legal de "separados, mas iguais" para instalações para afro-americanos. Além disso, a educação pública havia sido essencialmente segregada desde a sua criação na maior parte do sul após a Guerra de Secessão (1861-1865).

O princípio legal da segregação racial de "separados, mas iguais" foi estendido às instalações e aos transportes públicos, incluindo os ônibus e trens interestaduais. As instalações para afro-americanos e nativos americanos eram consistentemente inferiores e subfinanciadas em comparação com as instalações para americanos brancos; às vezes, não havia instalações para pessoas de cor.[4][5] No seu corpo, as leis de Jim Crow institucionalizaram desvantagens econômicas, educacionais e sociais para afro-americanos e outras pessoas de cor que vivem no sul.[4][5][6]

As leis de Jim Crow e as disposições constitucionais estaduais de Jim Crow exigiam a segregação de escolas públicas, locais públicos e transporte público, e a segregação de banheiros, restaurantes e bebedouros para brancos e negros. As Forças Armadas dos Estados Unidos também foram segregadas. O presidente Woodrow Wilson, um democrata do sul, iniciou a segregação das repartições públicas federais em 1913.[7] A época em que essas práticas de segregação racial aconteciam é conhecida como "Era Jim Crow" ou "Época de Jim Crow".

Em 1954, a segregação de escolas públicas (patrocinada pelo estado) foi declarada inconstitucional pela Suprema Corte sob o juiz Earl Warren, no caso histórico Brown v. Board of Education.[8][9][10] Em alguns estados, demorou muitos anos para implementar essa decisão, enquanto o juiz Warren continuou decidindo contra as leis de Jim Crow em outros casos, como Heart of Atlanta Motel, Inc. v. United States (1964). Geralmente, as leis de Jim Crow foram revogadas pela Lei dos Direitos Civis de 1964 e pela Lei dos Direitos de Voto de 1965.

EtimologiaEditar

 
Capa da partitura de "Jump Jim Crow" (c. 1832)

A mais antiga referência conhecida à expressão Jim Crow law é encontrada em 1892, no título de um artigo do The New York Times sobre as leis eleitorais do Sul dos Estados Unidos.[11][12] A expressão "Jim Crow" provavelmente originou-se da canção "Jump Jim Crow", cantada e dançada pelo ator Thomas D. Rice, com maquiagem blackface, caricaturando os negros. A canção foi lançada em 1832 e era usada para satirizar as políticas populistas de Andrew Jackson. Em consequência da fama de Rice, "Jim Crow" tornou-se, em 1838, uma forma pejorativa de se referir aos negros. No fim do século XIX, quando as legislaturas sulistas aprovaram leis de segregação racial dirigidas contra os negros, essas leis ficaram conhecidas como Jim Crow laws ('leis Jim Crow').[11]

Origens das leis de Jim CrowEditar

Durante o período da reconstrução, entre 1867 a 1877, havia uma lei federal que protegia os direitos civis no sul dos afro-americanos libertados, que haviam sido escravizados anteriormente. Na década de 1870, os democratas conservadores brancos gradualmente recuperaram o poder nos estados do sul dos Estados Unidos, às vezes como resultado de eleições nas quais grupos paramilitares intimidavam os adversários, atacando negros ou impedindo-os de votar. Por vários anos, as eleições do governo na Louisiana foram suspensas ou questionadas devido à extrema violência desencadeada durante as campanhas. Em 1877, foi assumido um compromisso nacional de obter o apoio do sul nas eleições presidenciais, resultando na última retirada das tropas federais do sul e com isso os democratas brancos recuperaram o poder em todos os estados sulistas.[13] Esses governos conservadores do Partido Democrata que chegaram ao poder após a retirada do exército legislaram as leis de Jim Crow, segregando oficialmente os negros da população branca.

Alguns negros continuaram a ser eleitos para cargos locais ao longo da década de 1880, exceto em cargos estaduais e federais. Os democratas aprovaram leis para tornar o registro de eleitores e as regras eleitorais mais restritivas, resultando na diminuição da participação política da maioria dos negros e de muitos brancos pobres.[14][15] Entre 1890 e 1910, dez estados dos onze que faziam parte dos antigos Estados Confederados da América, começando com o Mississippi, aprovaram novas constituições ou emendas que privaram efetivamente a maioria dos negros e dezenas de milhares de brancos pobres por meio de uma combinação de impostos, testes de alfabetização e compreensão de textos escritos, juntamente com requisitos de residência fixa e de inscrição no registro.[14][15] Estas reformas tornavam evidentes que uma minoria étnica caracterizada pela pobreza, acesso precário à educação e nenhum meio de provar com documentos sua residência em um determinado local era a principal vítima dessas normas. Outra mudança foi a chamada Cláusula do Avô, na qual aqueles que tinham avós com direito a voto antes de 1861 (data de início da Guerra Civil Americana) eram liberados dos testes de alfabetização e residência, que permitiram temporariamente a alguns brancos analfabetos continuar votando, mas isso implicava uma discriminação expressa contra a população negra (que obviamente não podia ter os avós eleitores antes de 1861 como escravos). Isso fez com que, no total, como resultado dessas leis, o número de eleitores no sul diminuísse drasticamente.[carece de fontes?]

Privados da oportunidade de votar, negros e brancos pobres não podiam sequer fazer parte do júri nos tribunais locais. Além disso, a representatividade política dos negros e brancos pobres desapareceu, pois eles não podiam influenciar as legislaturas estaduais e seus interesses passaram a ser ignorados. As legislaturas da era da Reconstrução haviam fundado muitas escolas públicas, mas as escolas para negros eram mal financiadas, mesmo levando em conta o colapso das finanças no sul. A queda no preço do algodão manteve a economia agrícola em um nível muito baixo.[16]

Como as escolas, as bibliotecas públicas para negros e nativos americanos eram subfinanciadas, se existissem, e eram frequentemente abastecidas com livros de segunda mão e outros recursos.[17][18] Essas instalações não foram introduzidas para afro-americanos no sul até a primeira década do século XX.[19] Durante a era Jim Crow, as bibliotecas estavam disponíveis apenas esporadicamente. Antes do século XX, a maioria das bibliotecas estabelecidas para afro-americanos eram combinações de escolas e bibliotecas.[20]

Em alguns casos, os progressistas tentaram reduzir a fraude eleitoral perpetrada contra negros e analfabetos brancos pobres. Embora a separação dos afro-americanos do resto da população tenha sido legalizada e formalizada durante a Era Progressista (entre 1890 e 1920), ela também começou a se tornar um hábito, mesmo nos casos em que as leis de Jim Crow não proibiam expressamente a participação afro-americana em, por exemplo, esportes, atividades recreativas ou funções religiosas, uma vez que as leis criaram uma cultura segregada.[21]

No contexto das leis de Jim Crow, as eleições presidenciais de 1912 tinham uma forte inclinação contra os interesses dos afro-americanos.[22] Naquela época, a maioria dos negros ainda vivia no sul, onde eram de fato privados de seu direito de voto e, portanto, não podiam exercê-lo. Embora os impostos sobre os votos e os requisitos de alfabetização mantivessem muitos eleitores afastados, esses vários requisitos geralmente apresentavam lacunas que permitiam a alguns brancos não pagar impostos nem fazer testes de leitura. Por exemplo, em Oklahoma, qualquer pessoa qualificada para votar antes de 1866, ou que tivesse um parente com direito a votar antes dessa data, estava isenta de requisitos de leitura, é claro que os únicos que podiam votar antes de 1866 eram os brancos, que foram efetivamente excluídos dos testes de alfabetização, enquanto os negros foram excluídos por lei.[23]

O novo presidente Woodrow Wilson, um democrata que foi governador em Nova Jersey, mas nasceu e foi criado no sul, foi o primeiro presidente nascido no sul do período pós-Guerra Civil. Ele nomeou os sulistas para o seu gabinete. Alguns começaram rapidamente a pressionar por locais de trabalho segregados, embora a cidade de Washington, D.C. e os escritórios federais tivessem sido integrados desde depois da Guerra Civil. Em 1913, por exemplo, o secretário do Tesouro William Gibbs McAdoo - nomeado pelo presidente - foi ouvido para expressar sua opinião sobre mulheres negras e brancas trabalhando juntas em um escritório do governo: "Estou certo de que isso deve ir contra a vontade das mulheres brancas. Existe alguma razão para as mulheres brancas não deveriam ter apenas mulheres brancas que trabalham para elas nas máquinas?"

Wilson introduziu a segregação em cargos federais, apesar dos protestos de muitos, ele também nomeou políticos segregacionistas do Sul, devido à sua firme convicção de que a segregação racial era do interesse de americanos brancos e negros.[24] Em Gettysburg, em 4 de julho de 1913, o semi-centenário do discurso de Abraham Lincoln de que "todos os homens são criados iguais", Wilson falou à multidão:

Quão completa a união se tornou e quão querida para todos nós, quão inquestionável, quão benigna e majestosa, como estado após estado foi adicionado a isso, nossa grande família de homens livres![25]

No Texas, várias cidades adotaram leis de segregação residencial entre 1910 e 1920. As restrições legais exigiam fontes de água e banheiros separados.[25] As leis de Jim Crow foram um produto do que havia se tornado o sul democrático do sul devido à privação de direitos dos negros.

Os nativos-americanos, assim como os afro-americanos, também foram afetados pelas leis de Jim Crow, especialmente depois de tornarem-se cidadãos através da Lei de Cidadania Indígena de 1924.[26][27] A identidade dos nativos americanos foi especialmente direcionada por um sistema que reconhecia apenas "brancos" ou "de cor", e o o governo começou a questionar a legitimidade de algumas tribos que se casaram com afro-americanos. O Escritório de Assuntos Indígenas (OIA, na sigla em inglês) empregou antropometristas para determinar o quantum sanguíneo de nativos americanos no sul e declarou que os únicos indivíduos que poderiam reivindicar a identidade dos nativos-americanos eram aqueles determinados como nativos americanos de sangue mestiço ou inteiramente nativo, tornando-os ainda mais vulneráveis às leis de Jim Crow.[27] Os nativos americanos que eram em parte brancos ou com pele mais clara costumavam disfarçar-se como brancos para evitar a perseguição às leis de Jim Crow, enquanto membros da família com pele marrom-avermelhada não podiam.[26][27]

Tentativas de fim das Leis de Jim CrowEditar

 
Carolina do Norte, 1940: esta cafeteria possui duas portas de entrada, uma para os "brancos" e outra para os "de cor".

A Lei de Direitos Civis de 1875, apresentada por Charles Sumner e Benjamin F. Butler, estabeleceu a garantia de que todos, independentemente de raça, cor ou condição prévia de servidão, tinham direito ao mesmo tratamento em serviços públicos, como hotéis , transporte público, teatros e outros locais de recreação. Essa lei teve pouco impacto na sociedade americana do século XIX.[28] Logo após a promulgação, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu que a lei era inconstitucional em vários aspectos, argumentando que o Congresso não tinha controle sobre indivíduos ou empresas privadas. Com os representantes democratas brancos do Sul unidos em um bloco sólido dentro do Congresso, e com um poder exagerado dentro dele, o Congresso não aprovou outra lei de direitos civis até 1957.[29]

Em 1890, a Louisiana aprovou uma lei que exigia a criação de vagões separados para negros e brancos nas ferrovias. Essa lei enfatizou a diferença entre "branco", "negro" e "de cor" (referindo-se a pessoas de descendência mista). A lei especificava que negros não podiam se misturar com brancos, mas pessoas "de cor" eram capazes de viajar nos mesmos vagões que os brancos até 1890. Um grupo de cidadãos negros, brancos e mestiços de Nova Orleans formou uma associação cujo objetivo era a revogação da lei. O grupo convenceu Homer Plessy, que era apenas um oitavo "negro" e de pele clara, a desafiá-la.[30]

Em 1892, Plessy comprou uma passagem de primeira classe do trem da empresa East Louisiana Railroad em uma estação de Nova Orleans. Tendo embarcado no trem, ele informou os motoristas de sua linhagem racial e sentou-se no vagão exclusivo para brancos. Ele foi ordenado a deixar seu assento e ir ao vagão para mestiços. Plessy recusou e foi imediatamente preso. O Comitê de Cidadãos de Nova Orleans levou o caso à Suprema Corte dos Estados Unidos, onde perderam o caso Plessy v. Ferguson em 1896, quando a Corte declarou que a política de "separados, mas iguais" era constitucional. Esse caso contribuiu para mais 58 anos de discriminação legal contra negros e mestiços nos Estados Unidos.[30]

Defesa das leis de Jim CrowEditar

 
Charge de 1904, de John T. McCutcheon, mostrando dois vagões, um para "Brancos" e um vagão "Jim Crow". Apesar do pretexto legal de que, de acordo com as leis de Jim Crow, os grupos eram "separados, mas iguais", a realidade era que os "não-brancos" tinham instalações e tratamento inferior amplamente aceitos na época.

Além dos problemas encontrados ao aprender e exercer novos negócios, os afro-americanos tiveram que enfrentar o ressentimento da população branca contra eles, devido ao seu papel na derrota da Confederação na Guerra Civil: "Com a supremacia branca contestada em todo o sul, muitos brancos tentaram proteger seu status anterior com a ameaça de afro-americanos exercendo seus novos direitos."[31] Esse ressentimento provocou a obsessão dos brancos do sul dos Estados Unidos em impedir o desenvolvimento econômico e político dos ex-escravos, a fim de mantê-los deliberadamente entre as camadas mais pobres e mais deprimidas da sociedade, de maneira que eles deveriam subsistir principalmente por meio de empregos pouco qualificados e salários reduzidos.

Uma justificativa para a exclusão sistemática de afro-americanos da sociedade do sul era a ideia de que essa exclusão servia para "proteger" a população negra. Um acadêmico do início do século XX disse que se as crianças negras tivessem permissão de estudar com os brancos, isso significaria "sujeitá-las constantemente a opiniões e sentimentos hostis", o que levaria a "uma consciência mórbida da raça".[32] Essa ideologia contribuiu para fortalecer o fanatismo racial nos estados do sul dos Estados Unidos, enquanto todos os esforços para melhorar o status econômico, político ou social dos negros eram praticamente um ataque a toda a ordem social existente, o que explica a intensidade e a virulência da discriminação racial no sul.

Após a Segunda Guerra MundialEditar

 
Uma placa de restaurante em Lancaster, Ohio, em 1938, indica que o local somente atende brancos.

Após a Segunda Guerra Mundial, os afro-americanos começaram a desafiar o sistema de segregação com mais frequência, pois acreditavam ter conquistado o direito de serem tratados como cidadãos plenos devido ao serviço militar e aos sacrifícios de vidas durante a guerra. O movimento dos direitos civis foi energizado por uma série de momentos, incluindo o ataque racista em 1946 ao veterano de guerra Isaac Woodard, um negro, enquanto usava o uniforme do Exército. Em 1948, o presidente Harry Truman emitiu a Ordem Executiva 9981, que eliminou a segregação racial nas forças armadas.[33]

À medida que o movimento pelos direitos civis ganhava força e usava tribunais federais para atacar as Leis de Jim Crow, governos dominados por brancos em muitos estados do sul reagiram adotando maneiras alternativas de impor a segregação.[carece de fontes?]

Inúmeros boicotes e manifestações contra a segregação ocorreram ao longo das décadas de 1930 e 1940. A Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (NAACP, na sigla em inglês) estava envolvida em uma série de processos judiciais desde o início do século XX, em esforços para combater leis que privavam os eleitores negros de todo o sul. Algumas das primeiras manifestações alcançaram resultados positivos, fortalecendo o ativismo político, especialmente nos anos pós-Segunda Guerra Mundial. Os veteranos negros estavam impacientes com a opressão social depois de lutar pelos Estados Unidos e pela liberdade em todo o mundo. Em 1947, K. Leroy Irvis, da Urban League de Pittsburgh, por exemplo, liderou uma manifestação contra a discriminação no emprego pelas lojas de departamento da cidade. Foi o começo de sua própria carreira política influente.[34]

O juiz Frank Murphy usou pela primeira vez a palavra "racismo" no léxico da Suprema Corte no caso Korematsu v. United States, em 1944.[35] Ele disse que por defender a realocação forçada de nipo-americanos durante a Segunda Guerra Mundial, a Corte estava afundando no "abismo nojento do racismo". Foi a primeira vez que a palavra "racismo" foi usada na opinião da Suprema Corte (Murphy a usou duas vezes em uma opinião concorrente no caso Steele v. Louisville & Nashville R. Co., de 1944).[36] Murphy usou o termo em cinco opiniões diferentes, mas depois de deixar o cargo, a palavra não foi usada em uma opinião da Corte por quase duas décadas, reaparecendo novamente na decisão histórica de Loving v. Virginia de 1967.

DeclínioEditar

Brown v. Board of Education of TopekaEditar

O Comitê de Defesa Legal da Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor e seu advogado, Thurgood Marshall, levaram à Suprema Corte o histórico caso Brown v. Board of Education of Topeka.[37] Na sua decisão fundamental de 1954, a Corte anulou por unanimidade a decisão adotada em 1895 com o caso Plessy v. Ferguson. A Suprema Corte determinou que a segregação em escolas públicas por mandato legal (de jure) era inconstitucional. A decisão teve amplas ramificações sociais e a segregação de jure não foi encerrada até a década de 1970.

A história mostrou que os problemas de educar crianças pobres não se limitam ao status de minoria, e os estados e as cidades continuam a lidar com abordagens. A decisão do tribunal não impediu a segregação escolar de fato ou residencial. Essa segregação continua hoje em muitas regiões. Alguns sistemas escolares da cidade também começaram a se concentrar em questões de segregação econômica e de classe, em vez de segregação racial, pois descobriram que os problemas são mais prevalentes quando os filhos dos pobres de qualquer grupo étnico estão concentrados.[carece de fontes?]

Esfera públicaEditar

Em 1955, Rosa Parks foi presa após se recusar a dar o lugar de seu assento em um ônibus da cidade para um homem branco em Montgomery, estado do Alabama. Essa não foi a primeira vez que isso aconteceu - por exemplo, Parks foi inspirada por Claudette Colvin, de 15 anos, fazendo a mesma coisa nove meses antes[38] - mas o ato de desobediência civil de Parks foi escolhido, simbolicamente, como um importante catalisador no crescimento do Movimento dos Direitos Civis; ativistas organizaram um boicote aos ônibus de Montgomery, que durou mais de um ano e resultou na dessegregação do sistema de transporte coletivo da cidade. Protestos e ações de direitos civis, juntamente com desafios legais, resultaram em uma série de decisões legislativas e judiciais que contribuíram para minar as leis de Jim Crow.[39]

Fim da segregação de jureEditar

 
O presidente Lyndon Johnson assina a Lei dos Direitos Civis de 1964. Atrás do presidente, aparece Martin Luther King, líder do Movimento dos Direitos Civis.

Em janeiro de 1964, o presidente Lyndon B. Johnson se reuniu com os líderes do Movimento dos Direitos Civis. Em 8 de janeiro, durante seu primeiro discurso sobre o Estado da União, Johnson pediu ao Congresso que "assegurasse que esta sessão do Congresso fosse lembrada como uma que fez mais pelos direitos civis do que as últimas cem sessões combinadas". Em 21 de junho, os trabalhadores dos direitos civis Michael Schwerner, Andrew Goodman e James Chaney desapareceram no condado de Neshoba, Mississippi. Os três voluntários estavam ajudando a se inscrever no rol eleitoral de cidadãos afro-americanos como parte do Projeto de Verão do Mississippi (Freedom Summer). Quarenta e quatro dias depois, o Federal Bureau of Investigation (FBI) recuperou seus corpos, que haviam sido enterrados em uma barragem de terra. O vice-xerife do condado de Neshoba, Cecil Price e outras 16 pessoas, todos membros da Ku Klux Klan, foram acusados dos crimes e sete foram condenados. Uma coalizão de democratas e republicanos do norte foi construída, o presidente Lyndon B. Johnson pressionou o Congresso a aprovar a Lei dos Direitos Civis de 1964.[40] Em 2 de julho, o Presidente Johnson assinou o decreto que invocava a cláusula comercial para proibir todos os tipos de discriminação em estabelecimentos públicos (restaurantes, hotéis e lojas particulares e nos locais de trabalho privados das escolas). Esse uso da cláusula comercial foi confirmado no caso Heart of Atlanta Motel v. United States de 1964.[41]

Até 1965, os esforços organizados para quebrar o sistema de privação de direitos de voto pelos estados tinham pouco efeito, alcançando apenas um sucesso mundial modesto e, em algumas áreas, era quase completamente ineficaz. O assassinato de ativistas dos direitos de voto na Filadélfia e Mississippi ganhou atenção nacional, juntamente com vários outros atos de violência e terrorismo contra o Presidente. Finalmente, o ataque das tropas estaduais contra uma marcha pacífica que atravessava a ponte Edmund Pettus em Selma, estado do Alabama, rumo ao parlamento estadual em Montgomery em 7 de março de 1965, convenceu o Presidente e o Congresso a superar a resistência dos legisladores do sul à aplicação efetiva da lei sobre direitos de voto. O Presidente Johnson fez audiências e pediu uma votação sólida e logo em seguida iniciou o projeto que se tornaria a Lei de Direitos de Voto.[42] A Lei dos Direitos de Voto de 1965 pôs fim às barreiras criadas pelos estados para restringir o direito de voto em todas as eleições federais, estaduais e locais. Também estabeleceu vigilância e controle federais em municípios com baixa participação histórica de eleitores, já que isso era um sinal de barreiras discriminatórias.[carece de fontes?]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Fremon, David K. (2000). The Jim Crow laws and racism in American history. Berkeley Heights, NJ: Enslow Publishers. ISBN 0766012972. OCLC 42290349 
  2. Bartlett, Bruce R., 1951- (2008). Wrong on race : the Democratic Party's buried past 1st ed ed. New York: Palgrave Macmillan. ISBN 9780230611382. OCLC 607877367 
  3. Schmermund, Elizabeth,. Reading and interpreting the works of Harper Lee. New York, NY, USA: [s.n.] ISBN 9780766079144. OCLC 945121298 
  4. a b «Legacy of Jim Crow for Southern Native Americans | C-SPAN.org». c-span.org (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2019 
  5. a b Lowery, Malinda Maynor (2010). Lumbee Indians in the Jim Crow South: Race, Identity, and the Making of a Nation (em inglês). [S.l.]: Univ of North Carolina Press. ISBN 9780807833681 
  6. Wolfley, Jeanette (1990). «Jim Crow, Indian Style: The Disenfranchisement of Native Americans» (PDF). Indian Law Review. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  7. Gardner, Michael R. (2002). Harry Truman and Civil Rights (em inglês). [S.l.]: SIU Press. ISBN 9780809388967 
  8. «Brown v. Board of Education». Landmark Supreme Court Cases. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  9. «Brown v. Board of Education of Topeka». Oyez (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2019 
  10. «Two Landmark Decisions in the Fight for Equality and Justice». National Museum of African American History and Culture (em inglês). 11 de outubro de 2017. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  11. a b Woodward, C. Vann and McFeely, William S. (2001), The Strange Career of Jim Crow. p. 7
  12. «Louisiana's 'Jim Crow' Law Valid». The New York Times. New York. 21 de dezembro de 1892. ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de fevereiro de 2011. New Orleans, Dec 20. – The Supreme Court yesterday declared constitutional the law passed two years ago and known as the 'Jim Crow' law, making it compulsory on railroads to provide separate cars for blacks. 
  13. Woodward, C. Vann (Comer Vann), 1908-1999. ([2006?]). The strange career of Jim Crow. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 1-59740-156-0. OCLC 77547463  Verifique data em: |data= (ajuda)
  14. a b Perman, Michael. (2003). Struggle for mastery: disfranchisement in the South, 1888-1908. [S.l.]: The University of North Carolina Press. ISBN 978-0-8078-6025-0. OCLC 1099075985 
  15. a b Kousser, J. M. (1975). The shaping of Southern politics : suffrage restriction and the establishment of the one-party South ; 1880-1910. [S.l.]: Yale Univ. Press. ISBN 0-300-01696-4. OCLC 633445262 
  16. Reese, William J. (4 de janeiro de 2010). History, Education, and the Schools (em inglês). [S.l.]: Springer. ISBN 978-0-230-10482-2 
  17. Buddy, J., & Williams, M. (2005). "A dream deferred: school libraries and segregation", American Libraries, 36(2), 33–35.
  18. Lowery, Malinda Maynor (2010). Lumbee Indians in the Jim Crow South: Race, Identity, and the Making of a Nation (em inglês). [S.l.]: Univ of North Carolina Press. ISBN 978-0-8078-3368-1 
  19. Battles, David M., 1958- (2009). The history of public library access for African Americans in the South, or, Leaving behind the plow. [S.l.]: Scarecrow Press. ISBN 978-0-8108-6248-7. OCLC 822229249 
  20. Fultz, Michael (2006). «Black Public Libraries in the South in the Era of De Jure Segregation». Libraries & the Cultural Record. 41 (3): 337–359. ISSN 1932-9555. doi:10.1353/lac.2006.0042 
  21. Woodward, C. Vann (Comer Vann), 1908-1999. (2001). The strange career of Jim Crow. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 1-59740-156-0. OCLC 77547463 
  22. Dittmer, John (1980). Black Georgia in the Progressive Era, 1900-1920 (em inglês). [S.l.]: University of Illinois Press. ISBN 978-0-252-00813-9 
  23. «The United States Supreme Court: the pursuit of justice». Choice Reviews Online. 43 (10): 43–6183-43-6183. 1 de junho de 2006. ISSN 0009-4978. doi:10.5860/choice.43-6183 
  24. Schulte Nordholt, J. W., 1920-1995. (1991). Woodrow Wilson : a life for world peace. [S.l.]: University of California Press. ISBN 0-520-07444-0. OCLC 973822796 
  25. a b Blight, David W. (2009). Race and Reunion : the Civil War in American Memory. [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 978-0-674-02209-6. OCLC 958551129 
  26. a b «Legacy of Jim Crow for Southern Native Americans | C-SPAN.org». www.c-span.org (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  27. a b c Lowery, Malinda Maynor (2010). Lumbee Indians in the Jim Crow South: Race, Identity, and the Making of a Nation (em inglês). [S.l.]: Univ of North Carolina Press. ISBN 978-0-8078-3368-1 
  28. New York Times, 30 March 1882: 'COLORED METHODISTS INDIGNANT OVER THE EXPULSION OF THEIR SENIOR BISHOP FROM A FLORIDA RAILWAY CAR. : ... Colored men of spirit and culture are resisting the conductors, who attempt to drive them into the "Jim Crow cars," and they sometimes succeed ... '
  29. http://history.house.gov/Exhibitions-and-Publications/BAIC/Historical-Data/Constitutional-Amendments-and-Legislation/
  30. a b «Plessy v. Ferguson». 64 Parishes (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  31. «Africana: the encyclopedia of the African and African American experience». Choice Reviews Online. 43 (03): 43–1309-43-1309. 1 de novembro de 2005. ISSN 0009-4978. doi:10.5860/choice.43-1309 
  32. MURPHY, EDGAR GARDNER. (2015). PROBLEMS OF THE PRESENT SOUTH : a discussion of certain of the educational, industrial, and ... political issues in the southern states. [S.l.]: FORGOTTEN Books. ISBN 1-331-12130-2. OCLC 975473660 
  33. Taylor, Jon E. (2 de maio de 2013). Freedom to Serve: Truman, Civil Rights, and Executive Order 9981 (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-136-17424-7 
  34. «Former Pa. House speaker K. Leroy Irvis dies». old.post-gazette.com. Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  35. «FindLaw's United States Supreme Court case and opinions.». Findlaw (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  36. «FindLaw's United States Supreme Court case and opinions.». Findlaw (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  37. «Brown v. Board of Education of Topeka, 347 U.S. 483 (1954)». Justia Law (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  38. «The Other Rosa Parks: Now 73, Claudette Colvin Was First to Refuse Giving Up Seat on Montgomery Bus». Democracy Now! (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  39. «Jim Crow Laws and Racial Segregation». Social Welfare History Project (em inglês). 20 de janeiro de 2011. Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  40. «Civil Rights Act of 1964». crdl.usg.edu. Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  41. http://www.accessmylibrary.com/coms2/summary_0286-30274716_ITM
  42. «The Voting Rights Act Of 1965». web.archive.org. 4 de março de 2007. Consultado em 2 de dezembro de 2019 

Leitura adicionalEditar

  • AYERS, Edward L. The Promise of the New South. Oxford University Press, 1992. (Uma história geral do Sul dos Estados Unidos em fins do século XIX)
  • BARNES, Catherine A. Journey from Jim Crow: The Desegregation of Southern Transit. Columbia University Press, 1983.
  • ALEXANDER, Michelle. The news Jim Crow - Mass incarceration in the Age of Colorblindness , 2012.

Ligações externasEditar