Manuscritologia bíblica

Ícone de esboço Este artigo sobre a Bíblia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre Baixa crítica ou Crítica textual da Bíblia. Para Alta crítica, veja Crítica histórico-literária da Bíblia.

A crítica textual da Bíblia ou manuscritologia bíblica, também chamada de baixa crítica, é a ciência que cataloga, compara e estuda os manuscritos antigos da Bíblia (Antigo e Novo Testamento) para determinação do texto mais exato ou mais antigo possível, apresentando ao final uma "edição crítica" emendada e um "aparato crítico" com um conjunto de variantes principais ou exaustivo. Na disciplina de crítica textual, está incluído o estudo do material de escrita, a forma de escrita, fontes documentais, história da transmissão, autenticidade, preservação do texto e diferentes versões do texto.[1] Tudo isso é feito com base em pressupostos, teorias e metodologias determinadas pelos estudiosos.

Em crítica textual ou baixa crítica, o termo "crítico" não tem originalmente a conotação negativa ou pejorativa, como popularmente se entende, mas tem o sentido de separar e avaliar os diferentes manuscritos segundo alguns critérios.(ANGLADA, 2014, p. 12)[2] Segundo Paroschi, o termo "crítica" é usado "porque sua prática requer uma análise equilibrada e decisões inteligentes diante das questões textuais" (PAROSCHI, 2012, p. xiv).[3] Por causa da carga negativa que crítica ou crítico carregam popularmente, alguns têm preferido falar de "manuscritologia bíblica" em vez de "crítica textual da bíblia".[2]

Deve ser observado que a crítica textual não é restrita aos textos bíblicos, mas se aplica a toda literatura antiga -- religiosa, filosófica, histórica etc. -- para determinação do texto mais acurado possível.[1] A crítica textual da Bíblia, como explicito no nome, é simplesmente a ciência da aplicada ao estudo dos manuscritos bíblicos do Antigo Testamento (ou Bíblia Hebraica) e Novo Testamento.[4]

Ciências correlatasEditar

A crítica textual ou manuscritologia está relacionada a outras ciências como a Filologia e a Paleografia.

FilologiaEditar

A filologia é "a ciência que estuda os textos e tudo que é necessário para torná-los acessíveis (linguisticamente e culturalmente)".[5][6] Segundo Bassetto, o "trabalho filológico tem por objetivo a reconstituição de um texto, total ou parcial, ou a determinação e o esclarecimento de algum aspecto relevante a ele relacionado. Estende-se desde a crítica textual, cujo objeto é o próprio texto, até as questões histórico-literárias, como a autoria, a autenticidade, a datação etc., e o estudo e a exegese do pormenor."[5] As definições variam bastante conforme a fonte consultada,[7] notando-se que, muitas vezes, o termo filologia é usado no sentido estrito de crítica textual. Contudo, a rigor, a filologia é a ciência mais ampla na qual está incluído o trabalho específico da critica textual e também da crítica histórico-literária.[6]

PaleografiaEditar

A paleografia (palaiós + grafê = escrita antiga) é o estudo da escrita antiga, especialmente grego e latim devido a vasta literatura dessas línguas. A paleografia estuda a escrita preservada em materiais portáteis e mais sujeitos a deterioração temporal. Já a epigrafia estudo inscrições antigas em objetos fixos e menos sujeitos à deterioração (pedra, osso, metal).[6]

A paleografia tem como objetivos: 1) identificar as letras e sinais gráficos antigos permitindo sua leitura; 2) determinar a data e origem de um documento; 3) estudar as características dos manuscritos como: material, formato, processo de confecção, estilo de escrita, iluminuras, divisões do texto, etc.[8]

Objeto de estudoEditar

Os escribas ou copistasEditar

Para o estudo de textos antigos é importante conhecer como eram confeccionados e copiados. Para isso é importante conhecer o trabalho dos escribas ou copistas que eram profissionais especializados na habilidades de escrita. Era uma função muito necessária no passado, visto que a maioria das pessoas não sabia ler e escrever.

Em algumas culturas (p.e., entre os hebreus) os escribas eram pessoas livres que desempenhavam essa função, em outras culturas como a romana, os escribas eram escravos que eram muito bem pagos pelo serviço.[8]

Material de escritaEditar

No passado diversos tipos de materiais eram usados para a escrita dependendo da finalidade: tabuinhas de barro, pedra, osso , madeira, metais, cerâmica, papiro, couro. No caso dos textos bíblicos, os principais eram o papiro e o couro (pergaminho).

PapiroEditar

O papiro (πάπυρος) é o precursor antigo do papel (e origem da palavra papel). É originário do Egito e exportado para todo o mundo antigo. Sua origem e finalidade o tornava um material muito caro.

Era fabricado a partir do caule da planta de mesmo nome. A medula do caule do papiro (chamada pelos gregos de βύβλος [bíblos] de onde provém a palavra "bíblia") era fatiado, sobreposto e prensado ao sol até secar formando um material semelhante ao nosso papel.

O papiro é um material que poderia durar muito tempo como atestou Plínio. Para isso, deveria ser preservado em local de clima seco e quente, que é o caso de exemplares de mais de 2 mil anos preservados até hoje. No entanto, em locais úmidos ou com mofo, se degradava muito rapidamente.[8] O manuseio constante também contribuía para o desgaste dos livros, fazendo com que manuscritos pouco usados se preservassem por mais tempo.

PergaminhoEditar

O pergaminho é originário da cidade de Pérgamo, de onde origina o nome. O pergaminho é o resultado do refinamento do couro rústico que era utilizado como forma de escrita antes. O pergaminho é produzido a partir de peles de animais (principalmente carneiro, ovelha ou cabra) que são submetidas a banho de cal, depois raspadas, polidas com pedra-pomes e colocadas para secar em molduras que as mantinham esticadas. Quanto mais jovem o animal, melhor era o pergaminho resultante. O melhor pergaminho era o velino (feito a partir da pele de vitelos ou fetos bovinos abortados), pois era mais liso e fino, usado em obras especiais ou de luxo.[8]

PapelEditar

O papel toma seu nome do termo papiro. Foi inventado na China entre o primeiro e segundo século da E.C. Era fabricado a partir das fibras do cânhamo ou linho triturado e cálcio, alumínio ou sílica. No século VIII, se tornou conhecido na Síria e Egito, e só século XII na Europa. Cerca de 23% dos manuscritos gregos do NT, dos séculos XIII ao XIX são feitos de papel.[8]

Formato dos manuscritosEditar

RoloEditar

Os rolos consistem de várias folhas de papiro ou pergaminho coladas ou costuradas em série podendo chegar a cerca de 10 metros. Rolos maiores que isso seriam de difícil manuseio, por isso eram indesejáveis. Obras mais extensas requeriam mais de um rolo.[8]

O texto dos rolos eram escritos em colunas paralelas da esquerda para a direita, com cerca de 5 a 9 centímetros cada.[8]

CódiceEditar

O códice (do latim, codex ou caudex) consiste em livros encadernados com várias folhas de papiro ou pergaminho presas por uma borda. Em caso de obras maiores, vários cadernos com, normalmente, 8 a 12 folhas dobradas,[nota 1] eram agrupados e resultavam em um volume, semelhante ao que é feito nos livros atuais.

Os papiros do Novo Testamento estão predominantemente em formato de códice, o que leva muitos a cogitarem que muitos autógrafos foram escrito desde o princípio nesse formato. Na verdade o uso cristão do códice é tão vasto que chegou-se a sugerir que o formato foi criado pelos cristãos, o que hoje se sabe ter sido criado em Roma pelos romanos.[8] Dois exemplos importantes de códices do NT são o Códice Vaticano e o Códice Sinaítico, ambos do Século IV.

Problema e objetivo da crítica textualEditar

O problema da crítica textual, é que nenhum dos originais autógrafos chegou até nós.[9] O que temos são apenas cópias de cópias dos originais. Mas o grande problema mesmo é que essas cópias sobre cópias produziram uma quantidade absurda de "leituras variantes" ou erros. Alguns calculam em cerca 300 mil variantes, outros elevam a cerca de 500 mil só do Novo Testamento.[9][8][10] Portanto, trabalho da manuscritologia é catalogar, classificar, comparar e corrigir o texto bíblico, com base nos inúmeros manuscritos que chegaram até nós.

Já o alvo ou objetivo pretendido no estudo dos milhares de manuscritos antigos, pode variar dependendo da linha e pressupostos dos estudiosos. Podemos enumerar dois objetivos principais para a crítica textual bíblica:

1) Determinar o texto original - Estudiosos tradicionais, estudam e comparam os manuscritos em busca de um texto mais próximo do original ou leituras verdadeiras entre as variantes. Paroschi afirma, por exemplo, que a "Crítica textual (do NT), portanto, é o estudo do texto neotestamentário com o propósito de assegurar que as palavras que lemos hoje correspondam da forma mais plena possível àquelas que os apóstolos e evangelistas escreveram tantos séculos atrás"[8][10] Os que creem que o "texto original" pode ser reconstituído de forma mais confiável possível sem deixar margem para sérias dúvidas, são normalmente os estudiosos que creem firmemente que esses textos foram inspirados e preservados por Deus no decorrer dos séculos.[4]

2) Determinar o texto corrente nos primeiros séculos - Muitos estudiosos, como Lachmann, têm abandonado a busca pelo "texto original" ou "leituras verdadeiras", considerando tal tarefa impossível, e buscado a "restauração do texto em uso comum na Igreja por volta do ano 380".[4][3][10] Esses estudiosos estão buscando apenas as leituras mais antigas entre aquelas disponíveis que chegaram até nós.[4][10] Dentre esses estudiosos estão aqueles que mesmo crendo na inspiração dos autógrafos, não creem na doutrina da preservação, chegando a admitir, como Daniel B. Wallace, que várias partes do texto podem ter se perdido para sempre.[4] Há também estudiosos que não creem nem na inspiração sobrenatural ou, muito menos, na sua preservação.

Metodologia GeralEditar

Pressupostos e objetividadeEditar

Existe aqueles que defendem ser possível uma abordagem neutra, imparcial e objetiva, colocando de lado pressupostos teológicos e filosóficos, e aqueles que afirmam que a suposta abordagem objetivamente neutra é impossível, sendo portanto, uma falácia. (ANGLADA, pp.98-101)[4]

A grande questão a ser levantada, segundo Graham Stanton, é: "É possível alguém colocar de lado completamente as próprias pressuposições, e aproximar-se do texto [ou de questões textuais] de um ponto de vista neutro e imparcial, com um método histórico crítico definido e com isso alcançar resultados científicos objetivos incontaminados por dogmas?" (ANGLADA, p.98)[4]

Obviamente há aqueles da escola de Westcott-Hort que defendem ser possível uma abordagem neutra, imparcial e objetiva, reclamando para sua escola o emprego de tal abordagem e acusando os defensores do Textus Receptus e Texto Majoritário de terem abordagens apriorísticas teológicas e filosóficas. Por outro lado, no meio acadêmico a ideia de neutralidade tem perdido força, pois cada vez mais se reconhece a impossibilidade de objetividade neutra, já que todo pesquisador é um ser humano que possui crenças e pressupostos que influenciam mais ou menos suas pesquisas.

O que se faz necessário, portanto, é cada pesquisador e cada corrente da manuscritologia, ter consciência e declarar claramente seus pressupostos (teológicos, filosóficos, etc) e procurar observar o quanto eles tem influenciado suas pesquisas e conclusões.

Por exemplo, um pesquisador que tem consciência de que possui pressupostos (p.e., a existência de Deus, do sobrenatural, da inspiração e preservação das Escrituras Sagradas), deve assumir que possui crenças a priori e que, portanto, elas podem influenciar mais ou menos sua pesquisa e conclusões. Diante disso, esse pesquisador deve tomar precauções para que não passe por cima de fatos ou tire conclusões erradas influenciadas somente por sua crença a despeito dos dados encontrados.

Semelhantemente, um pesquisador que tem consciência de que possui pressupostos  (p.e., a inexistência de Deus, que tudo é natural, que não existe inspiração e preservação das Escrituras), deve assumir que possui crenças a priori e que, portanto, elas podem influenciar mais ou menos sua pesquisa e conclusões. Diante disso, esse pesquisador também deve tomar precauções para que não passe por cima de fatos ou tire conclusões erradas influenciadas somente por sua crença a despeito dos dados encontrados.

O grande problema é que, ainda há a tendência de se acusar apenas àqueles que têm crenças sobrenaturais de terem pressupostos que podem induzir a pesquisa e resultados, enquanto os que têm crenças naturalistas são vistos, equivocadamente, como neutros e imparciais, como se suas crenças naturalistas não tivessem tanto ou mais influencia sobre a pesquisa do que os de pressupostos naturalistas. Portanto, todas as formas de pressupostos teológicos, filosóficos e científicos, sejam sobrenaturais, sejam naturalistas, devem ser vistos da mesma forma e com o mesmo potencial de influenciar a pesquisa e suas conclusões. Cabe a cada pesquisador e corrente, ter consciência clara dos seus pressupostos e da impossibilidade da neutralidade absoluta, e, diante disso, se precaver o máximo possível para não ignorar os dados nem tirar conclusões que sejam mais apoiadas por suas crenças do que pelos dados.

Confiabilidade textual da BíbliaEditar

Existe uma pergunta legítima e muito relevante sobre a confiabilidade das Escrituras Sagradas, que é: "Os textos bíblicos foram alterados com os séculos?" Essa pergunta é relevante desde um nível meramente literário e cultural para se conhecer o que os escritores originais escreveram, assim como se faz com textos clássicos (p.e., a Ilíada de Homero, escritos de Platão, Aristóteles etc.), até um nível espiritual, já que bilhões de pessoas no mundo acreditam que o conteúdo das Escrituras do AT e NT são Palavra de Deus. A discussão e enfoque aqui não é se as histórias de personagens, eventos, milagres e ensinos sobre Deus são verdadeiras e reais, ou se devemos depositar fé nelas, pois a resposta para isso vai depender fundamentalmente da fé, embora fé, também exija evidências que a corroborem. O ponto e enfoque aqui é se os textos bíblicos, desde que foram escritos há milhares de anos, são confiáveis no sentido de sua transmissão e preservação com o decorrer dos séculos sem sofrer alterações. Essa resposta a esse questionamento deve ser buscada em evidencias documentais históricas (i.e., nos manuscritos e relatos de escritores antigos) e não em opiniões pessoais ou populares como as que circulam pela internet.

Tendo isso em vista, podemos dizer que a resposta para "Os textos bíblicos foram alterados com os séculos?" É "sim" e "não", dependendo do que se quer dizer com "alterados". Por alterações, podemos nos referir, desde alterações de letras, termos, grafias de palavras, nomes de cidades e de pessoas; até alterações de conteúdo e sentido de todo um conjunto de ensinamentos e histórias. Então, a primeira coisa para se responder se houve alterações no texto bíblico, é definir se a pergunta diz respeito a alterações acidentais ou intencionais menores de letras, palavras e termos ou a alterações maiores de conteúdo (ensino e histórias).

Alterações menores de escritaEditar

Sim. Os manuscritos comprovam que houve pequenas alterações dos textos bíblicos. Temos milhares de cópias de cópias dos textos bíblicos de diferentes lugares, épocas e grupos religiosos judaicos e cristãos. O trabalho da manuscritologia ou crítica textual é comparar todas essas cópias entre si e com as Bíblias oficialmente usadas pelas sinagogas e igrejas, verificando as diferenças entre elas. O resultado dessa comparação são milhares de alterações por omissão ou acréscimo de letras, palavras, expressões, até linhas inteiras faltando. Isso é um fato inevitável da antiguidade que ocorre com todos os escritos bíblicos, filosóficos e históricos.

Os escribas ou copistas tinham que fazer o trabalho de cópia de forma manual. As vezes, um escriba ditava um texto para um grupo de escribas copiarem. Dessa forma um escriba poderia ouvir, entender e escrever errado uma palavra. Mesmo nos casos em que o copista via e copiava o texto, ele poderia transcrever errado esquecendo uma letra ou palavra. As vezes acontecia do escriba pular uma linha completa porque outra linha começava com a mesma palavra ou mesmo por desatenção. Há casos em que apenas a ordem das palavras está invertida.

Para evitar ou diminuir a possibilidade desses erros, os escribas judeus, desenvolveram com o tempo, toda uma metodologia de contar as letras e palavras de um livro para verificar no final do trabalho, se a cópia tinha a mesma quantidade da original. Eles chegavam a marcar a letra central exata de um livro. Mas, mesmo assim, isso não impedia sempre que houvesse erros. Por isso, muitas vezes o próprio escriba, após a sua própria cópia, faziam anotações nas margens ou entre as linhas corrigindo o texto. Acontecia, de outro escriba fazer essas anotações de correção nos manuscritos de outros escribas com base em uma cópia que julgava mais confiável. Havia também prováveis alterações intencionais. Um escriba poderia alterar uma palavra ou expressão por julgar que aquela(s) palavra(s) não estava(m) correta(s) por erro de um copista anterior ou por não fazer sentido para ele naquele local. Então um escriba poderia alterar o texto para aquele que julgava fazer mais sentido ou estar mais correto.

Como já foi afirmado acima, alguns especialistas estimam entre cerca de 300 mil variantes até cerca de 500 mil só do Novo Testamento.[8] O número bruto é alarmante. São mais que o dobro de palavras existentes em todo o Novo Testamento, contudo, depois de examinadas de perto, constata-se que a grande maioria são mudanças acidentais de letras ou palavras.[8][9][10][11]

O fato é que essas alterações menores são atestadas nos documentos ou manuscritos e é, na maioria dos casos, consequência da própria forma de se publicar livros na antiguidade antes da invenção da imprensa no século XVI. Se bem que, mesmo com a imprensa, havia e há até hoje, erros nas impressões dos livros, mas esses erros são muito menores. Como há milhares cópias de diferentes lugares, épocas e grupos, a crítica textual consegue facilmente restaurar omissões de linhas (p.e., Salmo 145.13, que faltava uma linha começando com a letra "num") e muitas alterações de palavras.

No final, do trabalho da crítica textual, poucos textos apresentam sérias dúvidas de termos além do razoável. E essas alterações menores não alteram, normalmente, o sentido do texto e a o trabalho de crítica, consegue corrigir com base em evidências internas se sentido e pensamento do autor, as alterações que alteram o sentido.

Alterações maiores de ensinamentosEditar

Não. Os manuscritos comprovam que não houve grandes alterações dos textos bíblicos. As milhares de cópias de cópias dos textos de diferentes lugares, épocas e grupos judaicos e cristãos, após o minucioso trabalho de crítica textual, não deixam dúvida de que o conteúdo de ensinos ou doutrinas não foram alterados com o decorrer dos séculos.[3][10]

Os teólogos destacam que, embora as alterações menores possam mudar um sentido de um texto, contudo, os ensinamentos ou doutrinas do judaísmo e do cristianismo, não dependem exclusivamente de um texto, mas de um conjunto de textos sobre aquele tema. Desta forma, mesmo que um texto contenha uma variante textual que altere em algum grau o sentido, isso não altera a doutrina que não depende exclusivamente daquele texto.[8][11]

Mesmo em casos de alterações maiores, como é o caso do Comma Johanneum (Cláusula Joanina), presente na maioria dos manuscritos recentes e ausente de um pequeno número de manuscritos mais antigos, que é um texto que, se mantido, ensina sobre a doutrina cristã da trindade, não anula essa doutrina se excluído, pois esse ensino não depende exclusivamente desse texto, mas de inúmeros outros textos sobre os quais não há dúvida.[10]

Outros casos como o final do Evangelho de Marcos, que possui três finais nos manuscritos, também não altera nenhuma conteúdo de doutrina cristã. O mesmo acontece com a história da Mulher Adultera do Evangelho João (7:53-8.11) que, embora muito conhecida e citada, se mantida ou excluída, não representa alteração de conteúdo doutrinário.

Considerando que os três exemplos (a Cláusula Joanina, o final de Marcos e a história da Mulher Adultera) são as maiores omissões ou acréscimos encontrados nos milhares de manuscritos antigos, que representam ainda alguma dúvida significativa sobre o texto original, os estudiosos mais renomados concluem, com base no que as evidências demonstram, que, em termos de conteúdo de ensinamentos ou doutrinas, o texto bíblico não foi adulterado no decorrer dos séculos.[11][10]

Isso não significa que as histórias de milagres ou a existência de Deus são comprovadas, pois isso cabe à conclusão pessoal de cada pessoa ou grupo religioso, mas que o texto e seu conteúdo não sofreu alteração ou adulteração que implique no seu ensinamento desde que cada livro original foi concluído pelos autores bíblicos.

CRÍTICA TEXTUAL DO ANTIGO TESTAMENTO OU BÍBLIA HEBRAICAEditar

Sub área da manuscritologia bíblica que se dedica ao estudo da transmissão dos textos da Bíblia Hebraica ou Antigo Testamento.

História e DesenvolvimentoEditar

  

Principais Escolas ou CorrentesEditar

  

Relação de Manuscritos do Antigo TestamentoEditar

1 - Manuscritos do Mar MortoEditar

  

2 - Texto Grego da Septuaginta (LXX)Editar

  

3 - Texto MassoréticoEditar

Códice de Leningrado (L)Editar

O Códice Leningradence ou "Codex Leningradensis" é o principal manuscrito massorético da Bíblia Hebraica. Está escrito em pergaminho e é datado de 1008 EC, de acordo com o Colophon (book), é a cópia completa mais antiga da Bíblia Hebraica. Este manuscrito serve como texto básico para a Bíblia Hebraica Sturttgartensia (BHS) e para as modernas traduções da Bíblia.

CRÍTICA TEXTUAL DO NOVO TESTAMENTOEditar

Sub área da manuscritologia bíblica que se dedica ao estudo da transmissão dos textos do Novo Testamento.

História e DesenvolvimentoEditar

Período não critico (1514-1675)Editar

Período pré-critico (1675-1831)Editar

Período crítico (1831 até hoje)Editar


Principais Escolas ou CorrentesEditar

Existem estritamente três teorias ou escolas de crítica textual (texto majoritário, ecletismo moderado e ecletismo consistente)[9] e uma quarta (Textus Receptus) que pode ser incluída no sentido amplo, mas que não realiza nenhum trabalho estrito de crítica textual. Contudo, é comum se tratar a teoria eclética como uma só, normalmente favorecendo o "ecletismo moderado" mais comum hoje.

Em alguns contextos não acadêmicos, também é comum se confundir equivocadamente o Texto Majoritário com Textus Receptus, que, embora sejam parte da mesma família textual bizantina, contudo, devem ser distintos, porque a escola do Texto Majoritário faz um trabalho de crítica textual cotejando variantes e escolhendo as que julgam mais fundamentada, enquanto a escola do Texto Receptus defende um texto fixo, estabelecido e impresso no século XV, sem cotejo de manuscritos e variantes. Portanto, são escolas, teorias e métodos diferentes.

1 - ESCOLA DO "TEXTUS RECEPTUS"Editar

 Ver artigos principais: Textus Receptus e Texto-tipo bizantino

Essa corrente, também conhecida por tradicional, é a mais antiga. Ela defende o texto amplamente usado até o fim do Século XIX, impresso [nota 2] em muitas edições durante os séculos XVI e XVII, se se tornou conhecido como "Textus Receptus".[4]

Principais defensoresEditar

Esse texto, com poucas variantes, foi usado por Erasmo de Roterdã e pelos reformadores protestantes. A principais traduções da Bíblia a partir do século XVI foram feitas tendo o Textus Receptus como base, a principal delas, a "King James".[4]

Atualmente é defendido por uma minoria de estudiosos, considerados, pelos que adotam teoria contrária, como fundamentalistas ou fanáticos. A Trinitarian Bible Society e Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil e seus associados são os principais defensores do TR.[12]

Pressupostos e MetodologiaEditar

2 - ESCOLA DO TEXTO ECLÉTICO OU CRÍTICOEditar

Essa escola defende um texto eclético "minoritário" (i.e., baseado em um número reduzido de manuscritos mais antigos) preparado principalmente com base em dois manuscritos mais antigos: Códice Sinaítico (א) e o Códice Vaticano (B).[4]

Principais defensoresEditar

O texto crítico é defendido e usado pela maioria dos estudiosos modernos, sendo quase um consenso no meio acadêmico. As principais traduções da Bíblia a partir do século XX foram feitas tendo alguma versão do texto eclético crítico como base.

Inicialmente proposto por Karl Lachmann (1831) e desenvolvido Constantin von Tischendorf, Samuel Prideaus Treglles, B.F. Westcott, F.J.A. Hort (sendo esses dois últimos os principais nomes), Bernhard Weiss, Alexander Souter, W. Sanday, Edwin Palmer, Kurt Aland, Barbara Aland, Eberhard Nestle, Erwin Nestle, H.J. Volgels, Augustin Merk, José Maria Bover (esses três últimos, são católicos) atualmente seguida por muitos outros, entre os quais: Daniel B. Wallace.[4]

Pressupostos e MetodologiaEditar

3 - ESCOLA DO TEXTO MAJORITÁRIO OU BIZANTINOEditar

Essa corrente é um desenvolvimento e aprimoramento contemporâneo da primeira escola. "Ela sustenta o texto representado na maioria dos manuscritos, conhecido como Texto Majoritário, Bizantino, Tradicional ou Eclesiástico." (ANGLADA)[4] Diferentemente do Texto Crítico e também do Textus Receptus, a corrente do Texto Majoritário faz uso comparativo de um número muito maior de manuscritos e outros documentos para reconstruir o Novo Testamento. Segundo o Dr. Paulo Anglada, essa "corrente defende que o texto original do Novo Testamento deve ser buscado, não em alguma edição mais ou menos empírica do Textus Receptus, nem exclusivamente em uns poucos manuscritos egípcios antigos preservados aleatoriamente, mas na grande massa de manuscritos existentes, incluindo papiros, unciais, munúsculos, lecionários, versões e citações."[4]

Principais defensoresEditar

A corrente recente, que advoga o texto majoritário, é defendida por um número minoritário de pesquisadores como: J.W. Burgon, F.H.A. Scrivenet, T.R. Birks, E.Miller, e mais recentemente por: Edward Hills, Jacob Va Bruggen, Willen Franciscus Wisselink*, Zane Hodges, Maurice A. Robinson, William G. Pierpont, Wilbur Pickering (brasileiro), Paulo R. Anglada (brasileiro), e outros.[4][9]

Pressupostos e metodologiaEditar

Os defensores da corrente do Texto Majoritário, por terem à sua disposição um grande e variado número de testemunhos, "enfatizam as evidências externas (mais objetivas) ao invés das evidências internas (mais necessárias aos defensores dos textos egípcios, em virtude do reduzido número e discrepâncias desses documentos".[4]

Relação de manuscritos do Novo TestamentoEditar

O trabalho de crítica textual se utiliza de diversas fontes (testemunhas) documentais para comparação e reconstituição do texto do NT: manuscritos gregos do NT, lecionários, versões ou traduções antigas e citações de antigos cristãos.[9]

Manuscritos gregosEditar

Existem cerca de 5.700 manuscritos catalogados (até 2012)[8] do NT, de diferentes épocas, lugares, qualidade textual e integridade.

Segue alguns exemplos: Papiro Chester Beatty (I, II e III) dos séculos II e III, Papiro Rylands 457 do século II, Papiro Bodmer (II, VII, VIII, XIV e XV), Papiro Oxyrhynco 4499 do século III ou IV, Papiro Oxyrhynco 4968 do século V, Códice Vaticano do século IV (o mais importante para a maioria dos críticos), Códice Sinaítico do século IV, Códice Alexandrino do século V, Códice Efraimita do século V, etc.[8]

LecionáriosEditar

Os lecionários são textos bíblicos dividados em perícopes e ordenados conforme um calendário litúrgico anual para leitura nos cultos cristãos. Estão catalogados 2.452 até 2012[8], datados do século IV ao XVIII, cobrindo todo NT, exceto Apocalipse.

Versões antigasEditar

As antigas Versões da Bíblia (traduções para outras línguas) também são importantes para a crítica textual, por dois motivos, segundo Paroschi: 1) são muito antigas começando a surgir no em meados do século II, havendo manuscritos delas dos séculos III e IV; 2) são indicadoras do tipo de texto grego usado como base da tradução que estava em uso nos lugares onde surgiram essas versões. Ou seja, o valor das versões antigas, não está nelas mesmas, mas nas indicações que dão sobre o texto grego original.

As versões mais importantes são: a siríaca (Diatessarão, Siríaca Curetoniana, Siríaca Sinaítica, Siríaca Peshita, Siríaca Palestina, Siríaca Filoxeniana, Siríaca Heracleana), a latina (Antiga Latina e Vulgata Latina) e a copta (Saídica, Boaírica, Faúmica, Acmímica, Subacmímica, Médio-Egípcia).

Citações antigasEditar

Há milhares de citações de antigos cristãos (ortodoxos e não-ortodoxos) em sermões, comentários, tratados dogmáticos e cartas que são usados de forma secundária no trabalho de crítica textual. Segundo Paroschi, "o NT foi citado mais de dezessete mil vezes pelos autores do segundo século e mais de doze mil vezes pelos autores do terceiro, exceto Orígenes. Somente Orígenes citou o NT mais de 32 mil vezes, ou seja, mais que todos os autores do segundo e terceiro século combinados"[8] (ênfase acrescentada). "São tão numerosas essas citações que praticamente se poderia reconstituir [com bastante trabalho de crítica textual] todo o NT por intermédio delas, mesmo sem a ajuda dos manuscritos gregos e versões".[8]

Os autores antigos mais importantes para a crítica textual são: Irineu de Lyon (c.140-c.202), Clemente de Alexandria (c.150-c.215), Justino (c.100-c.165), o Mártir, o herege Marcião de Sinope (???-c.160)[nota 3], o gnóstico Taciano (???-c.172)[nota 4], Tertuliano (c.160-c.225)[nota 5], Hipólito de Roma (c.170-c.236), Orígenes de Alexandria (c.185-c254)[nota 6], Cipriano de Cartago (???-258), Eusébio de Cesarea (c.260-c.340), Atanásio de Alexandria (c.296-373), Ambrósio de Milão (c.339-397), Basílio de Cesarea (c.330-397), Cirilo de Jerusalém (c.315-387), Dídimo de Alexandria (c.313-398), Efraim da Síria (c.306-373), Gregório de Nissa (c.330-c.395), Gregório de Nazianzo (c.329-c.390)[nota 7], Hilário de Poitiers (c.315-c.368), Lúcifer Calaritano (???-c.370), Epifânio de Constância (c.315-403), João Crisóstomo de Constantinopla (c.347-407)[nota 8], Rufino de Aquileia (c.345-411), Teodoro de Mopsuéstia (c.350-428)[nota 9], Jerônimo (c.345-420)[nota 10], Agostinho de Hipona (354-430 d.C.)[nota 11] e Cirilo de Alexandria (???-444).[8]

Ver tambémEditar

ANTIGO TESTAMENTO (BÍBLIA HEBRAICA)

NOVO TESTAMENTO

Notas

  1. Contudo, existem cadernos de até 100 folhas que eram bem desconfortáveis para o manuseio. (PAROSCHI, 2012, p. 20)
  2. Como o Receptus é um texto impresso, logo, não é objeto de estudo da manuscritologia no sentido estrito, mas, considerada em sentido amplo, da Crítica Textual
  3. Marcião, embora herege, é importante para a crítica textual devido à sua ação deliberada de selecionar e alterar os textos do NT para estarem de acordo com sua teologia. Foi devido à essa sua atitude que a igreja se viu compelida a estabelecer de forma clara o cânon do NT.
  4. Responsável pelo "Diatessarão" (harmonia dos 4 evangelhos) que predominou na Síria até o século V.
  5. Chamado de "pai da teologia latina".
  6. Sua obra magna foi a versão "Hexapla" (de cerca de 12 mil páginas), além de comentários sobre quase toda a Bíblia. Provavelmente, o maior conhecedor da Bíblia na igreja primitiva.
  7. Um dos pais capadócios, defensor da doutrina da trindade, escreveu vários tratados teológicos, além de cartas.
  8. Escritor oriental com mais escritos (comentários, sermões) presevados.
  9. Chamado de "príncipe dos exegetas", rejeitava o método de interpretação alegórico e defendia um princípio de interpretação gramatical-histórico. Escreveu comentários e obras dogmáticas.
  10. Responsável pela tradução da Vulgata Latina. É o mais importante pai latino depois de Agostinho.
  11. O mais influente teólogo da idade média. Escreveu 93 obras além de inúmeros sermões e cartas.

Referências BibliográficasEditar

  1. a b «Glossário de Crítica Textual». 1 de julho de 2015. Consultado em 29 de maio de 2020 
  2. a b ANGLADA, Paulo R.B. (2014). Manuscritologia do Novo Testamento: história, correntes textuais e o final do Evangelho de Marcos. Ananindeua: Knox Publicações. 192 páginas 
  3. a b c PAROSCHI, Wilson (2012). Origem e Transmissão do Texto do Novo Testamento. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil (SBB). 325 páginas 
  4. a b c d e f g h i j k l m n o ANGLADA, Paulo R.B. (2014). Manuscritologia do Novo Testamento: história, correntes textuais e o final do Evangelho de Marcos. Ananindeua: Knox Publicações. 192 páginas 
  5. a b BASSETTO, Bruno Fregni. [www.filologia.org.br/viisenefil/07.htm «O Trabalho Filológico»] Verifique valor |url= (ajuda). www.filologia.org.br. Consultado em 21 de maio de 2020 
  6. a b c «Glossário de Crítica Textual». 1 de julho de 2015. Consultado em 29 de maio de 2020 
  7. BASSETTO, Bruno Fregni. «O Conceito de Filologia» (PDF). Consultado em 21 de maio de 2020 
  8. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s PAROSCHI, Wilson (2012). Origem e Transmissão do Texto do Novo Testamento. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil (SBB). 325 páginas 
  9. a b c d e f SCHOLZ, Vilson. A Crítica Textual e as Edições do Novo Testamento Grego, in: Princípios de Interpretação Bíblica: introdução à hermenêutica com ênfase em gêneros literários. Canoas: Editora ULBRA, 2006. 236 p.
  10. a b c d e f g h PRAZERES, Carlos Alberto. Crítica Textual do Novo Testamento: alterações no texto do Novo Testamento nos escritos de Bart Ehrman: corrupção nos dados ou na leitura dos mesmos? Ijuí/RS: Revista Ensaios Teológicos, Vol. 2, nº 2, 2016. Disponível em: <http://ead.batistapioneira.edu.br/ojs/index.php/ensaios/article/view/155>. Acessado em 9 de julho de 2020.
  11. a b c WALLACE, Daniel B. Revisiting The Corruption of The New Testament: Manuscript, Patristic, and Apocryphal Evidence. Grand Rapids: Kregel Publications, 2011, 284 páginas. Disponível em <https://books.google.com.br/books/about/Revisiting_the_Corruption_of_the_New_Tes.html?id=838A8BDUI5kC&redir_esc=y>. Acessado em 9 de julho de 2020.
  12. Sobre: Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil. Disponível em <https://biblias.com.br/sobre>. Acessado em 25 de junho de 2020.