Maria Adelaide Amaral

Maria Adelaide Almeida Santos do Amaral OMC (Alfena, 1 de julho de 1942) é uma dramaturga, escritora, roteirista e jornalista luso-brasileira. É autora de diversas obras para o teatro e para a televisão, principalmente minisséries.

Maria Adelaide Amaral
OMC
Nascimento 1 de julho de 1942 (78 anos)
Alfena, Valongo, Portugal
Nacionalidade
Ocupação
Prémios Prêmio Jabuti (1987)
Ordem do Mérito Cultural (2013)

BiografiaEditar

Sua família imigrou para o Brasil em 1954, instalando-se na cidade de São Paulo, onde Maria Adelaide se formou em jornalismo pela Escola de Comunicações da Fundação Cásper Líbero.

Por dezesseis anos trabalhou na Editora Abril e já naquela época escreveu suas primeiras peças teatrais. Entrou na televisão em 1979, a convite do autor Lauro César Muniz para colaborar na novela Os Gigantes. Mas é somente em 1990, coescrevendo a telenovela Meu Bem, Meu Mal, com o veterano Cassiano Gabus Mendes que passa a dedicar sua carreira como novelista. Sua primeira telenovela como autora titular foi o remake de Anjo Mau, em 1997, e que foi dirigida por Denise Saraceni.

A 18 de agosto de 1997, foi agraciada com o grau de Comendador da Ordem do Mérito.[1]

Maria Adelaide é também tradutora de algumas peças de dramaturgos estrangeiros, como Samuel Beckett e Ingmar Bergman.

Em 2002,[2] Maria Adelaide chegou a escrever a novela A Dança da Vida, que iria ser a sucessora de A Padroeira.[3] Entretanto, a telenovela foi proibida pela Justiça de ir ao ar,[4] às vésperas do início das gravações, devido aos temas políticos.[5] A emissora resolveu cancelá-la, já que era ano eleitoral, e pediu a Emanuel Jacobina, ex-autor de Malhação, para escrever uma história substituta, daí surgiu Coração de Estudante.[6]

Em 2007, entregou a sinopse de uma minissérie sobre Maurício de Nassau que foi cancelada pela Rede Globo devido aos altos custos da produção.[7][8] Em seu lugar, a emissora pediu à autora que desenvolvesse outra sinopse, que resultou na minissérie Queridos Amigos, com a qual adaptou seu próprio livro (Aos Meus Amigos), em homenagem ao amigo Décio Bar.[9][10][11]

Em 2013, é anunciado a retomada do projeto, que conta com George Moura como coautor, e tem previsão de estreia para 2015, em forma reduzida de capítulos [nota 1] e de formato, já que a emissora também planeja a exibição de um filme, derivado da minissérie.[12][13][14]

Entre 17 de abril de 2009 a 3 de julho de 2009, ao lado de Lícia Manzo e Denise Saraceni, supervisionou a série Tudo Novo de Novo, que tinha Júlia Lemmertz e Marco Ricca nos papéis principais, que retratava a vida familiar.

Em 2010 foi ao ar a microssérie Dalva e Herivelto - Uma Canção de Amor, sobre a vida da cantora Dalva de Oliveira e do cantor e compositor Herivelto Martins, a microssérie fez um sucesso estrondoso, com média de 29,4 pontos e duas indicações ao Emmy Internacional 2010.

Entrou no ar em 19 de Julho de 2010 sua telenovela Ti Ti Ti, que era um remake das obras de Cassiano Gabus Mendes, Plumas e Paetês e Ti Ti Ti (versão original), que foram fundidas, e teve seu último capítulo exibido em 18 de Março de 2011, sendo substituída por Morde & Assopra de Walcyr Carrasco. A fusão da novela ocorreu da seguinte forma: Focada no mundo da moda, a novela teve sua trama romântica baseada em Plumas e Paetês, já a tensão no universo fashion vinha de Ti Ti Ti, a novela foi protagonizada por Murilo Benício e Alexandre Borges, representando Ti Ti Ti e Caio Castro e Ísis Valverde representando Plumas e Paetês.

Sucesso de crítica e audiência, a telenovela venceu o Troféu Imprensa de melhor novela.[15][16][17]

Finalmente, escreveu em 2012, Dercy de Verdade, minissérie brasileira produzida pela Rede Globo e exibida entre 10 a 13 de janeiro de 2012, escrita com a colaboração de Letícia Mey, baseada no livro Dercy de Cabo a Rabo, de autoria própria, com direção geral e núcleo de Jorge Fernando.

Em 2013 escreveu a novela Sangue Bom, em parceria com Vincent Villari e em 2014, supervisionou os textos da minissérie Amores Roubados, de autoria de George Moura. No mesmo ano juntamente com Vincent Villari, entrega a sinopse de novela sobre política à Rede Globo, prevista para ir ao ar em 2015, no horário das 23h; mas outra sinopse sua é aprovada para ir ao ar em 2016, desta vez no horário das 21 horas. A história se passará numa cidade fictícia e terá um tema adulto.[18][19][20][21] Porém, com a baixa audiência das novelas Babilônia e A Regra do Jogo, a Globo decidiu adiar a trama, para dar lugar a Velho Chico, de Benedito Ruy Barbosa e Edmara Barbosa.[22]

Maria Adelaide Amaral foi eleita em 2019 para a Academia Paulista de Letras, sucedendo ao poeta Paulo Bomfim. Fora empossada em março de 2020 na cadeira nº 35. [23]

TelevisãoEditar

TelenovelasEditar

Título Ano Creditada como Parceiros titulares Emissora
Autora Colaboradora
Os Gigantes 1979
 
Lauro César Muniz Rede Globo
Meu Bem, Meu Mal 1990
 
Cassiano Gabus Mendes
Deus Nos Acuda 1992
 
Silvio de Abreu
O Mapa da Mina 1993
 
Cassiano Gabus Mendes
Sonho Meu
 
Marcílio Moraes
A Próxima Vítima 1995
 
Silvio de Abreu
Anjo Mau 1997
 
Cassiano Gabus Mendes
Ti Ti Ti 2010
 
Sangue Bom 2013
 
Vincent Villari
A Lei do Amor 2016
 
O Selvagem da Ópera 2021
 
[24]

MinissériesEditar

Título Ano Creditada como Parceiros titulares Emissora
Autora Supervisora
A Muralha 2000
 
Rede Globo
Os Maias 2001
 
A Casa das Sete Mulheres 2003
 
Walther Negrão
Um Só Coração 2004
 
Alcides Nogueira
JK 2006
 
Queridos Amigos 2008
 
Tudo Novo de Novo 2009
 
Lícia Manzo
Dalva e Herivelto: uma Canção de Amor 2010
 
Dercy de Verdade 2012
 
Amores Roubados 2014
 
George Moura

SériesEditar

Título Ano Creditada como Parceiros titulares Emissora
Autora Colaboradora
Menina do Olho Fundo 1981
 
TV Cultura
Retrato de Mulher 1993
 
Rede Globo
Mulher 1998–1999
 
Euclydes Marinho

TeatroEditar

Ano Título
2014 Frida y Diego
2004 Mademoiselle Chanel
2003 Tarsila
2001 O Evangelho segundo Jesus Cristo
2000 Letti e Lotte
Joana d'Arc
1997 Decadência
Para Sempre
1996 Cenas de um Casamento
1995 Intensa Magia
1994 Três Mulheres Altas
Kean
Querida Mamãe
1993 Seis Graus de Separação
Viúva
Para tão longo amor
1989 Uma Relação tão Delicada
1988 A Última Gravação de Krapp
1987 Electra
Seja o que Deus quiser
1984 De braços abertos
1982 Chiquinha Gonzaga, ó abre alas
1980 Ossos d'Ofício
1976 Bodas de Papel
1975 A Resistência

LivrosEditar

Ano Título
2004 Tarsila
Madeimoselle Chanel
2003 Estrela Nua
2000 Ó Abre Alas
O Bruxo
1997 Coração Solitário
1996 Intensa Magia
1995 Querida Mamãe
1994 Dercy de Cabo a Rabo
1992 Aos Meus Amigos
1986 Luísa (quase uma história de amor)

BibliografiaEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Citações no Wikiquote

Notas

  1. Antes escrita em 40 capítulos, agora terá apenas 4.

Referências

  1. «Entidades Nacionais Agraciadas com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Maria Adelaide Amaral". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 15 de outubro de 2020 
  2. http://www.estadao.com.br/arquivo/arteelazer/2002/not20020401p5206.htm
  3. http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos/asp2810200398.htm
  4. http://www.oplanetatv.com.br/pag_entrevistas.php?id=13
  5. http://www.oocities.com/tvtupiniquim/next-news1.html
  6. http://www.noolhar.com/opovo/jornaldatv/71865.html
  7. Patrícia Kogut (7 de maio de 2007). «TV Globo cancela minissérie 'Nassau', de Maria Adelaide Amaral». O Globo. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  8. Daniel Castro (14 de maio de 2014). «Globo troca minissérie por 'caleidoscópio'». Folha de S. Paulo. Ilustrada. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  9. Laura Mattos (25 de dezembro de 2007). «Série revive ano da eleição de Collor». Folha de S. Paulo. Ilustrada. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  10. Nilson Xavier. «Queridos Amigos - Bastidores». Teledramaturgia. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  11. Gabriela Germano (17 de fevereiro de 2008). «Globo aposta na amizade como tema de minissérie». Terra Brasil. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  12. Daniel Castro (21 de fevereiro de 2014). «Após Amores Roubados, autor fará novela e microssérie na Globo». UOL. Notícias da TV. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  13. Fernando Oliveira (31 de julho de 2014). «Minissérie de Maria Adelaide Amaral sobre Maurício de Nassau deve sair do papel em 2015». R7. Mundo da TV. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  14. Patrícia Kogut (21 de dezembro de 2013). «'Nassau', de Maria Adelaide Amaral, vai virar filme e irá ao ar na Globo». O Globo. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  15. Daniele Ramiro (18 de março de 2011). «Maria Adelaide Amaral, autora de "Ti-Ti-Ti", faz balanço da trama e elogia o trabalho de Cláudia Raia». UOL Televisão. Consultado em 6 de maio de 2015 
  16. Gshow (12 de março de 2011). «Maria Adelaide Amaral promete muitas surpresas para o final de Ti-ti-ti». Bastidores - Ti Ti Ti. Consultado em 6 de maio de 2015 
  17. «Troféu Imprensa - Categoria Novela». Chance de Gol - UOL. Consultado em 6 de maio de 2015 
  18. Patrícia Kogut (24 de abril de 2014). «Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari entregam sinopse à Globo». O Globo. Consultado em 24 de abril de 2014 
  19. Flávio Ricco; José Carlos Nery (21 de outubro de 2014). «Maria Adelaide Amaral vai escrever novela das 21 horas». UOL Televisão. Consultado em 24 de novembro de 2014 
  20. Thaís Britto (23 de novembro de 2014). «Maria Adelaide Amaral fala de trama que escreverá para horário das 21h: 'É uma novela adulta'». O Globo. Revista da TV. Consultado em 24 de novembro de 2014 
  21. Patrícia Kogut (18 de abril de 2015). «Novo integrante do 'Saia justa' será João Vicente de Castro». O Globo. Consultado em 6 de maio de 2015. Veja o subtítulo Apito de fábrica. 
  22. «Novela Velho Chico foi antecipada 21h» 
  23. «Escritora e autora Maria Adelaide Amaral assume cadeira na Academia Paulista de Letras». G1.com. Consultado em 30 de março de 2020 
  24. TV, Notícias da (28 de outubro de 2019). «Globo testa formato de novela mais curta com trama rejeitada às 23h». Notícias da TV. Consultado em 30 de outubro de 2019 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.