Abrir menu principal

Wikipédia β

Rogue One: A Star Wars Story

(Redirecionado de Rogue One)

Rogue One: A Star Wars Story (no Brasil, Rogue One: Uma História Star Wars; em Portugal, Rogue One: Uma História de Star Wars) é uma space opera épica estadunidense de ação, aventura, fantasia e ficção científica da franquia de filmes Star Wars, de George Lucas. Foi dirigido por Gareth Edwards e escrito por Chris Weitz. O filme, que faz parte de uma nova série de spin-offs produzidos pela Disney com base na série Star Wars, teve seus efeitos especiais produzidos pela Industrial Light & Magic e e distribuída mundialmente pela Walt Disney Studios Motion Pictures.

Rogue One: A Star Wars Story
Rogue One: Uma História de Star Wars (PT)
Rogue One: Uma História Star Wars (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2016 •  cor •  133 min 
Direção Gareth Edwards
Produção Kathleen Kennedy
Allison Shearmur
Simon Emanuel
Roteiro Chris Weitz
Tony Gilroy
História John Knoll
Gary Whitta
Baseado em Personagens
de George Lucas
Elenco Felicity Jones
Diego Luna
Ben Mendelsohn
Guy Herny
Donnie Yen
Mads Mikkelsen
Alan Tudyk
Riz Ahmed
Jiang Wen
Forest Whitaker
Gênero Épico
Aventura
Fantasia
Ficção científica
Space opera
Música Michael Giacchino
Cinematografia Greig Fraser
Edição Jabez Olssen
Companhia(s) produtora(s) Lucasfilm Ltd.
Distribuição Walt Disney Studios Motion Pictures
Lançamento Estados Unidos 16 de dezembro de 2016
Brasil 15 de dezembro de 2016
Portugal 15 de dezembro de 2016
Orçamento US$ 200 milhões[1]
Receita US$ 1.056.057.273[2]
Cronologia
Star Wars: Episode III - Revenge of the Sith
(2005)
Star Wars
(1977)

No elenco do filme estão os atores Felicity Jones, Diego Luna, Forest Whitaker, Ben Mendelsohn, Alan Tudyk e Mads Mikkelsen.[3] A história do filme se baseia em um grupo de combatentes da Aliança Rebelde se unindo para uma missão de roubar os planos da Estrela da Morte e trazer uma nova esperança para a galáxia. A história se passa antes dos acontecimentos de Uma Nova Esperança e depois de A Vingança dos Sith. A fotografia principal começou em Elstree Studios, perto de Londres, durante o início de agosto de 2015 e terminou em fevereiro de 2016, com regravações e filmagens adicionais ocorrendo em meados de junho de 2016.

Rogue One teve sua estreia em Los Angeles no dia 10 de dezembro de 2016, e estreou nos cinemas em 15 de Dezembro de 2016.[4] Abriu com US$ 290 milhões arrecadados mundialmente. É a segunda maior abertura no mês de dezembro na América do Norte, atrás apenas de Star Wars: O Despertar da Força. O filme recebeu críticas geralmente positivas, com elogios as performances do elenco, cenas de ação, o tom mais sombrio, efeitos visuais, fotografia e a trilha sonora de Michael Giacchino. Em 22 de janeiro de 2017, o filme ultrapassou a marca de US$ 1 bilhão em bilheteria ao redor do mundo.[5] O filme teve duas indicações ao Oscar 2017, nas categorias de Melhor Mixagem de Som e Melhores Efeitos Visuais.

Índice

EnredoEditar

  Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A história se inicia 13 anos antes da explosão da primeira Estrela da Morte. Seis anos haviam se passado após a extinção da Ordem dos Cavaleiros Jedis, o desaparecimento do jovem Jedi Anakin Skywalker, o surgimento do cruel Lorde Sith Darth Vader como também o fato do Imperador Palpatine ter transformado a República Galáctica no temível Império Galáctico. A galáxia agora se encontrava dominada pela ditadura, escravidão e opressão. O Império Galáctico, inicia então uma busca por pessoas que possam contribuir para a construção de uma super-arma.

Jyn Erso se esconde quando criança quando seu pai, o designer de armas Galen Erso, é recrutado a força pelo diretor Imperial Orson Krennic para completar o projeto da Estrela da Morte, uma estação espacial capaz de destruir planetas inteiros. Treze anos depois, Galen ajuda Bodhi Rook, um piloto de carga, a contrabandear uma mensagem para a Aliança Rebelde quando ele é pego. Agora uma adulta, Jyn é liberta do cativeiro Imperial pela Rebelião, que planeja usá-la para rastrear seu pai, e depois matá-lo para impedir a arma que está sendo construída. Ela é enviada para o planeta Jedha com o oficial rebelde Cassian Andor e seu droide imperial reprogramado K-2SO.

Depois de se reunir com seu velho mentor revolucionário Saw Gerrera, é mostrado a Jyn um holograma que Galen secretamente fez, o que expressa seu amor por ela, e sua ajuda coagida ao projeto. O holograma também revela que ele secretamente comprometeu o design da Estrela da Morte. Enquanto isso, Grand Moff Tarkin se reúne com Krennic na Estrela da Morte e expressa ceticismo sobre o projeto e sua gestão. Como demonstração Krennic usa a arma para destruir a capital de Jedha para suprimir a insurgência liderada por Gerrera, forçando Jyn e seu grupo a fugir enquanto Gerrera é morto. Tarkin felicita Krennic e então usa quebras de segurança sob o comando de Krennic como um pretexto para assumir o controle do projeto.

Usando a gravação, Jyn rastreia seu pai a uma instalação de pesquisa Imperial, mas ele é ferido fatalmente em um ataque de bombardeio Rebelde e morre em seus braços. Entretanto, Galen admitiu a Krennic que era responsável por comprometer o projeto da Estrela da Morte, incitando Krennic a examinar todas as comunicações de Galen para descobrir que informação tinha emitido e restaurar sua reputação.

Jyn propõe um plano para roubar os esquemas da Estrela da Morte de um banco de dados de alta segurança no planeta Scarif. Com seu pai e Gerrera mortos e o holograma destruído, a liderança rebelde não tem como verificar sua história e não pode concordar com um plano. Frustrados com sua inação, Jyn, Cassian, K-2SO e uma equipe montada de infiltrados - incluindo Rook, o guerreiro Chirrut Îmwe e o mercenário Baze Malbus - decidem invadir o banco de dados e obter os esquemas. À medida que os três pesquisam o banco de dados para os planos de projeto, os outros rebeldes disparam explosivos e começam a disparar na área de pouso próxima, a fim de distrair os stormtroopers residentes. Eles são unidos fora do planeta pela frota espacial Rebelde que tardiamente decidiu ajudar, atacando a estação espacial que controla o acesso ao planeta. Jyn obtém os esquemas dos cofres de dados enquanto K-2SO é destruído removendo os stormtroopers. Rook, Îmwe, Malbus e vários rebeldes são mortos enquanto alertam a frota Rebelde dos planos de Jyn. Jyn é confrontada por Krennic que declara a vitória inevitável do Império, apenas para ser baleado por Andor.

Tarkin decide usar a Estrela da Morte para destruir a base comprometida, mas não sem antes que Jyn use o sistema de comunicação básico para enviar os esquemas da Estrela da Morte ao navio de comando Rebelde. Embora ele a tenha salvo de Krennic, Jyn e Andor morrem à medida que a base é destruída. Uma força Imperial liderada por Darth Vader intercepta e embarca na nave de comando, embora ela consiga escapar do bloqueio com os planos da Estrela da Morte, que agora estão em posse da Princesa Leia na corveta coreliana Tantive IV.

  Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

ElencoEditar

  • Felicity Jones como Jyn Erso: Uma jovem das ruas que está por conta própria desde os 15 anos de idade. Dona de grandes habilidades de luta e conhecimento sobre a Galáxia, ela é detida pela Aliança Rebelde e tem a chance de fazer algo útil. A produtora e presidente da Lucasfilm Kathleen Kennedy a compara com Joana d'Arc.
  • Diego Luna como Cassian Andor: Um homem "estável e prático, que tem muita experiência em combate". Ele sabe como é enfrentar o Império, todos os dias, de forma efetiva e inteligente.
  • Riz Ahmed como Bohdi Rook:[6] O piloto desse grupo da Aliança. Apesar de sua personalidade impulsiva e volátil, todos de sua equipe confiam em suas habilidades técnicas.
  • Ben Mendelsohn como Almirante Orson Krennic: Do lado oposto da guerra, este vilão é um ambicioso e inteligente diretor imperial que pretende usar seu esquadrão de Deathtroopers para pulverizar a Aliança e cair nas graças do Imperador - enquanto tenta evitar a ira de Darth Vader.
  • Forest Whitaker como Saw Guerrera: Com um passado conturbado, ele tenta fazer a coisa certa usando medidas extremas e questionáveis. Saw está do lado da Aliança, porém Kathleen Kennedy deixa bem claro que ele não faz parte do grupo: é um aliado independente.
  • Jonathan Aris como Senador Jebel
  • Mads Mikkelsen como Galen Erso: O pai distante de Jyn é dono de um conhecimento muito vasto, algo cobiçado tanto pela Aliança, como pelo Império.
  • Alan Tudyk como K-2SO: Um dróide completamente oposto ao C-3PO: confiante e durão, tem uma personalidade parecida com a de Chewbacca. Em busca de redenção, ele não se importa com a opinião alheia e diz sempre a verdade.
  • Spencer Wilding (corpo) e James Earl Jones (voz) como Darth Vader: Um lorde Sith impiedoso, usuário do Lado Negro da Força, comanda a galáxia e a Estrela da Morte com mão de ferro.
  • Donnie Yen como Chirrut Imwe: Um guerreiro espiritual dotado de habilidades que compensam sua cegueira. Ele não é um Jedi, mas acredita puramente na mitologia ao redor dos guardiões da Força.
  • Jiang Wen como Baze Malbus: Grande amigo de Chirrut, ele não compartilha dessas mesmas crenças, confiando sempre em suas armas. Essa dupla é comparada com Dom Quixote e Sancho Pança.
  • Genevieve O'Reilly como Mom Mothma
  • Jimmy Smits como Bail Prestor Organa
  • Ian McElhinney como General Dodonna
  • Guy Henry (ator) e Peter Cushing (computação gráfica) como Grand Moff Tarkin
  • Andy de la Tour como General Hurst Romodi
  • Antony Daniels como C-3PO
  • Carrie Fisher (voz) e Ingvild Deila como Princesa Leia Organa

ProduçãoEditar

Em 30 de outubro de 2012, a Walt Disney Pictures anunciou a aquisição da LucasFilm para o preço de de 4,05 bilhões de euros. Mais tarde, Robert Iger, CEO da Disney, anunciou que pretendia fazer três novos episódios da saga de Star Wars. Em 3 de setembro de 2013 foi anunciado que, em paralelo com o filme, vários spin-offs seriam filmados para a série e seriam centrados em determinados personagens.

Em maio de 2014, The Hollywood Reporter informou que Gareth Edwards iria dirigir o primeiro filme spin-off e que escreveria o roteiro com Gary Whitta. Após a seleção, a Lucasfilm divulgou um comunicado confirmando Edwards. Um segundo artigo do website do filme relatou que Chris Weitz foi contratado para escrever um cenário alternativo, que foi rejeitado por Whitta.

A Disney decidiu anunciar a 12 de março de 2015, informações sobre o título do filme, bem como confirmar a participação de Chris Weitz e Felicity Jones nele. Ele também informou que o enredo do filme foi baseado em uma ideia original por John Knoll, diretor de criação da Industrial Light & Magic. Ele foi eleito como produtor executivo, juntamente com Simon e Jason Emanuel McGatlin. Kathleen Kennedy e Tony To são os produtores e John Swartz, co-produtor.

Formação do elencoEditar

 
O elenco de Rogue One

Em janeiro de 2015, The Hollywood Reporter afirmou que inúmeras atrizes, incluindo Tatiana Maslany, Rooney Mara e Felicity Jones, estavam sendo testados para participar do filme. A irmã de Mara, Kate também fez testes para o papel.[7] Em fevereiro de 2015, foi anunciado que Jones estava em negociações finais para estrelar o filme, enquanto Aaron Paul e Édgar Ramírez também estavam sendo olhados para o papel principal masculino.[8] Em março de 2015, Jones foi anunciado como parte do elenco.[9] Em 25 de março, 2015, a Deadline disse que Ben Mendelsohn estava sendo observado para o papel.[10] Em 23 de abril, 2015, TheWrap disse que Sam Claflin estava sendo olhado para um papel, enquanto Riz Ahmed estava em negociações para se juntar ao filme.[11] Em 13 de maio de 2015, Mendelsohn, Ahmed e Diego Luna foram adicionados ao elenco do filme para estrelar os papéis principais.[12] Forest Whitaker foi adicionado ao elenco do filme em 15 de junho de 2015.[13] Em julho de 2015, havia rumores de que Darth Vader iria aparecer no filme, mas ele não seria o principal antagonista.[14] Em 27 de julho, 2015, Jonathan Aris foi escalado para interpretar o senador Jebel no filme.[15] Em agosto de 2015, foi relatado que o ator falecido, Peter Cushing, que interpretou Grand Moff Tarkin no Star Wars (1977) original, pode ser ressuscitado em versão digital para Rogue One. [16]

FilmagensEditar

A fotografia principal do filme começou em North London no início de agosto de 2015. [17] Algumas cenas foram filmadas em Laamu Atoll nas Maldivas, [18] como também na Islândia e Jordânia.[19] Após o lançamento do primeiro trailer, fãs usaram o Twitter para comentar que o Canary Wharf em Londres foi aparentemente utilizado para uma cena.[20][21]

O filme foi filmando utilizando lentes Ultra Panavision 70 para um número de sequências não reveladas.[22][19]

Pós-produçãoEditar

Em 11 de fevereiro de 2016, executivos da Disney declararam que o filme estava "praticamente concluído".[23] Várias semanas de reanálises começaram em meados de junho de 2016.[24] Em agosto de 2016, The Hollywood Reporter confirmou que Tony Gilroy tinha liderado as revisões, em vez de Edwards, e que Gilroy estaria responsável pela versão final do filme tanto quanto Edwards. Gilroy ficou responsável por refazer o final do filme, que não estava indo como esperado, sob a direção de Edwards. Durante o desenvolvimento do reboot de Godzilla do Edwards, Gilroy foi comissionado para fazer extensa reescritas no roteiro. Ele também esteve presente no set durante a filmagem de cenas cruciais.[25] A pós-produção terminou em 28 de novembro de 2016.[26]

MúsicaEditar

Em março de 2015, foi relatado que Alexandre Desplat, que trabalhou com Edwards em Godzilla, iria compor a música para Rogue One. [27] Apesar dos rumores de que um contrato não tinha sido inicialmente estabelecido pela Lucasfilm, Desplat tinha confirmado em uma entrevista de abril de 2016 que ele iria servir como compositor para o filme. Sobre o filme, Desplat comentou que "[Edwards e eu] tivemos uma grande parceria em Godzilla, e eu não posso esperar para começar. Será dentro de algumas semanas, e é muito emocionante e assustador ao mesmo tempo, porque é um projeto tão lendário ... Ser chamado para substituir John Williams ... é um grande desafio para mim ".[28]

No entanto, em setembro de 2016, foi anunciado que Michael Giacchino iria substituir Desplat como compositor, depois que as reorganizações do filme alteraram o cronograma de pós-produção e deixou Desplat não mais disponível. Giacchino só teve quatro semanas e meia para compor a música para o filme, começando quase imediatamente depois de terminar a produção de Doutor Estranho. Em entrevista ao Entertainment Weekly, em novembro de 2016, Giacchino afirmou: "É um filme que é, de muitas formas, um grande filme da Segunda Guerra Mundial, e eu adorei isso, mas também tem esse enorme coração no centro , e essa foi a única coisa que eu simplesmente não queria desconto. Sim, é um filme de ação, e é um filme de Star Wars, e tem todas as coisas que você esperaria e adorara nisso, mas eu não queria esquecer que também era um filme incrivelmente emocional, o que realmente me atraiu." Giacchino incorporou os temas de John Williams de filmes anteriores na partitura.[29]

A trilha sonora oficial vai ser lançada pela Walt Disney Records em 16 de dezembro de 2016.[30]

LançamentoEditar

O primeiro teaser trailer foi divulgado no dia 07 de abril no Good Morning America, que colocou o filme num dos assuntos mais comentados do Twitter ao longo do dia.[31]O trailer foi visto quase 30 milhões de vezes em suas primeiras 29 horas, com uma taxa de 800.000 visualizações por hora no Facebook e YouTube.[32] Os críticos fizeram comentários positivos sobre o teaser trailer. O The Daily Telegraph descreveu a personagem de Jyn Erso como "uma malandra, Han Solo estilo de heroína", chamando o filme de "progressista", enquanto observando sua fidelidade meticulosa ao design de produção da trilogia original de Star Wars.[33] The Hollywood Reporter também notou os acenos visuais da trilogia original e questionou qual será a possível orientação narrativa do filme, considerando que o resultado é, em certa medida já revelado na abertura de Uma Nova Esperança.[34] David Sims do The Atlantic afirmou que o trailer trouxe "de volta alguns peças memoráveis da arquitetura, AT-AT e a Estrela da Morte em si, para não mencionar os gloriosos figurino dos anos 70 de Star Wars". Ele acrescentou que o trailer tem um visual que mistura o antigo com o novo.[35]

Outro trailer lançado em outubro de 2016, que levou o Hollywood Reporter a comentar que as imagens recentemente reveladas parecia "um trailer para um filme diferente do que o anunciado anteriormente", observando que Jyn Erso parecia ser retratada como um personagem mais vulnerável, e destacando a aparência de Galen Erso como uma figura paterna protetora.[36] Vanity Fair também comentou sobre a ênfase dada ao relacionamento de Jyn com seu pai; em uma referência humorística à psicologia, observou que Rogue One, como muitos dos filmes anteriores, estava aparentemente usando "o maior recurso natural da franquia Star Wars: questões paternais".[37]

A turnê publicitária do filme começou no México em 23 de novembro de 2016.[38]

Um pacote de expansão para download será lançado para o videogame Star Wars Battlefront, intitulado Rogue One: Scarif, que permitirá aos jogadores a capacidade de jogar através de vários locais, personagens e peças do jogo de Rogue One.[39] Uma missão em realidade virtual foi ajustada também para o lançamento.[40]

Romances derivadosEditar

Um romance tie-in para o filme, Catalyst: A Rogue One Novel, foi lançado em 15 de novembro de 2016.[41] Foi escrito pelo romancista veterano de Star Wars, James Luceno, a história é definida alguns anos antes dos eventos de Rogue One e fornece uma história de fundo para o filme de 2016.[42] A novelização do filme foi escrita por Alexander Freed e está prevista para ser lançada em 16 de dezembro de 2016.[43]

RecepçãoEditar

BilheteriasEditar

Em 22 de janeiro de 2017, Rogue One arrecadou US$ 512,2 milhões nos Estados Unidos e no Canadá e US$ 449,1 milhões em outros territórios, chegando a um total mundial de US$ 1,011 bilhões, contra um orçamento de produção de US $ 200 milhões.[44]

No final de novembro de 2016, as projeções de bilheteria para os Estados Unidos e o Canadá teve o filme arrecadando US $ 100-150 milhões em seu fim de semana de abertura.[45][46] O presidente da Disney, Bob Iger, observou que a Disney e a Lucasfilm não esperavam que Rogue One chegasse ao total bruto do O Despertar da Força de US $ 2,1 bilhões, nem a abertura de US $ 248 milhões.[47] A pré-venda de ingressos para o filme começou as meio-dia de 28 de novembro de 2016 e dentro de 10 minutos o site de vendas de ingressos, Fandango saiu do ar, igual O Despertar da Força fez no ano anterior.[48] Em suas primeiras vinte e quatro horas, o filme teve a segunda maior quantidade de bilhetes vendidos na pré-venda, atrás apenas de O Despertar da Força no ano anterior.[49] Foi previsto que em todo o mundo o filme atingiria US $ 280-350 milhões em seu fim de semana de abertura.[50]

América do NorteEditar

Rogue One foi a maior pré-estreia de uma quinta-feira em 2016, arrecadando US $29 milhões em 4,157 cinemas nos Estados Unidos; o que é 51% dos US $ 57 milhões de O Despertar da Força. O filme fez US $ 71,1 milhões na sexta-feira tornando-se a sétima maior prévia de todos os tempos.[51] Rogue One é a terceira maior abertura de 2016, a décima segunda maior abertura de todos os tempos e a segunda maior abertura em dezembro, atrás apenas de Star Wars: O Despertar da Força.[52] As audiências americanas deram a Rogue One um "A" no CinemaScore e 66% do público eram homens, 34% mulheres e 39% tinha mais de 25 anos.[53] O filme arrecadou US $ 46,3 milhões no sábado (uma queda de 35% na sexta-feira) e US $155,081,681 milhões no primeiro fim de semana. Do total da estréia de Rogue One, apenas 38% vieram o filme em 3D. Uma divisão mais adicional dos números mostra que o filme trouxe $19 milhões nas 400 telas de IMAX e $ 17.9 milhões em 550 projeções em grandes formatos.[52]

Em 21 de dezembro, ele tornou-se a quarta maior bilheteira na segunda-feira e terça-feira em dezembro na região.[54] É a nona maior arrecadação de bilheteria numa terça-feira de não-abertura com $17,582,978 milhões e a décima maior semana de abertura na América do Norte com $221,998,674 milhões.[55][56] No domingo 25, Rogue One tornou-se a segunda maior bilheteria de Natal com $26,267,000, a segunda maior arrecadação de uma segunda-feira e a segunda maior que não é feriado com $31,708,000, apenas atrás de O Despertar da Força. É o sexto filme mais rápido a chegar a 300 milhões em 11 dias, a sétima maior arrecadação em oito dias e a nona maior arrecadação em 10 dias.[44]

InternacionalEditar

Na abertura internacional do filme, lucrou cerca de US $ 21 milhões no Reino Unido, US $ 12,5 milhões na Alemanha, US $ 10,8 milhões na Austrália, US $ 10 milhões na França, US $ 7,9 milhões na Rússia, US $ 5,3 milhões no Brasil, US $ 5,1 milhões no México, US $ 4,5 milhões no Espanha, 3,5 milhões de dólares na Suécia e 3,1 milhões de dólares na Itália. O próximo fim de semana não vê novas aberturas para Rogue One, que abriu em 71% do mercado internacional e ainda tem aberturas na Coreia do Sul (28 de dezembro) e na China (6 de janeiro). No total, arrecadou aproximadamente 135,5 milhões de dólares em 54 mercados, ficando apenas na posição 21 das maiores aberturas mundiais, atrás de a Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 1 com US $291 milhões.[52]

Resposta da críticaEditar

Rogue One recebeu críticas positivas dos críticos. No Rotten Tomatoes, o filme tem uma aprovação de 85% com base em 325 avaliações, e uma classificação média de 7,5/10. O consenso crítico do site diz: "Rogue One vai no fundo da mitologia de Star Wars, ao mesmo tempo em que traz novos argumentos narrativos e estéticos - e sugere um brilhante futuro para a franquia".[57] No Metacritic, que atribui uma classificação normalizada de uma nota 65 de 100, com base em 50 críticas, indicando "geralmente opiniões favoráveis".[58]

O crítico brasileiro Pablo Villaça deu quatro estrelas em cinco, apontado tropeços no roteiro e na direção mas concluiu que: "(...) maior virtude de Rogue One: sua capacidade de levar o espectador a se importar profundamente com seus personagens – e arrisco-me a dizer que será impossível rever Uma Nova Esperança (cujo título agora tem motivação precisa na última fala de seu “predecessor”) sem que nos lembremos de todo o sofrimento exigido para que Leia pudesse enviar sua mensagem desesperada para Obi-Wan Kenobi. Aliás, mais do que isso: a frustração da princesa diante da passividade individualista de Han Solo no Episódio IV passa a ser também a nossa, que dividimos com ela o conhecimento do que foi exigido em nome de uma causa que também o beneficiaria – e, portanto, se torna ainda mais reconfortante ver Han se dando conta disso e se juntando à Aliança."[59]

O crítico Eric Goldman, do IGN, deu ao filme nota 9.0 de 10, dizendo que "Rogue One é um filme feito para os fãs, mas quando o fan-service é bem feito, há pouco para reclamar e muito para adorar".[60] Peter Travers da Rolling Stone, deu ao filme 3.5 de 4 estrelas, dizendo que "este spin-off/prequela tem o mesmo espírito primitivo, vivido, emocional, tolices, momentos espetaculares que nos fizeram se apaixonar pela trilogia original".[61] /Film deu a Rogue One 8/10, escrevendo que o filme é agradável, mas não tem o peso emocional de O Despertar da Força porque "nenhum personagem no Rogue One foi fortemente atraente".[62] PopMatters escreveu: "Rogue One parece gostar de gastar tempo com um novo lote de luas e planetas que não vimos antes, se divertindo com a confusão e o clamor de assentamentos remotos onde os sentimentos anti-imperial se apodrecem. Mostra engenhosidades, as complexas manobras de jogos de espionagem, batalhas de cães e a mais extensa batalha Império versus Aliança vista desde a abertura do O Império Contra-Ataca".[63] Los Angeles Times chamou Rogue One de "em ritmo rápido, áspero e pronto para o entretenimento."[64]

O New York Times escreveu: "Todas as peças estão lá, em outras palavras, como figuras de Lego em uma caixa. O problema é que os cineastas realmente não se preocuparam em pensar em algo muito interessante para fazer com elas."[65] Richard Brody do The New Yorker chamou o filme de "lobotomizado" e "despersonalizado" e escreveu que, "não é tanto um filme mas um longa-metragem promocional para si mesmo; É um filme que ainda está à espera de ser feito."[66] O Washington Post escreveu: "Rogue One representa um exercício irrepreensível na extensão da franquia. Está bem. Vai dar certo. Por agora."[67]

Referências

  1. «'Rogue One: A Star Wars Story' Box Office» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 19 de outubro de 2017 
  2. «'Rogue One: A Star Wars Story' Box Office» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 19 de outubro de 2017 
  3. Sam Claflin negocia para interpretar um dos protagonistas de Star Wars: Rogue One
  4. «Rogue One: Uma História Star Wars (2016) - Release Info». "IMDb - Movies, TV and Celebrities". Consultado em 12 de Dezembro de 2016 
  5. https://omelete.uol.com.br/filmes/noticia/rogue-one-uma-historia-star-wars-ultrapassa-us-1-bilhao-em-bilheteria/
  6. Gonçalves, Por Aníbal. «Star Wars: Rogue One - Revelado nome do personagemde Riz Ahmed». IGN Portugal. Consultado em 21 de novembro de 2015 
  7. «Twitter scoop following @Borys_Kit STAR WARS testing story from yesterday, hearing the fourth girl who tested is Rooney's sister, Kate Mara». Twitter 
  8. «Star Wars' Stand-alone Movie to Star Felicity Jones (Exclusive)». Hollywood Reporter 
  9. «ROGUE ONE IS THE FIRST STAR WARS STAND-ALONE FILM, RIAN JOHNSON TO WRITE AND DIRECT STAR WARS: EPISODE VIII». Star Wars. 12 de março de 2015 
  10. «Ben Mendelsohn Orbiting 'Star Wars' Spinoff 'Rogue One'?». Deadline 
  11. «Sam Claflin Eyed to Star in 'Star Wars: Rogue One'; Riz Ahmed in Talks (Exclusive)». The Wrap. 23 de abril de 2015 
  12. «'Star Wars: Rogue One': Diego Luna Joins Felicity Jones in Lead Role (EXCLUSIVE)». Variety 
  13. «'Star Wars: Rogue One': Forest Whitaker Joins Standalone Film (EXCLUSIVE)». Variety. 15 de junho de 2015 
  14. «Darth Vader Will Menace The Heroes In STAR WARS ANTHOLOGY: ROGUE ONE». Birth Movies Death 
  15. «Sherlock' Actor Jonathan Aris Joins 'Star Wars: Rogue One'». slashfilm. 27 de julho de 2015 
  16. «Should Star Wars: Rogue One resurrect Peter Cushing as Tarkin?». ew.com. Consultado em 3 de Janeiro de 2016 
  17. «"Star Wars - The Force Awakens but the Storm Troopers are just chilling"». Mirror. Consultado em 3 de Janeiro de 2016 
  18. «Cast heads to Maldives for Star Wars shooting». Haveeru. Consultado em 3 de Janeiro de 2016 
  19. a b Owen Williams, Cameron Mcculloch-Keeble (23 de fevereiro de 2016). «Rogue One: A Star Wars Story - everything you need to know». Empire. Consultado em 1 de março de 2016 
  20. Stolworthy, Jacob (7 de abril de 2016). «Rogue One trailer: fans spot Canary Wharf tube station in Star Wars prequel teaser». The Independent. Consultado em 8 de abril de 2016 
  21. Gani, Aisha (7 de abril de 2016). «Star Wars: Rogue One clip apparently filmed at London tube station». The Guardian. Consultado em 8 de abril de 2016 
  22. Fischer, Russ (8 de junho de 2015). «Quentin Tarantino Helps Get 70mm Projectors in 50 Theaters for 'The Hateful Eight'». /Film. Consultado em 8 de setembro de 2015 
  23. Loughrey, Clarisse (February 11, 2016). "Star Wars: Rogue One virtually finished, Disney 'absolutely love' what they've seen"The Independent
  24. Breznican, Anthony (June 3, 2016). "What's true and false about the reshoots for Rogue One: A Star Wars Story"Entertainment Weekly.
  25. Kit, Borys (August 3, 2016). "'Rogue One' Drama: Writer Tony Gilroy Taking on More Duties"The Hollywood Reporter
  26. Leadbeater, Alex (November 30, 2016). "Star Wars: Rogue One Finishes Post-Production". ScreenRant. 
  27. "Star Wars Rogue One Composer Is Alexandre Desplat, Not John Williams"
  28. "Rogue One Bits: Mads Mikkelsen Sheds More Light on His Character, Alexandre Desplat Talks, Disneyland Releases First Merch - Page 2 of 3"/Film
  29. Breznican, Anthony (November 23, 2016). "Rogue One composer Michael Giacchino describes music of the Star Wars standalone"
  30. "Walt Disney Records to Release 'Rogue One: A Star Wars Story' Soundtrack"
  31. «O primeiro trailer de Rogue One: Uma História Star Wars». Filmow. Consultado em 7 de Abril de 2016 
  32. Anthony D'Alessandro (8 de abril de 2016). «'Rogue One' Teaser Blasts Off With Close To 30M Online Views Since Thursday Debut». Deadline.com. Consultado em 8 de abril de 2016 
  33. «Rogue One: A Star Wars Story trailer: Felicity Jones makes a roguish, Han Solo-style heroine». The Telegraph. 7 de abril de 2016. Consultado em 7 de abril de 2016 
  34. McMillan, Graeme (7 de abril de 2016). «'Rogue One' Teaser Brings Hope of a Subversive 'Star Wars' Prequel». The Hollywood Reporter. Consultado em 7 de abril de 2016 
  35. Sims, David (7 de abril de 2016). «The Star Wars Empire Rolls on With Rogue One». The Atlantic. Consultado em 7 de abril de 2016 
  36. McMillan, Graeme (October 13, 2016). "'Rogue One': How the New Trailer Looks Like It's for a Different Movie Than Before"The Hollywood Reporter
  37. Busis, Hillary (October 13, 2016). "New Rogue One Trailer Taps into Star Wars's Greatest Natural Resource"HWD
  38. "The Mystery Box is Dead: Lucasfilm Shows Fans 20 Minutes of Rogue One"Furious Fanboys
  39. «Rogue One: Scarif». EA Star Wars Games 
  40. Svensson, James (June 13, 2016). "Introducing Star Wars Battlefront: X-Wing VR Mission"PlayStation Blog
  41. Collinson, Gary (September 2, 2016). "Synopsis for Star Wars Catalyst novel offers background details on Rogue One"Flickering Myth
  42. "Rogue One Prequel Book Reveals Secret Origins of the Death Star". MovieWeb.com. 
  43. Rogue One: A Star Wars Story by Alexander Freed | PenguinRandomHouse.com.
  44. a b «Rogue One: A Star Wars Story (2016) - Box Office Mojo». www.boxofficemojo.com. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  45. D'Alessandro, Anthony (November 22, 2016). "'Rogue One' Hits Tracking With $100M-$140M; UK Tickets Available, So When Do U.S. Sales Begin?"Deadline.com
  46. McClintock, Pamela (November 22, 2016). "'Rogue One: A Star Wars Story' Tracking for Huge $130M-Plus U.S. Debut"The Hollywood Reporter.
  47. Lang, Brent (November 22, 2016). "'Star Wars: Rogue One' Not Expected to Do 'Force Awakens' Business, Disney CEO Says"Variety.
  48. "Pre-Sales For 'Rogue One' Crash Fandango's Site -- And Disney Benefits From It"Forbes.com.
  49. Lang, Brent (29 de novembro de 2016). «'Rogue One: A Star Wars Story' Has Second-Highest First Day of Ticketing Pre-Sales». Variety (em inglês) 
  50. "Earth Will Feel The Power Of The Force Again: Disney's 'Rogue One' On Course For $280M-$350M Global Opening – Preview"Deadline.com.
  51. «'Rogue One' Looks to Deliver One of the Top 15 Openings of All-Time». Box Office Mojo. Consultado em 18 de Dezembro de 2016 
  52. a b c «'Star Wars: Rogue One' Debuts With Over $290 Million Worldwide, 'Collateral Beauty' Struggles - Box Office Mojo». www.boxofficemojo.com. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  53. «Rogue One». Box Office Mojo 
  54. «Top Holiday Opening Weekends at the Box Office». www.boxofficemojo.com. Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  55. «Highest Grossing Non-Opening Tuesdays at the Box Office». www.boxofficemojo.com. Consultado em 24 de dezembro de 2016 
  56. «Biggest Opening Weeks at the Box Office». www.boxofficemojo.com. Consultado em 24 de dezembro de 2016 
  57. "Rogue One: A Star Wars Story (2016)". Rotten Tomatoes. 
  58. "Rogue One: A Star Wars Story reviews"Metacritic
  59. «Rogue One: Uma História Star Wars | Cinema em Cena». Cinema em Cena 
  60. Eric Goldman (December 13, 2016). "Rogue One: A Star Wars Story Review". IGN. 
  61. Peter Travers (December 13, 2016). "Peter Travers: 'Rogue One: A Star Wars Story' Movie Review". Rolling Stones
  62. Sciretta, Peter (December 13, 2016). "Rogue One Spoiler Free Review: Finally A Good Star Wars Prequel". [/Film /Film]. 
  63. Barsanti, Chris (December 13, 2016). "Rogue One: A Star Wars Story' Shows There's Life in Star Wars Yet... Barely"PopMatters.
  64. Chang, Justin (December 13, 2016). "'Rogue One' adds an uneven but thrilling wrinkle to the mythology of 'Star Wars'"Los Angeles Times.
  65. Scott, A. O. (December 13, 2016). "Review: 'Rogue One' Leaves 'Star Wars' Fans Wanting More and Less"
  66. Brody, Richard (December 13, 2016). ""Rogue One" Reviewed: Is it Time to Abandon the "Star Wars" Franchise?"The New Yorker. R
  67. Hornaday, Ann (December 13, 2016). "'Rogue One' doesn't offer much joy, but Star Wars fans will enjoy it anyway"The Washington Post.

Ligações externasEditar