Sebastião Rocha Leal

Sebastião Leal
Replace this image male.png
Sebastião Leal
Deputado estadual pelo Piauí
Período 1959-1971
1975-1993
Vice-governador do Piauí
Período 1971-1975
Antecessor João Clímaco d'Almeida[nota 1]
Sucessor Djalma Veloso
Dados pessoais
Nascimento 20 de janeiro de 1925
Uruçuí, PI
Morte 5 de outubro de 1993 (68 anos)
Teresina, PI
Alma mater Universidade Federal do Maranhão
Cônjuge Dulcineia Nunes Leal
Partido PSD, ARENA, PDS, PFL
Profissão odontólogo

Sebastião Rocha Leal (Uruçuí, 20 de janeiro de 1925Teresina, 5 de outubro de 1993) é um odontólogo e político brasileiro. Exerceu oito mandatos de deputado estadual pelo Piauí, onde foi eleito vice-governador em 1970.[1][2]

Dados biográficosEditar

Filho de Manoel Mendes Leal e Maria Rocha Leal. Formado em Odontologia na Universidade Federal do Maranhão, foi professor da Universidade Federal do Piauí.[2][3] Eleito deputado estadual via PSD em 1958 e 1962, ingressou na ARENA quando o Regime Militar de 1964 impôs o bipartidarismo através do Ato Institucional Número Dois[4] sendo reeleito em 1966. Frustrado em demover a indicação de Alberto Silva para governador do Piauí em 1970, Petrônio Portela articulou a escolha de Sebastião Leal como vice-governador a fim de preservar o equilíbrio de forças dentro do diretório estadual da ARENA.[nota 2][3] Secretário de Justiça nos governos de Petrônio Portela, Helvídio Nunes e Dirceu Arcoverde,[5] foi secretário interino de Governo no primeiro governo Hugo Napoleão.[nota 3]

Reconduzido ao legislativo estadual em 1974 e 1978, ingressou no PDS e a seguir do PFL durante os anos 1980 e obteve novos mandatos em 1982, 1986 e 1990.[6] Eleito presidente da Assembleia Legislativa do Piauí em 1993, faleceu no exercício do cargo e após sua morte seu legado continuou através de seu filho, Leal Júnior, eleito deputado estadual em 1994, 1998 e 2002.[1]

Seu irmão gêmeo, Raimundo Leal, foi eleito deputado estadual pelo Maranhão em 1978, 1982, 1986 e 1990.[7]

Honrarias recebidasEditar

Em sua homenagem o antigo povoado Irapuã, na microrregião de Bertolínia, foi elevado à condição de município com o nome de Sebastião Leal.[nota 4][8]

Notas

  1. A rigor tal cargo estava sem titular desde que seu ocupante sucedeu a Petrônio Portela à frente do Palácio de Karnak.
  2. Sebastião Leal foi o último vice-governador a presidir a Assembleia Legislativa do Piauí, pois a reforma constitucional de 1969 pôs fim a esse direito e desde então os próprios deputados estaduais elegem seu presidente, a começar por Bona Medeiros em 1975.
  3. A Secretaria de Interior, Justiça e Segurança Pública surgiu em 1954, foi renomeada como Secretaria de Segurança (1971) e como Secretaria de Justiça e Segurança Pública (1974) até que, em 1983, a pasta foi desmembrada em Secretaria de Justiça e Secretaria de Segurança Pública.
  4. O referido município foi criado no governo Freitas Neto por força da Lei Estadual nº 4.680 de 26 de janeiro de 1994 e instalado em 1º de janeiro de 1997.

Referências

  1. a b «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí». Consultado em 11 de março de 2016 
  2. a b SANTOS, José Lopes dos. Novo Tempo Chegou. Brasília: Senado Federal, 1983.
  3. a b SANTOS, José Lopes dos. Política e Políticos: eleições 86. v. II. Teresina: Gráfica Mendes, 1988.
  4. BRASIL. Presidência da República. «Ato Institucional Número Dois». Consultado em 16 de maio de 2019 
  5. Circular de Falcão altera visita de Ulisses ao Piauí (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 23/10/1975. Política e Governo, p. 03. Página visitada em 7 de dezembro de 2016.
  6. SANTOS, José Lopes dos. Política e Outros Temas. v. II. Teresina: Gráfica Mendes, 1991.
  7. «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão». Consultado em 16 de maio de 2019 
  8. «IBGE Cidades: Sebastião Leal». Consultado em 11 de março de 2016