Abrir menu principal

Eleições estaduais no Piauí em 1974

As eleições estaduais no Piauí em 1974 aconteceram em duas etapas conforme previa o Ato Institucional Número Três e assim a eleição indireta do governador Dirceu Arcoverde e do vice-governador Djalma Veloso foi em 3 de outubro e a escolha do senador Petrônio Portela, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais se deu em 15 de novembro sob um receituário aplicado aos 22 estados e aos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima, sendo que os piauiensess residentes no Distrito Federal escolheram seus representantes no Congresso Nacional por força da Lei n.º 6.091 de 15 de agosto de 1974.[1][2][3][4][5][6][nota 1][nota 2][nota 3]

1970 Brasil 1978
Eleições estaduais no  Piauí em 1974
3 de outubro de 1974
(Eleição indireta)
15 de novembro de 1974
(Eleição direta)


Dirceu Mendes Arcoverde, Governador do Piauí..tif
Candidato Dirceu Arcoverde


Partido ARENA


Natural de Amarante, PI


Vice Djalma Veloso
Votos 17
Porcentagem 80,95%


Brasão do Piauí.svg
Governador do Piauí

Formado em Medicina em 1949 pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Dirceu Arcoverde tinha ligações com o PSD e foi professor da Universidade Federal do Piauí antes de assumir o cargo de secretário de Saúde no governo Alberto Silva até que em 1974 foi escolhido governador pelo presidente Ernesto Geisel e chegou ao Palácio de Karnak sob a legenda da ARENA.[7][8]

Seu companheiro de chapa foi o advogado Djalma Veloso que, nascido em Valença do Piauí, formou-se pela Universidade Federal da Bahia. Membro do diretório estadual da UDN, foi eleito deputado estadual em 1954, 1958 e 1962, renovando o mandato pela ARENA em 1966 e 1970, além de ocupar o cargo de secretário de Segurança no governo Chagas Rodrigues. Eleito vice-governador do Piauí em 1974, assumiu o governo em 14 de agosto de 1978 quando Dirceu Arcoverde deixou o mandato para concorrer ao Senado Federal.[9][10]

Para senador o vitorioso foi Petrônio Portela, advogado formado em 1951 na Universidade Federal do Rio de Janeiro que derrotou seu colega de profissão, Manoel Lopes Veloso (MDB) com votação recorde. Oriundo da UDN foi eleito deputado estadual em 1954, prefeito de Teresina em 1958 e governador do Piauí em 1962 ingressando na ARENA mediante o Regime Militar de 1964 elegendo-se senador em 1966.[11][nota 4]

Resultado das eleições para governadorEditar

Em eleição realizada pelos vinte e um membros da Assembleia Legislativa do Piauí a chapa vencedora obteve cerca de 80% dos votos em escrutínio nominal levando-se em conta o número total de seus integrantes.[12]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Dirceu Arcoverde
ARENA
Djalma Veloso
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
17
80,95%
  Eleito

Resultado das eleições para senadorEditar

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral compareceram às urnas 441.238 eleitores dos quais 49.437 (11,20%) votaram em branco e 17.789 (4,03%) anularam o voto com os 374.012 votos nominais assim distribuídos:[1][2]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Petrônio Portela
ARENA
Bernardino Viana[13]
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
279.350
74,69%
Manoel Lopes Veloso
MDB
José Emílio Omatti
MDB
-
MDB (sem coligação)
94.662
25,31%
  Eleito

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[14][15]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Adalberto Correia Lima ARENA 42.031 10,25% Tauá   Ceará
Murilo Rezende ARENA 40.432 9,86% Piripiri   Piauí
Paulo Ferraz ARENA 39.905 9,73% Teresina   Piauí
Pinheiro Machado ARENA 38.130 9,30% Parnaíba   Piauí
Hugo Napoleão ARENA 38.075 9,28% Portland   Estados Unidos
João Clímaco d'Almeida ARENA 32.052 7,82% Teresina   Piauí
Dirno Pires ARENA 31.172 7,60% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Celso Barros MDB 23.199 5,66% Pastos Bons   Maranhão

Deputados estaduais eleitosEditar

Das vinte e quatro vagas em disputa a ARENA conquistou vinte.[1][2]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Ribeiro Magalhães ARENA 16.702 4,08% Piracuruca   Piauí
Francisco Figueiredo MDB 15.323 3,74% União   Piauí
Sebastião Leal ARENA 15.051 3,68% Uruçuí   Piauí
Carvalho e Silva ARENA 11.899 2,91% Teresina   Piauí
Afrânio Nunes ARENA 11.707 2,86% Amarante   Piauí
Bona Medeiros ARENA 11.472 2,80% União   Piauí
João Lobo ARENA 11.180 2,73% Floriano   Piauí
Wilson Parente ARENA 10.911 2,67% Cristino Castro   Piauí
Wilson Brandão ARENA 9.998 2,44% Pedro II   Piauí
Walmor Carvalho ARENA 9.945 2,43%
Freitas Neto ARENA 9.892 2,42% Teresina   Piauí
Roberto Raulino ARENA 9.803 2,39% Altos   Piauí
Humberto Silveira ARENA 9.441 2,31% Jaicós   Piauí
Sabino Paulo ARENA 8.836 2,16% São João do Piauí   Piauí
Barros Araújo ARENA 8.833 2,16% Picos   Piauí
José de Castro ARENA 8.513 2,08%
Joaquim Bezerra ARENA 8.294 2,03%
Waldemar Macedo ARENA 8.204 2,00% São Raimundo Nonato   Piauí
Nogueira Filho MDB 8.096 1,98% Pedro II   Piauí
Oscar Eulálio MDB 7.874 1,92% Picos   Piauí
Juarez Tapety ARENA 7.868 1,92% Oeiras   Piauí
Homero Castelo Branco ARENA 7.696 1,88% Amarante   Piauí
Carlos Augusto ARENA 7.610 1,86% Campo Maior   Piauí
Bruno dos Santos[nota 5] MDB 6.986 1,71% Conceição do Canindé   Piauí

Notas

  1. A fusão entre a Guanabara e o Rio de Janeiro a partir de 15 de março de 1975 não impediu que cada estado elegesse suas próprias bancadas ao Congresso Nacional, mas por conta disso seu governador não foi escolhido diretamente e sim nomeado pelo Governo Federal.
  2. Nos territórios federais o pleito serviu apenas para a escolha de deputados federais, não havendo eleições no Distrito Federal e em Fernando de Noronha.
  3. Originalmente a Lei n.º 6.091 não previa a eleição para deputados estaduais, algo que ocorreria anos depois.
  4. Nomeado para ocupar o Ministério da Justiça no governo João Figueiredo, Petrônio Portela foi substituído por Bernardino Viana
  5. Quando de seu nascimento o município de Conceição do Canindé era um dos povoados de Paulistana, embora na sua certidão de nascimento tenha sido registrado em Amarante.

Referências

  1. a b c «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 1º de novembro de 2013 
  2. a b c «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí». Consultado em 29 de maio de 2018 
  3. «Subsecretaria de Informações do Senado Federal: Ato Institucional Número Três». Consultado em 16 de novembro de 2013 
  4. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 6.091 de 15/08/1974». Consultado em 7 de junho de 2013 
  5. A ARENA no dia do MDB. Disponível em Veja, ed. 324 de 20/11/1974. São Paulo: Abril. Página visitada em 16 de novembro de 2013.
  6. «Acervo digital Veja». Consultado em 15 de novembro de 2013. Arquivado do original em 29 de outubro de 2013 
  7. Missão de Petrônio termina e prefere políticos (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 17/06/1974. Primeiro caderno, p. 07. Página visitada em 29 de maio de 2018.
  8. «Senado Federal do Brasil: senador Dirceu Arcoverde». Consultado em 29 de maio de 2018 
  9. SANTOS, José Lopes dos. Novo Tempo Chegou. Brasília: Senado Federal, 1983.
  10. Cinco governadores deixam cargos para disputar eleições (online). Folha de S. Paulo, 14/08/1978. Página visitada em 8 de junho de 2013.
  11. «Senado Federal do Brasil: senador Petrônio Portela». Consultado em 29 de maio de 2018 
  12. De Norte a Sul, espetáculo igual (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 04/10/1974. Geral, p. 05. Página visitada em 29 de maio de 2018.
  13. «Senado Federal do Brasil: senador Bernardino Viana». Consultado em 29 de maio de 2018 
  14. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 4 de novembro de 2014. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  15. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 4 de novembro de 2014