Abrir menu principal

Acidente nuclear de Chernobil

acidente nuclear catastrófico ocorrido na Usina Nuclear de Chernobyl
(Redirecionado de Acidente nuclear de Chernobyl)
Acidente nuclear de Chernobil
O reator nuclear após o desastre. O Reator 4 (centro). Prédio da turbina (inferior à esquerda). Reator 3 (centro-direita).
Chernobyl placement.svg
51° 23′ 23″ N, 30° 06′ 00″ L
Localização da Usina Nuclear de Chernobil, na Ucrânia.
Localização Pripyat, RSS da Ucrânia
 União Soviética
Data 26 de abril de 1986 (33 anos)
Resultado 31 mortos (diretamente)
+ 15 mortos (indiretamente, até 2011)
+ 6000 casos de câncer de tireoide[1]

Desastre de Chernobil (em ucraniano: Чорнобильська катастрофа , Chornobylska KatastrofaCatástrofe de Chernobil; também conhecido como acidente de Chernobil) foi um acidente nuclear catastrófico ocorrido entre 25 e 26 de abril de 1986 no reator nuclear nº 4 da Usina Nuclear de Chernobil, perto da cidade de Pripyat, no norte da Ucrânia Soviética, próximo da fronteira com a Bielorrússia Soviética.[2] O acidente ocorreu durante um teste de segurança ao início da madrugada que simulava uma falta de energia da estação, durante a qual os sistemas de segurança de emergência e de regulagem de energia foram intencionalmente desligados.[3] Uma combinação de falhas inerentes no projeto do reator, bem como dos operadores dos reatores que organizaram o núcleo de uma maneira contrária à lista de verificação para o teste, resultou em condições de reação descontroladas. A água superaquecida foi instantaneamente transformada em vapor, causando uma explosão de vapor destrutiva e um subsequente incêndio que jogou grafite ao ar livre[4] e produziu correntes ascendentes consideráveis ​​por cerca de nove dias.[5] O fogo foi finalmente contido em 4 de maio de 1986.[6] As plumas de produtos de fissão lançadas na atmosfera pelo incêndio precipitaram-se sobre partes da União Soviética e da Europa Ocidental. O inventário radioativo estimado que foi liberado durante a fase mais quente do incêndio foi aproximadamente igual em magnitude aos produtos de fissão aerotransportados liberados na explosão inicial.[7]

O número total de vítimas, incluindo os mortos devido ao desastre, continua a ser uma questão controversa e disputada.[8] Durante o acidente, os efeitos da explosão de vapor causaram duas mortes dentro da instalação: uma imediatamente após a explosão e a por uma dose letal de radiação. Nos próximos dias e semanas, 134 militares foram hospitalizados com síndrome aguda da radiação (SAR), dos quais 28 bombeiros e funcionários morreram em meses.[9] Além disso, cerca de quatorze mortes por câncer induzido por radiação entre esse grupo de 134 sobreviventes ocorreram nos dez anos seguintes.[10] Entre a população em geral, um excedente de 15 mortes infantis por câncer de tireoide foi documentado em 2011.[11][12] Levará mais tempo e pesquisa para determinar definitivamente o risco relativo elevado de câncer entre os funcionários sobreviventes, aqueles que foram hospitalizados inicialmente com SAR e a população em geral.[13]

A catástrofe de Chernobil é considerada o acidente nuclear mais desastroso da história, tanto em termos de custo quanto de baixas. É um dos dois únicos acidentes de energia nuclear classificados como um evento de nível 7 (a classificação máxima) na Escala Internacional de Acidentes Nucleares, sendo o outro o acidente nuclear de Fukushima I, no Japão, em 2011.[14] A luta para salvaguardar cenários com potencial para uma catástrofe maior,[15] juntamente com os esforços posteriores de descontaminação do entorno da usina, envolveu mais de 500 000 trabalhadores (denominados liquidadores) e custou cerca de 18 bilhões de rublos soviéticos.[16]

Os restos do prédio do reator número 4 foram colocados em uma grande cobertura chamada "Estrutura de Abrigo", mas conhecida como "sarcófago". O objetivo da estrutura era reduzir a dispersão dos restos de poeira e detritos radioativos dos destroços, limitando assim a contaminação radioativa e a proteção do local contra intempéries. O sarcófago foi concluído em dezembro de 1986, numa época em que o que restava do reator estava entrando na fase de desligamento a frio. O invólucro não foi planejado para ser usado como um escudo de radiação, mas foi construído rapidamente como segurança ocupacional para os funcionários dos outros reatores não danificados na usina, com o nº 3, que continuou a produzir eletricidade até o ano de 2000.[17][18] Uma equipe internacional incluiu o prédio número 4 do reator e o sarcófago original em um novo e maior revestimento de última geração em 2017. O acidente motivou a melhoria da segurança em todos os reatores RBMK projetados pela União Soviética, o mesmo tipo de Chernobyl, dos quais dez continuavam a alimentar redes elétricas em 2019.[19][20]

Índice

O acidente

 
Fotografia tirada a partir de helicóptero um dia após a explosão.

O desastre começou durante um teste em 26 de abril de 1986 no reator 4[21] da Usina Nuclear V. I. Lenin,[22] perto de Pripyat e nas proximidades da fronteira administrativa com a Bielorrússia e o rio Dnieper. Houve uma onda repentina e inesperada de energia. Quando os operadores tentaram um desligamento de emergência, ocorreu um aumento muito maior na produção de energia. Este segundo pico levou a uma ruptura do vaso do reator e a uma série de explosões de vapor. Esses eventos expuseram o moderador de grafite do reator ao ar, fazendo com que ele se inflamasse.[21] Na semana seguinte, o incêndio resultante enviou longas plumas de pó altamente radioativo para a atmosfera, causando a precipitação radioativa em uma extensa área geográfica, incluindo o Pripyat. As plumas percorriam grandes partes da União Soviética e da Europa. De acordo com dados oficiais pós-soviéticos, cerca de 60% delas atingiram a Bielorrússia.[23][24]

Trinta e seis horas após o acidente, as autoridades soviéticas estabeleceram uma zona de exclusão de 10 quilômetros, que resultou na rápida evacuação de 49 mil pessoas, principalmente de Pripyat, o centro populacional mais próximo.[25] Durante o acidente o vento mudou de direção; o fato de as diferentes plumas do reator terem diferentes proporções de radioisótopos nelas indica que as taxas relativas de liberação de diferentes elementos do local estavam mudando.[26]

As plumas e a precipitação subsequente continuaram a ser geradas, a zona de evacuação foi aumentada de 10 km para 30 km cerca de uma semana após o acidente. Outras 68 mil pessoas foram evacuadas, inclusive da própria cidade de Chernobil.[25] O levantamento e a detecção de pontos isolados de precipitação fora desta zona ao longo do ano resultaram na evacuação de outras 135 mil pessoas.[25] Os anos entre 1986 e 2000 viram a quase triplicação no número total de pessoas permanentemente reassentadas das áreas mais severamente contaminadas para aproximadamente 350 mil indivíduos.[27][28]

O acidente levantou as já crescentes preocupações sobre os reatores de fissão em todo o mundo e, embora a maior preocupação fosse a dos mesmos projetos, centenas de propostas diferentes de reatores nucleares, incluindo aquelas em construção em Chernobil, os reatores 5 e 6, foram canceladas. Com a questão mundial sendo em grande parte devido ao aumento dos custos dos novos padrões de segurança dos reatores nucleares e aos custos legais e políticos em lidar com a opinião pública cada vez mais hostil e ansiosa, houve uma queda abrupta na taxa de novas inaugurações depois de 1986.[29]

O acidente também levantou preocupações sobre a cultura de segurança na energia nuclear soviética, desacelerando o crescimento da indústria e forçando o governo soviético a se tornar menos sigiloso sobre seus procedimentos.[30] O encobrimento do desastre de Chernobil foi um catalisador para a glasnost, que "pavimentou o caminho para as reformas que levaram ao colapso soviético".[31]

Cronologia

 
O reator 4 após o incêndio ter sido controlado.

Dia 25 de abril de 1986, o reator da Unidade 4 estava programado para ser desligado para manutenção de rotina. Foi decidido usar esta oportunidade para testar a capacidade do gerador do reator para gerar energia suficiente para manter seus sistemas de segurança (em particular, as bombas de água) no caso de perda do suprimento externo de energia. Reatores como o de Chernobil têm um par de geradores diesel disponível como reserva, mas eles não são ativados instantaneamente – o reator é portanto usado para partir a turbina, a um certo ponto a turbina seria desconectada do reator e deixada a rodar sob a força de sua inércia rotacional, e o objetivo do teste era determinar se as turbinas, na sua fase de queda de rotação, poderiam alimentar as bombas enquanto o gerador estivesse partindo. O teste foi realizado com sucesso previamente em outra unidade (com as medidas de proteção ativas) e o resultado foi negativo (isto é, as turbinas não geravam suficiente energia, na fase de queda de rotação, para alimentar as bombas), mas melhorias adicionais foram feitas nas turbinas, o que levou à necessidade de repetir os testes.[carece de fontes?]

A potência de saída do reator 4 devia ser reduzida de sua capacidade nominal de 3,2 GW para 700 MW a fim de realizar o teste com baixa potência, mais segura. Porém, devido à demora em começar a experiência, os operadores do reator reduziram a geração muito rapidamente, e a saída real foi de somente 30 MW. Como resultado, a concentração de nêutrons absorvendo o produto da fissão, xenon-135, aumentou (este produto é tipicamente consumido num reator em baixa carga). Embora a escala de queda de potência estivesse próxima ao máximo permitido pelos regulamentos de segurança, a gerência dos operadores decidiu não desligar o reator e continuar o teste. Ademais, foi decidido abreviar o experimento e aumentar a potência para apenas 200 MW. A fim de superar a absorção de neutrons do excesso de xenon-135, as hastes de controle foram puxadas para fora do reator mais rapidamente que o permitido pelos regulamentos de segurança. Como parte do experimento, à 1:05 de 26 de abril, as bombas que foram alimentadas pelo gerador da turbina foram ligadas; o fluxo de água gerado por essa ação excedeu o especificado pelos regulamentos de segurança. O fluxo de água aumentou a 1:19 – uma vez que a água também absorve nêutrons. Este adicional incremento no fluxo de água requeria a remoção manual das hastes de controle, produzindo uma condição de operação altamente instável e perigosa.[carece de fontes?]

 
Reator n.º 4 após o incêndio ter sido controlado.
 
Um helicóptero pulveriza um líquido de descontaminação perto do reator de Chernobil em 1986.
 
Monumentos aos liquidadores de Chernobil na Ucrânia.

À 1:23, o teste começou. A situação instável do reator não se refletia, de nenhuma maneira, no painel de controle, e não parece que algum dos operadores estivesse totalmente consciente do perigo. A energia para as bombas de água foi cortada, e como elas foram conduzidas pela inércia do gerador da turbina, o fluxo de água decresceu. A turbina foi desconectada do reator, aumentando o nível de vapor no núcleo do reator. À medida que o líquido resfriador aquecia, bolsas de vapor se formavam nas linhas de resfriamento. O projeto peculiar do reator moderado a grafite RBMK em Chernobil tem um grande coeficiente de vazio positivo, o que significa que a potência do reator aumenta rapidamente na ausência da absorção de nêutrons da água, e nesse caso a operação do reator torna-se progressivamente menos estável e mais perigosa.[carece de fontes?]

À 1:23:40, os operadores pressionaram o botão AZ-5 (Defesa Rápida de Emergência 5) que ordenou uma inserção total de todas as hastes de controle, incluindo as hastes de controle manual que previamente haviam sido retiradas sem cautela. Não está claro se isso foi feito como medida de emergência, ou como uma simples método de rotina para desligar totalmente o reator após a conclusão do experimento (o reator estava programado para ser desligado para manutenção de rotina). É usualmente sugerido que a parada total foi ordenada como resposta à inesperada subida rápida de potência. Por outro lado Anatoly Dyatlov, engenheiro chefe da usina Nuclear de Chernobil na época do acidente, escreveu em seu livro:[carece de fontes?]

Antes de 01:23, os sistemas do controle central... não registravam nenhuma mudança de parâmetros que pudessem justificar a parada total. A Comissão...juntou e analisou grande quantidade de material, e declarou em seu relatório que falhou em determinar a razão pela qual a parada total foi ordenada. Não havia necessidade de procurar pela razão. O reator simplesmente foi desligado após a conclusão do experimento.

Devido à baixa velocidade do mecanismo de inserção das hastes de controle (20 segundos para completar), as partes ocas das hastes e o deslocamento temporário do resfriador, a parada total provocou o aumento da velocidade da reação. O aumento da energia de saída causou a deformação dos canais das hastes de controle. As hastes travaram após serem inseridas somente um terço do caminho, e foram portanto incapazes de conter a reação. Por volta de 1:23:47, o a potência do reator aumentou para cerca de 30GW, dez vezes a potência normal de saída (3,2GW). As hastes de combustível começaram a derreter e a pressão de vapor rapidamente aumentou causando uma grande explosão de vapor, deslocando e destruindo a cobertura do reator, rompendo os tubos de resfriamento e então abrindo um buraco no teto.[4]

Para reduzir custos, e devido a seu grande tamanho, o reator foi construído com somente contenção parcial. Isto permitiu que os contaminantes radioativos escapassem para a atmosfera depois que a explosão de vapor queimou os vasos de pressão primários. Depois que parte do teto explodiu, a entrada de oxigênio – combinada com a temperatura extremamente alta do combustível do reator e do grafite moderador – produziu um incêndio da grafite. Este incêndio contribuiu para espalhar o material radioativo e contaminar as áreas vizinhas.[carece de fontes?]

Há alguma controvérsia sobre a exata sequência de eventos após 1:22:30 (hora local) devido a inconsistências entre declaração das testemunhas e os registros da central. A versão mais comumente aceita é descrita a seguir. De acordo a esta teoria, a primeira explosão aconteceu aproximadamente à 1:23:47, sete segundos após o operador ordenar a parada total. É algumas vezes afirmado que a explosão aconteceu antes ou imediatamente em seguida à parada total (esta é a versão do Comitê Soviético que estudou o acidente). Esta distinção é importante porque, se o reator tornou-se crítico vários segundos após a ordem de parada total, esta falha seria atribuída ao projeto das hastes de controle, enquanto a explosão simultânea à ordem de parada total seria atribuída à ação dos operadores. De fato, um fraco evento sísmico foi registrado na área de Chernobil à 1:23:39. Este evento poderia ter sido causado pela explosão ou poderia ser coincidente. A situação é complicada pelo fato de que o botão de parada total foi pressionado mais de uma vez, e a pessoa que o pressionou morreu duas semanas após o acidente, envenenada pela radiação.[carece de fontes?]

Causas

Relatório INSAG-1 (1986)

 
Reator n.º 1 da Usina de Chernobil.

A primeira explicação oficial do acidente, mais tarde considerada errônea, foi publicada em agosto de 1986. Colocou efetivamente a culpa nos operadores das usinas elétricas. Para investigar as causas do acidente, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) criou um grupo conhecido como Grupo Consultivo de Segurança Nuclear Internacional (INSAG), que no seu relatório de 1986, INSAG-1, também apoiou esta visão, com base nos dados fornecidos pelos soviéticos e as declarações orais de especialistas.[32] Nesta visão, o acidente catastrófico foi causado por graves violações das regras e regulamentos operacionais. "Durante a preparação e teste do gerador de turbina sob condições de funcionamento usando a carga auxiliar, os funcionários desconectaram uma série de sistemas de proteção técnica e violaram as disposições mais importantes de segurança operacional para a realização de um exercício técnico."[33]:311

Relatório INSAG-7 (1992)

 
Dr. Hans Blix, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), durante visita na área de Chernobil em maio de 1988.

A Ucrânia desclassificou vários documentos da KGB do período entre 1971 e 1988 relacionados com a fábrica de Chernobil, mencionando, por exemplo, relatos anteriores de danos estruturais causados ​​por negligência durante a construção da fábrica (como a divisão de camadas de concreto) que nunca foram postas em prática. Eles documentaram mais de 29 situações de emergência na fábrica durante este período, 8 das quais foram causadas por negligência ou pouca competência por parte do pessoal.[34]

Em 1991, uma Comissão do Comitê Estadual da URSS para a Supervisão da Segurança na Indústria e da Energia Nuclear reavaliou as causas e as circunstâncias do acidente de Chernobil e chegou a novas perspectivas e conclusões. Com base nisso, em 1992 o Grupo Consultivo de Segurança Nuclear da AIEA (INSAG) publicou um relatório adicional, INSAG-7,[35] que revisou "aquela parte do relatório INSAG-1 em que a atenção primária é dada às razões do acidente" e foi incluído o relatório da Comissão de Estado da URSS como Apêndice I.[35]

Segundo o relatório INSAG-7, as principais razões do acidente estão nas peculiaridades da física e na construção do reator. Existem duas razões:[35]:18

  • O reator tinha um fração de vazio positivo perigosamente alto. Dito de forma simples, isto significa que se bolhas de vapor se formam na água de resfriamento, a reação nuclear se acelera, levando à sobrevelocidade se não houver intervenção. Pior, com carga baixa, este coeficiente a vazio não era compensado por outros fatores, os quais tornavam o reator instável e perigoso. Os operadores não tinham conhecimento deste perigo e isto não era intuitivo para um operador não treinado.
  • Um defeito mais significativo do reator era o projeto das hastes de controle. Num reator nuclear, hastes de controle são inseridas no reator para diminuir a reação. Entretanto, no projeto do reator RBMK, as pontas das hastes de controle eram feitas de grafite e os extensores (as áreas finais das hastes de controle acima das pontas, medindo um metro de comprimento) eram ocas e cheias de água, enquanto o resto da haste - a parte realmente funcional que absorve os nêutrons e portanto pára a reação - era feita de carbono-boro. Com este projeto, quando as hastes eram inseridas no reator, as pontas de grafite deslocavam uma quantidade do resfriador (água). Isto aumenta a taxa de fissão nuclear, uma vez que o grafite é um moderador de nêutrons mais potente. Então nos primeiros segundos após a ativação das hastes de controle, a potência do reator aumenta, em vez de diminuir, como desejado. Este comportamento do equipamento não é intuitivo (ao contrário, o esperado seria que a potência começasse a baixar imediatamente), e, principalmente, não era de conhecimento dos operadores.

Impacto

Ambiental

 
Avanço da radiação após o acidente
 
Imagem de satélite da usina e da área circundante, que inclui a lagoa de resfriamento dos reatores.

Embora não se possam fazer comparações informativas entre o acidente e uma detonação nuclear estritamente explodida por ar, ainda se tem aproximado que cerca de quatrocentas vezes mais material radioativo foi liberado de Chernobil do que pelo bombardeio atômico de Hiroshima e Nagasaki, no Japão, durante a Segunda Guerra Mundial. Em contraste, o acidente de Chernobil liberou cerca de um centésimo a um milésimo da quantidade total de radioatividade liberada durante a era dos testes de armas nucleares no auge da Guerra Fria, entre os anos de 1950 e 1960, com a variação de 1/100 a 1/1000 devido a tentativas de fazer comparações com diferentes espectros de isótopos liberados.[36] Aproximadamente 100 000 km² de terra foram significativamente contaminados com cinza nuclear, sendo as regiões mais atingidas na Bielorrússia, Ucrânia e Rússia.[37] Níveis menores de contaminação foram detectados em toda a Europa, exceto na Península Ibérica.[38][39][40]

A evidência inicial de que uma grande liberação de material radioativo estava afetando outros países não vinha de fontes soviéticas, mas da Suécia. Na manhã de 28 de abril,[41] trabalhadores da Usina Nuclear de Forsmark (aproximadamente 1100 km (680 mi) do local de Chernobil) tiveram partículas radioativas em suas roupas.[42] Foi a busca da Suécia pela fonte de radioatividade, depois de terem determinado que não havia vazamento na fábrica sueca, que ao meio-dia de 28 de abril levou ao primeiro indício de um grave problema nuclear na União Soviética ocidental. Assim, a evacuação de Pripyat em 27 de abril, 36 horas após as explosões iniciais, foi silenciosamente concluída antes que o desastre se tornasse conhecido fora da União Soviética. O aumento dos níveis de radiação já havia sido medido na Finlândia, mas uma greve no serviço público atrasou a resposta e a publicação.[43]

A contaminação do acidente de Chernobil foi espalhada irregularmente, dependendo das condições meteorológicas. Muito material radioativo depositou-se em regiões montanhosas como os Alpes, as montanhas galesas e as Terras Altas da Escócia, onde o resfriamento adiabático causou chuvas radioativas. As manchas resultantes de contaminação eram frequentemente localizadas e os fluxos de água no solo contribuíam ainda mais para grandes variações na radioatividade em pequenas áreas. A Suécia e a Noruega também sofreram uma forte precipitação quando o ar contaminado colidiu com uma frente fria, o que provocou chuva.[44]:43–44, 78

Como muitas outras liberações de radioatividade no ambiente, a liberação de Chernobil foi controlada pelas propriedades físicas e químicas dos elementos radioativos no núcleo. Particularmente perigosos são os produtos de fissão altamente radioativos, aqueles com altas taxas de decaimento nuclear que se acumulam na cadeia alimentar, como alguns dos isótopos de iodo, césio e estrôncio. O iodo-131 e o césio-137 são responsáveis pela maior parte da exposição à radiação recebida pela população em geral.[15]

 
Após o desastre, quatro quilômetros quadrados de floresta de pinheiros, diretamente na direção do reator, ficaram marrom-avermelhados e morreram, ganhando o nome de "Floresta Vermelha", embora as plantas tenham logo se recuperado.[45]
 
Leitão com dipigo em exibição no Museu Nacional Ucraniano de Chornobil.

A usina nuclear de Chernobil está localizada ao lado do rio Pripyat, que alimenta o sistema de reservatórios de Dnieper, um dos maiores sistemas de águas superficiais da Europa, que na época abastecia os 2,4 milhões de habitantes de Kiev e ainda estava inundado quando o acidente ocorreu.[46]:60 A contaminação radioativa dos sistemas aquáticos, portanto, tornou-se um grande problema imediatamente após o acidente.[47] Nas áreas mais afetadas da Ucrânia, os níveis de radioatividade (particularmente dos radionuclídeos 131I, 137Cs e 90Sr) na água potável causaram preocupação durante as semanas e meses após o acidente,[47] embora oficialmente tenha sido declarado que todos os contaminantes haviam se estabelecido no local fundo "em uma fase insolúvel" e que não se dissolveria por 800-1000 anos.[46]:64 Diretrizes para níveis de radioiodo na água potável foram temporariamente aumentadas para 3700 Bq/L, permitindo que a maioria da água fosse relatada como segura,[47] e um ano após o acidente foi anunciado que até mesmo a água da lagoa de resfriamento da usina de Chernobil estava dentro das normas aceitáveis. Apesar disso, dois meses após o desastre, o abastecimento de água de Kiev foi mudado abruptamente do rio Dnieper para o rio Desna.[46]:64–65 Enquanto isso, enormes armadilhas de sedimentos foram construídas, juntamente com uma enorme barreira subterrânea de 30 m de profundidade do reator destruído que entra no rio Pripyat.[46]:65–67

A bioacumulação de radioatividade em peixes[48] resultou em concentrações (tanto na Europa Ocidental quanto na antiga União Soviética) que, em muitos casos, estavam significativamente acima dos níveis máximos de orientação para consumo.[47] Os níveis máximos de orientação para o radiocaísio nos peixes variam de país para país, mas são aproximadamente 1000 Bq/kg na União Europeia.[49] No reservatório de Kiev, na Ucrânia, as concentrações nos peixes eram vários milhares de Bq/kg durante os anos após o acidente.[48]

Em pequenos lagos "fechados" na Bielorrússia e na região de Bryansk na Rússia, as concentrações em várias espécies de peixes variaram de 100 a 60 000 Bq / kg durante o período 1990-92.[50] A contaminação dos peixes também causou preocupação de curto prazo em partes do Reino Unido e da Alemanha e a longo prazo (anos em vez de meses) nas áreas afetadas da Ucrânia, Bielorrússia e Rússia, bem como em partes da Escandinávia.[47]

Após o desastre, quatro quilômetros quadrados de floresta de pinheiros, diretamente na direção do reator, tornaram-se marrom-avermelhados e morreram, ganhando o nome de "Floresta Vermelha".[45] Alguns animais nas áreas mais atingidas também morreram ou pararam de se reproduzir. A maioria dos animais domésticos foi removida da zona de exclusão, mas os cavalos deixados em uma ilha no rio Pripyat, a 6 km da usina, morreram quando suas glândulas tiroides foram destruídas por doses de radiação de 150-200 Sv.[51] Alguns gados na mesma ilha morreram e aqueles que sobreviveram sofreram de raquitismo por causa dos danos da tireóide. A geração seguinte parecia normal.[51]

Esperava-se que os efeitos posteriores de Chernobil fossem vistos por mais 100 anos, embora a gravidade dos efeitos diminuísse nesse período.[52] Os cientistas relatam que isso se deve aos isótopos de césio-137 radioativos sendo absorvidos por fungos como o Cortinarius caperatus, que por sua vez é comido por ovelhas enquanto pastam.[53] Um robô enviado para o reator retornou com amostras de fungos radiotróficos negros, ricos em melanina, que crescem nas paredes do reator.[54]

Humano

 
Reservista soviético durante as atividades de descontaminação.
 
Em 1990, crianças de áreas contaminadas por radiação foram ao exterior para tratamento médico após convites de governos estrangeiros.

Após o acidente, 237 pessoas sofreram de síndrome aguda da radiação (SAR), das quais 31 morreram nos primeiros três meses.[55][56] Em 2005, o Fórum de Chernobil, composto pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), outras organizações das Nações Unidas e os governos da Bielorrússia, Rússia e Ucrânia, publicou um relatório sobre as consequências radiológicas ambientais e para a saúde do acidente de Chernobil.[57]

Sobre o número de mortos do acidente, o relatório afirma que 28 trabalhadores de emergência ("liquidadores") morreram de síndrome de radiação aguda, incluindo queimaduras beta, e 15 pacientes morreram de câncer de tireoide nos anos seguintes. No entanto, estima-se que cerca de 4 000 entre os 5 milhões de pessoas que residem nas áreas contaminadas possam ter desenvolvido câncer por conta do acidente. O relatório projeta a mortalidade por câncer "aumentar de menos de um por cento" (~ 0,3%) em um período de 80 anos, alertando que essa estimativa é "especulativa", já que apenas algumas mortes por câncer estão ligadas ao desastre de Chernobyil.[58]

De todos os 66 000 trabalhadores de emergência bielorrussos, em meados dos anos 1990, apenas 150 (cerca de 0,2%) foram notificados pelo seu governo como tendo morrido. Em contraste, 5722 vítimas foram relatadas entre os trabalhadores de limpeza ucranianos até o ano de 1995, pelo Comitê Nacional de Proteção Radiológica da População Ucraniana.[37][59]

Os quatro radionuclídeos mais nocivos disseminados a partir de Chernobyl foram iodo-131, césio-134, césio-137 e estrôncio-90, com meias-vidas de 8,02 dias, 2,07 anos, 30,2 anos e 28,8 anos, respectivamente.[60]:8 O iodo foi inicialmente visto com menos alarme do que os outros isótopos, devido à sua curta meia-vida, mas é altamente volátil e pode ter viajado mais longe e causado os mais graves problemas de saúde a curto prazo.[37]:24 O estrôncio, por outro lado, é o menos volátil dos quatro, e de maior preocupação nas áreas próximas a Chernobil.[60]:8 O iodo tende a se concentrar nas glândulas tireoide e do mamária, levando, entre outras coisas, ao aumento da incidência de cânceres de tireoide. O césio tende a se acumular em órgãos vitais, como o coração,[61]:133 enquanto o estrôncio se acumula nos ossos e pode ser um risco para a medula óssea e os linfócitos.[60]:8 A radiação é mais danosa para as células que estão ativamente se dividindo. Nos mamíferos adultos, a divisão celular é lenta, exceto nos folículos capilares, na pele, na medula óssea e no trato gastrointestinal e é por isso que o vômito e a queda de cabelo são sintomas comuns da síndrome da radiação aguda.[62]:42

 
Parque de diversão abandonado na cidade abandonada de Pripyat.
 
Vila abandonada nos arredores do acidente

No ano 2000, o número de ucranianos que alegavam ser "sofredores" de radiação (poterpili) e recebiam benefícios estatais havia saltado para 3,5 milhões, ou 5% da população. Muitos destes são populações reassentadas de zonas contaminadas ou ex-trabalhadores de fábricas de Chernobil.[63]:4–5 De acordo com órgãos científicos afiliados à AIEA, esses aparentes aumentos de problemas de saúde resultam em parte de tensões econômicas nesses países e problemas de saúde e nutrição; além disso, eles sugerem que o aumento da vigilância médica após o acidente significou que muitos casos que anteriormente passaram despercebidos (especialmente de câncer) estão sendo registrados.[37]

A Organização Mundial de Saúde afirma que "as crianças concebidas antes ou depois da exposição do pai não apresentaram diferenças estatisticamente significativas nas frequências de mutação".[64] Esse aumento estatisticamente insignificante também foi observado por pesquisadores independentes que analisaram os filhos dos liquidadores de Chernobil.[65]

Um relatório da AIEA examina as consequências ambientais do acidente.[24] O Comitê Científico das Nações Unidas sobre os Efeitos da Radiação Atômica estimou uma dose coletiva global de exposição à radiação do acidente "equivalente, em média, a 21 dias adicionais de exposição mundial à radiação de fundo natural"; as doses individuais eram muito mais altas que a média global entre as mais expostas, incluindo 530 000 trabalhadores da descontaminação, principalmente do sexo masculino (os liquidadores de Chernobil), que calculavam uma dose efetiva equivalente a 50 anos extras de exposição à radiação natural.[66][67][68]

Em 2004, o Fórum de Chernobil revelou que o câncer de tireoide entre as crianças é um dos principais impactos do desastre sobre a saúde. Isso se deve à ingestão de produtos lácteos contaminados, juntamente com a inalação do isótopo altamente radioativo de vida curta, o iodo-131. Nessa publicação, mais de 4000 casos de câncer de tireoide infantil foram relatados. É importante notar que não houve evidência de aumento de cânceres sólidos ou de leucemia. O documento afirma que houve um aumento nos problemas psicológicos entre a população afetada.[58] O Programa de Radiação da OMS relatou que os 4000 casos de câncer de tireoide resultaram em nove mortes.[12]

Segundo o Comitê Científico das Nações Unidas sobre os Efeitos da Radiação Atômica, até o ano de 2005, um excesso de mais de 6000 casos de câncer de tireoide foi relatado. Ou seja, acima da estimativa do índice basal de câncer de tireoide pré-acidente, mais de 6000 casos casuais de câncer de tireoide foram relatados em crianças e adolescentes expostos no momento do acidente, número que deve aumentar. Eles concluíram que não há outras evidências de impactos importantes na saúde decorrentes da exposição à radiação.[69]

Fred Mettler, um especialista em radiação da Universidade do Novo México, coloca o número de mortes por câncer em todo o mundo fora da zona altamente contaminada em "talvez" 5000, para um total de 9000 cânceres fatais associados a Chernobil, dizendo que "o número é pequeno (representando uma pequena porcentagem) em relação ao risco espontâneo normal de câncer, mas os números são grandes em termos absolutos".[70] O mesmo relatório delineou estudos baseados em dados encontrados no Registro Russo de 1991 a 1998, que sugeriram que "de 61 000 trabalhadores russos expostos a uma dose média de 107 mSv, cerca de 5% de todas as fatalidades ocorridas podem ter sido decorrentes da exposição à radiação".[58]

Político, econômico e social

 
Prédios abandonados em Chernobil.
 
Dmitry Medvedev e Viktor Yanukovych colocam coroas de flores em um memorial às vítimas do desastre.

É difícil estabelecer o custo econômico total do desastre. Segundo Mikhail Gorbachev, a União Soviética gastou 18 bilhões de rublos soviéticos (o equivalente a 18 bilhões de dólares na época, ou 41,1 bilhões de dólares em valores atuais) no processo de confinamento e descontaminação, o que praticamente faliu o país.[16] Em 2005, o custo total em 30 anos somente para a Bielorrússia foi estimado em 235 bilhões de dólares, ou cerca de 301 bilhões em dólares de hoje, dadas as taxas de inflação.[58]

Os custos contínuos são bem conhecidos; em seu relatório de 2003-2005, o Fórum de Chernobil afirmou que entre 5% e 7% dos gastos do governo na Ucrânia ainda estão relacionados a Chernobil, enquanto na Bielorrússia estima-se que mais de 13 bilhões foram gastos entre 1991 e 2003, com 22% o orçamento nacional direcionado aos efeitos do desastre em 1991, caindo para 6% em 2002.[58] Em 2018, a Ucrânia gastou 5-7% do seu orçamento nacional em atividades de recuperação relacionadas ao acidente nuclear.[71] A perda econômica global é estimada em 235 bilhões de dólares na Bielorrússia.[71] Grande parte do custo atual está relacionado ao pagamento de benefícios sociais relacionados a Chernobil para cerca de 7 milhões de pessoas nos três países.[58]

Um impacto econômico significativo na época foi a remoção de 784 320 hectares de terras agrícolas e 694 200 hectares de florestas. Embora grande parte desta tenha sido devolvida ao uso, os custos de produção agrícola aumentaram devido à necessidade de técnicas especiais de cultivo, fertilizantes e aditivos.[58]

Politicamente, o acidente deu grande significado à nova política soviética de glasnost[72][73] e ajudou a forjar relações soviético-americanas mais próximas no final da Guerra Fria, através da cooperação biocientífica.[63]:44–48 O desastre também se tornou um fator chave na eventual dissolução da União Soviética em 1991 e uma grande influência na formação da nova Europa Oriental.[63]:20–21

Tanto a Ucrânia quanto a Bielorrússia, em seus primeiros meses de independência, reduziram os limiares legais de radiação dos limiares anteriores elevados pela União Soviética (de 35 rems por vida ao longo da URSS para 7 rems por vida na Ucrânia e 0,1 rems por ano na Bielorrússia).[74]:46–47, 119–124

Consequências

Desativação da usina

Após o acidente, surgiram dúvidas sobre o futuro da usina e seu eventual destino. Todo o trabalho nos reatores inacabados 5 e 6 foi interrompido três anos depois. No entanto, o problema na usina de Chernobil não terminou com o desastre no reator 4. O reator danificado foi vedado e 200 metros cúbicos de concreto foram colocados entre o local do desastre e nos prédios operacionais. O trabalho foi administrado por Grigoriy Mihaylovich Naginskiy, o engenheiro-chefe adjunto da Diretoria de Instalação e Construção. O governo ucraniano continuou a deixar os três reatores restantes operar por causa de uma escassez de energia no país.[75]

Em outubro de 1991, no entanto, um incêndio ocorreu no prédio da turbina do reator 2;[75] as autoridades posteriormente declararam que o reator estava danificado e ele foi desligado. O reator 1 foi desativado em novembro de 1996 como parte de um acordo entre o governo ucraniano e organizações internacionais, como a AIEA, para encerrar as operações na usina. Em 15 de dezembro de 2000, o então presidente Leonid Kuchma desligou pessoalmente o reator 3 em uma cerimônia oficial, fechando todo o local.[76]

Confinamento

 
Nova estrutura criada para confinar o reator 4 e inaugurada em 2016.

Logo após o acidente, o prédio do reator foi rapidamente envolto por um gigantesco sarcófago de concreto em uma notável façanha de construção sob severas condições. Operadores de guindaste trabalhavam cegamente de dentro de cabines revestidas de chumbo, recebendo instruções de observadores de rádio distantes, enquanto pedaços gigantescos de concreto eram movidos para o local em veículos feitos sob medida. O propósito do sarcófago era impedir qualquer nova liberação de partículas radioativas na atmosfera, mitigar os danos caso o núcleo fosse crítico e explodisse, além de fornecer segurança para as operações continuadas dos reatores adjacentes 1, 2 e 3.[18]

O sarcófago de concreto nunca teve a intenção de durar muito tempo, com uma duração de apenas 30 anos. Em 12 de fevereiro de 2013, uma seção de 600 m² do telhado do prédio da turbina colapsou, adjacente ao sarcófago, causando uma nova liberação de radioatividade e a evacuação temporária da área. Inicialmente, assumiu-se que o telhado desmoronou devido ao peso da neve, mas a quantidade de neve não foi excepcional e o relatório de um painel ucraniano de averiguação concluiu que o colapso foi o resultado de trabalhos de reparação desleixados e do envelhecimento da estrutura. Especialistas advertiram que o próprio sarcófago estava à beira do colapso.[77][78]

Em 1997, o Fundo Internacional de Proteção de Chernobil foi criado para projetar e construir uma cobertura mais permanente para o sarcófago instável e de curta duração. Recebeu mais de 810 milhões de euros e foi gerido pelo Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BERD). O novo abrigo teve a sua construção iniciada em 2010. Ele é composto por um arco de metal de 105 metros de altura e 257 metros de comprimento que foi construído em trilhos adjacentes ao prédio do reator 4, para que pudesse ser deslocado por cima do sarcófago existente. O novo abrigo foi concluído em 2016 e deslizou para o topo do sarcófago em 29 de novembro.[79] O enorme arco de aço foi colocado no lugar ao longo de várias semanas.[80]

Zona de exclusão

 Ver artigo principal: Zona de exclusão de Chernobil
 
Entrada da zona de exclusão.

Uma área que originalmente se estende por 30 quilômetros em todas as direções da usina é oficialmente chamada de "zona de exclusão". É em grande parte desabitada, com exceção de cerca de 300 moradores que se recusaram a sair. A área foi amplamente revertida para a floresta e foi retomada pela vida selvagem por causa da falta de competição com seres humanos por espaço e recursos. Mesmo hoje, os níveis de radiação são tão altos que os trabalhadores responsáveis ​​pela reconstrução do sarcófago só puderam trabalhar cinco horas por dia durante um mês antes de fazer 15 dias de descanso. Autoridades ucranianas estimaram que a área não voltaria a ser segura para a vida humana por mais 20 000 anos.[81] No entanto, em 2016, 187 ucranianos locais retornaram e passaram a viver permanentemente na zona.[82]

Em 2011, a Ucrânia abriu a zona selada em torno do reator de Chernobyl para turistas que desejam aprender mais sobre a tragédia que ocorreu em 1986.[83][84][85] Sergii Mirnyi, um oficial de reconhecimento de radiação no momento do acidente, e agora um acadêmico na Universidade Nacional da Academia Kyiv-Mohyla em Kiev, na Ucrânia, escreveu sobre os efeitos psicológicos e físicos em sobreviventes e visitantes e trabalhou como consultor para grupos de turismo de Chernobil.[85][86]

Preocupação com os incêndios florestais

Durante as estações secas, uma preocupação perene e que as florestas que foram contaminadas por material radioativo peguem fogo. As condições secas e o acúmulo de detritos tornam as florestas um terreno fértil para os incêndios florestais.[87] Dependendo das condições atmosféricas predominantes, os incêndios poderiam espalhar o material radioativo mais para fora da zona de exclusão através da fumaça.[88][89]

Ver também

Referências

  1. «Chernobyl at 25th anniversary – Frequently Asked Questions – April 2011» (PDF). World Health Organisation. 23 de abril de 2011. Consultado em 2 de agosto de 2018 
  2. «Nuclear Exclusion Zones». Encyclopedia Britannica. Consultado em 15 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2018 
  3. Eden, Brad; of Technical Services/Automated Lib, Coordinator (Janeiro de 1999). «Encyclopaedia Britannica CD 99 (Multimedia version)». Electronic Resources Review. 3 (1): 9–10. ISBN 978-0-85229-694-3. ISSN 1364-5137. doi:10.1108/err.1999.3.1.9.7 
  4. a b «Graphites». General Atomics. Consultado em 13 de outubro de 2016. Arquivado do original em 17 de julho de 2012 
  5. McCall, Chris (Abril de 2016). «Chernobyl disaster 30 years on: lessons not learned». The Lancet. 387 (10029): 1707–1708. ISSN 0140-6736. PMID 27116266. doi:10.1016/s0140-6736(16)30304-x 
  6. «Chernobyl-Born Radionuclides in Geological Environment», Groundwater Vulnerability, ISBN 978-1118962220, Special Publications, John Wiley & Sons, Inc, 10 de outubro de 2014, pp. 25–38, doi:10.1002/9781118962220.ch2 
  7. «Chernobyl: Assessment of Radiological and Health Impact, 2002 update; Chapter II – The release, dispersion and deposition of radionuclides» (PDF). OECD-NEA. 2002. Consultado em 3 de junho de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 22 de junho de 2015 
  8. Ahlstrom, Dick (2 de abril de 2016). «Chernobyl anniversary: The disputed casualty figures». The Irish Times. Consultado em 8 de maio de 2019. Cópia arquivada em 14 de abril de 2016 
  9. Mettler Jr., Fred A. «Medical decision making and care of casualties from delayed effects of a nuclear detonation» (PDF). The National Academies of Sciences, Engineering, and Medicine. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 12 de julho de 2018 
  10. Nagataki, Shigenobu (23 de julho de 2010). «Latest Knowledge on Radiological Effects: Radiation Health Effects of Atomic Bomb Explosions and Nuclear Power Plant Accidents». Japanese Journal of Health Physics. 45 (4): 370–378. doi:10.5453/jhps.45.370. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 28 de abril de 2019. People with symptoms of acute radiation syndrome: 134 (237 were hospitalized), 28 died within 3 months, 14 died within the subsequent 10 years (2 died of blood disease) 
  11. «Chernobyl 25th anniversary – Frequently Asked Questions» (PDF). World Health Organization. 23 de abril de 2011. Consultado em 14 de abril de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 17 de abril de 2012 
  12. a b «Chernobyl: the true scale of the accident». Organização Mundial da Saúde. 5 de setembro de 2005. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2018 
  13. «Video: Ukraine remembers Chernobyl victims and heroes». European Press Agency. 30 de abril de 2016. Consultado em 30 de abril de 2016. Arquivado do original em 17 de junho de 2016 
  14. Black, Richard (12 de abril de 2011). «Fukushima: As Bad as Chernobyl?». BBC News. Consultado em 20 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2011 
  15. a b «Chernobyl: Assessment of Radiological and Health Impact, 2002 update; Chapter II – The release, dispersion and deposition of radionuclides» (PDF). OECD-NEA. 2002. Consultado em 3 de junho de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 22 de junho de 2015 
  16. a b Gorbachev, Mikhail (1996), interview in Johnson, Thomas, The Battle of Chernobyl. Discovery Channel. acessado em 19 de fevereiro de 2014.
  17. «Timeline: A chronology of events surrounding the Chernobyl nuclear disaster». The Chernobyl Gallery. 15 de fevereiro de 2013. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2015 
  18. a b «"Shelter" object». Chernobyl, Pripyat, the Chernobyl nuclear power plant and the exclusion zone. Consultado em 8 de maio de 2012. Cópia arquivada em 22 de julho de 2011 
  19. «RBMK Reactors». World Nuclear Association. Junho de 2016. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2018 
  20. «RMBK Nuclear Power Plants: Generic Safety Issues» (PDF). International Atomic Energy Agency. Maio de 1996. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 28 de março de 2017 
  21. a b «Frequently Asked Chernobyl Questions». International Atomic Energy Agency. 7 de novembro de 2016. Consultado em 24 de abril de 2019. Cópia arquivada em 19 de abril de 2019 
  22. Hibbs, Mark (1996). «Tomorrow, a Eurobomb?». Bulletin of the Atomic Scientists. 52 (1): 16–23. Bibcode:1996BuAtS..52a..16H. ISSN 0096-3402. doi:10.1080/00963402.1996.11456585 
  23. «Preface: The Chernobyl Accident». International Chernobyl Research and Information Network (ICRIN). Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2018 
  24. a b Environmental consequences of the Chernobyl accident and their remediation: Twenty years of experience. Report of the Chernobyl Forum Expert Group 'Environment' (PDF). Vienna: International Atomic Energy Agency. 2006. p. 180. ISBN 978-92-0-114705-9. Consultado em 13 de março de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 9 de abril de 2011 
  25. a b c Steadman, Philip; Hodgkinson, Simon (1990). Nuclear Disasters & The Built Environment: A Report to the Royal Institute. [S.l.]: Butterworth Architecture. p. 55. ISBN 978-0-40850-061-6 
  26. Foreman, Mark Russell St. John (2015). «An introduction to serious nuclear accident chemistry». Cogent Chemistry. 1. doi:10.1080/23312009.2015.1049111 
  27. «Table 2.2 Number of people affected by the Chernobyl accident (to December 2000)» (PDF). The Human Consequences of the Chernobyl Nuclear Accident. UNDP and UNICEF. 22 de janeiro de 2002. p. 32. Consultado em 17 de setembro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 1 de fevereiro de 2017 
  28. «Table 5.3: Evacuated and resettled people» (PDF). The Human Consequences of the Chernobyl Nuclear Accident. UNDP and UNICEF. 22 de janeiro de 2002. p. 66. Consultado em 17 de setembro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 1 de fevereiro de 2017 
  29. Juhn, Poong-Eil; Kupitz, Juergen (1996). «Nuclear power beyond Chernobyl: A changing international perspective» (PDF). IAEA Bulletin. 38 (1): 2. Consultado em 13 de março de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 8 de maio de 2015 
  30. Kagarlitsky, Boris (1989). «Perestroika: The Dialectic of Change». In: Kaldor, Mary; Holden, Gerald; Falk, Richard A. The New Detente: Rethinking East-West Relations. [S.l.]: United Nations University Press. ISBN 978-0-86091-962-9 
  31. «Chernobyl cover-up a catalyst for glasnost». NBC News. Associated Press. 24 de abril de 2006. Consultado em 21 de junho de 2015. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  32. IAEA Report INSAG-1 (International Nuclear Safety Advisory Group) (1986). Summary Report on the Post-Accident Review on the Chernobyl Accident (Relatório). Vienna: IAEA. Consultado em 5 de outubro de 2009. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2009 
  33. «Report for the IAEA on the Chernobyl Accident». IAEA. Atomic Energy (em russo). 61: 308–320. 1986. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2011 
  34. «Украина рассекретила документы, касающиеся аварии на Чернобыльской АЭС» [Ukraine has declassified documents relating to the accident at the Chernobyl nuclear power plant]. Central State Electronic Archives of Ukraine (em russo). Consultado em 13 de setembro de 2015. Arquivado do original em 6 de outubro de 2015 
  35. a b c «INSAG-7: The Chernobyl Accident: Updating of INSAG-1» (PDF). IAEA. 1992. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 20 de outubro de 2018 
  36. «Facts: The accident was by far the most devastating in the history of nuclear power». International Atomic Energy Agency (IAEA). 21 de setembro de 1997. Consultado em 20 de agosto de 2011. Arquivado do original em 5 de agosto de 2011 
  37. a b c d Marples, David R. (Maio de 1996). «The Decade of Despair». The Bulletin of the Atomic Scientists. 52 (3): 20–31. Bibcode:1996BuAtS..52c..20M. doi:10.1080/00963402.1996.11456623. Consultado em 25 de março de 2016. Cópia arquivada em 27 de abril de 2017 
  38. «Torch: The Other Report On Chernobyl – executive summary». Chernobylreport.org. Abril de 2006. Consultado em 20 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2011 
  39. «Tchernobyl, 20 ans après». RFI (em francês). 24 de abril de 2006. Consultado em 24 de abril de 2006. Cópia arquivada em 30 de abril de 2006 
  40. «L'accident et ses conséquences: Le panache radioactif» [The accident and its consequences: The plume]. Institut de Radioprotection et de Sûreté Nucléaire (IRSN) (em francês). Consultado em 16 de dezembro de 2006 
  41. Jensen, Mikael; Lindhé, John-Christer (1986). «International Reports – Sweden: Monitoring the Fallout» (PDF). IAEA Bulletin. Arquivado do original (PDF) em 28 de junho de 2011 
  42. Mould, Richard Francis (2000). Chernobyl Record: The Definitive History of the Chernobyl Catastrophe. [S.l.]: CRC Press. p. 48. ISBN 978-0-7503-0670-6 
  43. Ikäheimonen, T.K. (ed.). Ympäristön Radioaktiivisuus Suomessa – 20 Vuotta Tshernobylista [Environmental Radioactivity in Finland – 20 Years from Chernobyl] (PDF). [S.l.]: Säteilyturvakeskus Stralsäkerhetscentralen (STUK, Radiation and Nuclear Safety Authority). Arquivado do original (PDF) em 8 de agosto de 2007 
  44. Gould, Peter (1990). Fire In the Rain: The Dramatic Consequences of Chernobyl. Baltimore, MD: Johns Hopkins Press 
  45. a b Mulvey, Stephen (20 de abril de 2006). «Wildlife defies Chernobyl radiation». BBC News. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2017 
  46. a b c d Marples, David R. (1988). The Social Impact of the Chernobyl Disaster. New York, NY: St Martin's Press 
  47. a b c d e Smith, Jim T.; Beresford, Nicholas A. (2005). Chernobyl: Catastrophe and Consequences. Berlim: Springer. ISBN 978-3-540-23866-9 
  48. a b Kryshev, I. I. (1995). «Radioactive contamination of aquatic ecosystems following the Chernobyl accident». Journal of Environmental Radioactivity. 27 (3): 207–219. doi:10.1016/0265-931X(94)00042-U 
  49. EURATOM Council Regulations No. 3958/87, No. 994/89, No. 2218/89, No. 770/90
  50. Fleishman, David G.; Nikiforov, Vladimir A.; Saulus, Agnes A.; Komov, Victor T. (1994). «137Cs in fish of some lakes and rivers of the Bryansk region and north-west Russia in 1990–1992». Journal of Environmental Radioactivity. 24 (2): 145–158. doi:10.1016/0265-931X(94)90050-7 
  51. a b The International Chernobyl Project: Technical Report. Vienna: IAEA. 1991. ISBN 978-9-20129-191-2 
  52. «Fortsatt nedforing etter radioaktivitet i dyr som har vært på utmarksbeite». Statens landbruksforvaltning (em norueguês). 30 de junho de 2010. Consultado em 21 de junho de 2015. Arquivado do original em 3 de novembro de 2013 
  53. Orange, Richard (23 de setembro de 2013). «Record low number of radioactive sheep». The Local. Norway. Consultado em 1 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  54. «'Radiation-Eating' Fungi Finding Could Trigger Recalculation Of Earth's Energy Balance And Help Feed Astronauts». Science Daily. 23 de maio de 2007. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2018 
  55. Hallenbeck, William H. (1994). Radiation Protection. [S.l.]: CRC Press. p. 15. ISBN 978-0-87371-996-4. Reported thus far are 237 cases of acute radiation sickness and 31 deaths. 
  56. Mould (2000), p. 29. "The number of deaths in the first three months were 31."
  57. "Chernobyl Forum" on the IAEA website
  58. a b c d e f g «Chernobyl's Legacy: Health, Environmental and Socio-Economic Impacts» (PDF). Chernobyl Forum. IAEA. Consultado em 21 de abril de 2012. Arquivado do original (PDF) em 15 de fevereiro de 2010 
  59. «Holos Ukrainy». Holos Ukrainy. 7 de junho de 1995. p. 4 
  60. a b c Fairlie, Ian; Sumner, David (2006). The Other Report on Chernobyl (TORCH). Berlin: The European Greens 
  61. Kuchinskaya, Olga (2007). «We Will Die and Become Science: The production of invisibility and public knowledge about Chernobyl radiation effects in Belarus (doctoral dissertation)». San Diego: University of California. Consultado em 14 de julho de 2015. Cópia arquivada em 15 de julho de 2015 
  62. Mycio, Mary (2005). Wormwood Forest: A Natural History of Chernobyl. Washington, D.C.: Joseph Henry Press. ISBN 978-0-30910-309-1 
  63. a b c Petryna, Adriana (2002). Life Exposed: Biological Citizens After Chernobyl. Princeton, NJ: Princeton University Press 
  64. Bennett, Burton; Repacholi, Michael; Carr, Zhanat, eds. (2006). Health Effects of the Chernobyl Accident and Special Health Care Programmes: Report of the UN Chernobyl Forum, Expert Group "Health" (PDF). Geneva: World Health Organization (WHO). p. 79. ISBN 978-92-4-159417-2. Consultado em 20 de agosto de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 12 de agosto de 2011 
  65. Furitsu, Katsumi; Ryo, Haruko; Yeliseeva, Klaudiya G.; Thuy, Le Thi Thanh; Kawabata, Hiroaki; Krupnova, Evelina V.; Trusova, Valentina D.; Rzheutsky, Valery A.; Nakajima, Hiroo; Kartel, Nikolai; Nomura, Taisei (2005). «Microsatellite mutations show no increases in the children of the Chernobyl liquidators». Mutation Research/Genetic Toxicology and Environmental Mutagenesis. 581 (1–2): 69–82. PMID 15725606. doi:10.1016/j.mrgentox.2004.11.002 
  66. «Assessing the Chernobyl Consequences». International Atomic Energy Agency. Arquivado do original em 30 de agosto de 2013 
  67. «UNSCEAR 2008 Report to the General Assembly, Annex D» (PDF). United Nations Scientific Committee on the Effects of Atomic Radiation. 2008. Consultado em 18 de maio de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 4 de agosto de 2011 
  68. «UNSCEAR 2008 Report to the General Assembly» (PDF). United Nations Scientific Committee on the Effects of Atomic Radiation. 2008. Consultado em 16 de maio de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 3 de maio de 2012 
  69. «Chernobyl health effects». UNSCEAR.org. Consultado em 23 de março de 2011. Cópia arquivada em 13 de maio de 2011 
  70. Mettler, Fred. «Chernobyl's Legacy». IAEA Bulletin. 47 (2). Consultado em 20 de agosto de 2011. Arquivado do original em 5 de agosto de 2011 
  71. a b «Chernobyl nuclear disaster-affected areas spring to life, 33 years on». UN News (em inglês). 26 de abril de 2019. Consultado em 28 de abril de 2019. Cópia arquivada em 28 de abril de 2019 
  72. Shlyakhter, Alexander; Wilson, Richard (1992). «Chernobyl and Glasnost: The Effects of Secrecy on Health and Safety». Environment: Science and Policy for Sustainable Development. 34 (5): 25. doi:10.1080/00139157.1992.9931445 
  73. Petryna, Adriana (1995). «Sarcophagus: Chernobyl in Historical Light». Cultural Anthropology. 10 (2): 196–220. doi:10.1525/can.1995.10.2.02a00030 
  74. Marples, David R. (1996). Belarus: From Soviet Rule to Nuclear Catastrophe. Basingstoke, Hampshire: MacMillan Press 
  75. a b «Information Notice No. 93–71: Fire At Chernobyl Unit 2». Nuclear Regulatory Commission. 13 de setembro de 1993. Consultado em 20 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2012 
  76. «Chernobyl-3». IAEA Power Reactor Information System. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2018 
  77. «Collapse of Chernobyl nuke plant building attributed to sloppy repair work, aging». Mainichi Shimbun. 25 de abril de 2013. Consultado em 26 de abril de 2013. Cópia arquivada em 29 de abril de 2013 
  78. «Ukraine: Chernobyl nuclear roof collapse 'no danger'». BBC News. 13 de fevereiro de 2013. Consultado em 23 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2016 
  79. Walker, Shaun (29 de novembro de 2016). «Chernobyl disaster site enclosed by shelter to prevent radiation leaks». The Guardian. ISSN 0261-3077. Consultado em 23 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2016 
  80. Nechepurenko, Ivan; Fountain, Henry (29 de novembro de 2016). «Giant Arch, a Feat of Engineering, Now Covers Chernobyl Site in Ukraine». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 23 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2016 
  81. Disasters that Shook the World. Nova York: Time Home Entertainment. 2012. ISBN 978-1-60320-247-3 
  82. Oliphant, Roland (24 de abril de 2016). «30 years after Chernobyl disaster, wildlife is flourishing in radioactive wasteland». The Daily Telegraph. Consultado em 27 de abril de 2016. Cópia arquivada em 27 de abril de 2016 
  83. «Ukraine to Open Chernobyl Area to Tourists in 2011». Fox News. Associated Press. 13 de dezembro de 2010. Consultado em 2 de março de 2012. Cópia arquivada em 8 de março de 2012 
  84. «Tours of Chernobyl sealed zone officially begin». TravelSnitch. 18 de março de 2011. Arquivado do original em 30 de abril de 2013 
  85. a b Boyle, Rebecca (2017). «Greetings from Isotopia». Distillations. 3 (3). pp. 26–35. Consultado em 19 de junho de 2018. Cópia arquivada em 15 de junho de 2018 
  86. Digges, Charles (4 de outubro de 2006). «Reflections of a Chernobyl liquidator – the way it was and the way it will be». Bellona. Consultado em 20 de junho de 2018. Cópia arquivada em 20 de junho de 2018 
  87. Evangeliou, Nikolaos; Balkanski, Yves; Cozic, Anne; Hao, Wei Min; Møller, Anders Pape (Dezembro de 2014). «Wildfires in Chernobyl-contaminated forests and risks to the population and the environment: A new nuclear disaster about to happen?». Environment International. 73: 346–358. ISSN 0160-4120. PMID 25222299. doi:10.1016/j.envint.2014.08.012 
  88. Evans, Patrick (7 de julho de 2012). «Chernobyl's radioactive trees and the forest fire risk». BBC News. Consultado em 20 de junho de 2018. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2018 
  89. Nuwer, Rachel (14 de março de 2014). «Forests Around Chernobyl Aren't Decaying Properly». Smithsonian. Consultado em 8 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2019 

Bibliografia

  • Abbott, Pamela (2006). Chernobyl: Living With Risk and Uncertainty. [S.l.]: Health, Risk & Society 8.2. pp. 105–121 
  • Cohen, Bernard Leonard (1990). «(7) The Chernobyl accident – can it happen here?». The Nuclear Energy Option: An Alternative for the 90's. [S.l.]: Plenum Press. ISBN 978-0-306-43567-6 
  • Busby, Chris (Janeiro de 2017). The Scientific Hero of Chernobyl: Alexey V. Yablokov, the Man Who Dared to Speak the Truth
  • Dyatlov, Anatoly (2003). Chernobyl. How did it happen. (em russo). [S.l.]: Nauchtechlitizdat, Moscow. ISBN 978-5-93728-006-0 
  • Hoffmann, Wolfgang (2001). Fallout From the Chernobyl Nuclear Disaster and Congenital Malformations in Europe. [S.l.]: Archives of Environmental Health 
  • Jay, Mike, "I don't understand it at all" (revisão de Serhii Plokhy, Chernobyl: History of a Tragedy, Allen Lane, Maio de 2018, 404 pp., ISBN 978 0 241 34902 1), London Review of Books, vol. 40, no. 23 (6 December 2018), pp. 33–34.
  • Karpan, Nikolaj V. (2006). Chernobyl. Vengeance of peaceful atom. (em russo). Dnepropetrovsk: IKK "Balance Club". ISBN 978-966-8135-21-7 
  • Medvedev, Grigori (1989). The Truth About Chernobyl. [S.l.]: VAAP. First American edition published by Basic Books in 1991. ISBN 978-2-226-04031-2 
  • Medvedev, Zhores A. (1990). The Legacy of Chernobyl Paperback. First American edition published in 1990 ed. [S.l.]: W.W. Norton & Company. ISBN 978-0-393-30814-3 
  • Plokhy, Serhii, Chernobyl: History of a Tragedy, Allen Lane, Maio de 2018, 404 pp., ISBN 978 0 241 34902 1.
  • Read, Piers Paul (1993). Ablaze! The Story of the Heroes and Victims of Chernobyl. [S.l.]: Random House UK (paperback 1997). ISBN 978-0-7493-1633-4 
  • Shcherbak, Yurii (1991). Chernobyl (em Russian e English). New York: Soviet Writers/St. Martin's Press. ISBN 978-0-312-03097-1 
  • Yaroshinskaya, Alla A. Chernobyl: Crime Without Punishment. Piscataway, NJ: Transaction Publisher, 2015.
  • Gerd Ludwig and Lois Lammerhuber: Der lange Schatten von Tschernobyl – The Long Shadow of Chernobyl – L'ombre de Tchernobyl. Edition Lammerhuber, 2014, ISBN 978-3901753664. Illustrated book containing photos taken in 2013 within the reactor hull. Interview with the photographer (in German)
  • Vjačeslav Šestopalov, et al.: Groundwater vulnerability: Chernobyl nuclear disaster. American Geophysical Union, Washington 2015, ISBN 978-1-118-96219-0.
  • Tchertkoff, Wladimir: The Crime of Chernobyl: The Nuclear Goulag Glagoslav Publications, London 2016, ISBN 978-1-784-37931-5.

Ligações externas