Ananindeua

Município brasileiro do estado do Pará
Ananindeua
  Município do Brasil  
BR-316, no trecho que atravessa Ananindeua, nas proximidades do Campus UNAMA BR, em 2012.
BR-316, no trecho que atravessa Ananindeua, nas proximidades do Campus UNAMA BR, em 2012.
Símbolos
Bandeira de Ananindeua
Bandeira
Brasão de armas de Ananindeua
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Cidade Dinâmica do Brasil"
"Pequena Metrópole da Amazônia"
Gentílico ananindeuense[1]
Localização
Localização de Ananindeua no Pará
Localização de Ananindeua no Pará
Mapa de Ananindeua
Coordenadas 1° 21' 57" S 48° 22' 19" O
País Brasil
Unidade federativa Pará
Região metropolitana Belém
Municípios limítrofes Belém, Marituba e Benevides
km
História
Fundação 03 de janeiro de 1944 (76 anos) [2]
Aniversário 03 de janeiro
Administração
Prefeito(a) Manoel Carlos Antunes (Pioneiro) (PSDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [3] 190,451 km²
População total (estimativa IBGE/2018[4]) 525 566 hab.
Densidade 2 759,6 hab./km²
Clima Equatorial (Am)
Altitude 20 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[5]) 0,718 alto
 • Posição PA: 2º
PIB (IBGE/2015[6]) R$ 6 236 496 mil
 • Posição PA: 4º
PIB per capita (IBGE/2015[6]) R$ 12 339,62
Website www.ananindeua.pa.gov.br (Prefeitura)
www.cma.pa.gov.br (Câmara)

Ananindeua é um município brasileiro do estado do Pará na Região Metropolitana de Belém. É o segundo município mais populoso do estado e o terceiro da Região Norte do Brasil.[7][8] Está conurbada com Belém e Marituba, ambos municípios da Região Metropolitana de Belém. Sua população é estimada é de 525.566 habitantes, segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2018, sendo superada por Manaus e Belém.

Município originário de comunidades ribeirinhas, seu crescimento inicial se deu a partir do eixo da antiga Estrada de Ferro de Bragança. Teve seu maior incremento populacional a partir da construção da BR-010 (Belém-Brasília) na década de 1960, na qual as indústrias localizadas em Belém começaram a se estabelecer ao longo desta rodovia. Originalmente considerada "cidade dormitório", apresentou um considerável desenvolvimento a partir da década de 1980, decorrente da falta de espaço para a construção de novas moradias em Belém.

EtimologiaEditar

O nome Ananindeua é de origem tupi; deve-se à grande quantidade de árvore chamada Anani (Symphonia globulifera), uma árvore que produz a resina de cerol utilizada para lacrar as fendas das embarcações.

HistóriaEditar

Referências históricas datadas de meados do século XIX permitem identificar traços da fundação do município de Ananindeua. Esses traços guardam relação com o estabelecimento de uma parada e/ou estação da Estrada de Ferro de Bragança, na área territorial, no lugar onde, hoje se encontra instalada sua sede municipal.

Originalmente, Ananindeua pertencia à circunscrição de Belém. A partir da localização da estação da Estrada de Ferro, o seu povoamento começou a adquirir dinamismo, sendo reconhecido como freguesia, e mais tarde, como distrito da capital paraense.

Nas fontes históricas consultadas, não foi possível encontrar os instrumentos eclesiásticos da sua elevação à categoria de freguesia, nem os instrumentos legais de sua consideração como Distrito.

Sabe-se, no entanto que, em 1938, por um ato do Governo Estadual, passou a ser considerada como sede distrital, pertencendo ao município de Santa Isabel do Pará, retornando ao patrimônio territorial de Belém. Pelo Decreto-lei Estadual nº 4.505, de 30 de dezembro de 1943, promulgado pelo Interventor Federal, Magalhães Barata, o município de Ananindeua foi criado, acontecendo sua instalação, como tal, em 3 de janeiro de 1944.

Para dirigir o novo município, assumiu a prefeitura Claudemiro Belém de Nazaré. No mês de outubro de 1945, com a queda do regime ditatorial, foi nomeado como Prefeito de Ananindeua Fausto Augusto Batalha. Sua sede municipal foi reconhecida como cidade em 31 de dezembro de 1947, com a aprovação da Lei nº 62, que foi publicada no Diário Oficial do Estado, em 18 de janeiro de 1948.[carece de fontes?]

Entre os anos 1947 a 1956, o município de Ananindeua contava com os seguintes, distritos: Ananindeua (Centro), Benevides, Benfica e Engenho do Arari. No ano de 1961, pelo disposto na Lei nº 2.460, de 29 de dezembro, com as áreas de seus distritos (Engenho Arari, Benfica e Benevides), foi constituído o município de Benevides. Atualmente, o município de Ananindeua é constituído apenas do distrito-sede.

PolíticaEditar

O município de Ananindeua é considerado o segundo maior colégio eleitoral do estado do Pará, ficando a primeira posição para a capital Belém. O primeiro prefeito do município foi João Alves de Andrade, o qual governou entre os anos de 1948 a 1952. Desde a sua fundação, até o ano de 2012, o município teve doze prefeitos. Durante as eleições municipais de 2012, o candidato do PSDB, Manoel Pioneiro, foi eleito em primeiro turno, com mais de 53% dos votos válidos, para governar o município entre os anos de 2013 a 2016.[9][10]

GeografiaEditar

Ananindeua limita-se ao norte com o município de Belém; ao sul com o rio Guamá; ao leste com o município de Marituba; ao oeste com o município de Belém, e; ao nordeste com o município de Benevides.

TopografiaEditar

O município apresenta um relevo relativamente uniforme, com pouquíssimas oscilações altimétricas, sendo que sua cota média gira em torno de 16 metros.

IlhasEditar

O município possui 9 ilhas com áreas de uso intenso, outras de baixa exploração por parte dos ribeirinhos e outras quase intocada, que serve como um verdadeiro centro de reprodução de toda diversidade biológica da floresta Amazônica. São elas: Viçosa, João Pilatos, Santa Rosa, Mutá, Arauari, São José da Sororoca, Sororoca, Sassunema e Guajarina.[11]

As ilhas de Ananindeua são quase todas habitadas. São pequenos povoados habitados por homens, mulheres e crianças que vivem na rotina do encher e ser das águas do Rio Maguari. Em cada um destes povoados é possível encontrar uma igreja, um campo de futebol, uma pequena escola e muito verde. A estrada do povo ribeirinho é o próprio rio e o seu meio principal de locomoção são as canoas e os “pô-pô-pô”, que levam e trazem o produtor, o aluno, o professor e o visitante pelos caminhos de rio.

SolosEditar

Os solos do município são caracterizados como Concrecionários Lateríticos Indiscriminados distróficos, textura indiscriminada, Latossolo Amarelo distrófico, textura média.

VegetaçãoEditar

A vegetação é caracterizada pela floresta secundária, em vários estágios, proveniente do desmatamento executado na área, para o cultivo de espécies alimentícias de ciclo curto (milho, Mandioca, etc.). Nas áreas sujeitas à inundação margeando os rios, está presente a vegetação de várzea, com suas espécies típicas, como a virola ou ucuuba, a andiroba, o açaí e o miriti ou buruti.

SubdivisõesEditar

 
Subdivisão em bairros de Ananindeua.

O município de Ananindeua é composto por vinte e dois bairros em sua Área Urbana, além de 9 ilhas em sua Área Rural. A prefeitura, juntamente com o governo federal tem expandido a área de povoamento através do programa minha casa minha vida que beneficia pessoas com baixa renda a terem um imóvel em conjuntos habitacionais com água e esgoto tratado.

Na década de 1970, inicia a construção do primeiro conjunto habitacional Cidade Nova, programa de habitação de âmbito Federal, sob responsabilidade da Companhia Habitação do Estado do Pará (COHAB), foi uma espécie de ordenamento da periferia. A área foi adquirido aos poucos, pertencia em sua maioria a japoneses e nordestinos, que possuíam hortas e granjas, a COHAB comprou os terrenos e foram inauguradas as Cidades Novas I a IX. Depois foi inaugurado o conjunto Guajará, em seguida seria inaugurado o conjunto PAAR (Pará, Amazonas, Acre e Rondônia); no entanto, em sua fase final foi invadido por populosos e por um breve período da história do município foi considerado como a maior invasão da América Latina, hoje ele é considerado um conjunto habitacional.

Às margens desse processo surgiram as áreas de invasões espontâneas, localizadas principalmente próximas aos conjuntos habitacionais. Hoje a área continental de Ananindeua concentra mais de 90% da população do município.

DesmatamentoEditar

O desmatamento alcançou 78,03% até o ano de 1986, de acordo com as imagens LANDSAT-TM. Durante os anos de 2001 e 2006, a região que mais perdou sua cobertura vegetal foi a região insular, mais precisamente na ilha de João Pilatos e Sororoca.

Os principais acidentes geográficos e que devem ser preservadas são os rios Benfica, Maguari-Açu e Guamá e igarapés: Aurá e Uriboquinha. É de fundamental importância a preservação do manancial de águas do Utinga para garantir a boa qualidade e quantidade de água, necessária ao abastecimento de Belém e, parte deste, encontra-se no município de Belém.

HidrografiaEditar

A hidrografia do município é representada pelos rios Guamá ao Sul, fazendo limite com Belém; o Maguari-Açu, ao Norte e o Benfica a Nordeste limitando com Benevides. Para o Guamá vertem o rio Água Preta, limite natural, a Oeste, com o município de Belém; o rio Uriboquinha, o qual, em todo o seu curso, serve de limite parcial com Benevides; e o igarapé Aurá. O rio Maguari-Açu deságua no furo do Maguari e forma limite natural, a Noroeste, com o município de Belém. Ao Norte, encontram-se as ilhas João Pilato, Santa Rosa e Sassunema.

ClimaEditar

O clima é megatérmico, úmido, temperatura elevada em torno de 25 °C, pequena amplitude térmica. O regime pluviométrico está em torno de 2.250 a 2.500mm com chuvas regulares, com maior concentração de janeiro a junho. A umidade relativa do ar está em torno de 85%.

DemografiaEditar

Segundo o Censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010, a população ananindeuense era composta por 57,06 católicos apostólicos romanos, 0,57% católicos brasileiros, 0,05% ortodoxos e 33,31 protestantes (evangélicos) de vários segmentos. Além das religiões cristãs, é visível a presença de praticantes de religiões afro-brasileiras, como o Babaçuê. O Judaísmo, islamismo e espiritismo também se fazem presentes na região, mesmo que com pouca expressão.[12]

InfraestruturaEditar

TransportesEditar

O principal eixo rodoviário do município é a BR-316, que a liga a Belém e Marituba, além de dar acesso ao restante do território nacional. Além desta, o município dispõe dos troncos Rodovia Mário Covas, Rodovia dos Trabalhadores (também chamada de 40 Horas e Hélio Gueiros) e Rodovia Independência (ou avenida).

Entre os logradouros municipais o principal é a Rua Zacarias de Assumpção, com logradouros de suporte na Avenida Três Corações, na Estrada do Maguari, na Estrada do Icuí-Guajará, na Rua da Cohaspa e na Estrada Santana do Aurá.

EducaçãoEditar

Na educação superior, o município dispõe de um campus a Universidade Federal do Pará, a maior e mais conceituada universidade do norte do Brasil.[13] Outra instituição pública que terá campus em ananindeua será a Universidade do Estado do Pará.[14]

SaúdeEditar

Até o último levantamento do IBGE sobre o serviço de saúde do município, seja público ou privado, realizado em 2009, havia mais de 84 estabelecimentos de saúde, sendo 45 públicos municipais, 38 privados.[15]

Até 2016, apenas 29,98% da população recebia água potável. Foi o menor atendimento entre as 100 maiores cidades do Brasil.[16]

A principal instituição de saúde do município é o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência.

Coleta e tratamento de esgotosEditar

De acordo com o ranking de 2018 do instituto Trata Brasil[17], Ananindeua coleta somente 0,98% do esgoto produzido em toda a cidade. Somente 0,77% do esgoto produzido é tratado, sendo este um dos piores índices das grandes e médias cidades do Brasil. A fim de universalizar todo o esgoto 134.021 ligações deveriam ser efetuadas na cidade, assim como a criação de unidades de tratamento de esgotos.

Cultura e lazerEditar

O município de Ananindeua não dispõe de uma vasta quantidade de pontos culturais e de lazer como o município vizinho e capital do estado do Pará, Belém. O primeiro museu do município foi recentemente criado.[18] O Museu Parque Seringal foi recentemente incluso no Cadastro Nacional de Museus pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), do Ministério da Cultura. Esse espaço é o primeiro museu do estado do Pará dedicado ao ciclo da borracha, importante ciclo econômico que ajudou a desenvolver economicamente e culturalmente o Estado.[19] O Parque Seringal, que também é considerada área de proteção ambiental, "é voltada para o lazer, preservação e educação ambiental, contando com reservas de centenas de exemplares de seringueiras, cultivadas no período do Ciclo da Borracha, além de anfiteatro, academia de ginástica ao ar livre, lanchonete, playground e outros espaços com visitação gratuita".[20][21]

Referências

  1. «Ananindeua» (PDF). Biblioteca IBGE. Consultado em 27 de junho de 2012 
  2. «Ananindeua já tem segunda maior economia do Pará». Diário do Pará. Consultado em 27 de junho de 2012. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2014 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de agosto de 2018). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2018». Consultado em 29 de agosto de 2018 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. a b «PIB dos Municípios - base de dados 2010-2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  7. «Belém é a 10ª cidade mais populosa do Brasil». Portal Amazônia. Consultado em 27 de junho de 2007. Arquivado do original em 26 de abril de 2013 
  8. «Distâncias entre Cidades - Belém - Pará». Em Sampa.com. Consultado em 27 de junho de 2007 
  9. «Diário Oficial - Prefeitura Municipal de Ananindeua» (PDF). Prefeitura Municipal de Ananindeua. Consultado em 27 de junho de 2007 
  10. «Sem reforma política, parlamentares fazem a farra do troca-troca de partidos, de olho na eleição municipal». Revista IstoÉ!. Consultado em 27 de junho de 2007 
  11. Almeida, Adrielson Furtado.; Jardim, Mário Augusto Gonçalves.. A utilização das espécies arbóreas da floresta de várzea da Ilha de Sororoca, Ananindeua, Pará, Brasil por moradores locais. Revista Brasileira de Ciências Ambientais – Número 23 – Março de 2012.
  12. «Cópia arquivada». Consultado em 14 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2014 
  13. [https://campusananindeua.ufpa.br/ Campus Ananindeua. UFPA.
  14. Uepa vai construir novo campus em Ananindeua. Redepara. 25 de setembro de 2019
  15. «Censo Demográfico 2010: Religião - Amostra». IBGE, Censo Demográfico 2010. Consultado em 27 de junho de 2012 
  16. Ranking do Saneamento 2018 - Press Release, Instituto Trata Brasil, disponível em http://www.tratabrasil.org.br/images/estudos/itb/ranking-2018/press-release.pdf
  17. «Ranking_2019_-_Tabela_Final» (PDF). Consultado em 3 de setembro de 2019 
  18. «Ananindeua ganha o Museu Parque Seringal». Amazônia.org.br. Consultado em 27 de junho de 2012 
  19. «Parque Seringal é o primeiro museu de Ananindeua». Jornal Diário do Pará. Consultado em 27 de junho de 2012 
  20. «Ananindeua tem seu primeiro Museu». Prefeitura de Ananindeua. Consultado em 27 de junho de 2012 
  21. «Curiosidades de Museus». IBRAM Online. Consultado em 27 de junho de 2012. Arquivado do original em 19 de outubro de 2012 

Referências bibliográficasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ananindeua