As Mil e Uma Noites (2015)

As Mil e Uma Noites é um filme tríptico de 2015 do género drama burlesco. Co-produzido internacionalmente (entre Portugal, França, Alemanha e Suíça), é realizado por Miguel Gomes a partir de um argumento de Gomes com Mariana Ricardo e Telmo Churro.[6] A longa-metragem é uma adaptação moderna da estrutura da colecção de histórias homónima, de modo a retratar os efeitos da crise financeira dos anos 2010 em Portugal.[7] É interpretada por um ensemble cast centrado na personagem de Xerazade (Crista Alfaiate) que, para permanecer viva, conta todas as noites ao Rei Shahriar uma história sobre o povo português.[8]

As Mil e Uma Noites
As mil e uma noites, Volume 1: O inquieto
As mil e uma noites, Volume 2: O desolado
As mil e uma noites, Volume 3: O encantado
Portugal Portugal,  França,
 Alemanha, Suíça
2015 •  cor •  381 min 
Realização Miguel Gomes
Produção Luís Urbano
Sandro Aguilar
Argumento Miguel Gomes
Mariana Ricardo
Telmo Churro
Baseado em As Mil e Uma Noites
Elenco Crista Alfaiate,
Carloto Cotta,
Luísa Cruz
e Adriano Luz
Género docuficção, drama
Música Mariana Ricardo
Cinematografia Sayombhu Mukdeeprom
Figurino Silvia Grabowski
Edição Telmo Churro
Companhia(s) produtora(s) O Som e a Fúria[1][2][3]
Distribuição Portugal O Som e a Fúria
Brasil Tucumán Filmes
Lançamento
  • Portugal 27 de agosto de 2015 (Volume 1)
  • Portugal 24 de setembro de 2015 (Volume 2)
  • Portugal 8 de outubro de 2015 (Volume 3)
  • Brasil 12 de novembro de 2015 (Volume 1)
  • Brasil 3 de dezembro de 2015 (Volume 2)
  • Brasil 17 de dezembro de 2015 (Volume 3)
Idioma português
mandarim
Orçamento 2.7 milhões [4]
Receita 95 199,21 € (Volume 1)[5]
43 954,18 € (Volume 2)[5]
22 448,55 € (Volume 3)[5]
Site oficial

O filme compreende três partes: Volume 1: O inquieto de 125 minutos; Volume 2: O desolado de 131 minutos; e Volume 3: O encantado de 125 minutos. Estreou a 16 de maio de 2015 o Festival de Cinema de Cannes, exibido como parte da seção Quinzena dos realizadores. Comercialmente, o primeiro volume estreou nos cinemas de Portugal a 27 de agosto,[9] o segundo a 24 de setembro[10] e o terceiro a 8 de outubro de 2015.[11] No Brasil, o primeiro volume foi exibido a 12 de novembro,[12] o segundo a 3 de dezembro[13] e o terceiro a 17 de dezembro de 2015.[14]

As Mil e Uma Noites foi, de maneira geral, aclamado pela crítica, e Volume 2: O desolado escolhido para representar Portugal na competição do Óscar de melhor filme estrangeiro da edição de 2016.[15]

Índice e enredoEditar

Volume 1: O inquietoEditar

Os trabalhos do realizador, dos construtores navais e do exterminador de vespasEditar

Minuto 1. Num País Europeu em crise, Portugal, um realizador propõe-se a construir ficções a partir da miserável realidade onde está inserido. Devido ao período de recessão, os trabalhadores dos estaleiros de Viana do Castelo estão a ser demitidos. Milhares de famílias dependem daqueles postos de trabalho. Entretanto, pessoas que ganham a vida com a apicultura encontram outra ameaça ao seus empregos. Enxames inteiros estão a ser mortos por vespas asiáticas. Num esforço conjunto, bombeiros e um especialista tentam salvar as abelhas. Perante a estes dois relatos, o realizador sente-se incapaz de descobrir um sentido para o seu trabalho e foge covardemente, dando o seu lugar à bela Xerazade.[16]

A ilha das jovens virgens de BagdadEditar

Minuto 24. Com a cumplicidade da sua irmã Doniazade, Xerazade inicia um estratagema para tentar pôr fim à loucura sanguinária do Rei Schahriar que, atraiçoado pela sua primeira esposa, decidiu desposar todos os dias uma nova donzela que manda matar ao nascer do Sol. Sob o risco de perder a cabeça, Xerezade conta todas as noites ao Rei histórias que deixa suspensas para as continuar na noite seguinte, contrariando assim a jura deste em assassinar as suas mulheres após a noite de núpcias. Xerazade precisará de ânimo e coragem para não aborrecer o Rei com as suas tristes histórias. Caracteriza-as de histórias partidas da realidade de um desgraçado país em crise económica e ebulição social: Portugal, durante o período de um ano. O país vive sob os efeitos dessa crise originada por um programa de assistência financeira coordenado pela autodenominada "troika", orgazização constituída pelo Fundo Monetário Internacional, pela Comissão Europeia e pelo Banco Central Europeu.[17]

Como no livro, serão histórias trágicas e cómicas, com gente rica ou pobre, insignificantes ou poderosos, repletas de acontecimentos surpreendentes e extraordinários. Com o passar das noites, a inquietude dá lugar à desolação e a desolação ao encantamento. Por isso Xerazade organiza as histórias que conta ao Rei em três volumes. Começa assim: "Oh venturoso Rei, fui sabedora de que num triste país entre os países…"[18]

Os homens de pau feitoEditar

Minuto 29. Nesta caricatura, os chefes de Governo, incluindo o Primeiro-ministro de Portugal, negociam o futuro do país com vários outros capitalistas estrangeiros, quando um feiticeiro lhes oferece a cura para sua impotência coletiva. Todos a aceitam, mas depressa encontram o outro lado de uma perpétua excitação sexual.[19]

A história do galo e do fogoEditar

Minuto 50. Num passado distante, um imperador chinês amaldiçoou Resende, desejando que ardesse em fogo para que ninguém mais lá pusesse os olhos. No presente, crianças interpretam um triângulo amoroso de adultos. Um galo incomoda a vizinhança por cantar de madrugada e acordar as pessoas mais cedo e por isso é levado a tribunal. Interrogado pelo juiz, o animal diz que o motivo da cantoria precoce é avisar a população em relação a uma tragédia fruto da antiga maldição.[20]

O banho dos magníficosEditar

Minuto 81. Luís está preocupado se irá chover no 1º de janeiro de 2014. Ele é o organizador de uma celebração de Ano Novo de um banho no mar de inverno para afastar o mau olhado e atrair vibrações positivas. Enquanto preparam este evento, Luís e a sua amiga, Maria, recebem em casa um grupo de desempregados. Na praia, uma baleia encalhada e sua explosão repentina deixam uma sereia a lutar pela vida no areal.[21]

Volume 2: O desoladoEditar

Crónica de fuga de Simão "Sem Tripas"Editar

Minuto 124. Simão "Sem Tripas" é um idoso procurado em todo país pelo homicídio da sua esposa e da sua filha. Apesar dos crimes cometidos, esquiva-se agilmente das forças policiais graças à ajuda de populares. Passa os dias em fuga, no interior do país. Quando é encontrado por três jovens nuas, Simão não tenta escapar.[22]

As lágrimas da juízaEditar

Minuto 161. O conto inicia-se com a imagem de um pénis com manchas de sangue. Uma magistrada tenta julgar um caso aparentemente simples: endividados, os arrendatários de um imóvel roubaram os bens do senhorio e, este, inconformado, decidiu processá-los. Os réus conseguem imputar a culpa ao próprio proprietário. Por sua vez, o senhorio diz que seguiu o conselho de um génio. Sucessivamente, a responsabilidade vai sendo atribuída a outros. Neste círculo vicioso da injustiça social, surge uma vaca de papel, uma mulher surda, doze amantes chinesas e um detetor de mentiras em forma humana.[23]

Os donos de DixieEditar

Minuto 202. Glória achava que seu animal de estimação estava morto até Dixie, um cão idêntico, aparecer misteriosamente no condomínio onde habita. Um pouco por pena, decide entregar o animal ao cuidado do seu casal vizinho: Humberto e Luísa. Dixie é paciente e bastante amoroso, pelo que faz a alegria de outro casal, os desempregados Vasco e Vânia. De casa em casa, Dixie é uma alma feliz que traz consolo aos seus donos. No final, Dixie encontra seu fantasma do passado.[24]

Volume 3: O encantadoEditar

XerazadeEditar

Minuto 256. Xerazade duvida que ainda consiga contar histórias que agradem ao Rei, dado que o que tem para contar pesa três mil toneladas. Por isso foge do palácio e percorre o Reino em busca de prazer e encantamento. O seu pai, o Grão Vizir, marca encontro com ela na roda gigante, e Xerazade retoma a narração: "Oh venturoso Rei, fui sabedora que em antigos bairros de lata de Lisboa, existia uma comunidade de homens enfeitiçados que, com rigor e paixão, se dedicava a ensinar pássaros a cantar…"[25]

 
O inebriante canto dos tentilhões retrata como uma comunidade de passarinheiros compete com os seus tentilhões.

O inebriante canto dos tentilhõesEditar

Minuto 297. Xerazade narrra a rotina de uma comunidade de passarinheiros que vivem num bairro perto do aeroporto, homens que têm como passatempo capturar tentilhões e participar de competições de canto. Uma atividade bastante difundida por todo o território de Portugal, com o passar dos anos, foi sofrendo com a ação indiscriminada do progresso. Algumas das áreas onde atuavam foram transformadas em zonas industriais.[26]

Floresta quenteEditar

Minuto 339. Lin Nuan, uma imigrante chinesa em terras lusitanas, narra a sua própria saga. Nuan encontra um policia português durante uma manifestação, torna-se sua amante, e depois de engravidar é abandonada e extraditada de regresso à China. Em pano de fundo, desenvolve-se uma manifestação junto da Assembleia da República onde se exigem melhores condições de trabalho.[27]

Neste momento da narração, Xerazade viu despontar a manhã e, discretamente, calou-se.[28]

Ficha artísticaEditar

Elenco recorrenteEditar

Ator Personagem
A ilha das jovens virgens de Bagdad Os homens de pau feito O banho dos magníficos Crónica de fuga de Simão "Sem Tripas" As lágrimas da juíza Os donos de Dixie Xerazade O inebriante canto dos tentilhões Floresta quente
Crista
Alfaiate
Xerazade   Maria Punk   Génio;
Voz da Vaca
  Xerazade    
Margarida Carpinteiro         Mãe que
rouba móveis
Glória      
Chico
Chapas
      Simão
"Sem Tripas"
      Passarinheiro  
Carloto
Cotta
  Tradutor     Careto   Paddleman    
Luísa
Cruz
  Dona do
bordel
    Juíza        
Jing Jing
Guo
        Amante
chinesa
      Lin Nuam
Adriano
Luz
  Sindicalista Luís   Pai do
Ladrão amável
       
Américo
Silva
  Homem do FMI     Negociante
de gado
  Grão Vizir    
Joana de Verona         Filha da Juíza Vânia      
Gonçalo Waddington         Filho que rouba; Careto Vasco   Passarinheiro  

Elenco adicionalEditar

Os trabalhos do realizador, dos construtores navais e do exterminador de vespasEditar

  • Vitor Barbosa, como Exterminador de vespas.
  • Martinho Cerqueira, como Trabalhador do Estaleiro Naval de Viana do Castelo.
  • Miguel Gomes, como Realizador.

Os homens de pau feitoEditar

A história do galo e do fogoEditar

  • Sabrina Lopes, como Sandra.
  • Fernanda Loureiro, como Dona do Galo.[30]
  • Armando Nunes, como Juiz.

O banho dos magníficosEditar

As lágrimas da juízaEditar

Os donos de DixieEditar

XerazadeEditar

  • Amar Bounachada, como Rei.
  • Lionel Franc, como o próprio.

Equipa técnicaEditar

  • Realizador: Miguel Gomes[32]
  • Argumento: Miguel Gomes, Mariana Ricardo e Telmo Churro[33]
  • Fotografia: Sayombhu Mukdeeprom[34]
  • Som: Vasco Pimentel
  • Misturas: Miguel Martins
  • Montagem: Telmo Churro
  • Guarda roupa: Silvia Grabowski
  • Decoração: Bruno Duarte e Artur Pinheiro
  • Direção de produção: Isabel Silva
  • Assistente de realização: Bruno Lourenço
  • Produtor executivo: Luís Urbano

ProduçãoEditar

As Mil e Uma Noites é uma co-produção internacional entre Portugal, França, Alemanha e Suíça, liderada pela produtora O Som e a Fúria (produção executiva de Luís Urbano e Sandro Aguilar).[35] O orçamento do filme, de cerca de 2,7 milhões de euros, foi garantido em mais de 80% por Portugal (cerca 1,240 milhões de euros) e França (1,135 milhões), sendo a participação alemã de cerca de 394 mil euros. Em outubro de 2013, o Conselho de Administração do Fundo Eurimages do Conselho da Europa incluiu a longa metragem na sua lista de 20 projetos para apoio financeiro.[36]

DesenvolvimentoEditar

O modelo de produção de As Mil e Uma Noites propunha fazer um filme com os acontecimentos que decorreram em Portugal durante um período de 12 meses.[37] O calendário de produção desta longa-metragem iniciou-se a agosto de 2013 e terminou a julho de 2014. Durante este período, pesquisa, escrita do argumento e rodagem decorreram em simultâneo.[38] O projeto apresentou uma componente inédita no cinema português, uma vez que a produtora O Som e a Fúria criou um site para o qual trabalhavam três jornalistas e um ilustrador. A sua função era investigar e recolher notícias e histórias do quotidiano da crise vividas pelos portugueses. Semanalmente, a jornalista Maria José Oliveira apresentava as principais notícias da semana aos argumentistas e produtor, que fariam escolhas de histórias para matéria do argumento, ou pedidos aos jornalistas para continuar a investigar sobre um evento específico.[39] Gomes descreveu o processo do seguinte modo: "Usámos um material noticioso e não tínhamos um argumento formal, fechado. Filmámos a partir de um processo contínuo de investigação, vivo, invertendo os modelos industriais do cinema, fazendo algo que só há no topo da cadeia do audiovisual".[40] Uma vez que não havia um argumento fechado, a decisão de compor três filmes (Volume 1: O inquieto de 125 minutos; Volume 2: O desolado de 131 minutos; e Volume 3: O encantado de 125 minutos) foi tomada apenas no final das filmagens, no processo de montagem.[41] A edição e pós-produção do filme decorreu até fevereiro de 2015.

RodagemEditar

De acordo com as notas de produção de Miguel Gomes, uma das primeiras histórias a ser gravada foi Floresta quente: "É o seu primeiro dia de rodagem (do cinematógrafo Sayombhu Mukdeeprom) e estamos rodeados de milhares de polícias frente à Assembleia da República. Os polícias que se manifestam conseguem romper o cordão de segurança dos seus colegas de serviço e começam a subir a escadaria da Assembleia. Nenhuma manifestação passada em Lisboa chegou a este ponto. As imagens que filmamos parecem as de uma revolução. Mas não são. Sayombhu parece estar divertido".[42] O banho dos magníficos foi rodado em janeiro de 2014, com cenas na Praia da Barra (Ílhavo) que recebeu uma réplica em esferovite de uma baleia, com mais de dez metros de comprimento.[43] Enquanto a maior parte das histórias foi gravada no período de uma semana, O inebriante canto dos tentilhões estendeu-se durante grande parte da produção. Uma vez que Gomes pretendia acompanhar a rotina e o desenvolvimento das competições entre passarinheiros, visitava o bairro lisboeta onde habitavam para os filmar com uma regularidade semanal.

Temas e estiloEditar

O que os autores pretendiam com esta adaptação de As Mil e Uma Noites era concretizar, em simultâneo, uma evocação do espírito burlesco ficcional de As mil e uma noites (nomeadamente, através da utilização da estrutura desta compilação de contos) e traçar um retrato de Portugal num momento em que o país estava mais sujeito aos efeitos sociais despoletados pelo programa de assistência financeira da Troika.[28] Neste sentido, comentadores da obra escreveram que Miguel Gomes, enquanto realizador, é tão refém da realidade dolorosa do seu país, quanto Xerazade é refém do seu Rei.[44]

Os contos incluídos na obra cinematográfica mesclam elementos da realidade da crise económica, a ficção cómica, o drama social, o documentário antropológico, o comentário político e o fantástico.[45] Acerca da sua abordagem a este projeto, Gomes diz que "a presença de humor livra o espetador de ser submetido às chantagens emocionais do drama. É importante haver no cinema um olhar que não traia o público nem os personagens por assumir certa superioridade e distanciamento".[46] Exemplo dessa interligação de estilos é o segmento Os homens de pau feito. O que inicialmente parece uma recriação séria de uma reunião da Troika, transforma-se gradualmente num conto absurdo, culminando com elementos de folclore árabe quando um mago cura magicamente a impotência dos líderes mundiais.[47]

Este episódio sugere também o interesse contínuo de Gomes em questões de pós-colonialismo, explorados na sua anterior longa-metragem, Tabu. Nesta progressão dos temas da sua filmografia, denota-se que contos como O banho dos magníficos e O inebriante canto dos tentilhões são os que mais claramente remontam ao uso de elementos do género de documentário, tal como Gomes utilizou em Aquele querido mês de agosto.[48] Também a sua primeira longa-metragem, A cara que mereces, é um filme dividido em partes, com mudança de perspetiva.

O segmento mais abertamente político de toda a trilogia é As lágrimas da juíza. Este tribunal representado funciona como um microuniverso da sociedade, no qual se interrelacionam vários atores sociais, tendo como ponto de convergência o Estado. De facto, o absurdo da trama surge por a juíza, ao tentar descobrir as causas de um único ato criminoso, se ver envolvida num pântano de causas interligadas que abarcam todos os presentes no julgamento. Tal conto sugere que um comportamento criminoso não pode ser entendido numa avaliação estéril caso a caso. Pelo contrário, todo o sistema de uma sociedade deve ser considerado.[49]

Os diversos contos de As Mil e Uma Noites são rodados em diferentes cenários e com diferentes atores, que a câmara de Gomes regista com curiosidade. É mostrado um Portugal de múltiplas territorialidades, de distintas formas de ocupação dos espaços: os condomínios populares nos centros urbanos; as aldeias já quase inabitadas; as cidades do interior; a beira-mar e as praias; bosques e montanhas. Os planos do realizador mostram a sua intenção de mostrar e escutar os intervenientes e o que os envolve. Tal denota-se por os travellings de acompanhamento de Simão "Sem Tripas" ao longo da sua fuga entre rochas serem os mesmos do acompanhamento de Vasco e Vânia pelos muros graffitados do subúrbio onde habitam.[50]

DistribuiçãoEditar

As Mil e Uma Noites foi selecionado para edição de 2015 do Festival de Cinema de Cannes. Devido à duração da obra, os organizadores ofereceram-lhe a possibilidade de integrar a secção Un Certain Regard, mas Miguel Gomes optou por a exibir na Quinzena dos realizadores.[51] Volume 1: O inquieto estreou a 16 de maio, Volume 2: O desolado a 18 de maio e Volume 3: O encantado a 20 de maio de 2015.[52]

A estreia comercial dos filmes decorreu inicialmente em França. Volume 1: O inquieto foi lançado a 24 de junho, Volume 2: O desolado a 29 de julho e Volume 3: O encantado a 26 de agosto de 2015.[53] Em Portugal, distribuído pela O Som e a Fúria, Volume 1: O inquieto chegou às salas comerciais a 27 de agosto de 2015. A propósito da estreia e do primeiro Aniversário do Cinema Ideal, em Lisboa, os restantes volumes da trilogia foram exibidos, numa sessão com a apresentação do próprio realizador.[54] Volume 2: O desolado estreou comercialmente a 24 de setembro e Volume 3: O encantado a 1 de outubro de 2015.[55] No Brasil, o primeiro volume foi exibido a 12 de novembro,[12] o segundo a 3 de dezembro[13] e o terceiro a 17 de dezembro de 2015.[14][56].

As Mil e Uma Noites foi exibido comercialmente também na Bélgica, Polónia, Holanda, Reino Unido e Espanha. Em Itália, foi lançado a partir de dia 18 de março de 2016, estando a distribuição a cargo da Milano Film Network.[57]

Os três volumes As Mil e Uma Noites foram editados em DVD pela Cinema Português, com lançamento em dezembro de 2015.[58]

A estreia televisiva da obra decorreu na RTP2[59]: Volume 1: O inquieto foi exibido a 12 de janeiro, Volume 2: O desolado a 19 de janeiro e Volume 3: O encantado a 26 de janeiro de 2019.[60] Os três volumes de As Mil e Uma Noites estão também disponíveis na plataforma de streaming HBO Portugal, desde outubro de 2020.[61]

FestivaisEditar

O filme percorreu um longo circuito de Festivais internacionais de cinema entre 2015 e 2016. Destacam-se os seguintes:

ReceçãoEditar

Em Portugal, da trilogia As Mil e Uma Noites,Volume 1: O inquieto foi o filme com mais espetadores (18.864), o que fez deste o quarto filme português mais visto de 2015. O volume totalizou uma receita bruta de 95.199,21€. No conjunto dos seus volumes, a obra contou com cerca de 32 mil pagantes no país.[67]

CríticaEditar

As Mil e Uma Noites recebeu, de forma geral, comentários positivos pela crítica especializada. No agregador de críticas Rotten Tomatoes, Volume 1: O inquieto mantém um rating de aprovação de 97%, baseado em 34 críticas, com um rating médio de 8.00/10. No consenso da crítica no website lê-se: "O toque vibrante de Miguel Gomes em As Mil e Uma Noites gira em torno de uma miríade de fios que se fundem numa colorida ode a Portugal".[68] Volume 2: O desolado regista um rating de aprovação de 100%, baseado em 16 críticas, com um rating médio de 8.10/10.[69] Por último, Volume 3: O encantado mantém um rating de aprovação de 88%, baseado em 24 críticas, com um rating médio de 7.10/10.[70] Num outro agregador, Metacritic, que atribui uma classificação até 100 a partir das publicações de críticos de cinema convencionais, Volume 1: O inquieto[71] e Volume 3: O encantado[72] receberam uma pontuação de 80, com base em 10 críticos, indicando "avaliações geralmente favoráveis". Volume 2: O desolado recebeu uma pontuação de 81, com base em 9 críticos, sugerindo "aclamação universal".[73]

Boyd van Hoeij do The Hollywood Reporter apelidou a primeira parte de As Mil e Uma Noites uma "colagem frequentemente fascinante de histórias"[74] e a segunda parte "uma obra apropriadamente marcante, dramática e até alegre que, no entanto, faria pouco sentido por si só".[75] Nos seus textos, o crítico comenta como a obra é um testamento do poder das histórias para entreter e fazer esquecer preocupações, seja por as cristalizar ou trazê-las para um público maior[76] e que essa "é sem dúvida a maior conquista de Gomes".[77] Richard Brody, do The New Yorker, considerou As Mil e Uma Noites um "tríptico apaixonadamente investigativo e floridamente imaginativo" e, em particular, o seu primeiro volume "uma explosão barulhenta e contundente, compassiva e urgente". Brody conclui que "Com uma mistura de tradição local e fúria partidária, artifício teatral e investigação jornalística, Gomes reinventa sozinho o cinema político."[78] Lea Bianchini (O Cafezinho) comenta que apesar de o tema da crise económica ser pesado para uma trilogia, o realizador "consegue dar leveza à história utilizando elementos como o surrealismo e o humor sarcástico".[79]

Em Portugal, o filme foi igualmente elogiado pela crítica. Na sua crítica, Carlos Natálio (À pala de Walsh) valoriza a metodologia do filme de partir de factos jornalísticos para ir de encontro com o real, concluindo: "a heterogeneidade é todo o reino e todo o método do cinema de Miguel Gomes".[80] Jorge Mourinha (Público) escreve que o tríptico de Miguel Gomes "é um statement artístico maior do que a mera soma das suas partes", ainda que considere Volume 1: O inquieto, "o volume que melhor resulta isoladamente, funcionando ao mesmo tempo como apresentação do projecto, exemplificação da concretização e síntese da abordagem".[81]

Vários críticos elegeram As lágrimas da juíza o melhor segmento da obra, como Luiz Carlos Merten (O Estado de S. Paulo)[82] e Luiz Santiago (Plano Crítico).[83] Sobre o conto, Francisco Russo (Adoro Cinema) destaca a "surpreendente sucessão de eventos, todos encadeados e tendo como motivação maior o empobrecimento da população, encanta não apenas pelas risadas provocadas mas também pela própria criatividade do texto, sem limites rumo ao absurdo."[84] Membros da equipa do filme (como o ator Adriano Luz) também destacam este conto, sendo que o próprio realizador o considera "o coração d'As Mil e Uma Noites".[85]

PremiaçõesEditar

Entre outros motivos, devido ao consenso quanto à qualidade de As lágrimas da juíza, Mil e Uma Noites, Volume 2: O desolado foi o filme escolhido pela Academia Portuguesa das Artes e Ciências Cinematográficas como candidato de Portugal à nomeação para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro na 88ª edição dos Óscares[86][87], embora não tenha constado da lista dos nove filmes semi-finalistas ao galardão.[88] Ainda assim, o mesmo volume volume foi submetido e nomeados para Melhor Filme Iberoamericano, dos Prémio Goya.[89]

Ano Premiação Categoria Trabalho Resultado Ref.
2015 Festival de Cinema de Cannes Palm dog Lucky Venceu [90]
Cahiers du Cinéma Melhor filme Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau 8º lugar
Coimbra Caminhos do Cinema Português Melhor realizador Miguel Gomes Venceu
Melhor argumento original Telmo Churro, Miguel Gomes e Mariana Ricardo Venceu
Melhor argumento adaptado Telmo Churro, Miguel Gomes e Mariana Ricardo Venceu
Melhor atriz secundária Luísa Cruz Venceu
European Film Awards Melhor engenheiro de som europeu Vasco Pimentel e Miguel Martins Venceu
Faro Island Film Festival Melhor filme Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Indicado
Munich Film Festival Melhor filme internacional Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Indicado
Prémios Fénix Melhor filme Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Indicado
Melhor realizador Miguel Gomes Indicado
Melhor argumento Telmo Churro, Miguel Gomes e Mariana Ricardo Indicado
Melhor edição Miguel Gomes, Telmo Churro e Pedro Filipe Marques Venceu
Melhor direção de arte Artur Pinheiro e Bruno Duarte Indicado
Seville European Film Festival Melhor filme Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Venceu
Sydney Film Festival Melhor filme Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Venceu
Festival Internacional de Cinema T-Mobile Nowe Horyzonty Prémio FIPRESCI Miguel Gomes Venceu [91]
Grande prémio da competição internacional Miguel Gomes Indicado
2016 Globos de ouro, SIC Melhor filme Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Venceu [92]
Melhor atriz Crista Alfaiate Indicado
Melhor atriz Luísa Cruz Indicado
Melhor ator Adriano Luz Indicado
Prémio Autores Melhor filme Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Indicado
Melhor argumento Telmo Churro, Miguel Gomes e Mariana Ricardo Indicado
Melhor atriz Joana de Verona Venceu
Melhor ator Gonçalo Waddington Indicado
Prémios Cinema Eye Honors Prémio Heterodox Miguel Gomes Indicado
Prémios CinEuphoria Competição nacional: Melhor filme Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Venceu
Competição nacional: Melhor realizador Miguel Gomes Venceu
Competição nacional: Top 10 do ano Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Venceu
Prémio do público: Top 10 do ano Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Venceu
Competição nacional: Melhor argumento Telmo Churro, Miguel Gomes e Mariana Ricardo Indicado
Competição nacional: Melhor edição Miguel Gomes, Telmo Churro e Pedro Filipe Marques Venceu
Competição nacional: Melhor cinematografia Sayombhu Mukdeeprom Indicado
Competição nacional: Melhores efeitos especiais (Som ou visual) Miguel Martins e Vasco Pimentel Indicado
Competição nacional: Melhor guarda roupa Lucha d'Orey e Silvia Grabowski Indicado
Competição nacional: Melhor elenco Crista Alfaiate, et al Indicado
Competição nacional: Melhor ator secundário Adriano Luz Indicado
Competição nacional: Melhor ator secundário Rogério Samora Indicado
Competição nacional: Melhor trailer Mil e Uma Noites Venceu
Competição nacional: Melhor poster Mil e Uma Noites Indicado
Prémios International Cinephile Society Melhor filme Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau 10º lugar
Melhor filme em língua não-inglesa Mil e Uma Noites, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau 4º lugar
Prémios Sophia da Academia de Cinema Portuguesa Melhor filme Mil e Uma Noites, Volume 2: O desolado, Sandro Aguilar, Luís Urbano e Thomas Ordonneau Indicado
Melhor realizador Miguel Gomes Indicado
Melhor ator Adriano Luz Indicado
Melhor guarda roupa Lucha d'Orey e Silvia Grabowski Indicado
Prémios Áquila Melhor ator secundário Carloto Cotta Indicado
Fundação Screen Actors GDA Performance num papel principal Luísa Cruz Venceu
Prémios Platino do Cinema Iberoamericano Melhor direção de arte Bruno Duarte e Artur Pinheiro Indicado

Outros mediaEditar

Website As 1001 noitesEditar

A produtora O Som e a Fúria manteve ao longo de 12 meses um website para o qual três jornalistas publicavam textos acerca das diferentes dimensões da atualidade nacional, para que servissem de base a histórias de Xerazade. A responsabilidade editorial coube à jornalista Maria José Oliveira.[93]

As Mil e Uma Noites: Substância, Estrutura e EstiloEditar

Esta é uma curta-metragem documental de 2015, realizada por José Paulo Silva Alcobia e produzida pela RTP. Em Substância, Estrutura e Estilo membros da equipa técnica e artística de As Mil e Uma Noites descrevem o processo e seu envolvimento na realização do filme.[94]

Referências

  1. «As Mil e Uma Noites - Volume 1, O Inquieto». O Som e a Fúria. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  2. «As Mil e Uma Noites - Volume 2, O Desolado». O Som e a Fúria. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  3. «As Mil e Uma Noites - Volume 3, O Encantado». O Som e a Fúria. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  4. Lusa (24 de agosto de 2015). «Filme "O inquieto" de "As mil e uma noites", de Miguel Gomes, estreia-se na quinta-feira». Rádio e Televisão de Portugal 
  5. a b c «RANKING DOS FILMES NACIONAIS ESTREADOS - 2015» (PDF). Instituto do Cinema e do Audiovisual. 16 de dezembro de 2015. Consultado em 21 de dezembro de 2017 
  6. «SWISS FILMS: As mil e uma noites». www.swissfilms.ch. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  7. Pereira, Jorge (22 de outubro de 2013). «Eurimages apoia «As Mil e uma Noites», o novo projeto de Miguel Gomes». C7nema 
  8. «Grátis! Trilogia completa de "As Mil e Uma Noites", de Miguel Gomes». Travelpedia. 22 de março de 2018. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  9. Lusa (18 de junho de 2015). «Primeiro filme de "As mil e uma noites" estreia-se a 27 de agosto». Diário de Notícias. Global Media Group 
  10. Lusa (7 de setembro de 2015). «"As Mil e Uma Noites, Volume 2: O Desolado" candidato de Portugal a nomeação para Óscares». Rádio e Televisão de Portugal 
  11. Lusa (11 de setembro de 2015). «"O Encantado", último filme da da trilogia de Miguel Gomes, estreia a 8 de outubro». SIC Notícias. Sociedade Independente de Comunicação 
  12. a b «As Mil e Uma Noites - Volume 1, O Inquieto». AdoroCinema. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  13. a b «As Mil e Uma Noites - Volume 2, O Desolado». AdoroCinema. Consultado em 25 de outubro de 2015 
  14. a b «As Mil e Uma Noites - Volume 3, O Encantado». AdoroCinema. Consultado em 25 de outubro de 2015 
  15. Lusa (7 de setembro de 2015). «As Mil e uma Noites: O Desolado candidato de Portugal a uma nomeação para Óscares». Público 
  16. Calendar, The Events. «As Mil e uma Noites – Trilogia de Miguel Gomes». Santa Tereza Tem. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  17. VAIVEM. «As Mil e Uma Noites, Miguel Gomes - VAIVEM». https://www.vaivem.com.ar/ (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  18. AUGIER-G. (2017). De l'emploi de la pilocarpine dans l'eclampsie puerperale. [Place of publication not identified],: HACHETTE LIVRE - BNF. OCLC 1006451219 
  19. Giacobbo, Bruno (18 de novembro de 2015). «Crítica de Filme | As Mil e Uma Noites: Volume 1, O Inquieto». Ultraverso. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  20. «As Mil e Uma Noites - trilogia de filmes fala sobre a crise em Portugal». O Cafezinho. 9 de novembro de 2015. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  21. Mourinha, Jorge. «"As Mil e Uma Noites" foram um acontecimento em Vila do Conde». PÚBLICO. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  22. «As Mil e Uma Noites, de Miguel Gomes». 23 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  23. Giacobbo, Bruno (18 de novembro de 2015). «Crítica de Filme | As Mil e Uma Noites: Volume 2, O Desolado». Ultraverso. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  24. «As Mil e Uma Noites - trilogia de filmes fala sobre a crise em Portugal». O Cafezinho. 9 de novembro de 2015. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  25. «As Mil e Uma Noites. O Encantado». Fundação Calouste Gulbenkian. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  26. Giacobbo, Bruno (18 de novembro de 2015). «Crítica de Filme | As Mil e Uma Noites: Volume 3, O Encantado». Ultraverso. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  27. «As Mil e Uma Noites - trilogia de filmes fala sobre a crise em Portugal». O Cafezinho. 9 de novembro de 2015. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  28. a b «O Filme | As 1001 Noites». web.archive.org. 25 de outubro de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  29. AdoroCinema, As Mil e Uma Noites - Volume 1, O Inquieto : Elenco, atores, equipe técnica, produção, consultado em 22 de dezembro de 2020 
  30. «Som e a Furia». www.osomeafuria.com. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  31. «As mil e uma noites – Volume 2, o desolado». Directors' Fortnight (em inglês). Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  32. «SWISS FILMS: As mil e uma noites». www.swissfilms.ch. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  33. «Som e a Furia». www.osomeafuria.com. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  34. Nascimento, Frederico Lopes / Marco Oliveira / Guilherme. «As Mil e Uma Noites». CinePT-Cinema Portugues. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  35. «Ficha Técnica | As 1001 Noites». web.archive.org. 31 de outubro de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  36. «Eurimages supports 20 co-productions». Cineuropa - the best of european cinema (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  37. Costa, Tiago Bartolomeu. «Miguel Gomes e o cinema que não dispensa o mundo». PÚBLICO. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  38. «CINEBOX - Filme de Miguel Gomes leva «baleia» à praia da Barra». web.archive.org. 7 de janeiro de 2014. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  39. «Miguel Gomes põe Xerazade a contar histórias da crise - Artes - DN». web.archive.org. 29 de maio de 2014. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  40. Fonseca, Rodrigo (6 de novembro de 2015). «"As Mil e Uma Noites é tropicalista", diz diretor português Miguel Gomes sobre sua trilogia de 6 horas de duração». Omelete. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  41. «Visão | 'AS MIL E UMA NOITES', SEGUNDO MIGUEL GOMES OU ERA UMA VEZ PORTUGAL AGORA...». Visão. 27 de agosto de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  42. «Visão | 'AS MIL E UMA NOITES', SEGUNDO MIGUEL GOMES OU ERA UMA VEZ PORTUGAL AGORA...». Visão. 27 de agosto de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  43. «CINEBOX - Filme de Miguel Gomes leva «baleia» à praia da Barra». web.archive.org. 7 de janeiro de 2014. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  44. «As Mil e Uma Noites - Volume 1 | Cine Metrópolis». cinema.ufes.br. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  45. «Visão | 'AS MIL E UMA NOITES', SEGUNDO MIGUEL GOMES OU ERA UMA VEZ PORTUGAL AGORA...». Visão. 27 de agosto de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  46. Fonseca, Rodrigo (6 de novembro de 2015). «"As Mil e Uma Noites é tropicalista", diz diretor português Miguel Gomes sobre sua trilogia de 6 horas de duração». Omelete. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  47. «As Mil e Uma Noites, de Miguel Gomes». 23 de janeiro de 2017. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  48. «'Arabian Nights — Volume 1, The Restless One' ('As mil e uma noites — Volume 1, o inquieto'): Cannes Review | Hollywood Reporter». www.hollywoodreporter.com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  49. «'Arabian Nights — Volume 2: The Desolate One' ('As mil e uma noites — Volume 2, o desolado'): Cannes Review | Hollywood Reporter». www.hollywoodreporter.com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  50. «As Mil e Uma Noites: Volume 2, O Desolado (2015) de Miguel Gomes». À pala de Walsh. 23 de setembro de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  51. Keslassy, Justin Chang,Elsa; Chang, Justin; Keslassy, Elsa (18 de abril de 2015). «Cannes: Miguel Gomes' 'Arabian Nights' to Screen in Directors' Fortnight». Variety (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  52. Chang, Justin; Chang, Justin (21 de abril de 2015). «Cannes: Directors' Fortnight Unveils 2015 Lineup». Variety (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  53. PÚBLICO. «Veja o trailer de "O Inquieto", a primeira aventura d'"As Mil e uma Noites"». PÚBLICO. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  54. «Visão | 'AS MIL E UMA NOITES', SEGUNDO MIGUEL GOMES OU ERA UMA VEZ PORTUGAL AGORA...». Visão. 27 de agosto de 2015. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  55. Gomes, Kathleen. «Portugal: este país de maravilhas existe». PÚBLICO. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  56. «Rio de Janeiro recebe a trilogia As Mil e Uma Noites de Miguel Gomes». Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  57. «AS MIL E UMA NOITES DE MIGUEL GOMES EM EXIBIÇÃO EM ITÁLIA - Notícias». ICA. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  58. «Mil e Uma Noites - 3 Volumes». FNAC 
  59. Portugal, Rádio e Televisão de. «Episódios - O Encantado - Filmes - RTP». www.rtp.pt. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  60. filmSPOT. «Destaques da programação da RTP2 (semana de 24 a 27 janeiro 2019)». filmSPOT. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  61. «'As Mil e Uma Noites' de Miguel Gomes a caminho da HBO». Notícias ao Minuto. 30 de setembro de 2020. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  62. «As mil e uma noites – Volume 1, o inquieto». Directors' Fortnight (em inglês). Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  63. Coelho, Sara Otto. «"As Mil e uma Noites" de Miguel Gomes vence Festival de Cinema de Sydney». Observador. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  64. «Program 15. MFF T-Mobile Nowe Horyzonty ogłoszony». Filmweb (em polaco). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  65. Punter, Jennie; Punter, Jennie (18 de agosto de 2015). «Sandra Bullock's 'Our Brand Is Crisis,' Robert Redford's 'Truth' to Premiere at Toronto». Variety (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  66. «As mil e uma noites - Volume 2, O Desolado | Viennale». www.viennale.at (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  67. «Arabian Nights: Volume 3 - The Enchanted One». Box Office Mojo. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  68. Arabian Nights: Volume 1 - The Restless One (As Mil e Uma Noites: Volume 1, O Inquieto) (2015) (em inglês), consultado em 22 de dezembro de 2020 
  69. Arabian Nights: Volume 2 - The Desolate One (As Mil e Uma Noites: Volume 2, O Desolado) (2015) (em inglês), consultado em 22 de dezembro de 2020 
  70. Arabian Nights: Volume 3, the Enchanted One (As Mil e Uma Noites: Volume 3, O Encantado) (2015) (em inglês), consultado em 22 de dezembro de 2020 
  71. Arabian Nights: Volume 1, The Restless One, consultado em 22 de dezembro de 2020 
  72. Arabian Nights: Volume 3, The Enchanted One, consultado em 22 de dezembro de 2020 
  73. Arabian Nights: Volume 2, The Desolate One, consultado em 22 de dezembro de 2020 
  74. «'Arabian Nights — Volume 1, The Restless One' ('As mil e uma noites — Volume 1, o inquieto'): Cannes Review | Hollywood Reporter». www.hollywoodreporter.com. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  75. «'Arabian Nights — Volume 2: The Desolate One' ('As mil e uma noites — Volume 2, o desolado'): Cannes Review | Hollywood Reporter». www.hollywoodreporter.com. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  76. «'Arabian Nights — Volume 1, The Restless One' ('As mil e uma noites — Volume 1, o inquieto'): Cannes Review | Hollywood Reporter». www.hollywoodreporter.com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  77. «'Arabian Nights — Volume 2: The Desolate One' ('As mil e uma noites — Volume 2, o desolado'): Cannes Review | Hollywood Reporter». www.hollywoodreporter.com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  78. Brody, Richard. «New York Film Festival Gets Political». The New Yorker (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  79. «As Mil e Uma Noites - trilogia de filmes fala sobre a crise em Portugal». O Cafezinho. 9 de novembro de 2015. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  80. «As Mil e Uma Noites: Volume 2, O Desolado (2015) de Miguel Gomes». À pala de Walsh. 23 de setembro de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  81. Mourinha, Jorge. «Sandinista!, disco 1». PÚBLICO. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  82. «Em 'As Mil e Uma Noites', Miguel Gomes repensa a identidade portuguesa - Cultura». Estadão. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  83. planocritico (7 de novembro de 2015). «Crítica | As Mil e Uma Noites: Volume 2 – O Desolado». Plano Crítico. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  84. AdoroCinema, As Mil e Uma Noites - Volume 2, O Desolado: Críticas AdoroCinema, consultado em 20 de dezembro de 2020 
  85. «As Mil e Uma Noites - Substância, Estrutura e Estilo de 08 Fev 2017 - RTP Play - RTP». RTP Play. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  86. «Filme de Miguel Gomes candidato a nomeação nos Óscares 2016». TVI24. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  87. «81 COUNTRIES IN COMPETITION FOR 2015 FOREIGN LANGUAGE FILM OSCAR». Oscars.org | Academy of Motion Picture Arts and Sciences (em inglês). 8 de outubro de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  88. «Filme de Miguel Gomes falha nomeação para os Óscares - DN». www.dn.pt. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  89. Observador. «Tudo sobre: As Mil e Uma Noites». Observador. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  90. Observador. «Cão de "As Mil e Uma Noites" vence Palm Dog em Cannes». Observador. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  91. «Program 15. MFF T-Mobile Nowe Horyzonty ogłoszony». Filmweb (em polaco). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  92. «SIC | "As Mil e Uma Noites" de Miguel Gomes». SIC. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  93. «O Site | As 1001 Noites». web.archive.org. 25 de outubro de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  94. Portugal, Rádio e Televisão de. «As Mil e Uma Noites - Substância, Estrutura e Estilo - Documentários - RTP». www.rtp.pt. Consultado em 22 de dezembro de 2020 

Ligações externasEditar