Abrir menu principal

Bedtime Stories (álbum de Madonna)

Bedtime Stories
Álbum de estúdio de Madonna
Lançamento 25 de outubro de 1994 (1994-10-25)
Gravação fevereiro – agosto de 1994
Gênero(s) Pop, R&B
Duração 51:50
Idioma(s) Inglês
Formato(s) CD, download digital
Gravadora(s) Maverick, Sire
Produção Madonna, Dallas Austin, Babyface, Dave "Jam" Hall, Nellee Hooper
Cronologia de Madonna
Erotica
(1992)
Something to Remember
(1995)
Capa da edição internacional
Singles de Bedtime Stories
  1. "Secret"
    Lançamento: 28 de setembro de 1994 (1994-09-28)
  2. "Take a Bow"
    Lançamento: 6 de dezembro de 1994 (1994-12-06)
  3. "Bedtime Story"
    Lançamento: 13 de fevereiro de 1995 (1995-02-13)
  4. "Human Nature"
    Lançamento: 6 de junho de 1995 (1995-06-06)

Bedtime Stories é o sexto álbum de estúdio da artista musical estadunidense Madonna. O seu lançamento ocorreu em 25 de outubro de 1994, através da Maverick e Sire Records. Para mudar para um som mais mainstream, Madonna colaborou com Dallas Austin, Babyface, Dave "Jam" Hall e Nellee Hooper, querendo suavizar sua imagem após a reação crítica e comercial que enfrentou após lançar projetos sexualmente explícitos nos dois anos anteriores, notavelmente com o álbum Erotica e o livro SEX. Essa transformação de imagem foi precedida pela balada "I'll Remember", da trilha sonora do filme With Honors, lançado no mesmo ano.

Um álbum pop e de R&B, Bedtime Stories explora temas líricos de amor, tristeza e romance, mas com uma abordagem menos sexual e atenuada. Os críticos descreveram o álbum como "autobiográfico", já que a música "Human Nature" aborda a controvérsia em torno de seus projetos anteriores. Madonna também trabalhou com a cantora islandesa Björk na faixa "Bedtime Story", pois queria explorar a cena musical de clubes britânicos, onde gêneros como o dub estavam crescendo em popularidade.

O álbum recebeu críticas positivas dos profissionais especializados em música, que elogiaram suas letras e produção "sinceras", e foi nomeado para melhor álbum vocal de pop no Grammy Awards de 1996. Comercialmente, foi uma melhoria em relação ao álbum anterior, estreando no número três no Billboard 200 dos Estados Unidos, sendo certificado com platina tripla pela Recording Industry Association of America (RIAA). Ele também se tornou seu quinto álbum na liderança das paradas da Austrália, e chegou as cinco melhores colocações em vários outros países. No total, Bedtime Stories já vendeu cerca de oito milhões de cópias em todo o mundo.

O single principal do álbum, "Secret", deu a Madonna sua trigésima quinta faixa consecutiva a entrar nas dez melhores posições da UK Singles Chart, enquanto "Take a Bow" passou sete semanas na liderança na Billboard Hot 100; no entanto, os próximos singles "Bedtime Story" e "Human Nature" não alcançaram o sucesso de seus antecessores. Para promover ainda mais o disco, Madonna apresentou músicas do álbum no American Music Awards de 1995 e no Brit Awards do mesmo ano. Uma turnê também foi planejada, mas não ocorreu devido a Madonna adquirir o papel de protagonista no filme Evita (1996).

AntecedentesEditar

Em 1992, Madonna lançou seu controverso livro SEX e seu quinto álbum de estúdio, Erotica, ambos contendo imagens sexuais explícitas e imagens de fantasias voyeurísticas. Ela também estrelou o suspense erótico Body of Evidence. Todos os lançamentos foram criticados por críticos e fãs, chamando a cantora de "renegada sexual", além de alegar que "ela tinha ido longe demais" e que sua carreira havia terminado. No início de 1994, a aparição de Madonna no Late Show with David Letterman foi notada por seu comportamento controverso. Isso incluía a cantora usando palavrões que exigiam censura na televisão, entregando a Letterman uma calcinha e pedindo que ele sentisse o cheiro. Isso tornou o episódio o mais censurado na história dos talk shows da televisão americana, ao mesmo tempo em que conquistou o programa com as classificações mais altas que já recebeu.[1][2] Uma música intitulada "I'll Remember" foi incluída na trilha sonora do filme With Honors em março de 1994. A música foi bem recebida pelos críticos, e foi vista como o primeiro passo positivo de Madonna para se reconectar com o público em geral e reparar os danos causados ​​que sua personalidade provocadora causou a sua carreira.[3]

Sobre o período controverso de sua carreira, Madonna disse: "Sinto que fui mal interpretada. Tentei fazer uma declaração sobre me sentir bem consigo mesma e explorar sua sexualidade, mas as pessoas entenderam que todos deveriam sair e fazer sexo com todo mundo, e que eu seria o líder disso. Então, decidi deixar isso pra trás porque é nisso que todos acabam se concentrando. O sexo é um assunto tão tabu, e é uma distração que eu prefiro nem oferecer".[4] Durante todo o ano de 1994, Madonna começou a gravar seu sexto álbum de estúdio. Ela colaborou com produtores de R&B como Dallas Austin, Dave "Jam" Hall e Babyface, também contratando a produtora britânica Nellee Hooper para o projeto.[5][6] Tornou-se uma das poucas ocasiões em que ela colaborou com produtores conhecidos, a primeira desde Nile Rodgers em Like a Virgin (1984).[7] Quando perguntada sobre o disco, Madonna disse que queria que as pessoas se concentrassem nos aspectos musicais dele, e gostaria que as músicas falassem por si mesmas. Ela também comentou que era porque ela não estava interessada em dar muitas entrevistas e estar na capa de revistas. Ela descreveu o álbum como "uma combinação de pop, R&B, hip-hop e uma gravação da Madonna. É muito, muito romântico".[8] Em uma entrevista à revista The Face, Madonna explicou suas inspirações por trás do Bedtime Stories, bem como o motivo da parceria com os produtores de músicas de R&B:[9]

Eu estive em um estado de espírito reflexivo. Eu fiz muitas pesquisas de alma e me senti em um clima romântico quando escrevi para o [disco], então foi sobre isso que escrevi... Decidi que queria trabalhar com vários produtores diferentes. O álbum de Björk foi um dos meus favoritos por anos — é produzido de forma brilhante. E eu também queria trabalhar com o Massive Attack. Então, obviamente, ele estava na lista. Nellee foi a última pessoa com quem eu trabalhei, e foi só então que eu entendi qual era o som de todo o álbum, então eu tive que voltar e refazer muito.

DesenvolvimentoEditar

O trabalho inicial de Madonna no álbum começou com Shep Pettibone, que produziu seu quinto álbum de estúdio, Erotica (1992). No entanto, ela descobriu que eles estavam fazendo a mesma linha de música do álbum anterior, o que não a agradou.[10] Na época, Madonna era fã da música "When Can I See You", de Babyface, e ficou interessada em trabalhar com ele, pois queria "baladas exuberantes" para seu álbum. Eles colaborariam em três músicas para o álbum em seu estúdio em Beverly Hills, com "Forbidden Love" e "Take a Bow" terminando no álbum.[5] Recordando o desenvolvimento desta última, o produtor comentou: "Eu não estava pensando muito nas paradas. Acho que fiquei mais admirado com o fato de estar trabalhando com Madonna. Foi inicialmente surreal, mas então você conhece a pessoa um pouco, você se acalma, e então é apenas trabalho. E o trabalho é divertido". Ele também disse que para "Forbidden Love", "ela ouviu a faixa básica e tudo começou a sair, melodias e tudo mais... Foi um processo muito mais fácil do que eu pensava que seria".[5]

As cantoras de Madonna, Donna De Lory e Niki Haris, foram convocadas para fornecer harmonias em "Survival". Ela comentou: "No minuto em que você entrou [no estúdio], ela estava lhe dando uma folha de letra. Essa era a atmosfera — não estamos aqui apenas para sair. É divertido, mas estamos aqui para trabalhar e fazer isso". De Lory lembra que as sessões de "Survival" levaram "duas horas", e não houve retomadas.[5] Durante as sessões de gravação, Madonna estava interessada em trabalhar com Austin depois que ele produziu o álbum de estreia de Joi, The Pendulum Vibe (1994). Segundo a cantora, "ela queria saber: 'Quem é esse? Quem o produziu? Como isso aconteceu?'".[11]

Além disso, Madonna também queria explorar a cena musical dos clubes britânicos, onde gêneros como o dub estavam crescendo em popularidade.[12] Dessa forma, ela decidiu trabalhar com vários produtores e compositores europeus na cena eletrônica, incluindo Nellee Hooper, que agradou Madonna devido à sua "sensibilidade europeia".[12] Convidando Hooper para Los Angeles, as sessões começaram a ocorrer nos Chappell Studios de Encino, Califórnia.[13] Björk aceitou a oferta de escrever uma faixa para o álbum, e escreveu uma música chamada "Let's Get Inconscious".[14] Depois que a demonstração da música terminou, Hooper e Marius de Vries reorganizaram a faixa e a versão final foi chamada "Bedtime Story", que se tornou o terceiro single do álbum.[14]

Título do álbum e arte de capaEditar

Após a liberação inicial na América do Norte, a imagem da capa do CD Madonna ia do lado direito para cima. Isso foi um erro e foi corrigido em tiragens subsequentes, todos com a imagem de Madonna de cima para baixo (esta versão da obra foi utilizada fora da América do Norte). A bandeja do CD foi uma luz de cor em pó, azul, mas depois de tiragens apenas tem uma bandeja de CD branco. A fonte usada em todo o projeto do álbum é Helvetica 25 Ultra Light.

Estilo musical e temasEditar

Bedtime Stories foi descrito como "um álbum morno, profundo, encaixes gentilmente pulsando".[15] Dispõe de uma grande parte de som "new-jack R&B".[16] Erotica também incorporou o estilo new jack swing, porém, Bedtime Stories atrai influências de R&B contemporâneo, em vez da dance music.[17] O som foi comparado com artistas como Aaliyah, Changing Faces, Joi, Mary J. Blige, TLC, e Xscape.[16] "Secret" inclui "violões, vocais habilmente adoçados e a assinatura R&B do produtor Dallas Austin".[18] Bedtime Story "é a faixa mais eletrônica, e que mais tarde inspirou Madonna à trabalhar com produtores como William Orbit e Mirwais Ahmadzaï".[18]

Enquanto o álbum foi concebido para ser mais popular e menos controverso do que seu antecessor, inclui talvez alguns dos trabalhos mais confessionais e de confronto interior de Madonna. Jim Farber do Entertainment Weekly, escreveu: "ela não só descarrega nunca na mídia, mas também detalha uma visão preocupante e profundamente pessoal de romance. Nunca houve letras autobiográficas como estas. As letras contêm uma 'mistura de tristeza e romance'".[16] Apesar de Madonna procurar restaurar a sua imagem através do álbum, ela declarou também que este período de sua vida foi concebido como um "período de vingança" para todas as pessoas (em particular os meios de comunicação) que estavam tentando invadir sua privacidade, e que uma vez que tudo foi em aberto, ela esperava que eles parassem e se concentrassem em sua música.

O álbum contém algumas amostras de canções de outros artistas. Inside of Me possui uma amostra do single de estreia de Aaliyah, "Back and Forth", e de The Gap Band, "Outstanding". Sanctuary contém uma amostra de "Watermelon Man", de Herbie Hancock a partir de seu álbum Head Hunters. Human Nature contém uma amostra de "What You Need" por Main Source.

Recepção críticaEditar

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic       [15]
Entertainment Weekly (B+) [16]
Rolling Stone       [19]
Slant Magazine       [18]

Bedtime Stories, desde seu lançamento, recebeu críticas positivas dos críticos. O crítico da Allmusic, Stephen Thomas Erlewine deu ao álbum quatro de cinco estrelas e uma revisão positiva, afirmando que "é um álbum quente" e que "oferece uma música mais humana e aberta".[15] Jim Farber do Entertainment Weekly deu o álbum uma revisão positiva, bem como, dando-lhe um B+, e escrevendo que "as novas faixas de trabalho menos como músicas individuais do que como um modo sustentado" e que Madonna "ainda tem algo a revelar".[16] Barbara O'Dair da Rolling Stone também deu ao álbum um comentário favorável e três estralas e meia de cinco, escrevendo que "Madonna surgiu com sons muito convincentes".[19] Em adição, Sal Cinquemani da revista Slant deu uma revisão positiva a Bedtime Stories e deu quatro de cinco estrelas, escrevendo que "é um álbum conceitual que se desdobra como um conto de fadas musical".[18]

No trigésimo oitavo Grammy Awards, Bedtime Stories recebeu uma nomeação para Melhor Álbum Pop Vocal.[20]

Legado e impactoEditar

Entre todos os seus discos, este tornou-se o menos executado em suas turnês e shows ao vivo. Madonna, no entanto incluiu Secret e Human Nature na setlist da turnê Drowned World Tour de 2001. Em 2004, uma versão remix de Bedtime Story como um interlúdio de vídeo em sua Re-Invention World Tour, e quatro anos mais tarde ela executou uma versão rock de Human Nature em sua Sticky and Sweet Tour, com Britney Spears em uma aparição de vídeo. Human Nature também fez parte da lista de canções performadas na MDNA Tour em 2012. Recentemente, Take a Bow foi adicionada à setlist de uma turnê pela primeira vez, sendo cantada em algumas apresentações da Rebel Heart Tour, 21 anos após seu lançamento.

Alinhamento de faixasEditar

Bedtime Stories
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "Survival"  Madonna, Dallas AustinNellee Hooper, Madonna 3:31
2. "Secret"  Madonna, Austin, Shep PettiboneMadonna, Austin 5:03
3. "I'd Rather Be Your Lover"  Madonna, Dave Hall, Isley Brothers, Christopher JasperMadonna, Hall 4:39
4. "Don't Stop"  Madonna, Austin, Colin WolfeMadonna, Austin, Daniel Abraham[A] 4:38
5. "Inside Of Me"  Madonna, Hall, HooperHooper, Madonna 4:11
6. "Human Nature"  Madonna, Hall, Shawn McKenzie, Kevin McKenzie, Michael DeeringMadonna, Hall 4:54
7. "Forbidden Love"  Babyface, MadonnaHooper, Madonna 4:08
8. "Love Tried To Welcome Me"  Madonna, HallMadonna, Hall 5:21
9. "Sanctuary"  Madonna, Austin, Anne Preven, Scott Cutler, Herbie HancockMadonna, Austin, Hooper[B] 5:02
10. "Bedtime Story"  Björk, Hooper, Marius De VriesHooper, Madonna 4:53
11. "Take a Bow"  Babyface, MadonnaBabyface, Madonna 5:21
Duração total:
51:50
Notas
A - denota coprodutores e remixadores
B - denota remixadores

Shep Pettibone foi creditado como coescritor de "Secret" pela ASCAP. Pettibone foi creditado no disco GHV2 Remixed: The Best of 1991-2001.

Samples: "Survival" - "Hey Love", interpretada originalmente por Stevie Wonder.

"I'd Rather Be Your Lover" - "It's Your Thing", originalmente executada por Lou Donaldson.

"Inside of Me" - "Back and Forth", interpretada originalmente por Aaliyah, "Outstanding", interpretada originalmente por The Gap Band e "The Trials of Life", interpretada originalmente por Gutter Snypes.

"Human Nature" - "What You Need", interpretada originalmente por Main Source.

"Forbidden Love" - "Down Here on the Ground", executada originalmente por Grant Green.

"Sanctuary" - "Watermelon Man", executada originalmente por Herbie Hancock.

Paradas e certificaçõesEditar

Apesar do grande sucesso do single "Secret", que alcançou o número três na Billboard Hot 100, o álbum teve um começo suave. Ele estreou na posição de número três na Billboard 200 dos Estados Unidos, com 145.000 unidades comercializadas em sua primeira semana, alcançando uma certificação de ouro após seis semanas. Logo depois, no entanto, o álbum começou a perder o vapor e a descer nas paradas, até o lançamento do segundo single, "Take a Bow". O sucesso da canção contribuiu para uma recuperação do disco nas tabelas musicais, fazendo suas vendas aumentarem expressivamente. O álbum acabou por ser certificado 3x Platina nos Estados Unidos.[21] No Reino Unido o sucesso foi moderado, estreou na segunda posição, atrás de Cross Road, de Bon Jovi. Mundialmente, Bedtime Stories contabiliza mais de 8 milhões de cópias vendidas.

Precedido por
Cross Road por Bon Jovi
Álbum número 1 no   ARIA Albums Chart
6–12 de Novembro de 1994
Sucedido por
MTV Unplugged in New York por Nirvana

Notas e referências

  1. Tucker, Ken (15 de abril de 1994). «Like Aversion» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  2. «Don't Fuck with Madonna» (em inglês). Time. 13 de fevereiro de 2009. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  3. Feldman 2000, p. 255
  4. Garratt, Sheryl (23 de outubro de 1994). «The Madonna Complex» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  5. a b c d Lynch, Joe (6 de outubro de 2014). «Madonna's 'Bedtime Stories' Turns 20: Babyface & Donna De Lory Look Back» (em inglês). Billboard. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  6. Pytlik 2003, p. 82
  7. Sullivan 2013, p. 648
  8. «Madonna Interview». FAX. 30 minutos. MuchMusic. 25 de novembro de 1994 
  9. Rooksby 2004, p. 45
  10. Palomino, Erika (21 de novembro de 1994). «Madonna desiste do sexo e volta ao romantismo». Folha de S. Paulo. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  11. Howard, Jacinta (4 de agosto de 2010). «Joi's badass revenge» (em inglês). Creative Loafing. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  12. a b O'Brien 2008, p. 291
  13. O'Brien 2008, p. 292
  14. a b Pytlik 2003, p. 82
  15. a b c Erlewine, Stephen Thomas. «Bedtime Stories > Overview». Allmusic. Consultado em 18 de outubro de 2009 
  16. a b c d e Farber, Jim (28 de outubro de 1994). «Album Review: 'Bedtime Stories' (1994)». Entertainment Weekly. Time Inc. Consultado em 12 de julho de 2011 
  17. Anderson, Kyle (20 de outubro de 2010). «Madonna gets kinky with Erotica». MTV News. Viacom. Consultado em 4 de julho de 2011 
  18. a b c d «Madonna: Bedtime Stories». Slant Magazine. 29 de março de 2003. Consultado em 12 de julho de 2011 
  19. a b O'Dair, Barbara (15 de dezembro de 1994). «Bedtime Stories by Madonna». Rolling Stone. Wenner Media. Consultado em 12 de julho de 2011 
  20. Strauss, Neil (5 de janeiro de 1996). «New Faces in Grammy Nominations». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 9 de julho de 2010 
  21. «American album certifications – Madonna – Bedtime Stories». Recording Industry Association of America. Consultado em 22 de outubro de 2011 
  22. «Album – Madonna, Bedtime Stories». Media Control Charts. Consultado em 27 de janeiro de 2012 
  23. a b c d e f «Madonna – Bedtime Stories (album)». Ultratop 50. Hung Median. Consultado em 27 de janeiro de 2012 
  24. «Hits of the World: Canada». Nielsen Business Media, Inc. Billboard: 50 3 de dezembro de 1994. Consultado em 28 de janeiro de 2011 
  25. «MADONNA - BEDTIME STORIES (ALBUM)». Dutchcharts.nl. Hung Medien. Consultado em 27 de janeiro de 2012 
  26. a b Salaverri, Fernando (setembro de 2005). Sólo éxitos: año a año, 1959–2002 1st ed. Spain: Fundación Autor-SGAE. ISBN 8480486392 
  27. «Bedtime Stories – Madonna | Billboard.com». billboard.com. Consultado em 8 de agosto de 2011 
  28. «Hits of the World: Eurochart». Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 106 (48). 91 páginas. 26 de novembro de 1994. ISSN 0006-2510 
  29. «Madonna Bedtime Stories – France – search with artist name». Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 25 de janeiro de 2012 
  30. Mahasz Hungary
  31. «Madonna: Discografia Italiana». Federation of the Italian Music Industry. HitParadeItalia. Consultado em 31 de maio de 2010 
  32. «ベッドタイム・ストーリーズ» (em japonês). Oricon. 5 de novembro de 1994. Consultado em 10 de julho de 2010 
  33. «Hits of the World: Portugal». Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 106 (47). 45 páginas. 19 de novembro de 1994. ISSN 0006-2510. Consultado em 1 de dezembro de 2010 
  34. «Chart Stats - Madonna - Bedtime Stories». The Official UK Charts Company. Chart Stats. Consultado em 27 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012 
  35. «Certificados de cds na Alemanha (Musik Industrie)». musikindustrie. www.musikindustrie.de. Consultado em 23 de abril de 2010 
  36. «Discos de Oro y Platino». Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas (em espanhol). Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 23 de abril de 2010 
  37. a b IFPI Austria
  38. «Certificados de cds no Brasil (ABPD)». ABPD. Associação Brasileira de Produtores de Disco. Consultado em 23 de abril de 2010 
  39. Music Canada
  40. RIAA
  41. International Federation of the Phonographic Industry (2002). «IFPI Platinum Europe Awards». ifpi.org. Consultado em 10 de agosto de 2008 
  42. «Certifications Albums Double Or - année 1995» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. 22 de agosto de 1995. Consultado em 24 de agosto de 2010 
  43. BPI
  44. IFPI Switzerland