Abrir menu principal

Eleições estaduais em Alagoas em 1954

As eleições estaduais em Alagoas em 1954 ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal, em 20 estados e nos territórios federais do Acre, Amapá, Rondônia e Roraima. Foram eleitos os senadores Freitas Cavalcanti e Rui Palmeira, além de nove deputados federais e trinta e cinco deputados estaduais.[1][nota 1][nota 2]

‹ 1950 Brasil 1955
Eleições parlamentares em  Alagoas em 1954
3 de outubro de 1954
(Turno único)
Senadores eleitos
Antonio Freitas Cavalcanti..tif Replace this image male.png
Líder Freitas Cavalcanti Rui Palmeira
Partido UDN UDN
Natural de Penedo, AL São Miguel dos Campos, AL
Votos 60.061 56.674
Porcentagem 27,76% 26,19%


Coat of arms of Brazil.svg
Senador de Alagoas

Nascido em Penedo, o advogado Freitas Cavalcanti é formado pela Universidade Federal de Pernambuco e possui especialização em Direito Penal e Direito Constitucional. Jornalista, escreveu para jornais na capital alagoana e em Belo Horizonte. Em Maceió dirigiu o Diário do Povo e depois a Imprensa Oficial. Inspetor de ensino, foi professor na atual Universidade Federal de Alagoas.[2] Sua carreira política transcorreu sob a legenda da UDN e nela elegeu-se deputado federal em 1945 e 1950. Eleito senador quatro anos depois, renunciou ao mandato em 1961 quando o presidente Jânio Quadros o nomeou ministro do Tribunal de Contas da União.[3]

Sua renúncia causou a efetivação de Afrânio Lages.[4] Também advogado, formou-se pela Universidade Federal da Bahia. Presidente da seccional alagoana da Ordem dos Advogados do Brasil e do Instituto dos Advogados daquele estado, integrou o Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas e, na condição de jornalista, a Associação Alagoana de Imprensa. Eleito deputado estadual em 1935, cumpriu o mandato até a chegada do Estado Novo. Professor da Universidade Federal de Alagoas, dirigiu a respectiva Faculdade de Direito e ocupou cargos de diretoria no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal, além de ter integrado o Tribunal de Contas de Alagoas. Filho de Maceió, sua volta à política ocorreu em 1954 via UDN como suplente se senador e em 1961 foi efetivado com a renúncia do titular.

Nascido em São Miguel dos Campos, o advogado Rui Palmeira foi oficial de gabinete e secretário da prefeitura de Maceió entre os anos 1930 e 1940. Formado pela Universidade Federal de Pernambuco, foi delegado auxiliar de polícia na capital alagoana, secretário da Ordem dos Advogados do Brasil seção Alagoas e membro do Instituto dos Advogados de Alagoas, além de trabalhar no Departamento de Estatística.[5] Jornalista, integrou a Associação Alagoana de Imprensa e trabalhou em jornais como Jornal de Alagoas e Gazeta de Alagoas, dentre outros. Eleito deputado federal pela UDN em 1945 e 1950, perdeu a eleição para governador em 1947, mas obteve um mandato de senador em 1954.[6]

Índice

Resultado da eleição para senadorEditar

Em relação à disputa para senador os arquivos do Tribunal Superior Eleitoral informam o comparecimento de 243.010 eleitores, dos quais 216.363 foram votos nominais ou votos válidos. Foram apurados também 24.806 votos em branco (10,21%) 1.841 votos nulos (0,76%).[1][nota 3][nota 4]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Freitas Cavalcanti
UDN
Afrânio Lages
UDN
221
UDN (sem coligação)
60.061
27,76%
Rui Palmeira
UDN
Luís Cavalcanti
UDN
222
UDN (sem coligação)
56.674
26,19%
Ismar de Góis Monteiro
PSD
José Sebastião Teixeira
PSD
414
PSD (sem coligação)
47.309
21,87%
Guedes de Miranda
PSD
Agenor Carneiro da Cunha
PSD
411
PSD (sem coligação)
43.556
20,13%
Silvestre Péricles
PSP
Esmeraldino Oliveira
PSP
444
PSP (sem coligação)
8.763
4,05%
  Eleito

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados. [7][8]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Muniz Falcão PTB 13.115 Ouricuri   Pernambuco
José Afonso UDN 8.613 Murici   Alagoas
Oceano Carleial UDN 8.183 Barbalha   Ceará
Armando Lages UDN 7.953 Maceió   Alagoas
Segismundo Andrade UDN 7.760 Pão de Açúcar   Alagoas
Medeiros Neto PSD 7.444 Traipu   Alagoas
Aurélio Viana PSB 7.069 Maceió   Alagoas
José Maria de Melo UDN 6.126 Viçosa   Alagoas
Ary Pitombo PTB 5.983 Neópolis   Sergipe

Deputados estaduais eleitosEditar

Estavam em jogo as 35 cadeiras da Assembleia Legislativa de Alagoas.[1]

Notas

  1. No Distrito Federal não houve eleição para governador, apenas para o Senado Federal.
  2. Não houve eleições no Território Federal de Fernando de Noronha.
  3. A composição das coligações partidárias foram colhidas numa mesma fonte e isso permite afirmar que as mesmas poderiam variar, embora aos olhos atuais pareça absurdo.
  4. Afrânio Lages (56.894 votos) e Luís Cavalcanti (55.832) elegeram-se suplentes de senador numa disputa à parte.

Referências

  1. a b c «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 28 de julho de 2016 
  2. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Freitas Cavalcanti». Consultado em 28 de julho de 2016 
  3. «Senado Federal do Brasil: senador Freitas Cavalcanti». Consultado em 28 de julho de 2016 
  4. «Senado Federal do Brasil: senador Afrânio Lages». Consultado em 28 de julho de 2016 
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Rui Palmeira». Consultado em 28 de julho de 2016 
  6. «Senado Federal do Brasil: senador Rui Palmeira». Consultado em 28 de julho de 2016 
  7. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 28 de julho de 2016. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  8. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 28 de julho de 2016