Abrir menu principal

Eleições estaduais na Paraíba em 1966

As eleições estaduais na Paraíba em 1966 ocorreram em 15 de novembro conforme dizia o Ato Institucional Número Três em 22 estados e nos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima. A ausência de eleições para governador e vice-governador se explica devido à eleição direta havida em 1965 na qual João Agripino e Severino Cabral chegaram ao Palácio da Redenção.[nota 1] Foram eleitos o senador Rui Carneiro, além de 13 deputados federais e 40 deputados estaduais numa disputa onde a ARENA obteve a maioria das cadeiras em jogo, embora o senador eleito pertencesse ao MDB.[1][2][nota 2]

1965 Brasil 1970
Eleições estaduais na  Paraíba em 1966
15 de novembro de 1966
(Senador eleito)
Senador (PB) Rui Carneiro.tif Replace this image male.png
Líder Rui Carneiro Aluizio Campos
Partido MDB ARENA
Natural de Pombal, PB Campina Grande, PB
Votos 192.497 183.320
Porcentagem 51,22% 48,78%


Coat of arms of Brazil.svg
Senador da Paraíba

Titular(es)
Rui Carneiro
MDB

Eleito(s)
Rui Carneiro
MDB

Nascido em Pombal, Rui Carneiro é jornalista e dirigiu o Correio da Manhã.[nota 3] Advogado formado à Universidade Federal de Pernambuco em 1927, foi correligionário de José Américo de Almeida e partidário da Revolução de 1930. Descendente de uma família de políticos, foi eleito suplente de deputado federal em 1934 e efetivado no ano seguinte. Funcionário do Banco do Brasil, assumiu o cargo de interventor federal na Paraíba em 1940 a convite do presidente Getúlio Vargas comandando o estado por cinco anos. Filiado ao PSD, foi eleito deputado estadual em 1947 renunciando logo depois para assumir a superintendência da Organização Henrique Lage e depois uma diretoria no Banco Lar Brasileiro.[3] Eleito senador em 1950 e 1958, foi derrotado por João Agripino ao disputar o governo do estado em 1965. Com a imposição do bipartidarismo ingressou no MDB e foi reconduzido ao Senado Federal em 1966.[4] Em termos simbólicos, o triunfo de Rui Carneiro fez dele o único oposicionista eleito no Nordeste, região onde o governo fez nove senadores, visto que no Ceará foram abertas duas vagas. Quanto ao domínio da ARENA na Paraíba vale reportar que os caudatários do governador João Agripino ingressaram no partido reforçando o poderio da legenda.

Resultado da eleição para senadorEditar

Foram apurados 375.817 votos nominais e houve ainda 21.909 votos em branco (5,30%) e 15.521 votos nulos (3,76%), resultando no comparecimento de 413.247 eleitores.[2]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Rui Carneiro
MDB
Antônio Pereira Diniz
MDB
-
MDB
(sem coligação)
192.497
51,22%
Aluizio Campos
ARENA
Américo Sérgio Maia
ARENA
-
ARENA
(sem coligação)
183.320
48,78%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[5][6]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Janduhy Carneiro MDB 26.909 6,68% Pombal   Paraíba
Humberto Lucena MDB 24.778 6,16% João Pessoa   Paraíba
Pedro Gondim[nota 4] ARENA 24.563 6,10% Alagoa Nova   Paraíba
Teotônio Neto ARENA 23.976 5,96% Santana dos Garrotes   Paraíba
Renato Ribeiro ARENA 20.888 5,19% Sapé   Paraíba
Wilson Braga ARENA 20.815 5,17% Conceição   Paraíba
Flaviano Ribeiro ARENA 18.890 4,69% João Pessoa   Paraíba
Ernani Sátiro[nota 5] ARENA 18.124 4,50% Patos   Paraíba
Petrônio Figueiredo MDB 17.809 4,42% Campina Grande   Paraíba
Manuel Vieira[nota 6] ARENA 17.737 4,41% Uiraúna   Paraíba
Vital do Rego[nota 4] ARENA 16.386 4,07% Campina Grande   Paraíba
Bivar Olinto MDB 15.239 3,79% Serra Negra do Norte   Rio Grande do Norte
José Gadelha MDB 13.169 3,27% Sousa   Paraíba

Deputados estaduais eleitosEditar

Na disputa pelas 40 vagas da Assembleia Legislativa da Paraíba a ARENA conquistou vinte e cinco vagas e o MDB quinze.[2]

Notas

  1. Posteriormente a Assembleia Legislativa da Paraíba elegeu Antônio Juarez Farias para vice-governador após a morte do titular.
  2. Nos territórios federais o pleito serviu apenas para a escolha de deputados federais, não havendo eleições no Distrito Federal e no Território Federal de Fernando de Noronha.
  3. Jornal paraibano homônimo de outro que existia no Rio de Janeiro.
  4. a b Teve o mandato cassado pelo Ato Institucional Número Cinco que em seu Art. 4º § único proibia a convocação do suplente.
  5. Renunciou em 9 de maio de 1969 para assumir uma cadeira no Superior Tribunal Militar sendo efetivado Milton Cabral.
  6. Renunciou em 24 de novembro de 1970 por motivos de saúde sendo efetivado Plínio Lemos.

Referências

  1. «Subsecretaria de Informações do Senado Federal do Brasil: Ato Institucional Número Três». Consultado em 8 de fevereiro de 2015 
  2. a b c «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 14 de julho de 2017 
  3. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Rui Carneiro». Consultado em 14 de julho de 2017 
  4. «Senado Federal do Brasil: senador Rui Carneiro». Consultado em 14 de julho de 2017 
  5. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 7 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  6. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 7 de fevereiro de 2015