Grande Prêmio do Brasil de 1991

Grande Prêmio do Brasil
de Fórmula 1 de 1991
Circuit Interlagos.svg
Décimo GP do Brasil realizado em Interlagos
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 24 de março de 1991
Nome oficial Grande Prêmio do Brasil
Local Autódromo de Interlagos, São Paulo, São Paulo, Brasil
Total 71 voltas / 307.075 km
Condições do tempo Nublado durante a largada, depois choveu
Pole
Piloto
Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda
Tempo 1:16.392
Volta mais rápida
Piloto
Reino Unido Nigel Mansell Williams-Renault
Tempo 1:20.436 (na volta 35)
Pódio
Primeiro
Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda
Segundo
Itália Ricardo Patrese Williams-Renault
Terceiro
Áustria Gerhard Berger McLaren-Honda

Resultados do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 realizado em Interlagos em 24 de março de 1991.[1] Segunda etapa da temporada, marcou a primeira vitória de Ayrton Senna em seu país.[2] Apesar do resultado, a corrida teve um final dramático pois Ayrton Senna perdeu quase todas as marchas de sua McLaren-Honda e sofreu um desgaste físico acima do normal, fazendo com que ele não conseguisse sair sozinho do carro ao cruzar a linha de chegada.[3] Tais elementos fizeram desta uma das provas mais lembradas na carreira do piloto brasileiro.[4][nota 1]

TreinosEditar

As Williams, pilotadas por Nigel Mansell e Ricardo Patrese se mostravam muito rápidas, em grande parte pela potência dos motores Renault, que começavam a despontar como grandes concorrentes dos motores Honda, que equipavam as McLaren. A disputa pela pole position comprovou esse equilíbrio. Senna conseguiu a pole na última volta, marcando 1:16.392, contra 1:16.775 de Patrese, conquistando assim, sua 54ª pole position.

CorridaEditar

"Não foi a minha maior vitória, mas a mais sofrida. Ficará guardada na minha memória para o resto da vida".[5]
Ayrton Senna.

A corrida começou com Senna na liderança e Mansell em segundo, quando este conseguiu a ultrapassagem em Patrese logo após a largada. Senna e Mansell ditavam o ritmo da prova abrindo larga vantagem com relação aos seus adversários. Com esse andamento, os pit stops poderiam fazer a diferença para se conhecer o vencedor da prova. A parada da McLaren foi perfeita, igualmente o da Williams.

Mansell roda na volta 61, o que dá a Senna a vantagem de 40 segundos sobre Patrese, que assumiu a segunda colocação. Neste momento, os problemas mecânicos começaram a aparecer no carro do brasileiro. Primeiro Senna perdeu a quarta marcha, tendo assim, que passar da terceira direto para a quinta. Depois, nenhuma marcha funcionava sem que ele tivesse que segurar a alavanca de marchas para que ela permanecesse engatada. Senna teve que segurar a alavanca de câmbio com a mão direita e pilotar com a esquerda. Nesse ínterim, Mansell, com problemas no câmbio semiautomático, abandonou a prova.[5] Devido ao problema no seu câmbio, a diferença de Senna para Patrese diminuía a cada volta. O brasileiro terminou a corrida só com a sexta marcha funcionando normalmente. A câmera onboard mostra que Ayrton parou de trocar de marcha nas últimas voltas da corrida, evidenciando o fato.[6]

Faltando duas voltas para o final, começou a chover em Interlagos, o que acabou decidindo a corrida. Após cruzar a linha final, Senna permaneceu no carro, sem forças para sair. Quando parou o carro na reta oposta para receber a bandeira do Brasil, o carro não saiu do lugar, mostrando que de fato o carro estava apenas com 1 marcha.

Depois, auxiliado, entrou em um carro da organização e foi para os boxes. No pódio ficou evidente seu esforço para obter a vitória. Ele mal conseguiu levantar a taça, precisando de ajuda para fazê-lo.[4]

Pós-corridaEditar

Logo após a bandeirada final, a comunicação de rádio da equipe foi aberta na TV, no exato momento em que Ayrton gritava, em parte pela vitória inédita como também pelas dores que sentia devido ao desgaste da corrida. Ainda na pista, em seguida a conquista inédita de Senna, os "fiscais de pista" comemoravam a vitória do brasileiro com pulos e abraços.[7]

Na entrevista, logo após a festa do pódio, Senna explicou o que de fato aconteceu. Relatando com detalhes a perda das marchas e o seu desgaste físico e psicológico.[8][9]

"Faltando 20 voltas para o final, perdi completamente a quarta marcha. Foi quase o fim para mim. Eu precisava mudar as marchas sem passar pela quarta, tinha de fazer um esforço tremendo com o braço. Com isso, além de perder tempo, comecei a ter um desgaste (físico) maior do que teria já com o acumulado da corrida. Faltando oito voltas para o final, a única marcha que entrou foi a sexta. Quando eu tentava mudar entrava o ponto morto. Coloquei a sexta e fui em sexta as sete voltas que faltavam. Na reta tudo bem, mas nas curvas lentas era quase impossível guiar o carro. O esforço que eu tinha que fazer para segurar o volante era maior ainda porque o motor empurrava o carro para fora das curvas lentas. Além desse problema, o motor ficava com numa RPM (rotação) muito baixa, não tinha potência. Eu via o Patrese chegando, chegando. Procurei mudar meu estilo de guiar para manter as RPM mais em cima, mas para isso eu tinha de ir mais forte para as curvas, segurar o volante ainda mais nos braços, literalmente."[5]
Ayrton Senna, em entrevista dada após a corrida.

Logo após o final da corrida, Ayrton retornou a sua mansão na Zona Norte da cidade de São Paulo escoltado por policiais, devido a presença maciça de público em frente a sua residência. Em seguida, já em cima do muro que cerca a mansão, Senna acenou para o público presente.[10][11]

Dois dias depois, quando os equipamentos chegaram em Woking, sede da McLaren, a equipe abriu o câmbio do carro. Segundo informado por um dos mecânicos “havia anéis sincronizadores quebrados e faltavam dentes nas engrenagens”.[5]

Pré-classificaçãoEditar

Pré-classificação
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 22   J. J. Lehto Dallara-Judd 1:19.540
2 33   Andrea de Cesaris Jordan-Ford 1:20.150
3 32   Bertrand Gachot Jordan-Ford 1:20.184
4 21   Emanuele Pirro Dallara-Judd 1:20.567
5 35   Eric van de Poele Lambo-Lamborghini 1:21.919
6 34   Nicola Larini Lambo-Lamborghini 1:22.944
7 31   Pedro Chaves Coloni-Ford 1:23.231
8 14   Olivier Grouillard Fondmetal-Ford 1:23.951
Não classificados
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
5 35   Eric van de Poele Lambo-Lamborghini 1:21.919
6 34   Nicola Larini Lambo-Lamborghini 1:22.944
7 31   Pedro Chaves Coloni-Ford 1:23.231
8 14   Olivier Grouillard Fondmetal-Ford 1:23.951

Treinos classificatóriosEditar

1º treino classificatório
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 1   Ayrton Senna McLaren-Honda 1:18.711
2 28   Jean Alesi Ferrari 1:19.350
3 2   Gerhard Berger McLaren-Honda 1:19.557
4 5   Nigel Mansell Williams-Renault 1:20.056
5 27   Alain Prost Ferrari 1:20.079
6 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 1:20.105
7 16   Ivan Capelli Leyton House-Ilmor 1:21.171
8 19   Roberto Moreno Benetton-Ford 1:21.266
9 21   Emanuele Pirro Dallara-Judd 1:21.286
10 32   Bertrand Gachot Jordan-Ford 1:21.493
11 4   Stefano Modena Tyrrell-Honda 1:21.709
12 33   Andrea de Cesaris Jordan-Ford 1:21.710
13 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Honda 1:21.825
14 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 1:22.069
15 29   Eric Bernard Lola-Ford 1:22.127
16 15   Maurício Gugelmin Leyton House-Ilmor 1:22.196
17 22   J. J. Lehto Dallara-Judd 1:22.243
18 30   Aguri Suzuki Lola-Ford 1:22.281
19 26   Erik Comas Ligier-Lamborghini 1:22.682
20 23   Pierluigi Martini Minardi-Ferrari 1:22.852
21 25   Thierry Boutsen Ligier-Lamborghini 1:23.197
22 7   Martin Brundle Brabham-Yamaha 1:23.271
23 8   Mark Blundell Brabham-Yamaha 1:23.547
24 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford 1:23.618
25 18   Stefan Johansson AGS-Ford 1:24.698
26 12   Julian Bailey Lotus-Judd 1:24.947
27 10   Alex Caffi Footwork-Porsche 1:25.555
28 11   Mika Häkkinen Lotus-Judd 1:25.587
29 9   Michele Alboreto Footwork-Porsche 1:25.795
30 24   Gianni Morbidelli Minardi-Ferrari 1:26.147
2º treino classificatório
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 1   Ayrton Senna McLaren-Honda 1:16.392
2 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 1.16.775
3 5   Nigel Mansell Williams-Renault 1.16.843
4 2   Gerhard Berger McLaren-Honda 1.17.471
5 28   Jean Alesi Ferrari 1:17.601
6 27   Alain Prost Ferrari 1.17.739
7 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 1.18.577
8 15   Maurício Gugelmin Leyton House-Ilmor 1.18.664
9 4   Stefano Modena Tyrrell-Honda 1.18.847
10 32   Bertrand Gachot Jordan-Ford 1.18.882
11 29   Eric Bernard Lola-Ford 1.19.291
12 21   Emanuele Pirro Dallara-Judd 1.19.305
13 33   Andrea de Cesaris Jordan-Ford 1.19.339
14 19   Roberto Moreno Benetton-Ford 1.19.360
15 16   Ivan Capelli Leyton House-Ilmor 1.19.517
16 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Honda 1.19.546
17 30   Aguri Suzuki Lola-Ford 1.19.832
18 25   Thierry Boutsen Ligier-Lamborghini 1.19.868
19 22   J. J. Lehto Dallara-Judd 1.19.954
20 23   Pierluigi Martini Minardi-Ferrari 1.20.175
21 24   Gianni Morbidelli Minardi-Ferrari 1.20.502
22 11   Mika Häkkinen Lotus-Judd 1.20.611
23 26   Erik Comas Ligier-Lamborghini 1.21.168
24 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford 1.21.219
25 8   Mark Blundell Brabham-Yamaha 1.21.230
26 7   Martin Brundle Brabham-Yamaha 1.21.280
27 10   Alex Caffi Footwork-Porsche 1.22.190
28 18   Stefan Johansson AGS-Ford 1.22.432
29 9   Michele Alboreto Footwork-Porsche 1.22.739
30 12   Julian Bailey Lotus-Judd 1.23.590
Não classificados
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
27 10   Alex Caffi Footwork-Porsche 1.22.190
28 18   Stefan Johansson AGS-Ford 1.22.432
29 9   Michele Alboreto Footwork-Porsche 1.22.739
30 12   Julian Bailey Lotus-Judd 1.23.590

Grid de largada e classificação da provaEditar

Grid de largada
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 1   Ayrton Senna McLaren-Honda 1:16.392
2 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 1.16.775
3 5   Nigel Mansell Williams-Renault 1.16.843
4 2   Gerhard Berger McLaren-Honda 1.17.471
5 28   Jean Alesi Ferrari 1:17.601
6 27   Alain Prost Ferrari 1.17.739
7 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 1.18.577
8 15   Maurício Gugelmin Leyton House-Ilmor 1.18.664
9 4   Stefano Modena Tyrrell-Honda 1.18.847
10 32   Bertrand Gachot Jordan-Ford 1.18.882
11 29   Eric Bernard Lola-Ford 1.19.291
12 21   Emanuele Pirro Dallara-Judd 1.19.305
13 33   Andrea de Cesaris Jordan-Ford 1.19.339
14 19   Roberto Moreno Benetton-Ford 1.19.360
15 16   Ivan Capelli Leyton House-Ilmor 1.19.517
16 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Honda 1.19.546
17 30   Aguri Suzuki Lola-Ford 1.19.832
18 25   Thierry Boutsen Ligier-Lamborghini 1.19.868
19 22   J. J. Lehto Dallara-Judd 1.19.954
20 23   Pierluigi Martini Minardi-Ferrari 1.20.175
21 24   Gianni Morbidelli Minardi-Ferrari 1.20.502
22 11   Mika Häkkinen Lotus-Judd 1.20.611
23 26   Erik Comas Ligier-Lamborghini 1.21.168
24 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford 1.21.219
25 8   Mark Blundell Brabham-Yamaha 1.21.230
26 7   Martin Brundle Brabham-Yamaha 1.21.280
Classificação da prova
Pos. Piloto Chassi/Motor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 1   Ayrton Senna McLaren-Honda 71 1:38'28.128 1 10
2 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 71 + 2.991 2 6
3 2   Gerhard Berger McLaren-Honda 71 + 5.416 4 4
4 27   Alain Prost Ferrari 71 + 19.369 6 3
5 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 71 + 21.960 7 2
6 28   Jean Alesi Ferrari 71 + 23.641 5 1
7 19   Roberto Moreno Benetton-Ford 70 + 1 volta 14
8 24   Gianni Morbidelli Minardi-Ferrari 69 + 2 voltas 21
9 11   Mika Häkkinen Lotus-Judd 68 + 3 voltas 22
10 22   Thierry Boutsen Ligier-Lamborghini 68 + 3 voltas 18
11 21   Emanuele Pirro Dallara-Judd 68 + 3 voltas 12
12 7   Martin Brundle Brabham-Yamaha 67 + 4 voltas 26
13 32   Bertrand Gachot Jordan-Ford 63 Sistema de combustível 10
Ret 5   Nigel Mansell Williams-Renault 59 Rodada 3
Ret 26   Erik Comas Ligier-Lamborghini 50 Motor 23
Ret 23   Pierluigi Martini Minardi-Ferrari 47 Rodada 20
Ret 8   Mark Blundell Brabham-Yamaha 34 Motor 25
Ret 29   Eric Bernard Lola-Ford 33 Radiador 11
Ret 22   J. J. Lehto Dallara-Judd 22 Pane elétrica 19
Ret 33   Andrea de Cesaris Jordan-Ford 20 Motor 13
Ret 4   Stefano Modena Tyrrell-Honda 19 Câmbio 9
Ret 16   Ivan Capelli Leyton House-Ilmor 16 Transmissão 15
Ret 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Honda 12 Rodada 16
Ret 15   Maurício Gugelmin Leyton House-Ilmor 9 Cansaço físico 8
Ret 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford 0 Suspensão 24
Ret 30   Aguri Suzuki Lola-Ford 0 Bomba de combustível 17
DNQ 10   Alex Caffi Footwork-Porsche Não qualificado
DNQ 18   Stefan Johansson AGS-Ford Não qualificado
DNQ 9   Michele Alboreto Footwork-Porsche Não qualificado
DNQ 12   Julian Bailey Lotus-Judd Não qualificado
DNPQ 35   Eric van de Poele Lambo-Lamborghini Não pré-qualificado
DNPQ 34   Nicola Larini Lambo-Lamborghini Não pré-qualificado
DNPQ 31   Pedro Chaves Coloni-Ford Não pré-qualificado
DNPQ 14   Olivier Grouillard Fondmetal-Ford Não pré-qualificado

Tabela do campeonato após a corridaEditar

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas.

Notas

  1. Voltas na liderança: Ayrton Senna liderou as 71 voltas da prova.

Referências

  1. «1991 Brazilian Grand Prix». Consultado em 7 de julho de 2019 
  2. Livio Oricchio (24 de março de 2016). «Uma marcha, blefe, dança com Pelé... Por trás da 1ª vitória de Senna no Brasil». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 7 de julho de 2019 
  3. «Brazilian GP, 1991». Consultado em 17 de maio de 2020 
  4. a b «Há 20 anos, Senna conquistava primeira vitória no GP do Brasil». globoesporte.com. Globo Esporte. 24 de março de 2011. Consultado em 10 de abril de 2016 
  5. a b c d Livio Oricchio (12 de novembro de 2019). «A verdadeira história da vitória de Senna no GP Brasil de 1991». Start. start.youse.com.br. Consultado em 17 de maio de 2020 
  6. «Verdade ou mito? Veja 10 histórias que marcaram a carreira de Senna». Site oficial Ayrton Senna. 1º de abril de 2015. Consultado em 10 de abril de 2016 
  7. Bernardo Bercht (20 de outubro de 2011). «Há 20 anos, Ayrton Senna era tricampeão e se tornava lenda da Formula 1». correiodopovo.com.br. Consultado em 16 de julho de 2017 
  8. «No Dia do Jornalista, veja entrevistas históricas que marcaram a carreira de Ayrton Senna». ayrtonsenna.com.br. 28 de janeiro de 2016. Consultado em 17 de maio de 2020 
  9. «Grande Prêmio do Brasil – 1991». Site oficial Ayrton Senna. Consultado em 10 de abril de 2016 
  10. Agência Estado (26 de março de 1991). «Câmbio é problema da McLaren, diz o piloto». O Fluminense. memoria.bn.br. Consultado em 17 de maio de 2020 
  11. Flavio Gomes (25 de março de 1991). «Para Ayrton, Deus foi o responsável pela vitória». acervo.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de maio de 2020 

Precedido por
Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1991
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1991
Sucedido por
Grande Prêmio de San Marino de 1991
Precedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1990
Grande Prêmio do Brasil
20ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1992