Grande Prêmio do Brasil de 1990

Grande Prêmio do Brasil
de Fórmula 1 de 1990
Circuit Interlagos.svg
Nono GP do Brasil realizado em Interlagos
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 25 de março de 1990
Nome oficial XIX Grande Prêmio do Brasil
Local Autódromo de Interlagos, São Paulo, São Paulo, Brasil
Total 71 voltas / 307.075 km
Condições do tempo Ensolarado, quente, seco
Pole
Piloto
Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda
Tempo 1:17.277
Volta mais rápida
Piloto
Áustria Gerhard Berger McLaren-Honda
Tempo 1:19.899 (na volta 55)
Pódio
Primeiro
França Alain Prost Ferrari
Segundo
Áustria Gerhard Berger McLaren-Honda
Terceiro
Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda

Resultados do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 realizado em Interlagos em 25 de março de 1990.[1] Segunda etapa da temporada, esta prova marcou o retorno da categoria à cidade de São Paulo após dez anos de ausência e teve como vencedor o francês Alain Prost em seu primeiro triunfo pela Ferrari.[2] Ao seu lado no pódio estavam Gerhard Berger e Ayrton Senna, pilotos da McLaren-Honda.[nota 1]

ResumoEditar

A volta para São PauloEditar

Presidente da Confederação Brasileira de Automobilismo, Piero Gancia, chegou a Paris em 19 de abril de 1989 a fim de consultar a Federação Internacional de Automobilismo Esportivo (FISA) sobre a transferência da etapa brasileira para Interlagos, embora Jacarepaguá tivesse sediado o Grande Prêmio do Brasil há menos de um mês.[3] Sabedor dos questionamentos a respeito de sua atitude, afirmou: "Não estamos tentado roubar o GP do Rio. Queremos, isto sim, salvar o GP do Brasil, que após os incidentes deste ano está ameaçado de não existir".[4] Embora não falasse abertamente, referia-se ao acidente que deixou tetraplégico o francês Philippe Streiff.[5]

Sabendo que o Autódromo de Interlagos não integrava a calendário mundial da velocidade desde Grande Prêmio do Brasil de 1980,[6] quando o francês René Arnoux, então na Renault, conquistou a primeira vitória de sua carreira e com as pesadas críticas a respeito do atendimento médico prestado a Streiff ainda em sua memória,[7] Piero Gancia consultou a prefeita de São Paulo, Luiza Erundina, quanto à realização de uma reforma em Interlagos para trazer a Fórmula 1 de volta à capital paulista e logo a mandatária sentenciou: "desde que os recursos venham da iniciativa privada".[4]

No dia 12 de novembro de 1989 Luiza Erundina, Piero Gancia e Tamas Rohonyi, representante de Bernie Ecclestone, presidente da Associação dos Construtores da Fórmula 1 (FOCA), anunciaram o regresso da categoria à capital paulista e em menos de um mês foi divulgado o calendário de 1990 onde a etapa brasileira ocorreria em 25 de março.[8] Logo começaram as reformas em Interlagos: uma nova torre de controle, sala de imprensa, centro médico, novas arquibancadas e áreas de escape, além de muros de proteção, contudo nada causou mais furou que as modificações no traçado de Interlagos, embora o miolo do circuito permanecesse intocado. A pista teve sua extensão reduzida de 7.960 metros para apenas 4.325, resultado da supressão das curvas um e dois, embora a adição de um "S" em descida ligando a antiga curva um à Curva do Sol parecesse uma compensação justa. Entretanto, para desgosto de Ayrton Senna, o novo trecho deveria ser percorrido em alta velocidade tão logo os pilotos viessem da reta dos boxes, mas ao invés disso serviria como redutor da velocidade dos carros.[9]

Após a inspeção da FISA o novo circuito foi homologado e suas dependências franqueadas aos competidores numa quinta-feira, três dias antes da prova. Assim eles poderiam conhecer a nova pista e habituar-se à mesma, conforme regulamento vigente à época.[10]

Polêmicas de BalestreEditar

Como se não bastasse o entrevero entre Alain Prost e Ayrton Senna no Grande Prêmio do Japão de 1989[11] e a ameaça de impedir a participação do brasileiro no campeonato do ano seguinte,[12] Jean-Marie Balestre ameaçou cancelar a prova em São Paulo em meio às queixas sobre a violência no Brasil e a surpresa causada pela outorga do Plano Collor, segundo ele a prova inequívoca do colapso econômico do país. Absurda, pois pilotos e equipes estavam aptos a competir, tal intenção não encontrava amparo no regulamento da categoria. Alheio aos fatos, Balestre ameaçou cancelar o evento e depois autorizou sua realização.[13] Agastado, Bernie Ecclestone sentenciou: "Isso tudo é uma grande besteira de Balestre. Ele adora estar sempre em evidência. O melhor que os jornalistas brasileiros têm a fazer é ignorá-lo. Ele não tem poder para cancelar o GP, pois o circuito não apresenta nenhum problema".[14]

Misteriosamente curado de uma gripe que, em tese, o impediria de comparecer à cidade de São Paulo, Balestre foi irônico ao comentar as vaias estrepitosas que recebeu em Interlagos: "adoro, adoro".[15] No entanto queixou-se da imprensa, pois segundo ele "as vaias comprovam a eficiência da imprensa brasileira. Se vocês não conseguem garantir uma recepção cortês, podemos não voltar aqui. O campeonato de F1 é nosso". Alegando destemor, ele admitiu: "Para mim está, acima de tudo, o prazer perverso de enfrentar um público em delírio". Jocoso, lembrou que nas suas visitas anteriores a Interlagos, as vitórias foram francesas (Jacques Laffite pela Ligier em 1979 e René Arnoux pela Renault em 1980),[16][6] mas assegurou não estar manipulando o campeonato de Fórmula 1.

Treinos em InterlagosEditar

Dono do melhor tempo desde os treinos extraoficiais, Ayrton Senna confirmou o primeiro lugar no momento decisivo ao marcar 1:17.277 nos instantes finais do treino, tendo ao seu lado no grid a presença do austríaco Gerhard Berger numa primeira fila da McLaren.[17] A seguir uma surpresa, pois Thierry Boutsen e Riccardo Patrese capturaram a segunda fila para o conjunto Williams-Renault deixando para trás os bólidos da Ferrari com Nigel Mansell à frente de um discreto Alain Prost. Merece destaque o sétimo lugar obtido pela Tyrrell de Jean Alesi, provando que sua exibição há duas semanas no Grande Prêmio dos Estados Unidos não foi algo fortuito. Dentre os brasileiros tivemos o décimo terceiro lugar de Nelson Piquet com sua Benetton (não obstante a potência do motor Ford) e a frustração de Maurício Gugelmin cuja equipe, a Leyton House, não classificou nenhum carro.[18] Além disso, Roberto Moreno falhou com sua Eurobrun logo na pré-qualificação.[17]

Senna erra, Prost venceEditar

No momento da largada a McLaren fez valer as melhores posições e Ayrton Senna manteve-se adiante de Gerhard Berger num dueto de sete voltas até que o austríaco foi ultrapassado por Thierry Boutsen na reta dos boxes e dez giros mais tarde foi Prost quem deixou para trás o companheiro de Senna, aquela altura seis segundos à frente de Boutsen enquanto este mantinha Prost à distância. Dada a aparente modorra, foi necessária a mão do imponderável para mudar o curso dos acontecimentos: no momento em que se dirigia aos boxes para fazer seu pit stop, Boutsen errou o ponto de freada e um de seus mecânicos pulou para não ser atingido, mas o pneu segurado pelo mesmo atingiu a asa dianteira da Williams, danificando-a. Infelizmente para o piloto belga suas chances de vitória acabaram ali, na trigésima volta, e na pista foi restabelecida a conhecida dobradinha entre Senna e Prost, mas agora com os pilotos em escuderias distintas. Contudo os corredores em questão logo fizeram suas paradas e assim Berger liderou as voltas 33 e 34.[2]

De volta à pista em primeiro lugar, Senna estava adiante de Prost enquanto Patrese cedeu o terceiro lugar a Berger tão logo o italiano seguiu rumo aos boxes. Dez segundos à frente de seu maior rival, Senna parecia tranquilo e sem obstáculos rumo a inédita vitória em seu país, contudo um erro de julgamento (tomando por base sua maior experiência na Fórmula 1 e o título mundial de 1988) por parte do brasileiro o fez perder a vitória: na quadragésima volta Senna aproximou-se do retardatário Satoru Nakajima e na altura do Bico de Pato, um ponto de baixa velocidade, o piloto da McLaren iniciou a ultrapassagem, mas a inabilidade de Nakajima combinada às condições de pista e o mau arbitramento de Senna resultaram num choque que danificou a asa dianteira de sua McLaren obrigando-o a fazer um pit stop extra.[19][20]

Terceiro colocado em sua volta ao asfalto, Senna estava a 30 segundos de Prost e sem condições de alcançar até mesmo Berger, então o segundo colocado. Sem maiores acontecimentos a prova chegou ao fim e nela Alain Prost atingiu 40 vitórias na Fórmula 1, sexta no Grande Prêmio do Brasil e a primeira como piloto da Ferrari, com Gerhard Berger e Ayrton Senna, defensores da equipe McLaren-Honda, ao seu lado no pódio. Mesmo líder da competição com 13 pontos, Senna estava nitidamente decepcionado enquanto Prost não escondia sua emoção, sendo que os inimigos figadais receberem seus troféus das mãos do presidente Fernando Collor. Completaram a zona de pontuação os pilotos Nigel Mansell (Ferrari), Thierry Boutsen (Williams) e Nelson Piquet (Benetton), sendo que este último superou a Tyrrell de Jean Alesi nos metros finais da prova e finalmente pontuou em Interlagos. Por sua vez o piloto mais comentado do dia, Satoru Nakajima, terminou em oitavo lugar.[2][1]

Ao comentar o incidente com Satoru Nakajima (de quem foi companheiro na Lotus) Ayrton Senna declarou: "Esperei umas quatro, cinco curvas atrás dele, daí ele abriu a porta. Quando eu entrei, ele decidiu voltar. Freei forte, mas não deu para evitar o choque". Por sua vez o japonês da Tyrrell, descreveu assim o ocorrido: "Fiquei à esquerda da pista assim que vi as bandeiras azuis. Essa parte estava muito suja. Eu escorreguei quando Ayrton passou. Espero que ele saiba que sinto muito, que não foi intencional".[2] Expostas as visões de cada um resta ao circo da velocidade partir rumo ao próximo desafio.

ResultadosEditar

Pré-classificaçãoEditar

Pos. Número Piloto Equipe Volta mais rápida Diferença
1 29   Eric Bernard Lola-Lamborghini 1:23.763
2 30   Aguri Suzuki Lola-Lamborghini 1:23.982 + 0.219
3 14   Olivier Grouillard Osella-Ford 1:23.987 + 0.224
4 18   Yannick Dalmas AGS-Ford 1:24.015 + 0.252
5 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford 1:24.265 + 0.502
6 33   Roberto Moreno Eurobrun-Judd 1:25.763 + 2.000
7 31   Bertrand Gachot Coloni-Subaru 1:34.046 + 10.283
8 34   Claudio Langes Eurobrun-Judd 1:39.188 + 15.425
9 39   Gary Brabham Life

Treino de classificaçãoEditar

Pos. Piloto Equipe Q1 Q2 Diferença
1 27   Ayrton Senna McLaren-Honda 1:17.769 1:17.277
2 28   Gerhard Berger McLaren-Honda 1:17.888 1:18.504 + 0.611
3 5   Thierry Boutsen Williams-Renault 1:18.375 1:18.150 + 0.873
4 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 1:18.465 1:18.288 + 1.011
5 2   Nigel Mansell Ferrari 1:18.509 1:19.475 + 1.232
6 1   Alain Prost Ferrari 1:18.631 1:18.884 + 1.354
7 4   Jean Alesi Tyrrell-Ford 1:19.230 1:18.923 + 1.646
8 23   Pierluigi Martini Minardi-Ford 1:19.039 1:19.688 + 1.762
9 22   Andrea de Cesaris Dallara-Ford 1:19.125 1:19.964 + 1.848
10 26   Philippe Alliot Ligier-Ford 1:19.309 + 2.032
11 29   Eric Bernard Lola-Lamborghini 1:19.406 1:21.024 + 2.129
12 8   Stefano Modena Brabham-Judd 1:19.425 1:20.126 + 2.148
13 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 1:19.629 1:20.317 + 2.352
14 12   Martin Donnelly Lotus-Lamborghini 1:20.032 + 2.755
15 19   Alessandro Nannini Benetton-Ford 1:20.055 1:20.317 + 2.778
16 21   Gianni Morbidelli Dallara-Ford 1:20.164 1:20.229 + 2.887
17 24   Paolo Barilla Minardi-Ford 1:20.282 1:21.121 + 3.005
18 30   Aguri Suzuki Lola-Lamborghini 1:20.557 1:21.086 + 3.280
19 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Ford 1:20.568 1:21.086 + 3.291
20 25   Nicola Larini Ligier-Ford 1:20.650 1:20.794 + 3.373
21 14   Olivier Grouillard Osella-Ford 1:21.292 1:20.884 + 3.607
22 7   Gregor Foitek Brabham-Judd 1:20.965 1:20.902 + 3.625
23 9   Michele Alboreto Arrows-Ford 1:20.920 1:21.002 + 3.643
24 11   Derek Warwick Lotus-Lamborghini 1:21.244 1:20.998 + 3.721
25 10   Alex Caffi Arrows-Ford 1:21.065 1:22.057 + 3.788
26 18   Yannick Dalmas AGS-Ford 1:22.426 1:21.087 + 3.810
27 35   Stefan Johansson Onyx-Ford 1:21.241 1:22.184 + 3.964
28 36   J. .J. Lehto Onyx-Ford 1:21.323 1:21.417 + 4.046
29 16   Ivan Capelli Leyton House-Judd 1:21.383 1:21.422 + 4.106
30 15   Maurício Gugelmin Leyton House-Judd 1:21.616 1:22.862 + 4.339

CorridaEditar

Pos. Piloto Equipe Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 1   Alain Prost Ferrari 71 1:37:21.258 6 9
2 28   Gerhard Berger McLaren-Honda 71 + 13.564 2 6
3 27   Ayrton Senna McLaren-Honda 71 + 37.722 1 4
4 2   Nigel Mansell Ferrari 71 + 47.266 5 3
5 5   Thierry Boutsen Williams-Renault 70 + 1 volta 3 2
6 20   Nelson Piquet Benetton-Ford 70 + 1 volta 13 1
7 4   Jean Alesi Tyrrell-Ford 70 + 1 volta 7
8 3   Satoru Nakajima Tyrrell-Ford 70 + 1 volta 19
9 23   Pierluigi Martini Minardi-Ford 69 + 2 voltas 8
10 19   Alessandro Nannini Benetton-Ford 68 Pneus desgastados 15
11 25   Nicola Larini Ligier-Ford 68 + 3 voltas 20
12 26   Philippe Alliot Ligier-Ford 68 + 3 voltas 10
13 6   Riccardo Patrese Williams-Renault 65 Pressão do óleo 4
14 21   Gianni Morbidelli Dallara-Ford 64 +7 voltas 16
Ret 10   Alex Caffi Arrows-Ford 49 Embreagem 25
Ret 12   Martin Donnelly Lotus-Lamborghini 43 Spun off 14
Ret 8   Stefano Modena Brabham-Judd 39 Spun off 12
Ret 24   Paolo Barilla Minardi-Ford 38 Motor 17
Ret 18   Yannick Dalmas AGS-Ford 28 Suspensão 26
Ret 11   Derek Warwick Lotus-Lamborghini 25 Pane elétrica 24
Ret 30   Aguri Suzuki Lola-Lamborghini 24 Suspensão 18
Ret 9   Michele Alboreto Arrows-Ford 24 Suspensão 23
Ret 7   Gregor Foitek Brabham-Judd 14 Transmissão 22
Ret 29   Eric Bernard Lola-Lamborghini 13 Câmbio 11
Ret 14   Olivier Grouillard Osella-Ford 8 Batida 21
Ret 22   Andrea de Cesaris Dallara-Ford 0 Batida 9
DNQ 35   Stefan Johansson Onyx-Ford
DNQ 36   J. J. Lehto Onyx-Ford
DNQ 16   Ivan Capelli Leyton House-Judd
DNQ 15   Maurício Gugelmin Leyton House-Judd
DNPQ 17   Gabriele Tarquini AGS-Ford
DNPQ 33   Roberto Moreno Eurobrun-Judd
DNPQ 31   Bertrand Gachot Coloni-Subaru
DNPQ 34   Claudio Langes Eurobrun-Judd
DNPQ 39   Gary Brabham Life

Tabela do campeonato após a corridaEditar

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas. Entre 1981 e 1990 cada piloto podia computar onze resultados válidos por temporada não havendo descartes no mundial de construtores.

Notas

  1. Voltas na liderança: Ayrton Senna, 38 voltas (1-32; 35-40), Gerhard Berger 2 voltas (33-34), Alain Prost 31 voltas (41-71).

Referências

  1. a b «1990 Brazilian Grand Prix - race result». Consultado em 20 de abril de 2019 
  2. a b c d Fred Sabino (25 de março de 2020). «Frustração para Senna, vitória para Prost: GP do Brasil de F1 voltou para Interlagos há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de março de 2020 
  3. Fred Sabino (26 de março de 1989). «Maurício Gugelmin subiu pela única vez ao pódio na Fórmula 1 na última prova no Rio, há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de março de 2020 
  4. a b Gancia viaja para mudar GP (online). Jornal do Brasil, 2ª edição, Rio de Janeiro (RJ), 19/04/1989. Primeiro caderno, Esportes, p. 26. Página visitada em 25 de março de 2020.
  5. Fred Sabino (26 de junho de 2018). «Philippe Streiff teve carreira interrompida após acidente em Jacarepaguá». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de março de 2020 
  6. a b Fred Sabino (27 de janeiro de 2020). «Última corrida de Fórmula 1 no velho traçado de Interlagos teve vitória de René Arnoux, há 40 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de março de 2020 
  7. Fred Sabino (15 de março de 2019). «O triste destino de Philippe Streiff, tetraplégico após acidente há 30 anos, em Jacarepaguá». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 25 de março de 2020 
  8. BASCCHERA, Roberto. Erundina anuncia F-1 em São Paulo (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 13/11/1989. Matutina, Esportes, p. 07. Página visitada em 26 de março de 2020.
  9. Fred Sabino (1 de fevereiro de 2020). «Com participação de Ayrton Senna, pista de Interlagos ganhou novo traçado há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 1º de fevereiro de 2020 
  10. Fred Sabino (22 de março de 2020). «Autódromo de Interlagos foi reinaugurado há 30 anos para volta do GP do Brasil de F1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 26 de março de 2020 
  11. Fred Sabino (22 de outubro de 2019). «Senna x Prost: auge da guerra teve acidente entre rivais em corrida épica no Japão há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 26 de março de 2020 
  12. Fred Sabino (25 de janeiro de 2020). «Há 30 anos, Senna teve ameaçada participação no campeonato após discussões públicas com Balestre». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 26 de março de 2020 
  13. Ferraz, Sílvio. Balestre ameaça, faz cena, mas libera GP (online). Jornal do Brasil, 2ª edição, Rio de Janeiro (RJ), 23/03/1990. Primeiro caderno, Esportes, p. 18. Página visitada em 26 de março de 2020.
  14. Um fantasma francês assusta Interlagos (online). Jornal do Brasil, 2ª edição, Rio de Janeiro (RJ), 23/03/1990. Primeiro caderno, Esportes, p. 18. Página visitada em 26 de março de 2020.
  15. Público vaia e Balestre gosta (online). Jornal do Brasil, 2ª edição, Rio de Janeiro (RJ), 25/03/1990. Primeiro caderno, Esportes, p. 26. Página visitada em 27 de março de 2020.
  16. Fred Sabino (4 de fevereiro de 2019). «Com presença ilustre de George Harrison, Ligier atropelou rivais em Interlagos há 40 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 27 de março de 2020 
  17. a b «Brazilian GP, 1990 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 27 de março de 2020 
  18. EGGERS, Moraes. Senna melhora tempo e confirma a pole (online). Folha de S.Paulo, São Paulo (SP), 25/03/1990. Esportes, p. D-1. Página visitada em 27 de março de 2020.
  19. Fred Sabino (9 de maio de 2020). «Até a consagradora vitória de 1991, Ayrton Senna enfrentou incômodo tabu no GP do Brasil». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 9 de maio de 2020 
  20. Fred Sabino (12 de novembro de 2018). «Mais uma vez Interlagos vê retardatário se envolvendo em batida com o líder». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 20 de abril de 2019 
Precedido por
Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1990
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1990
Sucedido por
Grande Prêmio de San Marino de 1990
Precedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1989
Grande Prêmio do Brasil
19ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1991